Arquivo da tag: BIG

BIG Festival 2018 – Perdeu o prazo de inscrição? Veja três maneiras de você ainda participar do evento

Ainda que as inscrições para submeter seu jogo ao BIG Festival 2018 tenha encerrado, existem três formas de você participar do evento deste ano e mudar a história do seu jogo radicalmente. Lembrando que o BIG é o maior evento de jogos independentes da América Latina e os projetos que costumam aparecer lá ganham bastante prestígio e notoriedade.

A primeira oportunidade é através do BIG Starter. Trata-se de uma premiação para jogos ainda não finalizados. Basicamente você tem a chance de apresentar seu projeto e em seguida ele passa por uma banca julgadora composta por investidores e profissionais da área.

Os dois melhores projetos levam um prêmio de R$ 20 mil (categorias entretenimento e educacional). Mais importante do que o dinheiro é o feedback que acaba melhorando o jogo e dando o norte que o game precisa para seguir adiante. Você pode se inscrever no BIG Starter aqui.

A segunda oportunidade é o BIG Brands, que é mais voltada a jogos feitos para divulgação de marcas ou produtos. Os melhores jogos serão selecionados por um júri técnico e serão expostos no festival.

Todas as agências de publicidade, produtoras, desenvolvedores ou a própria marca que encomendou o jogo podem inscrever os jogos, contanto que tenham poder de representar o jogo e que tenham obtido todas as autorizações para mostrá-lo no festival.

Por fim, temos o BIG Ventures, uma atividade exclusiva para empresas que estejam em busca de investimento para o seu negócio, não apenas para um jogo ou produto específico. Ou seja, esta categoria é aberta para todas as empresas ligadas ao audiovisual.

Esse ano, o BIG Ventures traz uma nova atividade, o BIG Pitch: Empresas de games, cinema, TV, animação, música ou outras empresas ligadas ao setor audiovisual, farão um pitch para uma banca de investidores anjos e fundos de investimento privados e públicos.

Se a sua empresa está procurando recursos para estabelecer ou expandir sua operação, esta é a oportunidade ideal para mostrar seu potencial, receber feedback de uma banca qualificada e, quem sabe, conseguir investimento para o seu negócio. Inscrições aqui.

 

A polêmica do BIG Festival x Desenvolvedores de Jogos: entenda o caso e a resposta da organização do evento

Criado em 2012 no Museu da Imagem e do Som (MIS), o BIG Festival se desenvolveu rapidamente de uma pequena mostra de games, para um evento de proporções e importância grandiosa. E não é por menos: foi ele o evento  pioneiro dedicado exclusivamente a jogos independentes do Brasil. Graças a ele os produtores nacionais conseguiram visibilidade e contato direto com o público como nunca antes. Claro, alguns eventos de grande porte como a BGS dedicam algum espaço para indies, mas apenas o BIG nasceu e cresceu com os pequenos produtores como foco principal.

Na última semana a comunidade de produtores nacionais e jogadores presenciaram uma polêmica envolvendo o BIG Festival. Fato este que levou até a produção do evento a escrever uma carta aberta a fim de responder os desenvolvedores. Tudo começou no último dia 18, quando um grupo de 250 desenvolvedores de jogos encaminhou uma carta aberta para o BIG. A carta continha algumas críticas e questionamentos acerca das políticas do evento.

“Viemos através desta apresentar oficialmente nossa insatisfação em relação às escolhas do Festival. Essa insatisfação não é nova e já tem sido comunicada aos organizadores por diversas vezes nos últimos anos, com pouco ou nenhum resultado. Nos preocupa e incomoda que o BIG Festival, que usa em seu nome ‘brazilian independent’, dê tão pouco espaço para nós, os tais desenvolvedores brasileiros independentes”, começava o documento.

Basicamente os desenvolvedores cobram maior transparência da organização em relação aos critérios de avaliação para chegar a ser finalista do evento. Além disso, não viram com bons olhos a participação da Bandai Namco dentro do evento julgando os games nacionais. Também foi cobrada a falta de espaço para jogos feitos por universitário, em detrimento de projetos de empresas já estabelecidas e com recursos grandiosos. Ao final do documento foram levantadas possíveis soluções para os problemas levantados.

Com a polêmica levantada e a assinatura de 250 desenvolvedores, a organização viu que as coisas poderiam evoluir rapidamente para uma situação desfavorável. A princípio o BIG tentou uma reunião com uma comitiva de desenvolvedores, porém a sugestão logo se viu inviabilizada por motivos de deslocamento e escolha dos membros da comitiva. Questionou-se o porquê a organização não responde simplesmente as reivindicações da carta ponto a ponto. Pois bem, a organização do evento ouviu a comunidade e encaminhou hoje (23) para a imprensa uma carta aberta respondendo todos os 16  pontos do documento.

O documento contém 28 páginas e pleiteia esclarecer as dúvidas levantadas. A primeira coisa é que a organização desmente veementemente o rumor de que poderia rolar uma lista negra aos desenvolvedores que assinaram a petição.

“É importante declarar que são boatos totalmente infundados quaisquer possibilidades de retaliação ou lista negra por parte do BIG a quem quer que seja signatário da carta. Não sabemos quem teve a ideia de inventar isso (de fato, vários comentários inventados e não checados circularam, inclusive pela imprensa, esse é apenas um dos mais absurdos deles). Seria totalmente absurdo gerar uma lista negra para uma carta que propõe melhorar o evento”, escreve Gustavo Steinberg, diretor executivo do BIG.
Visando melhorar a comunicação entre evento e desenvolvedores, o BIG continua sugerindo a eleição de uma comissão que represente a categoria. “Sugerimos, porém, que elejam uma comissão que possa trabalhar conosco ainda nesta edição. É difícil para o festival de se comunicar com 250 pessoas ao mesmo tempo. Nossa estrutura é BEM menor do que vocês imaginam”, diz o comunicado.

Na quarta-feira (25) será realizado um encontro entre os desenvolvedores e a direção do evento às 18h no Centro Cultural São Paulo. De acordo com o BIG o evento será transmitido online. Sobre a principal crítica do evento, a parte que fala sobre a falta de transparência e a presença de grandes empresas, o BIG se defendeu dizendo que os patrocinadores não tem influência na escolha dos jogos finalistas.

“O BIG é um evento de games que engloba diversos patrocinadores, associações, e órgãos, porém as associações e entidades não têm participação nenhuma na seleção dos jogos do festival, sendo escolhido um grupo de curadores que não tem ligação com as mesmas. Pedimos que casos específicos sejam encaminhados para que possamos apurar e responder à altura”.

Mais informações podem ser vistas no site do evento.

Inscrições para o BIG Festival 2018 estão prorrogadas até o dia 28 de abril

Ainda não teve tempo de cadastrar seu jogo no BIG Festival 2018, o maior evento de jogos independentes da América Latina? Pois não deixe a oportunidade passar! A organização do evento prorrogou o período de inscrições até o dia 28 de abril. Desenvolvedores do mundo todo devem submeter suas criações gratuitamente através do site oficial.

A sexta edição do BIG Festival acontecerá de 23 de junho a 1 de julho, no Centro Cultural São Paulo, na capital paulista, e no Oi Futuro, no Rio de Janeiro. Os jogos finalistas, produzidos para computadores, tablets, smartphones, consoles e dispositivos de realidade virtual (VR), estarão disponíveis em dezenas de estações para o público em uma exposição gratuita, em que todos poderão testá-los e contribuir para a premiação votando em seus favoritos.

Todos os jogos inscritos serão analisados pelo Comitê de Seleção do festival e os selecionados irão competir em categorias como Melhor Jogo, Melhor Som, Melhor Arte, Melhor Narrativa, Realidade Virtual, entre outras. Os vencedores serão anunciados no palco do evento.

Os representantes dos jogos finalistas recebem, ainda, acesso gratuito às rodadas de negócios do maior hub do setor de games e animação da América Latina, e podem ter a oportunidade de fazer uma palestra sobre o seu jogo. Na última edição, 3200 profissionais do setor estiveram presentes com o objetivo de fortalecer a indústria e criar oportunidades.

Neste ano, uma novidade será uma ação do BIG Festival no Rio de Janeiro. O BIG Rio acontece de 23 de junho a 1 de julho, no centro cultural Oi Futuro, na capital carioca. A ação terá foco em jogos de impacto social com exposição gratuita de games em todos os dias, além de discussões nos dias 29 e 30 de junho, e será realizada em parceria com o Oi Futuro, instituto de inovação e criatividade da Oi.

Serviço – 6º BIG Festival (Brazil’s Independent Games Festival)
De 23 de junho a 1 de julho (Segunda, 25, não abre)
Rodadas de Negócios – de 27 a 29 de junho
De terça a sexta: 10h às 22h / Sábado e domingo: 14h às 22h
Centro Cultural São Paulo – Rua Vergueiro, 1000 – Paraíso, SP
Entrada: Gratuita

BIG Festival abre inscrições para o BIG Starter, premiação para jogos em desenvolvimento

Seu game ainda está em desenvolvimento e você quer impulsionar o marketing e quem sabe conquistar um investidor? O BIG Festival (Brazil’s Independent Games Festival), maior festival de jogos independentes da América Latina, está com inscrições abertas para o BIG Starter, premiação dedicada aos projetos de games em desenvolvimento ou ainda não publicados de desenvolvedores independentes brasileiros. As inscrições devem ser feitas até o dia 7 de maio, através do site oficial.

Como já é tradição, serão duas categorias: “Melhor Jogo de Entretenimento” e “Melhor Jogo Educacional ou de Impacto”. Os participantes podem enviar quantos games desejarem, para as categorias que quiserem. Os finalistas terão a oportunidade única de apresentarem seus projetos a um público com nomes de destaque na indústria, nacional e internacional, à imprensa e a investidores no dia 27 de junho, no palco do BIG Festival, em São Paulo.

O comitê de avaliação irá analisar a qualidade geral do projeto de jogo. Os critérios incluem aspectos audiovisuais, interativos, mecânica, e criatividade, para então os projetos finalistas serem selecionados. Todos os jogos submetidos deverão ser inéditos e de propriedade de seus criadores. E mais uma coisa importante: os participantes podem enviar o mesmo projeto que submeterem ao BIG Starter à competição principal do BIG Festival, contanto que ele cumpra todas as regras.

Em 2017, o vencedor do BIG Starter na categoria Entretenimento foi King Boom, jogo mobile da Digi Ten com grande foco em interações sociais em que o jogador assume o papel de capitão em um navio voador, junto com sua tripulação de animais engraçados e animados, em busca de tesouros em ilhas flutuantes.

Já na categoria Educacional ou de Impacto, o vencedor foi o projeto Medroom, um simulador que utiliza realidade virtual para treinamento em saúde. O projeto trazia uma proposta madura, com oportunidades de aplicação global para a formação e aprendizagem na área – em que a introdução de novas tecnologias é fundamental. A sexta edição do BIG Festival acontece de 23 de junho a 1 de julho, no Centro Cultural São Paulo, na capital paulista, e no Oi Futuro, no Rio de Janeiro.

Serviço: 6º BIG Festival (Brazil’s Independent Games Festival)

De 23 de junho a 1 de julho (Segunda, 25, não abre)
Rodadas de Negócios – de 27 a 29 de junho
De terça a sexta: 10h às 22h / Sábado e domingo: 14h às 22h
Centro Cultural São Paulo – Rua Vergueiro, 1000 – Paraíso, SP
Entrada: Gratuita

BIG Festival 2018 abre inscrições para a premiação internacional de melhores jogos

Já estão abertas as inscrições para desenvolvedores do mundo todo para submeter seus jogos para o BIG Festival 2018, o maior evento de jogos independentes da América Latina. De acordo com os desenvolvedores, as inscrições devem ser feitas até o dia 13 de abril. Após isso, serão escolhidos os games mais promissores para fazer parte do evento presencial. Para fazer a inscrição basta acessar o site do evento.

Esta é a sexta edição do evento e a grande novidade é que desta vez o evento ocorre em duas cidades simultaneamente (RJ e SP). Na capital paulista, o evento ocorre no Centro Cultural, como nas edições anteriores. Já na capital carioca, os visitantes podem conferir todos os finalistas no espaço Oi Futuro. Haverão dezenas de computadores, tablets, smartphones, consoles e dispositivos VR para que o público experimente os games independentes que mais se destacaram no ano é em seguida possa escolher seus favoritos em votação aberta.

Todos os jogos inscritos no BIG serão analisados pelo Comitê de Seleção do festival e os selecionados irão competir em categorias como Melhor Jogo, Melhor Som, Melhor Arte, Melhor Narrativa, Realidade Virtual, entre outras. Os vencedores serão anunciados no palco do evento. A expectativa é que as inscrições superem o número recorde do ano passado, quando a premiação internacional do BIG Festival recebeu 617 jogos candidatos de 54 países diferentes, sendo mais da metade deles (321) produzidos no Brasil.

Ainda de acordo com a organização do BIG, os desenvolvedores finalistas ganham entrada às rodadas de negócios do maior hub do setor de games e animação da América Latina, e podem ter a oportunidade de fazer uma palestra sobre o seu jogo. Na última edição, 3200 profissionais do setor estiveram presentes com o objetivo de fortalecer a indústria e criar oportunidades.

Serviço – 6º BIG Festival (Brazil’s Independent Games Festival)

De 23 de junho a 1 de julho (Segunda, 25, não abre)
Rodadas de Negócios – de 27 a 29 de junho
De terça a sexta: 10h às 22h / Sábado e domingo: 14h às 22h
Centro Cultural São Paulo – Rua Vergueiro, 1000 – Paraíso, SP

Desenvolvedores brasileiros irão à Game Connection Europe 2017 em busca de parceria e visibilidade

O evento Game Connection Europe 2017 terá a participação de uma comitiva de desenvolvedores brasileiros. Isto porque o Projeto Setorial de Exportação Brazilian Game Developers, uma iniciativa criada pela Associação Brasileira das Empresas Desenvolvedoras de Jogos (Abragames) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimento (Apex-Brasil), representarão o país em peso no evento francês que ocorre de 1 a 3 de Novembro, 2017.

Neste ano, a delegação brasileira contará com as melhores 11 empresas do cenário independente de jogos. O objetivo da delegação Brasileira é encontrar parceiros em potencial, publishers, investidores, ou para oferecer seus serviços de work for hire.  Além dos desenvolvedores, uma delegação de executivos da Abragames também irá à Game Connection Europe para encontrar convidados em potencial, speakers, keynotes e compradores para trazer ao BIG Festival 2018. O objetivo do Festival é sempre ter os melhores profissionais do mundo inteiro compartilhando suas experiências e seus conhecimentos com um público engajado e interessado.

“Estamos muito felizes por participar da Game Connection Europa mais uma vez, um dos eventos mais importantes do mundo do setor de games. Esperamos que nossas 11 empresas expositoras saiam de Paris com ótimos Negócios,” declarou Eliana Russi, Gerente Geral da Abragames.

Abaixo você confere a lista completa das empresas participantes:

Arcolabs – Com sede no Rio de Janeiro, Arcolabs é especializada em jogos infantis e irá à GCE fazer network, encontrar novas PI no segmento, e oferecer seus serviços de desenvolvimento externo para jogos infantis;

Arvore – Empresa que desenvolve narrativas imersivas em VR para todas as plataformas. Eles irão participar da Game Connection Europe para fazer network e apresentar seus jogos, incluindo PIXEL RIPPED, indicado a diversos prédios antes mesmo de seu lançamento, PLANET KAIJU, multiplayer cooperativo em que 4 jogadores controlam o mesmo robô, e THE QUANTUM FILES, em que um cientista forense precisa resolver crimes;

ACATE Games – A Associação Catarinense de Tecnologia representa empresas de games de Santa Catarina, com sede em Florianópolis. Com empresas associadas de vários segmentos, como entretenimento, tecnologia e educação, eles participarão da GCE para encontrar novos parceiros e fazer networking com a indústria internacional.

Cruel Byte – Com seus novos jogos em realidade virtual, EVERYONE COUNTS and LOST ROOM, eles estarão na GCE para mostrar seus projetos, encontrar publishers, e procurar investidores para seus futuros produtos;

Flux Game Studio – Apresentará GUTS (Gory Ultimate Tournament Show), um jogo de luta ultraviolento ao estilo Tarantino, em que os jogadores precisam esquartejar seus oponentes e arrancar seus membros para vencer;

GamePlan – GamePlan é uma consultoria 360 com uma visão de Mercado única: é uma startup disruptiva que ajuda estúdios de games e outras empresas relacionadas á indústria a atingirem seus objetivos mundialmente;

Hermit Crab Game Studio – Hermit Crab é um studio de desenvolvimento para jogos de PC e Mobile;

Lumentech – Fundada em 2004, e fazendo work for hire desde 2007, a Lumentech desenvolveu o megasucesso HEMPIRE para o LDC Studios do Canadá. Na GCE, eles vão procurar por parceiros, novos projetos e oferecer seus services de work for hire, além de expandirem sua rede de contatos;

Kokku – Conhecida por seu trabalho em Horizon Zero Dawn, da Guerrilla Games, Kokku é uma empresa de Desenvolvimento Externo localizada no Brasil. Eles participarão da GCE para encontrar novos compradores e novos proejtos, tanto para jogos mobile quanto para triple A;

Manifesto Game Studio – Um studio desenvolvedor de jogos casuais fundado em 2005, tendo desenvolvido, co-produzido e operado jogos Bandai Namco, DeNA, Gamblite e Mightyplay para a Disney, SeaWorld e Zynga. Na GCE, eles irão ampliar sua rede de contados e encontrar novos projetos;

Sinergia Studios – Um recém-formado studio de São Paulo, participarão da GCE para export seus três novos jogos em desenvolvimento: VIGILANTE RANGER, ARMY OF ROBOTS, e TINY FORCE DELUXE. Também vão procurar por parceiros e publishers.

Distortions estará disponível para gameplay na BGS 2017

O Pavilhão Indie da Brasil Game Show promete ser um dos melhores de todos os tempos graças a presença de jogos fantásticos, como é o caso de Distortions, da produtora indie brasileira Among Giants. O game terá uma demo exclusiva na maior feira de games da América Latina para quem quiser testar. O título é o atual vencedor do BIG Festival, tendo levado os prêmios de Melhor Jogo Brasileiro e Melhor Jogo no voto popular.

Among GiantsAlém de testar o game, os visitantes poderão bater um papo com toda a equipe de desenvolvedores do Distortions. É a oportunidade para descobrir quais engines foram utilizadas para obter o resultado final e as inspirações por trás do enredo. Mas se você quiser perguntar qual pizza era a mais pedida pela equipe durante o desenvolvimento não tem problema. Vale destacar ainda que no estande de Distortions haverá uma cosplayer com os trajes da garota que protagoniza o game. Você pode tirar fotos à vontade. A intenção é popularizar ainda mais a franquia entre os jogadores brasileiros.

Em Distortions você controla uma garota que acorda em um quarto estranho e desconhecido. Sem entender o que se passa ou onde está, a jovem começa a investigar o quarto, mas para seu desespero percebe que o tempo parece estar parado e os objetos congelados, como se a gravidade já não mais existisse. A partir daí, o jogador deve conduzir a jovem através de um mundo vasto e solitário, na tentativa de descobrir respostas para os mistérios que a rodeiam.

Sua única arma é um violino, que deve ser utilizado para defender-se. Mas não pense que ela deve golpear os inimigos com golpes de violino, mas sim encontrando partituras perdidas de músicas que servem para deter os inimigos, manipular o ambiente, entre outras ações. Além disso, a jovem deve encontrar páginas perdidas de um estranho diário que contém pistas que a guiarão em sua jornada. De acordo com os produtores, Distortions conta com referencias de games como Shadow Of The Colossus, Silent Hill 2, e de filmes como Brilho Eterno De Uma Mente Sem Lembranças e Once, apenas uma vez.

Abaixo tem um trailer de Distortions:

Derrote a invasão alienígena no shmup Esquadrão51

Quem curte shmups sabe que o gênero é um dos mais divertidos e reconhecidos da geração 16-32 bits. Infelizmente os produtores de jogos parecem ter esquecido este gênero de jogos, mas vez ou outra surgem pérolas que merecem atenção especial. Este é o caso de Esquadrão 51, um jogo indie brasileiro que te coloca em um combate ferrenho contra invasores alienígenas.

Tal como na maioria dos shmups, aqui você pode esperar chuvas de tiros e muita ação. Na breve descrição do enredo é dito que formas de vida alienígena enganaram e exploraram a raça humana por tempo demais. Para libertar a humanidade do julgo extraterrestre, cabe ao jogador pilotar um avião de guerra para combater os inimigos.

Essa invasão foi orquestrada pela Corporação Vega, que veio com a promessa de ajudar a humanidade a desenvolver a própria tecnologia, porém as coisas se converteram numa ditadura baseada na violência e exploração. Assim é formado o Esquadrão 51, a única esperança de derrotar os invasores alienígenas.

Quem esteve no BIG Festival 2017, maior evento de jogos independentes da América Latina, pôde conferir em primeira mão o Esquadrão 51, pois ele estava presente para testes e foi indicado aos prêmios de “Melhor Jogo Brasileiro” e “Melhor Arte”. Ambas as indicações são bastante justas, visto que a arte em preto e branco são extremamente chamativas e há ótimos efeitos gráficos de explosões e as naves inimigas possuem muitos detalhes.

Parece que a inspiração do jogo foram os inúmeros vídeos e documentários sobre OVNIS dos anos 50/60, além dos filmes de ficção da época, pois além do design em preto e branco, o design das naves remetem claramente as aeronaves do final da segunda guerra mundial. A primeira nave utilizada é um Republic P-47 Thunderbolt. Esquadrão 51 foi desenvolvido por Marcio Rosa, que fez o possível para homenagear os grandes jogos de navinha dos anos 90. O game é bastante nostálgico e uma verdadeira ode ao gênero.

Abaixo tem o trailer de Esquadrão 51:

Estes são os vencedores do BIG Festival 2017

O BIG Festival foi um grande sucesso, pois além de apresentar jogos matadores, ainda atraiu uma multidão de pessoas para o Centro Cultural São Paulo. A cerimônia de premiação ocorreu na última quinta-feira (29 de junho) e quem esteve presente se divertiu bastante.

O troféu de Melhor Jogo da competição foi entregue a Overcooked, jogo produzido pelos britânicos da Ghost Town Games, que também levou o prêmio de Melhor Gameplay. O jogo nacional Distortions, do estúdio paulista Among Giants, levou dois prêmios: Melhor Jogo Voto Popular e Melhor Jogo Brasileiro.

Abaixo você confere os games vencedores do BIG Festival 2017:

 

Melhor Jogo: Overcooked

Há muitos jogos divertidos e bem executados neste festival, o que fez o júri quebrar a cabeça para descobrir quem premiar no final. Depois de muita deliberação, “Overcooked” foi escolhido por sua mistura vencedora de inovação, acessibilidade e diversão. Jogar “Overcooked” coloca à prova a durabilidade tanto de suas amizades quanto do seu sofá.

Melhor Jogo Brasileiro: Distortions
Melhor Jogo Voto Popular: Distortions

De todos os jogos brasileiros competindo nesta competição, “Distortions” se destaca pela fantástica síntese de design visual e sonoro que contribui para a criação de um ambiente e de uma narrativa que são tão eletrizantes quanto emocionantes.

 

Melhor Jogo América Latina: The Deadly Tower of Monsters

Nesta aventura, o jogador faz a jornada de um herói de ação do cinema na compania de fiéis escudeiros e uma torre cheia de monstros. O estilo audiovisual retrô evoca, com sucesso, o sentimento clássico dos filmes da era atômica.

 

Melhor Jogo Educacional ou de Impacto Social: Orwell

Com o advento do mundo digital, cada vez mais vivemos em uma sociedade na qual a vigilância e a coleta de informações privada é onipresente. “Orwell” é uma exploração arrepiante de quão fácil é de se observar (e mal interpretar) tudo o que fazemos (ou podemos fazer) no ciberespaço.

Melhor Jogo de Realidade Virtual: SUPERHOT VR

“SUPERHOT VR” utiliza com maestria os recursos desta plataforma, levando a Realidade Virtual para outro patamar. Divertido e interessante, este prêmio é mais que merecido.

 

Melhor Arte: Old Man’s Journey

“Old Man’s Journey” é um jogo bonito e cativante. O prêmio de melhor arte é um reconhecimento justo ao bom gosto estético e talento artístico do time.

 

Melhor Narrativa: Figment

A narrativa do jogo “Figment” lida com o tema de envelhecer. Assuntos sensíveis como doença, stress e depressão são cuidadosamente discutidos e representados em um mundo de sonhos.

Melhor Inovação: Yankai’s Peak

O desenvolvedor Kenny Sun prende a atenção do jogador com um gameplay inovador que é ao mesmo tempo simples e. Yankai’s Peak” eleva o gameplay de quebra-cabeças a uma forma de arte.

 

Melhor Som: ETHEREAL

O áudio em “ETHEREAL” não é apenas “o som do jogo”. O som É o jogo. Este som adiciona uma grande profundidade ao visual e gameplay minimalista, e aos poucos, vai se infiltrando de forma completa à mente do jogador.

 

Melhor Gameplay: Overcooked

“Overcooked” é um jogo cooperativo multijogador local frenético e super-divertido. Apesar de ser baseado em ações simples, o ingrediente secreto nesta receita é a coordenação necessária entre os jogadores para continuar atendendo a sua clientela frente a desafios que aos poucos vão ficando cada vez mais complexos e surpreendentes.

 

BIG Starter – Entretenimento: King Boom

King Boom comprovou seu potencial para o sucesso ao unir a um planejamento comercial sólido seu universo colorido, dançante e carismático.

 

BIG STARTER – Educacional: Medroom

Medroom traz uma proposta madura, com oportunidades de aplicação global para a formação, aprendizagem e treinamento na área de saúde – em que a introdução de novas tecnologias é fundamental.

Finalistas do BIG Festival #05: Wuppo

Por fim vamos falar sobre o quinto, mas não menos importante, game a disputar o grande prêmio de Melhor Jogo do Ano do BIG Festival 2017, o maior evento de jogos independentes da América Latina. Estamos falando de Wuppo, da produtora Knuist & Perzik, da Holanda. O título mistura ação, aventura, RPG e plataforma 2D em um mundo colorido e bastante vibrante. Não por acaso, este é um dos mais frtes candidatos ao título máster.

A primeira coisa a chamar as atenções em Wuppo é seu estilo artístico extremamente caprichado, totalmente desenhado à mão.  A impressão é de estar jogando um desenho animado, pois o jogo é um dos mais bonitos já vistos. Aparentemente os desenvolvedores colocaram toda a dedicação no projeto, desde a parte visual até as mecânicas.

O enredo conta a história do pequeno Wum que é expulso de um hotel após uma confusão envolvendo sorvete. A partir daí, o personagem deve procurar um novo lar, passando por diversas localidades, das mais pacíficas até as mais perigosas. Do porto metropolitano de Popocity até a cavernosa Bliekopolis, nosso Wum descobrirá lugares mágicos e encontrará criaturas estranhas.

Mas esse Wum não é um herói tradicional e só sua inteligência e seu charme podem ajudá-lo nessa aventura desafiadora. Nesta jornada surgem inimigos perigosos e puzzles desafiadores para testar a inteligência do jogador. Pode esperar por um jogo que preza mais a jornada do que as mecânicas em si, tal como o famoso Journey, porém com seu próprio brilho.

Wuppo é um jogo bastante sensível, de modo que durante a jornada o jogador encontra diversos personagens com seus próprios problemas e desafios, que são expostos em diálogos comoventes. Cabe ao jogador ajudar os NPCs que surgem a todo o momento. A mecânica lembra algo de Zelda.

O título é bem simples de se aprender, não oferecendo dificuldades nas batalhas ou nos quebra-cabeças. O objetivo é que o game seja amigável para jogadores de todas as idades, combinando perfeitamente com os visuais até infantis. Wuppo está disponível para PC e pode ser adquirido através da Steam e GoG.

Abaixo tem o trailer de Wuppo: