Retrô – uma saga para encontrar a maior criminosa dos games. Relembre o clássico Carmen San Diego

Jogar qualquer tipo de game hoje em dia é muito fácil, bastando ter uma conexão com a internet (provável que todo mundo que tem um PC, tenha conexão) para ter acesso aos mais variados tipos de games do mercado, muitas vezes gratuito. Jogos para smartphone, jogos online para crianças, jogos competitivos famosos que tomaram estádios de futebol como League of Legends, até mesmo serviços de jogos de apostas como o sportingbet que é um deles são possibilidades para se divertir, caso queira. A tecnologia é tanta, claro, que hoje tem jogos de última tecnologia onde você vê a pele do seu personagem com mais detalhes e poros do que a sua própria pele real em carne e osso.

Só que antigamente as coisas não eram tão fáceis. Os jogos, por mais simples que fossem, precisavam ser comprados na loja e, muitas vezes, aquele game que você tanto queria não estava lá, o que era motivo de grande frustração para muita gente. Foi assim que, conversando com um amigo meu da época, ele me copiou em disquete o jogo “Onde no mundo está Carmen San Diego?”, jogo desenvolvido pela Broderbund Software e lançado durante a década de 80.

O jogo pesava apenas alguns KB (sim KB, não chegava nem a 1 MB), não possuía músicas e apenas uma interface gráfica bem limitada. Por outro lado, o título era extremamente viciante, além de ser educativo sem entrar no “careta” e no “sem graça”, tendo valores pelo gameplay e ser uma verdadeira aula de geografia. Basicamente, você é um detetive que deve investigar ladrões que estão roubando artefatos ao redor do mundo.

Para isso você deve buscar informações em diversos países e conversar com pessoas que podem te dizer coisas valiosas, não só para onde a pessoa fugiu, mas também as características que podem permitir que você tenha um mandato de prisão. Sem este último, o caso não é resolvido, e você é obrigado a reiniciar a aventura.

Lá aprendemos sobre as bandeiras dos países, as moedas correntes da época (pensar que hoje em dia diversas citações do game referentes às moedas da Europa foram substituídas pelo Euro) e o objetivo era investigar criminosos e capturá-los emitindo uma ordem de prisão.

O mais interessante é que o game foi localizado, com textos inteiramente traduzidos para o português brasileiro. Até hoje não sei quem foi a responsável por ele, mas tenho minhas suspeitas de que tenha sido a Tectoy, já que há uma edição do game também para o Master System, mas essa em si eu nunca joguei.

Fenômeno no mundo inteiro, o jogo que originalmente foi lançado em 1985 vendeu cerca de 4 milhões de cópias e acabou rendendo uma franquia, com direito a outros jogos com aulas de história, reboots, e até mesmo desenhos animados para a televisão. É verdade que nenhuma das outras edições tem o mesmo carisma do bom e velho jogo que pesava apenas alguns KB, mas todos os games da série são bem divertidos e merecem uma conferida.

Não é a velhice, ou se hoje em dia não se fazem mais jogos educativos como antigamente. Adquirir conhecimentos gerais com esse jogo era tão bacana, não sentíamos o tempo passar e simplesmente íamos jogando e rejogando até zerar.

Temos hoje toda a tecnologia do mundo, mas talvez falte um pouco de aprendizado envolvendo o entretenimento. E vocês leitores, o que acham? Fica a dúvida.

Um comentário em “Retrô – uma saga para encontrar a maior criminosa dos games. Relembre o clássico Carmen San Diego”

Deixe seu comentário