Arquivo da tag: indie

War Solution – game mistura puzzle e tower defense para melhorar suas habilidades em matemática

O ano de 2019 terá tudo para ser especial para a equipe da Yaw Studios, uma desenvolvedora indie focada em criar jogos que agreguem conhecimentos ao jogador, pois é justamente neste ano que a empresa lançará o ambicioso War Solution, um título que mistura puzzle e tower defense de maneira única. O game esteve presente na BGS 2018 e deixou uma impressão bastante positiva entre os visitantes do estande.

Basicamente você deve derrubar as torres adversárias com a utilização de uma catapulta antes que o adversário derrube a sua estrutura. Para isso, você deve acertar um desafio matemático que surge na tela. Quem responder primeiro tem a chance de disparar contra a torre adversária primeiro. O macete é que além de divertir, o game ainda auxilia no raciocínio rápido e atrair pessoas para a boa e velha matemática.

War Solution consegue êxito em divertir e ensinar muito por causa de seus visuais encantadores, o clima de competição e jogabilidade simples. Você vai resolver problemas de adição e subtração, escolhendo entre quatro opções de respostas disponíveis. Quanto mais rápido você responder, melhor, pois há a chance de ganhar itens capazes de aumentar o poder de fogo de sua catapulta. Mas se você demorar para responder, o dano causado no inimigo será pífio.

Se você se mostrar um gênio não descoberto da matemática, novas torres são desbloqueadas. De acordo com a Yaw Studios, o game conta com 5 modos de jogo, incluindo um modo de combate, que permite que você desafie seus amigos online. Até o momento, apenas dois modo estavam prontos: a campanha e o multiplayer local para dois jogadores – e foi justamente este a fazer bastante barulho na BGS, através de desafios propostos pela equipe da Yaw Studios aos visitantes do estande.

Em entrevista ao site Jogazera, Aislan, fundador da Yaw Studios disse que o game foi pensado após avaliar o nível educacional dos alunos. “Não querendo educar, mas utilizando a competição e a diversão como veículo, fazendo com que a matemática seja inserida naturalmente, sem a pessoa perceber”, disse Aislan.

War Solution ainda não tem data definida de lançamento, mas sabe-se que chegará ainda em 2019 para plataformas mobile e PCs. Há planos de trazê-lo aos consoles no futuro também. A impressão que o game deixou nos visitantes da BGS foi bastante positiva e provavelmente ele deve fazer novas participações em outros eventos de jogos nacionais. Você pode conferir mais sobre o game no site oficial.

Abaixo você confere um trailer de War Solution:

Izotonic Studios vence Game Jam Sky, confira nossa entrevista com os produtores

No último final de semana entre 02 e 03 de fevereiro os desenvolvedores indies do Brasil tiveram um desafio bastante inusitado: criar um game com apenas 1,5 mb. Este era o desafio proposto pela Game Jam Sky, evento promovido pela empresa de TV a cabo, que visava unir o mundo dos games com alguns dos programas que ela transmite (filmes, séries etc). Quem venceu o desafio foi o time da Izotonic Studios, que criou um game casual bem promissor.

A vitória grantiu o prêmio de R$ 5 mil, além da possibilidade de ter o game publicado pela Sky em um futuro próximo. Resolvemos conversar com o Vinicius Yokomizo, sócio-fundador da Izotonic, que nos falou sobre esta game jam e um pouco sobre a história do estúdio.

 

  1. Nos fale sobre e a história da Izotonic Game Studios. Quando surgiu e que games já foram desenvolvidos?

Izotonic: Gostaria de agradecer o convite do “Dolemes” e Luiz! Fundamos o estúdio em meados de 2012, logo após a nossa formação em desenvolvimento de games. Esse ano completaremos 7 anos no mercado de desenvolvimento de games, começamos produzindo alguns jogos simples para vermos as limitações e principais características de cada um da equipe, isso nos possibilitou saber em quanto tempo conseguíamos produzir, começamos a participar também de algumas game jams como SPJam, fomos conquistando alguns clientes ao longo desse tempo, produzimos alguns títulos próprios, como: CMYK, Ikarus, etc. Alguns advergames para Petrobrás, Puma, Zap Imoveis, Zurick Seguros e projetos para área da saúde, como o Mentalplus, onde temos pesquisas e parcerias internacionais.

  1. Como chegou o convite para participar da Game Jam Sky?

Izotonic: Ficamos sabendo da Game Jam através de um grupo de desenvolvedores do whatsapp, logo após isso paramos tudo o que estávamos fazendo para nos inscrevermos na game jam, queríamos mostrar que estávamos todos engajados e totalmente interessados em participar, tanto que enviamos o formulário todos na mesma hora.  Houve uma seleção, levaram em conta diversos pontos, como experiencia, entre outras características.

 

Ikarus, um dos principais games do portfólio da Izotonic Studios.
  1. Qual foi o tema da Game Jam Sky? E assim que foi definido o tema, como foi o processo para definir que game criar em tão pouco tempo?
    Izotonic:
    Na verdade não houve um tema em especifico, mas alguns desafios, o game poderia ter qualquer tema dos parceiros relacionados aos canais deles, filme, serie, desenhos, etc. outro ponto foi que deveria ser um game bem casual, pois o limite para a versão final deveriam ter apenas 1,5 mb. Tínhamos 3 ideias iniciais, escolhemos uma em consenso da equipe.

 

  1. Vocês já participaram de algum evento semelhante? Qual foi o resultado?

Izotonic: A maior parte da equipe já havia participado de game jams, dois dos integrantes participaram a primeira vez Estevam que trabalha com desenvolvimento de modelos 3D e a Mariana artista conceitual, dois dos integrantes Leonardo e Lucas ambos programadores já participaram de game jams como a Game Jam Plus onde foram vencedores regionais em São Paulo, eu e meu sócio já participamos de outras como SPJam, fomos vencedores na edição de 2013, recebemos uma premiação da Nokia. Microsoft Game jam, Facebook Game Jam, Kolks Game Jam, e essa que considero uma das principais nas quais participamos.

  1. Nos fale como é o game que vocês criaram durante o evento. Qual o objetivo, personagens etc.
    Izotonic:
    Desenvolvemos uma Game totalmente focados no engajamento, então partimos do principio trazer uma linguagem simples, Não posso falar muito sobre, devido a alguns requisitos da Game Jam Sky, creio que em breve poderemos falar melhor e com mais detalhes sobre o game, fico muito empolgado e ansioso para falar sobre o game, mas infelizmente por hora não posso.
O jogo Mental Plus é um dos destaques do estúdio.
  1. Qual a diferença entre criar um game por contrato, independente ou durante uma game jam?

 

Izotonic: Desenvolver em si, todos temos o mesmo sentimento, prazer em produzir o que mais adoramos, games! O que muda por exemplo em um game por contrato é que as vezes o roteiro ou a ideia já vem do cliente, nós executamos a ideia, às vezes o prazo pode variar também alguns duram mais tempo outros menos. Creio que o maior desafio na indústria é desenvolver o próprio “indiegame” por completo, agora com o incentivo dos editais essa realidade se torna cada vez mais próxima, desenvolver o próprio game é bem mais emocionante pois você pode focar numa mensagem que você gostaria de passar, ou seguir um estilo de arte, focado em qual público você planeja atingir, etc.

Já numa game Jam as coisas mudam um pouco, as coisas precisam ser um pouco mais precisas, e organização é um ponto bem importante nesse processo, dividir as tarefas para o que cada um é melhor, ou ajudar alguém com dificuldade em alguma tarefa, fora o contato com outros desenvolvedores, e a troca de experiencias que é ótima!

 

  1. Quantas pessoas participaram do projeto?

Izotonic: Gostaria de agradecer muito minha equipe, estavam todos bem engajados, e proativos! Ao todo foram 7 pessoas, Eu (Vinicius) responsável pela direção de arte durante a Game Jam, Rafael C. Garcia meu sócio, responsável pela programação principal do game, Estevam Jannuzzi ficou responsável pela produção de conteúdos para o game junto com a Mariana Honorio. Leonardo Bapstista e Lucas Rocha foram responsáveis por outras partes da programação e também na produção de conteúdo para o game, conseguimos produzir mais de 150 conteúdos para o game, otimizamos tudo para ficar abaixo dos 1,5mb, foi uma superação de todas as equipes da Game Jam, todos estão de parabéns!

