Arquivo da tag: global game jam

Global Game Jam ocorre entre 23 a 25 de janeiro na Unicamp

Quem esperava o evento Global Game Jam já pode ir se preparando: nos próximos dias 23 a 25 de janeiro a Unicamp será uma das sedes da maior game jam do planeta. Quem já participou e acompanha, sabe que o evento é uma mega maratona de desenvolvedores indie para a criação de jogos em pouco tempo. A organização internacional está por conta da Global Game Jam Inc, empresa sediada na Califórnia, EUA.

Confira a lista completa das sedes brasileiras da Global Game Jam.

Como de praxe, os desenvolvedores terão o prazo de 48 horas para desenvolver um game completo que siga o tema proposto pela organização. Toda a comissão de organização na Unicamp é formada por membros do Gamux – uma instituição estudantil organizada na forma de uma escola interna de desenvolvimento de jogos; que visa oferecer aos estudantes da Unicamp a oportunidade de participar do processo de produção dos mesmos.

De acordo com a organização o cronograma inicia com os estudantes se reunindo na sexta-feira à tarde para assistir um breve vídeo que contém dicas e conselhos para a maratona que vêm pela frente. Em seguida o tema é anunciado. A previsão é de reunir cerca de 100 estudantes, que poderão utilizar as salas de desenvolvimento e as salas de descanso preparadas para quem vêm de fora da cidade.

Para ter ideia da grandiosidade do evento, em 2012 cerca de 50 países participaram do evento com 242 sedes e no período do evento foram criados cerca de 2000 jogos (um recorde mundial). Muito além de criar jogos, o Global Game Jam acaba contribuindo para formar novos contatos profissionais, desafiar os desenvolvedores intelectualmente, explorar novas tecnologias. O espírito não é de competição, mas sim de colaboração.

O evento ocorre dentro da FEEC (Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação) dentro da Unicamp, nas salas FE11, FE12, FE21, FE22, FE23, tendo início às 16, com a liberação do tema pela organização internacional do evento às 17h. Para participar, basta fazer a inscrição no site da Gamux.

Confira a lista completa das sedes brasileiras da Global Game Jam.

Escola de desenvolvimento de Jogos da Unicamp sedia workshop internacional de criação

HomeImage

O mês de janeiro é especialíssimo para os desenvolvedoires de jogos do Brasil, pois a Global Game Jam tem data marcada para ocorrer entre os dias 24 e 26. Para quem não conhece, a GGJ reúne estudantes, aspirantes e profissionais do setor de jogos que buscam aumentar expandir suas redes de contatos, conhecer o mercado e trocar experiências e técnicas de produção.

O evento ocorre na Unicamp e tem apoio das gigantes do desenvolvimento Microsoft e Mozzilla Corp. Além da oportunidade de interagir com outros developers, a GGJ também conta com uma Game Jam (daí o nome do evento), uma maratona de 48 horas para que os visitantes criem um game do zero. A Unicamp participa do encontro atravé do Gamux, uma Escola Interna de Desenvolvimento de Jogos da própria Unicamp que tem apoio de empresas como a Nokia e a Blackberry.

O tem dos jogos a serem desenvolvidos é lançado para todas as sedes do Global Game Jam simultaneamente. A partir daí, cada equipe tem o prazo de 48 horas para desenvolver um jogo inteiro e funcional baseado em tal tema. Os games são publicados no site do evento com link para download. A ideia é que os participantes façam um netwok bacana e ainda mostrem seus talentos no ramo de desenvolvimento de jogos.

Desenvolver um jogo inteiro, com uma temática muitas vezes difícil num intervalo de tempo de apenas 48h pode ser bem desafiador. Entretanto é exatamente esse aspecto de ‘missão impossível’ que ajuda a reforçar o espírito de cooperação e inovação que a Global Game Jam procura incentivar. A colaboração está presente em todas as etapas do evento, desde as inscrições, que são gratuitas, até no fato de que todos os jogos serão publicados, não se tratando de uma competição“, disse Bruno Melo, diretor executivo do Gamux.

Para participar do Global Game Jam basta fazer a inscição no site oficial. O melhor é que a inscrição é gratuita. Mas seja rápido, pois as vags são limitadas.

 

Serviço: Gamux – Global Game Jam

Data: de 24 de janeiro às 19h, às 19h de 26 de janeiro

Local: Instituto de Computação da Unicamp (IC) Av. Albert Einstein, 1251 – Cidade Universitária, Campinas/SP – Brasil.

Inscrições através do site http://www.gamux.com.br/eventos/globalgamejam2014/

Vagas: 200

Mais informações: por e-mail contact@gamux.com.br ou pelo site http://www.gamux.com.br/

Fatec de São Caetano do Sul também participará do Global Game Jam 2013

Fatec Global Game Jam

Outra grande instituição de ensino que confirmou sua participação no Global Game Jam 2013 foi a Fatec de São Caetano do Sul, que abrirá suas instalações para atividades como workshops e aGame Jam. Os afazeres na Fatec estarão em sincronia com o GGJ mundial, a Jam que reúne milhares de pessoas em todo o mundo para a produção de jogos. Como todos sabem o Global Game Jam irá ocorrer entre os dias 25 e 27 de janeiro de 2013 e deve reunir muita gente deve participar na maior Jam do planeta para criar jogos independentes.

O Global Game Jam começou em 2009 e já chegou a reunir cerca de 6500 participantes de 44 países na edição de 2011 para a produção de mais de 1500 jogos em apenas 48 horas. Para este ano o objetivo é semelhante, ou seja, participantes devem se reunir numa Jam global para a criação de bons jogos em apenas 2 dias, fazendo bons contatos e aprendendo novas técnicas de desenvolvimento. Diferente de outros eventos, a GGJ não é uma competição, mas sim um evento de integralismo entre os participantes.

Na etapa de São Caetano, os interessados devem se inscrever no site dedicado. O página também contém algumas informações importantes e orientações que os jammers devem prestar atenção, como levar seus próprios equipamentos, e sobre a alimentação e dicas de segurança.

O desenvolvimento em si tomará inicio às 17hs da sexta-feira (25), com a criação dos grupos e temas, e só terá fim no domingo (27) às 15hs, quando os jogos prontos serão enviados ao site do evento. Vale informar que a equipe de vigilância será instruída a não abrir os portões no período das 23hs às 7hs de forma a manter um mínimo de segurança.

Abaixo você confere o cronograma das atividades previstas durante o Global Game Jam na Fatec de São Caetano do Sul:

Serviço:

Global Game Jam 2013 – Fatec São Caetano do Sul

Rua Bell Aliance, 225, Jardim São Caetano, São Caetano do Sul, SP


19 e 20/01 – sábado e domingo

8h às 18h – workshops de aquecimento (programação a confirmar)

25/01 – 6ª feira
15h – início do registro dos jammers, instalação de equipamentos
17h – abertura oficial do evento, com a divulgação inicial do tema para o desenvolvimento do game
17h15 – início dos trabalhos
23h – fechamento da portaria para entrada no prédio

26/01 – sábado
7h – reabertura da portaria para entrada no prédio
23h – fechamento da portaria para entrada no prédio

27/01 – domingo
7h – reabertura da portaria para entrada no prédio
17h – final do prazo para desenvolvimento; mostra de jogos

Escola de desenvolvimento de jogos da Unicamp promove Global Game Jam

global game jam

Anote na agenda: entre os dias 25 e 27 de janeiro de 2013 o Instituto de Computação da Unicamp será uma das sedes do Global Game Jam, um evento anual que reúne estudantes e profissionais da área de jogos para debates e criação de jogos. Em edições anteriores, o evento já chegou a reunir pessoas de 47 países para a produção de mais de 2000 games em um único final de semana.

Em 2013 a intenção é encontrar talentos promissores da área de jogos eletrônicos que devem encarar o desafio de criar um game em 48 horas. Além disso, o evento contará com uma palestra bastante interessante que irá tratar da “Trajetória Profissional na Indústria de Vídeo Games” e será ministrada pelo Gerson de Souza, gerente executivo da Associação Brasileira das Desenvolvedoras de Jogos Eletrônicos, (a Abragames).

De acordo com a organização, esta é uma grande oportunidade para que os aspirantes a desenvolvedores conheçam novas técnicas de produção, melhorem suas listas de contatos e conheçam mais sobre a indústria.

Para Bruno de Melo, diretor executivo do Gamux (Escola Interna de Desenvolvimento de Jogos da Unicamp), o Global Game Jam é antes de tudo uma chance de os participantes ampliarem seus horizontes de trabalho. “Atualmente os jogos para celulares e tablets representam 58% do mercado de games para dispositivos móveis, e a tendência é que esse percentual aumente em 2013. Por isso grandes empresas do setor investem em eventos que revelem talentos capazes de criar jogos que se tornarão febre”, revelou Bruno.

O evento pode não ser muito conhecido no Brasil ainda, porém já conta até com patrocinadores de renome como a Microsoft e a Mozilla Corporation.Interessados em participar do Global Game Jam devem preencher uma ficha no site do evento, porém devem ser atentos, pois as vagas são limitadas a apenas 120 participantes e somente poderão ser preenchidas até o dia 25 de janeiro de 2013.

Gamux – Global Game Jam

Data: de 25 de janeiro às 19h, às 19h de 27 de janeiro de 2013
Local: Instituto de Computação da Unicamp (IC) Av. Albert Einstein, 1251 – Cidade Universitária, Campinas/SP – Brasil.
Parcerias: Abragames, Blackberry, Nokia, RedBull, Sintonia Universitária.

Audaciosamente indo onde nenhum desenvolvedor jamais esteve!

Por Renato Degiovani, especial para o GameReporter

Quando propus a questão do jogo sem narrativa embutida, descrita no post “Não, não se trata de criar a Skynet!” estava na verdade fazendo uma provocação ao Arthur Protasio e seus instigantes vídeos sobre narrativa. Todo exercício de raciocínio deve ser levado ao extremo das suas possibilidades, para que deles possamos tirar algum proveito ou aprendizado.

Isso quer dizer que não acredito numa solução para a proposta? Bem, sempre há alguma esperança. E não, não estou dizendo que isso é a salvação da pátria para nenhum jogo ou desenvolvedor. É apenas uma (como tantas outras) importante forma de entender como as coisas funcionam, no mundo da criação. Afinal, todo mundo quer que o seu jogo seja considerado “o” máximo dos máximos, em termos de diversão e entretenimento.

Sempre que entro no modo introspecção analítica e incorporo o caboclo narrativa, tento ir reduzindo as características do “jogo” (jogo aqui no sentido conceitual) até o ponto em que a narrativa embutida tenda a zero. O jogo seria, como já disse, basicamente um sistema de aprendizado.

Se você leitor assistiu ao recente filme Real Steel, no qual um garotinho “treina” o seu robô de luta, está perto de entender o que estou dizendo. No filme, o robô opera em dois modos: luta e aprendizado. No modo aprendizado ele registra e repete todos os movimentos do garoto, ampliando assim a sua base de dados para usar no modo luta. Espero que tenha percebido a sutil diferença entre programar os movimentos do robô e ensiná-lo a movimentar-se.

No início do jogo é como se o jogador estivesse diante de uma página em branco. Ops! A página já é um princípio de narrativa embutida, pois ela define não apenas limites mas o que é possível ou não de ser produzido ou reproduzido nela.

No meu caso, por lidar com jogos de computador, termino (ou começo) sempre numa tela preta, com um cursor piscando no canto inferior esquerdo. Ops! Ok, ok, vamos dar um pequeno desconto aqui, senão teremos que partir para o uso da imaginação como sendo a interface do jogo e ai vai ser preciso mais maionese que o normal, para a viagem.

Na tela preta consigo visualizar o que está por trás: um sistema de aprendizagem, que receberá as orientações de “como fazer”. Mas sem nenhum enredo ou ponto pré definido, que direção o jogador vai tomar? O que ele vai fazer? O que passará pela sua imaginação, naquele instante?

Aposto 100 contra 1 que muitos nesse ponto dirão: isso não tem a menor graça e o jogador vai desligar o monitor ou vai jogar outra coisa (paciência?) ou pior ainda, vai para as redes sociais falar mal do nosso jogo: não tem nada lá, só uma tela preta.

Ótimo isso, pois assim ficamos só uns 3 ou 4 que entenderam o exercício e toparam ir adiante. Então vamos.

A amplitude das possibilidades é tamanha que fica difícil resistir à tentação de impor alguma regra inicial. Se você pensou em medieval, espacial ou segunda guerra, errou feio. Qualquer “tema” desses nos obrigaria a definir inúmeras outras regras e sub regras, mais regras da regra, exceções, etc.

Precisa ser algo mais simples, mais direto e mais objetivo. O que nos sugere a página em branco? Ou o monitor com a tela preta? Como tirar algo do nada e que seja ao mesmo tempo instigante e divertido? Estamos no km zero da estrada e o que vier à frente é lucro.

Difícil? Complicado? Impossível? Quer pensar mais um pouco antes de prosseguir? Eu espero. Assim, quem sabe a gente sai um pouco do campo das especulações e entra no campo da experimentação prática.

Enquanto isso não acontece…

É aqui que eu disse anteriormente que (ainda) não tinha encontrado uma solução que me agradasse realmente, mas alguns indícios apontam em uma das possíveis direções. Pelo que me recordo, as poucas vezes em que estive diante da página em branco, digo, do monitor preto, (filosoficamente falando) foi quando iniciei a criação de um jogo.

Mais até do que o resultado final, o processo de construção do jogo foi pra lá de divertido. E realmente foi uma partida do zero, sem ter muitas definições ou amarras. Afinal, tudo o que foi definido e estabelecido (narrativa embutida) foi feito depois de iniciado o processo e portanto criar a narrativa embutida fez parte da narrativa emergente (fala a verdade, você não esperava por essa, não é mesmo?).

Mas, mas, mas… Criar um jogo não é jogar. Jogar é essencialmente competir (consigo mesmo, com o computador ou com outros jogadores).

Será mesmo? Não? Não mesmo? Já ouviu falar em Global Game Jam? Subverti as regras? Mudei o paradigma? Trapaceei? Bem, James T. Kirk fez o mesmo no teste do Kobayashi Maru e…

Global Game Jam 2012 abre inscrição para espaços

O Global Game Jam 2012 ainda não tem lugares definidos para acontecer, mas a organização do evento mundial está convidando instituições e espaços interessados em sediar a edição 2012.

Para quem não conhece, Game Jam é aquele tipo de maratona de desenvolvimento. A inscrição em questão, que estamos noticiando, ainda não é para os desenvolvedores, e sim para espaços que queiram promover o evento.

É o seu caso? Conhece algum lugar legal que está disposto? Passe o link abaixo para o responsável e peça para que ele realize a inscrição.

O site oficial do Global Game Jam informou que para os “jammers” (gamedevs) as inscrições começam em novembro, ficaremos de olho.

:: Inscreva um espaço no GGJ 2012

Gamedevs filmam trabalho em Global Game Jam, confira o vídeo

Aqui no GR a gente costuma guardar um vídeo para apresentar na sexta-feira, mas alguns são tão bons e interessantes que não podem esperar.

É o caso do vídeo criado por três desenvolvedores da Cryptic Studios (subsidiária da Atari que trabalhou em City of Heroes), que participaram da Global Game Jam e filmaram o progresso de seu pequeno projeto indie.

O resultado foi um vídeo timelapse, uma compilação de sete minutos mostrando os principais momentos das 48 horas de trabalho de Jimb Esser, James Laird e Nick Duguid.

Gostou do vídeo? O game Benny Lava pode ser baixado de graça aqui.

[Via Kotaku]

Campeonato de desenvolvimento indie acontece no fim de semana

O professor Bruno Campagnolo de Paula, da PUCPR, entrou em contato conosco para avisar que a próxima edição do Global Game Jam acontece neste fim de semana.

O evento organizado mundialmente coloca equipes de desenvolvimento independentes trabalhando em um game em apenas 48 horas, com temática a ser definida no local.

Segundo Bruno, o evento acontecerá em mais de 40 países. Para se ter uma idéia, na edição do ano passado foram 4000 participantes, em 140 locais, gerando 900 jogos. Espera-se que este ano sejam mais de 5 mil desenvolvedores, espalhados em 170 lugares e rendendo cerca de 1.000 jogos.

A PUC do Paraná é uma das maiores sedes mundiais, com 100 vagas. O evento começa às 17 horas da sexta-feira, com uma palestra de Keita Takahashi, criador de Katamari Damacy, que será transmitida para todas as sedes. Acaba no domingo às 17 horas, com a apresentação dos resultados obtidos.

Mais informações sobre o Global Game Jam podem ser obtidas no site do evento. No site criado para a divulgação do GGJ em Curitiba a informação é que as inscrições estão encerradas. Porém, o professor Bruno contou que existe uma lista de espera que encaixará participantes em vagas que não forem confirmadas ainda hoje.

E aí, algum leitor nosso participará?