Arquivo da tag: brasil

Brasileiros da Black Dragons vencem torneio mundial de CROSSFIRE e faturam quase R$2 milhões

Após uma acirrada contra os russos da ruLegends, os brasileiros da Black Dragons venceram o torneio mundial CROSSFIRE STARS 2018 (CFS 2018), tornando-se a primeira equipe não-chinesa a levantar o caneco de um dos torneios de eSports mais disputados do mundo. Coma conquista a Black Dragons levou para casa US$ 500 mil (cerca R$ 1.948 milhão).

O CROSSFIRE STARS reuniu 16 dos melhores times de CROSSFIRE do mundo, que competiram por uma premiação total de U$ 1.015.000 (cerca de R$ 3.95 milhões). As fases de quartas de final e semifinal foram realizadas ao longo da última semana, de 4 a 6 de dezembro, presencialmente, no estúdio VSPN, em Taicang/China e classificaram os quatro melhores times para a fase seguinte, formada pela disputa pelo terceiro lugar e grande final, realizados entre 8 e 9 de dezembro, no Parque Esportivo Qing’ao, em Nanjing/China.

Após um intenso confronto em dinâmica melhor de cinco, a Black Dragons venceu a ruLegends por 3 a 0 e garantiu o inédito título da competição. E não foi só a Black dragons a figurar entre os melhores do mundo: a tradicional INTZ enfrentou a SuperValiant Gaming, campeã do CFS 2017, em melhor de três, porém não teve melhor sorte e acabou derrotada, terminando na quarta colocação do torneio, com um prêmio de U$ 40.000 (cerca de R$ 155.800).

Fundada em 1997, a Black Dragons é considerada uma das organizações de eSports mais antigas e respeitadas do América do Sul e, antes de se tornar campeã mundial de CROSSFIRE, já havia vencido outro torneio internacional da modalidade, o CROSSFIRE Stars Invitational Vietnam, em 2017.

CROSSFIRE é um dos jogos de FPS mais jogados online no mundo, com mais de 660 milhões de jogadores registrados. Jogadores podem baixá-lo gratuitamente pelo site oficial. No site do torneio tem uma divertida entrevista da Black Dragon para a imprensa.

Abaixo tem algumas fotos da conquista da Black Dragons:

Museu Nacional se une à Tencent para desenvolver o Museu Digital

Hoje nossa notícia é uma curiosidade pouco ligada ao mundo dos games, mas já que a envolvida é a Tencent, gigante chinesa de serviços na internet e dona da Riot Games, vale a pena dar essa nota! A empresa acaba de divulgar que irá apoiar a restauração do Museu Nacional brasileiro, destruído por um incêndio. O apoio será através da reprodução digital dos artefatos que haviam no museu com base em informação digital.

A cerimônia de assinatura do documento “Renascimento de Luzia – Museu Nacional Digital Brasileiro” foi realizada na embaixada do Brasil em Pequim, em 16 de novembro de 2018. Marcelo Azevedo, chefe da seção das indústrias criativas da embaixada, Alexander W. A. Kellner, diretor do Museu Nacional brasileiro, e Ye Jun, vice-presidente de produtos de navegação móvel da Tencent, participaram da cerimônia.

Como funcionará a parceria

A ideia é que, com base no conteúdo digital existente do museu, a Tencent criará um museu on-line, usando o Tencent Lens, um recurso de reconhecimento de imagem de seu navegador QQ Browser. Os visitantes poderão ler informações sobre os artefatos, uma vez digitalizadas as imagens com o Tencent Lens ou o Mr. Bowu, um miniprograma da Tencent. Guias de áudio e imagens do Museu Nacional brasileiro também poderão ser acessados através do miniprograma.

A cerimônia de assinatura do documento “O renascimento de Luzia – o Museu Nacional Digital do Brasil” (PRNewsfoto/Tencent)

Em suma, a Tencent usará seus recursos e conhecimentos em jogos digitais para trazer uma parte da história do Brasilde volta das cinzas para o meio digital. A empresa e o Museu Nacional brasileiro também irão convidar turistas chineses a compartilhar imagens, vídeos e outros registros que fizeram durante visitas ao museu antes do incêndio, a fim de ajudar na recuperação das relíquias culturais. O navegador QQ Browser irá exibir o conteúdo valioso para visualização pública no futuro.

“O Museu Nacional brasileiro é o mais importante protetor do patrimônio cultural e das relíquias da América Latina. Estamos desolados pelas perdas causadas pelo incêndio. A Tencent se compromete a usar tecnologias avançadas para ajudar o Brasil a reconstruir um museu nacional digital”, disse Ye Jun. de acordo com a empresa, a campanha de revitalização começará em 2019.

Hoplon anuncia data do lançamento oficial de Heavy Metal Machines e lança novo trailer

Após alguns meses de árduo trabalho, a Hoplon finalmente esta pronta para o lançamento de Heavy Metal Machines, o jogo que mistura as corridas de destruição à lá Rock ‘n Roll Racing e o gênero MOBA. O jogo estará disponível em versão completa no próximo dia 19 de setembro através da Steam. Vale lembrar que a versão demo já teve mais de 8oo mil downloads desde seu lançamento em janeiro de 2017.

De acordo com Tatiana Moreira, gerente de marketing da Hoplon, esse período em acesso antecipado permitiu melhorar bastante os aspectos técnicos do game como a jogabilidade e os gráficos. A expectativa é que quem jogou a versão demo sinta uma diferença grande em relação ao jogo final. A Hoplon promete ainda que não abandonara o suporte a Heavy Metal Machines após o lançamento, lançando novas atualizações e tornando o jogo ainda mais competitivo. “A partir de 19 de setembro, os jogadores poderão curtir uma série de aprimoramentos que fizemos em Heavy Metal Machines, tanto do ponto de vista gráfico quanto de mecânicas de jogo”, disse Tatiane Moreira.

HoplonA versão completa de Heavy Metal Machines terá um visual renovado desde o layout da loja, menus e tela de pick, que receberá uma arte exclusiva de um carro em 3D. Já o sistema de progressão de níveis, chamado de “Metal Pass” será totalmente novo e baseado em temporadas. Os jogadores começarão no nível 1 e poderão avançar até o nível 50, de duas formas: free e premium, sendo que o modo premium é pago e dará missões semanais com recompensas mais valiosas aos jogadores.

De acordo com a Hoplon, independentemente do tipo de progressão escolhida, conforme melhoram em Heavy Metal Machines, os jogadores poderão ganhar lores (histórias), personagens, skins, sprays, efeitos (largada, abate, reconstrução e pontuação), bordas do avatar, fama (dinheiro do jogo) e artwork. Na versão premium, ainda haverá recompensas em cash.

“O lançamento de Heavy Metal Machines coroa os anos de dedicação de um time talentoso da Hoplon de mais de 80 pessoas, que seguirá trabalhando duro para oferecer uma experiência cada vez melhor e mais completa à comunidade”, disse Rodrigo Campos, CEO da Hoplon. “Desde o início do projeto, buscamos fazer algo memorável, que trouxesse singularidade e inovação ao cenário de jogos competitivos gratuitos, e estamos orgulhosos do resultado”.

Para acompanhar as novidades da Hoplon e do game, acesse o site.

Abaixo tem o novo trailer de Heavy Metal Machines:

 

E se os candidatos à Presidência da República fossem personagens de videogames?

Ah, as eleições presidenciais 2018! Época de decidir quem será o novo chefe do Brasil e que rumos a economia vai tomar daqui por diante. Para isso é necessário observar os candidatos de perto, analisar suas propostas e blá blá blá. Mas e se ao invés de observar essas figuras com olhar crítico, olhássemos para eles como personagens de videogames? Quem eles seriam?

No artigo de hoje, vamos relacionar os presidenciáveis 2018 com personagens famosos dos jogos eletrônicos, tudo com bom humor e descontração. Antes de ficar pistola e começar a xingar, ligar para advogados ou começar a justiça virtual, lembre-se: este post visa entreter, não discutir política, ok? Não deixamos nenhum candidato de fora da zoeira.

 

Abaixo, vamos conhecer os candidatos à presidente do Brasil (dos games) em 2018:

 

Geraldo Alckmin – Shao Kahn (Mortal Kombat)

Assim como Shao Kahn, Geraldo Alckmin, é uma figura detestada por muitos. Um indivíduo sedento por poder que não mede esforços para conseguir o que quer (mesmo que tenha de infringir leis milenares). Shao Kahn tomou o reino de Outword de assalto e em pouco tempo transformou o reino em uma pilha de esterco fumegante.

Todo aquele que se contrapunha as vontades do imperador deviam se calar e qualquer atitude considerada controversa de sua parte acabava empurrada para debaixo do tapete. Vale ainda lembrar que Geraldo “Picole de Chuchu” Alckmin tentou tomar o controle do Brasil no passado, mas teve seus planos impedidos por uma coalizão que disposta a chutar sua bunda para o reino de onde veio (SP). Kahn teve o mesmo revés.

Vamos enumerar mais alguns motivos, se você acha que não se encaixa: 

1 – ele é o boss final de seu partido;

2 – tornou-se governado de SP e o Estado logo se tornou conhecido como Alckministão;

3 – Não se importa com o povo ao seu redor e não mede esforços para se beneficiar (aumento do próprio salário em tempos de crise)

4 – Faz tudo o que puder fazer desde que cumpra seus objetivos, não importa se isto irá prejudicar crianças;

5 – Figura envolta em polemicas e corrupção (cartel do metro);

Enfim, está provado que Alckmin é um vilão e um grande membro das oligarquias. Dá até para imaginar o ex-governador sentado em uma cadeira confortável olhando para outras pessoas, chamando-as de patéticas antes de gargalhar feito um lunático.

 

Jair Bolsonaro – Duke Nukem (Duke Nukem)

Duke Nukem é um personagem durão, sarcástico, autoconfiante, agressivo, politicamente incorreto, metido a machão, debochado e que não se importa em rasgar o verbo. Ele está numa missão “heróica” de salvar o mundo de uma invasão alienígena. Para isso, ele sai armado até os dentes e atira em qualquer coisa que se mexer. Troque a “ameaça alienígena”, por “ameaça esquerdista” e você tem um retrato fiel da figura de Jair Bolsonaro. Um verdadeiro fanfarrão.

O candidato do PSL está sempre falando demais e acredita fielmente que pode resolver problemas com uma boa dose de chumbo grosso. Tal como o personagem dos videogames, Bolsonaro está relacionado a imagem de machista e violento. Como se não bastasse, Bolsonaro parece ter um ego inflado o bastante para achar que pode salvar todo o seu povo sozinho.

Além do amor por armas, Duke Nukem e Jair Bolsonaro compartilham a característica de ser desbocado, e não tem um vocabulário rico e nem capacidades intelectuais impressionáveis.

Luiz Inácio “Lula” da Silva – Andross (Star Fox)

“De boas intenções o inferno está cheio”. Este velho ditado serve tanto para Andross de Starfox quanto para Lula. Sua história está envolta em conquistas e origem humilde, sendo uma figura de boas intenções. Lula/Andross devota boa parte de sua vida para proteger seus semelhantes (os pobres), porém essa mesma convicção o faz acreditar que ele é o único apto a comandar o mundo. Após ser “embebido” com o poder, Andross/Lula acaba corrompido e busca uma vida de luxuria.

A loucura acaba por direcionar nossas figuras a caminhos tortuosos. No caso de Andross, experimentos genéticos o transformam em um ser desprovido de corpo, uma cabeça flutuante no espaço. No caso de Lula, os esquemas de poder o tornam o “cabeça” de uma operação de corrupção “nunca antes vista na história desse pais”. Eis que Andross/Lula resolve liberar uma arma (Dilma) capaz de devastar sua terra natal.

Após ter seus planos frustrados, Andross/Lula acaba exilado da sociedade, porém seu exército continua a seus serviços e ainda paira no ar a ameaça de um eminente retorno. Tal como o personagem dos games, Lula quer a liberdade e reconstruir seu nome e seu império. De todos os candidatos deste ano, Lula é aquele que mais está associado aos jogos de poder.

João Amoedo – Toad (Super Mario Bros.)

Você provavelmente já o viu várias vezes e deve ter tido a sensação de que ele é uma figura bem intencionada, porém surreal. Sabe o Toad, aqueles cogumelos antropomórficos do Mario? Pois bem, podemos traçar um paralelo com Joao Amoedo, que parece bem intencionado, porem irreais. Além disso, tal como o personagem da Nintendo, Amoedo simplesmente existe. Ninguém se importa com o que ele fala ou faz, ele é apenas um figurante num jogo de poder muito maior.

Cabo Daciolo – Dahlia Gislepie (Silent Hill)

A primeira vez que vimos Dahlia Gislepie foi após momentos turbulentos no mundo obscuro de Silent Hill e a impressão foi das piores. Sempre falando sobre religião e em como Deus é glorioso e sua chegada vai trazer luz ao mundo. Não entenda mal, nosso site não é contra a fé, porém o discurso de Dahlia parece a de uma lunática.

O mesmo pode ser dito do Cabo Daciolo e seu discurso político pautado por religião. A impressão é de que se trata de um fanático, enlouquecido pela perspectiva de ver Deus. Pouca coisa do que Daciolo/Dahlia dizem faz sentido e qualquer pessoa com bom senso quer se afastar, principalmente quando o assunto envereda por teorias da conspiração e outros delírios. Que Deus (de Silent Hill) abençoe nossos candidatos.

Marina Silva – Drácula (Castlevania)

 

 

Drácula aparece de tempos em tempos na franquia Castlevania só para ser derrotado pelo clã Belmont, não importa o quão patético seja o Belmont da época. Saga parecida com Marina Silva, que surge ameaçadora de tempos em tempos tentando conquistar o Brasil, mas sempre acaba derrotada por figuras precárias. Assim como o vampiro dos games, a candidata da REDE não desiste, mesmo levando surras (eleitorais) homéricas.

Outro ponto que ligam as duas figuras são seus discursos absurdamente cansativos. As vezes fala algumas coisas interessantes, mas quase ninguém presta atenção. Todos querem mesmo é que ela/ele volte a seu mausoléu e descanse mais um pouco, deixando o povo em paz e em segurança.

Guilherme Boulos – Zomboss (Plants vs. Zombies)

No mundo de Plants vs. Zombies vemos a saga das plantas tentando defender suas casas da invasão de um exército de zumbis. Esses zumbis estão famintos e irão ocupar todas as casas que estiver pela frente, comer tudo que for possível e depois procurar outras casas para ocupar. A missão é comandada pelo infame Zomboss, o zumbi chefe do grupo, que acredita estar fazendo o que deve ser feito em benefício de sua classe. Afinal, as plantas são muito ricas e privilegiadas, certo?

Tal como Zomboss, Guilherme Boulos tem um exército de pessoas dispostas a marchar para conquistar seu espaço. Assim como Zomboss, Boulos também é estudado e goza de um a vida confortável, porém não consegue dispor de suas ambições desenfreadas por poder.

Kokku – empresa de games de Recife recebe certificação GPTW. Desenvolvedora tem mais de 30 vagas em aberto

Uma das empresas brasileiras que mais cresceram no ramo de games foi a Kokku, de Recife (PE). A empresa expandiu seus negócios nos últimos anos ao produzir a arte 3D de Horizon Zero Dawn (Guerrilla Games) e realizar a programação da franquia Sniper Ghost Warrior. Tanto esforço rendeu o título de “uma das melhores empresas para se trabalhar”, de acordo com pesquisa da Great Place To Work (GPTW). A Kokku é uma das poucas empresas nacionais honradas com o título. Ah, e eles tem mais de 30 vagas em aberto.

A qualificação da GPTW é concedida as empresas avaliadas por seus colaboradores com notas positivas por mais de 70% de seus colaboradores. De acordo com a metodologia aplicada, os funcionários avaliam que a produtora possui bom ambiente de trabalho de acordo com a metodologia aplicada pelo GPTW.

“A qualificação do GPTW apenas reforça que a Kokku é uma das melhores empresas de tecnologia para se trabalhar no Brasil, e nossos colaboradores confirmam que a Kokku tem um ótimo ambiente de trabalho. Trabalhar com jogos é mais um adicional para essa conquista.”, diz Thiago de Freitas, CEO da Kokku.

Agora vem a parte boa: você já pensou em entrar para o quadro de funcionários de uma empresa tão bem conceituada? Pois é, a Kokku está com mais de 30 vagas abertas em seu escritório de Recife. As vagas são para Arte 3D, Programação em C, C#, Unity e Unreal. Você pode se candidatar através do site da empresa na sessão careers.

A empresa oferece salários compatíveis com o mercado, além de diversos benefícios como cursos de idioma gratuito, planos de saúde/odontológico, VT/VA, além de oferecer festas e eventos para socialização de seus colaboradores. Vale dizer ainda que a empresa possui parcerias com o comércio local de Recife, fornecendo desconto em cursos, restaurantes, academias de ginástica etc.

 

Mais sobre a Kokku

 

Por essa você não esperava: a arte 3D de Horizon Zero Dawn teve a mão de brasileiros.

O crescimento do estúdio desponta em 2017, quando a empresa recebeu investimentos da Finep, Ancine e Anjos do Brasil, o que ajudou a planejar sua expansão internacional até 2019, com o primeiro escritório sendo aberto na América do Norte ainda este ano.

Para quem não conhece, a Kokku é a principal e maior empresa de desenvolvimento externo brasileira. A produtora é das poucas brasileiras com capacidade de trabalhar em inglês, espanhol, francês e português, em um fuso horário amigável com a América do Norte e a Europa. Em junho de 2018, a Kokku anunciou a contratação do executivo Dilber Mann para assumir o desafio de criar e executar o plano estratégico de desenvolvimento do estúdio.

Hoplon é uma das melhores empresas para se trabalhar, de acordo com a consultoria Great Place to Work

A produtora de games brasileira Hoplon já é famosa pelo game de combate veicular Heavy Metal Machines. Mas você sabia que a empresa também é considerada um dos melhores lugares para se trabalhar? Quem diz isso é a pesquisa Great Place to Work, mantida pela empresa global de pesquisa, consultoria e treinamento de mesmo nome. Para chegar neste resultado, a consultoria realizou uma série de pesquisas a fim de medir a percepção dos funcionários em relação ao empregador.

A Hoplon participou do Programa de Certificação GPTW na categoria Plus, que engloba empresas de 30 a 99 funcionários. A pesquisa avaliou a confiança, o orgulho e a camaradagem dentro do ambiente de trabalho. Para receber o selo digital de certificação internacional do Great Place to Work é necessário que, a partir de uma pesquisa bastante detalhada, 70% dos funcionários considerem que trabalham em um excelente ambiente, e, no caso da Hoplon, esse resultado foi de 84%.

“Atualmente contamos com uma equipe de 80 profissionais talentosos e, mais do que o reconhecimento, a pesquisa GPTW nos ajudará a identificar formas de melhorar ainda mais o ambiente de trabalho e transformar a maneira como o time se relaciona dentro e fora da empresa”, disse Cinthia Tissot, analista de RH da Hoplon. “É um orgulho saber que estamos entre as grandes empresas do Brasil para se trabalhar”, completa Jonathas Aquino, gerente financeiro e administrativo.

RPG tático brasileiro Sword Legacy: Omen tem data de lançamento programada para 14 de agosto

Hoje vamos falar de mais um game desenvolvido pordesenvolvedores e brasileiros que merece atenção especial dos jogadores: Sword Legacy: Omen, um título de RPG tático com arte retrô que foi criado pelos produtores dos estúdios Fableware Narrative Design e o Firecast. O game conta com um mundo fantástico e reconta os mitos do Rei Arthur.

A primeira coisa a se saber sobre o jogo é que ele é indicado para quem curte lendas medievais, já que coloca o jogador no papel de Uther, pai do Rei Arthur e um grão-cavaleiro. Após falhar na missão de proteger o Rei, Uther deve retomar a espada Excalibur e vingar-se dos inimigos do reino. Para isso, ele conta com suporte do mítico Mago Merlin.

A missão não será fácil, deve-se dizer, pois haverão batalhas sangrentas pelo caminho e a todo momento surgem inimigos para desafiar Uther. Em Sword Legacy o jogador deve desenvolver táticas e explorar o ambiente em seu favor para tirar vantagem dos pontos fortes do herói ao mesmo tempo que explora as fraquezas inimigas. Sim, a tática e o grande macete do game, ideal para quem se divertia com jogos como Final Fantasy Tactics, já que a ação se desenvolve por turnos.

Além de explorar o terreno, o jogador deve melhorar as habilidades dos personagens que compõe o grupo a fim de derrotar inimigos mais fortes. Ao todo são oito heróis a se unir na campanha de Uther. Cada um com suas próprias peculiaridades e pontos fortes. O segredo está na formação da equipe, de modo que o jogador deve complementar as habilidades coletivas do grupo para ser capaz de criar um grupo forte para cada situação.

Outro destaque de Sword Legacy é a arte em estilo retrô, lembrando bastante quadrinhos obscuros da saudosa Image Comics. Os cenários, aliás são tão bem estilizados que o jogador vai entrar no clima sangrento da idade média. Os corredores e masmorras são escuras e repletas de sangue, de forma que o elemento tensão está em todo canto. O jogo não é para aqueles que querem algo casual, mas sim para quem gosta de ação massiva.

O game conta ainda com cerca de oito horas de jogatina, sem contar as side quests para quem gosta de explorar cada dungeon e colecionar itens escondidos. Os desenvolvedores garantem que haverão vários elementos que tornarão cada aventura única. O lançamento já está logo aí: de acordo com a Fableware, Sword Legacy chega ao mercado no dia 14 de agosto na Steam pelo preço de R$ 36,99.

Abaixo tem um trailer de Sword Legacy: Omen

 

Game Jam + convida desenvolvedores a criarem jogos do zero em maratona de 48 horas

Começa hoje (27) a etapa regional da Game Jam +, uma das maiores competições de desenvolvimento de jogos do Brasil. De acordo com Pedro Zambon, organizador do evento, a Game Jam + contará com equipes de desenvolvedores de 14 cidades espalhadas pelo Brasil. As equipes terão 48 horas para desenvolver um game do zero. Os melhores classificados terão a oportunidade de apresentar o determinado projeto na final nacional, que ocorre em novembro, no Rio de Janeiro.

A cidade de São Paulo também faz parte da Game Jam +, sendo que a casa temporária dos desenvolvedores será o campus da PUC Consolação. As inscrições para a regional de São Paulo podem ser feitas pelo site do evento. A partir das 19h de hoje, até domingo, os produtores começa a pensar num game sob um tema ainda a ser divulgado. A expectativa é que dessa jam surjam projetos tão ambiciosos que possam ser pensados como um game completo no futuro.

Alguns jogos de sucesso, aliás, surgiram justamente de game jams, como Fragmentorum Alba e Evoland, que acabaram ganhando versões completas após suas respectivas jams e foram destaque na mídia. O blog Garotas Geeks tem uma matéria toda especial sobre isso.

O Game Jam + é aberto a todos os interessados em desenvolvimento de jogos, mesmo aos que não tenham experiência. As equipes podem ser formadas antes do evento, mas para aqueles que não tiverem equipe, mas têm interesse em participar do evento, serão encaminhados para uma equipe, garantindo a participação de todos os inscritos.

Esta é uma excelente oportunidade para todos os interessados no desenvolvimento de jogos no Brasil de participarem de um evento que pode impulsionar e dar visibilidade às suas ideias”, disse Pedro Zambon, organizador do evento. Os participantes terão ainda a orientação de profissionais qualificados em diversas áreas a fim de que os games produzidos tenham alta qualidade.

Os vencedores serão decididos em duas etapas, tanto na fase regional, quanto no nacional:

Vencedores regionais:

– Uma equipe será decidida por uma banca de jurados conceituados, após apresentações no final do evento.

– Uma equipe será “salva” pelo público por votação popular, após a decisão da banca de jurados.

– Um representante de cada equipe receberá a viagem com tudo pago para a etapa final no Rio de Janeiro.

 

Vencedores nacionais:

– Uma equipe será decidida por uma nova banca de jurados, no final do evento na grande final nacional, em Novembro.

– Uma equipe será premiada através de voto popular presencial durante o evento da etapa final.

 

Uma novidade para o evento deste ano: a Game Jam + uniu forças com a Unicef e a WeWorkLabs para avaliar e testar a efetividade dos “jogos de impacto”. Assim surgiu a categoria Diversifier, na qual os jogos de impacto social serão avaliados por uma banca especializada da Unicef, tendo a chance de ter seu projeto utilizado internacionalmente pela instituição mediante aprovação de ambas as partes.

Pixel Ripped 1989 – Entrevistamos os criadores do mais ambicioso game de realidade virtual criado no Brasil

A inteligência artificial é o grande alvo do estúdio ARVORE, que está numa grande semana graças ao lançamento do aguardado Pixel Ripped 1989, um game que mistura a realidade virtual e a premissa de jogos retro. Nós publicamos uma matéria sobre o game e o seu principal diferencial em meio a tantos jogos do mercado nacional, hoje temos uma entrevista com o pessoal que desenvolveu o projeto, falando sobre os detalhes, desafios e o cenário brasileiro de games.

Para quem não se lembra, o Pixel Ripped é um jogo de realidade virtual em que o jogador deve ajudar a heroína Dot a salvar o mundo da ameaça de Cyblin Lorde, um vilão capaz de ameaçar o mundo digital e o mundo real. Para isso, você encarna a jovem estudante Nicola . O game tem muitas referências a jogos da geração 8-16 bits como Megaman, Battletoads e Sonic.

Pixel Ripped 1989 estará disponível nas plataformas PlaystationVROculus Rift e SteamVR. Aqueles que optarem pela compra antecipada no PlaystationVR e Oculus, poderão comprar o jogo pelo valor promocional de $19.99 dólares. O preço final no lançamento será$24,99 dólares. Haverá também um desconto temporário de lançamento para consumidores da Steam começando no dia 31 de Julho.

Confira abaixo a entrevista sobre  Pixel Ripped 1989 com o pessoal do ARVORE:

Ana Ribeiro
Ana Ribeiro

GameReporter: Como o estúdio ARVORE foi criado? E de onde surgiu a ideia para o nome?

ARVORE: O estúdio foi fundado por Ricardo Justus, Rodrigo Terra, e Edouard de Montmort em 2017 para criar, produzir e desenvolver games e experiências de storytelling imersivo para realidade virtual e aumentada. O nome vem de uma junção das siglas “AR” e “VR” (Augmented Reality e Virtual Reality) aliado ao fato que narrativas interativas são “branching narratives”, como os galhos de uma árvore.

 

De onde veio a ideia para o desenvolvimento para Pixel Ripped?

No ano 2013, a Ana Ribeiro, nossa Diretora Criativa, viajou para estudar um curso de desenvolvimento de jogos na Inglaterra, e uma noite ela teve um sonho muito revelador. No sonho a Ana estava sentada na frente da TV, jogando um jogo da geração de 16 bit, e ela estava num quarto todo pixelado, a estética do quarto mudava assim evoluíam os gráficos do jogo que a Ana jogava. Até que chegou um ponto que o quarto e os gráficos do jogo tinham o mesmo nível de realismo. Nesse momento a Ana acordou e se deu conta de quanto poderosa era a idéia de mostrar a história dos videogames e desde uma realidade paralela que permitisse até conectar e até entrar dentro deles! Aquela ideia inicial continuou evoluindo até o que hoje em dia é o Pixel Ripped 1989.

A equipe do estúdio ARVORE reunida.

Quais foram os maiores desafios durante o processo de desenvolvimento do jogo?

Pelo fato do jogo ter demorado quatro anos para ser desenvolvido, tivemos que adaptar ele aos novos modelos e funcionalidades dos headsets que iam aparecendo com o tempo. Então tivemos que adaptar a tecnologia do jogo para suportar todas essas mudanças. Esse seria o maior desafio, depois desse podemos falar da produção do jogo tendo um time remoto de várias pessoas em diferentes continentes e das dificuldades para achar financiamento para finalizar o jogo.

 

Soubemos que o game passou por diversos eventos e conquistou alguns prêmios importantes. Vocês ficaram surpresos com o sucesso tão rápido?

Ficamos surpresos sim, o jogo começou como um projeto universitário que nem se pensou como algo para aprender a usar a Realidade Virtual. Quando foi colocado na loja da Oculus e começamos a ter uma grande repercussão na imprensa e os vídeos do jogo conseguiram 5 milhões de visitas em 3 meses a gente se deu conta de que aquele jogo merecia ser desenvolvido como projeto comercial.

 

Pixel Ripped foi pensado com base na realidade virtual. Quem não possui um óculos vai conseguir jogar o game? Se sim, a experiência será a mesma?

O jogo foi desenvolvido e pensado para realidade virtual, simplesmente ele não pode ser jogado e entendido completamente sem essa tecnologia.

O game tem muitas referências aos jogos dos anos 80-90. Quais foram as principais influências durante o desenvolvimento?

As principais influências são os jogos de plataformas de finais dos 80s e início dos 90s, como as séries Megaman, Sonic e Super Mario Bros, na estética e mecânicas. Mas também tem referências a muitos outros jogos como Battletoads, Tetris ou até Pokémon.

 

Sobre o cenário de desenvolvimento de jogos no Brasil, a quantas anda a nossa indústria? Dá para viver de jogo?

Na nossa área de VR sentimos que não estamos muito atrás, o Brasil pode sim dessa vez participar do surgimento de uma grande média. Os desenvolvedores do mundo todo estão no mesmo barco, descobrindo tudo agora sobre realidade virtual. Aqui não estamos atrás no desenvolvimento, já existem vários desenvolvedores brasileiros de VR, como a Skullfish, IMGNation, VR Monkey, Black River Studios, a ARVORE foi a primeira empresa brasileira focada somente em experiências imersivas a ser VC funded. A única diferença que percebemos mais desenvolvendo aqui no Brasil é a dificuldade de acesso aos headsets de VR. Não existem representantes das plataformas de Realidade Virtual aqui no país e em consequência disso fica difícil o acesso dos desenvolvedores pros kits de desenvolvimento.

Quais os proximos desafios do ARVORE após o lançamento de Pixel Ripped?

Estamos desbravando e sempre inovando nos meios imersivos, criando projetos que já nascem em realidade virtual. Para isso, temos que prototipar muito e testar muitas coisas novas, integrando diversas tecnologias diferentes. Já temos alguns games de realidade virtual e experiências interativas multi-sensoriais inovadoras no nosso pipeline de desenvolvimento que anunciaremos em breve, assim como as sequências do Pixel Ripped, que vão abordar diferentes eras da história dos games.

 

Já tem alguns anos que os grandes players dizem que a realidade virtual é o futuro da indústria, mas em nosso país os equipamentos possuem preços proibitivos. Vocês fazem apostas de quando a tecnologia VR será mais acessível aos jogadores médios?

Como qualquer tecnologia nova, os preços rapidamente caem com o tempo e com a adoção de cada vez mais pessoas. Enquanto isso, estamos trazendo essa tecnologia para os jogadores apostando em espaços de entretenimento de Realidade Virtual aqui no Brasil, os chamados LBEs (Location Based Experiences). Acabamos de abrir o Voyager, um espaço no shopping JK Iguatemi em São Paulo onde os visitantes podem jogar e experimentar o estado da arte de VR, incluindo o Pixel Ripped 1989 e outras experiências desenvolvidas pela ARVORE, assim como os melhores games e experiências do mundo de VR. A idéia é abrir diversos espaços desses por todo o Brasil.   

O que os jogadores podem esperar de Pixel Ripped? Qual foi o objetivo do estúdio com este game?

O jogo é um projeto feito com paixão e muitos anos de desenvolvimento, criado pela Ana Ribeiro, que além de ser uma força criativa em pessoa, lutou muito para fazer o game acontecer e nunca desistiu. Ela estava desenvolvendo o game praticamente sozinha quando no final do ano passado trouxemos ela para dentro do estúdio, investimos no game e demos um time para terminarmos o game juntos. Não tínhamos a menor dúvida sobre isso, é um projeto do qual já éramos grandes fãs antes mesmo da Ana vir para a empresa. É cheio de surpresas, easter eggs, referências aos games do passado, ao mesmo tempo sendo super criativo e original. Não tem nada em VR parecido com ele. Além disso é uma viagem nostálgica que vai tocar qualquer um que viveu essa época dos anos 80. E é um jogo que nasceu em VR, para VR, e nem faria sentido se não fosse em VR. O nosso estúdio sempre procura projetos assim, que tem esse DNA original e que só seriam possíveis em realidade virtual, e que trazem algo novo para o meio.

Huni Kuin – game desenvolvido por índios conta lendas de tribo da Amazônia

Hoje vamos falar sobre um dos jogos que tem a cara e o espírito do Brasil: Huni Kuin: os caminhos da jibóia, um título desenvolvido pela tribo Kaxinawá que conta as memórias dos pagés da tribo originária do coração da Amazônia. O game foi desenvolvido com o intuito de mostrar a cultura indígena para aqueles que têm interesse em conhecer mais sobre as lendas indígenas e seu modo de vida.

Sim, voce não leu errado, a tribo Huni Kuin (ou Kaxinawá) desenvolveu um jogo eletrônico, que pode ser baixado gratuitamente. Trata-se de um jogo de plataforma 2D dividido em cinco episódios (Yube Nawa Aibu, Siriani, Shumani, Kui Dume Teneni e Hua Karu Yuxibu), onde os jogadores devem encarnar um jovem indio e enfrentar desafios como enfrentar cobras, salvar irmãos índios e desbravar as matas fechadas. Cada fase conta uma antiga história do povo Huni Kuin.

Mulheres da tribo Huni Kuin

“Um casal de gêmeos kaxinawá foram concebidos pela jiboia Yube em sonhos e herdaram seus poderes especiais. Um jovem caçador e uma pequena artesã, ao longo do jogo, passarão por uma série de desafios para se tornarem, respectivamente, um curandeiro (mukaya) e uma mestra dos desenhos (kene). Nesta jornada, eles adquirirão habilidades e conhecimentos de seus ancestrais, dos animais, das plantas e dos espíritos; entrarão em comunicação com os seres visíveis e invisíveis da floresta (yuxin), para se tornarem, enfim, seres humanos verdadeiros (HuniKuin).”

A proposta é propiciar uma imersão no universo HuniKuin, em que os jogadores possam entrar em contato com saberes indígenas – como os cantos, grafismos, histórias, mitos e rituais deste povo – possibilitando uma circulação destes conhecimentos por uma rede mais ampla. Inclusive a equipe de programadores auxiliou os índios a construir painéis solares para que os jovens Kaxinawá também pudessem ter acesso ao game.

O título possui gráficos cartunescos e uma jogabilidade simples, de modo que qualquer um pode apreciar o jogo, que é exclusivo para PCs. A equipe de desenvolvimento foi liderada pelo antropólogo e game designer Guilherme Meneses, que acredita que a tecnologia deve ser utilizada como ferramenta para preservação cultural do povo indígena Kaxinawá. Voce pode baixar o game exclusivamente para PCs aqui.

Sobre a tribo Huni Kuin

O jogo Huni Kuin foi possível graças aos esforços da equipe Beya Xinã Bena, grupo formado por indígenas em 2014 com o objetivo de reunir, fomentar e difundir as produções audiovisuais dos Huni Kuin do Rio Jordão.

A tribo é adepta da chamada Dau Kauin (medicina verdadeira), que mostra o conhecimento das plantas de cura do povo Huni Kuin através de ayahuasca, chacrona e rapé. A tribo é uma das mais respeitadas na fronteira entre o Acre e o Peru.

Abaixo tem um vídeo falando mais sobre o projeto Huni Kuin: