Arquivo da categoria: PS4

Demo de Mega Man 11 já esta disponível para todas as plataformas

Assim que a Capcom anunciou Mega Man 11, a comunidade de fãs entrou em polvorosa, afinal a empresa havia negligenciado o personagem por muito tempo. A demo foi lançada nesta semana e conta com uma batalha bastante dinâmica contra o vilão Block Man. A demo serviu para mostrar que a Capcom pretende manter o estilo que tornou a franquia famosa.

Na demo de Mega Man 11, os jogadores podem escolher diferentes níveis de dificuldade. Outro destaque é que para avançar na aventura os jogadores devem usar diversos recursos, tal como o novo sistema Double Gear e diferentes armas de chefes para derrotar Block Man e absorver seus poderes. De acordo com a Capcom, os cenários do jogo foram desenhados à mão.

Àqueles que baixarem a demo serão recompensados com um conjunto de itens de uso único que poderá ser resgatado no jogo final. A Capcom espera que o lançamento da demo ajude a melhorar o desenvolvimento do jogo e captar a atenção dos fãs robô, que passaram muito tempo esperando um novo jogo.

Mega Man 11 chega a partir de 2 de outubro em formato digital para Nintendo Switch, PlayStation 4, Xbox One e Windows PC, e no Brasil em formato físico para PlayStation 4 e Xbox One. Você pode obter mais informações no site da Capcom.

Abaixo tem o trailer de Mega Man 11:

 

Mad Mimic revela o novo jogo Turma da Mônica e a Guarda dos Coelhos

Durante o evento Game XP, no Rio de Janeiro, o pessoal da Mad Mimic (No Heroes Here) anunciou seu novo jogo Turma da Mônica e a Guarda dos Coelhos, fruto da parceria com a Mauricio de Sousa Produções. O titulo marca o retorno dos personagens da Mônica aos jogos eletrônicos após um hiato de vários anos.

Assim como No Heroes Here, o novo jogo da Mad Mimic é do gênero tower defense, com o destaque de colocar a turma da Mônica em uma missão de proteger castelos de uma horda de sujeira. É possível jogar em modo co-op em ate 4 jogadores simultâneos. Os personagens Monica, Cebolinha, Cascão e Magali devem usar suas habilidades e trabalhar em equipe a fim de evitar que os invasores levem as relíquias do castelo.

Para garantir sucesso na missão, você deve usar de todos os recursos possível, como pólvora, coelhos mágicos e ate canhões de coelho. De acordo com a Mad Mimic, muito do gameplay se baseia em usar as melhores estratégias e dividir tarefas para derrotar os invasores. Você deve produzir pólvora, criar coelhos mágicos e disparar os canhões antes que os inimigos mudem suas estratégias. O segredo é estar sempre um passo à frente dos inimigos.

Toda a produção de Turma da Mônica e a Guarda dos Coelhos está sendo feita no Brasil, com todo o apoio de Mauricio de Sousa e sua equipe criativa. A intenção é criar um jogo que preste homenagem a todo o legado da obra ao mesmo tempo que utiliza a expertise da Mad Mimic para criar um jogo com identidade própria.

A Mad Mimic esta utilizando todo seu aprendizado conquistado em No Heroes Here para esta nova produção. Vale lembrar que o NHH foi vencedor na categoria Melhor Jogo Brasileiro no Big Festival 2018. Não por acaso, Turma da Mônica e a Guarda dos Coelhos lembra bastante o jogo retro mencionado, inclusive contando com estilo pixel art.

Poder trabalhar com o desenvolvimento de um jogo baseado na propriedade intelectual da Turma da Mônica é algo tão fantástico como viver uma das fantásticas histórias vistas nos gibis da turminha”, afirmou Luis Tashiro, Diretor Executivo da Mad Mimic Interactive. “Esse jogo é uma oportunidade incrível para nós da Mad Mimic não apenas por ser tratar do retorno da Turma da Mônica aos games, mas também por ser feito por fãs e para fãs destes tão amados personagens. Aqueles que gostam de juntar os amigos para uma boa diversão multiplayer ficarão muito felizes em poder viver essa grande aventura chamada Mônica e a Guarda dos Coelhos”, complementou Tashiro.

Turma da Monica e a Guarda dos Coelhos será lançado ainda em 2018 para PCs via Steam, Playstation 4 e Nintendo Switch. Mais detalhes devem ser anunciados no site da Mad Mimic.

Abaixo tem o trailer de Turma da Mônica e a Guarda dos Coelhos:

 

Top 7: Jogos de realidade virtual indispensáveis

Quer descobrir as possibilidades da realidade virtual, mas não tem ideia de quais jogos oferecem as experiências bacanas? Hoje vamos listar sete jogos de realidade virtual que são essenciais. São aqueles que revelam quanto a experiência pode ser intensa. Esses jogos estão entre os melhores entre seus gêneros e serve para você desfrutar com qualidade o tempo livre com os amigos, colegas de trabalho ou com a família. Se você não possui óculos VR, não fique triste, você pode conhecer a experiência nas casas VR Gamer e na Voyager.

Confira abaixo sete jogos de realidade virtual que você tem de conhecer:

 

Beat Saber

Beat Saber é o jogo que melhor descreve o quanto a experiência da realidade virtual pode ser recompensadora. Ele pode ser descrito como uma fusão de Dance Dance Revolution e Guitar Hero. Basicamente você tem sabres de luz de Star Wars em suas mãos e deve acompanhar as notas musicais.

O game é extremamente divertido e se tornou um fenômeno da internet. Ele é atualmente o título de realidade virtual mais popular do mundo, inclusive já existem diversos campeonatos ocorrendo ao redor do globo. Recentemente a VR Gamer, participou do campeonato mundial de Beat Saber. Recomendado a partir de 5 anos.

 

The Elder Scrolls V: Skyrim

O jogo da Bethesda já possui um fator imersão enorme. Imagine como ele fica denso ao usar óculos de realidade virtual. Você pode ser ver viajando pela província de Skyrim, explorando os vales e cavernas mais desolados possíveis, enquanto enfrenta gigantes, dragões e aranhas gigantes. Se você já quis viver em um mundo nórdico, esse é o jogo feito para você.

 

Resident Evil 7 

Depois de passar maus bocados com Resident Evil 6, a Capcom decidiu reformular novamente sua franquia mais famosa. O resultado foi um game arrepiante, graças aos ambientes escuros, sujos e até nojentos. Jogar no VR é mais claustrofóbicos e o nível de imersão atinge seus pontos mais altos. Não é recomendado para cardíacos. De acordo com a Uol Jogos, jogar RE7 em VR é como estar em um filme de terror.

 

Batman Arkham VR 

Uma das melhores experiências em VR é sem dúvidas o Batman Arkham VR. O título da Rockstead te coloca na pele do melhor herói de todos os tempos em uma investigação para encontrar os aliados Asa Noturna e o Robin. O game tem uma passagem genial para recontar a noite do assassinato dos Wayne. Outro detalhe importante é que o jogo é ambientado entre Arkham City e Arkham Knight.

Os gráficos são até o momento os mais polidos da experiência em VR já feitos. Ao contrário dos jogos anteriores da franquia, Arkham VR não apresenta nenhum combate e, concentrando-se na resolução de puzzles e desafios para encontrar pistas que permitam o prosseguimento do enredo. Ainda assim, a experiência de estar na pele do Batman é satisfatória.

 

Minecraft VR

Um dos títulos mais jogados de todos os tempos é Minecraft. O clássico da Mojang te dá um mundo inteiro para explorar e você pode construir edificações, estruturas e derrotar os terríveis creepers. Imagine fazer isso pessoalmente? Essa foi a ideia de Minecraft VR: transportar o jogador no mundo pixelado sem medo de ser feliz. Muita gente torce o nariz para o estilo gráfico de Minecraft, porém colocar isso numa perspectiva de imersão de realidade virtual foi uma sacada genial.

 

Fallout VR 

Outra perola da Bethesda é Fallout, então nada mais natural do que lançar a versão do jogo para os óculos de realidade virtual. Você vai explorar o mundo futurista da mesma forma que já fez nos consoles. Um dos pontos mais controversos desta versão foi a falta de polimento gráfico, mas a verdade é que Fallout envelheceu bem e ainda continua sendo um baita jogo.

 

Doom VR

E por fim, o melhor jogo de realidade virtual atualmente é Doom. O remake da franquia mais insana da id Software ganhou contornos mais terríveis com a compatibilidade com os óculos de realidade virtual. O mais interessante é que algumas mecânicas foram desenvolvidas especialmente para o acessório, tais como o mapa em 3D e o esquema de movimentação. Os gráficos estão sensacionais e você vai se sentir dentro do jogo. Poucas vezes um game pareceu tão divertido e desesperador quanto Doom em VR.

 

Onde jogar com a realidade virtual?

A realidade virtual já começa a ocupar o espaço que antes era dos fliperamas. Algumas casas em São Paulo disponibilizam alguns dos melhores jogos focados na imersão dos jogadores, como é o caso da VR Gamer, o primeiro arcade de realidade virtual de São Paulo. Com preços que vão de R$ 20 a R$ 60 os jogadores podem desfrutar títulos como Fruit Ninja, Serious Sam, Overkill, Beat Saber, entre outros. A rede possui unidades no Internacional Shopping de Guarulhos, no Shopping Granja Viana e uma sede na Vila Mariana. Mais informações sobre a VR Gamer no site da rede.

Top 11 – Erros mais comuns cometidos por desenvolvedores independentes

Criar um game é uma tarefa árdua e às vezes você vai estar tão envolvido com o projeto que pode acabar deixando passar alguma coisa batida. Pensando nisso, bolamos um compilado de erros comuns que os desenvolvedores cometem ao produzir o primeiro game. Leia atentamente o texto e repasse para aquele seu amigo que quer trabalhar com games. Algumas dicas podem salvar seu negócio ou te deixar mais alerta aos pormenores.

Confira abaixo erros muito comuns no desenvolvimento de games independentes:

 

1 – Desistir nos estágios iniciais

Um grande projeto sempre começa com uma ideia, porém tirar a ideia do papel não será tarefa fácil. Tenha em mente que dificuldades virão aos montes, desenvolver um game consumirá tempo e dinheiro. Muitas vezes você terá de abdicar daquele cinema com os amigos ou da cerveja do final de semana para trabalhar em seu projeto. Se você tiver um emprego por fora, o tempo que terá para se dedicar ao projeto será ainda mais curto.

Muitos desenvolvedores acabam desistindo do game nos estágios iniciais após constatar que o projeto vai consumir mais tempo e energia do que o esperado. O dinheiro também pode ser um problema recorrente para desenvolvedores novatos, afinal criar um game vai demandar alguns esforços financeiros, tais quais uma engine, licenças etc. Felizmente existem algumas soluções como a versão limitada da Unity, que acaba se revelando uma caixa de ferramentas ao desenvolvedor indie. São poucas as limitações no pacote, de modo que dá para finalizar seu game de modo satisfatório.

 

2 – Não trabalhar em equipe

Produzir um game sozinho não é impossível, se você manja de level design, trilha sonora, marketing, programação etc. Porém é um fardo grande demais para uma só pessoa carregar, além de que o produto final ficará limitado apenas as suas próprias ideias. Um game feito em equipe, por outro lado, terá os benefícios de um brainstorm, novas ideias, personagens melhor elaborados, puzzles mais desenvolvidos etc. Como se não bastasse todo esse enriquecimento, um trabalho em equipe terá uma rede networking maior e mais efetiva quando já estiver em estágio de demo. O tempo também será reduzido e melhor empregado se cada um fizer uma determinada função dentro do projeto.

Trabalhar em equipe melhora ainda sua capacidade de interação. Você vai aprender muita coisa e poderá fazer bons amigos. Sempre que puder, desenvolva um game em equipe. Seu projeto ficará muito melhor e isso vai fazer bem até mesmo para você (desde que a equipe esteja alinhada e tenha objetivos semelhantes). Uma dica para começar a desenvolver um game em equipe é participar de hacktons. Vez ou outra o GameReporter divulga essas maratonas! Fique alerta. ;)

 

3 – Pensar que vai ficar rico rapidamente

Em uma matéria de janeiro deste ano, o Adrenaline revelou que apenas neste ano o mercado de games deve movimentar cerca de R$ 550 bilhões. Imagine pegar uma fatia mínima deste bolo… Tentador, hein. Mas fique calmo, a maior parte dessa grana vai mesmo para as grandes players como EA, Activision, Nintendo, Microsoft etc. Lucrar com game é bastante provável, mas se você estiver começando agora, fique ciente que as chances de tomar prejuízo nos primeiros meses é bem mais provável do que ficar rico rapidamente.

Por que isso acontece? Bem, o mercado de games brasileiro ainda é pequeno se comparado com os mercados europeu e norte-americano. Além disso, ainda há uma resistência por boa parte dos jogadores em gastar grana com games, principalmente se for mobile. Mas não se desespere, as coisas já estiveram muito mais difíceis quando a pirataria imperava e games para celular eram todos pagos (a época dos jogos java) e não haviam variadas opções de monetização. Hoje em dia, se você tiver um projeto bem esquematizado, dá sim para ter um bom lucro.

 

4 – Não desenvolver um plano de monetização ou exagerar nas propagandas

E já que falamos de grana, vale falar um pouco sobre como conquistar a tão sonhada independência financeira fazendo games. Tudo envolve monetização. Firmar contratos com uma Publisher é legal e provavelmente vai garantir que os custos de produção se paguem tranquilamente, porém uma vez que o game vai para as lojas é importante ter uma ideia de como ele vai faturar de verdade. Sim , eu sei que o jogador médio quase não gasta dinheiro com games, porém o produtor não deve ignorar este fato e o fato de que se o game for bom mesmo ele tem uma mina de ouro nas mãos.

Nos estágios iniciais é bom já pensar em como você pretende lucrar com games. Vai apostar nas microtransações ou em propagandas ingame? Quem sabe os dois? Ou o formato freemium? Opções é o que não falta, mas também não precisa exagerar, afinal todo desenvolvedor é um jogador. O problema é que muitos se esquecem disso e acabam atulhando o jogo com propagandas a todo o momento. Você deve dosar as coisas na medida certa. Lembre-se que jogadores mais impacientes vão abandonar seu game se tiverem a sensação de que ele é um grande painel de propaganda.

 

5 – Focar apenas nos gráficos

A primeira coisa que os jogadores prestam atenção são nos gráficos. Um game com personalidade visual tem muito mais chance de se destacar do que títulos sem qualquer inspiração. Isso é um pensamento comum, mas nem por isso deve ser levado totalmente à sério. Não caia na conversa de que um jogo fotorrealista é o segredo do sucesso. O que os jogadores querem mesmo é um produto que tenha identidade própria, independente do estilo que deseja. Você pode apostar num jeitão mais retrô pixelado, ou em um estilo cell shadding.

Acontece bastante de ver em feiras de games independentes jogo com visuais embasbacantes, mas que tem uma jogabilidade ordinária ou conceitos pobres. Tome um pouco mais do tempo melhorando as mecânicas de seu jogo ao invés de ficar apenas polindo o game. Afinal, um game bonito vai chamar as atenções sim, mas se o jogo for retorcido os jogadores irão abandoná-lo sem dó.

 

6 – Querer fazer o GTA Killer

GTA V é considerado por muitos como o maior e mais completo game de todos os tempos. O título da Rockstar é um marco da indústria e, não por acaso, uma fonte de inspiração para desenvolvedores de todo o mundo. Já ouvimos muitas histórias de jogos que começaram como uma espécie de GTA, mas que graças ao bom senso e limitações óbvias acabaram perdendo funções e funcionalidades durante o desenvolvimento. Se você pensa em lançar um game repleto de mecânicas e funcionalidades, pare e repense no que está fazendo da vida.

GTA começou muito pequeno, com visão por cima da tela, cheio de limitações em 1997. Certamente o pessoal da DMA design tinha uma ideia bastante clara do que queriam fazer com o game e duvido muito que imaginaram que hoje a franquia seria tão grandiosa quanto é. Ao iniciar um projeto comece pelo básico, não vá com muita sede ao pote. Não tenha medo de cortar funções e mecânicas. Lembre-se de fazer um game coeso e possível de acordo com sua realidade financeira e de pessoal. Afinal, o título da Rockstar leva anos para ser produzido e demanda centenas de profissionais para ser concluído.

 

7 – Copiar games de sucesso

 

Isto ocorreu no GameReporter recentemente. Temos uma página ali para divulgar o seu game, certo? Pois bem, vez ou outra pegamos um desses games e fazemos um texto para a matéria do dia. Ali é uma boa fonte para descobrir jogos de alta qualidade e com ideias interessantes. Infelizmente também tem jogos sem qualquer originalidade, que se contentam em plagiar games de sucesso.

Ao começar seu projeto é normal se inspirar em grandes jogos sim, mas não se restrinja a apenas copiar e colar códigos de programação. Faça mais que isso! Dê identidade ao seu produto, mesmo que no início não pareça dar certo. Com o tempo você vai conseguir fazer um game original e conquistar seu próprio público. Lembre-se de que plagiar é crime e não vai te levar a lugar algum.

 

8 – Ignorar a importância do Q.A

As grandes empresas possuem um departamento chamado quality assurance (Q.A) que é responsável por testar os jogos antes de disponibilizá-lo no mercado. Se com todo este aparato surgem bugs terríveis, imagine a quantidade de bugs que jogos criados por equipes reduzidas pode deixar passar? Agora imagine que a equipe responsável nem tenha se dado ao trabalho de conferir o produto final…

Sim, acontecem casos de surgirem games injogáveis, principalmente no mercado de jogos para PC, pelo simples fato de que ninguém chegou a jogar o game após a conclusão do desenvolvimento. Há duas formas de evitar esse problema: ou você mesmo testa o game, ou abre fases beta para a comunidade dar feedbacks pontuais. E mesmo nos dois casos, é importante ter o pensamento de que um game é um produto sempre em desenvolvimento, mesmo após lançado. Sim, mesmo após lançar o jogo, é legal fazer updates e melhorar mecânicas. A comunidade vai perceber que você está atento e quer melhorar a experiência de jogo.

 

9 – Fazer o mesmo game sempre

Poucas coisas podem ser mais frustrantes do que ver um estúdio promissor cair na mesmice. Há casos inúmeros mesmo entre produtoras grandes de que acertam em cheio em uma ideia e passam a adotá-la em todos os próximos games a partir daí. Imagine criar um game do gênero idle clicker – aqueles de celular baseados em clicar na tela para evoluir um personagem, ganhar mais dinheiro etc – e ele é bem sucedido. O que você faz: aproveita o lucro para tocar adiante o próximo grande jogo do estúdio, lançar uma sequência o mais rápido possível, ou lançar o mesmo game mudando apenas a skin do jogo?

Infelizmente existem muitos estúdios que apostam na terceira opção. Poderíamos fazer uma lista de 20 jogos de UMA única empresa que se baseiam numa mesma premissa. Parece que alguns produtores seguem o mantra de que “em time que está ganhando não se mexe”. Porém por quê se prender num único jeito de produzir games, ao invés de explorar suas próprias habilidades? Ao conseguir o sucesso, você deve seguir adiante, no máximo lançar uma sequência, mas jamais usar a mesma fórmula para TODOS os seus games.

 

10 – Não conhecer o público

Imagine a cena: você produz um match 3 bem maneiro e parece um sucesso latente, mas depois de quase tudo pronto percebe que a onda dos match 3 já passou, ninguém mais está interessado no gênero e a nova onda são os Battle Royale? Realizar uma pesquisa de mercado pode poupar dores de cabeça no futuro, bem como contratar consultoria e visitar feiras de games vai te ajudar a desenvolver algo mais promissor. Jamais ignore a importância de conhecer seu público e as tendências de mercado.

Se não tiver dinheiro para contratar alguém que faça essa pesquisa de mercado, faça você mesmo. Uma rápida olhadela no top mais baixado de qualquer pode te revelar qual o estilo está fazendo mais sucesso e o que não vende mais nada. Claro, há sempre a chence de que um estilo de jogo volte a se tornar tendência. Mas sempre que possível, faça um estudo do que já tem no mercado e a possível recepção que seu game vai ter. Também não se esqueça que certos gêneros podem já estar saturados e lançar um MOBA apenas tornará seu game mais um na multidão. Pesquise!

 

11 – Publishers não são a solução pra tudo

Há alguns anos vimos um fenômeno ocorrer no Brasil: tradicionais publishers começaram a apostar nos desenvolvedores de games nacionais, tais como a Bandai Namco, a Microsoft, a Capcom e até a Square-Enix. Quem não gostaria de lançar um game sob o selo de uma dessas poderosas empresas e conquistar a sonhada distribuição mundial. Entretanto nem sempre essas empresas são a solução para tudo. Na verdade algumas podem gerar outros problemas e frustrações.

Quem não se esquece de toda a pompa que a Square-Enix fez aqui no Brasil dizendo que iria publicar alguns jogos brasileiros para fora? No final das contas o acordo subiu o telhado e as empresas nacionais ficaram a ver navios. Também teve o caso da SEGA que prometeu publicar um game do estúdio nacional Owlchemy Lab, mas o trabalho mesmo se resumiu em lançar um press-release meia boca e exigir parte dos lucros com a venda do game?

Pois é, ao fechar acordo com uma Publisher, contrate um advogado para revisar tudo e só assine se tiver certeza de que é uma parceria, não uma oportunidade. As grandes empresas estão nessa pelo dinheiro e não vão se importar tanto com os seus sentimentos se os executivos quiserem dar o fora. Felizmente não são todos assim, há grandes publishers que abraçam o desenvolvedor indie e ajudam bastante a tornar um game bem sucedido. Mas aqui vale o alerta: antes só do que mal acompanhado.

Gamescom 2018 – Delegação brasileira no evento europeu será a maior de todos os tempos

Mais uma edição da Game Developers Conference se aproxima e mais uma vez os brasileiros estarão em peso no evento alemão. O Projeto Brazilian Game Developers, BGD, uma parceria da Abragames com a Apex-Brasil, terá a maior delegação de empresas de jogos de todos os tempos. De acordo com a BGD, a delegação contará com nada menos que 20 empresas, representando todas as regiões do Brasil.

Nossos bravos desenvolvedores irão expor seus produtos, realizar reuniões e conhecer os grandes players da indústria mundial. O objetivo é buscar negócios e tornar os games brasileiros ainda mais conhecidos no território europeu. Vale lembrar que a BGD já fez participações em eventos de internacionais e trouxe ótimos resultados para jogos nacionais. Não é a toa que vários games brasileiros estão aparecendo nas principais plataformas e recebendo investimento de fora.

Esta será a primeira vez que o estande da BGD na área business da Gamescom contará com espaço para demonstrar os jogos desenvolvidos por empresas brasileiras. De acordo com Eliana Russi, gerente executiva do BGD, essa exposição de jogos é um reflexo do bom momento da indústria nacional.  Jogos como Starlit Adventure, da Rockhead Games, e o Horizon Chase, da Aquiris Game Studio, são exemplos de games bem sucedidos que darão as caras no evento europeu.

Além de participar da Gamescom para apresentar os melhores jogos brasileiros para uma audiência internacional, a delegação brasileira também estará presente na XDS, External Development Summit (XDS), no Canadá, em setembro. O estande da Associação Brasileira das Desenvolvedoras de Jogos Digitais (Abragames), na Gamescom estará localizado no Hall 3.2, D-71.

Abaixo tem um compilado dos games da delegação brasileira na Gamescom 2018:

Expo CIEE São José dos Campos promove campeonato de esportes eletrônicos

A CIEE já é uma entidade reconhecida nacionalmente pelos estudantes graças ao trabalho que realiza de auxílio aos estudantes na busca por uma colocação profissional, mas você sabia que desde 1997 a entidade também realiza uma megafeira estudantil na América Latina com foco em promover educação, capacitação, orientação e direcionamento do público jovem? Para isso, é realizado um encontro entre empresas e instituições de ensino em um espaço comum.

Além da troca de informações e direcionamento, o Expo CIEE também está se voltando para a promoção de entretenimento. A novidade deste ano é que o CIEE Expo deste ano terá campeonato de esportes eletrônicos. O objetivo é criar um ambiente de interação e diversão entre os visitantes do evento.

O Expo CIEE 2018 será realizado pela primeira vez na cidade de São José dos Campos, em SP. A cidade é considerada um dos berços da tecnologia e vanguarda da indústria aeronáutica. Graças a essa fama, a cidade foi escolhida para sediar o primeiro campeonato de esportes eletrônicos. Os visitantes poderão se digladiar no League of Legends. A inscrição é gratuita e as batalhas se darão na Arena de Esportes Eletrônicos, espaço idealizado em parceria com a ACE Esports.

O Campeonato é liberado para jogadores a partir dos 16 anos, que devem estar prontos para encarar as fases eliminatórias já nos dias 1 e 2 de setembro. As semifinais, que terão narração e transmissão online, acontecem no dia 15 de setembro, enquanto a grande final será durante a EXPO CIEE São José dos Campos nos dias 28 e 29.

Os visitantes da feira ainda poderão participar de um campeonato menor na sexta-feira, 28. Basta se inscrever no local e aguardar a organização definir as chaves. Já no sábado, 29, serão disponibilizados dois consoles de Playstation 4, com games como Fifa 2018 e Battle Royale. Esta é mais uma mostra de como os jogos eletrônicos começam a ser levados a sério mesmo nos setores em que eles eram ausentes.

Vale destacar ainda que os jogadores que curtem jogos móveis podem competir na Batalha Mobile de Clash Royale prevista para ser realizada durante os dois dias de EXPO CIEE. Esta modalidade também acontece na Arena de Esportes Eletrônicos na Expo CIEE. Mais informações sobre o evento no site.

 

Serviço – 1ª EXPO CIEE São José dos Campos

Onde: Endereço: CEFE – Parque da Cidade – São José dos Campos – SP

Horário: das 10h às 18h

Quanto: Gratuito

No Heroes Here – Game vencedor de edital da Spcine ganha prêmios no BIG Festival

O ano de 2018 tem sido extremamente positivo para os desenvolvedores brasileiros do estúdio indie Mad Mimic Interactive: após confirmar versões para PS4 e Switch, o game No Heroes Here sagrou-se um dos campeões do BIG Festival, o mais importante evento de jogos independentes da América Latina. O game levou dois prêmios do festival: o de melhor jogo brasileiro e de melhor jogo pelo voto popular. Foi o único da lista de vencedores a ter uma vitória dupla.

Vale lembrar que esta não é a primeira vez que o jogo da Mad Mimic conquistou um prêmio importante! Durante a etapa de desenvolvimento, o game foi contemplado no edital de games da Spcine de 2016. De acordo com Luis Tashiro, um dos produtores de No Heroes Here, o jogo veio em um período sensível para a empresa.

“ Nós estávamos há 2 meses produzindo um jogo que acabou dando bastante errado. Até que um dia conversei com a equipe e disse que estava cancelando o projeto e que nos próximos dias iríamos começar um brainstorm para pensar em ideias novas. Todas as nossas referências foram tiradas de jogos do gênero couch co-op. Ao final do terceiro dia de discussão sobre o novo jogo, eu dei a ideia de juntar o processo de cozinhar (produção) do Overcooked com derrotar inimigos em estações diferentes do Lovers in a Dangerous Spacetime. Dessa união veio a primeira ideia do No Heroes Here”.

Para quem não teve a oportunidade de conhecer, No Heroes Here é um jogo co-op para até 4 jogadores. Neste frenético simulador de defesa de castelo, os jogadores precisam gerir recursos, cooperar e coordenar entre si. O trabalho em equipe torna-se mais importante que as habilidades individuais.

A premissa é que o Reino de Noobland perdeu seus heróis, mas há um ataque inimigo chegando. Cabe aos “Não-Heróis” a tarefa de impedir os inimigos. Você deve forjar diferentes tipos de munição para carregar os canhões, tais como barris de mel, galinhas enlouquecidas, entre outras loucuras. A jogabilidade é bem simples e divertida. Não é por acaso que o game foi tão premiado.

Ao todo existem mais de 50 fases e o macete é tomar decisões rapidamente e em conjunto a fim de destruir as hordas invasoras. Para isso, você deve manter a comunicação com seus parceiros de quest.

Abaixo tem um trailer de No Heroes Here:

Top 10: Os games mais empolgantes da E3 2018

A E3 2018 já acabou, mas resolvemos compilar quais foram os dez games mais marcantes do evento americano. Colocamos apenas games que tiveram partes do gameplay divulgados, então não espere ver os recém-anunciados Halo Infinite ou  The Elder Scrolls VI.

Ainda assim, a E3 2018 revelou tantos games de alta qualidade que foi difícil compilar uma lista de apenas dez games.
Confira abaixo os dez games mais bacanas apresentados na E3 2018:

Sekiro: Shadows Die Twice

A FromSoftware já está posicionada como uma das melhores produtoras de games da atualidade graças à franquia Dark Souls. Muitos acreditavam que a hegemonia da produtora no ramo de RPG de ação estaria em risco desde que a Team Ninja entregou o ótimo Nioh. Para complicar ainda mais o cenário, Nioh 2 foi anunciado e conquistou bastante atenção do público e da imprensa durante a E3. Mas eis que a FromSoftware anunciou um novo game chamado Sekiro: Shadows Die Twice.

O título segue o estilo Souls, porém com samurais e um combate muito mais voltado para a o stealth do que seus primos mais velhos. É como se a produtora juntasse o melhor de Dark Souls e Tenchu, que, aliás, também passou pelas mãos da FromSoftware. Pelo que o gameplay mostrou, podemos esperar um dos jogos mais desafiantes e divertidos da geração.

 

 

Devil May Cry 5

A Capcom não lançava um novo DMC desde 2013 (o infame reboot). Considerando que o ultimo game seriado da série foi Devil May Cry 4 em 2008, podemos contar que a franquia não recebe algo completamente inédito há mais de 10 anos. Então dá para entender a comoção e alegria quando o anúncio foi feito durante a E3 2018.

Sabe-se que os jogadores podem controlar a dupla Nero e Dante e que muita da ação deve ocorrer em ambientes urbanos contra chefões gigantescos e dificílimos de bater. A expectativa é que o jogo seja um dos mais fotorealistas  que a Capcom já produziu, graças ao potente motor gráfico RE Engine.

 

Kingdom Hearts 3

Tetsuya Nomura atrasou muito o desenvolvimento de Kingdom Hearts 3. Podemos desculpar o desenvolvedor, afinal ele entregou o ambicioso Final Fantasy XV recentemente. Finalizado o projeto, chegou a vez de se dedicar ao crossover mais amado do mundo dos jogos. Os trailers apresentados deixaram claro uma coisa: as recentes compras que a Disney fez nos últimos anos foram extremamente positivas para Kingdom Hearts.

Aqui você vai ver o trio Sora, Pateta e Donald interagindo com personagens dos mundos de Frozen, Toy Story, Monstros S.A, entre outros. Infelizmente a transição entre mundos ainda se dá pela Gummi Ship. Ainda assim, a jogabilidade parece muito fluída e divertida. A expectativa é que KH3 seja um dos maiores jogos já produzidos pela Square-Enix e um passo importante para popularizar ainda mais os RPGs de ação.

 

 

Forza Horizon 4

Ainda que a Microsoft tivesse em suas mangas os ótimos Halo Infinite e Gears 5, podemos apostar que o grande carro chefe do Xbox One para a próxima temporada será Forza Horizon 4. Os três capítulos anteriores já se mostraram títulos quase perfeitos e a Playground Games parece evoluir ainda mais a cada novo episódio. De acordo com informações prévias, o título terá nada menos que 450 carros, o que torna um dos jogos com mais conteúdo que já vimos.

Outro detalhe importante: há variações de tempo e de estações do ano, o que interfere diretamente na direção dos bólidos. O nível de detalhes está absurdo. Você pode ver rachaduras no asfalto se movimentar o veículo mais devagar, além de efeitos de luz e sombra embasbacantes. Compra certa.

 

 

Resident Evil 2

A Capcom geralmente demora alguns bons anos para mexer com sua franquia mais famosa e isso tem um motivo: não estragar uma franquia tão adorada. Claro, muitos podem apontar o dedo para alguns jogos terríveis como Operation Raccoon City ou Gun Survivor e dizer que a produtora nem sempre teve cuidado com a série, mas a impressão é que a empresa aprendeu com os erros do passado.

Resident Evil 2 é naturalmente o remake do segundo jogo, mantendo o mesmo roteiro e acontecimentos vivenciados por Leon e Claire em 1998. A diferença é mais do que gráfica, a ação é mais intensa, o clima de horror é mais palpável e a Capcom até prometeu que algumas coisas estarão bem diferentes do que os jogadores se lembram. A intenção é que os jogadores antigos não tenham a sensação de estar jogando um game requentado.

 

Super Smash Bros. Ultimate

A primeira coisa que você deve ter em mente ao comprar Super Smash Bros. Ultimate é que você precisa vender urgentemente os seus outros jogos da franquia no Mercado Livre. Sim, você não precisará mais deles, afinal a Nintendo confirmou que TODOS os personagens vistos nos títulos anteriores estarão em Ultimate. Isso significa 68 personagens, incluindo os convidados especiais como Snake, Bayonetta e Cloud Strife.

O destaque mesmo é a chegada de novos combatentes como os Inklings de Splatoon, Ridley da série Metroid e a nova versão de Link em Breath of the Wild. Além disso, os jogadores poderão aproveitar as funções do Switch para desafiar os amigos em combates de até quatro jogadores certamente este será mais um system seller do Switch. O game chega ainda em dezembro deste ano.

 

Anthem

A EA não foi bem na E3 e a Bioware pisou na bola com Mass Effect Andromeda. Dito isto, é de se esperar que as duas empresas não pouparão esforços para entregar o melhor jogo possível. Felizmente, os trailers de Anthem nos induzem a pensar que os objetivos serão alcançados. Aqui temos um mundo aberto vasto, bonito e repleto de coisas a se fazer.

Muito do mote do jogo é envolto em partidas multiplayer, tal como em Destiny. Mas o jogo da Bioware parece seguir uma direção diferente, ainda que interligue os RPGs e o tiroteio típico dos TPSs. A verdade é que Anthem está muito voltado para a exploração e em dar aos jogadores a liberdade que Andromeda não deu. Se os planos derem certo, aqui teremos um grande retorno para a Bioware.

 

 

Ghost of Tsushima

A grande surpresa da coletiva da Sony foi Ghost of Tsushima. É claro, The Last of Us 2 é o grande jogo para a temporada da Sony, mas é em GoT que os fãs do Playstation podem ver algo novo despontar. O título busca inspiração em Akira Kurosawa, importante diretor do cinema japonês, para seu roteiro.

Os jogadores acompanham a história de Jin, um samurai que deve desafiar o poderoso exército mongol para defender seu povo. Bem vago, hein? O importante é que o gameplay mostra algo de Dark Souls com combates mais estratégicos. Os gráficos estão incríveis e a ação é desenfreada. A Sucker Punch aprendeu bastante com as entregas de Infamous, então podemos esperar um mundo aberto fluído, sempre em transição e brutal. E, caras, olhem as folhas!

 

 

The Last of Us 2

Para muitos o melhor jogo da geração passada foi The Last of Us. Talvez ele não seja (talvez), mas certamente foi um dos melhores que já vimos. A Naughty Dog se tornou o principal estúdio do catálogo da Sony e um dos melhores do mundo. Só por isso, não tem como não ficar empolgado com qualquer coisa que esses caras estejam fazendo. Felizmente o hype não se apoia apenas no nome da produtora: o trailer revelado na E3 mostra que a produtora vai apostar alto no stealth.

Pudemos ver que Ellie é uma matadora atroz e que a vida da garota não será nada fácil. Mas, ei, onde está Joel? O que houve com ele? Quem é a garota que beija Ellie? Será que vamos ver o desenrolar das mentiras contadas ao final do game anterior? Muitas perguntas e poucas respostas, hein. A única coisa que podemos dizer com certeza, é que este promete ser ainda mais emocional, visceral, escuro, sombrio, melhor.

 

 

Shadow of the Tomb Raider

Lara Croft é outra que sofre e parece não ter descanso. As duas últimas entregas de Tomb Raider foram sensacionais e construíram toda uma nova base de fãs para a franquia. Então não é absurdo que a Square-Enix queira investir na heroína. Os experimentos em Rise of the Tomb Raider serviu para mostrar que é possível levar a Lara para direções mais sombrias (beirando até o horror).

Pelo que o trailer mostrou, Lara é o centro da ação. É ela que move a trama e comete erros que dirigem toda a trama. Cabe à heroína evitar que os inimigos tirem proveito de uma cultura há muito esquecida. Podemos esperar por ambientes vastos e bem desenvolvidos, com muitos detalhes e uma ação desenfreada.  Os produtores disseram que Shadow of the Tomb Raider encerra um ciclo para Lara, mas não se preocupe. Este não será o último game da personagem mais reconhecível dos jogos digitais.

Estes são os detalhes que você precisa saber sobre Cyberpunk 2077, o novo game da CD PROJEKT RED

O jogo a fechar a conferência da Microsoft na E3 2018 foi Cyberpunk 2077, game produzido pela CD PROJEKT RED. A honraria é merecida, afinal os caras são responsáveis pelo ainda melhor RPG da geração (The Witcher 3),  e o novo título parece ser a melhor coisa que os gamers verão nos próximos anos. Após um trailer bombástico, a produtora lançou um release falando mais sobre o projeto e alguns detalhes importantes.

O personagem principal

Em Cyberpunk 2077 os jogadores encarnam o papel de V, um cyberpunk da cidade futurista Night City. A cidade é um novo polo de poder e alta tecnologia dos EUA, porém a violência e as gangues imperam por todos os lados. Sim, o mundo de jogo é aberto e quatro vezes maior que o mapa de Witcher 3.

Nesta sociedade dominada por mega corporações, o jogador deve sobreviver e completar missões que envolvem derrubar figuras opressoras da sociedade e construir equipamentos de alta tecnologia. De acordo com a CD PROJEKT haverá muitas missões em Night City, de modo que o jogador vai gastar dezenas de horas somente no arco principal, além de outras boas horas com missões adicionais.

O nome do seu avatar no jogo é V (uma homenagem a V de Vingança, talvez?), um jovem inteligente e aficionado por alta tecnologia. O rosto do personagem não é definido, pois Cyberpunk oferece um grau de customização absurdo. Você pode definir o gênero de V, o visual, classe etc. Em outras palavras, quem constrói o personagem é você.

Prepare-se para fazer muitos escolhas difíceis

Tal como ocorria em Witcher, a árvore de diálogos será fator importante na campanha, de modo que as escolhas do jogador terão consequências futuras. Conforme explora as ruas de Night City, os jogadores terão que fazer escolhas difíceis. O mais interessante é que algumas mudanças no mundo do jogo são impactadas pela ação do jogador, do que simplesmente por algumas linhas de diálogo. Você pode destruir um prédio, por exemplo, e depois de alguns dias voltar para a área e ver as pessoas reconstruindo a área.

A jogabilidade

Jornalistas que tiveram acesso antecipado ao jogo à portas fechadas ainda contarão algumas coisas interessantes. A jogabilidade, aliás, é em 1º pessoa, de modo que o jogador deve se sentir mais próximo do personagem e entender suas motivações. Com esta perspectiva em 1º pessoa é possível realizar ações improváveis que vão desde movimentos de parkour até controlar robôs e desacelerar o tempo.

Ainda que os tiroteios sejam constantes e o mundo do jogo é extremamente urbano, não comece a imaginara que Cyberpunk será uma fusão de GTA com Witcher. Na verdade o game é em sua essência um RPG de ação. Se preferir, você pode até dizer que o título é o casamento de Deus Ex e The Witcher 3.

O lançamento

Cyberpunk 2077 será lançado para PC, Xbox One e PlayStation 4m, ainda sem data de lançamento definida. Para mais informações, acesse a página oficial no Facebook.

 

Fonte: GameInformer e Press release

E3 2018 – Conferência da Sony mostra porquê a empresa é líder mundial no mercado de jogos eletrônicos

A última das conferências da E3 foi realizada pela Sony (a Nintendo fez apenas um Direct). Líder absoluta do mercado de jogos eletrônicos, a Sony poderia dar-se ao luxo de apresentar apenas os mesmos jogos que já haviam sido mostrados anteriormente. Entretanto a empresa japonesa fez mais que isso, revelando jogos arrasadores e que parecem levar o PS4 ao limite.

Títulos como The Last of Us II, Nioh 2 e o apoio irrestrito aos parceiros mostram a força da marca Playstation e justificam a posição atual da Sony. Já os novíssimos Ghost of Tsushima e Spider-Man servem para provar que o PS4 é a casa das novas IPs mais desejadas da atualidade. Se depender dos esforços da Sony, os jogadores podem esperar por uma leva de jogos imperdíveis.

The Last of Us II

Um dos títulos mais bem avaliados de todos os tempos é The Last of Us. O game da Naught Dog foi tão bem recepcionado que a Sony até remasterizou o título para o PS4. Porém a comunidade almejava por algo novo, que fizesse jus ao poderia tecnológico do PS4 e assim a ideia de uma sequência tornou-se cada vez mais crível.

A apresentação da Sony na E3 começou justamente com Gustavo Santaolalla tocando o tema do primeiro game em um banjo. Ainda que a introdução gerasse estranheza, serviu para animar o público para o que viria. Em seguida rolou uma gameplay de The Last of Us pt II, em que vimos as habilidades furtivas de Ellie em um ambiente sombrio e repleto de inimigos.

Um dos detalhes mais comentados de todo o vídeo relacionado à TLoU II é o beijo gay que Ellie dá em outra garota. Muitas pessoas estão parabenizando a Naught Dog pela ousadia, enquanto outros acusam a produtora de apelativa. Sobre a jogabilidade em si, podemos ver que o stealth é a grande sacada do jogo e que a dificuldade será ainda maior que no primeiro game. A impressão deixada foi extremamente positiva.

Ghost of Tsushima

Este game era uma grande incógnita desde que a Sony começou a falar dele e após a apresentação em Los Angeles a impressão foi a que estamos prestes a ver uma obra de arte em forma de videogame ganhar forma. Trata-se de um jogo de ação em mundo aberto em que samurais se enfrentam em ambientes belíssimos.

A parte que mais chama atenção é o esmero com que os cenários foram feitos. Os efeitos de luz/sombra, os detalhes nas folhas e nas pedras ao redor são absurdos. Os personagens não ficam muito atrás, demonstrando uma riqueza de detalhes e expressões faciais realistas. Não é exagero dizer que este é um dos games mais bonitos que já vimos.

Sobre a jogabilidade em si, podemos dizer que há algo de influência de The Witcher 3 e Dark Souls. Sim, os combates demandam certa estratégia. A desenvolvedora deste trabalho é a Sucker Punch, os mesmos responsáveis por Infamous, então você pode esperar um jogo divertido e cheio de reviravoltas.

Control é o retorno da Remedy

Quem também aproveitou o espaço da Sony na E3 foi a Remedy e a 505 Games, desenvolvedora de Alan Wake, Max Payne e o mais recente Quantum Break. Este último, aliás, parece ter influenciado bastante nas mecânicas de jogo. Aqui você pode esperar muita troca de tiro e manipulação de objetos e poderes paranormais.

De acordo com o roteiro já divulgado, o jogador entra no papel de Jesse Faden, a jovem diretora da agência Control. Infelizmente as coisas começam a ir mal quando o prédio é dominado por forças sobrenaturais. Cabe a Jesse descobrir o que está ocorrendo e retomar o controle do prédio. O game tem lançamento para PS4, Xbox One e PC, porém sem data definida de lançamento.

Resident Evil 2 Remaster ganha trailer e data de lançamento

O trailer que a Capcom levou não mostrou muito de como será o jogo, mas o pouco revelado já serve para inferir algumas coisas. A primeira e mais importante: o jogo não será apenas um tapa gráfico, mas um jogo completamente novo, com novos gráficos, mecânicas de jogabilidade, e controle. A câmera, por exemplo, fica posicionada atrás do ombro dos personagens, como em Resident Evil 4.

Outro detalhe importante é que o título parece mais sangrento que o original e até mais assustador. A melhor coisa mesmo é que os jogadores não terão de esperar muito para colocar as mãos no produto: o lançamento é previsto para 25 de Janeiro de 2019. Mais detalhes devem ser revelados em breve.

Piratas do Caribe aparecem em Kingdom Hearts 3

A franquia estrelada pelo Capitão Jack Sparrow estará em Kingdom Hearts 3. Pelo menos foi isso que o novo trailer mostrou. Os dois universos já haviam se encontrado em KH 2, desta vez, porém, o avanço gráfico das plataformas garante avatares mais estilizados de Jhonny Depp, Orlando Bloom e Elizabeth Swan. Sim, o nível de detalhes é impressionante. Além disso, o trailer revelou que haverão batalhas entre navios à lá Assassin’s Creed IV Black Flag.

Death Stranding está no nível de qualidade que se espera de Kojima

Um dos jogos mais esperados nesta E3 era Death Strading. Motivos? Tem Hideo Kojima, Norman Reedus e Guillermo Del Toro na produção. Como se não bastasse, Kojima tem toda a liberdade criativa para fazer as coisas a seu modo, de uma maneira que não seria possível na Konami.

Durante o evento americano, pudemos ver um pouco do gameplay e foi possível inferir algumas coisas: o mundo de jogo é enorme, haverão momentos até assustadores e a trama deve contar com muitos mistérios e tensão (além de viagens no tempo). Podemos apostar que este será um dos melhores jogos do Playstation 4 até o final de sua vida últil.

Nioh 2 está confirmado

A Koei Tecmo está dedicada a mudar sua imagem no mundo dos jogos e se posicionar como uma das produtoras mais sérias do mundo. Para isso, a empresa está apostando alto em suas franquias mais bem sucedidas. Após surpreender a todos com o anúncio de Dead or Alive 6, a empresa apresentou um vídeo da sequência de Nioh, jogo ao estilo Dark Souls ambientado no Japão feudal.

A produção está a cargo da Team Ninja e pelo pouco que foi mostrado deu para sacar que o protagonista do jogo anterior. Isto é um indicativo de que talvez sejam contada uma história de outra lenda japonesa envolvendo samurais. O 1º game foi inspirado em um roteiro inacabado de Akira Kurosawa, um dos cineastas mais importantes do Japão.

Spider-Man pode ser um dos melhores games de heróis de todos os tempos

Este foi o momento incontestável da conferência da Sony, certo? O gameplay apresentado foi digno de elogios de toda a imprensa e do público. Também pudera, o game está lindo, as cenas de ação são extasiantes e a Nova York parece deveras realista. Deu para perceber que muitos inimigos farão participações e que o aracnídeo não terá vida fácil.

Em alguns momentos, Spider-Man lembrou bastante da liberdade que vimos no clássico Spider-Man 2, do PS2. Felizmente não será necessário esperar muito para colocar as mãos nesta joia. A Insomniac garantiu o lançamento para setembro.  O vídeo abaixo encerrou a apresentação da Sony na E3, deixando uma ótima impressão.

Os jogos apresentados estão em um nível muito alto e o grafismo dos exclusivos mostra que a plataforma ainda tem muito que oferecer antes do lançamento do Playstation 5. Ainda que tenha apresentado menos jogos que a concorrência, os títulos mostrados certamente segurarão bem as pontas para a empresa japonesa.