Arquivo da tag: Jogos

Casa Gamer Banco do Brasil: a união de cultura e Esports no CCBB Brasília

Videogame é cultura, disso você já sabe. Agora é hora de mostrar a toda a sociedade que os videogames são parte de nossa cultura. Pelo menos é isso o que o Banco do Brasil irá fazer ao promover e patrocinar a primeira edição do espaço “Casa Gamer Banco do Brasil”, uma que transforma os Centros Culturais Banco do Brasil de Brasília e Belo Horizonte em espaços para jogatina livre.

Inicialmente previsto para ficar no CCBB Brasília de 28 de dezembro a 19 de janeiro, a casa de jogos teve sua temporada prorrogada até o dia 26. Desde que chegou ao Centro Cultural, a “Casa Gamer” tem proporcionado aos seus visitantes momentos de diversão, interatividade e nostalgia. As estações fixas contam com jogos que vão desde os fliperamas antigos até os jogos mais recentes. O pavilhão de vidro abriga uma pista de dança, várias estações para jogos mobile, seis consoles com jogos de futebol e corrida e uma arena de Counter-Strike de nível profissional. Nos fins de semana, a arena abriga uma competição amadora de CS:GO. A intenção é agradar o público de todas as idades.

De acordo com a organização do evento, além da arena de jogos no pavilhão de vidro, há ainda fliperamas espalhados pelo CCBB e jogos vintage localizados em um lounge montado ao lado da bilheteria.

“Esse ambiente foi feito para reunir as pessoas, as famílias e descontrair. Já somos referência no esporte de ginásio, quadra e praia. Queremos também ser referência nos jogos eletrônicos”, afirma Mauro Ribeiro Neto, vice-presidente corporativo do Banco do Brasil.

Abaixo você confere a programação completa:

 

ARENA DE GAMES DIGITAIS (FIXO)

Espaço equipado com jogos free play de futebol, dança, corrida e jogos first person online. Nos finais de semana, a arena de Counter-Strike abrigará uma competição amadora entre quatro equipes.

Data: 28/12 até 26/01

Horário: quinta a domingo, das 10h às 21h

Local: Pavilhão de vidro

Jogos: Just Dance, Mario Kart, CS:GO, Fortnite, Fifa e Mobile.

 

Just Dance

Com uma pista de dança iluminada, um telão para o público acompanhar os passos e espaço para até quatro pessoas jogarem ao mesmo tempo, a estação do jogo Just Dance tem animado crianças, adolescentes e adultos de todas as idades, além de revelar grandes dançarinos.

No rol de músicas, clássicos e sucessos atuais, nacionais e internacionais, podem ser escolhidos pelos jogadores para se soltarem e dançarem no espaço.

 

Mario Kart

Um dos jogos mais famosos de todos os tempos, que, inclusive, ganhou uma versão para smartphones no ano passado, possui uma estação com dois consoles (Nintendo Switch) e possibilidade de duas duplas por vez.

Pais e filhos, amigos, desconhecidos, todo têm se divertido com a corrida mais clássica que conhecemos. Alguns voltando no tempo e apresentando para as novas gerações um jogo que marcou época e outros descobrindo juntos as maravilhas (e armadilhas) desse jogo emocionante.

 

Counter-Strike e Fortnite (Arena First Person)

A Casa Gamer conta com uma arena de First Person games de nível profissional. São duas estações com 5 computadores cada, todos com periféricos próprios para jogos, fone para comunicação entre os jogadores e cadeira gamer.

No espaço, os visitantes podem jogar CS:GO (da franquia Counter-Strike) ou Fortnite (sucesso com os jogadores mais jovens). Nos fins de semana, a arena sediará uma competição amadora de CS:GO de tirar o fôlego.

 

Arena de Futebol

Com arquibancada, grama sintética e pufes em formato de bola de futebol, a área destinada ao jogo possui quatro consoles (Playstation), permitindo que quatro duplas joguem ao mesmo tempo, proporcionando momentos emocionantes entre pais e filhos, amigos e até entra aqueles que se conheceram na fila.

Na arena, os visitantes podem escolher entre o FIFA 20 ou o PES (Pro Evolution Soccer), atendendo aos amantes dos dois jogos, concorrentes no título de melhor jogo de futebol do mundo há alguns anos.

 

ESTAÇÃO DE JOGOS RETRÔ (FIXO)

Datas: 28/12 até 26/01

Horário: quinta a domingo, das 10h às 21h

Local: Área Externa – Ao lado da bilheteria

Jogos: Sonic, Street Fighter, RiverRaid

 

Lounge Vintage

Além do pavilhão de vidro, há um lounge com jogos vintage, com consoles Atari e Mega Drive e fliperamas, para trazer de volta os tempos de infância dos mais crescidos e apresentar aos mais novos os clássicos que nunca deixaram de encantar gerações.

 

Serviço – Casa Gamer CCBB

Local: CCBB Brasília – SCES Trecho 2 – Brasília/DF

Tel: (61) 3108-7600

28 de dezembro de 2019 a 26 de janeiro de 2020

Quinta a domingo

10h às 21h

Entrada franca com retirada de ingressos na bilheteria do CCBB.

Mais informações aqui.

 

Retrospectiva – Dez últimos anos de jogos eletrônicos

O ano de 2019 marca o fim de uma década de grandes momentos para a indústria de jogos eletrônicos e praticamente sacramenta o sucesso do Playstation 4 e o início da nova estratégia da Microsoft. Por outro lado a Nintendo trabalha incansável para manter os bons resultados já conquistados com o Nintendo Switch. Os anos 2010s serão marcados por alguns dos melhores jogos de todos os tempos, despedidas tristes e novos parâmetros para a indústria.

Hoje vamos relembrar alguns dos momentos mais marcantes da última década. Confira!

 

2010 – A sétima geração se torna desejável

Os anos 2010s marcavam o amadurecimento tardio da sétima geração de videogames, fato evidenciado pela quantidade de novas IPs de alta qualidade que surgiram neste ano, tais como Alan Wake, Darksiders, Deadly Premonition, Heavy Rain e Metro 2033. Além disso, alguns dos melhores games já criados surgiram em 2010 como Mass Effect 2, God of War III, Super Mario Galaxy 2 e o arrasa-quarteirão Red Dead Redemption. Para muitos gamers o ano 2010 foi um dos melhores que a indústria já teve.

