Arquivo da tag: desenvolvimento

Ironhack: São Paulo ganha primeira turma noturna para formação de desenvolvedores

A Ironhack, rede global de ensino de tecnologia e programação com presença em sete países, abriu as inscrições para a primeira turma do curso noturno de Web Development, em seu primeiro campus brasileiro recém inaugurado em São Paulo. Esta é mais uma oportunidade para quem quer estudar desenvolvimento de jogos digitais: a Ironhack, rede global de ensino de tecnologia inaugurou há poucos dias o curso de Web Development para o periodo noturno em seu campus de São Paulo.

A nova turma terá aulas às terças e quintas e também aos sábados durante o dia. A ideia é permiti que pessoas que trabalham ou estudam em horario comercial possam fazer o curso tambem. De acordo com a Ironhack, o novo curso, em modelo part time, estava previsto para ser oferecido somente ano que vem. Porém, devido ao crescimento da procura, sua abertura foi antecipada.

O curso terá a mesma carga horária (360 horas) e conteúdo da versão integral, porém, com formação em 24 semanas. As aulas se iniciam em 6 de novembro, sempre às terças e quintas à noite e aos sábados durante o dia.

A grade de estudos é dividida em três módulos: desenvolvimento de web front-end, que estabelece as bases do desenvolvimento web e ensina a construir experiências únicas ao usuário utilizando HTML, CSS e JavaScript; Back-End MERN Stack, com a criação de aplicações orientadas por bancos de dados não relacionais utilizando MongoDB, Express.js, React e Node.js; e Microserviços com React, onde os alunos aprenderão a criar APIs (Interfaces de Programação de Aplicações) para projetar arquitetura de micro serviço.

Após a conclusão do programa, os participantes estarão capacitados para assumir um cargo de Desenvolvedor Jr. e também terão um portfólio com aplicações, games, plataformas web e afins para apresentar ao mercado ou iniciar a produção de seus próprios projetos.

Para cumprir a missão de oferecer cursos acessíveis para todas as idades e níveis de conhecimento, ao se inscrever no programa, o aluno terá acesso a uma plataforma online com mais de 60 horas de conteúdo que ensina fundamentos básicos da programação, além da preparação para a metodologia da escola, com o objetivo de nivelar os conhecimentos da classe maximizando a evolução do grupo durante a formação.

“Estudos do setor já falam em um déficit superior a 160 mil vagas nesse segmento no Brasil para o ano que vem. A demanda por esse tipo de conhecimento vem crescendo de forma acelerada e as empresas precisam recrutar direto nos centros formadores para não perderem talentos para a concorrência”, explica Pedro Falkenbach, growth manager da Ironhack no Brasil.

Para dar vazão à demanda e aproximar as empresas do novos profissionais, a Ironhack organiza uma semana de contratação, chamada de Hiring Week, onde os recrutadores podem conhecer os talentos e entrevistar os alunos recém-formados. Para se inscrever no curso, basta clicar aqui.

Top 11 – Erros mais comuns cometidos por desenvolvedores independentes

Criar um game é uma tarefa árdua e às vezes você vai estar tão envolvido com o projeto que pode acabar deixando passar alguma coisa batida. Pensando nisso, bolamos um compilado de erros comuns que os desenvolvedores cometem ao produzir o primeiro game. Leia atentamente o texto e repasse para aquele seu amigo que quer trabalhar com games. Algumas dicas podem salvar seu negócio ou te deixar mais alerta aos pormenores.

Confira abaixo erros muito comuns no desenvolvimento de games independentes:

 

1 – Desistir nos estágios iniciais

Um grande projeto sempre começa com uma ideia, porém tirar a ideia do papel não será tarefa fácil. Tenha em mente que dificuldades virão aos montes, desenvolver um game consumirá tempo e dinheiro. Muitas vezes você terá de abdicar daquele cinema com os amigos ou da cerveja do final de semana para trabalhar em seu projeto. Se você tiver um emprego por fora, o tempo que terá para se dedicar ao projeto será ainda mais curto.

