Arquivo da tag: brasileiro

Always Jumping é o Infinite Runner 3D do estúdio indie Type Games

Always Jumping é um game feito sob medida para quem busca desafio e diversão para plataformas mobile. Desenvolvido pelo estúdio Type Games, o game é do gênero Infinite Runner com perspectiva 3D. A movimentação é livre podendo-se ir para qualquer direção desejada, bastando inclinar o celular para o local desejado, ou seja, inclinando o aparelho para a direita o personagem obedece o comando. A intenção foi criar um game amigável para usuários de qualquer idade.

Os mapas são gerados infinitamente com ordem aleatória seguindo mapas criados, conforme sua distância aumenta mapas novos e mais difíceis irão começar aparecer. Em outras palavras, este é um game que você não vai terminar tão cedo. Durante a correria o personagem pode coletar moedas para gastar comprando um baú surpresa que vem com um novo personagem para sua jogatina.

De acordo com o desenvolvedor Gustavo Ribeiro, não há necessidade de conexão à internet para continuar jogando. Deste modo, você pode continuar Always Jumping em qualquer lugar. Outra atração do game é a quantidade de personagens jogáveis, que são bem variados e fazem homenagem a personagens da cultura pop como o Papai Noel e o quase esquecido Bomberman.

Os gráficos são bem simples, deixando claro que o estúdio valorizou o gameplay aos visuais. Ainda assim, Always Jumping tem cenários bastante coloridos e funcionais. A Type Games ainda está melhorando o jogo e é bastante importante que a comunidade contribua com sugestões, críticas e relatos de bugs via email. Se você está nessa, basta baixar o game na Google Play.

Abaixo tem o trailer de Always Jumping:

Conheça o game indie brasileiro Rise of Ages

Hoje vamos falar de um dos títulos mais ambiciosos já produzidos por um estúdio indie brasileiro. Trata-se de Rise of Ages, um sandbox 2D que faz o jogador passar por diferentes eras da civilização, desde a idade da pedra até a robótica. Neste game você vai assumir o papel de um líder de uma nova civilização com o objetivo de recrutar mais pessoas para expandir esse povo e evoluí-lo tecnologicamente através das Eras. Rise of Ages é uma cortesia da Anguis Game Studio, um estúdio fundado em 2013 em Porto Alegre com foco em jogos 2D.

Após customizar seu personagem, você inicia o jogo em uma caverna escura, onde lhe é contada ema breve história de introdução. A partir daí, você deve sair da cavena em busca de outras pessoas para formar uma comunidade. Para tanto, basta explorar todo o mapa do jogo. Mas não pense que a tarefa será fácil, durante a aventura, você vai executar diversas atividades que vão desde cortar árvores até encarar batalhas ferrenhas contra diferentes inimigos.

Coletar recursos naturais é uma das atividades mais corriqueiras do jogo, de modo que você deve coletar madeira, couro, carne, vegetais etc. A ideia básica é manter o personagem com energia e utilizar alguns dos recursos para construir novas estruturas para sua população crescente. Vale destacar que Rise of Ages possui dois modos de jogo: single player e multiplayer.

Um dos pontos mais interessantes é que o jogador terá interagir com outras civilizações, utilizando uma abordagem mais democrática ou (dependendo do caso) agressiva, através de guerras.Durante a etapa de busca de aliados, você vai atribuir aos NPCs diferentes profissões, desde guardas para proteger a cidade de inimigos e animais selvagens, até alguém responsável pela produção dos equipamentos.

Rise of Ages contará com um sistema chamado Genoma, onde o jogador irá evoluir através das Eras, enquanto o seu DNA também evolui através de várias ações que irão dar experiência e, após acumular determinada quantia, poderá ativar habilidades unidas, que podem ser obtidas através da árvore de habilidades.

Rise of Ages está em desenvolvimento para PCs, mas o estúdio não descarta uma versão para consoles de mesa caso o projeto seja bem sucedido. A comunidade já até deu sinal verde para que o game seja lançado através da Steam. A previsão de lançamento é para o primeiro trimestre de 2017. Para quem estiver ansioso para jogar este game, o Anguis Studio disponibilizou uma demo gratuita.

Abaixo tem o trailer de Rise of Ages:

Anjos & Dragões é novo Card Game de produtora indie brasileira

Trading Card Games são bastante populares no Brasil. Card Games como Magic, Pokémon TCG, Yugioh! e Hearthstone sempre atraem centenas de jogadores quando ocorre algum torneio ou evento envolvendo esses jogos em terras tupiniquins. É exatamente de olho neste público que a produtora indie brasileira Fiera Jogos irá lançar o jogo Anjos & Dragões.

O título é um novo jogo nacional de baralhos expansíveis que se assemelham aos consagrados títulos mencionados acima, porém sem compras aleatórias. Atualmente o título está em fase de preparativos e em breve deve ir para a etapa de financiamento coletivo no Kickante, mas ainda não existe uma data de lançamento definida. Sabe-se apenas que ele deve ser lançado em algum momento do 2º semestre.

Diferente dos outros TCGs, Anjos & Dragões pretende ser um card game bastante acessível e fácil de aprender, além de ter um preço acessível ao jogador. A princípio serão lançados 4 baralhos diferentes, sendo que cada um deles representa uma facção: Luz, Sombra, Fogo e Terra. O grande macete é que se o jogador quiser montar um deck de Terra, basta comprar o pack correspondente para ter todas as cartas dessa facção.

Em outras palavras, não é um TCG! Você não precisa comprar um pacote recheado de cartas aleatórias esperando que nele saia uma carta boa o bastante para incluir no seu deck personalizado. É claro que isso acaba sendo benéfico ao jogador, de forma que ele só precisa comprar um único deck e jogar com ele de forma competitiva. Mas por outro lado, as partidas podem ser um pouco previsíveis, uma vez que todos os decks de Terra terão as mesmas cartas.

A produtora garante, porém, que há muita variedade estratégica, ao mesmo tempo em que o jogo é de fácil aprendizado. Estima-se que o uma partida dure em média 15 a 30 minutos. Uma forma de melhorar as estratégias é comprar os outros decks, pois há cartas intercambiáveis (como Luz e Fogo), de modo que você pode montar estratégias mais avançadas e arrasadoras. De acordo com a equipe de criação, no futuro deverão ser lançados novos baralhos.

Na página da produtora há todas as regras de como jogar corretamente e demais informações sobre o lançamento e as ideias do time de produção. A divulgação do game está apenas começando, de modo que nos próximos meses os interessados devem acompanhar uma enxurrada de novas informações.

Saicum: um indiegame brasileiro extremamente desafiador e artístico

Saicum

Nossa sugestão de game hoje chama-se Saicum, que é seguramente um dos games mais interessantes que já mostramos no GameReporter. O jogador acompanha a aventura de um garoto chamado Saicum que está perdido em um museu, onde deve encontrar 32 peças desaparecidas de um quadro muito valioso. O game usa e abusa de elementos artísticos e não é difícil comparar seu design a uma obra de arte interativa.

Essas peças estão espalhadas pelo museu e para encontrá-las é necessário o uso de observação e raciocínio lógico. Algumas dessas peças são fáceis de serem encontradas, porém existem algumas que exigem muito esforço do jogador.

Saicum é criação do game designer Cristiano Rossetti, que foi buscar em Braid a inspiração inicial para o desenvolvimento de um game de plataforma e raciocínio. Para o desenvolvimento do título foi utilizada a engine Andengine, que é muito utilizada para a plataforma Android.

Um fato curioso é que o game foi concebido para ser ambientado dentro de um piano, entretanto surgiu a idéia de de fazer um puzzle em que o personagem central tivesse de pular em cima de objetos que estavam em uma pintura para alcançar determinado objetivo. Entretanto a inspiração inicial não foi totalmente esquecida – repare que Saicum é um anagrama para a palavra música. A trilha sonora, aliás, é digna de nota: o jogador é embalado por composições de gênios como Beethoven, Mozart e Chopin.

O que prevaleceu, todavia, para a ambientação do game foi o gosto que o criador tinha pelos quadros do pintor Claude Monet e do movimento impressionista. Saicum tenta mostrar que todos os artistas desse movimento tinham algo em comum, ou seja, este é um game de cultura e de experiência, uma viagem lúdica. Deste modo, o game tornou-se um plataforma que utiliza as pinturas como elemento principal. A história é contada não por diálogos, mas sim através das pinturas e seus desafios. Para entender a trama o jogador precisa “entrar dentro da história”. Basicamente Saicum incentiva o jogador a consumir arte.

O ambiente é basicamente um fundo de madeira que se repete em todas as salas. O que muda são as telas. E as mobílias, na verdade, são imagens de móveis reais em que eu passei uma espécie de verniz para imitar o desenho gráfico”, disse Cristiano ao site Notícias do Dia de Joinville, SC.

Estão presentes elementos artísticos do séc. XIX como pinturas e músicas. E para tornar a experiência ainda mais fascinante, o jogador utiliza as silhuetas das pinturas e moveis como plataformas para alcanças os lugares mais altos. Detalhe: cada objeto está no cenário por um motivo importante.

Saicum já foi lançado e está disponível através da Google Play. De acordo com seu criador, o game tem conquistado boa recepção dos jogadores graças ao gameplay, sua trama cativante e por causa dos cenários bem trabalhados.

Abaixo segue o trailer do game Saicum: