Arquivo da tag: BIG

Desenvolvedores brasileiros irão à Game Connection Europe 2017 em busca de parceria e visibilidade

O evento Game Connection Europe 2017 terá a participação de uma comitiva de desenvolvedores brasileiros. Isto porque o Projeto Setorial de Exportação Brazilian Game Developers, uma iniciativa criada pela Associação Brasileira das Empresas Desenvolvedoras de Jogos (Abragames) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimento (Apex-Brasil), representarão o país em peso no evento francês que ocorre de 1 a 3 de Novembro, 2017.

Neste ano, a delegação brasileira contará com as melhores 11 empresas do cenário independente de jogos. O objetivo da delegação Brasileira é encontrar parceiros em potencial, publishers, investidores, ou para oferecer seus serviços de work for hire.  Além dos desenvolvedores, uma delegação de executivos da Abragames também irá à Game Connection Europe para encontrar convidados em potencial, speakers, keynotes e compradores para trazer ao BIG Festival 2018. O objetivo do Festival é sempre ter os melhores profissionais do mundo inteiro compartilhando suas experiências e seus conhecimentos com um público engajado e interessado.

“Estamos muito felizes por participar da Game Connection Europa mais uma vez, um dos eventos mais importantes do mundo do setor de games. Esperamos que nossas 11 empresas expositoras saiam de Paris com ótimos Negócios,” declarou Eliana Russi, Gerente Geral da Abragames.

Abaixo você confere a lista completa das empresas participantes:

Arcolabs – Com sede no Rio de Janeiro, Arcolabs é especializada em jogos infantis e irá à GCE fazer network, encontrar novas PI no segmento, e oferecer seus serviços de desenvolvimento externo para jogos infantis;

Arvore – Empresa que desenvolve narrativas imersivas em VR para todas as plataformas. Eles irão participar da Game Connection Europe para fazer network e apresentar seus jogos, incluindo PIXEL RIPPED, indicado a diversos prédios antes mesmo de seu lançamento, PLANET KAIJU, multiplayer cooperativo em que 4 jogadores controlam o mesmo robô, e THE QUANTUM FILES, em que um cientista forense precisa resolver crimes;

ACATE Games – A Associação Catarinense de Tecnologia representa empresas de games de Santa Catarina, com sede em Florianópolis. Com empresas associadas de vários segmentos, como entretenimento, tecnologia e educação, eles participarão da GCE para encontrar novos parceiros e fazer networking com a indústria internacional.

Cruel Byte – Com seus novos jogos em realidade virtual, EVERYONE COUNTS and LOST ROOM, eles estarão na GCE para mostrar seus projetos, encontrar publishers, e procurar investidores para seus futuros produtos;

Flux Game Studio – Apresentará GUTS (Gory Ultimate Tournament Show), um jogo de luta ultraviolento ao estilo Tarantino, em que os jogadores precisam esquartejar seus oponentes e arrancar seus membros para vencer;

GamePlan – GamePlan é uma consultoria 360 com uma visão de Mercado única: é uma startup disruptiva que ajuda estúdios de games e outras empresas relacionadas á indústria a atingirem seus objetivos mundialmente;

Hermit Crab Game Studio – Hermit Crab é um studio de desenvolvimento para jogos de PC e Mobile;

Lumentech – Fundada em 2004, e fazendo work for hire desde 2007, a Lumentech desenvolveu o megasucesso HEMPIRE para o LDC Studios do Canadá. Na GCE, eles vão procurar por parceiros, novos projetos e oferecer seus services de work for hire, além de expandirem sua rede de contatos;

Kokku – Conhecida por seu trabalho em Horizon Zero Dawn, da Guerrilla Games, Kokku é uma empresa de Desenvolvimento Externo localizada no Brasil. Eles participarão da GCE para encontrar novos compradores e novos proejtos, tanto para jogos mobile quanto para triple A;

Manifesto Game Studio – Um studio desenvolvedor de jogos casuais fundado em 2005, tendo desenvolvido, co-produzido e operado jogos Bandai Namco, DeNA, Gamblite e Mightyplay para a Disney, SeaWorld e Zynga. Na GCE, eles irão ampliar sua rede de contados e encontrar novos projetos;

Sinergia Studios – Um recém-formado studio de São Paulo, participarão da GCE para export seus três novos jogos em desenvolvimento: VIGILANTE RANGER, ARMY OF ROBOTS, e TINY FORCE DELUXE. Também vão procurar por parceiros e publishers.

Distortions estará disponível para gameplay na BGS 2017

O Pavilhão Indie da Brasil Game Show promete ser um dos melhores de todos os tempos graças a presença de jogos fantásticos, como é o caso de Distortions, da produtora indie brasileira Among Giants. O game terá uma demo exclusiva na maior feira de games da América Latina para quem quiser testar. O título é o atual vencedor do BIG Festival, tendo levado os prêmios de Melhor Jogo Brasileiro e Melhor Jogo no voto popular.

Among GiantsAlém de testar o game, os visitantes poderão bater um papo com toda a equipe de desenvolvedores do Distortions. É a oportunidade para descobrir quais engines foram utilizadas para obter o resultado final e as inspirações por trás do enredo. Mas se você quiser perguntar qual pizza era a mais pedida pela equipe durante o desenvolvimento não tem problema. Vale destacar ainda que no estande de Distortions haverá uma cosplayer com os trajes da garota que protagoniza o game. Você pode tirar fotos à vontade. A intenção é popularizar ainda mais a franquia entre os jogadores brasileiros.

Em Distortions você controla uma garota que acorda em um quarto estranho e desconhecido. Sem entender o que se passa ou onde está, a jovem começa a investigar o quarto, mas para seu desespero percebe que o tempo parece estar parado e os objetos congelados, como se a gravidade já não mais existisse. A partir daí, o jogador deve conduzir a jovem através de um mundo vasto e solitário, na tentativa de descobrir respostas para os mistérios que a rodeiam.

Sua única arma é um violino, que deve ser utilizado para defender-se. Mas não pense que ela deve golpear os inimigos com golpes de violino, mas sim encontrando partituras perdidas de músicas que servem para deter os inimigos, manipular o ambiente, entre outras ações. Além disso, a jovem deve encontrar páginas perdidas de um estranho diário que contém pistas que a guiarão em sua jornada. De acordo com os produtores, Distortions conta com referencias de games como Shadow Of The Colossus, Silent Hill 2, e de filmes como Brilho Eterno De Uma Mente Sem Lembranças e Once, apenas uma vez.

Abaixo tem um trailer de Distortions:

Derrote a invasão alienígena no shmup Esquadrão51

Quem curte shmups sabe que o gênero é um dos mais divertidos e reconhecidos da geração 16-32 bits. Infelizmente os produtores de jogos parecem ter esquecido este gênero de jogos, mas vez ou outra surgem pérolas que merecem atenção especial. Este é o caso de Esquadrão 51, um jogo indie brasileiro que te coloca em um combate ferrenho contra invasores alienígenas.

Tal como na maioria dos shmups, aqui você pode esperar chuvas de tiros e muita ação. Na breve descrição do enredo é dito que formas de vida alienígena enganaram e exploraram a raça humana por tempo demais. Para libertar a humanidade do julgo extraterrestre, cabe ao jogador pilotar um avião de guerra para combater os inimigos.

Essa invasão foi orquestrada pela Corporação Vega, que veio com a promessa de ajudar a humanidade a desenvolver a própria tecnologia, porém as coisas se converteram numa ditadura baseada na violência e exploração. Assim é formado o Esquadrão 51, a única esperança de derrotar os invasores alienígenas.

Quem esteve no BIG Festival 2017, maior evento de jogos independentes da América Latina, pôde conferir em primeira mão o Esquadrão 51, pois ele estava presente para testes e foi indicado aos prêmios de “Melhor Jogo Brasileiro” e “Melhor Arte”. Ambas as indicações são bastante justas, visto que a arte em preto e branco são extremamente chamativas e há ótimos efeitos gráficos de explosões e as naves inimigas possuem muitos detalhes.

Parece que a inspiração do jogo foram os inúmeros vídeos e documentários sobre OVNIS dos anos 50/60, além dos filmes de ficção da época, pois além do design em preto e branco, o design das naves remetem claramente as aeronaves do final da segunda guerra mundial. A primeira nave utilizada é um Republic P-47 Thunderbolt. Esquadrão 51 foi desenvolvido por Marcio Rosa, que fez o possível para homenagear os grandes jogos de navinha dos anos 90. O game é bastante nostálgico e uma verdadeira ode ao gênero.

Abaixo tem o trailer de Esquadrão 51:

Estes são os vencedores do BIG Festival 2017

O BIG Festival foi um grande sucesso, pois além de apresentar jogos matadores, ainda atraiu uma multidão de pessoas para o Centro Cultural São Paulo. A cerimônia de premiação ocorreu na última quinta-feira (29 de junho) e quem esteve presente se divertiu bastante.

O troféu de Melhor Jogo da competição foi entregue a Overcooked, jogo produzido pelos britânicos da Ghost Town Games, que também levou o prêmio de Melhor Gameplay. O jogo nacional Distortions, do estúdio paulista Among Giants, levou dois prêmios: Melhor Jogo Voto Popular e Melhor Jogo Brasileiro.

Abaixo você confere os games vencedores do BIG Festival 2017:

 

Melhor Jogo: Overcooked

Há muitos jogos divertidos e bem executados neste festival, o que fez o júri quebrar a cabeça para descobrir quem premiar no final. Depois de muita deliberação, “Overcooked” foi escolhido por sua mistura vencedora de inovação, acessibilidade e diversão. Jogar “Overcooked” coloca à prova a durabilidade tanto de suas amizades quanto do seu sofá.

Melhor Jogo Brasileiro: Distortions
Melhor Jogo Voto Popular: Distortions

De todos os jogos brasileiros competindo nesta competição, “Distortions” se destaca pela fantástica síntese de design visual e sonoro que contribui para a criação de um ambiente e de uma narrativa que são tão eletrizantes quanto emocionantes.

 

Melhor Jogo América Latina: The Deadly Tower of Monsters

Nesta aventura, o jogador faz a jornada de um herói de ação do cinema na compania de fiéis escudeiros e uma torre cheia de monstros. O estilo audiovisual retrô evoca, com sucesso, o sentimento clássico dos filmes da era atômica.

 

Melhor Jogo Educacional ou de Impacto Social: Orwell

Com o advento do mundo digital, cada vez mais vivemos em uma sociedade na qual a vigilância e a coleta de informações privada é onipresente. “Orwell” é uma exploração arrepiante de quão fácil é de se observar (e mal interpretar) tudo o que fazemos (ou podemos fazer) no ciberespaço.

Melhor Jogo de Realidade Virtual: SUPERHOT VR

“SUPERHOT VR” utiliza com maestria os recursos desta plataforma, levando a Realidade Virtual para outro patamar. Divertido e interessante, este prêmio é mais que merecido.

 

Melhor Arte: Old Man’s Journey

“Old Man’s Journey” é um jogo bonito e cativante. O prêmio de melhor arte é um reconhecimento justo ao bom gosto estético e talento artístico do time.

 

Melhor Narrativa: Figment

A narrativa do jogo “Figment” lida com o tema de envelhecer. Assuntos sensíveis como doença, stress e depressão são cuidadosamente discutidos e representados em um mundo de sonhos.

Melhor Inovação: Yankai’s Peak

O desenvolvedor Kenny Sun prende a atenção do jogador com um gameplay inovador que é ao mesmo tempo simples e. Yankai’s Peak” eleva o gameplay de quebra-cabeças a uma forma de arte.

 

Melhor Som: ETHEREAL

O áudio em “ETHEREAL” não é apenas “o som do jogo”. O som É o jogo. Este som adiciona uma grande profundidade ao visual e gameplay minimalista, e aos poucos, vai se infiltrando de forma completa à mente do jogador.

 

Melhor Gameplay: Overcooked

“Overcooked” é um jogo cooperativo multijogador local frenético e super-divertido. Apesar de ser baseado em ações simples, o ingrediente secreto nesta receita é a coordenação necessária entre os jogadores para continuar atendendo a sua clientela frente a desafios que aos poucos vão ficando cada vez mais complexos e surpreendentes.

 

BIG Starter – Entretenimento: King Boom

King Boom comprovou seu potencial para o sucesso ao unir a um planejamento comercial sólido seu universo colorido, dançante e carismático.

 

BIG STARTER – Educacional: Medroom

Medroom traz uma proposta madura, com oportunidades de aplicação global para a formação, aprendizagem e treinamento na área de saúde – em que a introdução de novas tecnologias é fundamental.

Finalistas do BIG Festival #05: Wuppo

Por fim vamos falar sobre o quinto, mas não menos importante, game a disputar o grande prêmio de Melhor Jogo do Ano do BIG Festival 2017, o maior evento de jogos independentes da América Latina. Estamos falando de Wuppo, da produtora Knuist & Perzik, da Holanda. O título mistura ação, aventura, RPG e plataforma 2D em um mundo colorido e bastante vibrante. Não por acaso, este é um dos mais frtes candidatos ao título máster.

A primeira coisa a chamar as atenções em Wuppo é seu estilo artístico extremamente caprichado, totalmente desenhado à mão.  A impressão é de estar jogando um desenho animado, pois o jogo é um dos mais bonitos já vistos. Aparentemente os desenvolvedores colocaram toda a dedicação no projeto, desde a parte visual até as mecânicas.

O enredo conta a história do pequeno Wum que é expulso de um hotel após uma confusão envolvendo sorvete. A partir daí, o personagem deve procurar um novo lar, passando por diversas localidades, das mais pacíficas até as mais perigosas. Do porto metropolitano de Popocity até a cavernosa Bliekopolis, nosso Wum descobrirá lugares mágicos e encontrará criaturas estranhas.

Mas esse Wum não é um herói tradicional e só sua inteligência e seu charme podem ajudá-lo nessa aventura desafiadora. Nesta jornada surgem inimigos perigosos e puzzles desafiadores para testar a inteligência do jogador. Pode esperar por um jogo que preza mais a jornada do que as mecânicas em si, tal como o famoso Journey, porém com seu próprio brilho.

Wuppo é um jogo bastante sensível, de modo que durante a jornada o jogador encontra diversos personagens com seus próprios problemas e desafios, que são expostos em diálogos comoventes. Cabe ao jogador ajudar os NPCs que surgem a todo o momento. A mecânica lembra algo de Zelda.

O título é bem simples de se aprender, não oferecendo dificuldades nas batalhas ou nos quebra-cabeças. O objetivo é que o game seja amigável para jogadores de todas as idades, combinando perfeitamente com os visuais até infantis. Wuppo está disponível para PC e pode ser adquirido através da Steam e GoG.

Abaixo tem o trailer de Wuppo:

Finalistas do BIG Festival #04: Overcooked

A televisão brasileira está apaixonada por programas de culinária como Master Chef, Hell’s Kitchen e Programa da Palmirinha. Pois bem, foi com esse formato televisivo que a Ghost Town Games da Grã-Bretanha se inspirou para a produção de Overcooked, um dos jogos indicados ao título de Melhor Jogo do BIG Festival, o maior evento de jogos independentes da América Latina.

Overcooked coloca até quatro jogadores para comandar uma cozinha, preparando os vários pedidos em pouco tempo sem deixar a comida queimar. Basicamente é um jogo de cooperação e agilidade. Há vários obstáculos para atrapalhar a vida dos jogadores, tais como pouco espaço para trabalhar ou cozinhas divididas em duas partes separadas por caminhões e até mesmo uma passarela de pedestres. Há 28 cozinhas diferentes no modo campanha, então desafio é o que não falta.

O gameplay é bastante caótico e exige trabalho em equipe, de modo que seus amigos chefs devem preparar, cozinhar e servir uma variedade de pedidos saborosos antes que os clientes se impacientem. Para quem curte jogos cooperativos e jogabilidade rápida, Overcooked é um prato cheio, com o perdão do trocadilho.

O título é bem simples e a jogabilidade é dinâmica, de modo que os jogadores vão correr durante todo o tempo a fim de cortar tomates e cebolas a tempo de coloca-las na panela e em seguida entregar o pedido. Muito provavelmente os jogadores vão “bater cabeça” e discutir para definir uma estratégia vencedora, tal como ocorre nos programas de televisão mencionados acima.

Apesar de ser um game bem casual, Overcooked tem um enredo: o Reino da Cebola está em perigo e só a cozinha mais refinada poderá salvá-lo de um antigo mal comestível que devasta as diversas cozinhas do mundo. Sim, a trama é bem boba e sem sentido, mas esta falha é recompensada pela jogatina divertida.

Overcooked foi tão bem aceito que até ganhou os prêmios de melhor game e melhor jogo familiar no 13º British Academy Game Awards, em 2017. O game foi desenvolvido para privilegiar o multiplayer local cooperativo, porém há modos de competitivos e um singleplayer em que o jogador controla dois chefes simultaneamente. Infelizmente não há nenhum plano para multiplayer online no momento.

Abaixo você vê um gameplay hilariante que o Coisa de Nerd fez de Overcooked:

Finalistas do BIG Festival #03: Figment

A Dinamarca não é um país muito conhecido pela produção de jogos digitais, mas é justamente de lá quem vem um dos destaques do BIG Festival: Figment. O título é da desenvolvedora Bedtime Digital Games, que aposta num conceito lúdico e em visuais caprichados para agradar o jogador. Não por acaso, o título concorre nas categorias Melhor Jogo, Melhor Narrativa e Melhor Arte do BIG 2017.

Figment é um jogo de ação e aventura com quebra-cabeças ambientado em um universo de sonhos com grande ênfase musical. Todo o jogo se passa na cabeça de um homem de 40 anos cuja mente é atormentada pela ansiedade e o estresse. Assim, o ambiente se parece com um mundo de fantasia extraordinário, onde tudo se transforma diante dos olhos. É neste mundo de sonhos que habitam Dusty e Piper, as protagonistas do jogo.

A missão dessas garotas é explorar a mente deste homem, cuja identidade é um mistério durante todo o game. Dusty e Piper devem resolver puzzles e corrigir os problemas do misterioso homem, além de combater pesadelos e restaurar um espírito fragilizado. Sim, toda a aventura é lúdica e o tema é bastante introspectivo.

O estilo visual é o grande chamariz do game, de modo que ele é um dos títulos mais impactantes que o visitante verá no BIG Festival 2017. O resultado de tanta beleza deve-se ao fato de que Figment foi todo desenhado à mão em perspectiva isométrica. Una-se ao conjunto da obra o fato de que o game possui melodias cativantes e bem diversificadas. Os puzzles são simples, porém mantém o jogador entretido.

Figment é um mundo surreal preenchido pelos mais profundos pensamentos, desejos e memórias, habitado pelas muitas vozes que se ouve na cabeça. Esta mente permaneceu calma durante muito tempo, mas graças ao estresse, novos pensamentos emergiram tomando a forma de criaturas assustadoras que espalham o medo por onde passam. A única esperança é que o carrancudo Dusty, a antiga voz da coragem da mente, consiga regressar à sua antiga forma e ajude a mente a combater os seus medos”, diz o release do game.

Figment está disponível para PC, Xbox One e Playstation 4. Ele é altamente indicado para quem curte jogos de quebra-cabeças e narrativas lúdicas e cheias de simbologia. Há quem compare a história e simbologia com o megassucesso Braid, graças à história cativante e universo de jogo fantástico.

Abaixo você confere o trailer de Figment:

Finalistas do BIG Festival #02: Death Squared

Outro game que está fazendo bonito no BIG Festival 2017 é Death Squared, do australiano SMG Studio. Basicamente trata-se de um puzzle em que o jogador deve guiar robôs até um determinado ponto do cenário. Parece moleza, certo? Mas na verdade temos aqui um dos jogos mais desafiadores já lançados, tanto que a cada nível você vai morrer um sem número de vezes até entender a dinâmica de jogo.

Death Squared desafia o jogador a colocar um grupo de robôs em cima de determinados círculos casando a cor dos círculos e dos robôs. A princípio parece fácil, mas os níveis são desenhados para desafiar a atenção e perícia dos jogadores. Ou seja, há obstáculos e armadilhas que devem ser desviados a fim de chegar ao objetivo. O macete é que o pessoal da SMG meio que mascarou um labirinto 3D, ou seja há apenas um único caminho a seguir.

Um dos pontos mais interessantes: você deve decifrar o caminho certeiro, pois “morrer” te coloca no início da determinada fase, o que pode ser bastante frustrante. A jogatina envolve muita experimentação, tentativa/erro. No modo multiplayer é natural que um determinado jogador tome o caminho errado, fazendo com que todos voltem ao princípio. Comunicação é essencial para chegar até o fim de cada fase de maneira brilhante.

Ainda que tenha modo singleplayer, o foco de Death Squared é no multiplayer, onde até quatro jogadores podem se ajudar para guiar os coloridos robôs até seis respectivos checkpoints. Deste modo, o trabalho em equipe é o essencial no jogo. É bem comum que “desentendimentos” aconteçam vez ou outra, pois decifrar o cenário é o grande macete e muitas vezes um jogador acaba prejudicando todo o grupo.

Mas não pense que você vai passar raiva com Death Squared. Na verdade ele vai melhorar muito o trabalho em equipe entre você e seus amigos, a menos que seu parceiro seja uma toupeira que leva o grupo a mortes desnecessárias. O fator diversão é bastante alto e certamente você vai acabar viciando em passar fases seguidamente. Poucas vezes vimos jogos independentes tão bem engajados no fator diversão em detrimento de aspectos técnicos como gráficos e efeitos visuais.

O modo multiplayer é apenas local e conta com 40 fases, cuja dificuldade é sempre crescente. Já no modo para dois jogadores ou singleplayer existem 80 níveis. Infelizmente a SMG não incluiu multiplayer online aqui. De qualquer modo, da para se divertir bastante. Os controles são simples e intuitivos, então qualquer um pode apreender e se divertir. Death Squared está disponível para PS4, Xbox One e PC.

Abaixo está o trailer de Death Squared:

BIG Festival terá presença do produtor musical Shota Nakama, criador da Video Game Orchestra

Além de apresentar os melhores jogos indies do momento, o BIG Festival 2017 também terá espaço para boa música. Um dos convidados do BIG Festival 2017 será o conceituado produtor musical Shota Nakama, criador da respeitada Video Game Orchestra, um dos maiores concertos dedicados aos videogames no mundo. Ele irá apresentar um painel no dia 30 de junho, mediado pelo compositor de games brasileiro Antonio Teoli, às 10h, na Sala Paulo Emílio do Centro Cultural São Paulo.

Nakama irá compartilhar suas experiências, responderá as dúvidas da plateia e contará a respeito de seu trabalho e carreira, dando dicas de como ingressar na indústria. O BIG Festival acontece de 24 de junho a 2 de julho, no CCSP, com entrada gratuita e para participar das palestras e painéis é necessário se inscrever no site oficial do evento.

Com a Video Game Orchestra, Nakama implantou o conceito de apresentação “rockestral” em que os concertos são realizados com uma orquestra e coro ao lado de uma banda de rock, da qual é também o guitarrista. O projeto foi lançado em 2008 com um pequeno concerto em um espaço de 150 lugares em Boston, e cresceu com êxito para se tornar um dos mais populares projetos internacionais de videogames em todo o mundo, lotando grandes espaços como Boston Symphony Hall, Beijing Worker’s Stadium e Taiwan International Convention Center.

Atualmente, Nakama também produz o Capcom Live, turnê oficial de shows da Capcom, lançada em 2016, em que segue o estilo musical que desenvolveu com o VGO. Comanda, ainda, a SoundtRec, empresa que fundou em 2013 e produziu, compôs, organizou, orquestrou, gravou e mixou para várias franquias blockbuster, como Final Fantasy, Kingdom Hearts, Tales of Zestiria, Cytus (jogo de música mais vendido de Taiwan), Lazer Team (filme indie live action com maior sucesso de crowdfunding, da Rooster Teeth), Little Witch Academia (Anime da Netflix feito pela Toho), entre outros.

Serviço – Painel com Shota Nakama no 5º BIG Festival

De 24 de junho a 2 de julho (Segunda, 26, não abre)

BIG Business Forum – de 27 de junho a 1 de julho

De terça a sexta: 10h às 22h / Sábado e domingo: 14h às 22h

Centro Cultural São Paulo – Rua Vergueiro 1000 – Paraíso, SP

Entrada: Gratuita

Exposição do Goethe Institut mostra games que resgatam questões políticas e sociais

Além de organizar uma divertida Game Jam com temática política, o Goethe Institut de São Paulo está organizando uma exposição de jogos com o mesmo viés político. O objetivo é mostrar que jogos eletrônicos são reflexo da sociedade na qual surgem e ao mesmo tempo, têm efeito sobre essa mesma sociedade. Deste modo, a exposição deve contar com jogos que trazem questões sensíveis como leis trabalhistas, consciência democrática, vigilância do Estado, conflitos armados e refugiados.

Também vale destacar que ao mesmo tempo, os games podem ser empregados para disseminar propaganda e ideologias, tal quais outras mídias que podem ser utilizadas em prol de interesses políticos. A mostra Games e Política do Goethe Institut deve mostrar o potencial político dos games para o bem e para o mal. É uma oportunidade para os visitantes exercitarem o próprio senso crítico e criar uma noção de que games não são meras imagens interativas, mas sim produtos com peso transformador.

Mais sobre a exposição Games e Política

A exposição ocorrerá no Centro Cultural São Paulo (Rua Vergueiro, 1000), em cooperação com o Festival de Jogos Independentes, o BIG Festival. De acordo com o Goethe, serão dezoito games digitais do mundo inteiro que resgatam algumas importantes questões sociais e políticas a fazer parte da exposição. Este espaço é interativo e foi possível graças a cooperação com o Zentrum für Kunst und Medien Karlsruhe (ZKM), e estará em cartaz de 24 de junho a 23 de julho. A entrada é franca e os visitantes poderão jogar os games no espaço da exposição.

A exposição também objetiva questionar as possibilidades e as fronteiras dos games, a fim de esboçar uma posição contrária dentro da indústria do entretenimento, desenvolvendo assim um potencial crítico. Em uma documentação que acompanha a mostra, especialistas em mídia e cultura, bem como desenvolvedores de jogos, falam sobre o potencial político dos games. Mais informações no site do Goethe Institut.

 

Serviço – Exposição Games e Política / Goethe Institut

Quando: 24 de junho a 23 de julho

Onde: Centro Cultural São Paulo – Rua Vergueiro , 1000 – São Paulo, SP

Quanto: Gratuito