Arquivo da tag: desenvolvimento

Especialista em storytelling para games estará no Mediamorfosis 2017

Uma das etapas mais sensíveis durante o desenvolvimento de um game é a roteirização. Não adianta muito ter uma mecânica bacana se a história for pobre. E é esse um dos temas abordados durante o Mediamorfosis Brasil 2017. Uma das referências em storytelling em games é o americano Nick Fortugno, o cara por trás de Diner Dash e vários projetos da produtora indie Playmatics e Gamelab.

O americano é presença confirmada na segunda edição do Mediamorfosis Brasil, evento que acontece nos dias 15 e 16 de setembro em São Paulo, com debates sobre a tecnologia e seus reflexos na forma como produzimos e consumimos conteúdo. A edição brasileira do evento é uma realização do Brazilian Content, programa de exportação da Brasil Audiovisual Independente (BRAVI) em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

Fortugno dedica-se atualmente à Playmatics, empresa com foco no desenvolvimento de games, experiências de usuário e aplicativos para redes sociais e plataformas conectadas à Internet. Ele também leciona design de games e narrativas interativas na Parsons The New School of Design. O game designer é cofundador do festival Come Out and Play, que acontece em Nova York e São Francisco desde 2006, com a proposta de transformar as cidades em playgrounds gigantes e proporcionar experiências públicas com o universo dos games.

Além de Fortugno, o Mediamorfosis também conta com uma galeria estrelada de convidados, como Christian Bennett, editor executivo de jornalismo visual no theguardian.com; Hal Kirkland, diretor de VR, e as norueguesas Julie Andem e Mari Magnus, responsáveis pela série “Skam”. Exibida pela NRK, canal público da Noruega, a atração mistura ficção e realidade nas redes e tem sido aclamada mundo afora pela inovação em linguagem.

Serviço – Mediamorfosis Brasil 2017

15 e 16 de setembro, das 10h às 18h

Unibes Cultural – Rua Oscar Freire, 2.500, São Paulo

Game Nacional: Startup inova ao apoiar games nacionais independentes

Você já conhece a Game Nacional, a start up dedicada a apoiar os jogos nacionais? Lançada no final de 2016, em São Lourenço no sul de Minas Gerais, a Game Nacional, é a primeira plataforma brasileira a atuar na promoção dos trabalhos de desenvolvedores indie de jogos digitais brasileiros, dando suporte desde a venda e compra de cotas em seus projetos – que podem estar em estágio de desenvolvimento ou já finalizados.

A start up é extremamente benéfica com os desenvolvedoras, pois além de selecionar, ainda fazem trabalhos de advisor, apresentando os games para veículos especializados e investidores em potencial. Para o desenvolvimento deste trabalho, a startup conta com parceiros de peso, a BGC (Brasil Game Cup) e a BGS (Brasil Game Show), que disponibilizam stands para a apresentação dos jogos eletrônicos.

“Exibimos os games em eventos e festivais, apresentamos para investidores, orientamos sobre a gestão das redes sociais, fornecemos tradutores para dar uma nova perspectiva de distribuição, oferecemos sonoplastia e suporte no relacionamento com a imprensa e influenciadores. Enfim, criamos toda base para levar o game a um novo nível, podendo alcançar outras plataformas antes não vislumbradas como o Xbox, Playstation ou AppStore. Tudo isso com a curadoria de consultores experientes no mercado”, explica Adriano Reis, fundador da plataforma que atualmente conta no portfólio com seis jogos, dos quais três já receberam investimento.

A plataforma já conquistou aporte para três jogos, e um deles está sendo atualizado para o lançamento até o final do ano. O Restless (um game 3D de ação com uma pegada de terror em terceira pessoa com puzzles); O DarkElf, um RPG 2D de ação com um visual vivo e um enredo dinâmico , e o game do Sansão, ação e aventura com gráficos incríveis, tendo sua história adaptada da Bíblia, também receberam aporte e estão investindo em melhorias para serem lançados a partir do segundo semestre desse ano.

Goethe Institut promove ART Game Jam entre os dia 23 a 25 de junho em SP

Quem já participou de uma Game Jam sabe que o ambiente é propício para fazer amizades e até começar um projeto ambicioso que pode se tornar um game bem sucedido no futuro. Pois bem, se você deseja participar de uma Jam, a oportunidade está bem adiante, pois o Goethe-Institut São Paulo convida desenvolvedores de games, programadores, artistas, músicos e outras cabeças criativas para a criação de jogos durante o ART GAMES que acontece entre os dias 23 e 25 de junho.

De acordo com os organizadores do evento, esta Game Jam será um pouco diferente, pois o tema será “Games e Política”. Assim, são esperados projetos com crítica social e que renegociem as fronteiras entre arte, política e jogos. O tema, aliás, é bem pontual dado o momento conturbado que nosso país está enfrentando.

Estão convidados para o ART GAMES artistas, designers, cineastas, desenvolvedores de jogos e programadores de todo o país. A Jam é aberta para profissionais criativos de todas as áreas, inclusive àqueles sem experiência em Game Jams, afinal a ideia aqui não é a competição, mas sim a colaboração.

O evento ocorre na sexta-feira, 23 de junho, com horário marcado para começar às 17h e termina no domingo, 25 de junho, às 17h. São 24 horas de puro brainstorming e desenvolvimento. A organização do evento vai providenciar a alimentação dos participantes, bem como disponibilizará colchões para o merecido descanso. Ou seja, os participantes devem tão somente se preocupar com o material de trabalho, como notebook, cabos de energia, adaptadores e o software que deseja utilizar.

Porque participar do ART GAMES?

Os ART GAMES são parte de uma série global de Game Jams. Em cada uma de um total de oito Game Jams, um júri seleciona as três melhores ideias. Depois, um júri na Alemanha escolhe a melhor entre essas três. Os vencedores serão convidados para uma viagem à Alemanha em meados de 2018, a fim de apresentar seus jogos lá.

Os vencedores do Brasil encontram-se com as equipes de vencedores das outras sete Game Jams – entre outros, provenientes do México, da Indonésia, dos EUA, da Coreia do Sul e do Vietnã. Além disso, os vencedores ficam conhecendo desenvolvedores de jogos e especialistas alemães, podendo fazer contato com a cena de games tanto alemã quanto internacional. Além disso, todos os jogos desenvolvidos durante a Game Jam serão apresentados no site do Instituto Goethe.

Inscrição: Todos os interessados são convidados a enviar suas candidaturas até o dia 15 de junho. Através do site do Instituto Goethe.

 

Serviço – ART GAMES JAM

Quando: 23 a 25 de junho

Onde: Goethe Institut São Paulo – Rua Lisboa, 974 – São Paulo, SP

Quanto: Gratuito

Inscrições: No site da Goethe Institut até o dia 15 de junho

Livro Lean Game Development explora táticas para um desenvolvimento de jogos sem desperdício de tempo e recursos

Ei, você que estuda desenvolvimento de jogos e está atrás de boas dicas para melhorar suas técnicas e evitar problemas recorrentes: na próxima terça-feira, 13, será lançado na sede da ThoughtWorks em São Paulo o livro Lean Game Development – ou Desenvolvimento Enxuto de Jogos. Basicamente, o livro apresenta um modelo de produção de jogos elaborado para atender todas as demandas da indústria, auxiliando o desenvolvedor a eliminar desperdícios, reduzir bugs e empoderar o trabalho de suas equipes.

O livro Lean Game Development foi criado pela Julia Naomi Boeira, e ele apresenta a visão de que o jogo digital é também um software, e que o desenvolvimento de software pode ser encarado como um jogo cooperativo de invenção e comunicação no qual todas as peças são importantes. Deste modo, a autora aborda diversos aspectos do desenvolvimento lean aplicados a jogos, como Inceptions e MVPs, desenvolvimento guiado a testes, integração contínua, geração de hipóteses, medições e análises.

Para manter a publicação atualizada, Julia planeja constantes alterações em seu conteúdo, visando oferecer uma alternativa metodológica para auxiliar a indústria de jogos a eliminar desperdícios, reduzir bugs e empoderar o trabalho de suas equipes — obtendo resultados com mais qualidade e no menor tempo possível.

O lançamento de Lean Game Development acontece na terça-feira, 13, a partir das 19h, com a participação de Paulo Caroli, consultor principal na ThoughtWorks Brasil e cofundador da Agile Brasil, e Ceci Fernandes, agilista na ThoughtWorks Brasil e board member da Agile Alliance Brazil, e debate com a autora Julia Naomi Boeira. Os interessados em comparecer ao evento devem realizar sua inscrição, que é gratuita, por meio deste link.

Sobre a autora de Lean Game Development

Para quem não conhece, Julia Naomi Boeira é desenvolvedora de software na ThoughtWorks Brasil e possui grande experiência no desenvolvimento de jogos, tendo idealizado o Lean Game Development. Atualmente, trabalha na divulgação da Engine Unity dentro da ThoughtWorks, principalmente em Realidade Aumentada.

Serviço – Lançamento de Lean Game Development

Quando: Terça-feira, 13 de junho de 2017, às 19h30

Onde: ThoughtWorks São Paulo – Avenida Paulista, 2300

Edifício São Luis Gonzaga – Conjunto 41

Como: É preciso realizar inscrição por do site.

