Arquivo da tag: pc

Conheça Skydome, o jogo de estratégia online do estúdio indie Kinship

Você já ouviu falar de Skydome, o jogo de ação e estratégia do estúdio indie Kinship? O game está em desenvolvimento há poucos meses e chegou a dar as caras durante a BGS 2016. O objetivo no jogo é destruir as quatro bases do time inimigo enviando tropas de luta em uma arena. Basicamente temos uma mistura de MOBA e RTS, onde os jogadores de cada equipe devem trabalhar em conjunto para derrotar os inimigos.

Os combates são realizados em Skydome, uma arena flutuante onde todas as nações do mundo competem para decidir qual é a mais poderosa. Cada nação envia seus heróis mais habilidosos e capacitados para competir nesse esporte de simulação de guerra. As equipes são formadas por quatro heróis com funções diferentes e complementares, todas necessárias para o sucesso da nação. Os combates costumam durar cerca de 10 minutos, porém com bastante intensidade e emoção.

Os participantes podem convocar tropas diferentes para penetrar as defesas inimigas. O macete é que os competidores devem trabalhar em conjunto para criar uma estratégia conjunta de ataque e defesa, só assim eles poderão submeter os adversários e tornar-se campeões de Skydome. A intenção da Kinship é transformar o game em uma força considerável no cenário de eSport, principalmente entre jogadores intermediários que não podem se ddicar tantoquanto os pró-players de outros jogos.

De acordo com Cheny Schmeling, fundador do estúdio Kinship, a expectativa é que o jogo esteja no mercado durante o primeiro trimestre de 2017 com versões para PC e mobile. Os jogadores que estiverem interessados no projeto podem se inscrever no site da Kinship para receber atualizações e notícias sobre o game.

Abaixo tem o trailer de Skydome:

Conheça Aestium, o card game pós-apocalíptico brasileiro

Bem vindo à Aestus, um planeta devastado por guerras nucleares que fará você perceber rapidamente que é preciso batalhar pela sobrevivência. É nesse clima que se passa o card game Aestium, um título que mescla elementos rústicos com outros futuristas em um ambiente hostil. As cidades desabitadas são palcos de combates mortais entre máquinas de baixa tecnologia e homens desfigurados que se agrupam em clãs tribais.

De acordo com os desenvolvedores, o título é extremamente simples de entender, pois ele simplifica muitas das complexas regras dos jogos de cartas tradicionais que existem. Entretanto, são necessárias boas horas de jogatina para dominá-lo completamente. O game lembra algo de Hearthstone, porém com todo o jeitão brasileiro, graças a sua dublagem tão característica.

Aestium esteve em campanha no Kickstarter, porém não alcançou a meta desejada de R$ 25 mil. Entretanto, os desenvolvedores haviam informado que mesmo que as metas não fossem alcançadas o desenvolvimento seguiria adiante, com a expectativa que o lançamento oficial seja realizado no primeiro semestre de 2017 gratuitamente.

Em Aestium – Dawn of Hope, você será transportado para um universo fantástico onde tecnologia e misticismo estão lado a lado! Ciborgues enfrentam dragões mecânicos, enquanto os famosos conjurocratas habilidosos lançam labaredas com as mãos contra motoqueiros lunáticos. Torne-se um conjurocrata e aprenda os segredos das artes ocultas para sobrepujar seus oponentes e reivindicar domínio sobre territórios e recursos.

O game Aestium será lançado para PC e os jogadores poderão desafiar seus amigos para duelos emocionantes que renderão recursos necessários para adquirir novas cartas e melhorar os seus decks. Além disso, você poderá se juntar a outros 2 aliados para competições de trios, onde os conjurocratas concentram sua energia para invocar criaturas colossais.

Você terá ainda que estar preparado para as hostis ameaças naturais, pois os diferentes tipos de tabuleiro acrescentam modificadores globais que afetam todos os jogadores em campo, assim como a passagem de tempo.  Esteja preparado para enfrentar desertos escaldantes, noites congelantes nos vales ou nevascas de cortar a pele.

Infelizmente não há muitas novidades sobre o game desde o meio de 2016, porém a comunidade entende que o desenvolvimento segue firme e forte. Mais novidades devem ser compartilhadas no site do game.

Abaixo tem o vídeo de divulgação de Aestium – Dawn of Hope:

Skyjaz anuncia Deliverace, um game de corrida diferente

A Skyjaz Games já gravou seu nome no coração da comunidade gamer brasileira graças ao aterrorizante Pesadelo. Como a maioria já sabe, neste ano a companhia teve dois grandes lançamentos: a sequência de Pesadelo e o RTS Dead Army: Radio Frequency. Para o próximo grande projeto, a empresa nos apresenta Deliverace, um game de corrida bastante diferente e divertido.

De acordo com os desenvolvedores, o objetivo do game entregar mais encomendas para vencer os adversários, mas há outros modos de jogo igualmente incomuns, como um em que vence quem manter-se com a carga até o final do percurso e também o modo onde quem estiver com a bomba perde. Você pode jogar no modo time ou individual

No Modo Bomba, um jogador é escolhido no começo da partida para carregar a bomba e precisa passar para o oponente o mais rápido possível. Quando o tempo acabar o time que estiver com a bomba dá ao time inimigo um ponto. Já no Modo Pegue o Pacote existe um pacote valioso na tela, quem achar primeiro e manter até o final ganha a rodada. Se um jogador encostar em você, a carga será roubada e você precisará recuperá-la. E finalmente temos o modo Delivery: Vão surgindo varias entregas pelo cenário, o time que coletar e entregar mais rápido dentro de um tempo determinado vence.

O título tem dezenas de cenários, power ups, veículos etc. Muitas funcionalidades e conquistas ainda serão implementadas, bem como um upgrade gráfico, até o lançamento final. Um ponto interessante é que cada veículo tem suas próprias características. A jogabilidade lembra um pouco Crazy Taxi, clássico do Dreamcast, porém com uma ênfase mais competitiva.

De acordo com a Skyjaz, o game terá versões para PC e PS4 e a expectativa é que ele se torne um sucesso entre os adoradores de corridas arcade. Deliverace está em campanha na Steam a fim de receber sinal verde e fazer parte desta loja tão popular.

Abaixo tem o trailer de Deliverace:

Top 10: Games indie para 2017

O ano de 2017 já bate às portas e muita gente já está de olho nos pesos-pesados que serão lançados. Se você não curte apenas games AAA, já sabe que muitos dos jogos independentes podem ser tão bons ou melhores que qualquer grande lançamento publicado pelas grandes empresas. Pensando nisso, selecionamos dez games indie que você precisa ficar de olho em 2017. Ao final da lista você vai concordar que o ano promete ser um dos melhores para os gamers.

Talvez estes games não sejam tão conhecidos quanto Marvel vs Capcom, mas pode acreditar que qualquer um deles tem possibilidades de ser tão bem sucedido quanto o jogo de luta dos super-heróis. As perspectivas são tão altas pois a atual geração está finalmente amadurecida e os estúdios já podem tirar o máximo proveito dos hardwares. Nesta lista não enumeramos por ordem de importância. Deste modo, cada um dos games é igualmente aguardado.

 

Confira abaixo dez dos mais aguardados jogos indie para 2017:

 

Flinthook

Plataformas: XO, PC I Editora: Tribute Games

A Pixel Art de Flinthook é a segunda coisa que mais chama as atenções no game da Tribute Games. A primeira? A ação desenfreada e a jogabilidade viciante, é claro. As inspirações são  Spelunky e Rogue Legacy. Há ação no game, bem à lá Megaman das antigas, o que deixou os visitantes da E3 2016 bastante entusiasmados. O título ainda não tem uma data de lançamento definida, mas a promessa é que ele chegue ao mercado em 2017 mesmo.

 

HOB

Plataformas: PC, PS4 I Editora: Runic Games

O pessoal da Runic Games não é nenhum pouco inexperiente: em 2009 eles trouxeram o ótimo RPG de ação Torchlight, o que dá a eles a confiança necessária para o lançamento de HOB, um adventure que fará o jogador mergulhar num mundo de fantasia desolador. O planeta está “quebrado” e cabe a você consertar tudo, para isso você deve resolver diversos puzzles em ruínas de um mundo mecânico. Um dos elementos mais interessantes do game é que a narrativa não tem qualquer linha de diálogo ou textos. Sim, você vai ter de interpretar e resolver o mundo usando apenas sua inteligência.

 

Hollow Knight

Plataformas: Wii U, PC I Editora: Team Cherry

Hollow Knight é um metroidvania que te coloca na pele de uma espécie de coelho antropomórfico que deve explorar as profundezas de cavernas e túneis habitados por criaturas ferozes e grotescas. Há muito foco em exploração e combate que fará os jogadores desejarem conhecer cada pequeno buraco e vala encontrados. Durante as aventuras, o jogador vai conhecer outras criaturas dispostas a ajuda-lo, porém não pense que tudo são flores: os combates prometem ser especialmente difíceis.

 

Little Nightmares

Plataformas: PS4, PC, XO I Editora: Bandai Namco

Uma garota de nove anos chamada Six é sequestrada e levada para o The Maw, um local repleto de almas corrompidas que a querem devorar. Sim, a trama é de terror, mas o game em si não é nada assustador. Imagine o clima soturno das aventuras animadas de Tim Burton para ter uma ideia do que aguarda Six. O game promete algumas referências da vida moderna e representações de criaturas que nos atormentavam na juventude. “Levou 10 anos para chegar até esse momento, para revelar o jogo mais empolgante da história da nossa empresa: um conto sombrio e excitante sobre desajustados grotescos!” disse Andreas Johnsson, Business Developer & Deputy CEO no Tarsier Studios.

 

Rime

Plataformas: PS4, Switch I Editora: Grey Box & Six Foot

Rime é um adventure em mundo aberto repleto de puzzles que está em desenvolvimento exclusivo para o PS4. Ele foi revelado durante a Gamescom 2013 e desde então não saiu do radar dos fãs da plataforma da Sony. Infelizmente a Tequila Works, desenvolvedora do game, não revelou quase nada desde então. Sabemos que Rime conta a história de um garoto que deve sobreviver e escapar de uma ilha misteriosa assolada por uma terrível maldição. Os vídeos revelados deixam a impressão de que esta será uma aventura bastante solitária e intensa. Os visuais lembram algo de Legend of Zelda: Wind Waker.

 

Seasons of Heaven

Plataformas: Switch I Editora: Nintendo

Seasons of Heaven foi o primeiríssimo título a ser anunciado para o Nintendo Switch e pelo que vimos há motivos de sobra para ficarmos empolgados. Aqui acompanhamos as aventuras de Yann, um garoto com síndrome de Asperger, e seu cachorro Ani. Ambos devem interagir para vencer desafios e resolver puzzles. Se quiser uma referência de como isso vai funcionar, podemos apontar algo como Brothers: A Tale of Two Sons e The Last Guardian (talvez). O título ainda não tem previsão de estreia, mas sabe-se que ele é baseado no livro homônimo de Nicolas Augusto, que gira em torno de um grupo de sobreviventes em um mundo pós-civilização.

 

Yooka-Laylee

Plataformas: PC, PS4, XO, Switch I Editora: Team17

A desenvolvedora Playtonic Games é formada por ex-funcionários da Rare, fato que explica as similaridades do jogo com o clássico Banjo-Kazooie. Sim, este é um game de plataforma 3D bastante colorido e musical. Os protagonistas são Yooka, um camaleão e Laylee, um morcego fêmea que devem utilizar habilidades únicas para enfrentar inimigos e explorar um vasto mundo cheio de segredos e itens escondidos. A versão de Wii U foi cancelada para dar prioridade ao recém-anunciado Switch. A melhor parte é que Yooka-Laylee já tem data de lançamento concreta: 11 de abril.

 

Prey for the Gods

Plataformas: PC, PS4, XO I Editora: No Matter Studios

Prey for the Gods ganhou bastante destaque nos últimos meses após a comunidade detectar semelhanças entre o game do No Matter Studios e grandes clássicos como Shadow of the Colossus e Tomb Raider. No game, o jogador incorpora uma exploradora que vai em busca de respostas para um “inverno sem fim” que atinge a ilha onde ela vive. Para acabar com a estação que está matando diversas pessoas, o jogador deve enfrentar e derrotar os deuses gigantes que estão causando sofrimento aos seus adoradores. A mecânica de combate parece muito com Shadow of the Colossus, inclusive os inimigos são gigantescos.

 

Outlast 2

Plataformas: PC, PS4, XO I Editora: Red Barrels

Passados três anos desde seu lançamento, Outlast ainda é um dos games mais aterrorizantes já criados. Esta é uma boa razão para estarmos entusiasmados com a sequência, mas não a única. Os vídeos disponibilizados pelos produtores deixam claro que Outlast 2 manterá a atmosfera claustrofóbica do primeiro game. A ambientação será uma fazenda escura e repleta de fenômenos paranormais. Os gráficos estão ainda melhores e deixam claro que os sustos serão ainda mais realistas. Ainda não temos uma data de lançamento definida, mas a expectativa é que o título chegue ainda em 2017.

 

Cuphead

Plataformas: PC, XO | Editora: Microsoft

Já falamos sobre Cuphead em nossa seleção de games indie mais aguardados para 2016, o que significa que o título está há muito tempo em desenvolvimento. Felizmente este parece ser o caso de um atraso motivado a melhorar o game ao invés de problemas no desenvolvimento. Vale lembrar que já na BGS 2015 ele esteve disponível para jogatina e desde aquela época já demonstrava ser um dos games indie mais espetaculares. A trama gira em torno de Cuphead, uma criatura que deve derrotar inúmeros chefões para pagar uma dívida com o diabo. O grande macete são os visuais inspirados nos desenhos dos anos 30-40 extremamente fluídos e divertidos.

Colina Legacy é o game de terror psicológico da Samurai Games

A dica de hoje é para quem curte horror psicológico e clima de suspense. Colina Legacy é um jogo publicado pela Samurai Games e não é nenhuma novidade (ele foi apresentado ao público durante a BGS 2016 e teve a demo liberada no início de outubro). Você controla, um jovem chamado Alex que vai até a antiga casa da colina onde sua avó vivera um dia. Nesta estranha casa acontecem muitos fenômenos paranormais e acontecimentos que colocam sua vida em perigo. Cabe a Alex descobrir o que está acontecendo na casa e onde estão as outras pessoas.

O game começa assim que Alex acorda dentro do carro de seus pais sozinho e em frente a casa da colina. Sem alternativas a não ser procurar por seus pais, Alex adentra a casa ciente de que algo está muito errado. O game não é linear, de modo que há um clima de incerteza do que se vai encontrar em sua jogatina a cada corredor ou nova porta. De acordo com a Samurai Games, a ideia é manter o suspense, ou seja, os elementos de ambientação do gameplay são dinâmicos e cada partida é única.

Diferente do habitual, Colina Legacy tem jogabilidade em 3º pessoa, pois, de acordo com os desenvolvedores, havia a intenção de reviver a experiência de terror psicológico old school. Os puzzles também são bem complicados, lembrando games da era 32/64 bits como Silent Hill e Resident Evil. Mas a Samurai Games deu um jeito de colocar mecânicas mais novas para prender a atenção dos jogadores mais novos, bem à lá Alan Wake em que você enfrenta inimigos com a luz da lanterna. Os gráficos também são bem bonitos e a ambientação é bem aterrorizante e contribui com  clima de mistério e suspense.

Para quem não conhece, a Samurai Games é uma pequena produtora brasileira de jogos. A demo está disponível para download na Steam. A ideia inicial era lançar Colina Legacy no final deste ano, porém os desenvolvedores tiveram de alongar o prazo e a expectativa é lançar a versão final em meados de 2017. O game é uma boa pedida para quem curte horror psicológico e sente saudades da pegada Silent Hill clássica.

Abaixo você confere o trailer de Colina Legacy:

Legend of the Skyfish é o novo título da MGaia Studios inspirado na franquia Zelda

A MGaia Studios já é bem conhecida dos jogadores e é justamente deles que vamos falar hoje. O estúdio de Bauru, SP acaba de publicar seu novo game na Steam em busca de sinal verde da plataforma para o lançamento global para PCs. Trata-se de Legend of the Skyfish, um título de ação e aventura repleto de puzzles e inimigos desafiantes. Aqui você ajuda a improvável heroína Ganchinho Vermelho e sua mentora Moonwhale em uma missão para derrotar o vilão Skyfish.

Na breve trama você é Ganchinho Vermelho, uma garota que integra um grupo de pescadores que inadvertidamente desperta a ira de uma espécie de seres violentos que habita as profundezas do oceano. Sob a liderança do terrível Skyfish, esses seres submetem os pescadores e a única sobrevivente é Ganchinho Vermelho, que é resgatada pela baleia Moonwhale. Agora cabe a dupla descobrir uma forma de conter as forças de Skyfish e restabelecer a paz no mundo da superfície.

Legend of the Skyfish tem um estilo bem parecido com Legend of Zelda, ou seja, você vai explorar um mundo de fantasia com variadas dungeons e resolver quebra-cabeças enquanto enfrenta estranhos chefões. Ao invés de espadas, a Ganchinho Vermelho usa uma vara de pesca, uma arma que combina com a ambientação do jogo (o oceano). Durante a aventura o jogador vai aprimorar a vara de pesca, dando-lhe novas funções e usos para vencer os desafios.

Um dos elementos que mais salta aos olhos é o estilo visual de Legend of the Skyfish, que é inspirada no estilo da folk art, pintada à mão. Cada uma das 45 fases promete tirar o fôlego do jogador tal como a principal fonte de inspiração é capaz. A trilha sonora também é original e foi composta por Sean Beeson, ou seja, apesar de beber da fonte de Zelda este game tem identidade própria.

Até o momento não há uma data definida de lançamento para o título, mas a expectativa é que chegue por meados de 2017 para PCs. Por enquanto o estúdio procura o sinal verde na Steam, então toda a ajuda será bem vinda. Faltou apenas mencionar que o game é uma colaboração com o estúdio Crescent Moon, os mesmos desenvolvedores por trás de Jewel Road.

Abaixo você confere o trailer de Legend of the Skyfish:

Conheça Alkimya, o empolgante game do estúdio indie Bad Minions

O destaque do dia é um jogo brasileiro bastante animador. Trata-se de Alkimya, do estúdio indie Bad Minions, um game de ação e aventura  que te coloca na pele de um alquimista para resolver puzzles e interagir com elementos da natureza. O universo é de pura fantasia e o jogador encontra diversas criaturas e monstros enormes para derrotar, além de quests e missões envolventes. Para isso, você deve utilizar elementos do fogo, da água, da terra e do ar, além de sua fiel espada.

Alkimya permite que você crie suas próprias poções e as utilize para solucionar puzzles, interagir com o ambiente e lutar contra terríveis criaturas, tornando-se assim um verdadeiro mestre alquimista. Funciona tal como na maioria dos RPGs com sistema de crafting, ou seja, você cria suas próprias bombas, poções e armas para sair em combate.

O personagem principal é Seth, um jovem corajoso que acorda neste mundo de fantasia, confuso e sem memórias, mas com algum conhecimento alquímico. Ele começa então sua jornada para sobreviver e recuperar sua identidade, ajudado por um misterioso homúnculo.  O mundo de Alkimya já foi o berço da alquimia, mas agora está devastada por uma antiga guerra. A terra foi abandonada e cobaias de décadas de experimentos escaparam e fizeram do local o seu covil.

Alkimya tem suporte para multiplayer, de modo que um amigo pode jogar como Pan, um homunculus voador que serve para ajudar a resolver puzzles, coletar itens e batalhar contra os perigosos inimigos. A intenção do Bad Minions é lançar o game para PC, Playstation 4 e Xbox One em algum momento de 2017. O título já até recebeu sinal verde da Steam Greenlight.

Abaixo você confere o empolgante trailer de Alkimya:

Conheça o game indie brasileiro Rise of Ages

Hoje vamos falar de um dos títulos mais ambiciosos já produzidos por um estúdio indie brasileiro. Trata-se de Rise of Ages, um sandbox 2D que faz o jogador passar por diferentes eras da civilização, desde a idade da pedra até a robótica. Neste game você vai assumir o papel de um líder de uma nova civilização com o objetivo de recrutar mais pessoas para expandir esse povo e evoluí-lo tecnologicamente através das Eras. Rise of Ages é uma cortesia da Anguis Game Studio, um estúdio fundado em 2013 em Porto Alegre com foco em jogos 2D.

Após customizar seu personagem, você inicia o jogo em uma caverna escura, onde lhe é contada ema breve história de introdução. A partir daí, você deve sair da cavena em busca de outras pessoas para formar uma comunidade. Para tanto, basta explorar todo o mapa do jogo. Mas não pense que a tarefa será fácil, durante a aventura, você vai executar diversas atividades que vão desde cortar árvores até encarar batalhas ferrenhas contra diferentes inimigos.

Coletar recursos naturais é uma das atividades mais corriqueiras do jogo, de modo que você deve coletar madeira, couro, carne, vegetais etc. A ideia básica é manter o personagem com energia e utilizar alguns dos recursos para construir novas estruturas para sua população crescente. Vale destacar que Rise of Ages possui dois modos de jogo: single player e multiplayer.

Um dos pontos mais interessantes é que o jogador terá interagir com outras civilizações, utilizando uma abordagem mais democrática ou (dependendo do caso) agressiva, através de guerras.Durante a etapa de busca de aliados, você vai atribuir aos NPCs diferentes profissões, desde guardas para proteger a cidade de inimigos e animais selvagens, até alguém responsável pela produção dos equipamentos.

Rise of Ages contará com um sistema chamado Genoma, onde o jogador irá evoluir através das Eras, enquanto o seu DNA também evolui através de várias ações que irão dar experiência e, após acumular determinada quantia, poderá ativar habilidades unidas, que podem ser obtidas através da árvore de habilidades.

Rise of Ages está em desenvolvimento para PCs, mas o estúdio não descarta uma versão para consoles de mesa caso o projeto seja bem sucedido. A comunidade já até deu sinal verde para que o game seja lançado através da Steam. A previsão de lançamento é para o primeiro trimestre de 2017. Para quem estiver ansioso para jogar este game, o Anguis Studio disponibilizou uma demo gratuita.

Abaixo tem o trailer de Rise of Ages:

Já conhece o game de terror psicológico Room 404?

Hoje vamos falar de um título que não é exatamente novidade, mas que merece destaque pela comunidade, pois trata-se de um título que tenta reviver o gênero de terror psicológico que fez fama no fim dos anos 90. Room 404 é fruto de uma parceria entre os estúdios brasileiros Machine Bear e 3DTM e possui mecânica em 1º pessoa. O jogo mescla horror psicológico com uma atmosfera sobrenatural, para contar a historia de Alex, um homem que perdeu o filho num misterioso acidente dentro do quarto 404 de um antigo hotel.

A trama narra a história de Alex, um homem que perdeu seu filho de maneira trágica dentro do quarto 404 de um misterioso hotel. O menino foi assassinado e sua mãe Catherine ficou foi encontrada ao lado do corpo, totalmente catatônica. Este fato a levou a completa loucura e internação em um manicômio. Após algum tempo, Catherine foge do hospital e os indícios apontam que ela tenha voltado ao quarto 404 atrás do filho falecido. Agora Alex tem que voltar ao Hotel, em busca de sua esposa, enquanto lida com o sobrenatural.

O game tem elementos típicos de horror psicológico, lembrando algo de Silent Hill ou Outlast. Parece que o objetivo do estúdio é deixar o jogador o mais perturbado possível. Para isso, foram colocados elementos para tornar o game mais tenebroso, como cenários que mudam sozinhos e uma trilha sonora bem sombria, além de terríveis aparições dignas de pesadelos.

Room 404 foi produzido com a Unreal Engine 4 e, por isso, consegue efeitos de luz e sombra dignos de menção. A física também é bem interessante, tal como o gameplay. Por se tratar de um game com atmosfera densa, não é indicado para jogadores mais novos. Há diversos quebra-cabeças a serem resolvidos e jump scares à lá Slender: The Eight Pages. O game já está disponível (exclusivo de PCs) através da Steam.

Abaixo temos o trailer de Room 404:

Cultura gaúcha é inspiração para o game PAGO, desenvolvido pela Epopeia

O destaque do dia é um titulo brasileiro que pretende contar um pouco da cultura gaúcha para os seus jogadores. Trata-se de PAGO, um game do estúdio Epopéia, do Rio Grande do Sul. Basicamente é um adventure de contemplação, onde os jogadores conhecerão histórias gaúchas e cenários do pampa para mostrar a jornada de um viajante para sua casa.

De acordo com os desenvolvedores, as inspirações para o projeto são as obras do autor Simões Lopes Neto. Assim, eles esperam explorar o vasto folclore gaúcho e suas figuras mais icônicas como o Boi Tatá e a Salamanca do Jarau. A intenção é levar a cultura e o folclore gaúcho para o mundo virtual de maneira divertida, mas sem mecânicas de combate e violência, pois o estúdio espera que todos os jogadores possam curtir PAGO.

“A ideia de criar um game com a temática gaúcha surgiu da observação de como outros jogos já existentes no mercado conseguem criar grandes experiências”, destacou o Sócio Fundador da Epopeia, Ivan Sendin. Vale destacar que entre as referências de PAGO estão games de sucesso da crítica como Never Alone, que é baseado na vida e nas lendas de esquimós, e Guacamelee, que abraça elementos da cultura mexicana.

O principal diferencial do nosso jogo é que ele contará e mostrará para o mundo a nossa cultura de uma forma natural, será um jogo prazeroso de jogar“, exalta Gustavo Silveira, Sócio da Epopeia, que também salienta que as histórias e lendas do estado estarão diretamente conectadas com a proposta do game, tornando PAGO não só um instrumento de diversão, como de aprendizado. Ao longo da jornada, o personagem de PAGO irá se deparar com moradores, andarilhos, soldados e todas as figuras que compõem a cultura do pampa, além de enfrentar lendas e seres fantásticos para alcançar os objetivos de sua missão.

Previsão de lançamento do jogo PAGO

O titulo ainda está em desenvolvimento e deve ser lançado oficialmente no final de 2017 para computador e, futuramente, para plataformas como Playstation e Xbox. No momento, a Epopeia procura empresas para financiar o projeto de PAGO. Vale ficar de olho, pois este game promete retratar uma parte da cultura brasileira de forma artística e bastante intensa.