Arquivo da tag: Quantum Break

Os 10 melhores jogos exclusivos do Xbox One para 2015

O ano de 2015 promete ser um dos melhores para os fãs de videogames, independente de que plataforma seja usuário. Pensando nisso, resolvemos eleger os dez melhores games exclusivos a ser lançados para cada plataforma. A primeira parte é para os usuários do Xbox One. Posteriormente vamos eleger os principais exclusivos do Playstation 4 e do Wii U.

Antes de iniciar a lista, primeiro vale destacar que são apenas jogos exclusivos, por isso alguns títulos muito esperados como The Witcher 3 e Batman Arkham Knight ficaram de fora.

Títulos exclusivos que mantém contrato de exclusividade temporária entraram na lista, pois ela compreende apenas o período de 2015. Confira também as ofertas para XBox One.

Dito isto, acompanhe os dez mais aguardados do Xbox One para 2015: 

10 – Crackdown – Cloudgine

Poucos detalhes foram anunciados de Crackdown, apenas um trailer que mostra que o estilo gráfico mantém a fórmula dos anteriores (com cell shading), muitas explosões e um ambiente urbano noturno com muito néon. Um detalhe interessante é que a Microsoft não chama o jogo de Crackdown 3, pelo simples motivo de o jogo não ser uma sequência do segundo capítulo da série, mas sim do primeiro game.

Outro detalhe é que o jogo deverá utilizar o poder de processamento em nuvem do Xbox One como nenhum outro título do sistema fez até então. Esse poder extra será utilizado para renderização mais complexos, como explosões em partidas multiplayer. Crackdown ainda não tem data de lançamento definida e há rumores de que ele nem chegue ao mercado em 2015. O jeito é esperar.

 9 – Phantom Dust – Microsoft Game Studios

Phantom Dust é um JRPG de ação bastante antigo: foi lançado em 2004 para o Xbox original. Não fez muito sucesso, mas teve notas boas nas críticas. Na história, os jogadores encontram-se em um planeta à beira da ruína, a missão principal é descobrir o que ocorre. O game tem foco no multiplayer online e incentiva as batalhas entre os players e a evolução de armas e habilidades. Infelizmente para a comunidade de fãs, os servidores do jogo foram desativados em julho de 2014 (estava disponível para Xbox 360).

Como Phantom Dust é um dos poucos títulos voltados aos jogadores nipônicos e a Microsoft tem intenção de impulsionar as vendas do One em todas as partes do mundo, a empresa anunciou um remake para sua nova plataforma. O lançamento está programado para 2015 e até então não se sabe se haverá (e quais são) as mudanças para a nova versão.

 8 – Screamride – Frontier Developments

Sucessor spiritual de RollerCoaster Tycoon, Screamride é o jogo do Xbox One voltado aos fãs de construções, mas a diferença é que o novo jogo não permite a construção e administração de parques completos, mas apenas de montanhas-russas, quanto mais perigosas, melhor.

São três modos de jogo, sendo o destaque para a destruição total. O lançamento é para 3 de março e a Microsoft lançará o título também para o Xbox 360. Há possibilidade de compartilhar as criações na Xbox Live e testar as engenhocas dos amigos. Seria bem legal se o Xbox tivesse um óculos de realidade virtual compatível com Screamride, mas isso vai ficar na nossa imaginação.

 7 – Fable Legends – Lionhead Studios

Fable Legends é a primeira entrada da série no Xbox One e apesar de carregar o nome do RPG exclusivo mais emblemático da Microsoft, o jogo se distancia bastante da fórmula de seus antecessores. Para começar, o jogo tem um enfoque mais voltado ao multiplayer do que o singleplayer: quatro amigos se unem para derrotar as mais variadas criaturas que aterrorizam Albion, e um quinto jogador pode assumir o papel de vilão, definindo quem deve ser atacado e que desafios os heróis enfrentarão.

Legends também joga para escanteio a companhia do cachorro, que dava um tom emocional nos últimos games da série. Ah, também esqueça as escolhas morais que afetavam a vida dos NPCs de Albion, as coisas agora são mais objetivas: escolha ser o herói ou o vilão, somente isso. Tais mudanças na série certamente têm a ver com a saída de Peter Molyneux da Lionhead Studios. O game perde muito de sua carga emocional e vira algo mais parecido com um MMO tradicional voltado aos combates.

Apesar de todas as críticas, a desenvolvedora promete que Fable Legends terá muita qualidade visual e técnica, de modo que poderá ser apreciado mesmo em modo singleplayer. Ah, de acordo com a Lionhead a inspiração para o game veio de dois jogos consagrados: Dark Souls e Journey.

6 – Scalebound – Platinum Games

Dragões, Hidras, ambiente gigantesco, batalhas épicas e caça a monstros. Tudo isso é o que espera os jogadores que comprarem Scalebound, o novo jogo da Platinum Games, os mesmos caras por trás do bem sucedido Bayonetta. Poucos foram os detalhes divulgados pelos produtores, apenas sabe-se que o jogador controla um jovem caçador de monstros que explora o mundo em missões que envolvem destruir as mais terríveis criaturas que existem.

Dragões são a peça chave do game, bem como as batalhas que devem lembrar algo de Shadow of the Colossus e Monster Hunter, além disso, há espadas, flechas e feitiços. Um dos rumores é que cada dragão no jogo é controlado por um jogador diferente, ou seja, há um elemento multiplayer massivo em que os jogadores se unem para destruir as maiores criaturas em um mundo vasto. Seja como for, a Platinum já anunciou que o game é diferente de tudo que eles já fizeram anteriormente.

 5 – Ori and the Blind Forest – Moon Studios

Uma das maiores surpresas do Xbox One é um game indie com progressão lateral produzido por um estúdio indie. Ori and the Blind Forest apresenta a história do guardião espiritual Ori que vive em uma bela floresta que começa a se decompor e atrair estranhas criaturas. O game é uma aventura metroidvania e possui elementos de RPG e ação semelhantes a jogos clássicos como Megaman.

O grande destaque do jogo são os belos gráficos desenhados à mão. Todo o visual e as paisagens são de tirar o fôlego e demonstram o cuidado que a Moon Studios teve com o título. De acordo com a desenvolvedora, o game rodará em 1080p e 60 fps. Quem esteve na Brasil Game Show 2014 pôde conferir o game indie mais esperado do Xbox e a impressão geral é de que vai valer mais a pena do que muitos games AAA.

 4 – Forza Motorsport 6 – Turn 10

Seguindo seu planejamento bianual, a Microsoft anunciou durante o North American International Auto Show, o lançamento de Forza 6, o respeitado simulador de corridas. Nenhum detalhe adicional foi revelado, apenas que há uma parceria inédita com a Ford, de modo que o Ford GT é a capa do jogo, além disso, outros bólidos estão confirmadíssimos como o Ford Mustang Shelby GT350 e o F-150 Raptor.

Não há data de lançamento definida, mas a previsão é de chegar ao mercado no final do ano. Foi prometido que o título já estará jogável durante a E3 2015. Como não pode deixar de ser, Forza 6 deverá ter gráficos de cair o queixo e físicas realistas.

 3 – Quantum Break – Remedy

Quantum Break chama atenção por diversos aspectos: trata-se de um jogo em terceira pessoa com bastante ação e um visual incrível. Está em produção pelo estúdio Remedy, os mesmos caras que lançaram o aclamado Alan Wake para Xbox 360. Mas o principal destaque é a possibilidade de controlar o tempo, inclusive viajar pelo tempo. Pelos vídeos gameplay divulgados até o momento dá para perceber que a Remedy não está poupando esforços para tornar Quantum Break seu game mais ambicioso já produzido.

O design de fases é ótimo e as cenas de ação são cinematográficas, unindo algo de Alan Wake e Max Payne. Em alguns trechos, o jogo lembra algo de Uncharted, porém mais caótico. As convulsões temporais, momentos em que o tempo enlouquece e o protagonista Jack deve controlá-lo, são nada menos que empolgantes. Quantum Break é um dos jogos mais criativos do ano e tem tudo para colecionar prêmios e ser ovacionado.

 2 – Raise of the Tomb Raider – Crystal Dynamics

O novo game da Crystal Dynamics dá continuidade ao badalado Tomb Raider de 2013. Para surpresa de muitos, a Microsoft confirmou a exclusividade do jogo para a marca Xbox, mas é dado como certo que o título chegue ao Playstation algum tempo depois. Pouco se sabe sobre o enredo, apenas que Lara descobrirá mais sobre seu próprio passado.

A jogabilidade deve manter o alto padrão mantido por seu antecessor, além disso, foi prometido que haverá mais tumbas e segredos a serem descobertos pelos jogadores. Para os fãs de Xbox, a exclusividade, ainda que temporária de Tomb Raider representa uma resposta à Uncharted 4 do Playstation 4.

1 – Halo 5: Guardians – 343 Industries

O primeiro Halo originalmente criado para a nova geração promete agitar o Xbox One quando for lançado e quebrar alguns paradigmas conhecidos da série. Esqueça um pouco (mas só um pouco) Master Chief, o novo jogo terá como personagem jogável o Spartan Locke que está em uma missão para desvendar o desaparecimento de Chief.

Na parte gráfica, pelo que conferimos no Beta, Guardians tem o visual digno de um jogo da nova geração e tem tudo para ficar melhor, pois o Beta rodava a 720p 60FPS, já a versão final estará a 90p por 60FPS. Outro aspecto que deve animar os jogadores é a jogabilidade: um pouco mais dinâmica e semelhante à Call of Duty e Destiny (tem até a mira automática para facilitar a vida dos novatos). O multiplayer também será mais dinâmico e corrido, ao contrário dos antecessores, que eram ótimos, diga-se de passagem. Por fim, os fãs de Halo podem ficar tranquilos, Halo 5 Guardians é Halo em sua essência e promete ser o maior e melhor exclusivo do Xbox na temporada.

Outros títulos

De acordo com a Microsoft, haverá muitas surpresas até o final do ano. Confirmados estão State of Decay: Year One Edition, Cuphead, Massive Chalice, Fortfied, Superhot, Inside, Below, Raiden V, entre outros. Há muita expectativa para projetos ainda não revelados, como os próximos projetos da Rare e da Lionhead Studios. O ano de 2015 promete ser bastante agitado para os possuidores do Xbox One.

Top 10: jogos para ficar de olho no Xbox One

Hoje temos o artigo que mostra 10 motivos para ficar de olho no Xbox One. Alguns games são multiplataformas, outros tantos já estão no mercado. O objetivo real é mostrar porque a nova plataforma da Microsoft pode ser um sistema de jogos interessantíssimo, se você estive atrás da experiência de nova geração e gráficos ultra realistas. Confira:

 Forza 5

Cotado como o mais belo game da lineup do Xbox One, Forza 5 venceu com maestria um desafio muito difícil: mostrar um salto de gerações que fosse perceptível o suficiente para alguém investir na nova plataforma. Forza 5 é cheio de detalhes e efeitos de luz embasbacantes. O game não só é o mais bonito do Xbox One até o momento, como também é o mais bonito entre os dois consoles de nova geração, mostrando que o console da Microsoft tem muito potencial pela frente. Como se não bastasse, Forza 5 não é apenas um rostinho bonito, mas sim o melhor jogo da plataforma graças a sua jogabilidade afiada feito gilete. Se você pretende comprar o One neste fim de ano, vai precisar de uma cópia de Forza 5.

Forza 5 Gameplay

Killer Instinct

Sim, todo mundo torceu o nariz quando ficou sabendo que o game seria free to play e os personagens deveriam ser comprados separadamente. Sim, foi um grande e violente chute no saco aplicado pela Microsoft. Outra mancada da Microsoft foi não ter disponibilizado todos os lutadores no lançamento e nem ter lançado uma versão física, mas tudo. Choramingo à parte, Killer Instinct está absurdamente divertido e viciante. Acreditamos que o game será a grande sensação em eventos de games e torneios de jogos de luta. As vendas não devem ser grandes a princípio, pelo menos até que a Microsoft lance a versão definitiva em caixinha. Sim, estamos torcendo por isso.

Killer Instinct Gameplay

Fable Legends

Fable sempre foi uma das franquias mais fortes da Microsoft, apesar de nos últimos anos a série da Lionhead estar em baixa. A saída de Peter Molyneux e a decepção que foram Fable The Journey e Fable Heroes servirão para mostrar que nem mesmo as mais respeitadas franquias estão livres de um deslize. Mas até então, nada a temer: para recuperar a glória de outrora, a Microsoft tratou de colocar o time da Lionhead para revigorar a terra de Albion.

O primeiro passo vem com o remake do Fable original para Xbox 360 (hell yeah) e o segundo passo virá com o promissor Fable Legends. De cara o título muda alguns paradigmas da série: agora ele é um multiplayer online para até cinco jogadores (quatro heróis e um vilão). A ideia é que os heróis cooperem entre si para vencer o vilão, que estará controlando ações através da função smartglass. A dúvida latente é como o game funcionará no modo off-line (terá uma campanha?). De qualquer modo, Fable é ainda hoje uma das melhores sagas de RPGs, então a expectativa é alta com Legends. Mal podemos esperar para ver o gameplay do game em um estágio de desenvolvimento mais avançado.

Fable Legends Trailer

Halo 5

Quando a Microsoft anunciou que Halo 4 era o início de uma nova trilogia todo mundo já imaginava que os dois capítulos subsequentes seriam lançados no substituto do Xbox 360. Uma ação bem acertada, diga-se de passagem. A melhor parte é que Halo 4 fugiu das suspeitas dos fãs e mostrou-se um grande jogo, para felicidade da 343 Studios. Halo 4 conta com um dos melhores gráficos do 360 e uma das melhores mecânicas de jogo da franquia, mostrando que a produtora conseguiu assimilar o que é Halo para os milhares de fãs da saga de Master Chief.

Com Halo 5 é difícil especular o que vem pela frente após o teaser do Chief andando no deserto. O que dá para esperar é que o game tire o máximo possível do Xbox One e do tão falado poder de processamento pela Nuvem. Não estranho o fato de Halo 4 não ter saído para o One ou que o Halo 5 não tenha ficado pronto para o lançamento da plataforma: os desenvolvedores vão lançar o jogo quando ele estiver 100% pronto, afinal Halo é a menina dos olhos da Microsoft e um dos principais motivos para alguém querer um Xbox One.

Halo 5 Trailer

Quantum Break 

Quantum Break apareceu pela primeira vez durante a E3 e desde então deu uma bela sumida. O trailer deixava mais perguntas que respostas e para piorar a situação, muita gente ficou desconfiada dos planos da Remedy em mesclar o jogo com um seriado. Parece o tipo de coisa fadada a dar errado, certo? Errado! A Remedy já mostrou que sabe das coisas com o cultuado Alan Wake, agora o desafio é outro: criar um game extremamente envolvente, com gráficos realistas e que misture ficção e super poderes de uma forma ainda não feita por ninguém. O que mais empolga é como a Remedy vai mesclar a narrativa de games com séries de TV.

Pode até ser que Quantum Break não seja o espetáculo que estamos esperando, mas até que ele chegue ao mercado é bom ficar de olho, pois a impressão é que vem aí um dos projetos mais ambiciosos da indústria em anos.

Quantum Break Gameplay

Ryse: Son of Rome

Sim, Ryse foi um título de lançamento decepcionante em alguns aspectos: o passo que os gráficos são soberbos e a violência é sempre presente, a comunidade sentiu que falta algo no jogo. Esse algo pode ser inovação ou falta de personalidade, mas isso não quer dizer que o game não possa divertir. Se jogado sem compromisso, dá para ficar horas a fio digladiando-se contra os adversários no modo online. A pena é que o modo campanha não é tão expressivo quanto deveria ser. As causas para esse lapso de elementos foi que o game começou como um exclusivo do Kinect do X360, depois migrou para o Xbox One e muita gente achava que ele seria uma espécie de God of War em Roma e sem os monstros, mas o que veio foi algo mais simples.

Agora, porque você deveria ficar de olho neste game se ele não é nada de extraordinário? A resposta é simples: ele mostra o salto gráfico de geração para geração. Não é preciso ser expert para saber que os consoles atuais não conseguiriam rodar Ryse em seu esplendor, além disso, imaginamos que
o game é o início de uma nova franquia para a Microsoft. O tempo dirá se erramos, todavia se estivermos certos, a continuação será muito melhor que Son of Rome.

Ryse Son of Rome Gameplay

The Witcher 3

The Witcher 3 será um multiplataforma, o que significa que os jogadores do PS4 também podem se animar. O que ele tem e o que ele não tem? Primeiramente é mais fácil falar o que ele tem de bom: tudo. Enfim o pessoal da CD Projekt se rendeu à moda de jogos com mundos abertos, o que é um acerto sem igual para um RPG tão complexo quanto The Witcher. Além disso, os gráficos do game são qualquer coisa extraordinária. É quase certo afirmar que a franquia vai desbancar Skyrim do trono de RPG ocidental mais popular entre os jogadores. A trama está muito interessante e a mecânica de combate é divertidíssima. O único problema até então é saber quanto tempo esperar para colocar as mãos nessa pérola. Agora respondendo, o que Wild Hunt não tem: Hummm. Vamos pensar em alguma coisa…

The Witcher 3 Gameplay e Trailer

Titanfall 

Titanfall merece destaque por uma única razão: seus criadores. No mundo dos games existe uma máxima que diz que o mercado está saturado de FPS. E isso não é um fenômeno da atualidade, mas de alguns anos, desde o sucesso de Medal of Honor. O que faz parecer que nunca jogamos tanto FPS como hoje é a super poularidade de Call of Duty, que ano após ano bate recordes de vendas e leva milhões de jogadores para combates online. O que Titanfall tem com isso, além do fato de ser mais um FPS?

Bem, ele é o primeiro game da Respawn Entertainment, um estúdio criado pelos criadores de Modern Warfare. E o nome do jogo é uma alusão a franquia da Activision também, dizem as más línguas: tudo seria um plano da EA-Microsoft-Respawn para derrubar o atual Titã da indústria dos FPS. Na mitologia, os titãs eram vencidos por deuses mais jovens. Call of Duty é um titã e Titanfall é mais jovem. De qualquer modo, a mecânica à lá parkour e mechas parece uma solução ousada para sair do mesmismo. Fique de olho em Titanfall, pois se tudo for como os produtores esperam em breve todo mundo vai estar na Live batalhando por robôs gigantes.

Titanfall Gameplay

Kinect Sports Rivals

Kinect Sports Rivals não é bem o game hardcore que você esperava nesta lista, certo? Mas ei, pense bem, um dos grandes atrativos do Xbox One é o melhorado Kinect 2.0, certo? Para ver se a geringonça funciona direitinho você precisa de um game desenvolvido especialmente para ele, e que melhor game da lineup do que Kinect Sports Rivals? Claro, em breve sairão jogos de dança para o sistema, mas até lá, a forma de testar a precisão do acessório é com Rivals, que, aliás, não é um jogo ruim. Fique de olho nele, enquanto Kinect fica de olho em você.

Kinect Sports Rivals Gameplay

Kingdom Hearts 3

Outro multiplataforma. Desta vez temos Kingdom Hearts, uma franquia que nunca esteve em outra plataforma de mesa que não fosse da Sony, e lá se vão pelo menos seis anos desde Kingdom Hearts 2, o que significa que tem muita gente ansiosa demais para colocar as mãos nessa aventura. Isto é até surpreendente, visto que o game passou tempo demais fora dos noticiários gamísticos. Provavelmente isso tem a ver com o carisma das personagens e do alcance quase ilimitado que a Disney tem com seus mundos e franquias fantasiosas.

Imaginem se Tetsuya Nomura possa utilizar qualquer série que quiser. Certamente que Kingdom Hearts 3 não é a atual prioridade da Square-Enix para as novas plataformas, antes dele vem o Final Fantasy XV. Mas não custa imaginar que quando o game surgir em uns dois ou três anos, ele possa se tornar um dos melhores games de RPG que já vimos. Ficaremos bem atentos com este.

Kingdom Hearts 3 Trailer

Conte para nós? O que achou da lista de jogos para Xbox One?