Arquivo da tag: Playstation 4

Estúdio brasileiro Mad Mimic estará na Playstation Experience para apresentar o jogo No Heroes Here

Você já ouviu falar do jogo No Heroes Here? Se ainda não conhece, pode ter certeza de que ainda vai ouvir falar muito desse jogo. E não é por menos: o game brasileiro é uma das grandes apostas da Sony para a próxima temporada. Prova disso é que o estúdio desenvolvedor Mad Mimic Interactive é um dos destaques da PlayStation Experience, que ocorre nos dias 9 e 10 de dezembro, no Centro de Convenções de Anaheim, Califórnia. 

Convidados pela Sony, os criadores de No Heroes Here terão um estande exclusivo no evento. O estande tera nada menos que 12 metros quadrados, onde os desenvolvedores apresentarão  o game ao grande público do evento e  responderão as dúvidas da comunidade. É muito raro estúdios brasileiros conseguirem a oportunidade de apresentar seus games em eventos internacionais desse porte.

No Heroes Here é um ‘Castle Defense’ cooperativo e multiplayer para até quatro jogadores. O jogo teve o incentivo da prefeitura de São Paulo e parte do seu desenvolvimento foi financiado pela SPCine. Sua produção durou cerca de um ano e as versões para Windows e Mac OS foram lançados em outubro deste ano, na plataforma digital Steam. Com diversos personagens selecionáveis e fases a serem exploradas, criar estratégias e cooperar com outros jogadores para o desfecho de cada desafio é o ponto alto da diversão em No Heroes Here.

Nos últimos meses, No Heroes Here esteve presente em diversos eventos nacionais e internacionais como a Brasil Game Show, a GamesCom, o DreamHack, a Tóquio Game Show, a Campus Party e a Argentina Game Show, com destaque para a PAX 10, uma seleção oficial de jogos independentes do evento feita por 50 especialistas do mercado de games mundial.

No Heroes Here conquistou alguns prêmios como melhor jogo brasileiro do Brazil Game Awards, melhor jogo social da Game Connection Development Awardse melhor som e melhor jogabilidade, no evento MAX. Além disso, teve outras nomeações importantes em eventos como o SBGames e o Indie Playground.

De acordo com a Mad Mimic, No Heroes Here estará disponível no primeiro semestre de 2018 para consoles e será lançado para Nintendo Switch, PlayStation 4 e Xbox One. Para saber mais e jogar as versões de Windows e Mac OS, acesse o site do game.

Abaixo tem o trailer de No Heroes Here:

Electronic Arts anuncia Fe para Xbox One, PS4, PC e Nintendo Switch

A Electronic Arts anunciou que Fe, do programa EA Originals, será lançando no mundo todo no início de 2018. Desenvolvido pelo estúdio sueco Zoink Games e vencedor de diversos prêmios, Fe é um novo tipo de jogo de plataforma sem palavras, mas cheio de sons. Com Fe, um pequeno filho que de repente acorda na floresta, os jogadores descobrirão um mundo que eles nunca mais vão querer deixar, enquanto usam sons para se comunicar, para se conectar com a natureza, identificar criaturas amigáveis ou hostis e interpretar a narrativa ao longo do caminho.

“Nós quisemos criar um jogo que dê o sentimento de explorar algo especial”, disse Klaus Lyngeled, CEO e Líder Criativo da Zoink Games. “Nós gastávamos horas nas florestas quando crianças, e enquanto isso parecia assustador no início, eventualmente os sons estranhos se tronavam familiares – você se torna parte da natureza e a floresta passa a parecer um lar. Os jogadores terão sentimentos parecidos enquanto jogam Fe. Quando e como ele for jogado, garantimos que será uma experiência única de descoberta, diferente de tudo que foi jogado antes.”

“Com Fe, o estúdio Zoink nos lembrou que tudo está conectado. Eles criaram um jogo em que a mágica e a beleza da natureza e suas criaturas vêm à vida, disse Patrick Soderlund, EVP da EA Worldwide Studios. “Esse jogo e esse estúdio incorporam o espírito do programa EA Originals que críamos há pouco mais de um ano – a Liberdade de criar e de trazer jogos inovadores e memoráveis para os jogadores de todo o mundo de forma única”.

Em Fe, os jogadores ficarão encantados com os entornos naturais enquanto descobrem segredos, cumprem missões paralelas e conhecem criaturas místicas da floresta. Os jogadores irão subir, deslizar e cavar enquanto viajam através de uma experiência aberta, conhecendo, interagindo e resgatando plantas e animais dos Silent Ones, os antagonistas que estão ameaçando a floresta. Com uma liberdade de exploração sem igual em um mundo cheio de mistérios para descobrir, os jogadores se tornarão Fe e nunca mais vão querer ir embora.

Fe será lançando mundialmente no início de 2018 para Xbox One, PlayStation 4, Origin para PC e Nintendo Switch. Para mais informações, clique aqui.

Veja o trailer de Fe da Electronic Arts:

Os 5 melhores (e piores) momentos da Sony na E3 2017

Pois bem, a gigante japonesa dos games conquistou ao longo dos anos a hegemonia dos consoles e não por acaso as maiores expectativas por parte dos jogadores estavam voltados para a Sony. O que a empresa iria trazer para esse ano? Novos exclusivos, novas franquias, continuações?

Como não poderia deixar de ser, a Sony apostou suas fichas em suas franquias mais fortes como God of War e Uncharted, além do retorno de Shadow of the Colossus e a sequência de Ni No Kuni. Além disso, a empresa ainda trouxe novidades do Playstation VR, uma grata surpresa, visto que a concorrência ignorou sumariamente a realidade virtual.

Confira abaixo os “highlights” da apresentação da Sony na E3 2017:

 

Uncharted The Lost Legacy e God of War

Desde que apareceu oficialmente durante a E3 2016, God of War se tornou um dos jogos mais esperados para o PS4, e não era por menos: a mitologia nórdica já é por si só brutal e colocar Kratos no meio desse universo tinha tudo para dar certo. Não é por menos que a decepção pelo jogo ter sido adiado para 2018 ser grande. Ao menos, o que foi mostrado convenceu e mostrou que a Santa Monica está empenhada em trazer o seu melhor game já produzido.

E também não podemos deixar de citar o título que deu abertura para a conferência da Sony. Uncharted The Lost Legacy conseguiu se provar como um produto essencial para quem é fã da franquia. Afinal de contas, ficou claro que ele não é apenas uma expansão, mas praticamente um jogo novo e com todos os elementos para agradar fãs de jogos de ação e exploração.

 

Ni No Kuni 2: Revenant Kingdom

Um dos melhores jogos de toda a biblioteca do Playstation 3 foi Ni No Kuni: Wrath of the White Witch. Imaginem a surpresa do público quando a Sony anunciou a sequência ainda para este fim de ano. Revenant Kingdom seguirá a história do rei Evan Pettiwhisker Tildrum, que foi destronado por um golpe e agora precisa retomar seu reino.

Pelo que foi mostrado, o jogo terá um mundo aberto muito grande, com muitas cidades e dungeons para explorar. O sistema de combate deve ser parecido com o jogo anterior, porém com melhorias a fim de tornar as coisas mais dinâmicas e divertidas.

 

Spider-Man está arrasador

Se por um lado a Marvel reinava soberana no ramo do cinema, o mesmo pode ser dito da hegemonia da DC em relação aos jogos eletrônicos. Parece que as coisas estão mais pareadas nas duas frentes, pois a DC acertou a mão com o filme da Mulher-Maravilha e a Marvel vai ter o jogo do Homem-Aranha, em produção pela Insomniac.

O gameplay parece incrível e cheio de detalhes, incluindo passagens em QTE (quick time events) e acrobacias animais. Se o que foi prometido se tornar real, a franquia Arkham terá um concorrente de peso. Infelizmente, os jogadores só vão colocar as mãos neste jogo em algum momento de 2018.

 

Remake de Shadow of the Colossus

A maior bomba de toda a apresentação da Sony foi o remake de Shadow of the Colossus. Sim, muita gente faz piada pelo fato de que o game é do PS2 e já teve uma remasterização para o PS3. Ainda assim, estamos falando de um dos melhores games já produzidos na história e a qualidade gráfica está fascinante.

A Sony não deu detalhes adicionais sobre esse remake, então não tem como saber se haverá mais cenários, armas, mecânicas ou até novos colossus projeto só sai em 2018, um tempo muito longo para um mero “tapa visual”. Então dá para sonhar sim que novos conteúdos façam parte do pacote de jogo.

 

Destaque para o VR

A Microsoft não mostrou nada em relação a realidade virtual, mas a Sony seguiu por um caminho oposto: a empresa mostrou uma sequência variada de títulos com suporte ao VR, deixando a impressão de que o acessório veio pra ficar. O maior de todos os projetos mostrados foi Skyrim, que ganhou suporte ao acessório e, deste modo, permite que os jogadores entrem no mundo do jogo literalmente.

Outros títulos compatíveis com o aparelho foram Star Child, The Impatient, Monster of the Deep: Final Fantasy, Bravo Team e Moss. Mais uma vez a Sony foi vaga com relação as datas de lançamento, mas ao menos que investiu seu rico dinheiro na tecnologia não tem o que temer.

 

E os piores momentos da conferência da Sony

 

Os jogos que esperávamos sumiram

Ainda que rumores e informações dispersas já adiantavam que pesos-pesados ficariam de fora da feira, como Final Fantasy VII, The Last of Us II e Shenmue 3. Não deu para não ficar decepcionado com essas ausências, afinal muitos jogadores imaginavam que talvez a Sony surpreendesse nem que fosse com algum vídeo novo.

Nem mesmo o Death Strading deu as caras. Mais agravante foi o fato de que a Sony nem sinalizou que esses jogos ainda existem e possuem um calendário de lançamento. Ao menos, sabemos que o histórico da companhia é de manter seus projetos até o fim, mesmo que o desenvolvimento perdure anos a fio.

 

Nenhuma atenção aos indies

Surgeon Simulator, um indie de respeito na PSN

 

Ao fim da apresentação da Microsoft muita gente queria “tirar onda” com o fato de que muito do painel da empresa de Redmond era dedicado aos produtores independentes. O mesmo não pode ser dito da Sony, porém partimos de oito para oitenta, pois a Sony ignorou completamente os indies.

Há quem diga que acompanha a E3 para ver os jogos grandes, mas muitos executivos já sacaram que são justamente os indies que tem mais possibilidade de criar produtos rentáveis (vide casos de sucesso como o Minecraft, por exemplo). Além disso, os grandes jogos estão cada vez mais espaçados e é bom saber que todo mês aparece um game menor, porém divertido. Neste aspecto a Sony pisou na bola feio ao não dar atenção aos desenvolvedores menores.

 

Onde estava Kojima?

Claro, Death Strading não estava na feira, então não teria porque o mítico produtor Hideo Kojima aparecer no evento. Entretanto, por algum motivo, muitos membros da comunidade esperavam que Kojima subisse ao palco para trocar algumas palavras com o apresentador e dizer a quantas anda o seu novo game.

Neste caso é seguro afirmar que o desenvolvimento do game está ainda cru e para os desenvolvedores não faz sentido mostrar nada ainda, até porque a Sony já tem um histórico perturbador de mostrar games que vão sair em dois ou três anos. Talvez este seja um indício de que a empresa está prestando atenção nas críticas da comunidade.

 

Onde estão as novidades?

E, por fim, o mais triste da conferência da Sony: onde estão as novidades? Muitos dos jogos mostrados já haviam dado as caras em conferencias passadas da E3 e da Playstation Experience. Ficou aquela sensação d que eles estavam escondendo alguma carta na manga, mas essa carta nunca aparecia. A sensação foi tão amarga que há que brinque que a conferência deste ano foi uma remasterização do que foi apresentado no ano anterior.

Seja como for, a expectativa é que na Playstation Experience deste ano a empresa mostre seus novos projetos, IPs e lançamentos para o ano fiscal. Além disso, vale lembrar que alguns dos jogos apresentados foram de alta qualidade como Days Gone, Detroit Become Human e Destiny 2.

 

Shopping Tucuruvi estréia Arena Gamer nesse fim de semana

O Shopping Tucuruvi preparou uma programação especial para quem gosta de videogame. O Arena Gamer inicia essa semana com jogos atuais e retrôs para competidores e para quem quer apenas se divertir. O espaço é aberto a crianças e adultos de segunda a sexta-feira e o campeonato acontece nos finais de semana, com a grande final marcada para o dia 2 de abril. O evento contará com as participações especiais dos youtubers de gamers Terror Bionic e Muca Muriçoca e distribuirá muitos prêmios.

“Arena Gamer é uma atração para reunir adultos e crianças de forma lúdica, com prêmios para os competidores e muita diversão para toda a família”, destaca Leonardo Bordeaux, superintendente do shopping.

16-1-3-2017-23yy0i3hkjO Arena Gamer terá as plataformas PlayStation 4, PlayStation 3, Xbox One, Xbox 360, Super Nintendo e Atari. Quem gosta de jogos atuais contará com o PES 2017, FIFA 17, Mortal Kombat XL, Just Dance 2017, Uncharted 4, Minecraft, Lego, enquanto a turma dos games retrô terão os famosos jogos clássicos Super Mario, Pac Man, Sonic e a franquia Metal Slug. Os competidores podem escolher o PES 2017 e o FIFA 17 para a plataforma PlayStation 4, e Just Dance 2017 para a plataforma Xbox One.

As inscrições podem ser realizadas no estande do Arena Gamer, no piso 2, entre as lojas Polishop e Riachuelo, ou pelo site da FPFDV – Federação Paulista de Futebol Digital e Virtual. O Arena Gamer fica no Piso 2 do Shopping Tucuruvi. Os valores dos ingressos variam com o tempo que o participante ficar na atração. Os melhores jogadores receberão prêmios especiais de acordo com sua posição no ranking.

Playstation 4 - um dos prêmios do Arena Gamer
Playstation 4 – um dos prêmios do Arena Gamer

O 1º colocado no torneio de FIFA 17, e também do torneio de PES 2017, recebe um Playstation 4 500GB com um controle Dualshock, uma camiseta Piticas e uma vaga para o Campeonato Paulista de Futebol Digital. O melhor jogador de Just Dance 2017 leva um vale-compras no valor de R$ 500 da loja Metrópole Games do Shopping Tucuruvi e uma camiseta da Piticas. Vale destacar que o segundo e terceiro colocado desses três games também recebem prêmios. Confira o regulamento no site.

 

Serviço – Arena Gamer

Onde:    Shopping Tucuruvi | Piso 2

Av. Dr Antonio Maria Laet, 566 – Tucuruvi – São Paulo

Agenda: Até 2 de abril, entre 10h e 22h, de segunda-feira a sábado, e entre 12h e 20h aos domingos.

Preço:   R$ 15,00 a R$ 30,00

Chime Sharp retorna ao Xbox One e Playstation 4 repleto de novidades

O game indie que abre nossa semana veio direto da Inglaterra, trata-se de Chime Sharp, um puzzle musical bastante inusitado para Xbox One e Playstation 4. O game é da produtora Chilled Mouse e chega às lojas online no próximo dia 21 de fevereiro e é a sequência de Chime, uma mistura de Tetris e música eletrônica/chiptune. O título é bastante divertido e viciante graças a sua jogabilidade desafiadora e visuais hipnóticos.

Chime Sharp conta com 16 níveis e variados modos que devem ocupar muitas horas dos jogadores. Um dos destaques é a trilha sonora que embala o game: entre os artistas estão figuras talentosas como CHVRCHES, Steve Reich e Kavinsky. As melodias criam um crescendo para entrar em sintonia com a jogatina, que também sobe de nível.

kavinsky
Kavinsky, um dos artistas convidados em Chime Sharp

“Em Chime Sharp, as regras básicas são as mesmas do original, apresentando a mesma trilha sonora hipnótica e divertida de alguns artistas pioneiros mais experimentais que conhecemos”, disse Ian Baverstock, CEO da Chilled Mouse. “Com uma nova estética, elegante e novos modos experimentais, Chime voltou e desta vez quer se tornar sua mixtape favorita”.

Chipzel, uma das artistas mais conhecidas a criar som com Game Boy
Chipzel, uma das artistas mais conhecidas a criar som com Game Boy

“Eu estava entusiasmado por fazer parte da equipe desenvolvedora de Chime Sharp, pois a franquia Chime oferece um novo estilo de jogo que eu nunca vi antes – você pode realmente sentir a música trabalhando com o jogo, perfeitamente integrado para imersão total”, disse Chipzel, um dos artistas por trás da música para Chime Sharp. “A música, ‘Psychonaut’, foi criada com este estilo de jogo em mente. Eu a criei com várias camadas, que são reveladas aos poucos até o arranjo final. Eu tentei recompensar o jogador à medida que ele avança, através do uso de melodias evocativas e transições eufóricas”.

Para quem não conhece, Chime Sharp é descrito como um crossover entre Tetris e um sequenciador musical. O jogador está em uma corrida contra o tempo enquanto ajusta os blocos no lugar. Conforme as peças se ajustam a “beatline” passa e as mixas transformando em novas notas para a música eletrônica. O objetivo é cobrir toda a grade de jogo, completando quads de 3×3 ou mais, gerando pontos enquanto desfruta de obras de músicos aclamados.

dfgxs

Muitos desses músicos são desconhecidos do grande público, mas quem está por dentro da cena eletrônica já deve conhecer os nomes KavinskyCHVRCHESSteve ReichLosChipzelAndy HungMessage to BearsTimothy SchmalzMagic SwordShirobonNovellerHaiku SalutLuc GreyA Mote of DustSymbion Project, e CFCF. Além das músicas hipnóticas, Chime conta com quatro modos de jogo desbloqueáveis imprevisíveis. Conforme a jogatina avqança, as coisas ficam mais desafiadoras e divertidas. Você ainda pode desafiar seus amigos em um sistema de ranking bastante divertido.

Abaixo você confere o trailer de Chime Sharp:

Oitava geração já responde por 64% do faturamento do mercado brasileiro jogos de vídeo game, aponta GfK

Ainda que as pessoas acreditem que a 8º geração de videogames ainda esteja engatinhando no Brasil, a Gfk, empresa global que monitora vendas reais de games e de diversas categorias de eletroeletrônicos em todo o Brasil, divulgou dados referentes ao ano de 2016 que aponta que a nova geração de videogames já responde por 64% do faturamento do mercado nacional de videogames.

O número representa um crescimento de 18,8% em relação ao ano anterior, quando representou 49% do faturamento do setor. Ainda de acordo com o levantamento da GfK, o mercado total de games fechou 2016 com retração de 16,6% em volume de unidades vendidas, na comparação com o ano anterior. Em faturamento, a retração foi menor, de 10,7% em relação a 2015.  Conforme explica o coordenador de atendimento da GfK, Filipe Mori, a diferença entre os  percentuais resulta da variação do preço médio do produto, que aumentou 7,1% durante 2016.

homepage-hero-bg-xsAinda segundo Filipe Mori, em alinhamento com as vendas de jogos, os consoles mais vendidos são os da nova geração, como o PS4 e o Xbox One. Os dois modelos respondem por 61,2% das unidades comercializadas no Brasil. Isto deixa claro que aos poucos o público já começa a migrar para as plataformas mais modernas. A expectativa é que em 2017 esse percentual seja ainda maior com a possibilidade da economia mais aquecida.

Ranking

A análise do mercado de jogos para vídeo game por gênero mostra que os jogos mais vendidos em 2016 foram os de “ação e aventura” (39%) das vendas, e os de “esportes” (23,4%).  “Os dois gêneros mais vendidos registraram ligeiro crescimento na comparação com o ano anterior”, assinala Mori.

O interessante mesmo é o ranking de jogos mais vendidos, que elege Fifa 17 como o título mais popular entre jogadores brasileiros. Minecraft continua fazendo história (ficando em segundo lugar no ranking. E por fim, temos PES 2017 em terceiro lugar. O game exclusivo de uma determinada plataforma mais popular foi Uncharted 4: A Thief’s End.

Confira abaixo o ranking de jogos mais vendidos em 2016, de acordo com a Gfk:

games-mais-vendidos-2016

Top 10: os jogos mais aguardados para 2017

O ano de 2016 ainda não terminou, mas já estamos com nossos radares acionados para o que nos espera para o próximo ano. Muitos jogos estão por vir e a maioria deles sequer foi revelada ainda. A E3 2017 promete ser uma das mais emocionantes, pois a Nintendo e a Microsoft devem preparar terreno para o lançamento de seus novos consoles, ao passo que a Sony deve investir pesado em novos jogos matadores.

As perspectivas são tão altas pois a atual geração está finalmente amadurecida e os estúdios já podem tirar o máximo proveito dos hardwares. Seja como for, já sabemos da existência de muitos games que devem ser sensação em 2017 e listamos 10 dessas preciosidades que são extremamente aguardadas pela comunidade.

Confira abaixo dez dos mais aguardados jogos para 2017:

 

For Honor

For Honor é mais uma nova IP da Ubisoft que tem tudo para se tornar um marco da indústria. Para quem não conhece, trata-se de um hack ‘n slash ambientado em um mundo de fantasia medieval. Neste mundo os jogadores enfrentam batalhas com samurais, cavaleiros e vikings pela supremacia no campo de batalha. A intenção da Ubisoft parece ser priorizar o multiplayer ao invés do singleplayer, o que pode ser uma má decisão. Entretanto, a estrutura inspirada em jogos de tiro pode ser uma boa opção para tornar os combates mais empolgantes. Mas não se preocupe ainda, o singleplayer já está confirmado, mas a Ubisoft não parece dar muito destaque para a história. Também pudera, uma história que reúna samurais, vikings e cavaleiros não deve ser levada tão a série mesmo. Quem sabe seja essa mistura louca que a comunidade precisa?

 

Shenmue 3

Shenmue nunca foi um sucesso comercial e a ideia original de Yu Suzuki de criar uma trilogia parecia fadada ao fracasso. Mas graças ao Kickstarter, uma ajudinha da Sony e à união de milhares de fãs parece que Shenmue 3 sairá do papel. Você assume o papel de Ryo Hazuki que busca descobrir os responsáveis pelo assassinato de seu pai. Apesar de carregar o peso de uma franquia famosa, Shenmue 3 deve ser bem diferente dos antecessores, pois a tecnologia deu um grande salto desde a derrocada do Dreamcast. Deste modo, esperamos uma espécie de GTA ambientado em pequenos vilarejos japoneses.

 

Injustice 2

O primeiro Injustice foi bastante aclamado pela crítica e pela comunidade de jogadores. Com a Warner/DC investindo pesado em seus heróis para a temporada 2017 no cinema, faz todo o sentido uma sequência para o game de luta. Batman, Superman e muitos outros heróis e vilões retornam para mais pancadaria com direito a reutilizar a mesma engine de Mortal Kombat X. Há quem possa torcer o nariz e dizer que o game é muito sombrio ou que é apenas outro Mortal Kombat com personagens da DC, mas a verdade é que Injustice 2 tem a ambição de ser o maior jogo de luta da próxima temporada.

 

Halo Wars 2

Sim, sabemos que Halo Wars 2 não é exatamente o título Halo que todos esperam. Mas Halo 6 sequer foi anunciado ainda e seu lançamento deve demorar um bocado. Até lá podemos curtir o universo expandido de Halo através desta improvável continuação do RTS que agitou o Xbox 360. Os acontecimentos deste game são imediatos após o fim de Halo 5: Guardians e retrata a tripulação da UNSC tendo de lidar com uma facção alienígena extremamente hostil chamada Banished. Tal como no primeiro Halo Wars, aqui vamos ter bastante estratégia e combates intensos, porém de maneira simplificada para atrair jogadores pouco acostumados com RTS.

 

Marvel vs Capcom Infinite

E se os heróis da DC farão seu retorno em 2017 através de um jogo de luta, o mesmo pode ser dito dos heróis da Marvel. A Capcom já apresentou muitas coisas sobre Marvel vs Capcom 4 e o que foi revelado é promissor: guerra pelas gemas do infinito, combate dois contra dois, combos, modo história e a introdução de muitos personagens novos. Ainda não temos confirmação se os X-Men ficarão mesmo de fora da pancadaria devido aos desacordos entre a Marvel e os detentores dos direitos de imagem dos mutantes. Se não tiver acordo, o jogo perde uma gama de personagens icônicos, mas a esperança é que os produtores conseguirão a participação de todo o roll de personagens criados pela Marvel.

 

Horizon Zero Dawn

Horizon Zero Dawn tem tudo o que fãs de RPGs de ação em mundo aberto podem querer, ou seja, universo único, enredo épico, temáticas envolvendo destino e identidade, combates intensos etc. O mais interessante é que os inimigos são dinossauros-robôs, algo pouco usual em qualquer jogo eletrônico. Mas é justamente essa liberdade criativa e o mundo pós-apocalíptico que faz com que tantos jogadores fiquem interessados neste game. Se a empreitada for bem sucedida, podemos apostar que Horizon Zero Dawn se tronará uma franquia.

 

God of War

O panteão grego foi totalmente exterminado por Kratos em sua sede por vingança, fato que levou todos os jogadores a acreditar que a franquia estava definitivamente acabada. Mas os produtores da Santa Monica deram um jeito bem interessante de trazer Kratos de volta: leva-lo até a mitologia nórdica para dar cabo de novos monstros, criaturas e deuses. Pelo que a Sony apresentou, os combates seguem um ritmo mais desacelerado do que nos jogos anteriores e muito do gameplay deve envolver o filho de Kratos. Ainda que a Sony não tenha confirmado nenhuma data de lançamento, a expectativa é que o novo game chegue às lojas ainda em 2017.

 

Mass Effect Andromeda

A história do Comandante Shepard já terminou, mas isso não quer dizer que a Bioware não tenho boas ideias para sua franquia estelar. É essa aposta de que ainda tem muitas histórias para contar que impulsiona este novo capítulo, então não espera que Andromeda seja mais do mesmo. Ate onde se sabe, o argumento central do game será encontrar uma nova casa para a decadente raça humana. Essa busca irá levar a nova tripulação por lugares inóspitos e violentos, então podemos esperar por momentos tão épicos quanto os da trilogia original. Ah e podemos esperar também que as mecânicas de conversação, romances e tiroteios estarão de volta.

 

Resident Evil 7

Resident Evil 6 foi um erro terrível e a Capcom sabe disso. Não nos interprete mal: o jogo não é injogável, mas a ação é tão recorrente que não deveria ter o nome de Resident Evil na capa. Resident Evil 7, por outro lado, promete reviver a sensação de puro horror que marcaram os primeiros games da franquia. A Capcom, aliás, parece estar disposta a ir além dos jump scares para abraçar de vez uma forma mais psicológica de terror (talvez inspirado em Silent Hills). As demos apresentadas até agora assombraram os jogadores (de forma positiva), então mal podemos esperar para ver se o novo capítulo da controversa série voltará a ser sinônimo de medo.

 

The Legend of Zelda: Breath of the Wild

A franquia Legend of Zelda é provavelmente a mais amada e respeitada de toda a história dos videogames. Afinal, ao longo dos trinta anos em que esteve ativa não podemos nos lembrar de um único Zelda ruim (bem, talvez aqueles licenciados para a Panasonic). De qualquer modo, Breath of the Wild tentará elevar a franquia para ares ainda não explorados graças a um mundo aberto e colorido a ser explorado. Ainda não temos detalhes sobre o enredo, mas o fato de que ele está em desenvolvimento desde 2013 é um sinal de que a Nintendo quer lançar um game impecável.

 

E para você, quais outros games são aguardados para o próximo ano?

Beta de Trackmania Turbo está aberto somente até hoje

Pouco antes do lançamento oficial (22 de março), a Ubisoft permitiu que a comunidade de jogadores testem seu mais novo jogo de corrida, o Trackmania Turbo. O beta aberto está disponível desde o dia 18 e vai até hoje (21 de março) para os consoles de nova geração. A ação é um incentivo para aqueles que querem conhecer o game e decidir se vale a compra.

Trackmania Turbo foi desenvolvido pela Nadeo, um estúdio da Ubisoft, e tem lançamento para PlayStation 4, Xbox One e PC no dia 22 de março. Esta é a primeira entrada da franquia na nova geração de videogames. O título foi desenvolvido para atender os fãs de alta velocidade, graça ao seu estilo árcade. Seus pontos altos são os gráficos de alta qualidade e uma nova direção de arte que incorporou elementos da cultura automotiva, além de diversas referências aos jogos da década de 90.

A jogabilidade é descomplicada, de modo que ele pode atrair jogadores de várias idades. O jogo tem carros de corrida customizáveis e o objetivo é sempre a busca pela volta perfeita.  Os jogadores podem testar suas habilidades no modo campanha, com mais de 200 pistas distribuídas em quatro cenários diferenciados (Rollercoaster Lagoon, International Stadium, Canyon Grand Drift e Valley Down & Dirty). Para quem gosta de editar suas próprias pistas, há o modo “Trackbuilder” que permite montar seu circuito para treino ou desafio.

TrackMania Turbo também introduz à série o modo de jogo “Double Driver”, que expande a experiência em um formato que desafia dois jogadores cooperativos a controlar o mesmo carro, cada um com seu controle. Outra novidade é o sistema de trilha sonora, em que a música está relacionada à própria corrida e varia de acordo com a intensidade do jogo.

Os interessados em participar da beta aberta de TrackMania Turbo poderão fazer o download do jogo diretamente da loja virtual de sua plataforma de preferência.

Abaixo tem o trailer de Trackmania Turbo:

Scram Kitty DX é lançado para PlayStation Vita e PS4

No ano passado um jogo indie fez relativo sucesso ao redor do mundo: “Scram Kitty and his Buddy on Rails”. Pois bem, os usuários do Playstation 4 já podem jogar uma versão melhorada no console, pois o estúdio Dakko Dakko lançou Scram Kitty DX na PSN em 10 de março.

Para quem não conhece, o título é um jogo de tiro de plataforma intenso, com embates frenéticos. A produtora buscou inspiração em jogos clássicos, porém com alguns macetes mais atuais, de modo que a mistura forma um jogo com identidade própria.

O game possui uma jogabilidade bastante diferenciada, permitindo ação de plataformas em 360 graus e um sistema de tiro em 2D que lembra os famosos shmups. A diferença é que ao contrário de jogos de nave, a movimentação é realizada através de trilhos coloridos. Parte do desafio é desviar de armadilhas e inimigos que estão espalhados pelas fases.

De acordo com a desenvolvedora, o game chega à PSN por US$ 9,99 e de modo cross-buy, ou seja, donos de PS4 e PSVita podem baixar o game para os dois sistemas ao preço de uma compra.

“Depois de um grande ano com Scram Kitty em 2014, estamos muito animado por trazer Scram Kitty DX para os jogadores da PlayStation! Estou especialmente feliz em dizer que, porque fizemos um DX Cross-Compre e Cross-Save jogo, os jogadores que possuem tanto PS4 e Vita pode sincronizar seu progresso entre os dispositivos e manter os gatos de poupança seja em casa ou em qualquer lugar!, disse Rhodri Broadbent, fundador do estúdio Dakko Dakk”

Para mais informações de Scram Kitty DX, basta acessar o site do game. E depois nos conte o que achou. ;)

Confira o vídeo do game Scram Kitty DX:

Playstation 4: os 10 melhores games exclusivos para 2015

O ano de 2015 tem sido excepcional para o Playstation 4 , que mês a mês vai acumulando vendas expressivas e mantendo-se à frente de seus concorrentes, o Xbox One da Microsoft e o WiiU da Nintendo. É claro que tais vendas não podem se sustentar sem que a pltaforma continue recebendo muitos jogos de peso.

Se você ainda não comprou um Playstation 4, mas está pensando se deve investir ou não, aqui vai uma lista dos principais exclusivos da plataforma para a temporada. Além dos jogos listados abaixo, o console da Sony ainda vai receber versão de títulos bastante aguardados como The Witcher 3 e Batman Arkham Knight. Então fique de olho, pois o ano promete ser muito positivo para os fãs da Sony.

10 – Alienation – Housemarque

Alienation é um dos jogos mais promissores do Playstation 4, afinal ele é da produtora Housemarque, os mesmos criadores de Resogun e Dead Nation, dois títulos bastante elogiados pela crítica. O novo game exclusivo do PS4, aliás, parece ser a evolução de Dead Nation.

Basicamente temos um shooter em terceira pessoa sob perspectiva isométrica com muito tiroteio e explosões. As armas são bastante variadas e os combates parecem ser extremamente divertidos, graças à variedade de armas híbridas e alienígenas. De acordo com a desenvolvedora, o título terá um foco nas partidas multiplayer, de modo que o modo online suportará partidas co-op ou versus. Poucos detalhes foram revelados sobre a obra, mas o pouco que foi divulgado indica que o game será um dos melhores jogos indie da temporada.

9 – No Man’s Sky – Hello Games

Quem nunca olhou para o céu à noite e não teve vontade de viajar pelo espaço, descobrir novas estrelas e planetas? A maioria de nós vai morrer e jamais vai ver outro planeta pessoalmente, mas pelo menos vai dar para matar um pouco essa vontade com o jogo No Man’s Sky da Hello Games. Trata-se de um ambiente aberto à exploração em que o jogador pode ir onde quiser com sua nave espacial.

A princípio os jogadores podem explorar a vastidão do universo, conhecer novos ecossistemas e vivenciar batalhas espaciais. Aparentemente o jogo não tem missão definida, de modo que a graça é explorar os milhares de planetas que foram prometidos pelos desenvolvedores. O título opera tanto no modo online, quanto no modo off-line, porém o modo multiplayer é o grande chamariz.

A proposta é ambiciosa, porém há algumas questões que devem ser levadas em conta: sem um desafio definido, será que a comunidade não vai se cansar de ficar simplesmente viajando e viajando sem rumo ou objetivos? Certamente que a equipe da Hello Games deve ter pensando em alguma coisa para que o jogo não fique maçante. Ah sim, vale dizer que muitos jogadores torcem para que No Man’s Sky tenha suporte para o Morpheus da Sony.

8 – Grim Fandango Remastered – Double Fine Productions

Muita gente costuma brincar que a atual geração de videogames é a casa das remasterizações, mas a verdade é que algumas dessas novas versões são mais do que benvindas pela comunidade. Um exemplo é Grim Fandango, um dos grandes clássicos do gênero Point & Click. O game foi produzido pela extinta Lucas Arts no ano de 1998 para computadores.

Durante a E3 2014, a Sony anunciou que o game receberá uma versão melhorada para o Playstation 4. Isso foi possível porque Tim Schaffer, o diretor do game, adquiriu os direitos da obra junto à Disney. Ele coordenará o projeto em sua empresa, a Double Fine. Quem jogou sabe que a obra é bastante envolvente, explorando a cultura e lendas mexicanas e uma boa dose de humor. É a chance de quem não conheceu a história de Manny Calavera, a morte encarnada, que está em uma jornada para desvendar uma rede de corrupção no Mundo dos Mortos e salvar a aparentemente inocente Mercedes Colomar.

7 – Eve Valkyrie – CCP Games

Eve Valkyrie provavelmente não terá vendas expressivas, mas tem tudo para ser um jogo de impacto para o Playstation 4, afinal ele é o primeiro grande título desenvolvido para o Project Morpheus, o óculos de realidade virtual da Sony. Em suma, os vídeos e imagens reveladas do game não mostram muito: basicamente você estará no comando de uma nave espacial e terá de encarar combates insanos contra espaçonaves inimigas. Tudo num clima que lembra as batalhas de Star Wars.

A graça mesmo está em ver como o Morpheus será utilizado no game. Esta será a primeira impressão de como o acessório da Sony se comporta, logo o bom desempenho do game é essencial. Além disso, pode ser a primeira oportunidade de um jogo eletrônico trazer a real sensação de imersão dentro de um jogo. A CCP Games também adiantou que o título ganhará uma versão para PCs com suporte ao Oculus Rift.

6 – Until Dawn – Supermassive Games

Atualmente poucos estúdios investem no gênero terror. Os motivos para isso pode ser creditado ao desinteresse da comunidade pelo gênero e as vendas aquém do esperado das últimas incursões de franquias de peso como Silent Hill, Resident Evil, entre outros. Evidentemente essas franquias já não representam o mesmo horror psicológico de outrora, porém o fato é que aqui temos um gênero em baixa.

Um dos poucos estúdios a tentar revitalizar o gênero e conquistar a simpatia dos fãs é a Supermassive Games, que anunciou o jogo Until Dawn originalmente para o Playstation 3. Após alguns contratempos, a desenvolvedora e a Sony decidiram levar o game para o Playstation 4. Na trama temos oito jovens que decidem passar a noite em uma cabana durante as férias. A paz dos jovens é abalada com o surgimento de um assassino em série que começa a caçar os adolescentes.

O game parece uma mistura de Pânico e Halloween, porém com um tom mais dramático e repleto de clichês. A jogabilidade abusa de tomadas de decisões por parte dos jogadores, de modo que em alguns instantes você deve escolher entre confrontar o serial killer ou fugir. A narrativa, aliás, é o ponto forte: parece até que a Supermassive tentou fazer algo digno da Quantic Dream. A dúvida mesmo é se o jogo conseguirá assustar os jogadores, além de entretê-los por algumas horas.

5 – Disgaea 5: Alliance of Vengeance – Nippon Ichi Software

Os fãs do RPG tático Disgaea precisarão de um Playstation 4 se quiserem jogar a nova investida da franquia. Produzido pela Nippon Ichi Software, o título tem como conceito central a ideia de vingança. Após devastar o mundo, o demônio Void Dark assume o controle do mundo, causando destruição e morte onde suas tropas passaram. Cabe ao jogador comandar as forças de resistência, cujo objetivo é livrar o mundo de Void Dark e vingar as perdas ocasionadas por ele.

O grande macete é que o jogo estará mais tático e terá muitos elementos de administração de personagens. Há, por exemplo, uma espécie de Daycare de Pokémon em que você deixa seus companheiros enquanto parte em sua aventura. Posteriormente você pode recrutá-los novamente e quando fizer isso, verá que eles ficaram mais fortes e habilidosos. Se você deixa mais de um deles na fazenda, pode ocorrer de gerar um terceiro personagem, que também pode ser recrutado para as batalhas.

Outra novidade é a Refinery, um local onde os itens podem ser forjados e utilizados nas lutas. Sim, a customização estará em alta no jogo, de modo que até mesmo o posicionamento dos NPCs pode ser definido, além das armas e habilidades. A produtora ainda deu pistas que o streaming e a interação entre os jogadores serão incentivadas, de modo que itens extras podem ser adquiridos a cada streaming e compartilhamento em massa pela comunidade de jogadores.

4 – The Order 1886 – Ready at Dawn

The Order 1886 surgiu de maneira sorrateira e conseguiu chamar as atenções do público, mesmo em meio a tantos títulos que o Playstation vai receber neste ano. Na trama o jogador acompanha a saga d’A Ordem, uma organização criada pelo mítico Rei Arthur, cujo objetivo é confrontar criaturas hostis que estão ameaçando a paz da Londres vitoriana. No quesito jogabilidade, temos algo que remete à Gears of War, porém com muita firula visual. Sim, o visual é o ponto alto do game.

O clima soturno da Londres vitoriana dá o tom do que os jogadores devem esperar. São muitos monstros que devem ser combatidos ao longo do jogo. O interessante é que a Ready at Dawn não se restringiu a fazer um jogo simples, mas sim tentou inovar ao adicionar elementos cinematográficos (a tela até recebe os cortes em cima e embaixo). Entretanto nem tudo são flores: devido à semelhança entre The Order e Gears of War, muita gente torceu e ainda torce o nariz para o título da Sony.

Ainda que a recepção tenha sido mista, muita gente diz que o game surpreende e tem tudo para ser um dos principais títulos do ano. Há ainda quem aposte que The Order é uma nova franquia que receberá muitas sequências nos anos vindouros.

3 – Silent Hills – Kojima Productions

Quando Hideo Kojima e Guillhermo Del Toro colocaram as mãos na franquia Silent Hill, a comunidade entrou em frisson. O motivo é que esses dois profissionais já deixaram mais do que claro que possuem a habilidade de surpreender e sempre estão elevando o padrão de suas obras ao máximo possível. Metal Gear Solid revolucionou a indústria na geração 32 bits, Pacific Rim arrebatou os fãs de cinema.

A demo foi lançada há algum tempo e o que ele trouxe demais foi a real sensação de horror psicológico como não se via há algum tempo. A jogabilidade é em primeira pessoa, o que deixa dúvidas sobre a direção que o jogo tomará. Será que o título será todo desta perspectiva? Pouco provável, afinal o ator Norman Reeds foi escalado para protagonizar o jogo (e não apenas na dublagem, mas também na captura de movimentos).

Outra dúvida é se Silent Hills (nome provisório) será exclusivo do Playstation 4. As apostas são que o Xbox One terá uma versão mais cedo ou mais tarde, porém até o momento somente há a confirmação da versão para o console da Sony. Ainda que poucos detalhes tenham sido revelados, a comunidade e fãs de Silent Hill estão animados com o futuro e visão que Kojima podem empregar à série.

2 – Bloodborne – From Software

Sucessor espiritual da franquia Demon’s Souls e Dark Souls, Bloodborne é uma das maiores apostas da Sony para o ano. A From Software (mesma produtora dos jogos citados anteriormente) manterá muitos dos elementos de seus jogos anteriores, tais como os elementos de RPG, combates rápidos e boa dose de dificuldade.

Os jogadores são colocados na terra fictícia de Yharnam, uma cidade em ruínas que pode abrigar um poderoso recurso natural que serve como cura milagrosa para diversas doenças. O jogador é um dos peregrinos que vão até as ruínas de Yharnam em busca de tal medicamento, porém, ao chegar ao local, descobre-se que o local está maculado por uma doença endêmica que transforma os habitantes em criaturas violentas. A partir daí a missão é sobreviver ao passo em que se busca a cura para os males do mundo.

O lançamento de Bloodborne está próximo e muitos dos jogadores e da imprensa estão ansiosos pelo título. E não é por menos: os RPGs da From Software demonstram um cuidado especial para com detalhes mínimos e a ambientação baseada na história de Drácula são imperdíveis.

1 – Uncharted 4: A Thief’s End – Naught Dog

Uncharted desponta para o Playstation 4 como o maior e mais importante exclusivo confirmado para o ano. Mais do que a continuação da principal franquia da Naught Dog, Uncharted 4 é um dos principais lançamentos do ano. As promessas são muitas: gráficos realistas, momentos cinematográficos de tirar o fôlego, jogabilidade incrível e uma conclusão épica para a história de Nathan Drake.

O game também é uma oportunidade de aumentar as vendas do sistema da Sony e tornar-se o primeiro “must buy” da plataforma. As apostas são altas. De acordo com a Naught Dog, Uncharted 4 manterá cenários lineares, porém com mais espaço a ser explorado. Uma das maiores expectativas é em torno de Sam, o irmão de Drake, que torna-se um NPC de companhia, tal qual ocorre com Ellie em The Last of Us.