BIG Festival – Conheça os 20 jogos brasileiros convidados para o BIG Booth

Além de premiar os melhores jogos nacionais, o BIG Festival também é um grande palco para os desenvolvedores apresentarem seus games para o público de maneira mais intimista. Tanto é que o BIG Booth é uma das áreas mais disputada pelos visitantes durante o evento, lá ficam expostos games promissores que não participam da competição principal. É uma oportunidade perfeita para apresentar o jogo para pessoas de todo o país, desde jogadores, até investidores.

De acordo com a organização do BIG, esses vinte games são grandes destaques da produção nacional e representam a cultura de desenvolvimento de vários estados, como Amazonas, Minas Gerais, Paraná, Bahia, Brasília, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e nossa amada São Paulo. A expectativa é que a edição deste ano atraia público recorde, além de centenas de investidores, publishers, buyers, imprensa e demais agentes da indústria mundial de games.

Abaixo tem a relação dos games que participam da exposição BIG Booth:

O BIG Festival acontece de 24 de junho a 2 de julho, no Centro Cultural São Paulo. Além do BIG Booth e do BIG Starter, o evento conta com uma premiação internacional em que 45 jogos de diversos países concorrem em 11 categorias, como “Melhor Jogo”, “Melhor Gameplay”, “Melhor Arte” etc. Todos esses títulos estarão disponíveis para o público testar gratuitamente na área de exposição do evento.

Serviço – 5º BIG Festival 2017

Quando: De 24 de junho a 2 de julho (Segunda, 26, não abre)
De terça a sexta: 10h às 22h / Sábado e domingo: 14h às 22h
Onde: Centro Cultural São Paulo – Rua Vergueiro 1000 – Paraíso, SP
Quanto: Entrada Gratuita

BIG Festival divulga finalistas do BIG Starter, premiação para jogos em desenvolvimento

A organização do BIG Festival acaba de divulgar a lista de jogos selecionados para o BIG Starter, premiação dedicada aos projetos brasileiros em fase de desenvolvimento ou que ainda não tenham sido publicados. Foram escolhidos oito finalistas, sendo cinco para a categoria “Melhor Jogo de Entretenimento” e três para a categoria “Melhor Jogo Educacional”. Os vencedores receberão um troféu e um prêmio de R$ 20 mil cada, patrocinados pelo Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES).

Durante o evento, os criadores dos games finalistas terão a oportunidade única de apresentarem seus projetos a um público com nomes de destaque na indústria nacional e internacional, à imprensa e a investidores no dia 28 de junho. Esta é uma oportunidade para todos os desenvolvedores (mesmo os que não vencerem o prêmio) consigam a oportunidade de desperter o interesse de um investidor.

De acordo com a organização do BIG, neste ano, foram inscritos 151 projetos de todo o país e, diferentemente dos anos anteriores, eles precisaram submeter também um plano de negócios detalhado. Para chegar aos oito selecionados, o comitê de avaliação analisou a qualidade geral do projeto de jogo e o plano de negócios. Os critérios incluíram aspectos audiovisuais, interativos, mecânica e acabamentos gerais.

No ano passado, o game Monowheels VR, da IMGNation Studios, do Rio Grande do Sul, foi o grande vencedor do BIG Starter na categoria “Melhor Jogo de Entretenimento”. O projeto tem previsão de lançamento para o fim de 2017. O game Vetor, da Supernova Indie Games, do Ceará, venceu na categoria “Melhor Jogo Educacional”.

“O Big Starter é uma ótima oportunidade para ganhar uma visibilidade extra para o seu jogo, atraindo a atenção de potenciais parceiros”, declara Orlando Fonseca, diretor criativo da IMGNation Studios. “O prêmio ajuda bastante, já que, como desenvolvedores independentes, estamos sempre atrás de formas de seguir criando nossos próprios jogos”.

 

Confira os finalistas do BIG Starter – Melhor Jogo de Entretenimento

 

– Adventure Llama (Mobile) – Pedro Savino

Sobre: Game com mecânica de plataforma e elementos de quebra-cabeça com interação de toque. O jogador tem o controle de uma Lhama que está em busca de relíquias perdidas nos antigos templos Incas.

 

– Darkness Revealed (PC e Mac) – Pixel Cows

Sobre: Jogo de plataforma submarino em que o jogador controla um mergulhador de alta profundidade. Conta com um estilo gráfico único, que mistura pixel art com luz 3D, conferindo à arte um tom misterioso e alienígena.

 

– King Boom (Mobile) – Digi Ten

Sobre: Jogo casual com grande foco em interações sociais em que o jogador assume o papel de capitão em um navio voador, junto com sua tripulação de animais engraçados e animados, em busca de tesouros em ilhas flutuantes.

 

– No Place for Bravery (PC e consoles) – Glitch Factory Games

Sobre: RPG de ação em que um grupo de aventureiros viaja por um mundo fantástico desolado por desastres mágicos em busca das entidades que trouxeram a aniquilação da civilização. Com aspecto minimalista, é um jogo de dificuldade elevada e totalmente baseado em habilidade e estratégia.

 

– The Last Princess (PC e consoles) – 40 Giants Entertainment

Sobre: Desenvolvido em parceria com a Jambô Editora, é um jogo de estratégia com batalhas em turnos e elementos de RPG, baseado no conhecido universo de Tormenta, em que as decisões do jogador alteram não apenas a história, mas o gameplay das batalhas.

 

 

MELHOR JOGO EDUCACIONAL

 

– MedRoom (Occulus Rift) – MedRoom

Sobre: Simulador para treinamento médico com realidade virtual que recria ambientes médicos, como uma sala cirúrgica, em que o usuário se vê no papel do médico e precisa realizar procedimentos como drenagem torácica, acesso venoso central, periférico, intubação, entre outros.

 

– Árida (PC) – Aoca Game Lab

Sobre: Franquia de jogos em 3D para PC que mescla elementos dos gêneros de aventura e sobrevivência. Baseado em mecânicas de quests e crafting, apresenta o universo ficcional através da história de Cícera, uma garota de 13 anos que vive o cotidiano do sertão baiano do século XIX até ser desafiada a explorar a pé e de forma solitária aquelas áridas terras.

 

Senta a Pua (Mobile, PC e Mac) – Comics World Games

Sobre: Desenvolvido em 2D com jogabilidade de aventura e furtiva, o jogo resgata a história do Brasil na Segunda Guerra Mundial. Utilizando fatos reais da FEB (Força Expedicionária Brasileira) o game apresenta à nova geração, de forma divertida, uma história esquecida do país.

 

Serviço – 5º BIG Festival (Brazil’s Independent Games Festival)

De 24 de junho a 2 de julho (Segunda, 26, não abre)

BIG Business Forum – de 27 de junho a 1 de julho

De terça a sexta: 10h às 22h / Sábado e domingo: 14h às 22h

Centro Cultural São Paulo – Rua Vergueiro 1000 – Paraíso, SP

Entrada: Gratuita

Start Up Game Nacional promete facilitar a vida de desenvolvedores brasileiros

Você que é desenvolvedor indie sabe todas as pedras que surgem no caminha até a publicação e reconhecimento de seu produto por parte do público. A plataforma Game Nacional está surgindo para tornar a caminhada menos árdua. Basicamente é uma plataforma para ajudar a divulgar e receber apoio aos trabalhos de desenvolvedores indies de jogos digitais do Brasil, dando suporte desde a venda e compra de participação de seus projetos – que podem estar em estágio de desenvolvimento ou já finalizados.

A plataforma Game Nacional surgiu no final de 2016, em MG e ela funciona como uma startup fazendo uma seleção dos games com maior potencial de venda e público. A partir daí inicia-se um trabalho de advisor, apresentando o jogo para a mídia e investidores. Mais ou menos como um trabalho de assessoria/business. A intenção é impulsionar o cenário de jogos nacionais e tornar a vida do desenvolvedor mais fácil, não precisando se preocupar com detalhes extra-produção.

Alguns dos games apoiados pela Game Nacional

“Exibimos os games em eventos e festivais, apresentamos para investidores, orientamos sobre a gestão das redes sociais, fornecemos tradutores para dar uma nova perspectiva de distribuição para o game, oferecemos sonoplastia e suporte no relacionamento com a imprensa e influenciadores. Enfim, criamos toda base para levar o jogo a um outro patamar, podendo alcançar novas plataformas antes não vislumbradas como o Xbox, Playstation ou AppStore. Tudo isso com a curadoria de consultores experientes no mercado”, explica Adriano Reis, sócio da plataforma que atualmente conta no portfólio com seis jogos, dos quais três já receberam investimento.

Games que receberam apoio da Game Nacional

De acordo com os responsáveis, a plataforma Game Nacional já conquistou aporte para três jogos, e um deles está sendo atualizado para o lançamento até o final do ano. O primeiro deles foi Restless, um game 3D de ação com uma pegada de terror em terceira pessoa com puzzles. Outro jogo a receber apoio da start up foi DarkElf, um RPG 2D de ação com um visual vivo e um enredo dinâmico. Por fim, o game do Sansão, do gênero de ação e aventura com gráficos incríveis com uma história adaptada da Bíblia, também recebeu aporte e deve ser lançado a partir do segundo semestre deste ano.

Restless, um dos jogos beneficiados pelo projeto Game Nacional

Para o desenvolvimento deste trabalho, a startup conta com parceiros de peso, a BGC (Brasil Game Cup) e a BGS (Brasil Game Show), que disponibilizam stands para a apresentação dos jogos. A BGS é o maior evento de jogos da América Latina. Se você ficou curioso ou interessado, pode obter mais detalhes sobre o projeto no site oficial.

Entrevista – Gameloft fala sobre o mercado de jogos mobile no Brasil

A Gameloft é uma das empresas mais conhecidas do ramo de jogos eletrônicos e a mais dedicada ao setor mobile. O que muita gente não sabe é que a empresa francesa tem um escritório no Brasil dedicado unicamente a ouvir o público local e trazer a melhor experiência de jogo para o seu bolso.

O GameReporter foi até o escritório de São Paulo para ouvir uma das maiores empresas do setor e pegar algumas dicas para os produtores locais, até porque muitos dos desenvolvedores indies começam justamente criando para mobile. Quem nos recebeu foi o Rodrigo Dias (Social Media e Marketing Manager) e a Maite Lorente (Marketing Manager), que não deixaram nenhuma pergunta sem resposta e foram extremamente simpáticos.

Confira abaixo a entrevista com a Gameloft Brasil:

 

Maite Lorente e Rodrigo Dias, o pessoal que toca o marketing da Gameloft Brasil
Maite Lorente e Rodrigo Dias, o pessoal que toca o marketing da Gameloft Brasil

Fale-nos um pouco sobre a Gameloft e quais operações são realizadas no Brasil?

A Gameloft é uma das líderes mundiais em desenvolvimento de jogos mobile. A empresa já lançou mais de 500 jogos desde sua fundação. Temos 40 escritórios espalhados pelo mundo e 21 estúdios de desenvolvimento. Cada um desses estúdios tem sua própria característica, por exemplo, o time da Bulgária desenvolve mais games de guerra, enquanto que o pessoal de Barcelona desenvolve mais games de corrida.

Aqui no Brasil não temos desenvolvimento de jogos, apenas o escritório de negócios, onde fazemos a distribuição dos títulos através das lojas da Apple, Google, Windows. Também fazemos negócios com as operadoras e fabricantes de celulares (jogos instalados). Também cuidamos da publicidade dento dos jogos. Além disso, tudo, cuidamos das mídias sociais aqui no Brasil.

 

Asphalt 8, um dos destaques da Gameloft
Asphalt 8, um dos destaques da Gameloft

As microtransações ainda são um bom negócio?

Poucas pessoas monetizam jogos mobile. No mundo apenas 3% por cento das pessoas gastam dinheiro dentro dos jogos, no Brasil apenas 1% por centro dos usuários investe nos games. Isto não ocorre apenas com a Gameloft, mas são dados de toda a indústria de jogos mobile. Claro que esses 3% gastam bem, mas esses outros 97% da base precisavam ser monetizados. Daí o advertising tornou-se a solução.

Tentamos também adaptar o preço de nossos jogos de acordo com a oscilação do dólar. No ano passado, por exemplo, tivemos de modificar os preços a fim de deixar os jogos acessíveis aos jogadores locais. Antes trabalhávamos com um modelo premium, depois veio jogos que mudaram esse esquema de negócio. Cada jogo custa em média 8 milhões de euros para serem desenvolvidos. Não adianta distribuir tudo de graça sem ter um retorno.

 

Qual a franquia mais importante do catálogo da Gameloft?

É relativo. Temos várias franquias importantes em alguns aspectos como as licenças próprias Modern Combat, Dungeon Hunter e Asphalt. Além desses, temos licenças de terceiros que são grandes sucessos como Meu Malvado Favorito que já ultrapassou a marca de 800 milhões de downloads desde seu lançamento em 2013. Com o lançamento do novo filme a expectativa é passar da casa do bilhão. Interessante que três desses jogos são IPs da própria Gameloft.

 

meu-malvado-favorito
Meu Malvado Favorito – game está quase beirando 1 bilhão de downloads desde seu lançamento

Quantos escritórios existem na América do Sul? Algum deles desenvolve games?

Aqui na América do sul temos quatro escritórios. Não desenvolvemos games na América do Sul devido aos altos custos de produção local. É um problema local. A Gameloft chegou a ter um estúdio de desenvolvimento no Brasil em 2007, mas ele só durou por um ano.

 

Quantos títulos a Gameloft mantêm ativos no Brasil?

A Gameloft tem 64 games ativos no iOS e 56 ativos no Google Play. Muitos são IPS próprias e outros são licenciados de grandes empresas como Disney, UNO, Marvel, entre outros.

 

Como está o mercado de games mobile em números no Brasil? As coisas estão indo bem no setor?

Atualmente a Gameloft tem a média de 2,8 milhões de downloads diário. Nossos dados mostram que no Brasil existem 61,2 milhões de jogadores mobile, sendo que 90% deles são casuais. Ainda assim a projeção é que o mercado de games mobile deve faturar US$ 553 milhões de somente no Brasil. Até 2020 estima-se que 64% da população terá um smartphone.

 

Blitz Brigade
Blitz Brigade

Quanto tempo os jogadores passam jogando no celular?

Nossos usuários passam em media 40 min dentro de uma partida. Claro que tem aqueles que passam duas horas jogando e tem aqueles que ficam apenas dez minutos, mas em média os jogadores passam 40 min em uma partida.

 

br-gear-vr-r322-sm-r322nzwazto-000000016-detail2-whiteQual a visão da empresa em relação aos óculos de realidade virtual?

Atualmente não desenvolvemos games para o VR. Sabemos que é uma tendência do mercado, mas a empresa entende que esse nicho precisa crescer. O valor de um dispositivo de entrada é bastante proibitivo. A penetração de smartphones top de linha no Brasil atualmente é de 3% e para – uma quantidade muito baixa – e depois o usuário ainda teria de investir em um VR. Mesmo nos consoles a adesão foi baixa. Jogos mobile são jogos para a massa e o VR ainda não é um produto de massa. Estamos esperando para ver como o mercado se desenvolve.

 

A Gameloft já desenvolveu games para consoles e PC?

Já produzimos jogos para console sim, como uma versão de Uno e o Modern Combat: Domination para PS3 com suporte ao PS Move. Entretanto a Gameloft é uma empresa com expertise em mobile. Fazemos jogos AAA para mobile, no mercado de consoles seríamos mais uma. Também vale dizer que nossos jogos rodam no Windows 10, então temos títulos bem populares sendo jogados no PC, como Asphalt 8. Na semana passada lançamos o Blitz Brigade Rival Tactics que foi pensado no Windows 10.

 

Atualmente vemos jogos como o Clash Royale e o Hearthstone que são fenômenos mobile no cenário de eSports. Vocês pensam em investir nesse mercado?

Na verdade temos o Modern Combat 5 que é um jogo onde os próprios fãs organizam campeonatos. Aqui no Brasil ainda não temos algo oficial, mas lá fora ocorrem campeonatos organizados pela ESL. Futuramente teremos o Modern Combat Versus que é um jogo 100% focado em eSports. Além disso, temos o Asphalt 8 que é um dos jogos com possibilidade competitiva.

 

A sede da Gameloft Brasil

Quais os maiores desafios enfrentados pela Gameloft?

Temos muitos desafios todos os dias como a pirataria. O Brasil é um dos lideres de pirataria mundial no mundo. O formato freemium ajuda a barrar um pouco da pirataria, pois o game é grátis e o usuário continua jogando apenas se gostar do que viu. Além disso, um problema recorrente é conectividade 3G/4G no Brasil que por vezes não funciona.

Vale destacar também a baixa penetração de cartão de credito no Brasil (apenas 28%), e parte da população que ainda não tem o habito de baixar jogos pelo celular e não sabem como fazer isso. Por vezes as pessoas nos perguntam como faz para baixar um determinado jogo da Gameloft.

 

Quais as dicas para os desenvolvedores brasileiros conquistar sucesso e reconhecimento?

Não tem uma ciência exata. A cada atualização da Google Play surgem cerca de 400 novos aplicativos. Produtoras pequenas não tem orçamento para marketing e se destacar. Claro que vez ou outra surgem fenômenos como Flap Bird, mas desenvolver game demanda tempo e dinheiro. Para ter sucesso é necessário ter bom relacionamento com as stakeholders, estar motivado para competir com os grandes e criar um grande jogo que caia no gosto do consumidor.

e291a353af83c7b5b937fea361b2c60eÉ imprescindível atualizar o game com frequência, mesmo que não tenha conteúdo novo, mas pelo menos para tornar o game compatível com uma nova versão do OS. Atualmente atualizamos nossos jogos a cada 2-3 semanas para a maioria dos jogos. Existe um estudo que diz que no futuro as atualizações de aplicativos deverão ser feitas a cada dois ou três dias.

Hoje tem recursos para que os desenvolvedores indies trabalhem e se destaquem como as mídias sociais. Os indies também devem pensar na parte de monetização (incluir advertising). Tem de marketear o jogo, só lançar não basta.

 

Poxa, são 400 novos aplicativos a cada atualização? Como é possível inovar em um cenário tão competitivo?

Tem de fazer bastante pesquisa de mercado. Nossos jogos costumavam tem cerca de 2 GB e entendemos através de estudo que precisávamos lançar jogos menores para os mercados emergentes. Criamos então uma tecnologia de compressão de jogos capaz de reduzir bastante o arquivo de download. Nisto surgiu jogos com tamanho reduzido como o Asphalt Nitro que é uma versão comprimida (30 MB) de Asphalt 8 e ele foi sucesso na Google Play. Temos também o N.O.V.A Legacy com apenas 20 MB utilizando a mesma tecnologia. Você precisa entender a necessidade do seu público e do mercado.

 

nova-legacy-logo-android

Como funciona essa tecnologia de compressão?

O jogo tem, por exemplo, 300 Mb, mas o usuário baixa apenas 30 MB. Conforme você vai jogando, o arquivo vai descompactando, como se fosse um arquivo zip. Criamos isso, pois identificamos que 46% do mercado de celulares tem apenas 8 GB de memória. Mercados emergentes como Brasil, India, China tem uma galera que quer jogar mas não tem grana para comprar um celular top de linha com mais memória.

 

O que geralmente não funciona em jogos mobile?

Na questão de marketing, podemos dizer monetização agressiva, jogo bugado. Nosso core business são os jogos, não os anúncios. O ideal é que o usuário não tenha a experiência interrompida toda hora. É importante pensar na monetização, mas sem exagero. Se em três segundos de jogo aparecem dez propagandas o usuário desinstala o arquivo.

 

dscf4530Como o marketing mexe com a imagem da marca em relação ao publico?

A empresa investe bastante em marketing para adquirir usuários e reafirmar a marca. Temos iniciativas locais como a plataforma Gameloft IN, onde os produtores de conteúdo podiam publicar vídeos gameplay de jogos da Gameloft  para concorrer a prêmios como iPad ou Caixa de som. Temos bastante autonomia, utilizamos ideias mirabolantes que a empresa acaba comprando a ideia. Como no caso do N.O.V.A em que falamos para os desenvolvedores incluir no ícone na Google Play que o jogo tinha apenas 20mb. O resultado foi um sucesso massivo de downloads.

Muita gente conhece a Gameloft de longa data desde a época de celulares básicos, pois fomos os primeiros a investir em jogos totalmente em português. A série Asphalt é conhecida por todos os jogadores. Muita gente até pensa que a empresa é brasileira.  Temos tanto cuidado para dialogar com o público que nunca deixamos um fã sem resposta no Facebook.

 

A empresa costuma ouvir o feedback dos fãs? Qual a importância disso?

Aqui no Brasil costumamos pegar os comentários mais bem desenvolvidos dos usuários e mandamos para a equipe de produção. Isto ajuda o time de desenvolvimento a melhorar as mecânicas e funcionalidades que não dão certo. Modern Combat 5, por exemplo, teve mudanças no sistema de energia após feedbacks dos usuários. Após as mudanças o jogo conquistou mais aceitação do público. O N.O.V.A, que é bastante voltado ao Brasil, tem muitos elogios e criticas de brasileiros que mandamos para o time de criação. O público da Gameloft é bastante exigente e por isso sempre procuramos ouvir e dialogar com eles. Sempre buscamos os interesses da comunidade brasileira.

gameloft-logo-line-gael-leprevost-3

Há muitos brasileiros na Gameloft?

No mundo tem alguns. A antiga marketing manager foi trabalhar para Montreal, Canadá, por exemplo. Há outros casos de brasileiros que foram para Toronto. No Canada tem muitos brasileiros, pois lá é um polo de trabalho em desenvolvimento de games. Além disso, pelo fato de sermos uma empresa francesa, tem muitos franceses espalhados pela Gameloft no mundo.

Professor Brasileiro organiza Curso de Verão de Game Design na escola Rubika da França

Já imaginou aperfeiçoar suas técnicas de game design em um dos países mais criativos dessa indústria? Pois é justamente essa a proposta do Curso de Verão Game Design e Game do professor Cláudio Gusmão, coordenador adjunto dos cursos de Design de Games e Design de Animação da Universidade Anhembi Morumbi e co-fundador da Dogs Underground. Basicamente ele vai levar uma turma de estudantes e desenvolvedores para a França a fim de trocar experiências e técnicas de desenvolvimento.

O Programa de verão tem duração de quatro semanas em Valenciennes na França e é focado em Game Design e Game Dev com o objetivo de expandir as habilidades no desenvolvimento de jogos e inclui um módulo sobre pesquisa de usuários, Ux e VR. Os interessados devem possuir conhecimentos básicos de Game design e Game Dev.

image_0dccd81a-212e-47ea-9fcb-1e7e1bfaaae6As aulas ocorrerão durante o mês de julho na Supinfogame-Rubika, eleita a Melhor Escola de Video Games da França. A cada ano, os projetos dos alunos recebem prêmios internacionais como o Unity Awards 2015 for Anarcute, The imagine Cup World 2013, for Seed ou The Ping Award 2015 for Twin Fates, entre outros.

Além disso, os estudantes que fizerem parte do curso de Verão irão conhecer um estúdio de desenvolvimento local e farão um curso básico de francês e um divertido passeio cultural pela região de Champagne e Paris. É uma oportunidade ótima para conhecer uma nova cultura, descansar um pouco e melhorar as habilidades de game design.

A França é considerada por muitos como o segundo maior produtor de jogos digitais do mundo, depois dos EUA. Alguns dos games mais famosos surgiram lá, como os casos de Assassin’s Creed, Raving Rabbids, Just Dance (todos da Ubisoft).

Detalhes dos módulos possíveis

image_4f0c9d03-1231-444f-a1b5-4990ca615937Game design and development: ministrado por um professor da RUBIKA com muitos anos de experiência na indústria. Por meio de um curso teórico-prático, os alunos mergulharão no processo de design e seus métodos, descobrindo como encontrar equilíbrio entre game design e mecânica. (Practice Based)

Usabilidade em games e pesquisa de usuário: ministrado por um pesquisador de usabilidade para jogos. Por meio de um curso teórico-prático, os alunos compreenderão melhor as metodologias de pesquisa de usuário para games, campo que está se tomando cada vez mais importante na produção de jogos. Os alunos também irão explorar a história e as características da experiência do usuário em aplicações de realidade virtual.

Mais informações sobre o curso de verão na França

valencienne

As aulas serão realizadas de terça-feira  dia 4 à sexta-feira 28 de julho (datas provisórias), das 9h às 17h e não há aulas no período de sexta-feira a domingo. É obrigatório o comparecimento as aulas para garantir que os alunos obtenham o máximo benefício deste programa. Algumas atividades extracurriculares podem ocorrer durante os fins de semana.

O valor total do curso é de € 2150 euros. Este valor inclui visitas e passeios pela escola, hospedagem em dormitório dos estudantes durante as 4 semanas, transporte público pela cidade de Valenciannes, curso de introdução à língua francesa, visita a uma empresa de jogo/animação e a visita cultural em grupo pela região de Champagne e Paris. O valor não inclui passagens aéreas, alimentação e transporte até Valenciennes.

Mais informações sobre o Curso de verão podem ser obtidos em Game à La Française – Rubika. Quer participar? Vai lá no site e confira o cronograma e regras.

BIG Starter premiará jogos em desenvolvimento com R$ 20 mil

O BIG Festival 2017 também tem espaço para quem ainda não terminou o seu game. O evento premiará jogos em desenvolvimento através do BIG Starter, competição dedicada a jogos em desenvolvimento, ou que ainda não tenham sido publicados, por desenvolvedores independentes. O prazo limite para submeter os projetos é até 14 de maio. São duas categorias, ‘Melhor Jogo Educacional’, e ‘Melhor Jogo de Entretenimento’, e os vencedores receberão um troféu e um prêmio de R$ 20 mil cada.

Para participar, basta entrar no site do BIG Festival, na página do BIG Starter e se cadastrar, clicando no link “Inscreva seu projeto aqui”, e então seguir as instruções do formulário. O evento tem parceria da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e a Dow é uma das patrocinadoras, responsável pela premiação de ‘Melhor Jogo Educacional’.

originalDe acordo com os organizadores do evento, serão até 7 finalistas. Os participantes podem enviar quantos games desejarem, para as categorias que desejarem. Os finalistas terão a oportunidade única de apresentarem seus projetos a um público com nomes de destaque na indústria, nacional e internacional, à imprensa e a investidores no dia 28 de junho, dentro do BIG Festival, no Centro Cultural São Paulo.

Novas regras do BIG Starter

Diferentemente dos anos anteriores, porém, desta vez a competição exige que os participantes submetam também um plano de negócios detalhado. O comitê de avaliação irá analisar a qualidade geral do projeto de jogo e o plano de negócios. Os critérios incluem aspectos audiovisuais, interativos, mecânica e acabamentos gerais. Daí, os projetos finalistas serão selecionados. É preciso cuidado, pois qualquer erro de informação na inscrição desclassificará o concorrente.

quarta-29-188_orig

Na apresentação dos finalistas, será levado em conta todo o material apresentado, o potencial de mercado do projeto, e a consistência do plano de negócios. Projetos baseados em propriedades intelectuais registradas deverão obrigatoriamente fornecer um contrato de permissão de uso.

Todos os jogos submetidos deverão ser inéditos e de propriedade de seus criadores. E mais uma coisa importante: os participantes podem enviar o mesmo projeto que submeterem ao BIG Starter à competição principal do BIG Festival, contanto que ele cumpra todas as regras. Não perca tempo, inscreva seu projeto na página do BIG Starter e comece a torcida!