Arquivo da tag: feiras

IV Festival Games For Change América Latina ocorre na PUC-SP em Dezembro

Nos próximos dias 6 e 7 de dezembro a PUC-SP, campus Consolação, sediará o IV Festival Games For Change, o tradicional evento de jogos eletrônicos que apresenta tendências da gamification e games sérios. O tema deste ano é Gamificando a Internet das Coisas e serão realizadas palestras, simpósios, oficinas e, pela primeira vez, um pitching de projetos para selecionar games e apps para avaliação de possíveis investidores em parceria com a Broota Brasil e o Fórum Brasileiro de Competitividade em Internet das Coisas.

De acordo com a organização, no dia 6 haverá um simpósio às 14 horas com o tema “Cultura Digital e Saúde Individual, Coletiva, Pública e Socioambiental” com a participação de Marcelo de Vasconcellos (Fiocruz), Helena Morgani (Medicina, USP) e Alexandre Brandão (UFSCAR). Também haverá outro simpósio voltado para a “Edugamificação e Criatividade Tecnológica” com o Alexandre Sayad (MEL, Gelly Jam), Maurício Cardoso (Diversitas e História, FFLCH, USP), Sergio Bairon (Diversitas e ECA, USP).

Ainda no dia 16, haverá um simpósio às 17 horas falando sobre “Criptomoedas Digitais, Internet das Coisas e a Economia Política dos Games + Festa” com os profissionais José Roberto Amazonas (POLI, USP), Diego Viana (Diversitas, FFLCH, USP), Julio Lucchesi (Cidade do Conhecimento/Iconomia, USP), Zilda Iokoi (Diversitas, FFLCH,USP). A moderação dos debates fica por conta de Gilson Schwartz (ECA, Diversitas, FFLCH, USP), que é o organizador do Games For Change. Por fim, às 20 horas será realizado uma Game Party Surpresa no Campus.

Já no dia 7, o evento reinicia às 10 horas com o debate “Videogames, Aprendizagem e Memória” com o Ricardo Nakamura (POLI, USP), Joanne Garde-Hansen (University of Warwick), Karen Worcman (Museu da Pessoa). A partir das 14 horas começa o simpósio “Gamificação na Internet das Coisas” com Romero Tori (CEST, POLI, USP), Edison Spina (POLI, USP), Leandro Andrade e Victor Hugo Batista (iRIOT, USP), Frederico Rizzo (Broota Brasil). Às 17 horas haverá um debate de encerramento com o tema “Ensino de Game Design para Mudança: Jogos Sérios, Simuladores e Transmídia no Ensino Brasileiro (Ensino Técnico, Graduação e Pós-Graduação)” com os professores Luiz Carlos Petry (PUC-SP), Luiz Almeida (UNITAU), Marsal Avila Alves Branco (Feevale), Gilson Schwartz (Games for Change, USP), Randolph Aparecido de Souza (UNISO), Charles Madeira (Instituto Metrópole Digital, UFRN).

Para além dos debates, o Games For Change também contará com diversas oficinas em três laboratórios da PUC e também na Sala de estudos da Biblioteca. Cada uma das oficinas tem seu próprio tema e ocorrem nos períodos da manhã e tarde. Além disso, há um espaço para pitching e pôsteres em três salas da universidade. Esses pitchings e pôsteres terão seleção por meio de chamada pública e serão eleitos os melhores através de votos populares e comissão julgadora. Para participar, basta encaminhar o relato e pôster no email g4cal2014@gmail.com. Vale destacar que algumas dessas apresentações poderão ocorrer de maneira remota pelo Skype.

As inscrições para o simpósio custam R$ 100,00 e para participar do Pitching com Investidores, e ter acesso livre para o evento, basta inscrever-se no site do evento. No site também há diversas informações sobre o evento e as atividades programadas.

Recorde: Brasil Game Show recebe mais de 250 mil visitantes em sua sétima edição

A edição 2014 da feira Brasil Game Show atraiu um público recorde de 250 mil pessoas nos cinco dias de evento. Dificilmente este número será batido por outros eventos em muitos anos. Para se ter ideia, a edição do ano passado trouxe ao Expo Center Norte cerca de 150 mil visitantes. Veja mais fotos aqui.

Para alcançar tal número, a BGS contou com diversos lançamentos, incluindo jogos, acessórios e demais produtos para gamers. Além disso, houve campeonatos de jogos como Point Blank, Might & Magic: Duel of Champions. O evento contou ainda com a participação de produtores como Ed Boon de Mortal Kombat, Chance Glasco de Call of Duty, Peter Wyse de Sombras de Mordor e Manorito Hosoda de PES.

Sobre os jogos que agitaram a feira, destaques para Assassin’s Creed Unity, Batman Arkham Knight, Battlefield Hardline, COD: Advanced Warfare, Dragon Age: Inquisiton, Far Cry 4, Forza Horizon 2, Halo: TMCC, Mortal Kombat, X, Ori and the Blind Forest, Resident Evil: Revelations 2, Terra-média: Sombras de Mordor, The Crew, The Evil Within, The Order 1886, The Witcher 3 : Wild Hunt.

Mas não foram somente os grandes jogos, dentro da feira havia um espaço dedicado aos desenvolvedores independentes como Aritana e a Pena da Harpia, Garage227, Devolver Digital, TheGameWall, Gameblox, Swordtales, Fira Soft, Digiten, Reload e Gilp foram algumas das participantes. Os desenvolvedores puderam agendar reuniões com outras empresas, com a oportunidade de apresentar seus trabalhos.

Um das melhores áreas certamente foi a mostra “Evolução do Videogame”, trazida pelo colecionador Marcelo Tavares, diretor e idealizador do Evento. Marcelo é o maior colecionador de games do Brasil, com mais de 350 consoles e mais de três mil jogos e acessórios. Ele disponibilizou mais de 120 consoles de seu acervo pessoal para que os visitantes pudessem ver de perto os aparelhos de cada uma das oito gerações do videogame. Além disso, uma área de Arcades com dezenas de máquinas de Fliperama estava à disposição dos visitantes.

Com o sucesso desta edição, a organização já confirmou a edição 2015. Irá ocorrer entre os dias  08, 09, 10, 11 e 12 de Outubro de 2015 e contará com a mesma área utilizada no Expo Center Norte, em São Paulo. Nos vemos por lá!

Jogos Ativos: PUCPR sedia evento voltado a games e saúde

Durante os dias 19 a 21 de setembro a cidade de Curitiba sediará o evento Jogos Ativos: Possibilidades e Implicações para a Promoção, Tratamento e Reabilitação no Contexto da Saúde. O evento tem como objetivo reunir profissionais da área da saúde e computação para criar e discutir jogos que utilizem o corpo, ou seja, algo que vai de acordo com as intenções da Nintendo.

O evento ocorre no Ginásio de Esportes da PUCPR, em Curitiba. Nesses três dias de evento ocorrerão palestras e tutoriais voltados aos públicos de ambas as áreas e uma Game Jam com duração de 40 horas, cuja finalidade é criar um “exergame”. Para  participar do evento, basta preencher uma ficha de inscrição no site oficial.

O Jogos Ativos promete dois prêmios muito interessantes para os melhores desenvolvedores. A primeira é a premiação SENAI, que confere uma pré-qualificação para a equipe vencedora para a etapa final do processo seletivo da Incubadora SENAI, que ocorre em fevereiro de 2015. Além disso, os desenvolvedores ganham 1 mês de participação gratuita no Clube do Empreendedor SENAI durante o segundo semestre de 2014.

Há ainda a premiação Unity, que dá ao time vencedor uma licença completa da última versão da ferramenta de desenvolvimento Unity, uma das engines mais utilizadas nos últimos tempos e que está sendo cada vez mais solicitada no portfólio de profissionais por estúdios de games no Brasil.

Serão vendidos quatro tipos de ingressos para o evento, sendo eles Game Jam, Acadêmico PUCPR, Público Externo e Evento Completo. Cada um tem seu preço afixado e serão comercializados em três lotes (julho, agosto e setembro), com variações de preços. Então é bom ficar de olho! As inscrições se encerram em 14/09.

Serviço: Jogos Ativos

Onde: Rua Imaculada Conceição, 1155, Prado Velho, Curitiba – PR.

Quando: de 19 a 21 de setembro

Contato: jogosativos2014@gmail.com

Dez games indies que marcaram a E3 2014

A E3 2014 já se foi e provavelmente tem muita gente falando de jogos AAA, afinal o evento deste ano foi ótimo para todas as empresas. Apesar de todos estarmos ansioso por Halo 5, Legend of Zelda, Uncharted 4, Mortal Kombat X ou Shadow of Mordor, o fato é que não é apenas de games de alto orçamento que se faz a maior feira de jogos eletrônicos do mundo. Na verdade, há centenas de estúdios independentes trabalhando com as grandes publishers a fim de trazer grandes jogos para nossos consoles e ganhar um espaço ao sol.

Diferente da E3 2013, o evento deste ano trouxe muitos jogos indies que parecem no mínimo promissores. Veja só que a importância desses games é tal que eles até ganham espaço nas grandes conferências, como o da Microsoft que anunciou pelo menos 41 jogos indies para o Xbox One neste ano, algo impensável de se ocorrer há alguns anos atrás.

Resolvemos eleger os 10 games indies que mais nos deixaram curiosos na E3 2014. Fique de olho, pois esses games prometem experiências das mais gratificantes para os novos consoles:

White Night

White Night é uma criação do estúdio francês “O Some”. O título apareceu para o Xbox One meio que de surpresa, apesar de já estar em desenvolvimento para PCs há algum tempo. A primeira coisa que chama a atenção é seu estilo noir e o pouco uso de cores (na verdade o game é todo construído em branco e preto).

De acordo com os desenvolvedores, o game é um survival horror com referências ao expressionismo alemão e à obra de Alfred Hitchcock. O que sabemos da trama é que tudo se passa na década de 30 e vamos controlar um homem que está perdido na noite e busca refúgio em uma velha mansão. Neste ambiente escuro a sobrevivência do protagonista depende do uso constante de luz, pois o escuro torna-se fatal.

A partir deste ponto é necessário resolver puzzles com o uso de fontes de luz, mesmo que seja um mero fósforo. Ao solucionar os puzzles, o protagonista vai descobrindo antigos segredos que a mansão guarda. O estilo artístico e o clima de suspense são de tirar o fôlego e se o projeto for tão ambicioso quanto aparenta, certamente será um dos games mais comentados do ano.

Cuphead

Cuphead também foi apresentado para o Xbox One. À princípio parece um desenho de Walt Disney da era de ouro (até mesmo o design do personagem com o short vermelho lembra o Mickey Mouse), até que você se dá conta que o que foi apresentado é um gameplay. No breve vídeo vemos o pequeno Cuphead enfrentando criaturas demoníacas num estilo de shooter misturado com plataforma.

O game parece uma homenagem à infância de muita gente, desde o estilo Disney, ao som em piano e à jogabilidade oitentista. Muitos acharão estranho que o Studio MDHR aposte em um visual tão datado agora que as plataformas são capazes de reproduzir gráficos foto-realistas, entretanto o que vale aqui é a sensação de nostalgia. Apostamos que Cuphead tem tudo para ganhar o título de primeiro desenho jogável da história.

Might No.9

Em 2013 Keije Inafune conseguiu um feito impressionante: obteve êxito em sua campanha no Kickstarter em apenas dois dias. O dinheiro serviu para tornar realidade o projeto Might No. 9. O motivo para sucesso tão meteórico era simples: Inafune foi o criador de Megaman e o novo game do desenvolvedor tinha mais do que algumas semelhanças com o mascote da Capcom.

Megaman não ganha um jogo novo há alguns anos, fato que entristeceu muitos de seus fãs. Para piorar a situação, a Capcom parecia tratar com muita displicência o robô azul. Eis que Inafune saiu da empresa, aliou-se a Inti Creates (que já havia trabalhado na franquia Megaman) e lançou o projeto Might No. 9. Não é preciso ser um Sherlock para inferir que os “viúvos” de Megaman apoiariam Inafune rapidamente. O projeto ficou em desenvolvimento durante alguns meses sem mostrar a cara até que a E3 veio e pudemos ver o gameplay.

No game temos um robô azul que rouba poderes e enfrenta outros robôs perigosos em cenários repletos de armadilhas mortais. O design de fases, a trilha sonora e até os movimentos do protagonista são parecidos com os de Megaman. Não por acaso, muita gente faz coro ao dizer que o jogo de Inafune é o sucessor de Megaman e que a Capcom fez uma das maiores bobagens de sua história ao abandonar o mascote.

Se você é fã de Megaman é compra certa. O melhor é que Might ganha versão para praticamente todas as plataformas.

Grave

Grave tem versão para PCs e Xbox One e é um dos poucos jogos de horror a dar as caras na E3 2014, o que já lhe garante algum destaque. O game é cortesia do estúdio Broken Window e basicamente coloca o jogador num mundo aberto totalmente abandonado, ou nem tanto…

Durante o dia o jogador explora ambientes como desertos e casas abandonadas. Durante a noite tenta sobreviver a encontros contra estranhas criaturas que caçam o jogador impiedosamente. Essas criaturas reagem contra a luz da lanterna do jogador e os combates são realizados de forma a se utilizar a inteligência ao invés da simples força física.

O mundo de jogo está em constante alteração, criando um clima de desconforto e pouca segurança ao jogador. Em dados momentos, o jogo até lembra o clássico Slender, porém com um clima de mistério mais profundo e com a passagem do período dia-noite. Este é para os fãs de terror.

Another World

Another World não é uma novidade, visto que é um clássico dos anos 90 e já teve versão para várias plataformas ao longo dos anos. Felizmente, para os saudosistas, o time da Focus Home Interactive resolveu trazer o jogo para os consoles de nova geração Xbox One e Playstation 4.

Ao que parece, o game não terá mudanças radicais e não perderá o seu estilo gráfico apesar do poderio tecnológico das novas plataformas, entretanto pode-se deduzir que a jogabilidade não estará travada e que as cutscenes rodarão mais suaves. Não há como saber se esta versão será bem sucedida ou se há público para o jogo após todos esses anos, porém é bom ver que velhos clássicos não foram esquecidos. Quem sabe não surge uma versão HD de Heart of Darkness?

Bounden

Bounden não chegou a dar as caras em uma grande conferência, mas alguns poucos jornalistas ficaram sabendo desta engenhoca. Não se trata de um jogo na verdade, mas sim de uma aplicação para celulares que tenciona ensinar seus usuários a dançar. Sim, uma aplicação bem diferente do habitual e que tem tudo para fracassar, mas vamos dar o benefício da dúvida para este aqui.

No vídeo de apresentação da desenvolvedora Game Oven, podemos ver duas pessoas dançando atrapalhadamente enquanto seguram um celular. A ideia é reproduzir passos de dança de salão que foram coreografadas pelo Ballet Nacional da Holanda.

Muitos consideram que este é um método simples e eficaz para dançarinos de primeira viagem, outros estão céticos se os jogadores poderão reproduzir os passos sem o device em mãos posteriormente. Basicamente os dois jogadores seguram o celular e tentam centrar um círculo em uma esfera laranja de acordo com os movimentos pedidos.

Lifeless Planet

Lifeless Planet já foi lançado e pode ser adquirido pelos jogadores, porém foi na E3 que o game ganhou mais notoriedade. O jogo é tão somente sobre exploração. Temos um astronauta em um planeta distante que está em uma missão de busca por vida inteligente. A busca é solitária e bastante silenciosa, porém criativa e pouco habitual do que a indústria vem fazendo atualmente.

O objetivo do game é que o jogador desfrute da exploração e de elementos de sci-fi dos anos 50. Esses elementos até fazem lembrar algo de Shadow of the Colossus, mas sem as lutas com Colossus, é claro. A resposta a ser respondida com Lifeless é: o que você faria se pudesse explorar um planeta inteiro?

E sim, há sinais de que houve vida no planeta.

Ori and the Blind Forest

Ori and the Blind Forest foi um dos games que roubou a cena. Exclusivo do Xbox One, o game é produção do Moon Studios. Não foi revelado muito sobre o jogo a não ser o trailer que você verá abaixo. Ao que parece, trata-se de um jogo de plataforma com elementos de ação e uma história emocionante.

Chama atenção o estilo artístico cheio de efeitos de luz e sombra, a floresta cheia de vida e a arte que parece inspirada no diretor japonês Hayao Miyazaki. O produtor do game cita ainda outras referências para a obra como Super Meat Boy, Limbo e Metroid (todos games premiados).

No game temos a criatura pálida Ori e sua companhia na forma do que parece ser uma fada explorando uma densa floresta habitada por muitas criaturas fantásticas. Há combates e puzzles a serem resolvidos em um nível de dificuldade que deve surpreender até os jogadores mais experientes. Se o game for o que promete, certamente vai ser um dos melhores jogos indies da geração.

Ab-Zû

É extremamente difícil explicar o que é Ab-Zû, afinal o que foi mostrado parece um concept muito cru. Parece ser um game muito contemplativo e sem ação, porém o design é dos mais belos que vimos na E3. No trailer para o Playstation 4 vemos um mergulhado explorando as maiores profundidades do oceano, encontrando com baleias, tubarões e outros peixes. A coisa fica mais enigmática quando o personagem avista o que parece ser uma construção no fundo do mar.

O game é o primeiro trabalho do estúdio Giant Squid, que adiantou que o produto será uma aventura épica em que os jogadores encontrarão seres majestosos e segredos avassaladores escondidos no mar. O game tem inspirações em mitos populares e em mitos da mesopotânea. Enquanto novos detalhes não são divulgados, só nos resta imaginar que tipo de aventura nos aguarda nas profundezas desse “oceano de conhecimento”.

No Man’s Sky

No Man’s Sky surgiu ano passado e já parecia ótimo, mas seu retorno na E3 2014 serviu para mostrar que este ano em desenvolvimento apenas serviu para torná-lo ainda mais desejável. Basicamente temos uma mistura de exploração de diversos planetas com combates entre aeronaves no espaço infinito. O destaque fica para a parte de explorar os planetas, pois é onde podemos conferir alguns dos cenários mais interessantes já criados em videogames.

Nos planetas mostrados no evento pudemos ver dinossauros de outro mundo, uma espécie de serpente gigante no deserto e peixes abissais. Nosso único receio é que a parte de exploração seja mínima em prol de muitas horas de combate a borde de aeronaves, pois francamente esses combates parecem ser a parte menos divertida do game.

Apesar disso, o jogo terá momentos de ação fora da nave, visto que o astronauta é frágil e deverá sobreviver a diferentes perigos encontrados em diversos planetas. O jogo é produção do estúdio inglês Hello Games, que parece querer levar No Man’s Sky para os limites da interatividade dos MMOs.

Cada estrela no céu representa um sistema solar que pode ser explorado, promete a produtora. O título está confirmado apenas para o Playstation 4 ao que se sabe e deve ser lanaçado ainda em 2014. Será que é desta vez que vamos perder a vida social apenas para explorar mundos numa saga sem fim?

Dash Games: evento que reúne profissionais de jogos eletrônicos de vários países

Os jogadores da região de Porto Alegre terão um bom motivo para sair de casa nos dias 13 a 15 de maio: a data marca o início do evento Dash Games. Para quem não conhece, o evento reúne grandes nomes do desenvolvimento de jogos da América Latina. Além disso, em paralelo ocorrerá a quarta edição do BITS – Business IT South America. O local escolhido é o Centro de Eventos FIERGS.

Este será o primeiro evento internacional voltado exclusivamente para a indústria de jogos da América Latina. Haverá convidados de diversos países como EUA, Finlândia, Chile e Argentina. O evento propõe compartilhar e estudar a indústria local e seus aspectos como produção e mercado a fim de ampliar o conhecimento técnico entre estudantes, profissionais e desenvolvedoras.

As palestras serão realizadas nos três dias de evento, das 14h às 19h. Nos dias 14 e 15, das 9h às 12h, acontece o Match Making. De acordo com a organização, serão realizadas 15 palestras com desenvolvedoras nacionais e internacionais, além de publishers. O Match Making, citado anteriormente, será um encontro entre 18 empresas associadas com 13 publishers e investidores nacionais e internacionais.

Esse evento será um marco para o mercado do RS, pois a partir dele estaremos no mapa mundial de desenvolvedores de games. Já estamos sendo reconhecidos por varias empresas e investidores internacionais como possíveis parceiros e o DASH fortalecerá muito nosso ecossistema de produção”, disse Carlos Idiart, presidente da ADJOGOSRS.

As inscrições para o evento custam R$ 100,00 para empresas associadas à ADJOGOSRS e R$ 150,00 para o público em geral. Para se inscrever basta acessar o site do evento.

Palestras Dash Games

13 de maio

14h20 – Martina Santoro – Sócio-fundadora da OKAM Studio – Argentina

15h20 – Victor Hugo Queiroz – Modelador 3D – Brasil

15h55 – Edh Muller – Pré Lançamento Tormenta – Brasil

17h10 – Marco Galvão – Programador Joy Masher – Brasil

18h10 – Peter Vesterbacka – Vice-Presidente e Diretor de Marketing da Rovio Mobile. Criador do Angry Birds – Finlândia

14 de maio

14h20 – Agustín Cordes – Fundador do Senscape – Argentina

15h20 – Tiago Hoisel – Ilustrador – Brasil

17h10 – Mario Wynands – Diretor PIK POK – Nova Zelândia

18h10 – Steven Escalante – Fundador e  Gerente Geral da Versus Evil – Estados Unidos

15 de maio

14h20 – Sebastian Álvaro Gonzalez – Produtor – ACE Equipe Software – Chile

15h20 – Christopher Kastensmidt – Game Designer Ubisoft – Estados Unidos

16h10 – Palestra de Luiz Ojima Sakuda – Pesquisa da indústria de games no Brasil

17h10 – Team1CDD – Distorções: Um game brasileiro em 3D – Brasil

18h10 – Mike Foster – Gerente de Contas América Latina da Sony Computer Entertainment  America LLC – Estados Unidos

São Paulo recebe exposição Expo SPJAM entre os dias 7 e 14 de outubro

tumblr_mofvbqLYsA1r1uvc5o1_1280

Após a SPJam 2013, evento que reuniu desenvolvedores para uma sessão de 48 horas de criação de jogos ininterruptas, chegou a hora desses criadores mostrarem suas criações ao público. Deste modo, a Vortex Game Studio (organizadora da maratona) criou a Expo SPJam, cuja ideia é que levar esses jogos para apresentação aberta. A Expo SPJam ocorrerá entre os dias 7 e 14 de outubro na Galeria da Livraria Cultura do Conjunto Nacional.

Durante o evento, os visitantes poderão conferir cerca de 50 jogos divididos entre analógicos e digitais, além de cartuchos do Atari 2600 customizados por artistas. A ideia da exposição é mostrar que há projetos e profissionais de qualidade no Brasil, principalmente pelo fato de surgirem boas ideias em apenas 48 horas.

Entre os jogos selecionados para a exposição estão jogos digitais como Doppelganger GF Athack, The Last Last Battle e Xerox Holmes, que prometem atrair o público e mostrar que seus criadores são talentosos. De acordo com a organização do evento o SP Jam reuniu cerca de 300 pessoas, um recorde em relação as duas versões anteriores. Quem se interessa por jogos indie não deve perder a oportunidade.

 

Serviço – Expo SPJam 2013

Onde: Galeria da Livraria Cultura do Conjunto Nacional

Quando: 7 à 14 de outubro