Arquivo da categoria: Mobile

Hero Feto: game brasileiro independente discute o aborto de maneira bem humorada

Aprenda a desenvolver jogos como o Hero Feto com os melhores cursos online. Confira as promoções aqui.

A luta contra o aborto é o tema do jogo Hero Feto, game indie desenvolvido pela produtora pernambucana Oxente Games. Aqui o desafio é tomar o controle de um feto dentro do útero de sua mãe, que, junto da ajuda de um médico, pretende fazer um aborto. Para escapar da morte inglória, o pequeno feto deve desviar de obstáculos e instrumentos cirúrgicos que teimam em cortá-lo ao meio.

Hero Feto é do gênero plataforma e tem uma jogabilidade bem simples e divertida. Você vai passar bons minutos desviando de obstáculos e saltando por plataformas. O interessante é que os cenários mudam com frequência, tornando as coisas bastante desafiantes. Apesar de a jogabilidade simples, não espere vida fácil, já que as quatro fases possuem um nível de dificuldade elevado.

Além dos instrumentos cirúrgicos e os espinhos nas fases, o pequeno feto deve tomar cuidados com todos os métodos abortivos tais como chá de canela, pílulas etc. O objetivo é sobreviver até a gestação. Sim, o pessoal da Oxente Games sabe que o assunto é polêmico e que isto pode gerar o afastamento de alguns jogadores.

Entre os pontos fortes de Hero Feto, estão os gráficos pixelados, a trilha sonora vibrante e o design de fases inventivo. Como se não bastasse, há um senso de humor bastante inteligente aqui, mas sem deixar a mensagem ideológica de lado. Quando o feto é abortado, ele exclama a célebre frase “Eu não fiz nada”, enquanto é cortado ao meio. O game está disponível gratuitamente para sistemas Android desde o final de 2017 com direito a sistema de score, skins e rankeamento.

Abaixo você confere o trailer de Hero Feto:

Shooting Pixels – jogo de desenvolvedor independente é indicação para quem curte shooters

Nossa recomendação indie do dia é para quem curte jogos com pegada retrô: Shooting Pixels, criado pelo desenvolvedor Felipe Godoy. Trata-se de um shooter espacial que lembra muito o clima de Space Invaders, porém repaginado para as novas tecnologias. Seu objetivo é destruir naves inimigas e criaturas alienígenas que surgirem na sua frente.

Shooting Pixels foi desenvolvido para dispositivos mobile, de modo que a jogabilidade é bem simples – você apenas define a rota da nave para desviar ou mirar os inimigos, ou seja, não existe botão para atirar. O interessante é conforme você destrói os inimigos surgem power ups que melhoram o poder de fogo de sua espaçonave.

Conforme você segue a aventura e passa as fases, maior a sua pontuação. Esses pontos podem ser usados posteriormente para comprar naves mais bonitas e poderosas. Entre os pontos positivos do game estão os visuais pixelados e bastante coloridos, a ação rápida e o clima de ação irrefreável.

Shooting Pixels está disponível para aparelhos mobile através do Google Play. A expectativa é capturar as atenções de jogadores aficionados por jogos com visuais noventistas. O download é gratuito.

Quebec International recruta desenvolvedores de jogos brasileiros para trabalhar no Canadá

Ei, você, desenvolvedor de jogos brasileiro, já pensou em trabalhar na Ubisoft? Pois bem, há uma chance de trabalhar na sede canadense da empresa ou ainda na Artisan Studios, outra grande desenvolvedora com sede no Canada. Para tentar esta oportunidade, basta participar de um processo seletivo organizado pela Quebec International, agência de desenvolvimento econômico do Canada.

A Quebec International irá organizar um processo seletivo aqui no Brasil entre os dias 27 e 28 de abril com o objetivo de recrutar jovens talentos brasileiros. Para participar é necessário dominar programação e desenvolvimento de jogos 3D e 2D, programas de designers. As inscrições para o processo seletivo poderão ser feitas gratuitamente pelo site entre 11 de fevereiro e 17 de março, com currículos enviados em francês.

Sim, a empresa procura profissionais com conhecimento do idioma francês e o inglês é um diferencial. A agência selecionará os escolhidos para a bateria de entrevistas que acontecerá nos dias 27 e 28 de abril em São Paulo (SP), com a presença dos gestores das empresas.

De acordo com a Quebec International, os candidatos aprovados assinarão um contrato e a empresa ficará responsável pelos trâmites iniciais de imigração e obtenção do visto, o que permitirá trabalhar e viver legalmente na cidade.

“Mais do que se adaptarem facilmente à nossa cultura, os profissionais que atuam no segmento de games no Brasil têm uma capacidade reconhecida. Não à toa, o país é o maior mercado da América Latina e já movimenta R$ 1,5 bilhão”, comenta Janaina Kamide, conselheira em atração de talentos da Québec International.

Para mais informações e inscrições, acesse o site da organizadora do evento.

War Solution – game mistura puzzle e tower defense para melhorar suas habilidades em matemática

O ano de 2019 terá tudo para ser especial para a equipe da Yaw Studios, uma desenvolvedora indie focada em criar jogos que agreguem conhecimentos ao jogador, pois é justamente neste ano que a empresa lançará o ambicioso War Solution, um título que mistura puzzle e tower defense de maneira única. O game esteve presente na BGS 2018 e deixou uma impressão bastante positiva entre os visitantes do estande.

Basicamente você deve derrubar as torres adversárias com a utilização de uma catapulta antes que o adversário derrube a sua estrutura. Para isso, você deve acertar um desafio matemático que surge na tela. Quem responder primeiro tem a chance de disparar contra a torre adversária primeiro. O macete é que além de divertir, o game ainda auxilia no raciocínio rápido e atrair pessoas para a boa e velha matemática.

War Solution consegue êxito em divertir e ensinar muito por causa de seus visuais encantadores, o clima de competição e jogabilidade simples. Você vai resolver problemas de adição e subtração, escolhendo entre quatro opções de respostas disponíveis. Quanto mais rápido você responder, melhor, pois há a chance de ganhar itens capazes de aumentar o poder de fogo de sua catapulta. Mas se você demorar para responder, o dano causado no inimigo será pífio.

Se você se mostrar um gênio não descoberto da matemática, novas torres são desbloqueadas. De acordo com a Yaw Studios, o game conta com 5 modos de jogo, incluindo um modo de combate, que permite que você desafie seus amigos online. Até o momento, apenas dois modo estavam prontos: a campanha e o multiplayer local para dois jogadores – e foi justamente este a fazer bastante barulho na BGS, através de desafios propostos pela equipe da Yaw Studios aos visitantes do estande.

Em entrevista ao site Jogazera, Aislan, fundador da Yaw Studios disse que o game foi pensado após avaliar o nível educacional dos alunos. “Não querendo educar, mas utilizando a competição e a diversão como veículo, fazendo com que a matemática seja inserida naturalmente, sem a pessoa perceber”, disse Aislan.

War Solution ainda não tem data definida de lançamento, mas sabe-se que chegará ainda em 2019 para plataformas mobile e PCs. Há planos de trazê-lo aos consoles no futuro também. A impressão que o game deixou nos visitantes da BGS foi bastante positiva e provavelmente ele deve fazer novas participações em outros eventos de jogos nacionais. Você pode conferir mais sobre o game no site oficial.

Abaixo você confere um trailer de War Solution:

Conheça Tiki-Taki, o primeiro jogo do estúdio Cheeky Chimp

O destaque do dia é uma ode aos desenhos da década de 80-90. Trata-se Tiki-Taki, um game do gênero sidescroller repleto de puzzles desafiantes desenvolvido pelo estúdio Cheeky Chimp, que coloca o jogador no comando dos amigos Joe e Bubble, que devem unir forças para salvar seus amigos das investidas de Juju, um vilão que quer destruir a colorida ilha dos heróis.

O game presta homenagem aos cartoons da década de 90, tais como Animaniacs, por exemplo, pois é repleto de cores e bom humor característicos do estilo. O jogador tem a impressão de estar em um desenho jogável. O grande macete é que há vários puzzles que desafiam a criatividade do jogador e sua percepção.

O título está em campanha no Kickstarter e tem previsão de lançamento para 2019 para plataformas mobile e PC. O jogo utiliza de muitos poucos elementos de UI, permitindo o jogador usar a tela inteira para controles de movimento. Depois de introduzir a mecânica de “andar”, nós introduzimos a mecânica de “correr”, utilizando o mesmo conceito de utilizar a tela inteira como botão.

As mecânicas básicas é de andar, correr e parar, de modo que o estúdio prezou por uma jogabilidade simples e que qualquer um pode desfrutar. Cada novo encontro ingame é atrelado com uma “cutscene” para ilustrar, em pura emoção de um desenho animado, o que evitar e como passar do obstáculo. Toda essa informação é transmitida sem o uso de texto ou sequer narração explícita.

Tiki-Taki é desenvolvido por três desenvolvedores espalhados pelo mundo. Um deles, inclusive, é o brasileiro Vitor Laskowsky. De acordo com os produtores, o game surgiu de um projeto de faculdade e foi tão bem recebido em ambiente acadêmico que o trio William, da Bélgica; David, da Colômbia; e Vitor, de São Paulo resolveram termina-lo e lança-lo comercialmente.

Abaixo tem o trailer de Tiki-Taki:

Izotonic Studios vence Game Jam Sky, confira nossa entrevista com os produtores

No último final de semana entre 02 e 03 de fevereiro os desenvolvedores indies do Brasil tiveram um desafio bastante inusitado: criar um game com apenas 1,5 mb. Este era o desafio proposto pela Game Jam Sky, evento promovido pela empresa de TV a cabo, que visava unir o mundo dos games com alguns dos programas que ela transmite (filmes, séries etc). Quem venceu o desafio foi o time da Izotonic Studios, que criou um game casual bem promissor.

A vitória grantiu o prêmio de R$ 5 mil, além da possibilidade de ter o game publicado pela Sky em um futuro próximo. Resolvemos conversar com o Vinicius Yokomizo, sócio-fundador da Izotonic, que nos falou sobre esta game jam e um pouco sobre a história do estúdio.

 

  1. Nos fale sobre e a história da Izotonic Game Studios. Quando surgiu e que games já foram desenvolvidos?

Izotonic: Gostaria de agradecer o convite do “Dolemes” e Luiz! Fundamos o estúdio em meados de 2012, logo após a nossa formação em desenvolvimento de games. Esse ano completaremos 7 anos no mercado de desenvolvimento de games, começamos produzindo alguns jogos simples para vermos as limitações e principais características de cada um da equipe, isso nos possibilitou saber em quanto tempo conseguíamos produzir, começamos a participar também de algumas game jams como SPJam, fomos conquistando alguns clientes ao longo desse tempo, produzimos alguns títulos próprios, como: CMYK, Ikarus, etc. Alguns advergames para Petrobrás, Puma, Zap Imoveis, Zurick Seguros e projetos para área da saúde, como o Mentalplus, onde temos pesquisas e parcerias internacionais.

  1. Como chegou o convite para participar da Game Jam Sky?

Izotonic: Ficamos sabendo da Game Jam através de um grupo de desenvolvedores do whatsapp, logo após isso paramos tudo o que estávamos fazendo para nos inscrevermos na game jam, queríamos mostrar que estávamos todos engajados e totalmente interessados em participar, tanto que enviamos o formulário todos na mesma hora.  Houve uma seleção, levaram em conta diversos pontos, como experiencia, entre outras características.

 

Ikarus, um dos principais games do portfólio da Izotonic Studios.
  1. Qual foi o tema da Game Jam Sky? E assim que foi definido o tema, como foi o processo para definir que game criar em tão pouco tempo?
    Izotonic:
    Na verdade não houve um tema em especifico, mas alguns desafios, o game poderia ter qualquer tema dos parceiros relacionados aos canais deles, filme, serie, desenhos, etc. outro ponto foi que deveria ser um game bem casual, pois o limite para a versão final deveriam ter apenas 1,5 mb. Tínhamos 3 ideias iniciais, escolhemos uma em consenso da equipe.

 

  1. Vocês já participaram de algum evento semelhante? Qual foi o resultado?

Izotonic: A maior parte da equipe já havia participado de game jams, dois dos integrantes participaram a primeira vez Estevam que trabalha com desenvolvimento de modelos 3D e a Mariana artista conceitual, dois dos integrantes Leonardo e Lucas ambos programadores já participaram de game jams como a Game Jam Plus onde foram vencedores regionais em São Paulo, eu e meu sócio já participamos de outras como SPJam, fomos vencedores na edição de 2013, recebemos uma premiação da Nokia. Microsoft Game jam, Facebook Game Jam, Kolks Game Jam, e essa que considero uma das principais nas quais participamos.

  1. Nos fale como é o game que vocês criaram durante o evento. Qual o objetivo, personagens etc.
    Izotonic:
    Desenvolvemos uma Game totalmente focados no engajamento, então partimos do principio trazer uma linguagem simples, Não posso falar muito sobre, devido a alguns requisitos da Game Jam Sky, creio que em breve poderemos falar melhor e com mais detalhes sobre o game, fico muito empolgado e ansioso para falar sobre o game, mas infelizmente por hora não posso.
O jogo Mental Plus é um dos destaques do estúdio.
  1. Qual a diferença entre criar um game por contrato, independente ou durante uma game jam?

 

Izotonic: Desenvolver em si, todos temos o mesmo sentimento, prazer em produzir o que mais adoramos, games! O que muda por exemplo em um game por contrato é que as vezes o roteiro ou a ideia já vem do cliente, nós executamos a ideia, às vezes o prazo pode variar também alguns duram mais tempo outros menos. Creio que o maior desafio na indústria é desenvolver o próprio “indiegame” por completo, agora com o incentivo dos editais essa realidade se torna cada vez mais próxima, desenvolver o próprio game é bem mais emocionante pois você pode focar numa mensagem que você gostaria de passar, ou seguir um estilo de arte, focado em qual público você planeja atingir, etc.

Já numa game Jam as coisas mudam um pouco, as coisas precisam ser um pouco mais precisas, e organização é um ponto bem importante nesse processo, dividir as tarefas para o que cada um é melhor, ou ajudar alguém com dificuldade em alguma tarefa, fora o contato com outros desenvolvedores, e a troca de experiencias que é ótima!

 

  1. Quantas pessoas participaram do projeto?

Izotonic: Gostaria de agradecer muito minha equipe, estavam todos bem engajados, e proativos! Ao todo foram 7 pessoas, Eu (Vinicius) responsável pela direção de arte durante a Game Jam, Rafael C. Garcia meu sócio, responsável pela programação principal do game, Estevam Jannuzzi ficou responsável pela produção de conteúdos para o game junto com a Mariana Honorio. Leonardo Bapstista e Lucas Rocha foram responsáveis por outras partes da programação e também na produção de conteúdo para o game, conseguimos produzir mais de 150 conteúdos para o game, otimizamos tudo para ficar abaixo dos 1,5mb, foi uma superação de todas as equipes da Game Jam, todos estão de parabéns!

 

  1. Alguma chance de o game produzido na Game Jam Sky evoluir para um projeto completo e ser lançado no futuro para as grandes plataformas ?
    Izotonic
    : Sim, estamos conversando com a Sky para ver como iremos prosseguir com o desenvolvimento do Game. Vamos planejar como lançar e também as datas!
  2. Qual a parte mais legal de participar da Game Jam Sky? A Izotonic já participou
    de outros eventos do tipo?

    Izotonic:
    O evento foi muito bem produzido, a Sky está de parabéns, todo o cuidado que eles tiveram com cada desenvolvedor foi perfeita! Achei o desafio a melhor parte
    da game jam, não havíamos feito nada desse tipo em 7 anos. Chegamos no limite da otimização e produzir um conteúdo variado, usando muitas coisas nativas. Já participamos de outras Game Jams, algumas com alguns integrantes da equipe  e outros amigos, mas com a formação completa do estúdio, foi a primeira vez!
  3. Qual a dica que vocês podem dar para desenvolvedores que gostariam de participar de game jams?
    Izotonic:
    Nas Game jams você sempre acaba aprendendo algo novo, ou superando algum desafio, abrindo uma porta em alguma empresa, indicações, e contato com outros Desenvolvedores.

Sobre o estúdio: 

A Izotonic Games é um estúdio brasileiro que nasceu em 2012 com o propósito de desenvolver jogos digitais e soluções interativas de qualidade. Em seu portfólio constam trabalhos realizados para grandes marcas de agência e empresa: jogos casuais, advergames e design 3D oferecidos para plataformas atuais.

Estação Nova Lapa, em Salvador, recebe espaço gamer da escola SAGA entre 4 e 8 de fevereiro

Esta vai para os apaixonados por games de Salvador, na Bahia! A SAGA School of Art montará um espaço chamado SAGA Play no Terminal Rodoviário Nova Lapa, no bairro Tororó. Os passageiros e visitantes do terminal poderão se divertir gratuitamente no espaço jogando os principais games do momento, em estações de Xbox One e Playstation 4. Para jogar, basta se inscrever gratuitamente no local, que fica aberto ao público no período das 10h às 18h.

Além de jogar à vontade, os frequentadores do SAGA Play poderão ainda fazer uma oficina da unidade da escola na Pituba, também na capital baiana. De acordo com a instituição de ensino, a agenda de oficinas é variável mas poderá ser uma oficina sobre produção em 3D, ou de edição de imagem, desenvolvimento de cenários de games ou ainda de técnicas para se tornar um youtuber.

“Somos apaixonados pelos games e queremos levar essa paixão para todos os cantos do país”, diz Alessandro Bomfim, CEO e fundador da SAGA. “Temos certeza que os passageiros do terminal rodoviário de Nova Lapa vão gostar de dar uma pausa na correria do dia-a-dia para imergir nesse universo tão apaixonante que é o videogame, e depois ainda participar de uma oficina gratuita sobre um tema pertinente a esse universo”.

Mais informações sobre a SAGA e seus cursos estão disponíveis no site da instituição.

 

Serviço – SAGA Play no Terminal Rodoviário Nova Lapa

Quando: De 4 a 8 de fevereiro de 2019

Horário: Das 10h às 18h

Onde: Terminal rodoviário Nova Lapa – Avenida Vale do Tororó, s/n, Tororó, Salvador/BA

Conheça Life is a Game, game que mistura simulador de vida com o gênero Infinite Runner

Nosso destaque do dia veio diretamente da Coréia do Sul e é um prato cheio para quem curte games mobile. Trata-se de Life is a Game, da produtora DaeriSoft, que mistura os gêneros simulador e infinite runner. A mistura é bem incomum, mas merece uma olhada graças a sua jogabilidade simples e sua metáfora da vida humana.

Basicamente você deve acompanhar a vida de uma pessoa desde seu nascimento até a morte em breves passagens que ilustram momentos chaves de sua existência. O macete é que o jogador deve fazer escolhas ao longo da vida, tais como qual namorada arrumar, qual profissão seguir, manter contato com amigos etc.

A jogabilidade de Life is a Game é bem rápida, de modo que o jogador não chega a cansar da partida, além disso, há alguns extras interessantes que funcionam como conquistas. O objetivo é viver o maior número de vidas possível. Quanto mais vidas você tiver vivido, mais conquistas terá, novas aparências são disponibilizadas e cidades são liberadas.

Life is a Game

Life is a Game premia quem mantém um estilo de vida único. Se você, por exemplo, for uma criança peralta que rabisca as paredes, na vida adulta fica mais fácil se tornar um pintos de renome. Outra coisa interessante é que você deve coletar itens e manter os relacionamentos vivos a fim de manter a felicidade do personagem em alta, do contrário ele acaba se suicidando ou tendo uma vida solitária.

O maior destaque do título é seu visual em pixel art. É um colírio para os olhos dos retrogamers. A cada vez que você chega ao fim da vida de um determinado personagem, o game exibe uma sequência de encerramento em pixel art bem interessante – totalmente inspiradas nas decisões que o jogador tomou.

O game Life is a Game está disponível para download em português do Brasil através da Google Play.

Abaixo tem um trailer de Life is a Game:

Tencent Games divulga calendário para a 3ª temporada da Valor Series de Arena of Valor

Essa é para os fãs do MOBA mobile Arena of Valor: após o sucesso do evento Valor Series realizada em novembro de 2018 e que consagrou os times Nova e-Sports (campeã) e a brasileira Geo e-Sports (vice), a Tencent Games, organizadora do evento decidiu preparar uma segunda edição.

De acordo com a Tencent, o novo calendário vai reunir equipes da América Latina, América do Norte e Europa na busca por até U$ 65 mil em prêmios em dinheiro. A premiação total desta edição da Valor Series é de U$ 200 mil.

O formato permanece o mesmo das últimas temporadas: os times inscritos participam de uma classificatórias online, que começa no próximo final de semana, dias 19 e 20 de janeiro, e continua no seguinte, dias 26 e 27. É nesta etapa que serão selecionados os seis melhores times. A partir daí, as seis equipes competirão durante oito semanas consecutivas na modalidade de melhor de dois.

As partidas brasileiras serão transmitidas pela página oficial de Arena of Valor Brasil, aos sábados e domingos, em confrontos duplos, de 2 de fevereiro até 24 de março. As quatro melhores equipes de cada região avançam para os playoffs regionais. O local para os playoffs (semifinais e finais) ainda serão divulgados, porém acontecerão nos dias 6 e 7 de abril.

Algumas equipes já estão confirmadas nas classificatórias online, tais como a atual campeã latino americana, Nova e-Sports, paiN Gaming, INTZ, GeO e-Sports, ACE1. A inscrição é gratuita e aberta ao público. As equipes da América Latina já podem se inscrever no site do evento.

Gamellito – Jogo produzido na UEL ensina os cuidados que a criança diabética deve ter

Um game criado na Universidade Estadual de Londrina (UEL) tem tudo para se tornar um instrumento no tratamento da diabetes. Trata-se do jogo Gamellito Adventures, um pet virtual em que o jogador deve ajudar o alienígena Mellito a se adaptar a doença da diabetes tipo 1 (DM1). Toda a interação ingame tem por objetivo fazer com que as crianças se identifiquem com o personagem e aprendam a lidar com a patologia de forma divertida.

Durante a jogatina a criança deve ficar atenta aos níveis de insulina do Mellito, pois se ela ficar baixa, o personagem fica enfraquecido. Outra coisa a se preocupar é se a insulina ficar alta demais, pois se isso acontecer, o personagem pode até morrer. O macete é dar a noção para quem tem diabetes de que é uma doença que demanda atenção frequente. Deste modo, a criança aprende a se cuidar se divertindo.

A trama de Gamellito narra a história de Mellito, um alienígena laranja que vive no planeta Záccari, onde todos os seus amigos são cinzas. Vez por outra Mellito sente fraquezas, sede e fome excessiva, além de outros sinais de que há algo errado com sua saúde. Após uma breve pesquisa, o personagem descobre o planeta Terra, onde crianças possuem os mesmos sintomas. Mellito manda um sinal ao nosso mundo a fim de encontrar uma criança que possa ajudá-lo a aprender mais sobre a diabetes e como tratar a doença.

Gamellito é composto basicamente por três mini games: um shmup, para representar a viagem do Mellito para a Terra; uma esteira para selecionar alimentos saudáveis; e um speed runner, em que o jogador deve desviar de alimentos inapropriados como bolos e chocolates. Nesta última parte, aliás, há até metáforas do que as crianças diabéticas enfrentam, tais como preconceito, piadas e imposição de hábitos por parte de adultos. Não fosse o bastante, o título ainda conta com quizzes para firmar alguns ensinamentos sobre o tratamento da doença.

De acordo com Vânia Vargas, psicóloga da UEL, Gamellito ajuda as crianças a se adaptar melhor à diabetes, pois a criança acaba por entender os cuidados que irá precisar ter durante sua vida. Além disso, a abordagem de pet care do Gamellito faz com que se gere um sentimento de empatia para com o visitante espacial.

Gamellito ainda está em fase final de desenvolvimento através da produtora Coffe & Coffe,  startup da Incubadora Internacional de Empresas de Base Tecnológica da Universidade Estadual de Londrina (Intuel). O desenvolvimento já dura quatro anos pelos estudantes do departamento de computação da UEL. Há duas versões do game: “Pró” e “Kids”.

A primeira é mais voltada para profissionais de saúde que desejam usar a aplicação como instrumento no tratamento das crianças mais jovens. Já a versão kids é recomendada para crianças como meio de diversão lúdica, de modo que pode-se jogar sozinha ou com acompanhamento dos pais. Se você ficou interessado em Gamellito, basta entrar em contato com os desenvolvedores através da página do game para ter acesso a uma versão de testes.

Abaixo tem um trailer de Gamellito Adventures: