Arquivo da tag: smartphone

Guia: Como escolher o smartphone ideal

Já imaginou comprar um smartphone e, horas depois de chegar da loja, bater aquele arrependimento? Qual aparelho vai te atender melhor: um Xiaomi RedMi 9t ou um Samsung A80? Acredite, dificuldade para escolher um aparelho é mais comum do que parece. Afinal, existem tantas opções no mercado com preços tão similares, que é comum elevar as expectativas acerca de um smartphone e, no final, sair com um abacaxi nas mãos. O problema é que a maioria das pessoas não leva em consideração alguns fatores, antes de decidir qual modelo comprar.

Pensando nisso, e com a proximidade da Black Friday, decidimos apontar os principais pontos a serem analisados na hora de comprar um aparelho celular. 

Armazenamento

Antes de comprar um celular, você deve responder a seguinte pergunta: qual será o maior uso que darei a ele? Tem gente que adora carregar toda a discografia do U2. Soma-se a isso, que o usuário pode querer instalar aplicativos e jogos, além de não dispensar ter à mão todas as fotos de sua infância, vídeos de gatos fofinhos, ebooks e todo tipo de parafernália que encontrar na internet. Um aparelho com boa memória será indispensável. Se antes os modelos com 8GB de armazenamento interno eram suficientes, hoje em dia um modelo com 32GB já parece pouco. Vale lembrar que, diferente de qualquer outra fabricante, os aparelhos da Apple não permitem expandir a memória através de cartões de memória.

É bem verdade que há serviços de armazenamento através da nuvem. Mas, para quem quer praticidade e velocidade, um aparelho com boa memória é indispensável. Felizmente, é possível encontrar opções a preços razoáveis, com capacidade de armazenamento de 64GB e entrada para cartões de memória. 

Memória RAM

Outro fator indispensável é a memória RAM, o cérebro do seu smartphone. Quanto maior a memória, melhor o desempenho. Se o seu aparelho tiver pouca memória RAM, é fatal que ocorrerão travadas e lentidões constantes. É até possível que alguns aplicativos mais pesados não abram, como jogos mais novos como PUBG, Asphalt 9 ou Free Fire.

Obviamente que, se a sua necessidade é acessar e-mails ou tirar fotos, não vai precisar de um processador poderoso, até por que este é um dos fatores que mais encarecem o aparelho. Para quem quer manter um aparelho durante alguns anos e aproveitar as novidades do mundo dos games, o ideal é comprar um celular octa-core. Mas, se o seu uso será intermediário e não quer gastar muito, um aparelho com 6GB de RAM estará mais do que satisfatório.

  • Facebook e WhatsApp – 4GB de RAM
  • Games pesados – 6GB de RAM
  • Acessar de tudo e realizar trabalhos do Office no celular – 8GB de RAM

OS e loja online

O sistema operacional é responsável por gerenciar os recursos do sistema (definir qual programa recebe atenção do processador, administrar a memória, criar um sistema de arquivos, etc.), fornecendo uma interface entre o aparelho e o usuário. Atualmente, existem duas opções prioritárias no mercado: Android e iOS. Há quem acredite que o iOS da Apple é melhor, por ser otimizado para o aparelho a que se destina, evitando engasgos durante a utilização. Outros acreditam que o Android é mais benéfico, pois a loja Google Play tem maior liberdade de utilização.

Na prática, as diferenças entre os sistemas são poucas, se o usuário desconsiderar questões estéticas e o layout. O Android é bastante customizável, enquanto que o iOS é mais restrito, porém com uma segurança maior – já que a Apple tem uma política rígida para disponibilização de aplicativos em sua loja.

Talvez mais do que a interface, a briga entre iOS e Android se deva mesmo ao que é disponibilizado nas lojas online (Google Play e App Store). De acordo com levantamento da appFigures, o Google Play possui maior número de aplicativos na loja, contudo os principais aplicativos como Facebook e Whatsapp estão disponíveis para os dois sistemas operacionais. Entre um e outro, depende do gosto do usuário. Só não vá cometer o engano de comprar um Windows Phone, pois a Microsoft acaba de anunciar que a loja será encerrada em dezembro deste ano. 

Tamanho de tela

O tamanho da tela pode não parecer grande coisa a se levar em consideração. Mas, na prática, quem quer usar o celular para jogos ou leitura vai querer uma tela maior, pois ela representa mais conforto e espaço para utilização. Uma tela de 4 polegadas (sim, ainda é possível encontrar) pode te fazer forçar a vista e causar desconforto. Há sempre a opção de se comprar um tablet, porém o tamanho excessivo pode ser um problema, principalmente para carregar no bolso.

Pesquisa da DeviceAtlas, em 2018, demonstra que as preferências dos usuários estão para celulares com, pelo menos, 5 polegadas. E por falar em tela, é importante também ficar de olho na resolução, pois se a intenção é assistir vídeos em alta resolução ou jogar jogos, é bom ter uma tela de alta performance. Telas Full HD são capazes de exibir vídeos e games em alta resolução e, se o celular for otimizado, os resultados poderão ser surpreendentes. O problema é o preço que pode ser proibitivo. Não por acaso, a maioria das pessoas opta por telas HD (720p).

Abaixo, há uma tabela que ilustra qual a melhor qualidade e o tamanho de tela recomendados para sua utilização:

Utilização para pacote office 5’’ ou superior – HD
Multitarefa 5’’ ou superior – Full HD
Vídeos e Jogos eletrônicos 6’’ ou superior – Full HD
Uso básico 4’’ ou superior – Full HD

 Bateria

A maioria das pessoas tem um problema em comum: sair cedo para trabalhar e voltar apenas à noite. Nesse meio tempo é impossível não fazer uso do celular, seja para trabalhar ou entrar em contato com algum familiar ou amigo. Infelizmente, a maioria dos aparelhos celulares não conta com boa autonomia de bateria, deixando seu usuário obrigado a utilizar Power Banks ou ter de levar carregadores pra todo lado. Deste modo, um dos requisitos mais importantes na hora de escolher um aparelho é a autonomia da bateria.

Basicamente, o que determina a durabilidade da carga das baterias é a capacidade de retenção da carga (medida em mAh – milliampères/hora). O que você deve ficar de olho é a quantidade que a bateria suporta- quanto mais mAh de potência ela tem, mais energia o aparelho armazena. A maioria dos aparelhos possui média de 3.000 mAh de potência, o que representa autonomia aproximada de 10 horas de uso moderado. O problema é que, se o usuário faz uso acentuado do aparelho, a autonomia não dura mais que 6 horas. Atualmente, existem duas tecnologias para fabricação de baterias: íons de lítio e Li-Polymer (polímero de lítio). A primeira é mais popular, porém pode sofrer problemas de superaquecimento, enquanto que a segunda é mais compacta. A composição química é a mesma, então essas especificações não são essenciais aos usuários. O importante mesmo é ficar atento na medida de mAh. Há baterias que chegam a 10.000 mAh. Portanto,se o seu uso for intenso, uma bateria a partir de 7.000 mAh deve durar o dia todo, como o ASUS Zenfone Max. 

Câmera

Quanto à câmera, é um ponto complicado de definir qual a melhor. Foi-se o tempo em que apenas a quantidade de Megapixels ditava qual aparelho tinha a melhor câmera. O que as fabricantes levam em conta mesmo é a abertura da lente, nitidez, exposição de luz, etc. Esses aspectos técnicos costumam interessar mais os grandes aficionados por fotografia. O iPhone X, por exemplo, possui “apenas” 12 megapixels, mas está entre as mais elogiadas das últimas décadas.

Para quem curte tirar selfies, uma ótima aquisição é o aparelho Galaxy A8, que possui duas câmeras de 16MP e outra de 8 MP. Um dos recursos é a ferramenta que embeleza as fotos do usuário.

Newzoo: “Mercado de games para celulares vai movimentar US$ 68,5 bilhões em 2019”

Se você é produtor de jogos eletrônicos e está em início de carreira, olha só essa dica que os dados levantados pela pesquisa Global Games Market, da Newzoo, foram capazes de inferir: é extremamente recomendável começar investindo no mercado de jogos mobile. Isso porque o mercado de games para dispositivos móveis representa a maior parcela do faturamento da indústria de jogos eletrônicos. De acordo com a análise, em 2019 os games mobile vão movimentar US$ 68,5 bilhões em 2019.

A quantia equivale a 45% da receita total do mercado de games. Uma vez que esses jogos demandam orçamentos menores, é muito recomendável começar explorando esse filão. Ainda de acordo com a pesquisa da Newzoo, a receita proveniente de jogos mobile vai superar a dos games para PC e para videogames nos próximos anos. No brasil a hegemonia dos celulares já é evidente: dos 66% da população brasileira que joga videogames, 83% preferem fazê-lo por meio de um smartphone, conforme dados da Pesquisa Game Brasil 2019.

Com o avanço do poder de processamento, melhores redes 4G e a portabilidade, as empresas veem no mercado mobile uma forma de proporcionar experiências antes facilmente encontradas em consoles e PCs, na palma da mão.

“O brasileiro é apaixonado por internet e, neste sentido, possui um hábito de consumo semelhante ao perfil do público chinês”, explica Lucas Peng, gerente da Nimo TV, um dos principais serviços de streaming na China e que já oferece serviços no Brasil. “Estamos em sintonia com as tendências no mercado e por isso apostamos muito no consumo de celular”, completa.

Entre as novidades que a Nimo TV está trazendo para seu serviço está o Game Zone, área do site dedicada para reunir as principais notícias de seus games favoritos assim que for buscar por canais de seus principais streamers. O objetivo da Nimo TV é se tornar a principal plataforma de streaming mobile do Brasil. Para isso, a empresa oferece transmissão de campeonatos de games mobile e presença dos principais de Free Fire no catálogo da plataforma: Piuzinho, El Gato e Playhard estão entre os mais populares na plataforma, trazendo conteúdo e humor nas partidas de seus canais.

Top 5: acessórios para mobile gamers

Tem quem torça o nariz para jogos mobile, desdenhando da capacidade e o alcance que jogos menores tem. O que essas pessoas não se dão conta é que são justamente os jogos mobile àqueles que mais movimentam dinheiro no grande negócio dos jogos eletrônicos e são justamente eles que mais possuem adeptos ao redor do mundo. Justamente por isso dezenas de empresas mundo afora investem pesado em jogos e acessórios para tornar a jogatina móvel mais prazerosa.

Foi justamente pensando nisso que a Gorila Shield elaborou uma pequena lista de cinco acessórios ideiais para quem curte jogos para dispositivos mobile. Tem um pouco de tudo: de headset a gamepad. Dá para transformar seu smartphone em um console portatil bem estiloso e confortável.

“A indústria sempre foi muito focada no público masculino. A verdade é que se trata de uma atividade que muitas meninas também têm interesse, e a popularidade de jogos para smartphone entre elas ajudou a comprovar essa ideia”, diz Michelle Martins, da GorilaShield. Com o objetivo de tornar a experiência das mulheres geeks ainda melhor, a loja virtual fez uma seleção de acessórios imprescindíveis:

1. Gamepad

Os filhos dos anos 1990 e 2000 cresceram com os controles dos famosos consoles e portáteis Nintendo ou Sony em mãos, intuitivos e fáceis de manusear, diferentemente dos celulares, que exigem muita habilidade para executar as ações nos jogos com o toque na tela. Para criar uma experiência mais confortável, recomenda-se um gamepad, como o Red Knight ou o Pirate, que podem ser utilizados por usuários Android e iOS.

 

2. Suporte de pescoço

Assistir inúmeros vídeos de gameplay e descobrir os segredos e técnicas necessárias para zerar um jogo difícil pode ser uma tarefa exaustiva. Para que as meninas não deem mal jeito no pescoço ou fiquem com dor nas costas enquanto desvendam os mistérios dos seus apps favoritos, a Gorila Shield selecionou os suportes para smartphones, que podem ser utilizados em casa e no transporte público e são muito úteis também em longas viagens, sejam elas de carro, ônibus ou avião.

3. Headphones

Imergir no universo de fantasia, aventura e combates é parte importante dos jogos e, para criar essa atmosfera, os sons são indispensáveis. Para que a experiência seja completa, adquirir fones de ouvido de qualidade é essencial. Geralmente, os mais confortáveis e potentes são os headphones, como o Headset Tank; para quem prefere um modelo mais compacto, o Dual Tank entrega igual qualidade sonora. Ambos se conectam aos celulares via bluetooth, prevenindo que as pessoas se enrosquem nos fios.

4. Carregador portátil

Com tantos dispositivos – gamepads, headphones, os próprios celulares –, é preciso ter um carregador que reponha a bateria de mais de um deles por vez, sem abusar das tomadas de casa ou deixar o usuário na mão quando estiver na rua, em meio à correria do dia a dia. O Turbo Dual Shock resolve o problema e mantém os equipamentos vivos o dia todo com suas duas saídas USB.

5. Organizadores

Em meio aos diferentes gadgets, evitar que os fios enrosquem ou que alguma peça seja perdida é importante para não os inutilizar ou ter que gastar na compra de um novo. A Necessaire Organizadora Guardian ajuda a manter os dispositivos alinhados e seguros por meio de sua estrutura semirrígida, fabricada com material termomoldado.

Conheça Life is a Game, game que mistura simulador de vida com o gênero Infinite Runner

Nosso destaque do dia veio diretamente da Coréia do Sul e é um prato cheio para quem curte games mobile. Trata-se de Life is a Game, da produtora DaeriSoft, que mistura os gêneros simulador e infinite runner. A mistura é bem incomum, mas merece uma olhada graças a sua jogabilidade simples e sua metáfora da vida humana.

Basicamente você deve acompanhar a vida de uma pessoa desde seu nascimento até a morte em breves passagens que ilustram momentos chaves de sua existência. O macete é que o jogador deve fazer escolhas ao longo da vida, tais como qual namorada arrumar, qual profissão seguir, manter contato com amigos etc.

A jogabilidade de Life is a Game é bem rápida, de modo que o jogador não chega a cansar da partida, além disso, há alguns extras interessantes que funcionam como conquistas. O objetivo é viver o maior número de vidas possível. Quanto mais vidas você tiver vivido, mais conquistas terá, novas aparências são disponibilizadas e cidades são liberadas.

Life is a Game

Life is a Game premia quem mantém um estilo de vida único. Se você, por exemplo, for uma criança peralta que rabisca as paredes, na vida adulta fica mais fácil se tornar um pintos de renome. Outra coisa interessante é que você deve coletar itens e manter os relacionamentos vivos a fim de manter a felicidade do personagem em alta, do contrário ele acaba se suicidando ou tendo uma vida solitária.

O maior destaque do título é seu visual em pixel art. É um colírio para os olhos dos retrogamers. A cada vez que você chega ao fim da vida de um determinado personagem, o game exibe uma sequência de encerramento em pixel art bem interessante – totalmente inspiradas nas decisões que o jogador tomou.

O game Life is a Game está disponível para download em português do Brasil através da Google Play.

Abaixo tem um trailer de Life is a Game:

Copa do Mundo da Rússia – Conheça seis jogos gratuitos para Android que vão te deixar no clima para torcer pelo Brasil

O clima de futebol já está por toda a parte! Milhões de brasileiros vestiram a amarelinha para torcer por nossos campeões na Rússia. Hoje vamos listar seis jogos gratuitos para dispositivos mobile para quem quer entrar no clima da Copa e desafiar os amigos em partidas arrasadoras.

Cada um dos jogos listados são de gêneros diferentes e possuem objetivos distintos, de modo que você não vai ver uma lista com oito simuladores ou dois jogos parecidos. Os jogos aqui foram escolhidos devido à sua qualidade e fator diversão. Vale dizer que quase todos os games aqui são bastante casuais e gratuitos.

 

Zezin na Copa da Rússia

O jogo que abre nossa lista é Zezin na Copa da Russia, do estúdio indie brasileiro ChackPoint. O título, que já foi tema aqui no GameReporter, coloca o jogador no controle de Zezin, um garoto aficionado por futebol. Você deve ajudar o garoto a fazer o maior número de embaixadinhas possível.

A jogabilidade é bem simples e divertida e o sistema de ranking é ideal para desafiar seus amigos por aí. O grande macete mesmo é que o título faz uso da realidade aumentada, de modo que você pode levar Zezin para fazer embaixadas em qualquer ambiente da sua casa ou do seu trabalho. Baixe Zezin na Copa da Russia aqui.

 

Top Eleven

Este aqui é para quem acha que o trabalho de técnico de futebol é moleza. Top Eleven é produzido pelo estúdio indie Nordeus e o objetivo aqui é dirigir seu próprio time de futebol, criando estratégias, escalando os melhores jogadores, assinando contratos de patrocínio e administrando treinos para melhorar suas chances de vitória.

O game tem um foco bem centrado na comunidade online, de modo que você pode desafiar outros times ao redor do mundo. De acordo com a desenvolvedora, há mais de 170 milhões de jogadores em todo o mundo, alguns dos quais já se dedicaram ao título por oito anos. Chegar ao posto de melhor técnico do mundo e vencer a Copa do Mundo não será tarefa fácil. O download é gratuito.

 

Finger Soccer Coins

Você se lembra do clássico Futebol de Botão? Pois então, a Free Mobile Sport Games reviveu a diversão da garotada para os celulares. A jogabilidade é bem fácil: basta apontar a direção da jogada e tentar acertar a bola no gol. E sim, fazer isso é extremamente viciante.

Figer Soccer Coins possui diversos torneios e é possível bolar estratégias para derrotar os adversários. A Free Mobile Sport, desenvolvedora do jogo, ainda incluiu desafios diversos para manter os jogadores entretidos. Este game é ideal para quem quer reviver a infância. Acesse o jogo através do Google Play.

 

Futebol FIFA: FIFA World Cup

Como falar de futebol digital sem mencionar a franquia nº 1 do gênero? A versão mobile não pode ser equiparada às versões de consoles e PC, porém a Electronic Arts fez um serviço de respeit para manter os fãs de simuladores de futebol entretidos. Este aqui é o título mais complexo e trabalhado da lista, mas afinal este é o único game inteiramente licenciado para a Copa.

Em comemoração ao Mundial da Rússia, a EA adicionou mapas e modos únicos, além de disponibilizar todas as 32 nações classificadas. Além de tentar ganhar o caneco, os jogadores ainda tem um modo que permite fazer previsões dos resultados das partidas reais da FIFA World Cup. Quem acertar pode até ganhar recompensas. Acesse o FIFA World Cup aqui.

 

Head Soccer Russia

Este game é do estúdio espanhol Genera Games e chama as atenções por seu estilo caricato e jogabilidade simples, porém divertida. As partidas lembram o clássico “Gol a Gol”, ou seja, apenas um jogador defendendo sua seleção para cada lado. Ganha quem fizer mais gols até o fim da partida (obviamente).

Cada jogador possui habilidades e jogadas especias para derrotar os adversários e as partidas costumam ser bem rápidas. Head Soccer Russia possui quatro modos de jogo para tornar a jogatina ainda melhor. Demora um tempo até pegar o jeito, mas quando você aprende a jogar, acaba se viciando. Download gratuito aqui.

 

World Cup Penalty 2018

Este é o jogo para quem curte fortes emoções! Esqueça as táticas e sistemas elaborados, tudo aqui se resume a bater pênaltis e derrotar as seleções adversárias. A jogabilidade é simples: barras indicam a posição e força do chute, enquanto que na hora de defender basta tocar no canto escolhido. Vencer não é fácil, mas traz a emoção característica das decisões por penais. Todas as 32 seleções que estão na Russia estão representadas neste game.  Você pode fazer o download aqui.

PROACOINS – Game similar ao Pokémon Go permite aos jovens de SP trocarem pontuação por curso de inglês

Inspirado pelo sucesso de Pokémon GO, o Teatro Municipal de São Paulo aproveitou a apresentação de Marcelo Tas para lançar o game PROACOINS, um game de realidade aumentada que tem como objetivo cumprir provas na cidade de São Paulo em locais culturais e educacionais. Os jogadores podem visitar até 3500 lugares da cidade a fim de resolver missões específicas e interagir com outros jogadores. O macete é a possibilidade de ganhar até cursos de inglês no Minds English School.

Conforme o jovem vai cumprindo as atividades mais consegue aprimorar o seu avatar. A iniciativa foi feita pelo Instituto PROA que ajuda mais de 600 jovens anualmente e este ano completou 10 anos de existência. Para o planejamento do game e a criação das 10 mil tarefas disponíveis nele, o PROA contou com a parceria da Prefeitura de São Paulo, Secretaria de Cultura, e a desenvolvedora de tecnologia Oracle.

O grande ganho do PROACOINS, além desses jogadores aprenderem mais sobre a própria cidade e evoluírem como cidadãos, é que os estudantes de escolas públicas poderão trocar os seus pontos (moedas virtuais) por vários benefícios educacionais. Entre eles: bolsas em universidades, intercâmbio, ingressos para cinema, e bolsas na Minds English School.

“Apoiamos este game do PROA porque acreditamos que esses jovens podem se desenvolver na carreira e na vida aprendendo um segundo idioma. Só em São Paulo temos 9 escolas da Minds. Ou seja, o estudante que usar o APP e cumprir os pontos necessários, pode trocar por bolsas de estudo da Minds na unidade que for mais próxima”, evidencia Leiza Oliveira, CEO da Minds Idiomas.

O APP, PROACOINS, foi oficializado nesse último sábado, dia 19, como o aplicativo oficial da Virada Cultural. O evento teve recorde de público e através do game, o jogador recebia missões nos palcos, nas atrações que aconteceram nesse último final de semana.
Para saber mais, acesse o site oficial do game.

Feel Sex Appeal – jogo indie para smartphones promete apimentar as relações de casais

O game de hoje é especial para casais que querem apimentar a relação. Criado pelo estúdio paulista Blue Blood Moon Entertainment, Feel Sex Appeal é um card game digital voltado para o público adulto, onde o principal objetivo de inovar e reatar relacionamentos. Basicamente o deck é embaralhado e o jogador deve retirar uma das cartas e em seguida executar a ação pedida na carta.

De acordo com os desenvolvedores, Feel Sex Appeal possui mais de 50 cartas para casais de todas as orientações sexuais se divertirem. Sim, o game conta com o modo para casais e a possibilidade de até 8 jogadores participarem do jogo. Entre as cartas, há ações mais calmas e até ações mais apimentadas.O game conta com um funcionamento que inclui diversas cartas de acordo com sua orientação sexual!

“Analisando o mercado percebemos a necessidade de criar um game que atraísse pessoas de todos os gêneros para esse tipo de público adulto, A Blue Blood Moon Entertainment desenvolveu o Feel sex Appeal visando preencher esta lacuna do mercado. Criamos um aplicativo que fosse totalmente interativo e envolvente para o público adulto. O game está em fase beta, com data de lançamento prevista para primeira quinzena de Março”, diz o comunicado da Blood Moon.

O título é recomendado especialmente para quem quer surpreender o parceiro e apimentar as relações sexuais tanto de casais quanto de grupos. Feel Sex Appeal já foi lançado em modo beta e está disponível para usuários das plataformas Android e iOS, nas lojas Google Play e App Store.

C4 – Jogo desenvolvido por brasileiro é finalista do IMGA Awards GLOBAL 2018

O International Mobile Gaming Awards Global (IMGA GLOBAL) está em sua 14º edição. O evento é dedicado a premiar os melhores jogos para dispositivos mobile e é reconhecido por ser o mais antigo e respeitado evento do gênero. Este ano há uma grata surpresa: um dos finalistas é justamente o jogo brasileiro chamado C4, um puzzler de combinação de cores. Esta é mais uma prova de que os jogos brasileiros estão em franca ascensão.

Para quem não conhece, o IMGA é o mais longevo programa de reconhecimento de jogos para dispositivos móveis, iniciado em 2004. Com sua longa história e processo de avaliação único, trouxe alguns dos mais populares aplicativos do mundo para os holofotes, como Candy Crush Saga e Clash Of Clans. É a única competição que une a indústria através da celebração da excelência e inovação nos jogos.

“Os indicados como o C4 exibem novos patamares de criatividade e a qualidade emergente das produções encontradas nos jogos para dispositivos móveis”, disse, Maarten Noyons, fundador do IMGA. Ou seja, você pode esperar um game diferenciado aqui, que foge do comum, ao passo que entrega uma experiência divertida e elaborada.

O jogo C4 é um quebra cabeça de combinação de cores que promete desafiar a mente do jogador ao extremo. Para passar os diferentes níveis é preciso uma boa estratégia, raciocínio rápido e foco apurado. O título foi desenvolvido por Cristiano Monteiro e possui 54 níveis, com dificuldade progressiva. Apesar de ser simples de aprender a jogar, é bastante difícil dominar o jogo para avançar até os últimos níveis.

O propósito de C4 é pintar cada um dos retângulos brancos/cinzas/pretos de uma das quatro cores disponíveis (vermelho, verde, azul e laranja) de maneira que dois retângulos que compartilhem uma borda (total ou parcialmente) não possuam a mesma cor. Quanto tiver pintado todos os retângulos o jogo irá verificar se dois retângulos vizinhos foram pintados da mesma cor e avançar você ao próximo nível ou declarar fim de jogo com um ícone de seta de quatro pontas que indica o local onde ocorreu a duplicação. Mas fique alerta, pois você deve completar os níveis dentro do tempo delimitado.

“O C4 não está focado em um visual elaborado, distrações, ou outros artifícios. Trata-se de uma interface elegante apresentando um jogo único, desafiador sem ser impossível, finito mas parecendo sem fim, para todas as idades, inteligente, robusto e bem testado, competitivo. Todos os elementos que um bom jogo deve ter antes de mostrar uma interface bonitinha. Simples, direto ao ponto, elegância espartana, a volta às raízes dos quebra cabeças, divertido e competitivo”, disse Cristiano Monteiro, desenvolvedor do C4.

Como um dos indicados, o C4 também é elegível ao prêmio da “Escolha Popular”, que se trata de uma votação online pelos fãs do jogo de qualquer parte do planeta. Até o dia 18 de Março de 2018 Os jogadores poderão votar no site do IMGA Awards. Os vencedores serão anunciados em 20 de Março de 2018 durante a aguardada cerimônia de premiação que acontecerá em São Francisco, Estados Unidos. C4 é gratuito e está disponível no Google Play.

Abaixo tem o trailer de C4:

Cursiva – jogo brasileiro busca incentivar a leitura no público infantil

A produtora indie Timeless Games está engajada a criar mais do que um game divertido, mas sim um produto que preste um serviço para seus usuários. Cursiva é uma história interativa cujo propósito é incentivar a leitura entre o público infantil. Para tanto, o jogo é estruturado em capítulos e é possível escolher jogar em português ou inglês, promovendo o treino de línguas.

Cursiva está repleto de desafios e conta com uma narrativa leve e diversas surpresas. O título está em desenvolvimento há 2 meses e deve ser lançado, se não houver empecilhos, no segundo semestre de 2017 na Google Play e AppStore. possui controles simples: basta usar o toque e arraste do dedo na tela para avançar os textos da história, selecionar opções de diálogo e interagir com o cenário, como em uma visual novel.

cursiva“Acreditamos no potencial de jogos como ferramentas capazes de gerar impactos positivos na sociedade. Cursiva, além de estimular o raciocínio e criatividade, tem como objetivo incentivar o treinamento da leitura no público infantil e o relacionamento entre pais e filhos, que são recomendados a jogarem juntos. Estamos confiantes sobre os bons resultados que a primeira história do jogo trará”, afirmou Camila Canuto, artista do jogo e produtora da Timeless Games.

Como nessa idade as crianças ainda estão se acostumando com a letra cursiva, o game também possibilita a escolha entre letra de forma ou cursiva, de acordo com a necessidade ou desejo dos pais e da criança. Cursiva tem uma estética cartoon e é exibido em forma de teatrinho, como se os objetos do cenário fossem feitos de madeira e toda cena fosse montada por alguém.

17361590_2233402213550777_1890094792771162309_nHá diversos personagens e cenários, além de queijos escondidos pelos capítulos da história. Caso todos esses queijos sejam encontrados, um pequeno capítulo extra é desbloqueado pela conquista.

O primeiro cenário do jogo é inspirado na era medieval e conta a aventura deEroy, um rapaz comum que é obrigado a ir salvar a filha do rei. Neste conto ele deve ajudar diversas personagens em seu caminho, desde elfos da floresta a cabras falantes. Cada um desses estranhos apresenta problemas particulares que estão diretamente relacionados as peculiaridades das suas respectivas culturas.

Mais sobre o Cursiva

“O jogo procura com sua diversidade desenvolver também uma consciência social nas crianças” explicou Jonas Beduschi, game designer e programador de Cursiva.

O primeiro capítulo em versão alpha de Cursiva será disponibilizado gratuitamente no dia 26 de maio de 2017, nessa sexta-feira. O jogo completo será pago e está previsto para outubro, mas a Timeless Games decidiu disponibilizar o primeiro capítulo gratuitamente a fim de apresentar o projeto aos pais e jogadores.

Cursiva já está disponível para download no Google Play.

Entrevista – Gameloft fala sobre o mercado de jogos mobile no Brasil

A Gameloft é uma das empresas mais conhecidas do ramo de jogos eletrônicos e a mais dedicada ao setor mobile. O que muita gente não sabe é que a empresa francesa tem um escritório no Brasil dedicado unicamente a ouvir o público local e trazer a melhor experiência de jogo para o seu bolso.

O GameReporter foi até o escritório de São Paulo para ouvir uma das maiores empresas do setor e pegar algumas dicas para os produtores locais, até porque muitos dos desenvolvedores indies começam justamente criando para mobile. Quem nos recebeu foi o Rodrigo Dias (Social Media e Marketing Manager) e a Maite Lorente (Marketing Manager), que não deixaram nenhuma pergunta sem resposta e foram extremamente simpáticos.

Confira abaixo a entrevista com a Gameloft Brasil:

 

Maite Lorente e Rodrigo Dias, o pessoal que toca o marketing da Gameloft Brasil
Maite Lorente e Rodrigo Dias, o pessoal que toca o marketing da Gameloft Brasil

Fale-nos um pouco sobre a Gameloft e quais operações são realizadas no Brasil?

A Gameloft é uma das líderes mundiais em desenvolvimento de jogos mobile. A empresa já lançou mais de 500 jogos desde sua fundação. Temos 40 escritórios espalhados pelo mundo e 21 estúdios de desenvolvimento. Cada um desses estúdios tem sua própria característica, por exemplo, o time da Bulgária desenvolve mais games de guerra, enquanto que o pessoal de Barcelona desenvolve mais games de corrida.

Aqui no Brasil não temos desenvolvimento de jogos, apenas o escritório de negócios, onde fazemos a distribuição dos títulos através das lojas da Apple, Google, Windows. Também fazemos negócios com as operadoras e fabricantes de celulares (jogos instalados). Também cuidamos da publicidade dento dos jogos. Além disso, tudo, cuidamos das mídias sociais aqui no Brasil.

 

Asphalt 8, um dos destaques da Gameloft
Asphalt 8, um dos destaques da Gameloft

As microtransações ainda são um bom negócio?

Poucas pessoas monetizam jogos mobile. No mundo apenas 3% por cento das pessoas gastam dinheiro dentro dos jogos, no Brasil apenas 1% por centro dos usuários investe nos games. Isto não ocorre apenas com a Gameloft, mas são dados de toda a indústria de jogos mobile. Claro que esses 3% gastam bem, mas esses outros 97% da base precisavam ser monetizados. Daí o advertising tornou-se a solução.

Tentamos também adaptar o preço de nossos jogos de acordo com a oscilação do dólar. No ano passado, por exemplo, tivemos de modificar os preços a fim de deixar os jogos acessíveis aos jogadores locais. Antes trabalhávamos com um modelo premium, depois veio jogos que mudaram esse esquema de negócio. Cada jogo custa em média 8 milhões de euros para serem desenvolvidos. Não adianta distribuir tudo de graça sem ter um retorno.

 

Qual a franquia mais importante do catálogo da Gameloft?

É relativo. Temos várias franquias importantes em alguns aspectos como as licenças próprias Modern Combat, Dungeon Hunter e Asphalt. Além desses, temos licenças de terceiros que são grandes sucessos como Meu Malvado Favorito que já ultrapassou a marca de 800 milhões de downloads desde seu lançamento em 2013. Com o lançamento do novo filme a expectativa é passar da casa do bilhão. Interessante que três desses jogos são IPs da própria Gameloft.

 

meu-malvado-favorito
Meu Malvado Favorito – game está quase beirando 1 bilhão de downloads desde seu lançamento

Quantos escritórios existem na América do Sul? Algum deles desenvolve games?

Aqui na América do sul temos quatro escritórios. Não desenvolvemos games na América do Sul devido aos altos custos de produção local. É um problema local. A Gameloft chegou a ter um estúdio de desenvolvimento no Brasil em 2007, mas ele só durou por um ano.

 

Quantos títulos a Gameloft mantêm ativos no Brasil?

A Gameloft tem 64 games ativos no iOS e 56 ativos no Google Play. Muitos são IPS próprias e outros são licenciados de grandes empresas como Disney, UNO, Marvel, entre outros.

 

Como está o mercado de games mobile em números no Brasil? As coisas estão indo bem no setor?

Atualmente a Gameloft tem a média de 2,8 milhões de downloads diário. Nossos dados mostram que no Brasil existem 61,2 milhões de jogadores mobile, sendo que 90% deles são casuais. Ainda assim a projeção é que o mercado de games mobile deve faturar US$ 553 milhões de somente no Brasil. Até 2020 estima-se que 64% da população terá um smartphone.

 

Blitz Brigade
Blitz Brigade

Quanto tempo os jogadores passam jogando no celular?

Nossos usuários passam em media 40 min dentro de uma partida. Claro que tem aqueles que passam duas horas jogando e tem aqueles que ficam apenas dez minutos, mas em média os jogadores passam 40 min em uma partida.

 

br-gear-vr-r322-sm-r322nzwazto-000000016-detail2-whiteQual a visão da empresa em relação aos óculos de realidade virtual?

Atualmente não desenvolvemos games para o VR. Sabemos que é uma tendência do mercado, mas a empresa entende que esse nicho precisa crescer. O valor de um dispositivo de entrada é bastante proibitivo. A penetração de smartphones top de linha no Brasil atualmente é de 3% e para – uma quantidade muito baixa – e depois o usuário ainda teria de investir em um VR. Mesmo nos consoles a adesão foi baixa. Jogos mobile são jogos para a massa e o VR ainda não é um produto de massa. Estamos esperando para ver como o mercado se desenvolve.

 

A Gameloft já desenvolveu games para consoles e PC?

Já produzimos jogos para console sim, como uma versão de Uno e o Modern Combat: Domination para PS3 com suporte ao PS Move. Entretanto a Gameloft é uma empresa com expertise em mobile. Fazemos jogos AAA para mobile, no mercado de consoles seríamos mais uma. Também vale dizer que nossos jogos rodam no Windows 10, então temos títulos bem populares sendo jogados no PC, como Asphalt 8. Na semana passada lançamos o Blitz Brigade Rival Tactics que foi pensado no Windows 10.

 

Atualmente vemos jogos como o Clash Royale e o Hearthstone que são fenômenos mobile no cenário de eSports. Vocês pensam em investir nesse mercado?

Na verdade temos o Modern Combat 5 que é um jogo onde os próprios fãs organizam campeonatos. Aqui no Brasil ainda não temos algo oficial, mas lá fora ocorrem campeonatos organizados pela ESL. Futuramente teremos o Modern Combat Versus que é um jogo 100% focado em eSports. Além disso, temos o Asphalt 8 que é um dos jogos com possibilidade competitiva.

 

A sede da Gameloft Brasil

Quais os maiores desafios enfrentados pela Gameloft?

Temos muitos desafios todos os dias como a pirataria. O Brasil é um dos lideres de pirataria mundial no mundo. O formato freemium ajuda a barrar um pouco da pirataria, pois o game é grátis e o usuário continua jogando apenas se gostar do que viu. Além disso, um problema recorrente é conectividade 3G/4G no Brasil que por vezes não funciona.

Vale destacar também a baixa penetração de cartão de credito no Brasil (apenas 28%), e parte da população que ainda não tem o habito de baixar jogos pelo celular e não sabem como fazer isso. Por vezes as pessoas nos perguntam como faz para baixar um determinado jogo da Gameloft.

 

Quais as dicas para os desenvolvedores brasileiros conquistar sucesso e reconhecimento?

Não tem uma ciência exata. A cada atualização da Google Play surgem cerca de 400 novos aplicativos. Produtoras pequenas não tem orçamento para marketing e se destacar. Claro que vez ou outra surgem fenômenos como Flap Bird, mas desenvolver game demanda tempo e dinheiro. Para ter sucesso é necessário ter bom relacionamento com as stakeholders, estar motivado para competir com os grandes e criar um grande jogo que caia no gosto do consumidor.

e291a353af83c7b5b937fea361b2c60eÉ imprescindível atualizar o game com frequência, mesmo que não tenha conteúdo novo, mas pelo menos para tornar o game compatível com uma nova versão do OS. Atualmente atualizamos nossos jogos a cada 2-3 semanas para a maioria dos jogos. Existe um estudo que diz que no futuro as atualizações de aplicativos deverão ser feitas a cada dois ou três dias.

Hoje tem recursos para que os desenvolvedores indies trabalhem e se destaquem como as mídias sociais. Os indies também devem pensar na parte de monetização (incluir advertising). Tem de marketear o jogo, só lançar não basta.

 

Poxa, são 400 novos aplicativos a cada atualização? Como é possível inovar em um cenário tão competitivo?

Tem de fazer bastante pesquisa de mercado. Nossos jogos costumavam tem cerca de 2 GB e entendemos através de estudo que precisávamos lançar jogos menores para os mercados emergentes. Criamos então uma tecnologia de compressão de jogos capaz de reduzir bastante o arquivo de download. Nisto surgiu jogos com tamanho reduzido como o Asphalt Nitro que é uma versão comprimida (30 MB) de Asphalt 8 e ele foi sucesso na Google Play. Temos também o N.O.V.A Legacy com apenas 20 MB utilizando a mesma tecnologia. Você precisa entender a necessidade do seu público e do mercado.

 

nova-legacy-logo-android

Como funciona essa tecnologia de compressão?

O jogo tem, por exemplo, 300 Mb, mas o usuário baixa apenas 30 MB. Conforme você vai jogando, o arquivo vai descompactando, como se fosse um arquivo zip. Criamos isso, pois identificamos que 46% do mercado de celulares tem apenas 8 GB de memória. Mercados emergentes como Brasil, India, China tem uma galera que quer jogar mas não tem grana para comprar um celular top de linha com mais memória.

 

O que geralmente não funciona em jogos mobile?

Na questão de marketing, podemos dizer monetização agressiva, jogo bugado. Nosso core business são os jogos, não os anúncios. O ideal é que o usuário não tenha a experiência interrompida toda hora. É importante pensar na monetização, mas sem exagero. Se em três segundos de jogo aparecem dez propagandas o usuário desinstala o arquivo.

 

dscf4530Como o marketing mexe com a imagem da marca em relação ao publico?

A empresa investe bastante em marketing para adquirir usuários e reafirmar a marca. Temos iniciativas locais como a plataforma Gameloft IN, onde os produtores de conteúdo podiam publicar vídeos gameplay de jogos da Gameloft  para concorrer a prêmios como iPad ou Caixa de som. Temos bastante autonomia, utilizamos ideias mirabolantes que a empresa acaba comprando a ideia. Como no caso do N.O.V.A em que falamos para os desenvolvedores incluir no ícone na Google Play que o jogo tinha apenas 20mb. O resultado foi um sucesso massivo de downloads.

Muita gente conhece a Gameloft de longa data desde a época de celulares básicos, pois fomos os primeiros a investir em jogos totalmente em português. A série Asphalt é conhecida por todos os jogadores. Muita gente até pensa que a empresa é brasileira.  Temos tanto cuidado para dialogar com o público que nunca deixamos um fã sem resposta no Facebook.

 

A empresa costuma ouvir o feedback dos fãs? Qual a importância disso?

Aqui no Brasil costumamos pegar os comentários mais bem desenvolvidos dos usuários e mandamos para a equipe de produção. Isto ajuda o time de desenvolvimento a melhorar as mecânicas e funcionalidades que não dão certo. Modern Combat 5, por exemplo, teve mudanças no sistema de energia após feedbacks dos usuários. Após as mudanças o jogo conquistou mais aceitação do público. O N.O.V.A, que é bastante voltado ao Brasil, tem muitos elogios e criticas de brasileiros que mandamos para o time de criação. O público da Gameloft é bastante exigente e por isso sempre procuramos ouvir e dialogar com eles. Sempre buscamos os interesses da comunidade brasileira.

gameloft-logo-line-gael-leprevost-3

Há muitos brasileiros na Gameloft?

No mundo tem alguns. A antiga marketing manager foi trabalhar para Montreal, Canadá, por exemplo. Há outros casos de brasileiros que foram para Toronto. No Canada tem muitos brasileiros, pois lá é um polo de trabalho em desenvolvimento de games. Além disso, pelo fato de sermos uma empresa francesa, tem muitos franceses espalhados pela Gameloft no mundo.