Muitos desenvolvedores acabam desistindo do game nos estágios iniciais após constatar que o projeto vai consumir mais tempo e energia do que o esperado. O dinheiro também pode ser um problema recorrente para desenvolvedores novatos, afinal criar um game vai demandar alguns esforços financeiros, tais quais uma engine, licenças etc. Felizmente existem algumas soluções como a versão limitada da Unity, que acaba se revelando uma caixa de ferramentas ao desenvolvedor indie. São poucas as limitações no pacote, de modo que dá para finalizar seu game de modo satisfatório.

 

2 – Não trabalhar em equipe

Produzir um game sozinho não é impossível, se você manja de level design, trilha sonora, marketing, programação etc. Porém é um fardo grande demais para uma só pessoa carregar, além de que o produto final ficará limitado apenas as suas próprias ideias. Um game feito em equipe, por outro lado, terá os benefícios de um brainstorm, novas ideias, personagens melhor elaborados, puzzles mais desenvolvidos etc. Como se não bastasse todo esse enriquecimento, um trabalho em equipe terá uma rede networking maior e mais efetiva quando já estiver em estágio de demo. O tempo também será reduzido e melhor empregado se cada um fizer uma determinada função dentro do projeto.

Trabalhar em equipe melhora ainda sua capacidade de interação. Você vai aprender muita coisa e poderá fazer bons amigos. Sempre que puder, desenvolva um game em equipe. Seu projeto ficará muito melhor e isso vai fazer bem até mesmo para você (desde que a equipe esteja alinhada e tenha objetivos semelhantes). Uma dica para começar a desenvolver um game em equipe é participar de hacktons. Vez ou outra o GameReporter divulga essas maratonas! Fique alerta. ;)

 

3 – Pensar que vai ficar rico rapidamente

Em uma matéria de janeiro deste ano, o Adrenaline revelou que apenas neste ano o mercado de games deve movimentar cerca de R$ 550 bilhões. Imagine pegar uma fatia mínima deste bolo… Tentador, hein. Mas fique calmo, a maior parte dessa grana vai mesmo para as grandes players como EA, Activision, Nintendo, Microsoft etc. Lucrar com game é bastante provável, mas se você estiver começando agora, fique ciente que as chances de tomar prejuízo nos primeiros meses é bem mais provável do que ficar rico rapidamente.

Por que isso acontece? Bem, o mercado de games brasileiro ainda é pequeno se comparado com os mercados europeu e norte-americano. Além disso, ainda há uma resistência por boa parte dos jogadores em gastar grana com games, principalmente se for mobile. Mas não se desespere, as coisas já estiveram muito mais difíceis quando a pirataria imperava e games para celular eram todos pagos (a época dos jogos java) e não haviam variadas opções de monetização. Hoje em dia, se você tiver um projeto bem esquematizado, dá sim para ter um bom lucro.

 

4 – Não desenvolver um plano de monetização ou exagerar nas propagandas

E já que falamos de grana, vale falar um pouco sobre como conquistar a tão sonhada independência financeira fazendo games. Tudo envolve monetização. Firmar contratos com uma Publisher é legal e provavelmente vai garantir que os custos de produção se paguem tranquilamente, porém uma vez que o game vai para as lojas é importante ter uma ideia de como ele vai faturar de verdade. Sim , eu sei que o jogador médio quase não gasta dinheiro com games, porém o produtor não deve ignorar este fato e o fato de que se o game for bom mesmo ele tem uma mina de ouro nas mãos.

Nos estágios iniciais é bom já pensar em como você pretende lucrar com games. Vai apostar nas microtransações ou em propagandas ingame? Quem sabe os dois? Ou o formato freemium? Opções é o que não falta, mas também não precisa exagerar, afinal todo desenvolvedor é um jogador. O problema é que muitos se esquecem disso e acabam atulhando o jogo com propagandas a todo o momento. Você deve dosar as coisas na medida certa. Lembre-se que jogadores mais impacientes vão abandonar seu game se tiverem a sensação de que ele é um grande painel de propaganda.

 

5 – Focar apenas nos gráficos

A primeira coisa que os jogadores prestam atenção são nos gráficos. Um game com personalidade visual tem muito mais chance de se destacar do que títulos sem qualquer inspiração. Isso é um pensamento comum, mas nem por isso deve ser levado totalmente à sério. Não caia na conversa de que um jogo fotorrealista é o segredo do sucesso. O que os jogadores querem mesmo é um produto que tenha identidade própria, independente do estilo que deseja. Você pode apostar num jeitão mais retrô pixelado, ou em um estilo cell shadding.

Acontece bastante de ver em feiras de games independentes jogo com visuais embasbacantes, mas que tem uma jogabilidade ordinária ou conceitos pobres. Tome um pouco mais do tempo melhorando as mecânicas de seu jogo ao invés de ficar apenas polindo o game. Afinal, um game bonito vai chamar as atenções sim, mas se o jogo for retorcido os jogadores irão abandoná-lo sem dó.

 

6 – Querer fazer o GTA Killer

GTA V é considerado por muitos como o maior e mais completo game de todos os tempos. O título da Rockstar é um marco da indústria e, não por acaso, uma fonte de inspiração para desenvolvedores de todo o mundo. Já ouvimos muitas histórias de jogos que começaram como uma espécie de GTA, mas que graças ao bom senso e limitações óbvias acabaram perdendo funções e funcionalidades durante o desenvolvimento. Se você pensa em lançar um game repleto de mecânicas e funcionalidades, pare e repense no que está fazendo da vida.

GTA começou muito pequeno, com visão por cima da tela, cheio de limitações em 1997. Certamente o pessoal da DMA design tinha uma ideia bastante clara do que queriam fazer com o game e duvido muito que imaginaram que hoje a franquia seria tão grandiosa quanto é. Ao iniciar um projeto comece pelo básico, não vá com muita sede ao pote. Não tenha medo de cortar funções e mecânicas. Lembre-se de fazer um game coeso e possível de acordo com sua realidade financeira e de pessoal. Afinal, o título da Rockstar leva anos para ser produzido e demanda centenas de profissionais para ser concluído.

 

7 – Copiar games de sucesso

 

Isto ocorreu no GameReporter recentemente. Temos uma página ali para divulgar o seu game, certo? Pois bem, vez ou outra pegamos um desses games e fazemos um texto para a matéria do dia. Ali é uma boa fonte para descobrir jogos de alta qualidade e com ideias interessantes. Infelizmente também tem jogos sem qualquer originalidade, que se contentam em plagiar games de sucesso.

Ao começar seu projeto é normal se inspirar em grandes jogos sim, mas não se restrinja a apenas copiar e colar códigos de programação. Faça mais que isso! Dê identidade ao seu produto, mesmo que no início não pareça dar certo. Com o tempo você vai conseguir fazer um game original e conquistar seu próprio público. Lembre-se de que plagiar é crime e não vai te levar a lugar algum.

 

8 – Ignorar a importância do Q.A

As grandes empresas possuem um departamento chamado quality assurance (Q.A) que é responsável por testar os jogos antes de disponibilizá-lo no mercado. Se com todo este aparato surgem bugs terríveis, imagine a quantidade de bugs que jogos criados por equipes reduzidas pode deixar passar? Agora imagine que a equipe responsável nem tenha se dado ao trabalho de conferir o produto final…

Sim, acontecem casos de surgirem games injogáveis, principalmente no mercado de jogos para PC, pelo simples fato de que ninguém chegou a jogar o game após a conclusão do desenvolvimento. Há duas formas de evitar esse problema: ou você mesmo testa o game, ou abre fases beta para a comunidade dar feedbacks pontuais. E mesmo nos dois casos, é importante ter o pensamento de que um game é um produto sempre em desenvolvimento, mesmo após lançado. Sim, mesmo após lançar o jogo, é legal fazer updates e melhorar mecânicas. A comunidade vai perceber que você está atento e quer melhorar a experiência de jogo.

 

9 – Fazer o mesmo game sempre

Poucas coisas podem ser mais frustrantes do que ver um estúdio promissor cair na mesmice. Há casos inúmeros mesmo entre produtoras grandes de que acertam em cheio em uma ideia e passam a adotá-la em todos os próximos games a partir daí. Imagine criar um game do gênero idle clicker – aqueles de celular baseados em clicar na tela para evoluir um personagem, ganhar mais dinheiro etc – e ele é bem sucedido. O que você faz: aproveita o lucro para tocar adiante o próximo grande jogo do estúdio, lançar uma sequência o mais rápido possível, ou lançar o mesmo game mudando apenas a skin do jogo?

Infelizmente existem muitos estúdios que apostam na terceira opção. Poderíamos fazer uma lista de 20 jogos de UMA única empresa que se baseiam numa mesma premissa. Parece que alguns produtores seguem o mantra de que “em time que está ganhando não se mexe”. Porém por quê se prender num único jeito de produzir games, ao invés de explorar suas próprias habilidades? Ao conseguir o sucesso, você deve seguir adiante, no máximo lançar uma sequência, mas jamais usar a mesma fórmula para TODOS os seus games.

 

10 – Não conhecer o público

Imagine a cena: você produz um match 3 bem maneiro e parece um sucesso latente, mas depois de quase tudo pronto percebe que a onda dos match 3 já passou, ninguém mais está interessado no gênero e a nova onda são os Battle Royale? Realizar uma pesquisa de mercado pode poupar dores de cabeça no futuro, bem como contratar consultoria e visitar feiras de games vai te ajudar a desenvolver algo mais promissor. Jamais ignore a importância de conhecer seu público e as tendências de mercado.

Se não tiver dinheiro para contratar alguém que faça essa pesquisa de mercado, faça você mesmo. Uma rápida olhadela no top mais baixado de qualquer pode te revelar qual o estilo está fazendo mais sucesso e o que não vende mais nada. Claro, há sempre a chence de que um estilo de jogo volte a se tornar tendência. Mas sempre que possível, faça um estudo do que já tem no mercado e a possível recepção que seu game vai ter. Também não se esqueça que certos gêneros podem já estar saturados e lançar um MOBA apenas tornará seu game mais um na multidão. Pesquise!

 

11 – Publishers não são a solução pra tudo

Há alguns anos vimos um fenômeno ocorrer no Brasil: tradicionais publishers começaram a apostar nos desenvolvedores de games nacionais, tais como a Bandai Namco, a Microsoft, a Capcom e até a Square-Enix. Quem não gostaria de lançar um game sob o selo de uma dessas poderosas empresas e conquistar a sonhada distribuição mundial. Entretanto nem sempre essas empresas são a solução para tudo. Na verdade algumas podem gerar outros problemas e frustrações.

Quem não se esquece de toda a pompa que a Square-Enix fez aqui no Brasil dizendo que iria publicar alguns jogos brasileiros para fora? No final das contas o acordo subiu o telhado e as empresas nacionais ficaram a ver navios. Também teve o caso da SEGA que prometeu publicar um game do estúdio nacional Owlchemy Lab, mas o trabalho mesmo se resumiu em lançar um press-release meia boca e exigir parte dos lucros com a venda do game?

Pois é, ao fechar acordo com uma Publisher, contrate um advogado para revisar tudo e só assine se tiver certeza de que é uma parceria, não uma oportunidade. As grandes empresas estão nessa pelo dinheiro e não vão se importar tanto com os seus sentimentos se os executivos quiserem dar o fora. Felizmente não são todos assim, há grandes publishers que abraçam o desenvolvedor indie e ajudam bastante a tornar um game bem sucedido. Mas aqui vale o alerta: antes só do que mal acompanhado.

Segundo Censo da Indústria Brasileira de Jogos Digitais inicia coleta informações e amplia escopo

Já está a todo vapor o Segundo Censo da Indústria Brasileira de Jogos Digitais financiado pelo Ministério da Cultura. O mapeamento do setor é fundamental para que sejam elaboradas políticas públicas que visem fortalecer o setor. O Censo é conduzido pela equipe da Homo Ludens e visa entender o públicque consome e acompanha a indústria de jogos nacionais.

O primeiro censo dos jogos digitais coletou dados referentes ao ano de 2013, e seus resultados foram divulgados a partir de março de 2014. O levantamento foi fundamental para direcionar a discussão e a implementação de políticas públicas voltadas a esse setor no Brasil. O segmento experimentou um aumento das exportações superior a 625% nos últimos três anos, fechando 2016 com US$ 17,4 milhões, segundo dados do Projeto Setorial de Exportação Brazilian Game Developers.

Desde então, diversas iniciativas públicas e a própria dinâmica do setor mudaram o perfil da indústria e as suas demandas. “Os dados do censo possibilitam a criação de políticas públicas convergentes, a promoção e acesso ao mercado internacional e o fortalecimento da competitividade do setor”, destaca Ana Letícia do Nascimento Fialho, Diretora do Departamento de Estratégia Produtiva da Secretaria da Economia da Cultura do Ministério da Cultura.

“Nesta edição, além dos desenvolvedores de jogos, também serão incluídos outros atores da indústria de jogos digitais, como empresas com outras atividades (animação, software, etc) que também desenvolvem jogos, atividades de apoio ao desenvolvimento de jogos (sonorização, localização, monetização, consultoria, etc); além de outras atividades da indústria (publishing, distribuição, varejo, mídia, etc)”, esclarece Luiz Ojima Sakuda, sócio da Homo Ludens e coordenador do estudo.

Então torna-se mister que todas as pessoas envolvidas com a indústria de jogos responda o questionário para ajudar aos governantes entender quem somos e o que queremos. Este questionário está disponível aqui . Os dados coletados serão utilizados apenas para fins de desenvolvimento de políticas públicas e de produção científica. O resumo executivo será enviado ao email de contato cadastrado  assim que o estudo for terminado.

Inscrições para o BIG Festival 2018 estão prorrogadas até o dia 28 de abril

Ainda não teve tempo de cadastrar seu jogo no BIG Festival 2018, o maior evento de jogos independentes da América Latina? Pois não deixe a oportunidade passar! A organização do evento prorrogou o período de inscrições até o dia 28 de abril. Desenvolvedores do mundo todo devem submeter suas criações gratuitamente através do site oficial.

A sexta edição do BIG Festival acontecerá de 23 de junho a 1 de julho, no Centro Cultural São Paulo, na capital paulista, e no Oi Futuro, no Rio de Janeiro. Os jogos finalistas, produzidos para computadores, tablets, smartphones, consoles e dispositivos de realidade virtual (VR), estarão disponíveis em dezenas de estações para o público em uma exposição gratuita, em que todos poderão testá-los e contribuir para a premiação votando em seus favoritos.

Todos os jogos inscritos serão analisados pelo Comitê de Seleção do festival e os selecionados irão competir em categorias como Melhor Jogo, Melhor Som, Melhor Arte, Melhor Narrativa, Realidade Virtual, entre outras. Os vencedores serão anunciados no palco do evento.

Os representantes dos jogos finalistas recebem, ainda, acesso gratuito às rodadas de negócios do maior hub do setor de games e animação da América Latina, e podem ter a oportunidade de fazer uma palestra sobre o seu jogo. Na última edição, 3200 profissionais do setor estiveram presentes com o objetivo de fortalecer a indústria e criar oportunidades.

Neste ano, uma novidade será uma ação do BIG Festival no Rio de Janeiro. O BIG Rio acontece de 23 de junho a 1 de julho, no centro cultural Oi Futuro, na capital carioca. A ação terá foco em jogos de impacto social com exposição gratuita de games em todos os dias, além de discussões nos dias 29 e 30 de junho, e será realizada em parceria com o Oi Futuro, instituto de inovação e criatividade da Oi.

Serviço – 6º BIG Festival (Brazil’s Independent Games Festival)
De 23 de junho a 1 de julho (Segunda, 25, não abre)
Rodadas de Negócios – de 27 a 29 de junho
De terça a sexta: 10h às 22h / Sábado e domingo: 14h às 22h
Centro Cultural São Paulo – Rua Vergueiro, 1000 – Paraíso, SP
Entrada: Gratuita

Não perca o último dia do GameDevTalks, evento online e gratuito para  contar casos de desenvolvedores que largaram tudo para investir em jogos digitais

Nestatá rolando o GamedevTalks, um evento 100% online e gratuito onde importantes nomes da indústria de jogos nacional irão debater ao vivo temas de extrema importância para todo desenvolvedor de jogos ou para quem sonha em um dia entrar nesta indústria. Se você é desenvolvedor independente e ainda está no início da carreira, eis uma oportunidade de aprender bons macetes.

O evento conta com quatro encontros,  sendo que os três primeiros já ocorreram e resta apenas o último a ocorrer amanhã (22/03). O último encontro terá a participação de Thiago Adamo (compositor de gamemusic), Sérgio Ueta (fundador da Mens Sana), Tony Salto (programador da Garagem 227) e Raphael Dias (fundador do Produção de Jogos). O tema será o seguinte:

Encontro#4 (quinta-feira, 22/03): Como Mudar de Carreira e Começar a Trabalhar com Jogos.

O evento é organizado pelo site Produção de Jogos e as expectativas é que em alguns anos se torne um dos mais referenciados do Brasil nos próximos anos.

Mulheres no Jogo – Projeto promove intercâmbio entre desenvolvedoras do Brasil e Alemanha

Olha que notícia mais bacana: a Abragames firmou uma parceria inédita com o BIG Festival e a fundação Stiftung Digitale Spielekultur para viabilizar o projeto Mulheres no Jogo. Concebido pelo Goethe-Institut de São Paulo e com patrocínio do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha, o projeto tem como objetivo incentivar o contato entre mulheres desenvolvedoras de jogos, a troca de conhecimento e a internacionalização da indústria de games.

Basicamente a ideia é levar cinco desenvolvedoras alemãs de jogos para a cidade de São Paulo a fim de participar de uma residência de duas semanas, cada uma em um estúdio brasileiro de desenvolvimento de jogos. Em seguida, as desenvolvedoras de jogos brasileiras viajarão para uma residência de duas semanas na Alemanha.

A seleção das participantes foi feita em 2017 e o programa acontecerá entre março e maio de 2018. Se o projeto for um sucesso, espera-se que possa se repetir nos demais anos, dando oportunidade para outras desenvolvedoras fazer um intercâmbio na Alemanha.

O Mulheres no Jogo proporciona a mulheres do setor de jogos de ambos os países um mergulho no dia a dia de um estúdio de desenvolvimento de jogos do outro país, que terão a oportunidade de conhecer através de observação direta. Em primeiro plano, estão a troca de conhecimento e a formação de redes. Durante as residências, as participantes desenvolverão o conceito de um projeto de cooperação entre Alemanha e Brasil.

Mais informações sobre o projeto podem ser acessadas em no site da Goethe. Abaixo você vê as primeiras garotas a participar do Mulheres no Jogo:

PARTICIPANTES / ESTÚDIOS

Aiami de Siqueira Garcia / Ávido, São Paulo
Bianca Antunes / Flux, São Paulo
Caroline Ferreira Amaral / Kinship Entertainment, São Paulo
Gabriela Valentin Thobias / Skullfish Studios, São Paulo
Irmak Kaya / Waza, Berlin
Kathrin Radtke / Fizbin, Ludwigsburg
Maria Urban / Daedalic, Hamburg
Sophie Herrmann / Fizbin, Ludwigsburg
Yara Grassi Gouffon / Push Start, São Paulo
Thoughtfish, Berlin

Passatempos Inteligentes é o aplicativo para treinar seu cérebro brincando

Hoje vamos falar de um aplicativo para dispositivos mobile que tem tudo para exercitar seu cérebro: Passatempos Inteligentes. Trata-se de uma coleção de jogos baseados nos princípios da psicologia cognitiva, que ajudam a praticar diferentes habilidades mentais, como memória, concentração e raciocínio lógico. O game está disponível há alguns meses e já foi baixado mais de 400 mil vezes tornando-se uma referência em jogos para treinar o cérebro.

Ele é uma coletânea de jogos de lógica da internet produzido pelo estúdio Smart Mobile Development, cujo intuito é divertir e aumentar o poder do cérebro. Para isso, foram selecionados diversos jogos separados por categorias e com constantes adições de novos jogos totalmente de graça. Aqui você vai ver versões do jogo da memória, jogos de lógica e quebra-cabeças.

Desde o lançamento do Brain Training, sabe-se que jogos de puzzle em geral ajudam mesmo a desenvolver o cérebro e deixar seu pensamento mais rápido e lógico. Não por acaso, jogos do estilo são frequentemente utilizados por estudantes universitários e crianças em idade educacional, a fim de melhorar seus rendimentos escolares.

De acordo com os desenvolvedores, todos os jogos contidos em Passatempos Inteligentes foram projetados para impulsionar suas habilidades de memória, concentração e reação. Há um ranking multiplayer em todos os minigames, de modo que você pode desafiar e comparar suas pontuações com os amigos.

Izyplay e Gênio Game Studios abrem as portas para o evento IzyOpen House 2018 amanhã

Se o seu sonho é trabalhar com games, mas ainda tem dúvidas de como é trabalhar nesta área, a dúvida é conhecer o Izy Open House, um evento organizado pelas empresas Izyplay Game Studio e Gênio Games de Pelotas, RS. Basicamente eles abrem as portas das empresas Izyplay e Gênio Games para receber estudantes e entusiastas por videogames a fim de conhecer o processo de criação de um game. O primeiro evento ocorrerá dia 19/01 às 18h30 na sede conjunta das empresas.

O Izy Open House é um evento mensal que tem por objetivo fomentar o desenvolvimento de games para entusiastas, alunos e profissionais da área. Quem participar do evento vai poder conferir os games em desenvolvimento e também assistir uma palestra sobre temas atuais do mercado de games.

O primeiro evento ocorrerá dia 19/01 às 18h30 na sede das empresas. O endereço é na Galeria Antunes Maciel, sala 411. Interessados pelos processos de Arte, Programação, Game Design, Business, Marketing eTesters são bem vindos. Para participar basta preencher o formulário online.

Nova parceria da Izyplay

Ainda falando sobre a Izyplay, o estúdio acabou de anunciar uma grande parceria para 2018. A nova parceira é a 7Sounds, uma das maiores empresas especializadas em efeitos sonoros, composição musical, dublagem, integração e localização do país. O objetivo da parceria é estreitar ainda mais os laços entre os 2 estúdios, gerando uma só equipe capaz de produzir games com uma maior integração entre gameplay, arte e som.

 

Serviço – Izyplay – Izy Open House

Onde: Galeria Antunes Maciel – sala 411 – Rua Felix da Cunha 614, Pelotas, RS

Quando: 19/01/2018 às 18h30

Inscrição: formulário online

Contato: contato@izyplay.com.br / +55 (53) 3025 – 6340

Estes são os 25 estúdios nacionais que mais se destacaram em 2017, segundo a Abragames

Que o mercado de games nacionais está em alta não há dúvidas: a cada ano surgem games de alta qualidade e seus produtores logram conquistar prestígio nacional e internacional com cada vez mais frequência. Para celebrar o crescimento da indústria, e revelar o que virá em 2018, a Abragames (Associação Brasileira das Empresas Desenvolvedoras de Jogos Digitais) organizou nesta quinta-feira, o evento especial Abragames Apresenta: Jogos de Sucesso, em São Paulo.

Neste evento se reuniram 20 desenvolvedoras associadas à Abragames para expor os 25 maiores casos de sucesso deste ano, para um público composto por empresários, profissionais da indústria criativa, imprensa e representantes do Governo. A intenção foi destacar as grandes e pequenas empresas que fazem o Brasil ser bem visto pelas empresas de games mundial.

“Este ano foi o melhor da nossa indústria, e fruto de muito esforço de empresários que participaram dos mercados internacionais mais competitivos e especializados do mundo, com apoio da Apex-Brasil,” declarou Eliana Russi, gerente executiva do Projeto Brazilian Game Developers. “Em 2018, com o início da implantação de políticas públicas, como os Editais da Ancine e Finep, o talento e garra dos desenvolvedores brasileiros só dá um direcionamento claro:  nossa indústria é forte e veio para ficar.”

Em 2017 pela primeira vez a indústria de games passou a ter financiamentos públicos, somando mais de R$ 30 milhões, e esse investimento gerou os resultados mostrados no evento. Os 25 jogos apresentados foram financiados de diversas formas. A maioria deles (14) foi feita com recursos das próprias empresas, 10 deles foram feitos com financiamento público (através de investimentos e editais); 4 foram produzidos com investimento privado internacional, 2 foram feitos com ajuda de financiamento coletivo, e 1 com financiamento privado nacional.

Entre as empresas destacam-se 11 de São Paulo, 2 do Distrito Federal, 3 do Rio Grande do Sul, e 1 de Santa Catarina, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais cada. No total, estas empresas mobilizaram quase 170 pessoas na criação de seus jogos, que venceram 28 prêmios e receberam 24 outras nomeações. E um detalhe: quase metade (48,5%) deles ainda não foi lançada oficialmente.

Entre as empresas participantes do evento da Abragames, nota-se que muitas delas já tiveram seus games divulgados aqui no GameReporter e são bastante ovacionadas quando participam de eventos como o BIG Festival ou a Brasil Game Show. Confira a lista de produtores nacionais destacados pela Abragames:

Behold Studios (Distrito Federal), Cat Nigiri (Santa Catarina), Kinship Entertainment (São Paulo), Flux Game Studio (São Paulo), Fableware Narrative Design (Rio de Janeiro), Fira Soft (Distrito Federal), Skullfish Studios (São Paulo), Duaik (São Paulo), Ambize Studio (São Paulo), IMGNation Studios (Rio Grande do Sul), Pocket Trap (São Paulo), Among Giants (São Paulo), Sinergia Studios (São Paulo), Rockhead Games (Rio Grande do Sul), Webcore Games (São Paulo), Monomyto Game Studio (Mato Grosso do Sul), Mad Mimic (São Paulo), Rogue Snail (Minas Gerais), Mukutu Game Studio (São Paulo) e Aquiris Game Studio (Rio Grande do Sul).

Especialista em storytelling para games estará no Mediamorfosis 2017

Uma das etapas mais sensíveis durante o desenvolvimento de um game é a roteirização. Não adianta muito ter uma mecânica bacana se a história for pobre. E é esse um dos temas abordados durante o Mediamorfosis Brasil 2017. Uma das referências em storytelling em games é o americano Nick Fortugno, o cara por trás de Diner Dash e vários projetos da produtora indie Playmatics e Gamelab.

O americano é presença confirmada na segunda edição do Mediamorfosis Brasil, evento que acontece nos dias 15 e 16 de setembro em São Paulo, com debates sobre a tecnologia e seus reflexos na forma como produzimos e consumimos conteúdo. A edição brasileira do evento é uma realização do Brazilian Content, programa de exportação da Brasil Audiovisual Independente (BRAVI) em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Fortugno dedica-se atualmente à Playmatics, empresa com foco no desenvolvimento de games, experiências de usuário e aplicativos para redes sociais e plataformas conectadas à Internet. Ele também leciona design de games e narrativas interativas na Parsons The New School of Design. O game designer é cofundador do festival Come Out and Play, que acontece em Nova York e São Francisco desde 2006, com a proposta de transformar as cidades em playgrounds gigantes e proporcionar experiências públicas com o universo dos games.

Além de Fortugno, o Mediamorfosis também conta com uma galeria estrelada de convidados, como Christian Bennett, editor executivo de jornalismo visual no theguardian.com; Hal Kirkland, diretor de VR, e as norueguesas Julie Andem e Mari Magnus, responsáveis pela série “Skam”. Exibida pela NRK, canal público da Noruega, a atração mistura ficção e realidade nas redes e tem sido aclamada mundo afora pela inovação em linguagem.

Serviço – Mediamorfosis Brasil 2017

15 e 16 de setembro, das 10h às 18h

Unibes Cultural – Rua Oscar Freire, 2.500, São Paulo