Arquivo da tag: games

Após massacre em Oslo, 51 jogos são “proibidos” na Noruega

O que acontece quando uma grande tragédia acontece? Sim, a sociedade se volta para ao “males dos videogames”. Isto não foi diferente com o caso de Anders Behring da Noruega que matou pelo menos 91 pessoas em Oslo.

Diversas lojas do país retiraram de suas prateleiras nada menos que 51 jogos, o curioso é que as lojas tomaram esta ação sem que a opinião pública ou o governo proibissem a venda desses jogos. Continue lendo Após massacre em Oslo, 51 jogos são “proibidos” na Noruega

Pesquisa curiosa diz que jogadoras online preferem games a sexo

Mulheres que jogam games online preferem suas partidas via internet a outras atividades como tomar banho, fazer compras, malhar e sexo. É o que diz uma pesquisa comissionada pela Doritos e que entrevistou 2.052 pessoas.

O universo pesquisado é pequeno, mesclou homens e mulheres, e apontou, ainda, que do público entrevistado, 50% dos homens joga online, e 49% das mulheres fazem o mesmo.

Segundo o site inglês MCV, das mulheres jogadoras, 84% dizem adorar jogar online, 75% declararam gostar de tomar banho, 71% afirmam gostar de compra, 70% comentaram gostar de sexo e, por fim, 62% disseram gostar de malhar.

Dos dados realmente relevantes descobertos, as mulheres jogam online por mais tempo que homens. De todos os entrevistados, a média de tempo jogando foi de 3,5 horas por semana, sendo que 23,1% de todo o tempo que a mulher gasta online é com games, comparado com 22,3% para homens.

Curso de Criação de Games em São Paulo (SP)

Nos dias 18, 20, 22, 25, 27 e 29 de julho, entre as 19h e 22h, acontece em São Paulo (SP) o curso de Criação de Games, da Intermeios.

Ministrado pelo professor Luiz Carneiro, o curso dará ao estudante a base para a criação de protótipos de games de baixa fidelidade (tabuleiro), abordando teorias dos games, dos meios de comunicação e também referências artísticas.

Serão abordadas propriedades específicas de um projeto de games, entre elas conceito, narrativa, documento de design de game e iteração, inclusive a partir de exames de jogos clássicos de variadas plataformas, seja via consoles originais, seja via emuladores.

O curso custa R$ 150, a inscrição pode ser feita a partir do site da Intermeios, que traz informações adicionais.

A Intermeios fica na ua Luís Murat, número 40, em Pinheiros, São Paulo (SP). O telefone é (11) 2338-8851.

Google busca gerente de produto para área de games

A gigante das buscas, Google, divulgou em seu portal uma vaga de trabalho para o escritório californiano, em que procura um gerente de produto para o setor “Games at Google”.

Na descrição da vaga, a companhia diz que procura alguém que tenha uma visão estratégica, técnica e ame games para modelar uma estratégia de jogos para a companhia. O funcionário criará estratégia para distribuição e descoberta de jogos, identidade de jogadores, mecânica de games e mais.

A descrição da vaga cita uma plataforma de games social, mas não se aprofunda muito em detalhes, sendo assim precisaremos esperar para ver o que a companhia planeja para o futuro.

[Via Eurogamer]

Um panorama sobre o desenvolvimento de games para iPhone

Vitor Almeida da Silva, do site VSoftGames, publicou ontem um artigo interessante em que aborda um pouco o desenvolvimento de jogos para iOS (o sistema do iPhone, iPod touch e iPad).

A ideia é que o artigo dê um panorama atual do mercado de games para o portátil a quem quer que esteja pensando em começar a desenvolver pela plataforma.

Como pano de fundo, Vitor usou o aprendizado da MyPlay Mobil, empresa em que trabalha, que criou nove projetos para o portátil, e ainda cita cases de sucesso como o famoso Angry Birds.

:: Leitura altamente recomendada

Novas oportunidades para trabalhar com games no Rio de Janeiro

Duas vagas para quem quer trabalhar com games surgiram nas redes sociais, ambas para o Rio de Janeiro.

A Nano Games procura um estagiário em desenvolvimento de jogos, para trabalhar no centro da capital carioca. A remuneração é bolsa-auxílio de R$ 800, por carga horária de 6 horas/dia.

É preciso conhecimento em linguagem de programação orientada a objetos, estar cursando preferencialmente do 3º ao 7º período de faculdade de informática.

Mais detalhes sobre a vaga podem ser obtidas no LinkedIn.

A Iterum Game Studio procura ilustrador, programador e designer gráfico. O ilustrador precisa ter habilidades na criação de personagens, cenários, ilustração vetorial e 3D e também animação e, Flash. Já para os designers, pede-se habilidades em design de interface, animação em Flash e Webdesign.

Os programadores devem conhecer AS3, Java, C++ e UDK. Mais informações sobre a vaga podem ser obtidas via Facebook.

Psicólogo pesquisador de games fala sobre “fenômeno de transferência dos games”

Mark Griffiths é professor de psicologia e pesquisador de videogames na Nottingham Trent University, no Reino Unido, e está prestes a publicar um novo estudo bem interessante.

Griffiths cunhou um novo termo chamado “fenômeno de transferência dos games”, um efeito psicológico que ainda não havia sido abordado, e que consiste na transferência de elementos de games para a vida real, refletindo em sensações posteriores, pensamentos e ações por parte do jogador, mesmo quando não está jogando.

É como se um gamer passasse um tempão jogando um game e depois, quando fechasse os olhos – por exemplo – visse o jogo ou sentisse como se estivesse jogando ainda. São pensamentos intrusivos, sensações, impulsos, reflexos e ilusões ópticas, com base em uma pesquisa com 42 gamers suecos de idades entre 15 e 21 anos.

Um dos pesquisados, de 15 anos, teria afirmado que depois de muito jogar passou a ver barras de vitalidade em cima da cabeça de pessoas reais. Bizarro? Bastante, mas quem aqui nunca foi dormir e, ao fechar os olhos, sentiu como se estivesse jogando?

O universo pesquisado também é pequeno e não serve como conclusão de que o problema existe, mas é uma abordagem diferente do efeito dos videogames na saúde e reflexos dos jogadores.

Quem aqui já passou por algo parecido?

[Via Boston Globe]

Analista diz que lentidão de adoção de 3DS se dá por falta de games atraentes

O analista Michael Pachter admitiu que o lançamento do 3DS não foi tão bom como poderia ter sido, e atribuiu a lentidão inicial a falta de jogos atraentes o suficiente para o grande público.

Pachter afirmou que a falta de softwares fortes e o hardware de preço alto foram os motivos que afastaram os compradores, mas acredita que uma vez que um game de peso apareça o quadro pode mudar.

“Uma vez que um software matador para o 3DS lance (como o Kid Icarus), a venda de hardware deve crescer substancialmente, e a contribuição de software para 3DS tem o potencial de direcionar as vendas de toda indústria de softwares”, comentou.

E você, acha que Pachter tem razão? Ou o 3D em games ainda não é um efeito tão desejável assim?

[Via VideoGamer]

Humble Frozenbyte Bundle fecha com quase US$ 1 milhão de doações

O modelo “pague o quanto quiser” atrelado ao esforço de caridade, promovido pelo Humble Bundle, deu certo mais uma vez.

Os organizadores do pacote Humble Frozenbyte Bundle, que noticiamos aqui no GR há alguns dias, fecharam a conta e informaram que arrecadaram US$ 909 mil, ou seja, quase um milhão de dólares. O número impressiona, principalmente pelo fato de que convida o jogador a decidir qual o valor justo pelos games.

A maior quantia paga pelos cinco jogos, da Frozenbyte, foi de US$ 2.222,22, feita por um jogador anônimo quando o período de compra estava prestes a se expirar. O valor arrecadado será dividido entre a Frozenbyte, duas instituições (Child’s Play e a Electronic Frontier Foundation) e a própria organização.

A fatia que cada uma recebe é desconhecida até o momento, já que o comprador podia definir, também, como o dinheiro pago seria dividido entre as partes.

8D Games procura ilustradores para trabalhar com games em São Paulo


O estúdio paulistano 8D Games está procurando um ilustrador apaixonado por games, com traço legal e formado na área de Design para integrar sua equipe.

É preciso ser recém-formado ou aluno do 6º semestre de Design Gráfico ou cursos afins, além de saber ilustrar em mapa de pixels e vetores, ter sólidos conhecimentos de Photoshop e Illustrator/Corel Draw, noções de frames de animação para games.

Os interessados precisam mostrar portfólio de trabalho, e melhor ainda se já tiverem experiência profissional com games e conhecimentos em Flash.

Quer se candidatar para a vaga ou passá-la para algum amigo? Aqui está o link para o envio de currículo.

Confira também a descrição da vaga no Facebook.