Arquivo da tag: realidade aumentada

BIG Festival procura projetos de VR e AR para novo line-up de palestras sobre Realidade Virtual e Aumentada

O BIG Festival 2017 começa apenas em 24 de junho, mas as novidades já estão rolando a todo vapor. Uma das mais interessantes é que a quinta edição vai ter um line-up específico sobre realidade virtual e realidade aumentada. Esta será uma oportunidade única para quem ainda não conseguiu testar os novos óculos de realidade virtual e aumentada.

O BIG Festival convidou três dos profissionais brasileiros que mais se destacam na criação de games com essas tecnologias para ajudar na construção dessa vertical. Orlando Fonseca Jr, da IMGNATION Studios; Pedro Kayatt, da VR Monkey; e Tiago Moraes da Ovni Studios, serão os parceiros da organização do evento para trazer o que há de mais atual em VR, AR e games.

big-festival

Mas não pense que o espaço dedicado a realidade virtual se limita apenas aos três produtores. Na verdade, se a sua empresa tem jogos prontos e você deseja participar do line-up de palestras do BIG Festival, você pode inscrever seu game ou caso de sucesso no site do evento. Se aprovado, você pode apresentar seu projeto no maior evento de jogos independentes da América Latina.

Mais novidades sobre o BIG Festival 2017

E as novidades do BIG Festival não param por aí: a organização do evento também procura iniciativas de empresas, escolas, fundações e outras organizações brasileiras envolvidas com jogos para aprendizagem, saúde e impacto social, para exporem e discutirem suas experiências na programação do BIG Impact.

mario-lapin“Buscamos dar visibilidade a casos de games aplicados na transformação positiva do mundo, seja apoiando a aprendizagem em qualquer faixa etária, fomentando a saúde, ou promovendo a cidadania e as causas sociais. É um campo que cresce rapidamente no Brasil, e acreditamos que o compartilhamento de histórias dos pioneiros desta indústria, incluindo seus fundamentos, acertos, erros e resultados serão essenciais para o amadurecimento e a expansão do setor no país, aumentando ainda o potencial de exportação e de participação da nossa indústria no mercado global”, afirma Mario Lapin, curador do BIG Impact e CEO da Virgo Games.

Se você já desenvolveu ou participou do desenvolvimento de jogos de impacto, ou se você tem algum projeto incrível em mente, não fique fora do line-up de palestras do BIG Impact. Inscreva seu jogo ou iniciativa lúdica de impacto para apresentar-se na programação do BIG Impact aqui.

A maior polêmica gamer para 2017: Young Conker e o Hololens

Faça uma lista dos melhores games do Nintendo 64. Vai ter Conker’s Bad Fur Day, certo? Não é à toa: o game da Rare não foi apenas um marco para a plataforma, mas também para toda a indústria de games graças ao seu humor negro, violência explícita e paródias com a cultura pop. Ele era um jogo de plataforma que quebrava o estigma de que todo jogo do gênero tinha de ser fofinho e infantil.

Não por acaso, seu único game conquistou uma legião de fãs e cravou o nome da Rare como o estúdio mais engenhoso da época. Tão logo a empresa britânica foi adquirida pela Microsoft, houve um remake muito bonito para o Xbox clássico chamado Live & Reloaded e desde então o esquilo boca suja somente foi visto em participações especiais do Project Spark (que, aliás, foi cancelado).

3015168-conkerNo início de 2016 as esperanças dos fãs de Conker foram renovadas graças aos rumores que apontavam um novo game. Entretanto, após a revelação de Young Conker a comunidade se deu conta de que a Microsoft não está ouvindo seus fãs. A imprensa de games brasileira parece ter passado batida a este projeto, mas lá nos EUA a recepção foi das mais negativas possível.

Para quem não ficou sabendo, Young Conker apresenta um novo modelo do personagem em um game para os óculos de realidade aumentada Hololens, da própria Microsoft. Aqui os jogadores podem interagir com Conker, e guia-lo para cumprir missões dentro da sua sala de estar. O game está em desenvolvimento pela Asobo Studio, um estúdio francês muito pouco conhecido, mas que já trabalhou em alguns games famosos como ReCore, Toy Story 3 e Up. O trailer do Youtube já teve mais de 540 mil visualizações, sendo que apenas 1750 deram sinal positivo, enquanto que 27 mil pessoas negativaram o vídeo.

young_conker_1-1024x576

Muito desta reação negativa se deve ao redesign do personagem, que não lembra nada a versão clássica do personagem do N64, nem o “fofinho” do Xbox. Aqui temos um Conker esquelético e sem o mesmo humor ou brilho de outrora. Mais importante do que isso: a comunidade desejava uma verdadeira sequência para o mascote, ou seja, um game de plataforma em terceira pessoa com muitas piadas e level design bem produzidos. Quem sabe com paródias de games da própria Microsoft, como Halo ou Alan Wake?

O poderio gráfico do Xbox One seria capaz de gerar um game do Conker especialmente bonito, como deu para ver no natimorto Project Spark. Mas ao invés disso, os executivos preferiram utilizar o personagem para vender um acessório que nem todos poderão comprar logo no início. O problema está justamente nisso: a comunidade está à espera de um verdadeiro jogo do Conker há mais de dez anos. Mas ao invés disso, teremos uma aplicação para poucos.

conkers-big-reunion-conker-with-chainsawSe você fizer uma rápida pesquisa no Google vai ver que já rola até abaixo assinado para que Young Conker seja totalmente cancelado e nunca mais se fale no assunto. No Youtube há centenas de “vídeos reações” de personalidades online malhando a ideia. De outro lado, os maiores sites de games do mundo escreveram artigos negativos. Para se ter ideia, o site The Verge disse que “(…)Conker parece um vilão da Hannah Barbera em recuperação de uma overdose de cocaína”.

Claro que o jogo em si pode ser um killer app divertido e que cale a boca dos críticos, mas a verdade é que este não é o Conker que a comunidade espera e se pudéssemos adivinhar qual o desejo que a comunidade gostaria que a Microsoft atendesse seria “dê-nos um game do Conker verdadeiro”. As boas vendas do Rare Replay são um bom sinal de que a comunidade ainda gosta do Conker e quer vê-lo em seus dias de glória.

E afinal, será que a Microsoft tem algum problema pessoal com a Rare? Porquê não deixar a criadora do personagem criar um novo game? Tudo bem que os funcionários da antiga Rare não estão mais lá, contudo seria importante para a marca e para o público ver que o novo pessoal que está tocando o barco pode fazer tão bem (ou até melhor) que o time de Chris e Tim Stamper. Bastaria um voto de confiança.

A nova Rare, aliás, não têm tido muita oportunidade de colocar a mão em suas franquias desde que veio para o lado verde da força, certo? A última vez foi com Banjo-Kazooie: Nuts & Bolts, que não lembra nada as duas aventuras do N64. Killer Instinct para Xbox One é excelente, mas foi produzido pela Double Helix. Rumores sugerem que um novo Perfect Dark está em desenvolvimento, mas visto que a Rare está nos preparativos finais para o lançamento de Sea of Thieves, é praticamente impensável que a produção do novo game de Joana Dark esteja a cargo da produtora.

Muita gente acredita que um dos capítulos mais negros da história dos videogames foi a compra da Rare. Pessoalmente acredito que o estúdio ainda tem bastante potencial. Basta ver o que eles fizeram com Viva Piñata e Kameo: Elements of Power. Quem sabe colocar o Conker de volta na mão deles fosse melhor escolha do que uma aplicação estranha para o Hololens?

Afinal de contas, qualquer personagem poderia substituir o Conker neste jogo, se a intenção é apenas criar um personagem para interagir com a casa do jogador. Para a comunidade só resta uma esperança: se a Microsoft teve coragem para cancelar um game tão aguardado quanto Scalebound, que tomem a mesma decisão com Young Conker.

Confere o vídeo abaixo e nos diga se você é capaz de amar Young Conker:

Night Terrors: The Beginning vai transformar sua casa em um cenário de filme de terror

Pokémon Go foi o primeiro grande título a utilizar realidade virtual no celular. Portanto, não é de se espantar que após o sucesso do jogo da Niantic outros jogos viessem nesse embalo. A próxima grande tacada é Night Terrors: The Beginnig, cuja temática deixa os monstrinhos fofinhos para apresentar verdadeiras aparições macabras (fantasmas, demônios e monstros) para assustar o jogador.  Apesar da fama de ser um clone sinistro de Pokémon Go, Night Terrors surgiu antes do jogo da Niantic Labs através do site de crowdfunding IndieGogo, porém o longo tempo de desenvolvimento atrasou o lançamento.

O detalhe é que assim como Pokémon Go, Night Terrors utiliza a câmera para mostrar as aparições como se estivessem nos corredores de sua casa. Ah, o jogo só funciona à noite, para dar mais um toque de horror na jogatina. Como se não bastasse, você precisa conectar os fones de ouvido para desfrutar da experiência, Além disso, o aparelho celular começa a funcionar de maneira estranha, como o flash piscando e interferências estranhas. É importante ressaltar que o game só funciona plenamente em ambientes internos e você deve desligar todas as luzes de casa.

Night Terrors junta elementos do filme Rec e da franquia Silent Hill, ou seja, você se guia através da escuridão da sua casa usando a parca iluminação do flash (que serve como lanterna). De tempos em tempos o celular tira fotos com aparições estranhas e objetos da casa se movem através da tela do celular. A ideia é fazer parecer que equipamentos eletrônicos sofrem interferência quando estão próximos de criaturas sobrenaturais.

A desenvolvedora Novum Analytics caprichou nos detalhes para tornar a experiência mais tenebrosa: o jogo até mesmo usa os sensores do smartphone para saber se o usuário está parado ou se movimentando. Todas as informações alimentadas pelo ambiente ditam o rumo da narrativa.  O objetivo inicial é encontrar uma garota perdida seguindo uma estranha frequência, porém, conforme as aparições surgem, seu objetivo rapidamente torna-se sobreviver. Caso você “morra”, seu progresso vai a zero e você deve recomeçar sua escabrosa aventura.

Segundo a Novum Analytics, após jogar Night Terrors, o jogador jamais verá a própria casa do mesmo modo. Se você ficou empolgado, saiba que o game já está disponível para download (por enquanto apenas para usuários iOS). A desenvolvedora promete que a versão para Android chega em breve, basta ficar antenado. Segundo os desenvolvedores, serão feitos updates de tempos em tempos para tornar a experiência melhor.

Abaixo tem o trailer de Night Terrors: The Beginning:

Além de Pokémon Go – Conheça outros 12 aplicativos de realidade aumentada

Pokémon Go pode até ser o jogo que popularizou a realidade aumentada, mas engana-se quem pensa que ele foi o primeiro game do gênero. Para quem gostou do estilo de Pokémon, existem outras aplicações que utilizam as telinhas do celular para revelar uma realidade alternativa. Hoje vamos apontar outros 12 aplicativos de realidade virtual com propostas tão interessantes quanto a dos monstrinhos de bolso.

Confira abaixo 12 aplicativos de realidade aumentada que você deve conhecer:

12 – Ingress

Ingress

Criado pela Niantic Labs, Ingress tem a fama de ser o melhor jogo de realidade aumentada do mercado. A dinâmica do jogo é dividir seus usuários entre dois times: Iluminados e a Resistência. A ideia é unir os membros desses grupos para trabalhar juntos e cumprir pequenas missões para derrotar a facção rival e vencer a guerra cibernética. Todo o jogo tem um clima de ficção científica ideal para amantes de histórias fantásticas e mundos distópicos. Tal como Pokémon Go, você vai precisar andar bastante, pois seu objetivo primário é conquistar portais para sua equipe antes que o time rival os conquiste. Está na biblioteca do Android.

 

11 – Zombies, Run!

zombies run

Já imaginou viver, ou melhor, sobreviver em um apocalipse zumbi? Zombies, Run! Tem um nome que não engana o jogador, de modo que muita da jogatina se baseia em correr por sua vida. A ideia é que o celular se torna a forma mais efetiva para ouvir os mortos-vivos se aproximando, e como você não tem armas para se defender a única forma de sair vivo é correr como se não houvesse amanhã. A ambientação e o clima de jogo são bem realistas, de modo que você vai se divertir com o jogo, se você não se sentir constrangido em sair em disparada após dar uma olhada na tela do celular.

 

10 – SpecTrek

Realidade

Este aqui é para quem não tem medo de aparições fantasmagóricas. Ao invés de pokémons, este aplicativo funciona como no famoso Fatal Frame, em que os jogadores utilizam as câmeras para revelar onde se encontram fantasmas e outras criaturas sobrenaturais. O clima é bastante tenso e há um mapa de locais reais que estão “assombrados”. Você teria coragem de jogar SpecTrek à noite? Já pensou descobrir que sua casa guarda alguma aparição especialmente horripilante? Afinal é um conceito de realidade aumentada também. Disponível para Android.

 

9 – Parallel Kingdom

Parallel Kingdom

Parallel Kingdom é um título para iOS e Android produzido para agradar os fãs de RPG clássico. Aqui você usa o GPS do celular para progredir através dos 40 estágios, coletando mais de 50 habilidades a fim de melhorar seu personagem. O melhor é que você pode escolher entre quatorze classes, que são bastante personalizáveis. No mundo do jogo há dungeons e monstros bastante violentos. Um prato cheio para amantes da dinâmica de Dungeons & Dragons.

 

8 – Parallel Mafia

Parallel Mafia

Este é dos mesmos criadores de Parallel Kingdom, a diferença é quem aqui a temática é mais voltada para a Máfica. Deste modo, o jogador vai passar por locais dominados pelo crime organizado e terá de realizar tarefas para os criminosos a fim de subir no ranking. A jogabilidade é típica de RPG e algumas missões demandam encontros com outros jogadores a fim de melhorar a estratégia de ação. É praticamente um GTA em realidade aumentada, a melhor forma de executar atos de contravenção sem ser ter problemas com a lei. As opções de customização são bastante amplas e você pode transformar seu avatar a seu gosto com riqueza de detalhes. Disponível para Android e iOS.

 

7 – Kick Ball

Kick Ball

Kickball é um jogo que cria bolas de futebol virtual para você fazer embaixadas e jogar futebol com os próprios pés. Os recursos são bastante simples, mas podem divertir o jogador àvido por futebol que está trancado em um escritório apenas com seu celular. O mesmo estúdio chegou a criar um jogo semelhante de basquete, mas foi o jogo de futebol que ganhou mais fama aqui no Brasil. Kickball está disponível para usuários do Android.

 

6 – Augment

augment

Apesar de não ser exatamente um jogo, Augment entra para a lista devido a sua popularidade e recursos para divertir o jogador. O aplicativo mapeia o ambiente ao redor para inserir modelos 3D dos mais diversos objetos que o jogador desejar, seja uma lata de refrigerante ou personagens de desenhos animados. Diversas marcas famosas utilizam o aplicativo para  se autopromover na realidade aumentada, tais como a Coca-Cola e a Samsumg. Está disponível para Android.

 

5 – Google Goggles

Google Goggles

Este é o aplicativo que eleva as buscas do Google para um novo patamar! Imagine tirar a foto de um logotipo, um produto ou um objeto e jogar na rede da Google para que ela te responda identificando o que se trata o produto com o maior número de informações possíveis. Claro que a aplicação não funciona em 100% das vezes, há ocasiões em que é necessário tirar várias fotos para que o aplicativo retorne o resultado correto, contudo o Goggles não deix de ser uma experiência interativa bastante divertida. É exclusivo para Android.

 

 

4 – iOnRoad Augmented Driving

ionroad

Esta é uma boa dica para motoristas. O iOnRoad utiliza a realidade aumentada para indicar placas na rua e alertar sobre o limite de velocidade. Além disso, o aplicativo informa sobre proximidade do veículo à frente e grava vídeos como as famosas dash cam. Se você estiver saindo da faixa, o iOnRoad ainda emite um alerta sonoro para evitar acidentes de trânsito. Há alguns problemas, mas em geral a aplicação funciona conforme promete. Também é exclusividade do Android.

 

3 – Invizimals

Invizimals

Invizimals é o mais próximo de um antepessado que Pokémon Go teria, pois ele foi lançado para PSP e tinha por objetivo encontrar e capturar monstros virtuais em ambientes reais através da câmera do portátil. Claro que Invizimals não era tão despojado quanto Pokémon Go, pois as funções de GPS não faziam parte do pacote. Outro problema que minou as chances de sucesso do jogo era que a câmera do PSP era vendida separadamente (e com um preço salgado), apesar disso os produtores chegaram a lançar algumas sequências.

 

2 – Eyepet

Eyepet

Invizimals não foi a única investida da Sony com a realidade aumentada. Eyepet chegou ao PS3 com toda a pompa. Os jogadores podiam interagir com uma estranha criatura que parecia o híbrido de cachorro com um símio. Uma coisa interessante era que o EyePet vinha acompanhado de um cartão que podia ser lido pela câmera do PS3 a fim de criar objetos no mundo real, dentro da tela da TV.

 

1 – Kinectimals

Kinectimals

E como falar de Eyepet sem mencionar o equivalente da Microsoft? Kinectmals colocava em tela pequenos animais para interagir com o jogador, utilizando o Kinect para fazer a criatura interagir com as crianças e com objetos do mundo real. Mas esta não é a versão de realidade aumentada que nos referimos. Tempos depois a Microsoft lançou uma versão para Windows Phone que colocava os animais a interagir com as pessoas nos ambientes reais.

Guia para iniciantes em Pokémon Go

Poucos jogos causaram impacto tão grande na comunidade de jogadores quanto Pokémon Go, o novo jogo de celular que utiliza realidade aumentada para trazer os pocket monsters para o mundo real. O título ainda não está disponível oficialmente no Brasil, mas no que depender da expectativa dos brasileiros podemos esperar uma recepção tão grande quanto teve nos EUA e em outras regiões do mundo. Pensando nisso, resolvemos criar um guia especial para iniciantes em Pokémon Go.

O que tem de mais em Pokémon Go?

Trata-se d um jogo para dispositivos móveis que utiliza a realidade aumentada e multiplayer online para transformar o mundo real em um mundo Pokémon. Assim você encontra centenas de monstrinhos e outros treinadores em suas andanças pelo mundo, sempre sendo notificado sobre pokémons nas proximidades. A ideia é capturar a maior quantidade de pokémons possível, tal como ocorria nos jogos para portáteis e nas animações.

A Nintendo desenvolveu Pokémon Go?

Na verdade não, apesar de Pokémon ser de propriedade da Big N, Pokémon Go na verdade é fruto de colaboração entre as empresas Niantic, Inc., a Nintendo e a The Pokémon Company. A etapa de desenvolvimento e criação das mecânicas ficou sob responsabilidade da Niantic, ou seja, é ela quem mais está lucrando com o jogo.

O jogo é bom? Por que é tão popular?

Pokémon Go teve críticas mistas pelos veículos especializados e pelos usuários. De acordo com o agregador Metacritic, Pokémon Go tem score de 68 pontos pela crítica e 5,5 pelas avaliações de usuários. Estimativas apontam que o aplicativo foi baixado por mais de 75 milhões de pessoas ao redor do mundo, tornando-o um dos jogos mais baixados de todos os tempos. A popularidade é tanta que a palavra Pokémon Go foi o termo mais buscado da internet durante várias semanas, superando inclusive buscas por pornografia.

A que se atribui a polêmica envolvendo o jogo?

Houve algumas polêmicas envolvendo Pokémon Go devido a alguns fatos inusitados envolvendo jogadores de Go, tais como acidentes de carros, assaltos, encontros com cadáveres e até ataques de hackers a usuários da aplicação. Recentemente o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse que “Pokémon Go promove a cultura da morte, incentivando a violência entre os jovens”, em entrevista à TV Venezuelana. O jogo em si não tem nada comprovadamente perigoso.

Como capturar Pokémons?

Ao encontrar um Pokémon, basta entrar no modo de captura e mirar o celular de frente para o monstrinho e arremessar a pokébola. O Pokémon pode tentar desviar ou rebater a pokébola, de modo que o jogador precisa ter precisão e astúcia para ser bem sucedido.

Onde encontrar os Pokémons?

Em qualquer lugar. Sim, pokémons podem habitar qualquer tipo de ambiente, tais como museus, parques, praias, ou a casa do jogador. Vale lembrar que pokémon selvagens podem aparecer no mapa, dependendo do tipo de região em que se encontra. Com isso, ao estar próximo a uma praia ou rio, por exemplo, será mais fácil encontrar Pokémon do tipo água. A dica é ficar atento ao indicado “nearby”.

Quantos pokémons existem? Posso trocar pokémons com um amigo?

Até o momento existem 151 pokémons no universo do jogo, mas a Niantic não esconde a intenção de aumentar a biblioteca de monstros através de upgrades futuros. Ainda não há a opção de trocar os Pokémons com um amigo localmente, mas essa é uma função que deve ser implementada em algum momento.

Como posso evoluir pokémons?

ara evoluir as criaturas basta cumprir pequenas missões ingame, tais como andar por 10km ou encontrar uma quantidade determinada de treinadores nas suas andanças. Além disso, é possível evoluir as criaturas treinando-as em ginásios. Funciona da seguinte forma: ao encontrar um estágio, você é obrigado a escolher um time, Vermelho, Azul ou Amarelo, cada qual representando a cor de uma das três aves lendárias, Moltres, Articuno e Zapdos. Se este ginásio for do mesmo time que o do usuário, ele pode treinar nele e evoluir seus Pokémon.

Mas e se o estágio for de uma equipe inimiga?

Caso você tenha encontrado um ginásio inimigo, então irá batalhar com todos os membros dentro desse estágio e, caso ganhe, poderá tomar este ginásio para o time ao qual pertence, tornando-se o dono dele. Neste modo de batalha, também pode-se optar por utilizar o modo câmera para ver o Pokémon batalhando no mundo real. Caso os itens acabem e não haja uma PokéStop por perto, o usuário pode optar por comprar itens na loja do jogo.

O que é PokeStop?

É o termo utilizado no jogo Pokémon Go que designa os pontos onde o jogador pode conseguir itens como poções, incensos, revives, doces, pokébolas (pokéballs), ovos (eggs) ou até mesmo Pokémons. Nestes locais, não há a necessidade de lutar para conseguir Pokémons quando estes estão disponíveis nos PokeStops, os demais itens também são gratuitos.

Para encontrar os PokeStops, o jogador deve se orientar pelo mapa do jogo e basta se aproximar com seu smartphone e pegar o que está disponível no local utilizando o aplicativo para girar o disco azul que irá aparecer. Há a possibilidade de simplesmente sair do PokeStop que os itens também serão apanhados, no entanto, não funciona se estiver em deslocamento com carro ou ônibus.

Os PokeStops podem estar localizadas em shoppings, monumentos, praças, parques e lugares públicos em geral. Existem maior concentração nas grandes cidades do que nas pequenas, mas em geral não é necessário um deslocamento muito grande para encontrar um, sendo que são mais comuns do que os ginásios.

O que é CP? E como posso aumentar?

CP é o indicador que mostra o poder total do seu Pokémon. Quanto maior o CP, mais forte ele é. Para aumentar a força do Pokémon, basta equipar a criatura com os itens StarDust e Candy (que são ganhos a cada nova captura de Pokémon). Cada aumento de CP exige uma quantidade determinado desses itens. Quando você tiver a quantidade necessária, basta clicar em Power Up e ver seu Pokémon ficar mais forte.

Como faço para evoluir o Pokémon?

Não é difícil fazer seu Pokémon evoluir, mas é necessário dedicação. Para isso, você deve selecionar seu Pokémon na seleção do menu e clicar em Evoluir. Mas ele somente poderá proceder com a evolução se estiver com a quantidade pedida de Candys, por exemplo, 25 Candys para evoluir um Charmander.

Tem microtransações?

Sim. As microtransações servem para comprar itens que melhoram a forçam do Pokémon, curem seus ferimentos ou comprar novas pokébolas. Naturalmente você precisará gastar dinheiro de verdade. Alguns itens ingame podem ser adquiridos apenas ao jogar, tais como as pokébolas, que são conquistadas em ginásios ou subir de nível.

Preciso criar uma conta para jogar?

Sim, mas se você for usuário do Android, basta fazer login pelo Google. Caso não queira atrelar sua conta do Google com suas aventuras no mundo Pokémon não tem problema: basta criar seu perfil desde o zero no Pokémon Trainer Club.

Quais cuidados básicos ao jogar Pokémon Go?

Conforme dissemos, o título não oferece perigos em si, mas já que há incentivo por sair caminhando você vai ter de tomar cuidados básicos como se estivesse fazendo qualquer outra atividade física. Se for fazer longas caminhadas, procure se hidratar. Preste atenção no trânsito e nas pessoas que o cercam. Tome cuidado para não tropeçar em buracos e demais obstáculos. Também não fique dando mole andando com o celular à mostra nos grandes centros urbanos, pois há muitas pessoas mal intencionadas em todas as regiões do Brasil e do mundo.

Pokémon Go está disponível no Brasil? Quando chega?

Até o momento não há previsão de chegada de Pokémon Go no Brasil. De acordo com a Niantic, há muita vontade em lançar o título em nosso país, mas os esforços estão por manter o game estável nas regiões previamente lançadas. Deste modo só nos resta aguardar. Rumores dão certo de que o aplicativo será liberado ainda neste ano para os usuários brasileiros. A dica é aguardar o lançamento oficial e ficar longe de versões que circulam na internet, pois elas podem estar carregadas por cavalos de tróia e outras surpresinhas desagradáveis.

É verdade que a CIA e o governo americano nos espionam com Pokémon Go?

Para ser franco, não há como sabermos ao certo. Apesar de ter cara de teoria conspiratória barata, há diversas outras teorias que se mostraram verdadeiras, como o caso do “Experimento de Tuskegee”. A teoria acerca de Pokémon Go não é muito diferente daquela que diz que o governo americano tem parceria com o Facebook e o What’s App para coletar informações dos usuários. O detalhe é que até mesmo algumas autoridades russas entraram nessa onda conspiracionista.

“Suponha que o monstrinho em questão não apareça em um parque, mas sim em uma instalação secreta onde um alistado ou outro soldado o capture e tire uma foto com sua câmera”, declarou. “É recrutamento de espontânea vontade e sem qualquer coerção. Essa é a forma ideal de serviços de inteligência para conseguir informações”, disse o major general russo (já aposentado) Aleksander Mikhailov, em entrevista à agência de notícias estatal RIA Novosti.

Um boato assustador é que o criador do jogo foi John Hanke, o mesmo resposnável pela empresa Keyhole, que em algum momento do passado recebeu patrocínio da CIA. De acordo com algumas pessoas, o uso da câmera, GPS e microfone do smartphone são peças fundamentais para a CIA coletar informações do interior das casas de todos os usuários de Pokémon Go. Seja como for, Pokémon Go permanece como o top app dos últimos meses ao redor do mundo.

Abaixo tem um trailer de Pokémon Go:

Sesc Pinheiros recebe Pac Man Motion até o dia 14 de fevereiro

Quem não conhece Pac Man? O primeiro grande mascote da indústria dos jogos eletrônicos já recebeu variadas versões em diversos consoles, porém nenhuma delas promete surpreender tanto quanto a versão que estará no Sesc Pinheiros nesta semana. A instalação Pac Man Motion fica exposta até o dia 14/02.

A ideia dos organizadores foi de recriar Pac Man em realidade aumentada, de modo que o jogador entra na pele do “come-come”, literalmente. A ideia surgiu a partir do desejo dos organizadores em unir as novas tecnologias com as mais antigas. Quem estiver interessado em ser o Pac Man vai conhecer a equipe do memeLab e ficará convidado a postar suas fotos nas redes sociais utilizando as hashtags #memelab #pacmanmotion.

A organização fica por conta da memeLab, um laboratório de mídias instáveis que desenvolve projetos que estimulam a reflexão sobre as relações e interações entre arte, tecnologia, ciência, natureza e sociedade.

PAC MAN MOTION

Quando: 16 de janeiro à 14 de fevereiro

Onde: Sesc Pinheiros (R. Paes Leme, 195)

Carranca Games apresenta KAIJU: Infestation, seu jogo de realidade aumentada

A realidade aumentada não é uma mera fantasia da ficção científica. A tecnologia já existe e está ao alcance de todos nós. Não vemos muitos games fazendo uso da tecnologia por algumas razões simples: a primeira é que a indústria considera a tecnologia pouco usual para ser utilizada fora de casa e pelo fato de muitos acreditarem que seu uso em aplicações é pouco rentável.

Apesar disso, a desenvolvedora indie Carranca Games acredita na inovação e por isso resolveu que seu novo jogo fará uso da realidade aumentada. O game em questão é KAIJU: Infestation, um mini-game para o mercado mobile que tenciona fazer do mobile do jogador em uma arma enquanto que o próprio jogador é um Robô Gigante.

Apesar de ser um mini-game, o título tem uma história pra contar: a trama se passa em uma ilha próxima a uma usina termonuclear. De alguma forma a usina emite um barulho que desperta os Kaijus (grandes monstros marinhos), e estes vão em direção à ilha para destruí-la juntamente com a usina que atrapalhou seus sonhos.

O que os Kaijus não sabem é que se destruírem a cidade eles próprios serão destruídos na explosão. A partir daí surge Kaori, a filha de um grande cientista, que motivada a salvar a cidade e continuar o legado de seu pai faz os últimos ajustes no robô gigante capaz de enfrentar os perigosos kaijus e evitar a eminente catástrofe.

O game é do estilo FPS e a realidade aumentada é amplamente explorada no game. Para jogar é necessário ter o tabuleiro do jogo, onde o cenário irá surgir. O smartphone é usado como arma contra os monstros que surgirem. O objetivo é simples: impedir que os kaijus cheguem até a usina. Esses monstros chegam em hordas, ou seja, a cada kaiju derrotado surgem novos mais rápidos e mais fortes, de modo que o game fica mais difícil com o passar do tempo. Ao todo são oito “waves” – o que dá cerca de 7 minutos de jogo.

O estúdio Carranca Games tencionou criar um game simples e casual, incentivando os jogadores a bater seus próprios recordes a cada nova partida. O uso da realidade aumentada serve justamente para distanciar o game de tantos outros que existem no mercado, ou seja, é um fator a mais para a imersão do jogador e criar um fator diversão pouco explorado por outras produções.

O game já está disponível no Google Play. Tomara que mais estúdios resolvam apostar na realidade aumentada, pois os resultados são sempre surpreendentes.

Abaixo tem o vídeo gameplay para que você tenha ideia de como o jogo funciona o game KAIJU: Infestation: