Arquivo da tag: ios

Crocco Vs. Gangue da Matriz se inspira em polêmica gaúcha

O leitor Marcos Riffel aproveitou uma polêmica em torno do rapper gaúcho Tonho Crocco, que se revoltou com os políticos corruptos de seu estado, para criar um game de iOS.

Em Crocco Vs. Gangue da Matriz você controla Tony, que precisa enfrentar os corruptos da Gangue da Matriz, que acabam de descobrir uma nova forma de roubar dinheiro da população.

No caminho, Tony deve coletar discos de vinil para ser reconhecido como o melhor DJ de todos os tempos.

:: Compre o jogo Crocco Vs. Gangue da Matriz (US$ 0,99)

Estúdio brasileiro estreante lança game de zumbi para iOS

É sempre legal receber o contato de leitores que estejam entrando no mercado de games. Foi o caso de Fernando Costa, um dos co-fundadores do mais novo estúdio Keeplay.

O jogo estreante é Beat the Zombies, um game para iOS em que você precisa bater em zumbis antes que eles consigam sair de suas covas. São quatro níveis, um sem fim, um com tempo fixo, um modo chamado “procurado” e um modo de memória.

Beat the Zombies, em versão completa, custa US$ 0,99. Mas há também uma versão lite gratuita para quem quer ver como é o game.

Boa sorte para o Fernando e todo o pessoal da Keeplay. Nos avisem quando lançarem novos games!

:: Compre a versão completa de Beat the Zombies

:: Baixe a versão Lite gratuitamente

Sega relançará Sonic CD em 2011

A Sega avisou: Sonic CD, um dos mais icônicos games do porco-espinho mascote da companhia, será relançado.

Não será um remake, mas sim uma adaptação para as novas plataformas, que fará com que o game de 1993 chegue ao Xbox Live Arcade, à rede PSN, ao PC, ao iOS, ao Android e ao Windows Phone 7 até o fim de 2011.

Haruki Satomi, executivo da Sega, afirmou que o game trará todo o conteúdo do original, além da trilha sonora original japonesa. Agora é esperar para colocar as mãos em mais um clássico de peso!

[Via Next-Gen]

Wolfenstein 3D para iOS é vetado na Suíça e na Áustria

Um dos maiores clássicos de todos os jogos de tiro em primeira pessoa, Wolfenstein 3D, foi banido na Suíça e Áustria. Na verdade, o problema foi com a adaptação Wolfenstein 3D Classic, para iOS.

“As App Stores do iOS na Suíça e Áustria não terão o Wolfenstein Classic por conta das suásticas ofensivas. :-(“, escreveu John Carmack no Twitter.

Para quem não conhece – falha grave! – Wolfenstein 3D coloca o jogador contra soldados nazistas, em masmorras inimigas decoradas com bandeiras.

[Via CVG]

Theme Park chega para iPhone e iPad ainda em 2011

Ainda esse ano será lançado para a plataforma iOS, que equipa os portáteis iPhone, iPod touch e iPad – da Apple -, Theme Park.

O game, inspirado no clássico da Bullfrog, criado por Peter Molyneux em 1994, será recriado em um engine 3D e lançado pela Electronic Arts.

Em Theme Park o jogador administra um parque de diversões, disponibilizando aos visitantes brinquedos e contratando pessoal.

O melhor? Será gratuito, com uma lojinha interna que venderá itens.

[Via Videogamer]

Pankeka Games cria seu primeiro game de iPhone, Zigball

Thiago Ventura, da Pankeka Games, entrou em contato conosco para avisar que seu estúdio lançou seu primeiro game para a plataforma iOS (o sistema operacional do iPhone, iPod touch e do iPad).

O jogo se chama Zigball, é grátis, e tem integração com o Game Center. Está traduzido nos idiomas português e inglês.

A mecânica do game é simples: diversas bolinhas se movem aleatoriamente na tela, e você precisa contar quantas bolinhas aparecem, antes que elas se choquem e o jogo acabe.

Está difícil contar? Use o dedo para traçar obstáculos e mudar o curso das bolinhas, ganhando assim mais tempo. Zigball é um game criado para ser simples e viciante.

:: Gostou? Baixe para testar na AppStore

:: Acesse o site oficial do game

Parque das Enrolações e Clay Moon BR: games nacionais para iPhone e iPad

O desenvolvedor Marcos Riffel comentou dois de seus games para iOS: o primeiro, inspirado no programa da Rede Globo, apresentado pelo jornalista Tadeu Schimidt, se chama Parque das Enrolações.

Nele, o jogador participa de brincadeiras de parques de diversões, ativando ou não o modo trapaça, para deixar o jogo mais fácil ou mais difícil. O game está disponível na iTunes App Store por US$ 0,99.

Marcos também lançou nessa semana Clay Moon BR, o primeiro jogo que criou para iPad, totalmente em português, e com arte feita com massinha de modelar. O game venceu a competição “Pensando fora da caixa” e também está sendo vendido na iTunes App Store por US$ 0,99.

:: Gostou? Confira os outros games de Marcos Riffel em seu site

Executivo dos games critica Apple e seu iOS

Trip Hawkins, um dos fundadores da Electronic Arts e CEO da Digital Chocolate, deu uma entrevista ao site da revista Edge em que critica a Apple e seu iOS.

Hawkins fala com conhecimento de causa — já trabalhou como diretor de estratégia e marketing da companhia de Steve Jobs no começo dos anos 80. Segundo o executivo, na tentativa de forçar o uso da App Store, a companhia removeu o Flash do navegador do aparelho.

“Eles falam algo como ‘Ah, nada contra o Flash; nós apenas preferimos HTML5’. Bem, o Flash pode fazer coisas realmente boas, e com o HTML5 isso não pode ser feito”, criticou.

A natureza fechada da Apple também foi alvo de críticas de Hawkins, que acha que a censura não funciona muito bem, uma vez que no fim a lojinha de aplicativos está com um monte de aplicativos inúteis, como os que simulam o som de peidos.

O que você acha da decisão de remover o Flash do navegador do iOS? E da censura da Apple em aplicativos?

Estúdio independente diz que Sony está oferecendo devkits de Vita gratuitamente

Há relatos de que a Sony estaria oferecendo, gratuitamente, kits de desenvolvimento para o portátil Vita a programadores independentes.

A informação começou a ser veiculada graças a um post do usuário Rubicon no fórum NeoGAF. O usuário, desenvolvedor da Icon Games, afirmou que a Sony se aproximou do estúdio na tentativa de trazer Great Little War – jogo lançado para iOS – também ao seu portátil.

“Mostramos nosso game, eles gostaram bastante e acharam que seria uma boa adição para sua máquina, então nos mandaram quatro kits. Grátis”, comentou o porta-voz esperando que outras empresas sigam o exemplo e valorizem o cenário independente.

Será que isso seria suficiente para provocar uma explosão de bons games nos novos portáteis?

[Via VideoGamer]

CEO da EA fala sobre mudanças na indústria de games

John Riccitiello, CEO da Electronic Arts, esmiuçou um pouco as novas tendências do mercado de games, opiniões bastante interessantes e que cabem a todos que trabalham ou são simplesmente apaixonados por jogos, a título de reflexão.

Durante uma conferência com investidores e analistas, o executivo afirmou que a indústria está mudando radicalmente e de forma acelerada. Que o período de 4 a 5 anos entre um lançamento e outro de console não existe mais e que hoje tudo acontece mais rápido.

“Pera lá! Mais rápido? Essa geração está durando mais?” – você pode ter se perguntado. É, não é bem assim! “Considere que apenas 18 meses atrás não havia iPad, o Google estava apenas testando o Android e a maior parte dos grandes jogos estava limitada a apenas uma oportunidade de faturamento em seu lançamento”, começou Riccitiello.

“Considere que cada um dos grandes consoles agora tem um controle que encoraja o usuário a sair do sofá e entrar na ação”, continuou acrescentando que hoje, é preciso ver que o faturamento que mais cresce no mercado de games, vem a partir de meios digitais e que tablets e smartphones ganharam um foco gigantesco no mercado de jogos.

Notou o drama? Todas essas mudanças, todo esse crescimento acelerado fica nas mãos do distribuidor ou, no caso do programador independente, do próprio desenvolvedor. Hoje, com o mercado amadurecendo, aumentam as possibilidades e também as responsabilidades.

Para a Electronic Arts, uma das maiores no mundo no que faz, a solução é atacar todas as frentes. Amadurecer as próprias franquias – que continuarão a ser atualizadas anualmente e receberão foco crescente em aspectos sociais e DLC -, estabelecimento da plataforma Origin – que vende games ao cliente final -, além do investimento em grandes talentos – pagando alto por pessoas chave na indústria.

Mas, e para quem não tem tantos recursos? Como você acha que todas essas mudanças impactarão?

[Via CVG]