Arquivo da tag: empresas

Quatro habilidades que todo gamer deve colocar em seu currículo para ser bem sucedido

Já parou para pensar o que diferencia os cyberatletas top de linha de todos os outros que treinam e se esforçam todos os dia para melhorar suas habilidades e não conseguem o sucesso e aclamação do público? Pois foi justamente pensando nisso que o Patrick Soulliere, gerente de marketing global para jogos e eSports da Ballistix, elaborou um mini guia de habilidades que todo gamer deve ter em seu currículo para ser bem sucedido no circuito profissional.

O guia conta com quatro habilidades que todo próplayer deve colocar em seu currículo e foi inspirada após uma postagem do Reddit que mostrava o quanto as habilidades dos jogadores em análise são eficientes para enriquecer o ambiente corporativo. De modo que um jogador contumaz de videogame já é visto de forma diferenciada por empresas ligadas à tecnologia.

Mas então fica a pergunta: como os jogadores podem comparar suas habilidades no campo de batalha às exigências no escritório? E quais são as características que estão incentivando os empregadores a contratar jogadores?

 

  1. Habilidades excepcionais de análise de dados

De acordo com o Dr. Curtis Nicholls, professor adjunto da Freeman College of Management da Universidade de Bucknell, os jogadores muitas vezes utilizam o tipo de análise de dados hardcore que as empresas financeiras buscam em candidatos qualificados para construção de personagens.

“Pense nos mercados de negociação online que existem em Eve, ou em outros jogos de estilo MMO (massive multiplayer online)”, diz Nicholls. “Vi jogadores criarem planilhas online para aqueles que buscam explorar sistemas e trabalhar nas margens. São os modelos de ganhos e perdas. É basicamente um certificado de economia”.

A análise do jogo estatístico conduzida por muitos jogadores MMO se encaixa perfeitamente com as técnicas de análise de dados usadas em empresas financeiras, e o aspecto de resolução de problemas desses jogos pode ser aplicado às tarefas complexas que os consultores financeiros precisam concluir no dia a dia. Tenha isso no seu currículo.

 

  1. Trabalho em equipe

A capacidade de trabalhar ao lado de seus colegas e colaborar com eles em projetos é uma característica que a maioria dos empregadores procura em sua força de trabalho. Os atletas já podem se orgulhar de ser um membro da equipe falando sobre como o futebol ou o hóquei os forjaram líderes e, em breve, os jogadores online poderão falar sobre a colaboração da equipe com a mesma autoridade. Isto é especialmente verdadeiro para jogadores que precisam de estratégia de equipe, como os de Overwatch e League of Legends, onde diferentes habilidades de personagens devem trabalhar juntas para derrotar oponentes experientes.

“Nesses jogos, tudo se resume a trabalhar em equipe e conhecer seus colegas. Trata-se de aproveitar os pontos fortes da sua própria equipe e explorar pontos fracos nas estratégias dos outros times. É desenvolvido em jogos de uma maneira que você não recria com experiências tradicionais”, diz Nicholls.

 

  1. Habilidades de liderança

Entre vinte e quarenta jogadores compõem as corporações invasoras em World of Warcraft, e com isso surgem estruturas de liderança, espelhadas em empresas ou governos. Essas corporações normalmente têm um mestre, que planeja estratégia para o grupo e que é frequentemente responsável pela falha ou sobrevivência do grupo.

Os assistentes e assessores apoiam o mestre, atuando como gerente de projeto para unidades menores dentro do grupo. Para que todos sobrevivam, os líderes precisam se comunicar de forma eficaz e garantir que cada jogador execute seu papel específico. Além disso, a resolução de conflitos é uma habilidade rapidamente aprendida pelos mestres, e quando um jogador enfrenta um desafio, é capaz de demonstrar um pensamento flexível e criar soluções inovadoras para os problemas.

 

  1. Comunicação direta

Alguns escritórios ficam “travados” pela educação e os funcionários muitas vezes sentem que não podem falar com honestidade ou franqueza. Em contraste, bons jogadores geralmente obtêm os melhores resultados, pois têm um estilo de comunicação contundente.

Os melhores jogadores de World of Warcraft (WoW) podem analisar dados em tempo real enquanto gerenciam situações desafiadoras em um ambiente sensível ao tempo. E, como fazem isso online, em vez de cara a cara, desenvolvem um estilo de feedback que é direto ao ponto e, portanto, mais adequado para ambientes de negócios simplificados.

Nesta era digital, os empregadores estão procurando mais do que apenas as habilidades hard e soft tradicionais exigidas de todo candidato. Demonstrar paixões fora da vida profissional e, em seguida, enquadrá-las para mostrar o quão bem adaptadas estão ao cargo desejado certamente será um diferencial. Da mesma forma, descobrir se os candidatos têm habilidades avançadas em jogos – ou talvez até recrutar jogadores – poderia injetar perspectivas interessantes nos locais de trabalho. No entanto, ainda existem preconceitos associados a hobbies como jogos e alguns empregadores os consideram uma atividade de lazer ao invés de uma habilidade.

 

Conclusão

De acordo com Patrick Soulliere, gerente de marketing global para jogos e eSports da Ballistix, “(…)quem quer colocar as capacidades de jogo no currículo, deve considerar o trabalho para o qual está se inscrevendo. Não basta simplesmente mencionar habilidades. É necessário certificar-se que as técnicas aprendidas estão relacionadas à função de trabalho específica, e de que elas sejam relevantes. Há que se analisar o anúncio de emprego adequadamente e descrever quais habilidades podem ser relacionadas com o cargo, e evitar aquelas que o empregador pode não estar interessado”.

Por fim, vale dizer que algumas empresas mais tradicionais podem preferir ouvir que as pessoas gostam de jogar futebol ou ler livros seu tempo livre, mas outras podem preferir saber como o gerenciamento de uma equipe de eSports se relaciona com o papel desejado, e à medida que o jogo se torna mais comum à vida cotidiana, é provável que mais empregadores considerem os jogadores de WoW e Overwatch ao invés de candidatos tradicionais.

 

Texto por Patrick Soulliere

Skoregame: empresas apostam na gamificação para motivar e capacitar seus funcionários

A maioria das pessoas precisam levar o trabalho de forma robótica. Muitas empresas sequer permitem que seus funcionários utilizem celulares ou acessem a internet. Mas e se dissermos que há empresas que não apenas não proíbem os funcionários a realizar essas atividades, como também incentivam que eles até mesmo joguem videogames?

Ainda que pareça utopia, existem empresas que adotam esta política. A ordem agora é conjugar trabalho com diversão – com o olho atento no resultado, é claro. Para comprovar isso, 53% das empresas americanas utilizarão games para motivar, treinar ou estimular comportamentos positivos em seus funcionários, e esses números só tendem a aumentar, de acordo com pesquisa da consultoria Gartner.

Segundo especialistas, as empresas utilizam games, pois quando utilizados corretamente no ambiente de trabalho podem motivar os funcionários e estimulam a competição entre os pares em prol de alcance de metas. Um belo exemplo é o da startup paulistana Collab que comercializa o Skoregame, ferramenta para treinar e motivar equipes de vendas. Essa aplicação foi criada para franqueados da rede O Boticário, e mostrou-se um sucesso, apesar da crise financeira que assola o país.

O Skoregame funciona porque alinha os objetivos de toda a equipe e gera uma disputa saudável entre as pessoas para ver quem vende mais, quem acerta mais quiz, quem completa mais missões especiais. Como se fosse um game mesmo, só que no trabalho”, comenta Carolina Posca, administradora e cliente do Skoregame desde abril deste ano.

A gamificação é uma tendência, e diversos profissionais acreditam que qualquer empresa pode adotar esta estratégia para seus funcionários. Alguns dos métodos mais eficazes são:

Criação de rankings: eles acabam estimulando a competição entre os colegas de trabalho, ao passo que podem premiar os melhores colocados com prêmios especiais, como em videogames mesmo.

Criação de missões especiais: serve como uma ação surpresa, de modo que pode estimular a venda ou alcance de metas-relâmpago em um determinado período de tempo determinado pela gestão. Diversos games, trabalham com missões secundárias que tornam as missões principais mais divertidas.

Criação de lojas virtuais: Esta medida pode servir para que os funcionários utilizem seus pontos acumulados em determinado período de tempo para adquirir bens ou serviços da própria empresa. A criação de um site, ou loja virtual mantém os funcionários atrás de objetivos palpáveis.

Além destas dicas, há ainda a possibilidade de criar um sistema de desempenho para acompanhar a performance do funcionário (com uma interface amigável e bem parecida com jogos eletrônicos). Ou ainda a criação de uma página dedicada a apontar a agilidade do funcionário, de modo que ele mesmo possa ver quanto lhe falta para alcançar as metas mensais em sistema de porcentagem ou em valores.

Naturalmente que algumas empresas veem essa gamificação como bobagem e que não auxilia nos resultados. Mas especialistas apontam que as empresas líderes de mercado apostam em ferramentas e linguagens mais despojadas para falar e interagir com seus funcionários. Muitos acreditam que o futuro das empresas é fazer o trabalho mais jogável.

Innogames: empresa por trás de Tribal Wars desembarca no Brasil

Innogames

Mais uma empresa de alcance global está visando os jogadores brasileiros, trata-se da alemã Innogames, famosa pelo popular MMO Tribal Wars. De acordo com a empresa, seu escritório ficará sediado em São Paulo e será o terceiro da companhia, sendo que já existem escritórios em Hamburgo, Alemanha e Seul, na Coréia do Sul.

Com esta ação, a gigante dos games online, espera ficar mais próxima dos seus 10 milhões de usuários registrados no Brasil. A decisão da Innogames foi tomada devido à melhoria gradativa na qualidade das conexões à internet no país. A meta é que em dois anos o número de usuários brasileiros dobre com o retorno investido em ações nos jogos Tribal Wars, Firge of Empires e Grepolis. Vale lembrar que os títulos são gratuitos.

“Já temos mais de nove milhões de usuários registrados no Brasil. A presença local permite nos aproximarmos dos jogadores contando, inclusive, com suporte e gerentes de comunidades aqui”, revela o diretor da empresa no país, Marcus Imaizumi.

Para quem não conhece, a Innogames é uma empresa com sede na Alemanha que já conta com mais de 100 milhões de usuários em todo o mundo. Seus jogos estão disponíveis em 34 idiomas e o título mais famoso da empresa é justamente Tribal Wars com seus 40 milhões de jogadores. A empresa é famosa por lançar poucos títulos e o motivo disso é que o objetivo de seus funcionários é criar games de alta qualidade.

Os jogadores de Tribal Wars e os demais títulos que com a proximidade da empresa em nosso território possibilite diversas ações de marketing e in-game. Vamos torcer para que a Innogames conquiste a confiança e simpatia dos jogadores.