Arquivo da tag: Xbox One

Fãs de Pokémon têm encontro marcado na Arena Gamer do Shopping Metrô Tucuruvi

Havia rumores de que a febre Pokémon já era, mas a verdade é que os monstrinhos de bolso seguem com toda a força após o badalado Pokémon Go. O card game não é exceção: os torneios e disputas continuam conquistando mais jogadores a cada dia. Para quem é jogador do card game, eis a dica: a Arena Gamer, do Shopping Metrô Tucuruvi, é o endereço certo para quem quer trocar cards dos personagens, se divertir com os jogos de sucesso e fazer novas amizades, pois haverá um encontro para colecionadores no dia 9 de setembro, às 15h, no ambiente instalado especialmente no Piso 1.

“As versões digitais de Pokémon reúnem famílias inteiras na brincadeira. Das telas da TV para os smartphones, o jogo continua sendo um sucesso, sem perder a originalidade, por isso, preparamos esse encontro para diferentes gerações aproveitarem juntas”, destaca Laís Marques, gerente de Marketing Shopping Metrô Tucuruvi.

Além de recepcionar os adoradores dos Pokémons, os visitantes da Arena Gamer poderão jogar também videogames retrôs, como Pac Man, Super Mario e Sonic, e as versões mais atuais com PES 2017, Fifa 17 e Street Fighter V. Os consoles disponíveis na arena são: PlayStation 3 e 4, Xbox One e 360, Super Nintendo, Atari e muito mais. Para participar é necessário ter mais de 18 anos ou estar acompanhado pelos pais ou responsáveis.

A entrada custa R$ 15 para 30 minutos e R$ 20 para 60 minutos. Cada minuto excedente tem custo de R$ 1. De segunda a quarta-feira, participantes que adquirirem 60 minutos ganham meia hora a mais de jogo. Crianças menores de quatro anos não pagam, mediante acompanhamento de um adulto pagante.

 

Arena Gamer no Shopping Metrô Tucuruvi

Data: até 10 de setembro

Horário: segunda-feira a sábado, das 10 às 22h, domingo das 12h às 20h

Encontro entre colecionadores Pokémon TCG

Data: sábado, dia 9 de setembro

Horário: às 15h

Local: Piso 1, ao lado da loja Havaianas

Endereço: Av. Dr Antonio Maria Laet, 566 – Tucuruvi – São Paulo

Valores: R$ 15 para 30 minutos e R$ 20 para 60. De segunda a quarta-feira, a cada 60 minutos comprados, ganha-se mais meia hora

Oito atrações que você não pode perder na BGS 2017

Faltam menos de dois meses para começar a Brasil Game Show 2017, o maior evento de games da América Latina. Assim como nas demais edições, os organizadores prometem horas de diversão e atrações extraordinárias. No site do evento já é possível ver um pouco do que aguardam os visitantes e foi justamente inspirado pelo que já foi divulgado, resolvemos elaborar um guia de oito atrações imperdíveis na BGS10.

Brasil Game Cup

A Brasil Game Cup já é reconhecida como um dos maiores torneios de e-sports do Brasil, juntamente com a final do CBLoL. Neste ano já foram confirmadas disputas de Counter Strike: Global Offensive e Dota 2. A certeza é que as competições atrairão os times mais tradicionais do Brasil e os jogadores mais competitivos do cenário. Para o torneio de CS, uma novidade: haverá torneios masculinos e femininos.

“É uma satisfação realizar um torneio feminino de CS:GO na Brasil Game Cup. Assim como em tantos outros esportes, em que há oportunidades e igualdade de gênero, nos e-Sports não poderia ser diferente e queremos incentivar essa prática.  Esperamos um grande torneio, com partidas acirradas e atletas de alto nível. É algo que desejamos manter para as próximas edições da BGC”, afirmou Marcelo Tavares, fundador e CEO da Brasil Game Show.

Lançamentos

GWENTAinda que não esteja no nível da E3 ou da Tokyo Game Show, é possível conferir muitas novidades de games na BGS. Sabe-se que os esperados GWENT, Call of Duty World War II, Destiny 2, Assassin’s Creed Origins e South Park: The Fractured But Whole estarão no evento. A CD Projekt Red, vale dizer, montará um grandioso estande na feira para mostrar o GWENT. Esta é a segunda vez que o estúdio polonês vai abrilhantar o evento nacional.

“Será um grande prazer fazer parte da principal feira de games da América Latina e estar presente pela primeira vez em território brasileiro. Estou muito empolgado para conhecer nossos fãs, jogadores e passarmos nossas tardes jogando partidas de GWENT”, comenta Pawel Burza, especialista de comunidade da CD Projekt Red.

Evolução do Videogame e Arena Arcade

Quem já esteve nas edições anteriores da BGS já sabe como funciona a exposição Evolução do Videogame e a Arena Arcade. O primeiro espaço é um grande museu onde os jogadores podem conferir praticamente todos os consoles já lançados desde os primórdios da indústria, incluindo os clássicos Atari 2600 e o NES. Outros sistemas mais obscuros como o Odyssey e o PONG marcam presença, assim como os novíssimos PS4 e Xbox One.

Já a Arena Arcade é um espaço para quem sente saudades dos fliperamas. Ficam disponíveis vários árcades para quem quiser jogar pérolas como The King of Fighters ou os magníficos Gradius e Metal Slug. A melhor parte: você não precisa depositar nenhuma ficha!

Área indie

A área indie é a favorita do GameReporter! Ano após ano fomos à BGS apenas para conhecer os jogos indies mais bacanas do Brasil e em nenhuma vez saímos decepcionados. Dezenas de produtores já confirmaram presença na BGS 2017, tais como a Anguis Studio, Kekis Games e a Samurai Games. Como se não bastasse, a BGS terá novamente o Indie Meeting, área onde cada expositor indie teve a oportunidade de fazer uma apresentação de seus projetos para o público. Podemos esperar jogos sensacionais!

Brasil Game Jam

Uma Game Jam nada mais é que uma competição onde desenvolvedores independentes criam um jogo do zero em 48 horas a partir de um tema comum. Em 2016 o time vencedor foi o Antworks, de Campinas – SP, com o jogo Tormenta. Em geral os desafios são bem empolgantes e prezam mais pela colaboração do que a disputa em si.

Hideo Kojima

A lenda viva dos jogos eletrônicos mundial, Hideo Kojima, vem ao Brasil pela primeira vez para participar da BGS. O mítico criador de Metal Gear Solid deve falar de suas experiências e sua carreira para um público fiel. No Brasil há muitos fãs do trabalho de Kojima. Com um pouco de sorte, devemos ter algumas novidades sobre o esperado Death Strading, o novo trabalho de Kojima.

Ed Boon

Outra lenda a marcar presença na BGS será Ed Boon, criador de Mortal Kombat. Ainda que Boom não seja um rosto bastante conhecido dos jogadores brasileiros, sua importância é inegável no cenário mundial. Numa época em que os jogos eram mis infantis, Mortal Kombat causou furor e polêmica graças a violência desmedida e a popularidade entre os jogadores mais jovens.

Atualmente, Ed Boon é diretor de Injustice 2, o game de luta que possibilita a criação e personalização de versões definitivas de super-heróis e supervilões icônicos da DC Entertainment. O game está disponível para PlayStation 4 e Xbox One, nas plataformas física e digital, totalmente em português e com versão brasileira exclusiva.

Nolan Bushnell

E por fim, vale mencionar a participação de Nolan Bushnell, o homem que começou toda essa história de videogames. Considerado o pai dos videogames, Bushnell é o criador do Atari e um dos grandes ícones da indústria de games. Presente durante todos os dias da BGS 2017, Nolan fará uma palestra sobre sua experiência na indústria dos videogames e compartilhará histórias de sua trajetória. Na área de Meet & Greet da BGS, os visitantes também poderão tirar fotos e pegar autógrafos com um dos maiores ícones do mundo dos games.

Electronic Arts anuncia Fe para Xbox One, PS4, PC e Nintendo Switch

A Electronic Arts anunciou que Fe, do programa EA Originals, será lançando no mundo todo no início de 2018. Desenvolvido pelo estúdio sueco Zoink Games e vencedor de diversos prêmios, Fe é um novo tipo de jogo de plataforma sem palavras, mas cheio de sons. Com Fe, um pequeno filho que de repente acorda na floresta, os jogadores descobrirão um mundo que eles nunca mais vão querer deixar, enquanto usam sons para se comunicar, para se conectar com a natureza, identificar criaturas amigáveis ou hostis e interpretar a narrativa ao longo do caminho.

“Nós quisemos criar um jogo que dê o sentimento de explorar algo especial”, disse Klaus Lyngeled, CEO e Líder Criativo da Zoink Games. “Nós gastávamos horas nas florestas quando crianças, e enquanto isso parecia assustador no início, eventualmente os sons estranhos se tronavam familiares – você se torna parte da natureza e a floresta passa a parecer um lar. Os jogadores terão sentimentos parecidos enquanto jogam Fe. Quando e como ele for jogado, garantimos que será uma experiência única de descoberta, diferente de tudo que foi jogado antes.”

“Com Fe, o estúdio Zoink nos lembrou que tudo está conectado. Eles criaram um jogo em que a mágica e a beleza da natureza e suas criaturas vêm à vida, disse Patrick Soderlund, EVP da EA Worldwide Studios. “Esse jogo e esse estúdio incorporam o espírito do programa EA Originals que críamos há pouco mais de um ano – a Liberdade de criar e de trazer jogos inovadores e memoráveis para os jogadores de todo o mundo de forma única”.

Em Fe, os jogadores ficarão encantados com os entornos naturais enquanto descobrem segredos, cumprem missões paralelas e conhecem criaturas místicas da floresta. Os jogadores irão subir, deslizar e cavar enquanto viajam através de uma experiência aberta, conhecendo, interagindo e resgatando plantas e animais dos Silent Ones, os antagonistas que estão ameaçando a floresta. Com uma liberdade de exploração sem igual em um mundo cheio de mistérios para descobrir, os jogadores se tornarão Fe e nunca mais vão querer ir embora.

Fe será lançando mundialmente no início de 2018 para Xbox One, PlayStation 4, Origin para PC e Nintendo Switch. Para mais informações, clique aqui.

Veja o trailer de Fe da Electronic Arts:

Os 5 melhores (e piores) momentos da Microsoft na E3 2017

A E3 2017 está a todo o vapor e dentre as três fabricantes de hardware já tivemos a apresentação da Microsoft ontem (11 de junho). A conferência foi marcada por novidades e muitos games. A Microsoft dedicou quase todo o espaço para mostrar jogos, e foram muitos jogos mesmo! Vai faltar tempo para jogar tanto jogo bom.

Como não poderia deixar de ser, também tivemos os detalhes do Xbox Scorpio, que já até ganhou um nome definitivo. Selecionamos aqui os cinco momentos mais legais da conferência da Microsoft e os cinco menos empolgantes.

Confira abaixo os “highlights” da apresentação da Microsoft na E3 2017:

 

Xbox One X

A Microsoft cumpriu a promessa: O Xbox One X (ex-Scorpio) é realmente muito poderoso e surpreendeu até os mais descrentes graças as suas configurações top de linha: são 12 GB de memória RAM e 6 teraflops de GPU. O aparelho é belíssimo, menor que o modelo S e totalmente compatível com acessórios dos modelos antigos.

E sim, ele roda os jogos a 4K com elementos gráficos exagerados (os efeitos de luz, sombras, reflexos e partículas é algo que você nuca viu). Já até saiu a data de lançamento (7 de novembro). Até o preço agradou (US$ 499), pena que no Brasil vai sair caro.

 

Retrocompatibilidade com o Xbox

A segunda melhor coisa da conferencia da empresa de Redmond foi ainda com relação com o Xbox One X: Phil Spencer anunciou que a plataforma será retrocompatível com a biblioteca do Xbox original. Ou seja, você vai poder jogar megassucessos como Jade Empire, Knights of the Old Republic, Conker Live & Reloaded, Pazer Dragon Orta e muitos outros.

Vale lembrar que os jogos do Xbox 360 já estão compatíveis com o One, deste modo, a plataforma da Microsoft possui a maior biblioteca de jogos compatíveis dentre os três consoles do mercado. Muita gente torce o nariz para essa ideia de jogar games antigos, mas a comunidade retrogamer agradece.

 

Forza Motorsport 7

O primeiro grande título do Xbox One X não podia ser melhor: Forza Motorsport 7 é a realização dos sonhos de qualquer aficionado por corridas e jogos foto-realistas. Sim, o game é bonito demais e serve para dar um norte das possibilidades do novo console.

O visual de mudança dinâmica de clima impressiona e dificilmente vamos ver algo mais impressionante no primeiro ano da plataforma. A Turn 10 é especialista em apresentar jogos com qualidade gráfica e de jogabilidade impecáveis. Quem não curte simulador, pode apenas imaginar o que esses caras vão fazer numa provável sequência de Forza Horizon.

 

Sequências matadoras

Muita gente reclama que o Xbox não tem jogos exclusivos e isso é bem verdade, mas ainda assim os jogos apresentados impressionaram. Alguns dos destaques são justamente sequências muito esperadas de jogos famosos, como Metro Exodus, Assassins Creed Origins, State of Decay 2, Ori and the Will of the Wisps.

O novo Ori, aliás, é sem dúvidas um dos melhores da conferência e apesar de não servir para mostrar as capacidades técnicas do One, ao menos diverte muito e tem todo o potencial para agradar os jogadores que investiram na plataforma.

 

Novas IPs

Por muitos anos se diz que a indústria está estagnada em velhas franquias. Isto não foi o que se viu na conferência da Microsoft, pois a empresa de Redmond mostrou um batalhão de novas IPs. Algumas já eram velhas conhecidas do público, como Cuphead e Sea of Thieves, mas se colocarmos na balança, fica claro que os produtores estão investindo em novas ideias e estão saindo do lugar comum.

Entre os jogos apresentados estavam PlayerUnknown’s Battlegrounds, The Darwin Project, Deep Rock Galactic, The Last Night, The Artful Escape, Super Lucky’s Tale, Ashen, Anthem. Vale dar um destaque especial para Code Vein, um game da Bandai Namco com uma estética bem parecida com Dark Souls.

 

E os cinco momentos menos empolgantes

 

Minecraft em 4K

Sim, Minecraft é um dos jogos mais populares do mundo e é fácil entender por que a Microsoft continua investindo pesado na marca. Entretanto é desapontador que a empresa tenha dedicado um tempo considerável para anunciar que o jogo estará em 4K.

Não nos entenda mal, mas um anúncio rápido teria sido mais efetivo e poder-se-ia utilizar esse tempo para mostrar mais um pouco de outros games que ficamos curiosos. Além de mostrar Minecraft em 4K, a Microsoft já falou que haverá cross-play entre todas as plataformas em que o jogo foi lançado (com exceção do PS4).

 

Crackdown 3

Crackdown 3 é vendido como um dos pilares do Xbox One desde sua apresentação em 2014. Dsde então o game está no limbo do desenvolvimento. A julgar pelo trailer (e a data de lançamento marcada para 7 de novembro), finalmente os jogadores poderão botar as mãos no produto. Mas ainda assim, ele não é bem o jogo para vender plataforma que a Microsoft precisa.

Além disso, pelo tempo em desenvolvimento e a promessa de utilizar a nuvem para gerar efeitos destruidores de ultima geração, parece que Crackdown 3 está longe de ser essa bola toda. Visualmente o game também decepciona. Resta torcer para que o fator diversão nos cale. Mas confesso que pelo gameplay, não fiquei muito animado.

 

Sea of Thieves só em 2018

Outra notícia triste foi que Sea of Thieves somente será lançado em 2018, sem mês definido. Este sim é um jogo que me deixou muito animado e gostaria de jogá-lo o quanto antes. Naturalmente o tempo maior em produção vai servir para polir arestas e tornar a experiência mais próxima da perfeição.

O vídeo mostrado na E3 teve quase 10 minutos e apresentou uma missão de caça ao tesouro com exploração, luta de espadas e bastante ação. Parece que a Rare acertou o passo dessa vez, uma pena ter de esperar tanto por um game tão promissor.

 

Nada de VR ou AR

osvr

Uma dúvida ficou no ar ao fim da apresentação da Microsoft: será que a empresa desistiu dos óculos de realidade virtual e aumentada? Nas quase duas horas de conferência não se ouviu um pio sobre os planos ou jogos futuros que façam uso da tecnologia. E isto não foi apenas um problema da empresa, mas sim de todas as produtoras de jogos até o fechamento desta matéria.

O que acontece? Será que os desenvolvedores sacaram que este é um produto de nicho e resolveram abandonar o suporte, ou vão apenas deixar para mostrar jogos para os óculos em outros eventos futuros? Mistério!!!!!!!!!!

 

Microsoft foi “honesta demais”

A E3 é mais do que um evento de games, mas sim um evento para vender sonhos. A Sony sacou isso há alguns anos. Parece que a Microsoft ainda não entendeu, ou se recusa a dançar a mesma música que a concorrência. Não que a lealdade da empresa de Redmond seja execrável, mas não custava nada revelar coisas que vão sair em dois anos, tal como a Sony já fez no passado revelando God of War 4, The Last of Us e Shenmue 3.

Imaginem se a Microsoft encerra-se sua apresentação com a revelação de um novo Halo, Fable, ou quem sabe um Conker novo? Sim, sabemos que a essa altura Halo 6 deve estar em produção e só deve sair em 2018 ou 2019, talvez. Mas apenas o fato de vender o sonho de que o novo capítulo será o maior e mais surpreendente de todos os tempos deixaria as pessoas entorpecidas por meses a fio.

Pelo terceiro ano consecutivo, UOL JOGOS integra júri que elege os melhores games da E3

Pelo terceiro ano consecutivo o UOL, maior empresa brasileira de conteúdo online, integrará o júri da Game Critics Awards (GCA) que vai eleger os melhores games da E3 (Electronic Entertainment Expo), maior feira de games do mundo, que acontece entre os dias 13 e 15 de junho em Los Angeles. O veículo é a única mídia brasileira a integrar o rol de jurados desse importante prêmio, que ainda conta com contribuição de veículos reconhecidos mundialmente como o USA Today, LA Times, Wired, entre outros.

O UOL promete uma cobertura de primeira para o evento de Los Angeles. Nos anos anteriores os jogadores puderam conferir a cobertura através do UOL via transmissões, vídeos, hard news e até atualizações in loco via twitter. O portal não informou o que prepara para este ano, mas espera-se entrevistas, impressões, curiosidades e toneladas de conteúdo referente a E3 regularmente.

“Esse ano estamos com muitas novidades no UOL Jogos e o usuário poderá cada vez mais interagir com a gente”, diz Theo Azevedo, editor do UOL Jogos.  “Além disso, o E3 é o evento mais importante do ano na indústria de videogames e estamos buscando a cada ano inovar a cobertura. Com a transmissão em português das conferências, na TV UOL, Facebook e Youtube, vamos oferecer um ambiente muito divertido para o gamer”, completa Theo.

Mais novidades do UOL para a E3 2017

O UOL Jogos conta com Videoanálises que avaliam em poucos minutos os grandes lançamentos do mercado e toda semana há transmissões ao vivo, as chamadas “lives”, com jogos do momento que são transmitidas no Youtube e no Facebook e que proporcionam a interação com os usuários. As novidades da E3 2017 podem ser conferidas através do site principal do portal em UOL Jogos.

Chime Sharp retorna ao Xbox One e Playstation 4 repleto de novidades

O game indie que abre nossa semana veio direto da Inglaterra, trata-se de Chime Sharp, um puzzle musical bastante inusitado para Xbox One e Playstation 4. O game é da produtora Chilled Mouse e chega às lojas online no próximo dia 21 de fevereiro e é a sequência de Chime, uma mistura de Tetris e música eletrônica/chiptune. O título é bastante divertido e viciante graças a sua jogabilidade desafiadora e visuais hipnóticos.

Chime Sharp conta com 16 níveis e variados modos que devem ocupar muitas horas dos jogadores. Um dos destaques é a trilha sonora que embala o game: entre os artistas estão figuras talentosas como CHVRCHES, Steve Reich e Kavinsky. As melodias criam um crescendo para entrar em sintonia com a jogatina, que também sobe de nível.

kavinsky
Kavinsky, um dos artistas convidados em Chime Sharp

“Em Chime Sharp, as regras básicas são as mesmas do original, apresentando a mesma trilha sonora hipnótica e divertida de alguns artistas pioneiros mais experimentais que conhecemos”, disse Ian Baverstock, CEO da Chilled Mouse. “Com uma nova estética, elegante e novos modos experimentais, Chime voltou e desta vez quer se tornar sua mixtape favorita”.

Chipzel, uma das artistas mais conhecidas a criar som com Game Boy
Chipzel, uma das artistas mais conhecidas a criar som com Game Boy

“Eu estava entusiasmado por fazer parte da equipe desenvolvedora de Chime Sharp, pois a franquia Chime oferece um novo estilo de jogo que eu nunca vi antes – você pode realmente sentir a música trabalhando com o jogo, perfeitamente integrado para imersão total”, disse Chipzel, um dos artistas por trás da música para Chime Sharp. “A música, ‘Psychonaut’, foi criada com este estilo de jogo em mente. Eu a criei com várias camadas, que são reveladas aos poucos até o arranjo final. Eu tentei recompensar o jogador à medida que ele avança, através do uso de melodias evocativas e transições eufóricas”.

Para quem não conhece, Chime Sharp é descrito como um crossover entre Tetris e um sequenciador musical. O jogador está em uma corrida contra o tempo enquanto ajusta os blocos no lugar. Conforme as peças se ajustam a “beatline” passa e as mixas transformando em novas notas para a música eletrônica. O objetivo é cobrir toda a grade de jogo, completando quads de 3×3 ou mais, gerando pontos enquanto desfruta de obras de músicos aclamados.

dfgxs

Muitos desses músicos são desconhecidos do grande público, mas quem está por dentro da cena eletrônica já deve conhecer os nomes KavinskyCHVRCHESSteve ReichLosChipzelAndy HungMessage to BearsTimothy SchmalzMagic SwordShirobonNovellerHaiku SalutLuc GreyA Mote of DustSymbion Project, e CFCF. Além das músicas hipnóticas, Chime conta com quatro modos de jogo desbloqueáveis imprevisíveis. Conforme a jogatina avqança, as coisas ficam mais desafiadoras e divertidas. Você ainda pode desafiar seus amigos em um sistema de ranking bastante divertido.

Abaixo você confere o trailer de Chime Sharp:

Oitava geração já responde por 64% do faturamento do mercado brasileiro jogos de vídeo game, aponta GfK

Ainda que as pessoas acreditem que a 8º geração de videogames ainda esteja engatinhando no Brasil, a Gfk, empresa global que monitora vendas reais de games e de diversas categorias de eletroeletrônicos em todo o Brasil, divulgou dados referentes ao ano de 2016 que aponta que a nova geração de videogames já responde por 64% do faturamento do mercado nacional de videogames.

O número representa um crescimento de 18,8% em relação ao ano anterior, quando representou 49% do faturamento do setor. Ainda de acordo com o levantamento da GfK, o mercado total de games fechou 2016 com retração de 16,6% em volume de unidades vendidas, na comparação com o ano anterior. Em faturamento, a retração foi menor, de 10,7% em relação a 2015.  Conforme explica o coordenador de atendimento da GfK, Filipe Mori, a diferença entre os  percentuais resulta da variação do preço médio do produto, que aumentou 7,1% durante 2016.

homepage-hero-bg-xsAinda segundo Filipe Mori, em alinhamento com as vendas de jogos, os consoles mais vendidos são os da nova geração, como o PS4 e o Xbox One. Os dois modelos respondem por 61,2% das unidades comercializadas no Brasil. Isto deixa claro que aos poucos o público já começa a migrar para as plataformas mais modernas. A expectativa é que em 2017 esse percentual seja ainda maior com a possibilidade da economia mais aquecida.

Ranking

A análise do mercado de jogos para vídeo game por gênero mostra que os jogos mais vendidos em 2016 foram os de “ação e aventura” (39%) das vendas, e os de “esportes” (23,4%).  “Os dois gêneros mais vendidos registraram ligeiro crescimento na comparação com o ano anterior”, assinala Mori.

O interessante mesmo é o ranking de jogos mais vendidos, que elege Fifa 17 como o título mais popular entre jogadores brasileiros. Minecraft continua fazendo história (ficando em segundo lugar no ranking. E por fim, temos PES 2017 em terceiro lugar. O game exclusivo de uma determinada plataforma mais popular foi Uncharted 4: A Thief’s End.

Confira abaixo o ranking de jogos mais vendidos em 2016, de acordo com a Gfk:

games-mais-vendidos-2016

Top 10: jogos indie para 2017

O ano de 2017 já está bem adiantado e muita gente já está de olho nos pesos-pesados que serão lançados e já foram lançados. Se você não curte apenas games AAA, já sabe que muitos dos jogos independentes podem ser tão bons ou melhores que qualquer grande lançamento publicado pelas grandes empresas. Pensando nisso, selecionamos dez games indie que você precisa ficar de olho em 2017. Ao final da lista você vai concordar que o ano promete ser um dos melhores para os gamers.

Talvez estes games não sejam tão conhecidos quanto Marvel vs Capcom, mas pode acreditar que qualquer um deles tem possibilidades de ser tão bem sucedido quanto o jogo de luta dos super-heróis. As perspectivas são tão altas pois a atual geração está finalmente amadurecida e os estúdios já podem tirar o máximo proveito dos hardwares. Nesta lista não enumeramos por ordem de importância. Deste modo, cada um dos games é igualmente aguardado.

Confira abaixo dez dos mais aguardados jogos indie para 2017:

Flinthook

Plataformas: XO, PC I Editora: Tribute Games

A Pixel Art de Flinthook é a segunda coisa que mais chama as atenções no game da Tribute Games. A primeira? A ação desenfreada e a jogabilidade viciante, é claro. As inspirações são  Spelunky e Rogue Legacy. Há ação no game, bem à lá Megaman das antigas, o que deixou os visitantes da E3 2016 bastante entusiasmados. O título ainda não tem uma data de lançamento definida, mas a promessa é que ele chegue ao mercado em 2017 mesmo.

 

HOB

Plataformas: PC, PS4 I Editora: Runic Games

O pessoal da Runic Games não é nenhum pouco inexperiente: em 2009 eles trouxeram o ótimo RPG de ação Torchlight, o que dá a eles a confiança necessária para o lançamento de HOB, um adventure que fará o jogador mergulhar num mundo de fantasia desolador. O planeta está “quebrado” e cabe a você consertar tudo, para isso você deve resolver diversos puzzles em ruínas de um mundo mecânico. Um dos elementos mais interessantes do game é que a narrativa não tem qualquer linha de diálogo ou textos. Sim, você vai ter de interpretar e resolver o mundo usando apenas sua inteligência.

Hollow Knight

Plataformas: Wii U, PC I Editora: Team Cherry

Hollow Knight é um metroidvania que te coloca na pele de uma espécie de coelho antropomórfico que deve explorar as profundezas de cavernas e túneis habitados por criaturas ferozes e grotescas. Há muito foco em exploração e combate que fará os jogadores desejarem conhecer cada pequeno buraco e vala encontrados. Durante as aventuras, o jogador vai conhecer outras criaturas dispostas a ajuda-lo, porém não pense que tudo são flores: os combates prometem ser especialmente difíceis.

Little Nightmares

Plataformas: PS4, PC, XO I Editora: Bandai Namco

Uma garota de nove anos chamada Six é sequestrada e levada para o The Maw, um local repleto de almas corrompidas que a querem devorar. Sim, a trama é de terror, mas o game em si não é nada assustador. Imagine o clima soturno das aventuras animadas de Tim Burton para ter uma ideia do que aguarda Six. O game promete algumas referências da vida moderna e representações de criaturas que nos atormentavam na juventude. “Levou 10 anos para chegar até esse momento, para revelar o jogo mais empolgante da história da nossa empresa: um conto sombrio e excitante sobre desajustados grotescos!” disse Andreas Johnsson, Business Developer & Deputy CEO no Tarsier Studios.

Rime

Plataformas: PS4, Switch I Editora: Grey Box & Six Foot

Rime é um adventure em mundo aberto repleto de puzzles que está em desenvolvimento exclusivo para o PS4. Ele foi revelado durante a Gamescom 2013 e desde então não saiu do radar dos fãs da plataforma da Sony. Infelizmente a Tequila Works, desenvolvedora do game, não revelou quase nada desde então. Sabemos que Rime conta a história de um garoto que deve sobreviver e escapar de uma ilha misteriosa assolada por uma terrível maldição. Os vídeos revelados deixam a impressão de que esta será uma aventura bastante solitária e intensa. Os visuais lembram algo de Legend of Zelda: Wind Waker.

Seasons of Heaven

Plataformas: Switch I Editora: Nintendo

Seasons of Heaven foi o primeiríssimo título a ser anunciado para o Nintendo Switch e pelo que vimos há motivos de sobra para ficarmos empolgados. Aqui acompanhamos as aventuras de Yann, um garoto com síndrome de Asperger, e seu cachorro Ani. Ambos devem interagir para vencer desafios e resolver puzzles. Se quiser uma referência de como isso vai funcionar, podemos apontar algo como Brothers: A Tale of Two Sons e The Last Guardian (talvez). O título ainda não tem previsão de estreia, mas sabe-se que ele é baseado no livro homônimo de Nicolas Augusto, que gira em torno de um grupo de sobreviventes em um mundo pós-civilização.

Yooka-Laylee

Plataformas: PC, PS4, XO, Switch I Editora: Team17

A desenvolvedora Playtonic Games é formada por ex-funcionários da Rare, fato que explica as similaridades do jogo com o clássico Banjo-Kazooie. Sim, este é um game de plataforma 3D bastante colorido e musical. Os protagonistas são Yooka, um camaleão e Laylee, um morcego fêmea que devem utilizar habilidades únicas para enfrentar inimigos e explorar um vasto mundo cheio de segredos e itens escondidos. A versão de Wii U foi cancelada para dar prioridade ao recém-anunciado Switch. A melhor parte é que Yooka-Laylee já tem data de lançamento concreta: 11 de abril.

Prey for the Gods

Plataformas: PC, PS4, XO I Editora: No Matter Studios

Prey for the Gods ganhou bastante destaque nos últimos meses após a comunidade detectar semelhanças entre o game do No Matter Studios e grandes clássicos como Shadow of the Colossus e Tomb Raider. No game, o jogador incorpora uma exploradora que vai em busca de respostas para um “inverno sem fim” que atinge a ilha onde ela vive. Para acabar com a estação que está matando diversas pessoas, o jogador deve enfrentar e derrotar os deuses gigantes que estão causando sofrimento aos seus adoradores. A mecânica de combate parece muito com Shadow of the Colossus, inclusive os inimigos são gigantescos.

Outlast 2

Plataformas: PC, PS4, XO I Editora: Red Barrels

Passados três anos desde seu lançamento, Outlast ainda é um dos games mais aterrorizantes já criados. Esta é uma boa razão para estarmos entusiasmados com a sequência, mas não a única. Os vídeos disponibilizados pelos produtores deixam claro que Outlast 2 manterá a atmosfera claustrofóbica do primeiro game. A ambientação será uma fazenda escura e repleta de fenômenos paranormais. Os gráficos estão ainda melhores e deixam claro que os sustos serão ainda mais realistas. Ainda não temos uma data de lançamento definida, mas a expectativa é que o título chegue ainda em 2017.

Cuphead

Plataformas: PC, XO | Editora: Microsoft

Já falamos sobre Cuphead em nossa seleção de games indie mais aguardados para 2016, o que significa que o título está há muito tempo em desenvolvimento. Felizmente este parece ser o caso de um atraso motivado a melhorar o game ao invés de problemas no desenvolvimento. Vale lembrar que já na BGS 2015 ele esteve disponível para jogatina e desde aquela época já demonstrava ser um dos games indie mais espetaculares. A trama gira em torno de Cuphead, uma criatura que deve derrotar inúmeros chefões para pagar uma dívida com o diabo. O grande macete são os visuais inspirados nos desenhos dos anos 30-40 extremamente fluídos e divertidos.

Top 10: os jogos mais aguardados para 2017

O ano de 2016 ainda não terminou, mas já estamos com nossos radares acionados para o que nos espera para o próximo ano. Muitos jogos estão por vir e a maioria deles sequer foi revelada ainda. A E3 2017 promete ser uma das mais emocionantes, pois a Nintendo e a Microsoft devem preparar terreno para o lançamento de seus novos consoles, ao passo que a Sony deve investir pesado em novos jogos matadores.

As perspectivas são tão altas pois a atual geração está finalmente amadurecida e os estúdios já podem tirar o máximo proveito dos hardwares. Seja como for, já sabemos da existência de muitos games que devem ser sensação em 2017 e listamos 10 dessas preciosidades que são extremamente aguardadas pela comunidade.

Confira abaixo dez dos mais aguardados jogos para 2017:

 

For Honor

For Honor é mais uma nova IP da Ubisoft que tem tudo para se tornar um marco da indústria. Para quem não conhece, trata-se de um hack ‘n slash ambientado em um mundo de fantasia medieval. Neste mundo os jogadores enfrentam batalhas com samurais, cavaleiros e vikings pela supremacia no campo de batalha. A intenção da Ubisoft parece ser priorizar o multiplayer ao invés do singleplayer, o que pode ser uma má decisão. Entretanto, a estrutura inspirada em jogos de tiro pode ser uma boa opção para tornar os combates mais empolgantes. Mas não se preocupe ainda, o singleplayer já está confirmado, mas a Ubisoft não parece dar muito destaque para a história. Também pudera, uma história que reúna samurais, vikings e cavaleiros não deve ser levada tão a série mesmo. Quem sabe seja essa mistura louca que a comunidade precisa?

 

Shenmue 3

Shenmue nunca foi um sucesso comercial e a ideia original de Yu Suzuki de criar uma trilogia parecia fadada ao fracasso. Mas graças ao Kickstarter, uma ajudinha da Sony e à união de milhares de fãs parece que Shenmue 3 sairá do papel. Você assume o papel de Ryo Hazuki que busca descobrir os responsáveis pelo assassinato de seu pai. Apesar de carregar o peso de uma franquia famosa, Shenmue 3 deve ser bem diferente dos antecessores, pois a tecnologia deu um grande salto desde a derrocada do Dreamcast. Deste modo, esperamos uma espécie de GTA ambientado em pequenos vilarejos japoneses.

 

Injustice 2

O primeiro Injustice foi bastante aclamado pela crítica e pela comunidade de jogadores. Com a Warner/DC investindo pesado em seus heróis para a temporada 2017 no cinema, faz todo o sentido uma sequência para o game de luta. Batman, Superman e muitos outros heróis e vilões retornam para mais pancadaria com direito a reutilizar a mesma engine de Mortal Kombat X. Há quem possa torcer o nariz e dizer que o game é muito sombrio ou que é apenas outro Mortal Kombat com personagens da DC, mas a verdade é que Injustice 2 tem a ambição de ser o maior jogo de luta da próxima temporada.

 

Halo Wars 2

Sim, sabemos que Halo Wars 2 não é exatamente o título Halo que todos esperam. Mas Halo 6 sequer foi anunciado ainda e seu lançamento deve demorar um bocado. Até lá podemos curtir o universo expandido de Halo através desta improvável continuação do RTS que agitou o Xbox 360. Os acontecimentos deste game são imediatos após o fim de Halo 5: Guardians e retrata a tripulação da UNSC tendo de lidar com uma facção alienígena extremamente hostil chamada Banished. Tal como no primeiro Halo Wars, aqui vamos ter bastante estratégia e combates intensos, porém de maneira simplificada para atrair jogadores pouco acostumados com RTS.

 

Marvel vs Capcom Infinite

E se os heróis da DC farão seu retorno em 2017 através de um jogo de luta, o mesmo pode ser dito dos heróis da Marvel. A Capcom já apresentou muitas coisas sobre Marvel vs Capcom 4 e o que foi revelado é promissor: guerra pelas gemas do infinito, combate dois contra dois, combos, modo história e a introdução de muitos personagens novos. Ainda não temos confirmação se os X-Men ficarão mesmo de fora da pancadaria devido aos desacordos entre a Marvel e os detentores dos direitos de imagem dos mutantes. Se não tiver acordo, o jogo perde uma gama de personagens icônicos, mas a esperança é que os produtores conseguirão a participação de todo o roll de personagens criados pela Marvel.

 

Horizon Zero Dawn

Horizon Zero Dawn tem tudo o que fãs de RPGs de ação em mundo aberto podem querer, ou seja, universo único, enredo épico, temáticas envolvendo destino e identidade, combates intensos etc. O mais interessante é que os inimigos são dinossauros-robôs, algo pouco usual em qualquer jogo eletrônico. Mas é justamente essa liberdade criativa e o mundo pós-apocalíptico que faz com que tantos jogadores fiquem interessados neste game. Se a empreitada for bem sucedida, podemos apostar que Horizon Zero Dawn se tronará uma franquia.

 

God of War

O panteão grego foi totalmente exterminado por Kratos em sua sede por vingança, fato que levou todos os jogadores a acreditar que a franquia estava definitivamente acabada. Mas os produtores da Santa Monica deram um jeito bem interessante de trazer Kratos de volta: leva-lo até a mitologia nórdica para dar cabo de novos monstros, criaturas e deuses. Pelo que a Sony apresentou, os combates seguem um ritmo mais desacelerado do que nos jogos anteriores e muito do gameplay deve envolver o filho de Kratos. Ainda que a Sony não tenha confirmado nenhuma data de lançamento, a expectativa é que o novo game chegue às lojas ainda em 2017.

 

Mass Effect Andromeda

A história do Comandante Shepard já terminou, mas isso não quer dizer que a Bioware não tenho boas ideias para sua franquia estelar. É essa aposta de que ainda tem muitas histórias para contar que impulsiona este novo capítulo, então não espera que Andromeda seja mais do mesmo. Ate onde se sabe, o argumento central do game será encontrar uma nova casa para a decadente raça humana. Essa busca irá levar a nova tripulação por lugares inóspitos e violentos, então podemos esperar por momentos tão épicos quanto os da trilogia original. Ah e podemos esperar também que as mecânicas de conversação, romances e tiroteios estarão de volta.

 

Resident Evil 7

Resident Evil 6 foi um erro terrível e a Capcom sabe disso. Não nos interprete mal: o jogo não é injogável, mas a ação é tão recorrente que não deveria ter o nome de Resident Evil na capa. Resident Evil 7, por outro lado, promete reviver a sensação de puro horror que marcaram os primeiros games da franquia. A Capcom, aliás, parece estar disposta a ir além dos jump scares para abraçar de vez uma forma mais psicológica de terror (talvez inspirado em Silent Hills). As demos apresentadas até agora assombraram os jogadores (de forma positiva), então mal podemos esperar para ver se o novo capítulo da controversa série voltará a ser sinônimo de medo.

 

The Legend of Zelda: Breath of the Wild

A franquia Legend of Zelda é provavelmente a mais amada e respeitada de toda a história dos videogames. Afinal, ao longo dos trinta anos em que esteve ativa não podemos nos lembrar de um único Zelda ruim (bem, talvez aqueles licenciados para a Panasonic). De qualquer modo, Breath of the Wild tentará elevar a franquia para ares ainda não explorados graças a um mundo aberto e colorido a ser explorado. Ainda não temos detalhes sobre o enredo, mas o fato de que ele está em desenvolvimento desde 2013 é um sinal de que a Nintendo quer lançar um game impecável.

 

E para você, quais outros games são aguardados para o próximo ano?

Conheça Alkimya, o empolgante game do estúdio indie Bad Minions

O destaque do dia é um jogo brasileiro bastante animador. Trata-se de Alkimya, do estúdio indie Bad Minions, um game de ação e aventura  que te coloca na pele de um alquimista para resolver puzzles e interagir com elementos da natureza. O universo é de pura fantasia e o jogador encontra diversas criaturas e monstros enormes para derrotar, além de quests e missões envolventes. Para isso, você deve utilizar elementos do fogo, da água, da terra e do ar, além de sua fiel espada.

Alkimya permite que você crie suas próprias poções e as utilize para solucionar puzzles, interagir com o ambiente e lutar contra terríveis criaturas, tornando-se assim um verdadeiro mestre alquimista. Funciona tal como na maioria dos RPGs com sistema de crafting, ou seja, você cria suas próprias bombas, poções e armas para sair em combate.

O personagem principal é Seth, um jovem corajoso que acorda neste mundo de fantasia, confuso e sem memórias, mas com algum conhecimento alquímico. Ele começa então sua jornada para sobreviver e recuperar sua identidade, ajudado por um misterioso homúnculo.  O mundo de Alkimya já foi o berço da alquimia, mas agora está devastada por uma antiga guerra. A terra foi abandonada e cobaias de décadas de experimentos escaparam e fizeram do local o seu covil.

Alkimya tem suporte para multiplayer, de modo que um amigo pode jogar como Pan, um homunculus voador que serve para ajudar a resolver puzzles, coletar itens e batalhar contra os perigosos inimigos. A intenção do Bad Minions é lançar o game para PC, Playstation 4 e Xbox One em algum momento de 2017. O título já até recebeu sinal verde da Steam Greenlight.

Abaixo você confere o empolgante trailer de Alkimya: