Arquivo da tag: Jogos sérios

“Jogos já ensinam habilidades e conhecimento às pessoas”

Por Chico Queiroz* especial para o GameReporter

Jeremiah Alexander abriu sua primeira empresa, sem qualquer capital, contatos ou experiência, após sair da universidade em 2006. De lá para cá, sua empresa – Ideonic – se tornou premiada e respeitada internacionalmente, utilizando videogames e novas mídias para criar e desenvolver soluções para ensino e mudança social.

Jeremiah, que realiza consultoria, escreve, arquiteta, codifica e participa de workshops, foi trazido ao Brasil pelo British Council para o seminário Futuro em Jogo, no MIS em São Paulo. Entrevistamos Jeremiah para saber um pouco mais de suas idéias a respeito do uso de videogames e novas mídias.

GameReporter – A Ideonic aplica Game Design a questões sérias como educação e mudanças sociais. Na sua opinião, o que faz dos games uma boa plataforma para este tipo de aplicação? Em outras palavras, quais são os pontos fortes do game design quando aplicados a estas causas?

Jeremiah Alexander – Os melhores games combinam jogos e estórias. Estes dois componentes, não por coincidência, são as formas de aprendizado mais eficientes que existem. O jogo é nossa primeira forma de aprendizado. Quando crianças, observamos as habilidades e ações de nossos pais, familiares e outras pessoas. Depois, criamos brincadeiras sobre elas, geralmente num contexto fictício, onde temos chance de desenvolver essas habilidades num ambiente onde é permitido falhar. Este é o aspecto mais importante do jogo: falhas são quase sempre permitidas. Podemos aprender com elas, repetir e continuar o processo até chegarmos ao nível de domínio desejado. Jogar é a maneira perfeita de se aprender e desenvolver habilidades.

Em quase todas as culturas, estórias foram contadas como um forma de se espalhar conhecimento. Elas podem ter começado realistas mas, através dos tempos, se tornam místicas, fantásticas e inesquecíveis. É este aspecto inesquecível das estórias que as fazem uma das melhores formas de transferir conhecimento. Ainda vemos isso hoje em dia, quando pais contam a seus filhos estórias mágicas com uma moral, uma lição a ser aprendida. Da mesma maneira, muitos dos grandes líderes espirituais usaram a narração de estórias para espalhar suas mensagens.

Quando você combina jogos e estórias, como fazem os games, algo especial acontece. Se torna possível adicionar um terceiro ingrediente ao aprendizado. Este ingrediente são os sentimentos de co-autoria e empatia. De repente, você não apenas escuta a estória – você está na estória e precisa usar suas habilidades para progredir e seu conhecimento para tomar decisões. Você começa a aprender da mesma maneira que o faria na vida real.

GR – Você poderia nos dar exemplos?

JA – Jogos sérios e educacionais melhoram cada vez mais. Recentemente pesquisamos jogos e narrativas transmidiáticos como forma de engajar aprendizes mais profundamente e por mais tempo. Desenvolvemos um jogo transmidiático para um cinema histórico. O jogo será oficialmente lançado ainda este ano, e alia jogos para web e celular junto a elementos fílmicos. Achamos que esta será uma grande tendência. No entanto, não é necessário se voltar para jogos educacionais para constatar a eficiência dos jogos como ferramenta de aprendizado. Pegue um jogo popular como Call of Duty, encontre um jogador dedicado e o pergunte sobre procedimentos militares e artilharia. Eu garanto que você se surpreenderá com seu nível de conhecimento. Jogos já ensinam habilidades e conhecimento às pessoas. Nós só precisamos ser mais seletivos quanto ao que queremos ensinar.

GR – Durante os primeiros anos da indústria de jogos, era comum vermos equipes de desenvolvimento bastante reduzidas — apenas duas ou três pessoas — produzindo alguns dos produtos mais inovadores e empolgantes da época. É este o espírito da sua empresa, Ideonic? Você acha que há novas oportunidades para organizações como esta, no momento?

JA – Certamente! Começamos em uma incubadora para companhias digitais chamada DigitalCity. Todas as companhias que lá estavam eram equipes jovens e reduzidas tentando realizar idéias de jogos inovadores. Desde então, o número de companhias e grupos fazendo isto continua subindo. O mercado, entretanto, ainda é muito difícil para novas companhias, pois elas devem fazer não apenas jogos excelentes, mas construír novos modelos de negócios e métodos de comercializar seus jogos, o que é uma grande demanda para um equipe pequena. É difícil, mas ótimo para o setor, já que companhias grandes lutam tanto quanto as pequenas para inovar. É preciso que novas empresas surjam e ajudem a indústria a seguir adiante.

* Chico Queiroz é professor do curso de graduação em Design da PUC-Rio, onde leciona Modelagem Virtual e Computação Gráfica e Tecnologia para Jogos, além de trabalhar como designer digital no laboratório Tecgraf, na mesma universidade.

Estúdio brasileiro cria jogo para ajudar na conscientização do combate à dengue

Já falamos sobre a Icon Games aqui no blog algumas vezes. O estúdio responsável pelos games Bola de Gude, Snail Racers e Detetive Carioca resolveu colocar a mão na massa para ajudar na preocupante situação do surto de dengue no Rio de Janeiro.

A ideia é colocar o jogador no papel do agente de saúde Tom, que tem como missão localizar possíveis focos de reprodução do mosquito aedes aegypti.

É ou não uma forma interessante de conscientizar o público gamer para um problema real, e mostrar mais uma vez que os jogos podem sim desempenhar uma função importante na sociedade, além do entretenimento.

:: Jogue Combate a Dengue agora

Emprego: estúdio contrata game designer de jogos sérios

A Gestum Tecnologia Educacional, entrou em contato para avisar que procura um game designer que queira trabalhar no desenvolvimento de jogos sérios.

O profissional precisará elaborar conceitos, gameplay e documentação para a equipe de produção. Será exigido boa redação, criatividade, boa comunicação e bom entendimento das demandas.

É preciso gostar de games, ter noções de Flash e Unity3D, e ter capccidade de traduzir a lógica do game em diagramas e storyboards.

A vaga é para São Paulo, mas o profissional pode ser de SP, RJ ou RS. Se interessou? Entre em contato pelo email eu@querosergestum.com.br.

Estúdio mineiro cria simulador de cirurgia para ajudar estudantes da área médica

O leitor Nikolas Seiji Ariyoshi, representante da produtora mineira de jogos Keeplay Game Studios, entrou em contato conosco para comentar um simulador 3D para treinamento de cirurgias em que a empresa está trabalhando desde o último ano.

O simulador, criado com apoio financeiro da FAPEMIG (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais) e também de profissionais do ramo da medicina, foi batizado de SimCMed e tem como objetivo oferecer um instrumento de ensino e aprendizado mais eficaz para alunos e profissionais do setor de ciências biológicas.

Para facilitar ainda mais o estudo, o SimCMed roda a partir de um dispositivo com tela sensível ao toque e possui imagens 3D. Pela imagem parece sensacional, e nos deu vontade de conhecer de perto o game. Muito legal ver o país evoluindo nesse tipo de segmento.

:: Visite o site da Keeplay para conhecer mais sobre a empresa

Exposição Epidemik, em São Paulo (SP), simula epidemia com auxílio de jogo

Entre os dias 2 de julho e 26 de setembro de 2010 a exposição Epidemik: O Impacto das Epidemias na sociedade ao longo dos séculos estará na Lapa, em São Paulo (SP).

Já falamos sobre a mesma exposição em meados de outubro do ano passado, quando ela passou pelo Rio de Janeiro.

Para quem não conhece, Epidemik é um simulador de epidemias, um videogame gigante que simula situações como o surto de dengue no Rio de Janeiro, um atentado bioterrorista de peste pulmonar em Nova York, gripes pandêmicas em Cingapura, AIDS e Malária.

A partir deste game, a idéia é mostrar a influência das epidemias em uma sociedade e propor a reflexão do que pode ser feito pelas autoridades e cidadãos para que não vire uma calamidade.

Quem quiser conhecer, a exposição Epidemik está na Estação Ciência, que fica na Rua Guaicurus 1394, no bairro da Lapa. Um ponto de referência é o Terminal Lapa, que fica ao lado.

A entrada custa R$ 4, estudantes (com comprovação) e portadores de necessidades especiais pagam meia. Professores (comprovados), guias turísticos (com registro da Embratur), comunidade da USP (com carteirinha válida na catraca), menores de seis anos e maiores de 60 anos não pagam.

A exposição pode ser conferida de terça à sexta-feira, das 8h às 18h, e aos sábados, domingos e feriados, das 9h às 18h. Relembrando, a exposição vai de 02/07/2010 a 26/09/2010.

Funcionários de McDonald’s no Japão são treinados com jogo de DSi

Uma parceria entre a Nintendo e o McDonald’s viabilizou a criação de um jogo sério para treinamento de funcionários da rede de fast-food, na tentativa de melhorar a produção dos lanches.

No game para o portátil, além de montar os sanduíches, obedecendo a ordem padronizada dos ingredientes, os funcionários aprenderão a fritar batatas e também a manter seu local de trabalho limpo.

Os funcionários tem acesso, inclusive, a aparelhos DSi que carregam a marca da rede de lanchonetes. Com a parceria, todos os restaurantes da rede japonesa receberão aparelhos para o treino de seus funcionários até o fim do ano.

Em um vídeo veiculado pela rede de notícias americana Bloomberg, o gerente de recursos humanos do McDonald’s japonês, Hideki Narematsu, afirmou que o novo método permite um treinamento duas vezes mais rápido que nos adotados anteriormente.

A iniciativa é interessante, ainda que não tenha qualquer confirmação de que vá ser exportada (ou chegar ao Brasil), por mostrar a forte tendência de investimentos em jogos sérios.

[Via Joystiq]

Colete dá ainda mais realidade à ferimentos em jogos

Um colete high-tech em desenvolvimento na Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, é capaz de dar aos jogadores a sensação do impacto em uma pancada ou tiro tomado.

A vestimenta utiliza quatro solenoides no peitoral e nos ombros e mais dois nas costas. Com auxílio de mecanismo de vibração, é capaz de simular o dano recebido em um jogo ou ambiente de simulação.

A idéia é criar uma interface para jogos de tiro em primeira pessoa, e não apenas para jogadores, mas como forma mais segura para treinos militares, isso porque a roupa pode ser modificada para simular golpes mais fortes.

[Via Gadget Lab]

Empresa cria simulador para apresentar cidade histórica em Festa da Uva

Este ano a Festa da Uva, que aconteceu entre fim de fevereiro e início de março em Caxias do Sul (RS), recebeu uma novidade tecnológica: um game de passeio virtual.

A idéia da prefeitura era oferecer aos visitantes do tradicional evento uma idéia de como era a cidade há cem anos, em 1910, com a chegada do trem.

A empresa Urizen Technology foi contratada para o desenvolvimento do game, que usou um telão e carrinhos com volantes e aceleradores, que podiam ser controlados pelo jogador para navegar pelas ruas mostrando a história local.

O cenário tridimensional foi criado a partir de fontes históricas levando em conta a fidelidade ao cenário antigo real, permitindo visitas que anteriormente só eram possíveis fazer através de idas a museus e a partir de fotografias.

Continue lendo Empresa cria simulador para apresentar cidade histórica em Festa da Uva

Etapa final de OJE RJ acontece no Circo Voador

gr-oje Em um post de junho comentamos a respeito do OjE, a Olimpíada de Jogos Digitais e Educação, uma iniciativa do governo pernambucano.

E não é que o campeonato pegou também em outros lugares, como estávamos torcendo para acontecer? Hoje, dia 14 de dezembro, o Circo Voador, na cidade do Rio de Janeiro, abrigará a final do OJE-RJ 2009.

Competirão seis equipes, vencedoras de uma disputa entre 24 escolas estaduais. Três do ensino médio e três do ensino fundamental, todas classificadas na fase online, ocorrida entre os dias 9 de novembro e 9 de dezembro.

De acordo com informações que recebemos do game designer Edival Lago, envolvido no projeto, a competição contou com a participação de 1.117 alunos e 72 professores, organizados em 142 equipes.

Em 2010, a idéia é que no Rio de Janeiro todas as escolas da rede participem, numa competição online de duração de seis meses entre as classificatórias e a grande final.

Para conhecer um pouco mais do evento, acesse o site do OjE no Rio de Janeiro.

Empresa cria games sérios para aulas de botânica e biologia

gr-gdl O estúdio internacional Spongelab Interactive lançou um pacote de games educativos online voltado para a educação de crianças e adolescentes.

Os games abrangem botânica e biologia e foram criados em um formato que permite o seu uso dentro da sala de aula, com o objetivo de complementar a grade curricular de escolas de ensino fundamental e médio.

O pacote Genomics Digital Lab é composto de oito jogos em diversos níveis de complexidade, sendo os últimos níveis convites ao debate de soluções para assuntos mundiais como a crise de energia.

A novidade é paga e está em inglês, mas vale a atenção. Uma versão de demonstração está disponível no site oficial do projeto.

[Via Serious Game Source]