 

2011 – A batalha dos portáteis

Apesar de alguns games importantes terem sido lançados em 2011 como Marvel VS Capcom 3, Limbo e Mortal Kombat, o ano de 2011 ficou marcado mesmo pela batalha travada entre Sony e Nintendo no ramo de consoles portáteis com os lançamentos do Playstation Vita, o sucessor do PSP e última investida da Sony no mercado de portáteis; e do Nintendo 3DS. Ainda que o PSVita se orgulhasse de ter um poder de processamento maior, quem levaria a melhor seria o console da Big N graças a sua capacidade de gerar jogos em 3D sem uso de óculos de realidade virtual e seus jogos de alta qualidade. Muitos consideram que o PSVita foi um videogame injustiçado.

 

2012 – O início do declínio da Nintendo

Sorte no ramo de portáteis, azar nos consoles de mesa, esta foi a sina da Nintendo em pouco menos de um ano após o lançamento do 3DS. Apesar da alta confiança que os investidores e a comunidade apostaram no conceito de um controle em formato de tablet, a Nintendo falhou em vários aspectos, incluindo no que se refere ao poder de processamento do console, usabilidade da tela do controle em títulos grandes e até com o nome da plataforma, que apenas serviu para confundir jogadores mais casuais. O resultado foi um lançamento frio e uma adesão cada vez mais fria da comunidade. As ações da Big N tiveram forte queda durante vários meses e até se cogitou que a empresa seguiria o caminho da SEGA, abandonando de vez a fabricação de consoles de mesa. Entretanto a Nintendo conseguiu dar a volta por cima, utilizando o conceito do Wii U para a criação do Nintendo Switch anos depois, que viria a se tornar um grande sucesso.

Outro destaque importante em 2012 para nós brasileiros foi a consolidação dos grandes eventos de jogos nacionais como o BIG Festival Festival e a Brasil Game Show. O primeiro, voltado aos jogos independentes; o segundo aos jogos mais badalados do mundo. No caso da BGS, aliás, vale mencionar que não foi a primeira edição do evento, mas foi em 2012 que o evento chegou à São Paulo e se tornou o maior e mais importante evento de games da América Latina.

 

2013 – Sony massacra a Microsoft na E3

A nova guerra dos consoles finalmente teve início em 2013 com os lançamentos do Playstation 4 e do Xbox One. A máquina da Sony teve melhor sorte, aproveitando-se do lançamento desastroso do concorrente. A Microsoft apostava em um console mais restritivo com políticas de DRM e conexão permanente com a internet, já a Sony voltou-se tão somente para produção de jogos, uma plataforma mais barata e mais poderosa. A estratégia se mostraria acertada: o PS4 atropelou seu rival nas vendas e foi capaz de oferecer games mais memoráveis. Já a caixa da Microsoft, apesar de games interessantes e serviços amistosos jamais conseguiu equiparar-se nas vendas, o que serviu de aprendizado para as novas versões como o Xbox One X.

 

2014 – Facebook quer jogar

O ano de 2014 foi um pouco morno em quesito de jogos, mas algumas movimentações financeiras da indústria podem ser sentidas até hoje. A primeira foi a mágica ressurreição da moribunda Atari, que havia passado por maus bocados durante anos. Outras coisas que deram o que falar foram as compras da IP Gears of War e da produtora Mojang (Minecraft) pela Microsoft, mostrando que a empresa de Redmond ainda estava alerta ao que poderia render lucro.

Mas nada foi maior do que a compra da Oculus Rift pelo Facebook. Marck Zuckerberg estava a fim de apostar alto na realidade virtual e o Rift despontava como o mais ambicioso e moderno projeto de tornar a realidade virtual possível e bem sucedida no ramo de jogos eletrônicos. Ainda que os óculos de Realidade Virtual não tenham se popularizado como esperado, essa aquisição colocou os holofotes em cima da tecnologia.

 

2015 – Adeus a Iwata

O ano de 2015 foi marcado pelo amadurecimento da sétima geração de consoles, pois alguns dos mais premiados e adorados jogos de todos os tempos finalmente viram a luz do dia. Metal Gear Solid V: The Phantom Pain, The Witcher 3: Wild Hunt, Bloodborne, Undertale e Fallout 4 foram lançados em 2015 e arrebataram notas altíssimas e prêmios de vários países. The Witcher 3, aliás, é até hoje um dos games mais bem sucedidos de todos os tempos e um dos mais influentes já lançados.

Apesar do balanço positivo, nem tudo foram flores na indústria de games: foi em 2015 que Satoru Iwata, CEO da Nintendo faleceu aos 55 anos. Iwata foi responsável pela reestruturação da Nintendo e reposicionou a empresa como uma das mais relevantes do mundo do entretenimento. Sua morte foi sentida por todos os jogadores do mundo.

 

2016 – O ano de Pokémon Go

O ano de 2016 foi atípico para os gamers, pois os dois grandes concorrentes Xbox One e Playstation 4 ganharam novas roupagens mais poderosas e (PS4 Pro e Xbox One X), mas só ficariam prontos no ano seguinte, o que mostrou que as empresas já demonstravam intenção de mudar suas estratégias. Além disso, os óculos de realidade virtual finalmente caíram nas graças das produtoras e empresários que infestaram os shoppings centers com “arcades de VR”.

O PS4 teve seu melhor ano de todos graças a jogos imperdíveis como Uncharted 4, Ratchet & Clank e The Last Guardian. Mas o fenômeno mesmo ficou por conta de Overwatch, que rapidamente se tornou um dos jogos mais jogados do mundo e figurou nos grandes campeonatos de e-Sports. Ainda assim, nenhuma febre foi maior do que a causada por Pokémon Go, apontado como o jogo a popularizar a realidade aumentada e por momentos constrangedores – e perigosos – praticados por seus jogadores. O título para mobile foi baixado 750 milhões de vezes em nível mundial, se tornando um dos aplicativos mais populares de todos os tempos.

 

2017 – A redenção da Nintendo

 

Após o fiasco do Wii U, a Nintendo decidiu não perder mais tempo batendo a cabeça em um produto impopular: a empresa lançou seu híbrido Switch, vendendo mais de 14 milhões de unidades em poucos meses. Não bastasse, a Big N ainda lançou os magníficos Super Mario Odyssey e o The Legend of Zelda: Breath of the Wild, que arrebatou uma infinidade de prêmios e aclamação da crítica. Quem também se deu bem foi PlayerUnknown’s Battlegrounds, que foi lançado em early acess em março e terminou o ano com mais de 30 milhões de unidades vendidas.

Algumas franquias amadas tiveram novas entradas, tais como Assassin’s Creed, Call of Duty, Crash Bandicoot, Dragon Quest, Doom, Final Fantasy, Kingdom Hearts e Metroid.

 

2018 – Microsoft prepara o terreno para a próxima batalha

Após anos de espera finalmente os fãs da franquia God of War tiveram um contato novo com a franquia na forma de uma aventura nórdica. O título, vale dizer, conquistou muitos prêmios e surpreendeu os jogadores ao mostrar que um game tão emblemático poderia se renovar e se adaptar a uma nova geração de jogadores. O resultado: Game of the Year. Para além disso, Fortnite conseguiu superar seus concorrentes diretos e se tornou o battle royale mais popular do mundo. Quem se deu bem também foi Red Dead Redemption, que provou que a Rockstar não perdeu seu toque de Midas.

O ano de 2018 foi marcado por uma apresentação performática quase perfeita da Microsoft na E3, apresentando jogos bombásticos e uma preocupação com o público irrepreensível. Mas talvez o mais impressionante fosse o movimento que a empresa fez para garantir sua relevância no futuro: a empresa de Redmond saiu às compras e de uma só vez garantiu a compra das empresas Undead Labs, Playground Games, Compulsion Games e Ninja Theory. Além de ter anunciado a criação de um novo estúdio chamado The Initiative em Santa Monica. Pouco depois a empresa ainda comprou os estúdios InXile Entertainment e a Obsidian Entertainment. A intenção era preparar o terreno para a próxima geração do Xbox.

 

2019 – O fim e o início de uma era

O ano de 2019 vai embora deixando um rastro de grandes conquistas e sucessos para a indústria de jogos. Algumas das notícias mais relevantes começaram com o anúncio do Google Stadia, a primeira entrada da gigante das tecnologias no mundo dos games. A revelação colocou as outras gigantes da tecnologia em compasso de espera, afinal a Google tem cacife e tecnologia necessárias para bater de frente e revolucionar as tradicionais fabricantes de consoles. O ponto negativo é que nem todos terão a tecnologia necessária para fazer uso pleno do Stadia.

Outra notícia importante é que Reggie Fils-Aime deixou a presidência da Nintendo of America. Apesar de ter pouco impacto pratico a curto prazo, a substituição de Fils-Aime deixou um vazio nos fãs da Nintendo, afinal o executivo conseguiu impingir sua assinatura nos negócio da Big N em solo ocidental.

Passados alguns meses, a Microsoft anunciou continuou sua estratégia agressiva para fortalecer sua posição no mercado global com a compra da Double Fine, produtora de Psychonauts. A impressão é que a próxima plataforma estará bem servida de jogos extremamente bem avaliados.

Por fim, e não menos importante, o fim do ano termina com o anúncio oficial do Xbox Seres X, a nova plataforma da Microsoft, que promete ser o videogame mais poderoso de todos os tempos. A próxima década promete fortes emoções para a comunidade gamer, uma vez que a Sony ainda está para demonstrar as capacidades do Playstation 5.

Top 10 – Melhores jogos da história da EA Games

Você certamente já deve ter ouvido que a Electronic Arts (EA Games) é a pior empresa do mundo, que suas práticas são predatórias e que os executivos da empresa estão apenas sedentos por dinheiro, certo? Pois é, este post não é para passar o pano para a empresa americana, mas sim para mostrar que a EA tem belos jogos e que devem ser conferidos por qualquer um.

Confira abaixo os 10 melhores jogos da EA:

 

Battlefield 3

Battlefield já era uma franquia respeitada antes do terceiro capítulo, mas foi somente com o terceiro capítulo que a comunidade passou a ver a série da EA como um rival perigoso para o domínio de Call of Duty, da Activision. O game chegou ao mercado no final de 2013 e logo conquistou aclamação da crítica especializada e atenção dos fãs de FPS, graças as suas mecânicas bem construídas, variedade de armas e o modo multiplayer viciante.

O modo multiplayer, aliás, é o grande destaque de Battlefield 3, reunindo nada menos que até 64 jogadores (PC) em uma única partida, praticamente redefinindo os jogos de tiro online. Ainda que a franquia não tenha se mantido altura das entregas de CoD, Battlefield 3 marcou uma época dos jogos eletrônicos em que os focos estavam saindo do singleplayer para o multiplayer.

 

Dead Space

Há quem pense que jogos de terror são coisas exclusivas da Capcom e da Konami, porém até mesmo a EA já teve sua própria franquia. Dead Space colocava o jogador em uma missão investigativa no ano 2508 em uma espaçonave que perdeu comunicação de maneira misteriosa. Ao chegar a espaçonave o protagonista Isaac é atacado por estranhas criaturas alienígenas deve utilizar seu treinamento militar e inteligência para entender o que estava ocorrendo e conseguir voltar para casa.

Dead Space surgiu em um momento que os fãs de terror estavam descrentes com jogos eletrônicos, afinal Silent Hill estava em franca decadência e Resident Evil se virava para uma direção mais voltada para a ação. E que surpresa o game não se mostrou? Havia um clima claustrofóbico, jump scares e momentos de extrema tensão. Para quem não jogou, essa aqui e uma obra prima do terror.

 

The Sim 2

O simulador de vida digital alcançou seu ponto máximo no segundo jogo, tornando-se o game de PC mais vendido de todos os tempos em sua época. O título não tem objetivos específicos, deixando o jogador livre para fazer o que quisesse. Criar a casa dos sonhos, arrumar uma esposa e criar seus filhos? Sim, tudo isso e muito mais e possível! As expansões deixaram o game ainda maior e mais diversificado. Muita gente detesta a “brincadeira de casinha”, mas a verdade é que jogar meia hora de The Sims 2 pode ser a porta de entrada para o vício.

 

Mass Effect 2

Outro game lançado pela EA na geração anterior e que foi considerado uma obra prima. Mas Effect 2 foi o ponto alto da franquia, introduzindo novos personagens, permitindo que o jogador faça múltiplas escolhas (que afetam o desenvolvimento da história). Não bastasse isso, Mass Effect 2 ainda contava com cenários de tirar o folego, uma aventura cheia de reviravoltas e tramas de fundo. Não e bobagem dizer que este jogo foi um dos que definiu os RPGs ocidentais nos anos vindouros. Até mesmo os RPGs orientais acabaram influenciados pelas mecânicas de Mass Effect 2 e toda a sua escala grandiosa. Trata-se de um game extremamente bem otimizado e que merece ser jogado por todos os fãs de jogos eletrônicos.

 

Need for Speed Most Wanted (2005)

Há quem considere NFS Underground 2 o maior e melhor de toda a franquia de corridas da EA, entretanto consideramos que Most Wanted (o original de 2005) e o ponto alto da franquia. MW pegou tudo que havia de bom nas corridas de Underground, porem ao invés de corridas noturnas o jogador deveria correr a luz do dia. Sua missão principal e ascender até o topo dos corredores de Rockport, e de quebra fugir da polícia. Colocar o jogo durante o dia possibilitou que o jogador prestasse atenção em diversos detalhes do cenário e fosse inundado por um show visual espetacular. Experimente sair de um túnel escuro e ter as retinas atingidas pela luz do dia. Espetacular!

 

Burnout Paradise

Burnout 3: Takedown foi um monstro, ou seja, um game que beirava a perfeição e uma compra obrigatória. Como melhorar uma formula tão bem feita? A Criterion pegou aquela sensação de velocidade insana, transportou para a nova geração de videogames e incluiu uma cidade fictícia que dá nome ao jogo. Não bastasse isso, Burnout tinha modos de jogo e desafios extremamente funcionais e que garantiam variedade na jogatina. A quantidade de veículos também e absurda e o sistema de conquistas casou bem com o jogo. Jogadores hardcore se esforçaram bastante para conquistar todos os troféus do game. E que trilha sonora magnifica!

 

Sim City 4

Uma verdade deve ser dita: já se passaram dezesseis anos desde o lançamento de Sim City 4 e ainda não existe nenhum game de administração de cidade minimamente a altura deste jogo. Sim, a Maxis conseguiu um triunfo que nem mesmo seus produtores seriam capazes de repetir. Os gráficos envelheceram bem e a cidade está sempre em movimento, dando ao jogador a sensação de que as coisas de fato evoluem.

Sim City 4 tem tantos detalhes e desafios que o jogador se sente compelido a fazer seu melhor sempre. Disponibilizar um Estadista inteiro para o jogador construir suas cidades foi um grande acerto, pois o jogador sente que suas cidades tem propósitos e não são isoladas em um contexto aleatório (tal como ocorria nos jogos anteriores).

 

The Lord of the Rings: The Battle for Middle-Earth II

É realmente difícil escolher um único jogo de RTS da EA, afinal a empresa entregou alguns dos mais magníficos do gênero, tais como Genewars, Populous e as diversas entradas de Command & Conquer, mas escolhemos o segundo capitulo de Battle for Middle Earth porque é um dos melhores e mais envolventes jogos inspirados na Terra Média. Imagine construir seu castelo, bolar estratégias e invocar os grandes heróis e vilões para varrer o chão com a cara de seus inimigos? Não há satisfação maior. Para quem curte a mitologia de Tolkien não existe jogo mais recompensador. Uma pena que o título não teve mais sequencias.

 

Black

Black foi um jogo lançado na transição de gerações, lá no equidistante ano de 2005 e meio que fazia parecer o investimento nos novos videogames totalmente desnecessário. Os gráficos eram lindos e a jogabilidade era perfeita, com muita ação e cenários destrutíveis. Black jamais teve uma sequência direta, mas conseguiu marcar o coração de muitos jogadores. É realmente improvável que uma sequência surja, então só nos resta revogar este clássico e exaltar toda a sua qualidade.

 

Kingdoms of Amalur: Reckoning

Para a nossa última posição podíamos citar Rock Band, Dragon’s Age ou Mirror’s Edge, mas resolvemos sair do senso comum (não que esses jogos não mereça), então resolvemos dar espaço para um jogo até bem desconhecido chamado Kindoms of Amalur: Reckoning, que surgiu graças a uma parceria com a Big Huge. O título é um RPG de ação com mundo aberto onde o jogador deve destruir monstros, feiticeiros e demônios para avançar. O título segue um caminho semelhante ao Fable, da Microsoft, ou seja, você faz algumas escolhas e pode seguir um caminho mais sombrio.

O grande macete aqui mesmo é o combate baseado na ação, ainda que simplificado, pois o jogador se diverte muito e disposto a conquistar os diversos poderes disponibilizados. Uma pena não ter ganhado sequência e reconhecimento do público, pois este aqui foi um dos melhores jogos de RPG da geração Xbox 360 e PS3.

Escape Hotel: Jogo de fuga Perdidos no Espaço é opção de lazer em São Paulo

A dica de hoje é para quem curte jogos de fuga: o Escape Hotel narigudos há pouco tempo mais uma atração imperdível, a sala Perdidos no Espaço. O macete é que os desafiantes são inseridos em uma sala com a temática espacial. Lá nos confins do universo você é seu grupo devem usar o raciocínio lógico e a intuição para descobrir o caminho das estrelas que os levarão ao destino final.

Perdidos no Espaço Tem duração de 40 minutos e tem o valor individual de entrada baixou para R$ 59. Chegar ao final não será tarefa fácil e o jogo guarda mistérios intrigantes. De acordo com a Escape Hotel, os jogadores podem esperar momentos extremamente prazerosos. Para descobrir o segredo das galáxias em Perdidos no Espaço, basta fazer reserva no site do Escape Hotel.

A sala comporta de de 2 a 5 jogadores e a faixa etária é a partir de 10 anos (crianças devem estar acompanhadas de um adulto). O game já é considerado um dos mais imersivos e desafiadores da Escape Hotel. Para quem não conhece, a Escape Hotel fica localizada na Avenida Pedroso de Moraes, 832, na capital paulista. O estabelecimento fica aberto de terças a domingos, das 10h às 0h. O fone para contato é 11 3637-0007.

Mais informações sobre a Escape Hotel podem ser encontradas na web e mídias sociais.

Top 7 – Jogos que nunca deveriam ter surgido na Steam

Nos últimos dias a comunidade de jogadores mundial entrou em polvorosa graças a um game da Steam chamado Rape Day, um título que permitia estuprar mulheres (mas esta é uma história para depois). O interessante é que a reação da comunidade deixou clara uma percepção de que o controle de qualidade da Steam tem problemas sérios. Afinal, como um jogo sobre estupro consegue passar pelo filtro da Steam?

Não é de hoje que a maior loja de jogos digitais do mundo tem problemas com filtro. Rape Day é apenas mais um dos diversos projetos que conseguiram driblar o controle de qualidade de Gabe Newell. Pensando nisso, resolvemos lembrar de 7 jogos que jamais deveriam ter surgido na Steam.

Abaixo você confere 7 jogos que não deveriam nunca ter aparecido na Steam:

 

1 – Active Shooter

Active Shooter

Os Estados Unidos tem um triste histórico envolvendo armas, jovens desequilibrados e escolas. No início de 2018 um atentado perpetrado por Nikolas Cruz ceifou a vida de 17 pessoas na Stoneman Douglas High School, em Parland, Flórida. O ato entrou para a lista das dez maiores tragédias ocorridas em escolas americanas e serviu para acirrar a discussão entorno do acesso a armas de fogo no país.

Como se o ato não fosse triste o bastante, o produtor russo Anton Makarevskiy resolveu capitalizar com o caso criando o game Active Shooter, que permitia ao jogador encarnar a pele de um policial ou de um atirador dentro de uma escola. Quanto mais policiais e civis fossem mortos, maior a pontuação.

Obviamente que a reação pública não foi nada amistosa e rapiodamente as famílias das vítimas perceberam o insulto. Um abaixo assinado foi criado e recolheu mais de 100 mil assinaturas, forçando a Steam retirar o game de sua loja antes mesmo do lançamento oficial. Active shooter teria uma premissa FPS e acabou por ser lançado de forma independente, sem nenhum sucesso (felizmente).

 

2- Abstractism

Abstractism

Eis que você entra na sua conta Steam, pesquisa um pouco e decide comprar um jogo simples, mas aparentemente promissor chamado Abstractism. O que você não poderia imaginar é que após a instalação seu antivírus ficaria louco, acusando um malware. Após averiguações de entendidos em informática descobriu-se que o game escondia entre seus ficheiros um Trojan executável capaz de mineirar criptomoedas.

O mais interessante é que apesar de ser um game minimalista, Abstractism exigia um certo poder de fogo do hardware. Como se não bastasse, para ganhar itens no jogo bastaria permanecer o maior tempo possível jogando. Com 15 minutos de jogatina você ganhava itens, com mais trinta, outro item. Ou seja, o jogo queria que você o executasse o maior tempo possível, prática natural para mineirar criptomoedas.

Em julho de 2018 os responsáveis pelo game negaram veemente que seu título escondia qualquer coisa, mas a mentira não se sustentou por mais tempo: a Steam baniu para sempre o estúdio Okalo Union de qualquer atividade envolvendo a loja. Felizmente a Steam tomou uma atitude rápida, mas deixou a sensação ruim de que é possível que outros jogos podem esconder vírus mais perigosos.

 

3- Ride to Thell

Em meados de 2013 a comunidade de jogadores percebeu que a Quality Assurance da Steam era uma piada, pois foi neste ano que o game Ride to Hell: Retribution da Deep Silver chegou até a Steam com pompa de jogo regrado a tiroteios e testosterona. O game foi um completo fiasco técnico, de modo que muitos o consideraram injogável e um desperdício de tempo e dinheiro.

Além dos inúmeros bugs, a história era um desastre e as cenas eram absurdamente desconfortáveis, sobretudo nos segmentos envolvendo sexo. O cúmulo da falta de noção é que o Hide to Hell tem um sexismo desnecessário e trata as mulheres como objetos. Pasme que em dado momento o protagonista Jake Conway salva uma mulher de ser estuprada e como retribuição a garota decide fazer sexo com o avatar do jogador!?

A (falta de) qualidade de Hide to Hell: Retribution não gerou polêmica, nem causou mal estar na comunidade, mas serviu para evidenciar que a Steam deixava muita coisa horrenda passar, como se não houvesse nenhum filtro de qualidade mínima. Em setembro de 2014 a Valve percebeu a mancada que era deixar o título a disposição de jogadores desavisados e decidiu remover o game de sua loja.

 

4 – Kill the F*ggot

Este aqui não ficou mais do que algumas horas disponível na Steam graças ao seu conteúdo perturbador. Kill the F*gott  (palavra censurada por ser extremamente ofensiva) coloca o jogador no papel de um jovem cujo objetivo era matar gays e transexuais com uma jogabilidade inspirada em point & click.

Conforme o personagem matasse os alvos (identificados por roupas rosas) a pontuação aumentava, mas se matasse um hétero a pontuação diminuía. O cúlmulo do absurdo eram as diversas frases ditas pelos narradores que evocavam ódio, tais como “entregador de AIDS morto!”.

Após a fúria cair sobre si, o criador da obra, Randall Herman, não chegou a se desculpar publicamente. Apenas disse que seu game não tinha intenção de ofender ninguém apenas irritar pessoas pessoas extremamente sensíveis com o tema. A conversa fiada não colou e a Steam retirou seu game do ar rapidamente.

 

5 – Rape Day

E aqui estamos: o game que inspirou esta lista: Rape Day. O título não deixa enganar: trata-se de um jogo em que um dos passatempos é estuprar jovens assustadas. O game é uma graphic novel ambientada num apocalipse zumbi que permite ao jogador e entre assédios, assassinatos, necrofilia e onda de violência desregrada, o jogador ainda pode estuprar as mulheres aterrorizadas.

Este foi o último jogo a ser banido da Steam, que comunicou que a obra representa um risco e custos desconhecidos a sua reputação. A produtora do game, a Desk Plant, disse entender os motivos da Valve e que era direito da empresa de Gabe Newell decidir que conteúdo deve fazer parte de seu catálogo, mas não pareciam muito arrependidos do mal gosto. Em reportagem ao Daily Mail, foi dito que o público-alvo de Rape Day são os 4% da população que são sociopatas e pessoas que “curtam bancar o estuprador e assassino em série durante um apocalipse zumbi”.

Rape Day foi removido do catálogo da Steam e provavelmente jamais voltará, apesar de a loja informar que o conteúdo foi suspenso para mera análise de conteúdo.

 

6 – Hatred

Já falamos de Hatred anteriormente  e esta é um figura fácil na lista de jogos polêmicos (mesmo em tempos de violência). Trata-se de um game que coloca o jogador no papel de um homem que odeia as pessoas e se lança numa campanha homicida.

Sob perspectiva isométrica e ambientes escuros, o jogador poderia deflagrar o caos.Em meio a tiros e banho de sangue, o que se ouve são as sirenes policiais, o choro de inocentes e muita gritaria. Tal como em jogos de péssimo gosto, assim que uma pessoa é morta, o jogador ganha munição e novas armas para continuar sua campanha. O problema não está em matar – uma vez que GTA e outros expoentes fazem isso – mas sim em recompensar o jogador por atos hediondos.

Tal como outros jogos desta lista, Hatred acabou banido da loja, porém apenas um dia depois ele voltou ao catálogo da Steam, com direito a pedido de desculpas pessoal de Gabe Newell, em um plot twist inesperado.

 

7 – The Key to Home

E por fim, temos um jogo japonês que não ficou muito conhecido por aqui e não chegou a fazer grande barulho, já que a Steam foi inclemente com seu conteúdo. The Key to Home se apresenta como uma visual novel típica, ou seja, cheia de mistérios, personagens fofinhos, opções de diálogos e decisões morais questionáveis. O problema era a descrição do game: “Esta é uma visual novel de mistério para todos os senhores e senhoras que adoram pequenas garotas!”.

A Steam pediu satisfações sobre o conteúdo e a Henteku se manteve calada até que o facão da justiça desceu e o game acabou banido da loja. De acordo com a Valve, o título precisou ser retirado pois incentivava e dava espaço para uma rede de pedófilos. As imagens e as insinuações não deixavam dúvidas de que o jogo escondia algo muito mais sinistro do que apenas mistério e pequenas garotas.

Android – Hora de conferir os jogos e aplicativos gratuitos do final de semana

Fim de semana chegando, hora de dar uma calibrada no seu celular Android, baixar aplicativos e jogos novos, certo? Pois fica esperto na dica: de tempos em tempos a Google disponibiliza uma série de aplicativos gratuitamente. Se você quer jogos e aplicativos e jogos completos e não quer desembolsar esses são os apps da semana. Fica o aviso de que alguns deles tem sistema de monetização através de publicidade. Confira abaixo os principais games e aplicativos gratuitos da semana:

 

Aplicativos gratuitos:

 

LockMyPix: Private Photo & Video Vault 

Este aqui é para quem preza por privacidade. O aplicativo é capaz de bloquear fotos, forçando o usuário a usar senha para acessá-las. O mais bacana é que ele tem o chamado “cofre duplo”, criando mais uma camada escondida, caso alguém te force a revelar as fotos que estão bloqueadas. Quer esconder seus nudes? Esse app pode te ajudar. Gratuito por dois dias.

 

Night Light Pro: Blue Light Filter, Night Mode

Mexer no celular até altas horas da noite é um hábito muito comum. Mas não é uma atividade sadia! Além de prejudicar suas horas de sono, ficar com a tela ligada na frente do rosto em ambiente escuro pode desgastar a sua visão. Pensando nisso, o pessoal da SSR Lab criou o Night Light Pro, um filtro que permite escurecer a imagem do celular, reduzindo a claridade emanada. Ideal para dar um descanso aos olhos. Você tem cinco dias para baixar este app gratuitamente.

 

POSTPHONICS DICTIONARY

Se você está aprendendo inglês, este aplicativo pode te ajudar bastante, pois ele é basicamente um dicionário digital capaz de “falar” cerca de 2900 palavras em inglês. Ideal para reproduzir a pronuncia correta. Mas vale lembrar que é mais útil para quem está num nível intermediário, que já é capaz de traduzir do inglês para o português, pois ele não é tradutor, apenas um dicionário. Serve para descobrir o significado de uma palavra que você desconheça ou que não sabe como pronunciá-la. Grátis por cinco dias.

 

Quit Smoking Tracker GOLD – stop smoking

Parar de fumar é uma tarefa extremamente difícil. O vício pode destruir a saúde de qualquer um e mata milhares de pessoas em todo o mundo. Felizmente existem técnicas para que as pessoas de boa vontade consigam aos poucos abandonar esse mal. O aplicativo Quit Smoking é um compilado de técnicas cientificamente comprovadas para quem quer largar o vício. Tem até o sistema de conquistas inspirado nos videogames e um contador mostrando quanto dinheiro foi poupado no mês. Ele fica gratuito por apenas seis dias.

 

Outros aplicativos gratuitos:

Ner – Photo Editor, Pip, Square, Filters, Pro $0.99 -> Grátis; Finaliza em 7 dias.

Triathlon Calculator: Pace for Swim/Bike/Run $0.99 -> Grátis; Finaliza em 4 dias.

Gallery Vault Pro – hide photos hide videos $3.99 -> Grátis; Finaliza em 5 dias.

Music Player – Multimedia Best MP3 Audio Player $0.99 -> Grátis; Finaliza em 6 dias.

 

Games gratuitos:

 

Survival Island: EVO Pro!

Survival Island é um título em primeira pessoa que te coloca no meio de uma ilha no meio do nada e seu objetivo é sobreviver. Para isso, você deve caçar, pesar, construir uma casa e fugir de ameaças de animais agressivos. O título tem um ambiente 3D bastante vivo e surpreendente para um celular. Devido ao tamanho do jogo, ele não é indiado para qualquer celular, mas de um intermediário adiante. Fica disponível gratuitamente por dois dias.

 

Everybody’s RPG

Aqui a dica é para quem é fã de RPGs das antigas. O título da NomadGames é uma ode aos jogos de RPG da era 16 e 32 bits. Os gráficos e efeitos visuais lembram bastante franquias como Final Fantasy e Chrono Trigger. A jogabilidade é simples, trazendo o melhor do reino dos universos de RPG. Você pode baixar aqui.

 

Kingdom Defense 2: Empire Warriors

Eleito por muitos como o tower defense móvel de 2018, o game te coloca num mundo de fantasia medieval e seu objetivo é proteger o reino da ameaça do exército das trevas. Você deve posicionar guerreiros, arqueiros e magos para bloquear o caminho dos monstros que chegam aos montes. O game começa fácil, mas aos poucos fica extremamente desafiador. Ideal para os fãs do gênero tower defense. Fica disponível por cinco dias.

 

League of Stickman: (Dreamsky)Warriors

League of Stickman é para quem gosta de jogos de ação com uma pegada de Metroidvania. Você encarna um mítico herói que deve usar suas habilidades em artes marciais para destruir um terrível tirano. Ainda que o roteiro seja clichê, o game acerta no tom da ação e nos gráficos repletos de efeitos de luz. Outro ponto positivo é o sistema de combate com um pé no RPG. Os controles são simples, mas a falta de botões pode ser desconfortável para o gênero. Se você tiver um controle, melhor. Fica grátis por cinco dias.

 

Outros jogos gratuitos:

Machiavelli $1.00 -> Grátis; Finaliza em 5 dias

My Town : Beach Picnic $2.99 -> Grátis; Finaliza em 7 dias

Paper Duels $0.99 -> Grátis; Finaliza em 7 dias

Tap knife VIP $0.99 -> Grátis; Finaliza em 4 dias

Warriors’ Market Mayhem VIP $0.99 -> Grátis; Finaliza em 4 dias

 

Fonte: Android Police

Games For Change indica os Jogos de cartas e tabuleiro que irão mudar o mundo a partir de 2018

Que os jogos são ferramentas transformadoras, disso você já sabe e temos mais um exemplo para mostrar àqueles mais céticos e que acreditam que jogos digitais e de tabuleiros são meras formas de escape da realidade. Recentemente a UNODC (“United Nations Office on Drugs and Crime”, a agência da Organização das Nações Unidas, ONU, sobre drogas e crimes) realizou uma competição, convidando jovens designers de jogos de todo o mundo a apresentarem ideias para vários jogos não eletrônicos.

A competição foi batizada “Educação para a Justiça” (E4J). Qual o objetivo dessa competição, você pergunta!? Mostrar que a jogos são benéficos para a aprendizagem e que os jogos educativos interativos são um meio perfeito para transmitir lições que são mais bem absorvidas. Os jogos de tabuleiro e cartas foram o alvo desta disputa, pois eles implicam um nível pessoal maior de envolvimento e geralmente são flexíveis quanto ao número de jogadores, tornando-os adaptáveis a atividades sociais e escolares.

Passado o período de disputa, chegou a hora de conhecer os jogos que irão transformar vidas e ideias a partir do segundo semestre de 2018. O critério mais importante é abordar pelo menos um dos tópicos cobertos pelo mandato da UNODC tais como tráfico de pessoas; crime organizado; prevenção do extremismo violento; o uso de força pela polícia; cibercrime e segurança on-line; e integridade.

De acordo com a Games For Change América Latina, os projetos selecionados foram contemplados com um subsídio de US$ 10.000 para o desenvolvimento, teste, fabricação e distribuição do jogo, envolvendo estudantes de nível secundário e educadores no processo. Vale destacar que todos os jogos selecionados são de tabuleiro ou de cartas, já que o plano era envolver apenas jogos dessas categorias.

O primeiro deles é Running Out of Time, criado pela “Asociation Socioeducative Llere” da Espanha. Trata-se de um jogo de tabuleiro que ensina sobre corrupção, prevenção ao crime e justiça criminal, terrorismo e tráfico de pessoas. Os jogadores assumem papéis diferentes na sociedade desde funcionários públicos até políticos.

RiotTD, da Universidade de Bournemouth, no Reino Unido, segue o mesmo estilo. Este é um jogo de tabuleiro colaborativo sobre o uso da responsabilidade da força no qual os jogadores aprenderão os princípios básicos das Nações Unidas sobre o uso de força e armas de fogo por policiais, assumindo os papéis de equipes de investigações forenses.

A ONG “Centro de Estudos sobre Mulheres e Crianças” de Bangladesh apostou na triste realidade do tráfico de pessoas e exploração sexual on-line, projetando um jogo interativo envolvendo salas de aula completas e cartas de baralho e fazendo um brainstorming sobre essas formas de crime organizado transnacional.

Na Howard Rheingold University, dos Estados Unidos, um grupo de estudantes desenvolvem o boardgame “Labyrinth“, onde os jogadores tentam alcançar o status de herói, fazendo as escolhas apropriadas e encontrando seu caminho em um labirinto onde há caminhos para o terrorismo e a radicalização.

Já a Integrity Action, do Reino Unido, criou o jogo “Shine“, uma versão moderna dos famosos jogos “anakes and ladders”. Aqui os alunos devem se preocupar com questões envolvendo a integridade e monitoramento dos serviços públicos.

O cybercrime é o grande inimigo do jogo “Rutgers Preparatory School“, criado nos Estados Unidos. Trata-se de um jogo de tabuleiro cooperativo onde os jogadores precisam criar uma estratégia para tornar a internet mais segura.

Students for Integrity” é a ideia da Transparency International Slovenia, onde os jogadores podem mergulhar nos papéis de jornalista, detetive, delator ou político, entre outros, enquanto lidam com várias crises; aquelas que são ignoradas se intensificam, enquanto aquelas que são tratadas estrategicamente são superadas.

A Universidade de São Paulo é a representante do Brasil nesta seleção. A USP está trabalhando no “Purposyum of Justice Challengers“, um tabuleiro e um RPG que ajudará os jovens a desenvolver suas habilidades de narrativa enquanto jogam através de uma jornada para alcançar vários estágios em revelações que levam à Justiça.

E por fim, estudantes da Bolívia, a “Vision Mundial Bolivia” está trabalhando em um jogo onde os jogadores escolhem um objetivo pré-definido, como riqueza, prestígio social, conhecimento ou felicidade, para o qual eles têm que ganhar pontos respondendo a várias situações.

comKids: Mostra de obras interativas que acontece em agosto está com inscrições abertas.

Se você é desenvolvedor de games, livros interativos ou aplicações em geral em plataformas digitais,  ao perca a chance de se inscrever no Festival comKids, um evento que visa celebrar produções culturais voltadas para crianças e adolescentes em tablets, celulares, smartv, web, PCs etc. O evento ocorre em São Paulo nos dias 16 e 17 de agosto e está com inscrições abertas através do site para quem quiser fazer parte da mostra.

O comKids conta com.diversas atividades ao longo dos dois dias de evento, tais como palestras, painéis e a competição especial, além de mostras audiovisuais gratuitas que serão exibidas ao longo do mês de agosto em espaços culturais da cidade.

“O comkids interativo vem para refletir sobre esse tema e premiar, como sempre, todos os que produzem com criatividade, qualidade e compromisso com as crianças e jovens”, disse Beth Carmona, diretora-geral do comKids.

Produtores de mídias audiovisuais podem inscrever seus projetos e participar do evento. São seis as categorias em competição: apps, games, transmídia, plataformas, livros digitais e realidade aumentada. Os projetos devem ter sido criados em português ou espanhol. O importante é que tais trabalhos devem ter sido desenvolvidos majoritariamente na América Latina, Portugal, Espanha ou em países de língua portuguesa.

De acordo com a organização do evento, as obras devem ter sido finalizadas a partir de 2015. Após avaliação de um pré-juri, os finalistas apresentarão seus projetos durante o festival e o público participante do evento vai eleger os vencedores da competição.

Clique aqui para inscrever a sua obra.

Passatempos Inteligentes é o aplicativo para treinar seu cérebro brincando

Hoje vamos falar de um aplicativo para dispositivos mobile que tem tudo para exercitar seu cérebro: Passatempos Inteligentes. Trata-se de uma coleção de jogos baseados nos princípios da psicologia cognitiva, que ajudam a praticar diferentes habilidades mentais, como memória, concentração e raciocínio lógico. O game está disponível há alguns meses e já foi baixado mais de 400 mil vezes tornando-se uma referência em jogos para treinar o cérebro.

Ele é uma coletânea de jogos de lógica da internet produzido pelo estúdio Smart Mobile Development, cujo intuito é divertir e aumentar o poder do cérebro. Para isso, foram selecionados diversos jogos separados por categorias e com constantes adições de novos jogos totalmente de graça. Aqui você vai ver versões do jogo da memória, jogos de lógica e quebra-cabeças.

Desde o lançamento do Brain Training, sabe-se que jogos de puzzle em geral ajudam mesmo a desenvolver o cérebro e deixar seu pensamento mais rápido e lógico. Não por acaso, jogos do estilo são frequentemente utilizados por estudantes universitários e crianças em idade educacional, a fim de melhorar seus rendimentos escolares.

De acordo com os desenvolvedores, todos os jogos contidos em Passatempos Inteligentes foram projetados para impulsionar suas habilidades de memória, concentração e reação. Há um ranking multiplayer em todos os minigames, de modo que você pode desafiar e comparar suas pontuações com os amigos.

Estes são os 25 estúdios nacionais que mais se destacaram em 2017, segundo a Abragames

Que o mercado de games nacionais está em alta não há dúvidas: a cada ano surgem games de alta qualidade e seus produtores logram conquistar prestígio nacional e internacional com cada vez mais frequência. Para celebrar o crescimento da indústria, e revelar o que virá em 2018, a Abragames (Associação Brasileira das Empresas Desenvolvedoras de Jogos Digitais) organizou nesta quinta-feira, o evento especial Abragames Apresenta: Jogos de Sucesso, em São Paulo.

Neste evento se reuniram 20 desenvolvedoras associadas à Abragames para expor os 25 maiores casos de sucesso deste ano, para um público composto por empresários, profissionais da indústria criativa, imprensa e representantes do Governo. A intenção foi destacar as grandes e pequenas empresas que fazem o Brasil ser bem visto pelas empresas de games mundial.

“Este ano foi o melhor da nossa indústria, e fruto de muito esforço de empresários que participaram dos mercados internacionais mais competitivos e especializados do mundo, com apoio da Apex-Brasil,” declarou Eliana Russi, gerente executiva do Projeto Brazilian Game Developers. “Em 2018, com o início da implantação de políticas públicas, como os Editais da Ancine e Finep, o talento e garra dos desenvolvedores brasileiros só dá um direcionamento claro:  nossa indústria é forte e veio para ficar.”

Em 2017 pela primeira vez a indústria de games passou a ter financiamentos públicos, somando mais de R$ 30 milhões, e esse investimento gerou os resultados mostrados no evento. Os 25 jogos apresentados foram financiados de diversas formas. A maioria deles (14) foi feita com recursos das próprias empresas, 10 deles foram feitos com financiamento público (através de investimentos e editais); 4 foram produzidos com investimento privado internacional, 2 foram feitos com ajuda de financiamento coletivo, e 1 com financiamento privado nacional.

Entre as empresas destacam-se 11 de São Paulo, 2 do Distrito Federal, 3 do Rio Grande do Sul, e 1 de Santa Catarina, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais cada. No total, estas empresas mobilizaram quase 170 pessoas na criação de seus jogos, que venceram 28 prêmios e receberam 24 outras nomeações. E um detalhe: quase metade (48,5%) deles ainda não foi lançada oficialmente.

Entre as empresas participantes do evento da Abragames, nota-se que muitas delas já tiveram seus games divulgados aqui no GameReporter e são bastante ovacionadas quando participam de eventos como o BIG Festival ou a Brasil Game Show. Confira a lista de produtores nacionais destacados pela Abragames:

Behold Studios (Distrito Federal), Cat Nigiri (Santa Catarina), Kinship Entertainment (São Paulo), Flux Game Studio (São Paulo), Fableware Narrative Design (Rio de Janeiro), Fira Soft (Distrito Federal), Skullfish Studios (São Paulo), Duaik (São Paulo), Ambize Studio (São Paulo), IMGNation Studios (Rio Grande do Sul), Pocket Trap (São Paulo), Among Giants (São Paulo), Sinergia Studios (São Paulo), Rockhead Games (Rio Grande do Sul), Webcore Games (São Paulo), Monomyto Game Studio (Mato Grosso do Sul), Mad Mimic (São Paulo), Rogue Snail (Minas Gerais), Mukutu Game Studio (São Paulo) e Aquiris Game Studio (Rio Grande do Sul).