 

  1. Alguma chance de o game produzido na Game Jam Sky evoluir para um projeto completo e ser lançado no futuro para as grandes plataformas ?
    Izotonic
    : Sim, estamos conversando com a Sky para ver como iremos prosseguir com o desenvolvimento do Game. Vamos planejar como lançar e também as datas!
  2. Qual a parte mais legal de participar da Game Jam Sky? A Izotonic já participou
    de outros eventos do tipo?

    Izotonic:
    O evento foi muito bem produzido, a Sky está de parabéns, todo o cuidado que eles tiveram com cada desenvolvedor foi perfeita! Achei o desafio a melhor parte
    da game jam, não havíamos feito nada desse tipo em 7 anos. Chegamos no limite da otimização e produzir um conteúdo variado, usando muitas coisas nativas. Já participamos de outras Game Jams, algumas com alguns integrantes da equipe  e outros amigos, mas com a formação completa do estúdio, foi a primeira vez!
  3. Qual a dica que vocês podem dar para desenvolvedores que gostariam de participar de game jams?
    Izotonic:
    Nas Game jams você sempre acaba aprendendo algo novo, ou superando algum desafio, abrindo uma porta em alguma empresa, indicações, e contato com outros Desenvolvedores.

Sobre o estúdio: 

A Izotonic Games é um estúdio brasileiro que nasceu em 2012 com o propósito de desenvolver jogos digitais e soluções interativas de qualidade. Em seu portfólio constam trabalhos realizados para grandes marcas de agência e empresa: jogos casuais, advergames e design 3D oferecidos para plataformas atuais.

QUByte anuncia versão física de VASARA Collection para Vita, PS4 e Switch

Esta vai para os fãs de Shoot’ em Up: o game VASARA Collection terá lançamento em mídia física para os consoles Nintendo Switch, PS Vita e para o PS4 ainda no primeiro semestre de 2019. O lançamento é fruto da parceria entre o estúdio nacional QUByte Interactive e a Strictly Limited Games. De acordo com os responsáveis pelo lançamento, a coletânea contará com o primeiro e o segundo game já com conteúdos adicionais.

Para quem não conhece, VASARA é um shmup que mistura ficção científica e história do Japão Feudal através de uma linha temporal alternativa em que o país do sol nascente conta com armamento e equipamentos tecnologicamente avançados. Neste ambiente, os samurais usam motocicletas voadoras com poder de fogo surpreendente e armas de combate poderosas para destruir os inimigos.

Com a morte do, então, Senhor Feudal Hideyoshi Hashiba, Ieyasu Tokugawa planeja assumir o controle sobre seu território, e cabe aos nossos heróis enfrentar seus exércitos e evitar que o tirano estabeleça seu domínio.

Os dois jogos originais foram desenvolvidos pela VicoCorporation, em 2000 e em 2001, respectivamente. Com este retorno, a QUByte adiciona conteúdo inédito, a fim de atualizar um velho clássico e agradar jogadores mais novos. Entre as novas funções estão o suporte ao Playstation TV, personagens jogáveis inspirados em figuras históricas reais, novos finais e modo fácil para iniciantes.

Top 10 – Games que foram criados em tempo recorde

Existem jogos que talvez você tenha jogado, curtido e nem imagina que foi desenvolvido em tão pouco tempo. Desenvolvedores de games Indie estão sempre participando de Game Jam e criando protótipos ou até games que viralizam rapidamente na internet.

Criar games tem se tornado uma atividade muito comum de uns tempos para cá, hoje em dia temos escolas especializadas, cursos, eventos e muito mais coisas que influenciam novos programadores a produzir e posteriormente lançar games. Vale destacar que os jogos aqui citados não são frutos de superproduções e não gráficos de ponta, pois são em sua maioria indies e alguns foram criados por poucas ou até apenas uma pessoa.

Vamos lá? Confira dez games inspiradores criados em tempo recorde:

 

1 – Agar.io

 

Não se sabe exatamente em quantos dias Agar.io foi feito, o que se sabe é que sua produção foi extremamente rápida e individual, ou seja, apenas uma pessoa trabalhou no projeto do game. Agar.io foi criado em JavaScript e C++ por um brasileiro chamado Matheus Valadares e continuou sendo atualizado constantemente adicionando novas melhorias, 3 meses depois o game ganhou suas versões  em Android e iOS.

 

2 – The Awakening of Mummies (30 Dias)

The Awakening of Mummies foi inteiramente desenvolvido em 30 dias. O jogo é um puzzle 2D que pode ser jogado na internet e o seu objetivo é passar por obstáculos como lanças, lugares escuros e buracos dentro de uma tumba no Antigo Egito. Os produtores do game criaram a VirtualArts especialmente para desenvolver o game e é composta por 4 programadores brasileiros.

 

3 – Celeste

Celeste foi considerado no ano de 2018 o melhor jogo independente. Mas vamos fugir um pouco do assunto do game em si, vamos falar do protótipo do game. O protótipo de Celeste foi criado em apenas 4 dias, e depois estendido para ser lançado nas plataformas. Você controla a querida Madeline, que terá que enfrentar vários desafios para conseguir escalar uma montanha. O game é inspirado em pixel art e agradou gamers do mundo inteiro.

 

4 – Flappy Bird ( 3 dias)

Flappy Bird é um dos principais jogos da nossa lista. Para você ter idéia, o game de sucesso lançado em 2013 e que provavelmente você jogou, foi criado em apenas 3 dias. Provavelmente o jogo demorou menos tempo para ser criado do que para ser enviado para a Play Store. Vamos combinar que o game não é dos mais bem feitos e lembra muito Super Mário, mas o que não podemos discutir é a competência do produtor do jogo.

Mas da mesma forma que o game viciante e extremamente difícil foi criado em pouco tempo, foi também excluído em pouco tempo, ficou apenas cerca de 11 meses no ar, e a principal teoria é que o produtor foi obrigado a excluir o jogo por conta do uso de elementos pertencentes a outros jogos.

 

5 – Honko’s Worlds (3 Dias)

Honko’s Worlds é mais um jogo que foi produzido em uma competição de Game Jam e lembra muito os primeiros Zelda que foram lançados pelo fato de sua visão de cima para baixo. O objetivo do game é basicamente enfrentar os inimigos com ferramentas, armas especiais e coletar ouro para ir avançando os labirintos e passar de fase.

 

6 – O voo dos Gansos (10 dias)

Criado por 5 desenvolvedores em apenas 10 dias, o voo dos gansos é um jogo brasileiro em que o jogador ajuda os gansos na sua trajetória para o sul. O nível de dificuldade do jogo é baixo, após algumas tentativas é possível concluir o trajeto dos gansos com sucesso. Para jogar acesse: http://www.perametade.com/project-view/voo-dos-gansos-versao-game-jam/

 

7 – Candy Crush Saga

Candy Crush Saga é considerado um dos games Puzzle mais famosos de todos os tempos. Sua mecânica e seu objetivo é bem simples: combinar o máximo de doces das fileiras e colunas para gerar pontuação e passar para a próxima fase. Os elementos gráficos do jogo são bem desenhados e coloridos. Candy Crush Saga demorou quase 5 meses para ser desenvolvido.

 

8 – Stack  (2 dias)

Stack é um game Puzzle inspirado no eterno Tetris em que o objetivo é empilhar blocos e formar linhas de peças da mesma cor. A grande vantagem do game é que ele é reproduzido em 3D, diferente dos outros jogos que possuem o mesmo objetivo. Stack foi criado por estudantes da USP em apenas 48 horas  e apresentados durante a Semana da Computação (Semcomp) em 2017

 

9 – Horizon Chase (5 meses)

Comparados com alguns jogos da nossa lista, para alguns 5 meses pode parecer muito para ser considerado um tempo recorde.  Inicialmente Horizon Chase foi pensado par ser concluído em 2 meses, porém os produtores decidiram dar um pouco mais de atenção em certos detalhes do game. Horizon Chase é inspirado na era dos games 8 bit e traz muitas lembranças dos antigos jogos de corrida para o celular, especialmente nos celulares JAVA.

 

10 – Slither.io (6 meses)

Slither.io é mais um jogo de criação individual que lembra muito o estilo de Agar.io, porém com elementos visuais melhores e diferentes. Tá, tudo bem, Slither.io não foi criado em tão pouco tempo quanto Flappy Bird ou o próprio Agar.io, mas na teoria 6 meses de desenvolvimento para um jogo que chegou a gerar mais de US$100 mil por dia está muito bom o tempo gasto, não acha?

 

Texto por: Samuel Almeida

 

Heavy Metal Machines é eleito por site dos EUA como o melhor MOBA lançado em 2018

Heavy Metal Machines é um dos games mais famosos do Brasil da atualidade é também um dos melhores MOBAs da atualidade, pelo menos é isso o que o site americano especializado em jogos online MMOHuts decretou em sua tradicional lista de melhores do ano. O título da Hoplon foi eleito pelo editorial como o melhor MOBA de 2018. A publicação diz que o game sagra-se como o maior do gênero graças a sua jogabilidade “rápida, frenética e divertida”.

“Estamos felizes e orgulhosos com o reconhecimento de um site internacional tão respeitado pelo público gamer. Mais do que alçar o nome do Heavy Metal Machines, esse prêmio representa o Brasil”, diz Tatiana Moreira, gerente de marketing e publicação da Hoplon.

Para quem não conhece, Heavy Metal Machines está em desenvolvimento desde 2014 e tem previsão de lançamento para o primeiro semestre de 2017 nos PCs por meio do Steam. O titulo coloca 4 jogadores em uma arena onde devem pilotar veículos de guerra em um clima feroz de corrida e destruição. Tudo isso ao som e ambientação do bom e velho Heavy Metal. Muitos consideram o jogo como um sucessor espiritual do clássico Rock ‘n Roll Racing, da Blizzard.

Hoplon

“Lançamos Heavy Metal Machines em 73 países e pretendemos ampliar ainda mais esse alcance. Estamos trabalhando em novos conteúdos para a comunidade de jogadores e em breve teremos novidades sobre torneios oficiais que serão realizados neste ano”, conta Leônidas Gonçalves, supervisor de planejamento e produto de Heavy Metal Machines. Heavy Metal Machines pode ser baixado de graça no site do game.

Abaixo você confere o trailer de Heavy Metal Machines:

BIG Festival 2019 – inscrições para participar do evento estão abertas

Chegou o momento mais esperado pelos produtores independeste de todo o Brasil: o BIG Festival acaba de abrir inscrições para quem quer participar das competições e mostrar seu projeto a um público influente e dedicado a conhecer games novos. De acordo com a organização do evento, as inscrições são gratuitas e poderão ser feitas pela internet até o dia 26 de abril.

O BIG Festival 2019 é considerado o mais importante festival de jogos independentes da América Latina e sua missão é fortalecer o ecossistema de games no Brasil. Em 2019 o evento chega a sua 7º edição, e novamente será um evento que ocorrerá simultaneamente em São Paulo e no Rio de Janeiro, entre as datas de 22 a 30 de junho. Em São Paulo o evento acontece no Centro Cultural São Paulo e no Rio de janeiro, no Centro Cultural da Oi Futuro.

Pode realizar inscrições os jogos desenvolvidos para todas as plataformas, (computadores, tablets, smartphones, consoles e dispositivos de realidade virtual), independente de estarem publicados ou não. Os jogos finalistas de cada categoria, serão exibidos em uma exposição de 9 dias. Na edição de 2018 o BIG Festival recebeu mais de 36 mil visitantes para ver os 87 jogos expostos (sendo 48 jogos brasileiros), distribuídos em 15 categorias além de 2 mostras não-competitivas.

Se você é desenvolvedor e seu jogo está pronto para jogar, faça sua inscrição pelo site do evento.

Novidades para o BIG Festival 2019

Pela primeira vez o BIG Festival abre espaço na grade de programação para profissionais brasileiros da economia criativa inscreverem suas sugestões de palestras. As palestras sugeridas pelo público terão 30 minutos ou 1 hora de duração e cada candidato poderá inscrever 1 palestra.

Gamellito – Jogo produzido na UEL ensina os cuidados que a criança diabética deve ter

Um game criado na Universidade Estadual de Londrina (UEL) tem tudo para se tornar um instrumento no tratamento da diabetes. Trata-se do jogo Gamellito Adventures, um pet virtual em que o jogador deve ajudar o alienígena Mellito a se adaptar a doença da diabetes tipo 1 (DM1). Toda a interação ingame tem por objetivo fazer com que as crianças se identifiquem com o personagem e aprendam a lidar com a patologia de forma divertida.

Durante a jogatina a criança deve ficar atenta aos níveis de insulina do Mellito, pois se ela ficar baixa, o personagem fica enfraquecido. Outra coisa a se preocupar é se a insulina ficar alta demais, pois se isso acontecer, o personagem pode até morrer. O macete é dar a noção para quem tem diabetes de que é uma doença que demanda atenção frequente. Deste modo, a criança aprende a se cuidar se divertindo.

A trama de Gamellito narra a história de Mellito, um alienígena laranja que vive no planeta Záccari, onde todos os seus amigos são cinzas. Vez por outra Mellito sente fraquezas, sede e fome excessiva, além de outros sinais de que há algo errado com sua saúde. Após uma breve pesquisa, o personagem descobre o planeta Terra, onde crianças possuem os mesmos sintomas. Mellito manda um sinal ao nosso mundo a fim de encontrar uma criança que possa ajudá-lo a aprender mais sobre a diabetes e como tratar a doença.

Gamellito é composto basicamente por três mini games: um shmup, para representar a viagem do Mellito para a Terra; uma esteira para selecionar alimentos saudáveis; e um speed runner, em que o jogador deve desviar de alimentos inapropriados como bolos e chocolates. Nesta última parte, aliás, há até metáforas do que as crianças diabéticas enfrentam, tais como preconceito, piadas e imposição de hábitos por parte de adultos. Não fosse o bastante, o título ainda conta com quizzes para firmar alguns ensinamentos sobre o tratamento da doença.

De acordo com Vânia Vargas, psicóloga da UEL, Gamellito ajuda as crianças a se adaptar melhor à diabetes, pois a criança acaba por entender os cuidados que irá precisar ter durante sua vida. Além disso, a abordagem de pet care do Gamellito faz com que se gere um sentimento de empatia para com o visitante espacial.

Gamellito ainda está em fase final de desenvolvimento através da produtora Coffe & Coffe,  startup da Incubadora Internacional de Empresas de Base Tecnológica da Universidade Estadual de Londrina (Intuel). O desenvolvimento já dura quatro anos pelos estudantes do departamento de computação da UEL. Há duas versões do game: “Pró” e “Kids”.

A primeira é mais voltada para profissionais de saúde que desejam usar a aplicação como instrumento no tratamento das crianças mais jovens. Já a versão kids é recomendada para crianças como meio de diversão lúdica, de modo que pode-se jogar sozinha ou com acompanhamento dos pais. Se você ficou interessado em Gamellito, basta entrar em contato com os desenvolvedores através da página do game para ter acesso a uma versão de testes.

Abaixo tem um trailer de Gamellito Adventures:

Abragames renova a parceria com Apex-Brasil para ações comerciais de jogos brasileiros

O ano de 2018 foi extremamente positivo para as empresas brasileiras de games, pois foi nesta temporada que diversos jogos nacionais alcançaram fama no exterior graças as participações em eventos reconhecidos mundialmente. Para 2019 as perspectivas são ainda melhores, já que a Abragames renovou a continuidade do Projeto Setorial de Exportação Brazilian Game Developers, BGD, com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos, Apex-Brasil.

“Trata-se de uma parceria que vem melhorando ano a ano como podem mostrar os resultados de presença de empresas no mercado externo e do conjunto de parceiros que o setor de games conseguiu articular em torno do projeto. Esse é um sinal de quão vibrante e promissor tem sido o segmento de desenvolvimento de games no Brasil e sua vocação global”, afirma Christiano Braga, coordenador de Projetos Setoriais de Serviços e Economia Criativa da Apex-Brasil.

A parceria entre a Abragames e a Apex-Brasil visa impulsionar a competitividade internacional dos jogos brasileiros. Para tanto, além de ajudar a promover os jogos em âmbito nacional, ocorrerão as famosas comitivas para levar os jogos brasileiros para os grandes eventos da América do Norte de da Europa.

De acordo com a Abragames, a parceria com a Apex-Brasil está renovada para até 2020. Além disso, o novo convênio prevê ainda apoio individualizado para até 8 empresas, contratação de assessoria e PR Internacional. Neste aspecto as informações ainda são escassas, mas as novidades serão reveladas em breve.

Abaixo estão as ações previstas da Abragames para 2019/2020:

Kidscreen Summit 2019/2020
Onde: Miami, Florida, USA
Quando: Fevereiro

Game Connection America 2019/2020
Onde: São Francisco, Califórnia, USA
Quando: Março

GDC – Game Developers Conference 2019/2020
Onde: São Francisco, Califórnia, USA
Quando: Março

PAX East – Peny Expo Arcade East 2019/2020
Onde: Boston, Massachusetts, USA
Quando: Março

BIG Festival 2019/ 2020
Onde: São Paulo
Quando: Junho

China Joy – China Digital Entertainment Expo and Conference 2019/2020
Onde: Xangai, China
Quando: Agosto

Gamescom 2019/2020
Onde: Gamescom, Colônia, Alemanha
Quando: Agosto

XDS – External Development Summit 2019/2020
Onde: Vancouver, Canadá
Quando: Setembro

Olinda Games Week – evento de games ocorre em paralelo ao Carnaval 2019

O Carnaval de Olinda no Pernambuco é um dos mais tradicionais do Brasil e as coisas prometem ser ainda mais agitadas em 2019, pois a festança não envolverá apenas os tradicionais bonecos, abadás e o frevo. Em 2019 os games também terão espaço graças ao 1º Olinda Be Geek, que terá um painel chamado Olinda Games Week.

O Olinda Games Week terá sede no Sítio de Seu Reis / Praça do Carmo durante o período carnavalesco, de 02 a 05 Março de 2019. Para participar da arena Brasil os jogos devem ter sido lançados no período de janeiro de 2017 até janeiro de 2019. A organização está por conta da Abragames.

Para participar do Olinda Games Week somente é necessário preencher um formulário disponibilizado pela Abragames. A expectativa é que o evento reúna fãs e entusiastas por videogames que querem conhecer novos produtos nacionais. A ideia tem tudo para dar certo, pois tanto o público carnavalesco quanto o público gamer geralmente são compostos de pessoas jovens e abertas a novas experiências audiovisuais.

Para inscrever seu game, clique aqui.

Serviço – Olinda Games Week

Quando: 02 a 05 de março de 2019

Onde: Sítio de Seu Reis / Praça do Carmo – Olinda, Pernambuco

Conheça Blazing Chrome, o novo jogo da JoyMasher para fãs de shooter 2D

Desenvolver um game indie do zero e conquistar a aclamação da mídia especializada e do público não é tarefa fácil, mas há alguns truques que podem facilitar o percurso. A JoyMasher é um case de sucesso que merece especial atenção, afinal foram eles os criadores de Oniken, um dos jogos indies mais baixados da atualidade.

Criado pelo casal Danilo Dias, 31, e Thais Weiller, 31, em meados de 2012 na cidade de Curitiba, PR, a JoyMasher logo alçou sucesso nacional graças ao seu foco na produção de jogos com estética retrô. Após o lançamento de Oniken (2012) e Odallus (2015), o estúdio se prepara para lançar seu terceiro e mais ambicioso título: Blazing Chrome.

O novo jogo é um shooter em side-scrolling repleto de ação que lembra bastante a era de ouro da geração 16-32 bits como os jogos Contra e Metal Slug. A grande diferença é sua estética voltada para o vintage, que remete à era de ouro dos jogos àrcades em progressão lateral. O game chega para as plataformas PC, PS4 e Switch no início de 2019.

Para quem não conhece, em Blazing Chrome os jogadores devem desbravar uma variedade incrível de fases recheadas com cenários mortais, desafios cheios de armas e máquinas, e personagens fascinantes, como Mavra, a última humana sobrevivente nesse cenário pós-apocalíptico, e Doyle, um divertido e briguento robô insurgente. Para adicionar o game à sua wishlist no Steam basta clicar aqui.

Abaixo tem um trailer de Blazing Chrome: