Arquivo da tag: Steam

Conheça o jogo indie Zap Zone! Tem bastante tiroteio e estratégia!

O game do dia é um shooter inspirado por Pac-Man e ambientado em uma nave espacial. O time do estúdio indie Mighty Mob Games lançou há pouco o Zap Zone, um jogo que te coloca numa corrida alucinante para tentar livrar sua base espacial dos inconvenientes e perigosos Zugs, monstrinhos alienígenas coloridos que ameaçam infestar o lugar. O game é em perspectiva isométrica e é recheada de ação e tiroteios intensos.

O protagonista de Zap Zone é o vigilante espacial Zoey, que se vê em meio a uma rebelião de Zugs, monstrinhos alienígenas coloridos que estão pondo a base espacial de pernas para o ar enquanto tentam escapar. Apenas você pode restaurar a ordem e trancá-los de uma vez por todas em suas celas. Mas tenha cuidado! Apesar da aparência, os Zugs não são tão inofensivos e eles estão em maior número.

ss_3588f628a79166387631f7983d692cb10cbf4c31-600x338Você vai explorar os cenários da base espacial exatamente como em outros dungeon crawls, ou seja, você deve coletar itens e munições para vencer os inimigos. O perigo espreita em cada esquina e é importante descobrir como usar o ambiente a seu favor. Tecnologias como a dos Warp Gates serão de grande ajuda na hora da fuga, permitindo que você se teleporte de um lado para o outro instantaneamente.

unnamed-3Ao todo existem três zonas diferentes e centenas de inimigos para vencer. Há ainda chefões de fases que dão bastante trabalho. Felizmente o jogador pode contar com três tipos de munições e outros armamentos como minas terrestres, barris explosivos e outras armadilhas. Zap Zone conta com um sistema de conquistas na Steam, com cerca de 25 conquistas desbloqueáveis.

Outro destaque são os visuais incríveis, que abusam das cores e a arte visual colorida. Os personagens são carismáticos e bastante divertidos. Mas não se engane, apesar dos visuais, a guerra é bem intensa. O título está disponível na Steam e por enquanto é exclusivo para PCs. Se você gosta de shooters com elementos estratégicos, vale a pena conferir Zap Zone.

Confira o intenso trailer de Zap Zone:

Como as novas mudanças da Steam devem afetar os desenvolvedores indies

Como vocês sabem, a Valve anunciou algumas mudanças importantes na Steam, a maior loja de games digitais do mundo. De acordo com a Publisher, o sistema Steam Greenlight será encerrado em prol de um modelo de negócios mais simples chamado Steam Direct. A medida foi recebida com preocupação por grande parte dos desenvolvedores e até por jogadores. Basicamente a Valve vai cobrar uma taxa para cada game publicado na Steam, ao passo que a votação no Greenlight deixa de existir. O comunicado foi feito na última sexta-feira (10), no blog da Steam.

Enyo, um dos destaques da semana no Greenlight
Enyo, um dos destaques da semana no Greenlight

Veículos americanos informam que a taxa pode variar entre US$ 100 e US$ 5000. Anteriormente os desenvolvedores pagavam US$ 100 anuais e podiam publicar quantos games quisesse. Em outras palavras, vai ficar mais caro para quem é indie publicar um game. A intenção é evitar o acúmulo de jogos ruins na plataforma, visto que um desenvolvedor apenas vai se arriscar publicar um game na plataforma se tiver certeza de que o valor de taxa será recuperado.

O problema é que muitos desenvolvedores indies em início de carreira simplesmente não poderão dispor de recursos para cada game publicado na Steam. Por um lado a Steam vai ficar livre de muitos games dispensáveis; Por outro lado, muitos desenvolvedores (inclusive brasileiros) perderão a chance de ter seus produtos numa das maiores vitrines do mundo. Muitos títulos, aliás, ganharam aclamação de público e crítica após a publicação na Steam.

Don't Starve Together, um dos games mais vendidos da Steam em 2016
Don’t Starve Together, um dos games mais vendidos da Steam em 2016

O Greenlight permitia que os usuários mais dedicados conhecessem milhares de títulos, vissem vídeos prévios e votassem naqueles que compraria se fossem lançados na plataforma. O novo sistema tem uma postura de curadoria, pois há uma série de burocracias e pagamentos que devem ser cumpridos para que o jogo tenha chance de figurar na loja virtual.

“Novos desenvolvedores terão que preencher uma papelada digital, passar por uma verificação pessoal e da sua companhia e apresentar uma documentação parecida com a utilizada no processo de abrir uma conta no banco”, explica a postagem. Há quem acredite que os lucros da Valve não serão afetados com a mudança de posicionamento. Há quem até imagine que essas taxas extras irão aumentar os lucros da companhia, visto que muitos da títulos que farão parte da nova Steam devem ser mais vendidos que a maioria que atulha a plataforma.

steam-banner

O Steam Greenlight foi lançado na plataforma em 2012 e mais de 4 mil títulos já passaram pela avaliação da comunidade. Estimativas sugerem que cerca de 38% dos games disponíveis na Steam foram publicados apenas em 2016, ou seja, uma alta considerável na publicação de jogos. Não é de se duvidar que a maior parte deles esteja repleto de bugs, sejam ruins ou até mesmo injogáveis. A intenção é tornar os jogos publicados mais selecionados, mais ou menos como as baladas e casas de show costumam fazer quando vendem ingressos mais caros. A estratégia é afastar clones em prol de games mais desenvolvidos e com um orçamento mais alto.

Os pontos negativos da nova Steam Direct

indie-game-characters-790x428Infelizmente, alguns games realmente promissores não chegam nem perto dos US$ 5 mil que a Steam pode cobrar pela taxa de publicação. Pelo lado do público, isto é uma boa notícia, visto que achar um game realmente bom é uma tarefa árdua. Além disso, os games a serem publicados a partir daí devem ter retorno quase imediato, uma vez que a oferta de jogos será mais restrita. Entretanto vale ressaltar que muitas dessas possibilidades não passam de conjecturas, visto que a Valve não divulgou todos os detalhes da Steam Direct.

É bom ver que a Valve está se mexendo para manter a qualidade dos títulos da plataforma, porém as medidas são bem extremas. Para os desenvolvedores indies as mudanças são péssimas se o orçamento for apertado. Felizmente existem outras vitrines de jogos digitais que devem receber mais atenção dos desenvolvedores, ou seja, se você não conseguir publicar seu game na Steam, não precisa entrar em pânico! Para a comunidade, resta aguardar o que a nova Steam aguarda.

Conheça Duo, o puzzle indie minimalista mais desafiador da semana

Para quem gosta de puzzles, a dica do dia é Duo, um jogo minimalista onde o jogador deve fazer com que dois personagens se encontrem usando o cenário a seu favor e prevenindo que eles caiam no caminho. O game é bastante divertido e possui uma mecânica simples, ideal para jogadores mais jovens, porém com dificuldade crescente ao passo em que os cenários são vencidos.

O game foi criado pelo desenvolvedor independente Bruno Suco e já está na Steam para download pelo preço de R$ 2,99. Além de quebra-cabeças envolventes, Duo possui músias do compositor Kevin MacLeod, criador do projeto Incompetech, que permite que qualquer um possa usar suas músicas livremente.

Duo possui 30 fases, todas feitas à mão. Parece pouco, mas Bruno garante que o nível de dificuldade vai fazer você gastar mais tempo aqui do que em outros games AAA que custam 25 vezes o preço de Duo. Os visuais também são minimalistas, lembrando um jogo de tabuleiro. Basicamente os personagens são um casal tentando passar pelos obstáculos para se encontrar. Para quem gosta de desafio, Duo promete ser um prato cheio.

Confira o trailer de Duo:

Trajes Fatais é o game de luta 2D do estúdio Onanim

Durante uma festa a fantasia, uma misteriosa divindade concede poderes aos convidados, de acordo com os trajes que estão usando. Agora, eles precisam participar de um perigoso torneio para escapar. Essa é a premissa de Trajes Fatais, um jogo de luta para PC em pixel art desenvolvido pelo estúdio indie Onanim, com mecânica acessível e animações de alta qualidade remetendo aos grandes clássicos 2D.

Uma misteriosa entidade denominada Makiabel congela o tempo, cedendo a alguns participantes da festa o poder das fantasias que estão usando. Guiados por uma versão alternativa de si mesmos, os B-sides, os escolhidos são obrigados a lutar entre si, competindo pela própria liberdade e pelo Poder destinado ao vencedor. Apenas um deles pode vencer o torneio dos Trajes Fatais.

O game esteve em campanha no Kickstarter, porém não atingiu a meta necessária. Mesmo assim, o estúdio Onanim não desistiu da ideia de lançar o game e promete novidades  em breve. O título segue a linha dos jogos de luta 2D da geração 16-32 bits, ou seja, a qualidade promete ser das mais altas. Há um beta disponível para PCs, já com o modo versus e quatro personagens jogáveis: Lucy Fernandez, Lourenço Sombra, Cristiano Martins e Lucy BSide.

onanimA Mecânica de Trajes Fatais é bem simples: com um botão de ataque você pode realizar várias ações. Cada uma das direções somadas ao ataque ocasiona uma reação apropriada. Cabe ao jogador saber os melhores movimentos para cada situação de jogo. A expectativa é que a versão final traga mais botões de ação e funcionalidades. Além dos torneios, os jogadores podem mergulhar no modo história, desvendando as intrigas políticas e os segredos da cidadezinha de Apolínea do Sul e das motivações do misterioso Makiabel.

Outro ponto forte é o estilo visual em pixel art totalmente desenhado à mão. Não é a toa: os desenvolvedores se declararam fãs de jogos como The King of Fighters e Street Fighter. Trajes Fatais venceu o prêmio de Melhor Jogo por voto popular no SBGames 2015 e recebeu sinal verde no Steam Greenlight.

O jogo será lançado inicialmente para PC Windows  mas temos planos de portar para Linux e Mac, bem como PS4, XOne, Android e iOS. Como a meta não foi atingida, não há uma previsão concreta de lançamento, mas a expectativa é que em meados de 2017 tenhamos mais novidades.

Confira o trailer de Trajes Fatais:

Skyjaz anuncia Deliverace, um game de corrida diferente

A Skyjaz Games já gravou seu nome no coração da comunidade gamer brasileira graças ao aterrorizante Pesadelo. Como a maioria já sabe, neste ano a companhia teve dois grandes lançamentos: a sequência de Pesadelo e o RTS Dead Army: Radio Frequency. Para o próximo grande projeto, a empresa nos apresenta Deliverace, um game de corrida bastante diferente e divertido.

De acordo com os desenvolvedores, o objetivo do game entregar mais encomendas para vencer os adversários, mas há outros modos de jogo igualmente incomuns, como um em que vence quem manter-se com a carga até o final do percurso e também o modo onde quem estiver com a bomba perde. Você pode jogar no modo time ou individual

No Modo Bomba, um jogador é escolhido no começo da partida para carregar a bomba e precisa passar para o oponente o mais rápido possível. Quando o tempo acabar o time que estiver com a bomba dá ao time inimigo um ponto. Já no Modo Pegue o Pacote existe um pacote valioso na tela, quem achar primeiro e manter até o final ganha a rodada. Se um jogador encostar em você, a carga será roubada e você precisará recuperá-la. E finalmente temos o modo Delivery: Vão surgindo varias entregas pelo cenário, o time que coletar e entregar mais rápido dentro de um tempo determinado vence.

O título tem dezenas de cenários, power ups, veículos etc. Muitas funcionalidades e conquistas ainda serão implementadas, bem como um upgrade gráfico, até o lançamento final. Um ponto interessante é que cada veículo tem suas próprias características. A jogabilidade lembra um pouco Crazy Taxi, clássico do Dreamcast, porém com uma ênfase mais competitiva.

De acordo com a Skyjaz, o game terá versões para PC e PS4 e a expectativa é que ele se torne um sucesso entre os adoradores de corridas arcade. Deliverace está em campanha na Steam a fim de receber sinal verde e fazer parte desta loja tão popular.

Abaixo tem o trailer de Deliverace:

Colina Legacy é o game de terror psicológico da Samurai Games

A dica de hoje é para quem curte horror psicológico e clima de suspense. Colina Legacy é um jogo publicado pela Samurai Games e não é nenhuma novidade (ele foi apresentado ao público durante a BGS 2016 e teve a demo liberada no início de outubro). Você controla, um jovem chamado Alex que vai até a antiga casa da colina onde sua avó vivera um dia. Nesta estranha casa acontecem muitos fenômenos paranormais e acontecimentos que colocam sua vida em perigo. Cabe a Alex descobrir o que está acontecendo na casa e onde estão as outras pessoas.

O game começa assim que Alex acorda dentro do carro de seus pais sozinho e em frente a casa da colina. Sem alternativas a não ser procurar por seus pais, Alex adentra a casa ciente de que algo está muito errado. O game não é linear, de modo que há um clima de incerteza do que se vai encontrar em sua jogatina a cada corredor ou nova porta. De acordo com a Samurai Games, a ideia é manter o suspense, ou seja, os elementos de ambientação do gameplay são dinâmicos e cada partida é única.

Diferente do habitual, Colina Legacy tem jogabilidade em 3º pessoa, pois, de acordo com os desenvolvedores, havia a intenção de reviver a experiência de terror psicológico old school. Os puzzles também são bem complicados, lembrando games da era 32/64 bits como Silent Hill e Resident Evil. Mas a Samurai Games deu um jeito de colocar mecânicas mais novas para prender a atenção dos jogadores mais novos, bem à lá Alan Wake em que você enfrenta inimigos com a luz da lanterna. Os gráficos também são bem bonitos e a ambientação é bem aterrorizante e contribui com  clima de mistério e suspense.

Para quem não conhece, a Samurai Games é uma pequena produtora brasileira de jogos. A demo está disponível para download na Steam. A ideia inicial era lançar Colina Legacy no final deste ano, porém os desenvolvedores tiveram de alongar o prazo e a expectativa é lançar a versão final em meados de 2017. O game é uma boa pedida para quem curte horror psicológico e sente saudades da pegada Silent Hill clássica.

Abaixo você confere o trailer de Colina Legacy:

Legend of the Skyfish é o novo título da MGaia Studios inspirado na franquia Zelda

A MGaia Studios já é bem conhecida dos jogadores e é justamente deles que vamos falar hoje. O estúdio de Bauru, SP acaba de publicar seu novo game na Steam em busca de sinal verde da plataforma para o lançamento global para PCs. Trata-se de Legend of the Skyfish, um título de ação e aventura repleto de puzzles e inimigos desafiantes. Aqui você ajuda a improvável heroína Ganchinho Vermelho e sua mentora Moonwhale em uma missão para derrotar o vilão Skyfish.

Na breve trama você é Ganchinho Vermelho, uma garota que integra um grupo de pescadores que inadvertidamente desperta a ira de uma espécie de seres violentos que habita as profundezas do oceano. Sob a liderança do terrível Skyfish, esses seres submetem os pescadores e a única sobrevivente é Ganchinho Vermelho, que é resgatada pela baleia Moonwhale. Agora cabe a dupla descobrir uma forma de conter as forças de Skyfish e restabelecer a paz no mundo da superfície.

Legend of the Skyfish tem um estilo bem parecido com Legend of Zelda, ou seja, você vai explorar um mundo de fantasia com variadas dungeons e resolver quebra-cabeças enquanto enfrenta estranhos chefões. Ao invés de espadas, a Ganchinho Vermelho usa uma vara de pesca, uma arma que combina com a ambientação do jogo (o oceano). Durante a aventura o jogador vai aprimorar a vara de pesca, dando-lhe novas funções e usos para vencer os desafios.

Um dos elementos que mais salta aos olhos é o estilo visual de Legend of the Skyfish, que é inspirada no estilo da folk art, pintada à mão. Cada uma das 45 fases promete tirar o fôlego do jogador tal como a principal fonte de inspiração é capaz. A trilha sonora também é original e foi composta por Sean Beeson, ou seja, apesar de beber da fonte de Zelda este game tem identidade própria.

Até o momento não há uma data definida de lançamento para o título, mas a expectativa é que chegue por meados de 2017 para PCs. Por enquanto o estúdio procura o sinal verde na Steam, então toda a ajuda será bem vinda. Faltou apenas mencionar que o game é uma colaboração com o estúdio Crescent Moon, os mesmos desenvolvedores por trás de Jewel Road.

Abaixo você confere o trailer de Legend of the Skyfish:

Conheça o game indie brasileiro Rise of Ages

Hoje vamos falar de um dos títulos mais ambiciosos já produzidos por um estúdio indie brasileiro. Trata-se de Rise of Ages, um sandbox 2D que faz o jogador passar por diferentes eras da civilização, desde a idade da pedra até a robótica. Neste game você vai assumir o papel de um líder de uma nova civilização com o objetivo de recrutar mais pessoas para expandir esse povo e evoluí-lo tecnologicamente através das Eras. Rise of Ages é uma cortesia da Anguis Game Studio, um estúdio fundado em 2013 em Porto Alegre com foco em jogos 2D.

Após customizar seu personagem, você inicia o jogo em uma caverna escura, onde lhe é contada ema breve história de introdução. A partir daí, você deve sair da cavena em busca de outras pessoas para formar uma comunidade. Para tanto, basta explorar todo o mapa do jogo. Mas não pense que a tarefa será fácil, durante a aventura, você vai executar diversas atividades que vão desde cortar árvores até encarar batalhas ferrenhas contra diferentes inimigos.

Coletar recursos naturais é uma das atividades mais corriqueiras do jogo, de modo que você deve coletar madeira, couro, carne, vegetais etc. A ideia básica é manter o personagem com energia e utilizar alguns dos recursos para construir novas estruturas para sua população crescente. Vale destacar que Rise of Ages possui dois modos de jogo: single player e multiplayer.

Um dos pontos mais interessantes é que o jogador terá interagir com outras civilizações, utilizando uma abordagem mais democrática ou (dependendo do caso) agressiva, através de guerras.Durante a etapa de busca de aliados, você vai atribuir aos NPCs diferentes profissões, desde guardas para proteger a cidade de inimigos e animais selvagens, até alguém responsável pela produção dos equipamentos.

Rise of Ages contará com um sistema chamado Genoma, onde o jogador irá evoluir através das Eras, enquanto o seu DNA também evolui através de várias ações que irão dar experiência e, após acumular determinada quantia, poderá ativar habilidades unidas, que podem ser obtidas através da árvore de habilidades.

Rise of Ages está em desenvolvimento para PCs, mas o estúdio não descarta uma versão para consoles de mesa caso o projeto seja bem sucedido. A comunidade já até deu sinal verde para que o game seja lançado através da Steam. A previsão de lançamento é para o primeiro trimestre de 2017. Para quem estiver ansioso para jogar este game, o Anguis Studio disponibilizou uma demo gratuita.

Abaixo tem o trailer de Rise of Ages:

Já conhece o game de terror psicológico Room 404?

Hoje vamos falar de um título que não é exatamente novidade, mas que merece destaque pela comunidade, pois trata-se de um título que tenta reviver o gênero de terror psicológico que fez fama no fim dos anos 90. Room 404 é fruto de uma parceria entre os estúdios brasileiros Machine Bear e 3DTM e possui mecânica em 1º pessoa. O jogo mescla horror psicológico com uma atmosfera sobrenatural, para contar a historia de Alex, um homem que perdeu o filho num misterioso acidente dentro do quarto 404 de um antigo hotel.

A trama narra a história de Alex, um homem que perdeu seu filho de maneira trágica dentro do quarto 404 de um misterioso hotel. O menino foi assassinado e sua mãe Catherine ficou foi encontrada ao lado do corpo, totalmente catatônica. Este fato a levou a completa loucura e internação em um manicômio. Após algum tempo, Catherine foge do hospital e os indícios apontam que ela tenha voltado ao quarto 404 atrás do filho falecido. Agora Alex tem que voltar ao Hotel, em busca de sua esposa, enquanto lida com o sobrenatural.

O game tem elementos típicos de horror psicológico, lembrando algo de Silent Hill ou Outlast. Parece que o objetivo do estúdio é deixar o jogador o mais perturbado possível. Para isso, foram colocados elementos para tornar o game mais tenebroso, como cenários que mudam sozinhos e uma trilha sonora bem sombria, além de terríveis aparições dignas de pesadelos.

Room 404 foi produzido com a Unreal Engine 4 e, por isso, consegue efeitos de luz e sombra dignos de menção. A física também é bem interessante, tal como o gameplay. Por se tratar de um game com atmosfera densa, não é indicado para jogadores mais novos. Há diversos quebra-cabeças a serem resolvidos e jump scares à lá Slender: The Eight Pages. O game já está disponível (exclusivo de PCs) através da Steam.

Abaixo temos o trailer de Room 404:

conheça Holodrive, o jogo shooter 2D mais doido da BGS 2016

Conforme prometemos, vamos falar dos jogos indie que foram destaques na Brasil Game Show. O primeiro deles é brasileiro e foi recentemente aprovado na Steam, mostrando-se um sucesso latente. Trata-se de Holodrive, um shooter 2D com foco em multiplayer que coloca os jogadores no controle de simpáticos robôs para explodirem-se mutualmente causando o caos. A ideia era criar um game que fosse dinâmico e divertido.

Os personagens são bastante variados e os jogadores podem fazer uso de armas e equipamentos malucos. Um dos destaques é a possibilidade de colecionar equipamentos e roupas para personalizar os personagens. As armas garantem uma jogabilidade diversificada e cada partida acaba sendo diferente da anterior. Há jetpacks também para tornar a movimentação mais rápida e divertida.

O roteiro é simples, mas dá uma ideia do que esperar do game: Quando a Holocorp criou os Dummys com o propósito de serem o robô companheiro de todo mundo, ninguém esperava que eles se tornassem obcecados em explodir uns aos outros! Agora eles competem em renas especiais equipados com um arsenal de armas loucas e causam o caos com power-ups imprevisíveis, enquanto vestem os acessórios mais fabulosos. Nada pode dar errado!

De acordo com a desenvolvedora, Holodrive começou como um protótipo chamado Tilt feito em apenas um dia contando com influências de jogos bem sucedidos como Minecraft, Team Fortress 2, Quake e Mario Kart, por exemplo. O projeto Tilt era bem despretensioso, mas rapidamente tornou-se um hit entre a comunidade de jogadores, chegando a 950 mil jogadores em poucos meses.

O título é cortesia da Bitcake Studios, uma desenvolvedora iniciada em 2013 e a primeira brasileira a nascer com auxílio do GameFounders, um programa de aceleração dedicada a jogos eletrônicos. Assim que o estúdio conseguiu o primeiro investimento da GameFounders, foi possível participar de eventos entre desenvolvedores na Europa.

Holodrive será um jogo gratuito e abaixo você pode conferir o empolgante gameplay: