Arquivo da categoria: PS4

A Era dos Games: Exposição interativa sobre videogames desembarca no Brasil

Após passar por 33 cidades de 25 países, a exposição “A Era dos Games” finalmente chega a São Paulo. Idealizada pela Barbican Centre de Londres, a exposição é apresentada pelo Ministério da Cultura e Brasilprev, através da Lei Federal de Incentivo à Cultura. A mostra ocupará o Pavilhão da Bienal, no Parque Ibirapuera, entre 16 de agosto e 12 de novembro e vai mostrar a evolução dos jogos eletrônicos desde o Atari até a geração atual.

Depois de São Paulo, a exposição segue para o Museu Histórico Nacional no Rio de Janeiro, onde ficará em cartaz de 6 de dezembro a 05 de março de 2018. Nas duas cidades, o público poderá interagir com mais de 150 jogos de sucesso. É uma oportunidade ótima de conhecer e interagir com verdadeiras pérolas dos jogos eletrônicos.

A exposição consumiu dois anos de trabalho intenso a um custo de um milhão de libras inglesas. São cerca de seis décadas escrutinadas, em 13 seções temáticas distintas. Dentre os mais de 150 jogos selecionados há uma longa lista de destaques, a começar pelo Pong, um jogo de tênis extremamente sintético. Criado em 1972, rodou o mundo e deu início a uma das megaempresas do setor, a Atari, que lidera o segmento ao lado de Nintendo, Sega, Microsoft e Sony. O Brasil também estará presente através de alguns jogos com tecnologia verde e amarela.

“Não há dúvida de que os videogames tiveram um grande impacto na cultura visual contemporânea. A Era dos Games pretende demonstrar a força criativa considerável que sustenta a indústria, destacando as contribuições de indivíduos e empresas-chave que desempenharam um papel na sua evolução. A exposição explora a influência de músicos, cineastas e artistas e mostra claramente que algumas das inovações mais criativas do nosso tempo passaram por este meio fenomenal”, resume NeilMcConnon, diretor do Barbican.

O público poderá conhecer personagens que fizeram história, como Super Mario — o encanador italiano criado pela Nintendo em 1985 e que chegou a ser usado pelo Japão na cerimônia de encerramento das últimas Olimpíadas como símbolo nacional; a crescente importância dos jogos infantis e seu potencial como ferramenta educativa; e ainda os enormes avanços tecnológicos que continuam sendo feitos, como o uso cada vez mais sofisticado da tecnologia 3D, a captação mais sensível dos movimentos pela tela ou por sensores e a constatação de que a realidade virtual é algo cada vez mais próximo.

Um embrião da exposição Era dos Games foi apresentado no Museu da Imagem e do Som de São Paulo em 2011. Batizada originalmente de Game On, mais tarde o evento incorporou o número 2.0 ao título para dar conta das atualizações tecnológicas surgidas ao longo do período em que excursionou pelo mundo. A edição que desembarca agora no país chega em versão ampliada, com games de última geração e inclui jogos produzidos no Brasil.

“Acreditamos muito no potencial dessa exposição. Ao apresentar a história do videogame de forma lúdica e divertida, ela integra diferentes gerações e proporciona um excelente programa para toda a família”, explica Cinthia Spanó, gerente de Comunicação Corporativa e Sustentabilidade da Brasilprev.

As visitas à exposição Era dos Games terão horários pré-agendados e serão realizadas em seis sessões diárias, com 90 minutos de duração cada. O público poderá adquirir ingressos antecipadamente online já a partir desta quarta, 5 de julho. Vendas de ingressos na bilheteria somente a partir da data de abertura, 16 de agosto.

 

SERVIÇO – A ERA DOS GAMES – Uma exposição do Barbican Centre de Londres

Quando: De 16 de agosto a 12 de novembro de 2017 – Terça a domingo, das 11 às 20 horas – Sessões diárias às 11h, 12h30, 14h, 15h30, 17h e 18h30

Quanto: Preço R$40,00 / R$20,00 meia entrada*

Onde: Endereço: Pavilhão da Bienal – 3º pavimento – Acesso pela rampa externa

Parque Ibirapuera – Portão 03 – Av. Pedro Alvares Cabral S/N – CEP 04094-000 – São Paulo, Brasil

Estes são os vencedores do BIG Festival 2017

O BIG Festival foi um grande sucesso, pois além de apresentar jogos matadores, ainda atraiu uma multidão de pessoas para o Centro Cultural São Paulo. A cerimônia de premiação ocorreu na última quinta-feira (29 de junho) e quem esteve presente se divertiu bastante.

O troféu de Melhor Jogo da competição foi entregue a Overcooked, jogo produzido pelos britânicos da Ghost Town Games, que também levou o prêmio de Melhor Gameplay. O jogo nacional Distortions, do estúdio paulista Among Giants, levou dois prêmios: Melhor Jogo Voto Popular e Melhor Jogo Brasileiro.

Abaixo você confere os games vencedores do BIG Festival 2017:

 

Melhor Jogo: Overcooked

Há muitos jogos divertidos e bem executados neste festival, o que fez o júri quebrar a cabeça para descobrir quem premiar no final. Depois de muita deliberação, “Overcooked” foi escolhido por sua mistura vencedora de inovação, acessibilidade e diversão. Jogar “Overcooked” coloca à prova a durabilidade tanto de suas amizades quanto do seu sofá.

Melhor Jogo Brasileiro: Distortions
Melhor Jogo Voto Popular: Distortions

De todos os jogos brasileiros competindo nesta competição, “Distortions” se destaca pela fantástica síntese de design visual e sonoro que contribui para a criação de um ambiente e de uma narrativa que são tão eletrizantes quanto emocionantes.

 

Melhor Jogo América Latina: The Deadly Tower of Monsters

Nesta aventura, o jogador faz a jornada de um herói de ação do cinema na compania de fiéis escudeiros e uma torre cheia de monstros. O estilo audiovisual retrô evoca, com sucesso, o sentimento clássico dos filmes da era atômica.

 

Melhor Jogo Educacional ou de Impacto Social: Orwell

Com o advento do mundo digital, cada vez mais vivemos em uma sociedade na qual a vigilância e a coleta de informações privada é onipresente. “Orwell” é uma exploração arrepiante de quão fácil é de se observar (e mal interpretar) tudo o que fazemos (ou podemos fazer) no ciberespaço.

Melhor Jogo de Realidade Virtual: SUPERHOT VR

“SUPERHOT VR” utiliza com maestria os recursos desta plataforma, levando a Realidade Virtual para outro patamar. Divertido e interessante, este prêmio é mais que merecido.

 

Melhor Arte: Old Man’s Journey

“Old Man’s Journey” é um jogo bonito e cativante. O prêmio de melhor arte é um reconhecimento justo ao bom gosto estético e talento artístico do time.

 

Melhor Narrativa: Figment

A narrativa do jogo “Figment” lida com o tema de envelhecer. Assuntos sensíveis como doença, stress e depressão são cuidadosamente discutidos e representados em um mundo de sonhos.

Melhor Inovação: Yankai’s Peak

O desenvolvedor Kenny Sun prende a atenção do jogador com um gameplay inovador que é ao mesmo tempo simples e. Yankai’s Peak” eleva o gameplay de quebra-cabeças a uma forma de arte.

 

Melhor Som: ETHEREAL

O áudio em “ETHEREAL” não é apenas “o som do jogo”. O som É o jogo. Este som adiciona uma grande profundidade ao visual e gameplay minimalista, e aos poucos, vai se infiltrando de forma completa à mente do jogador.

 

Melhor Gameplay: Overcooked

“Overcooked” é um jogo cooperativo multijogador local frenético e super-divertido. Apesar de ser baseado em ações simples, o ingrediente secreto nesta receita é a coordenação necessária entre os jogadores para continuar atendendo a sua clientela frente a desafios que aos poucos vão ficando cada vez mais complexos e surpreendentes.

 

BIG Starter – Entretenimento: King Boom

King Boom comprovou seu potencial para o sucesso ao unir a um planejamento comercial sólido seu universo colorido, dançante e carismático.

 

BIG STARTER – Educacional: Medroom

Medroom traz uma proposta madura, com oportunidades de aplicação global para a formação, aprendizagem e treinamento na área de saúde – em que a introdução de novas tecnologias é fundamental.

Finalistas do BIG Festival #04: Overcooked

A televisão brasileira está apaixonada por programas de culinária como Master Chef, Hell’s Kitchen e Programa da Palmirinha. Pois bem, foi com esse formato televisivo que a Ghost Town Games da Grã-Bretanha se inspirou para a produção de Overcooked, um dos jogos indicados ao título de Melhor Jogo do BIG Festival, o maior evento de jogos independentes da América Latina.

Overcooked coloca até quatro jogadores para comandar uma cozinha, preparando os vários pedidos em pouco tempo sem deixar a comida queimar. Basicamente é um jogo de cooperação e agilidade. Há vários obstáculos para atrapalhar a vida dos jogadores, tais como pouco espaço para trabalhar ou cozinhas divididas em duas partes separadas por caminhões e até mesmo uma passarela de pedestres. Há 28 cozinhas diferentes no modo campanha, então desafio é o que não falta.

O gameplay é bastante caótico e exige trabalho em equipe, de modo que seus amigos chefs devem preparar, cozinhar e servir uma variedade de pedidos saborosos antes que os clientes se impacientem. Para quem curte jogos cooperativos e jogabilidade rápida, Overcooked é um prato cheio, com o perdão do trocadilho.

O título é bem simples e a jogabilidade é dinâmica, de modo que os jogadores vão correr durante todo o tempo a fim de cortar tomates e cebolas a tempo de coloca-las na panela e em seguida entregar o pedido. Muito provavelmente os jogadores vão “bater cabeça” e discutir para definir uma estratégia vencedora, tal como ocorre nos programas de televisão mencionados acima.

Apesar de ser um game bem casual, Overcooked tem um enredo: o Reino da Cebola está em perigo e só a cozinha mais refinada poderá salvá-lo de um antigo mal comestível que devasta as diversas cozinhas do mundo. Sim, a trama é bem boba e sem sentido, mas esta falha é recompensada pela jogatina divertida.

Overcooked foi tão bem aceito que até ganhou os prêmios de melhor game e melhor jogo familiar no 13º British Academy Game Awards, em 2017. O game foi desenvolvido para privilegiar o multiplayer local cooperativo, porém há modos de competitivos e um singleplayer em que o jogador controla dois chefes simultaneamente. Infelizmente não há nenhum plano para multiplayer online no momento.

Abaixo você vê um gameplay hilariante que o Coisa de Nerd fez de Overcooked:

Finalistas do BIG Festival #03: Figment

A Dinamarca não é um país muito conhecido pela produção de jogos digitais, mas é justamente de lá quem vem um dos destaques do BIG Festival: Figment. O título é da desenvolvedora Bedtime Digital Games, que aposta num conceito lúdico e em visuais caprichados para agradar o jogador. Não por acaso, o título concorre nas categorias Melhor Jogo, Melhor Narrativa e Melhor Arte do BIG 2017.

Figment é um jogo de ação e aventura com quebra-cabeças ambientado em um universo de sonhos com grande ênfase musical. Todo o jogo se passa na cabeça de um homem de 40 anos cuja mente é atormentada pela ansiedade e o estresse. Assim, o ambiente se parece com um mundo de fantasia extraordinário, onde tudo se transforma diante dos olhos. É neste mundo de sonhos que habitam Dusty e Piper, as protagonistas do jogo.

A missão dessas garotas é explorar a mente deste homem, cuja identidade é um mistério durante todo o game. Dusty e Piper devem resolver puzzles e corrigir os problemas do misterioso homem, além de combater pesadelos e restaurar um espírito fragilizado. Sim, toda a aventura é lúdica e o tema é bastante introspectivo.

O estilo visual é o grande chamariz do game, de modo que ele é um dos títulos mais impactantes que o visitante verá no BIG Festival 2017. O resultado de tanta beleza deve-se ao fato de que Figment foi todo desenhado à mão em perspectiva isométrica. Una-se ao conjunto da obra o fato de que o game possui melodias cativantes e bem diversificadas. Os puzzles são simples, porém mantém o jogador entretido.

Figment é um mundo surreal preenchido pelos mais profundos pensamentos, desejos e memórias, habitado pelas muitas vozes que se ouve na cabeça. Esta mente permaneceu calma durante muito tempo, mas graças ao estresse, novos pensamentos emergiram tomando a forma de criaturas assustadoras que espalham o medo por onde passam. A única esperança é que o carrancudo Dusty, a antiga voz da coragem da mente, consiga regressar à sua antiga forma e ajude a mente a combater os seus medos”, diz o release do game.

Figment está disponível para PC, Xbox One e Playstation 4. Ele é altamente indicado para quem curte jogos de quebra-cabeças e narrativas lúdicas e cheias de simbologia. Há quem compare a história e simbologia com o megassucesso Braid, graças à história cativante e universo de jogo fantástico.

Abaixo você confere o trailer de Figment:

Finalistas do BIG Festival #02: Death Squared

Outro game que está fazendo bonito no BIG Festival 2017 é Death Squared, do australiano SMG Studio. Basicamente trata-se de um puzzle em que o jogador deve guiar robôs até um determinado ponto do cenário. Parece moleza, certo? Mas na verdade temos aqui um dos jogos mais desafiadores já lançados, tanto que a cada nível você vai morrer um sem número de vezes até entender a dinâmica de jogo.

Death Squared desafia o jogador a colocar um grupo de robôs em cima de determinados círculos casando a cor dos círculos e dos robôs. A princípio parece fácil, mas os níveis são desenhados para desafiar a atenção e perícia dos jogadores. Ou seja, há obstáculos e armadilhas que devem ser desviados a fim de chegar ao objetivo. O macete é que o pessoal da SMG meio que mascarou um labirinto 3D, ou seja há apenas um único caminho a seguir.

Um dos pontos mais interessantes: você deve decifrar o caminho certeiro, pois “morrer” te coloca no início da determinada fase, o que pode ser bastante frustrante. A jogatina envolve muita experimentação, tentativa/erro. No modo multiplayer é natural que um determinado jogador tome o caminho errado, fazendo com que todos voltem ao princípio. Comunicação é essencial para chegar até o fim de cada fase de maneira brilhante.

Ainda que tenha modo singleplayer, o foco de Death Squared é no multiplayer, onde até quatro jogadores podem se ajudar para guiar os coloridos robôs até seis respectivos checkpoints. Deste modo, o trabalho em equipe é o essencial no jogo. É bem comum que “desentendimentos” aconteçam vez ou outra, pois decifrar o cenário é o grande macete e muitas vezes um jogador acaba prejudicando todo o grupo.

Mas não pense que você vai passar raiva com Death Squared. Na verdade ele vai melhorar muito o trabalho em equipe entre você e seus amigos, a menos que seu parceiro seja uma toupeira que leva o grupo a mortes desnecessárias. O fator diversão é bastante alto e certamente você vai acabar viciando em passar fases seguidamente. Poucas vezes vimos jogos independentes tão bem engajados no fator diversão em detrimento de aspectos técnicos como gráficos e efeitos visuais.

O modo multiplayer é apenas local e conta com 40 fases, cuja dificuldade é sempre crescente. Já no modo para dois jogadores ou singleplayer existem 80 níveis. Infelizmente a SMG não incluiu multiplayer online aqui. De qualquer modo, da para se divertir bastante. Os controles são simples e intuitivos, então qualquer um pode apreender e se divertir. Death Squared está disponível para PS4, Xbox One e PC.

Abaixo está o trailer de Death Squared:

Finalistas do BIG Festival #01: The Deadly Tower of Monsters

Um dos grandes favoritos (senão o maior) para o prêmio “Melhor Jogo” do BIG Festival 2017 é The Deadly Tower of Monsters, do estúdio Chileno ACE Team. De cara é um dos que mais chamam as atenções em toda a exposição. Aqui temos um jogo de ação em terceira pessoa que homenageia filmes clássicos de Sci-Fi, como “King Kong“, “O Dia em que a Terra Parou“, “Perdidos no Espaço“. A ideia dos desenvolvedores foi criar propositalmente um game “tosco”, porém divertido. Para isso, utilizaram diversos recursos, incluindo stop-motion e narração à lá anos 70.

A trama é bem simplista, tal como nos filmes que serviram de fonte de inspiração: o jogador encarna o explorador espacial Dick Starspeed que chega ao estranho planeta Gravoria após um inusitado acidente. Com o foguete danificado e o seu robô perdido, ele sai para explorar o planeta e se depara com seus perigosos habitantes. Neste planeta ele se vê no meio de uma guerra civil entre os habitantes locais, formados por homens-macacos. Dick acaba por encontrar com Scarlet Nova, herdeira do imperador de Gravoria. Após descobrir as tiranias do imperador, a dupla se um em uma missão para derrubar o império.

Apesar do roteiro elaborado, The Deadly Tower of Monsters é uma paródia de um filme de ficção B rodado nos anos 70, ou seja, o jogador vai conferir a narração do diretor do filme (Dan Smith), de maneira bem cômica. Essas narrações estão ao longo de todo o jogo, de modo que é difícil não entrar no clima do jogo. A narração combina muito com as animações em stop-motion e a ação ilógica que permeia Gravoria.

O que mais chama as atenções em The Deadly Tower of Monsters é os visuais caprichados. Mesmo com a visão tosca de mundo, é notório que a ACE teve muito trabalho para criar as animações em stop-motion de maneira convincente. Visualmente, o resultado é algo que lembra muito filmes cult como Simbad, Jason e os Argonautas e A besta de 20.000 braças. No aspecto visual, este game é imbatível e certamente merece atenção especial do público do BIG.

Os inimigos são bem peculiares e estão em sintonia com esta aventura desvairada: até mesmo dinossauros surgem para complicar a vida do jogador. Eles trazem referências de filmes como “King Kong“, “O Dia em que a Terra Parou“, “Perdidos no Espaço“, “Planeta dos Macacos“, “O Planeta Proibido“, “Invasão das Aranhas Gigantes“, entre outros. A diversão é totalmente descompromissada, mas obrigatória.

A jogabilidade é típica de games de plataformas 3D, você pula, corre, bate, atira e rola para fugir das investidas inimigas. A câmera não fica estática! Ela se move procurando o melhor ângulo para captar a ação, sendo que em alguns momentos parece até utilizar isometria ou visão por cima. Outro destaque é a variedade de armas e itens que servem para destruir os inimigos: dezoito armas variando entre tiro e de curta distância. Todas elas podem ser melhoradas.

The Deadly Tower of Monsters é um trinfo dos jogos independentes. Ele não apenas é de qualidade técnica impecável, como também uma prova de que o que vale mesmo é a diversão. Numa era em que linhas de resolução e gráficos ultrarrealistas estão em voga, é legal ver que um game com visual antiquado receba tanta atenção. Se ele tem o que é necessário para vencer o BIG Festival? Sim! Não sabemos se vai levar o prêmio principal, mas só o fato de estar entre os finalistas já mostra que o futuro dos jogos indies pode não ser equiparar-se com os AAA. O game está disponível para PC via Steam e PSN.

Abaixo tem o trailer de The Deadly Tower of Monsters:

E3: 43 milhões de pessoas no Facebook falaram sobre games durante o mês antes do evento

Podemos dizer que a E3 2017 foi um verdadeiro sucesso, em todos os aspectos. Afinal, pela primeira vez ela foi aberta ao público geral, as produtoras de jogos surpreenderam com suas novidades e novas tecnologias foram apresentadas. Em relação aos números, também não há de que reclamar: cerca de 68 mil pessoas de pessoas passaram pelos corredores do L.A Convention Center.

Em sua primeira participação na E3, o Facebook monitorou de perto as interações das pessoas relacionadas a conteúdos da feira americana. De acordo com a gigante da internet, cerca de 43 milhões de pessoas no Facebook falaram sobre games durante o mês antes do evento. O número expressivo serve como termômetro para mostrar o interesse crescente da comunidade gamer em relação às novidades e mostra que ao contrário do que se pensa este ainda é um setor bastante aquecido.

MicrosoftEste acompanhamento reforça o papel do Facebook para ajudar a comunidade a descobrir, assistir, jogar e compartilhar os seus games preferidos com as pessoas que mais gostam. O mais interessante é que o Brasil foi um dos países mais ativos em discussões sobre games e a E3, mostrando a força e o interesse dos brasileiros no mercado.

No mês que antecede os três dias do evento, registraram no Facebook sobre os novos jogos, consoles e as principais novidades do mundo dos jogos, incluindo a E3. Durante os últimos 30 dias, 35% das interações (curtidas, publicações ou comentários) partiram de mulheres, contra apenas 10% no ano passado. Isso demonstra o aumento do interesse das jogadoras em nossa plataforma.

SonyOs jogos mais mencionados nos sete dias antes da feira foram Fifa, Star Wars: Battlefront, State of Decay, Assassin’s Creed e Sea of Thieves. Isto significa que estes jogos tem tudo para se tornarem campeões de vendas quando forem lançados. Além disso, 22% das pessoas que interagiram, homens ou mulheres, têm pelo menos 35 anos de idade.

As empresas desenvolvedoras de jogos e as fabricantes de consoles também foram lembradas pelos produtores de conteúdo no último final de semana, depois das coletivas de imprensa: a Sony foi a mais citada na imprensa, seguida pela Microsoft, Electronic Arts, Ubisoft e Activision Blizzard.

“Este ano, mais do que nunca, estamos entusiasmados em ver o Facebook com uma participação maior na E3. Ao longo dos últimos meses, as pessoas de todo o mundo chegaram à plataforma para discutir e compartilhar os jogos que eles amam com as pessoas que lhes interessam”afirma Franco DeCesare, Head of Global Console & Online Gaming do Facebook. O executivo ainda comenta que a comunidade de jogadores continua a crescer e evoluir a cada ano “O Facebook é a voz da comunidade de jogos, com mais de 800 milhões de pessoas jogando pelo menos um jogo conectado ao Facebook todos os meses”, finaliza.

Abaixo você confere os melhores jogos da E3, segundo o UOL Jogos:

 

 

Programa Game Over estreia no canal PlayTV com muito conteúdo de games e e-Sports

A PlayTV investiu mais espaço de sua grade nos videogames: no último domingo, 18 de junho, estreou o programa Game Over às 19h. O programa apresentado por Arthur Ribas já existe há 10 anos e é bastante conhecido do público do youtube e do canal aberto Band.

Agora na PlayTV, os planos são exibir o programa em dois formatos: às quintas sempre às 20h, com duração de 24 minutos, reapresentados às segundas, quartas, sextas e domingos às 11h e, no domingo uma versão mais completa, de 60 minutos,  às 19h.

“Games e tecnologia são o assunto da PlayTV há 10 anos. A parceria com o Game Over, que tem quase a mesma idade que a nossa, serve para fortalecer dois produtores de conteúdo especializado que, sabe-se lá porquê, estavam separados. É quase como um reencontro de irmãos gêmeos depois de uma década”, afirma o gerente de produção e programação da PlayTV, Rodrigo Lariú.

A pauta desta nova atração inclui tudo o que acontece no mundo dos jogos, desde lançamentos, notícias, entrevistas, análises e polêmicas como, por exemplo, falar de games vazados. Além disso, a promessa é de ter bastante conteúdo de e-Sports, com entrevistas com os cyberatletas e os principais times do cenário nacional. Também pode esperar cobertura de eventos como a BGS e feias nacionais como o SANA e o BIG Festival.

Segundo Arthur Ribas, o diferencial do programa é que a equipe de produção leva os videogames a sério e sempre mostra os temas mais interessantes. “Levamos o videogame a sério, não falamos só dos jogos que estão em evidência, mas fazemos questão de mostrar jogos antigos, produções nacionais e deixar o telespectador sabendo tudo o que acontece no mundo dos jogos.” E quem assiste na TV poderá participar do próximo programa escolhendo a trilha sonora da edição seguinte pelo celular.

O público de Game Over ama games desde a época de quem jogava Atari e hoje tem 30 anos ou mais, e consome jogos como uma das principais formas de entretenimento. Dados mostram que 70% do público do programa na internet é de 18 a 35 anos (fonte: Youtube 2017).

 

Serviço – Game Over na PlayTV (60 min)

Episódios inéditos – domingos às 19h

Reapresentações – segundas e quartas 21h30, terças e quintas 11h30

Classificação etária: Livre

 

Game Over Diário (24 min)

Episódios inéditos – quinta 20h

Reapresentações às segundas, quartas, sextas e domingos às 11h00 e terças e sábados às 20h

Classificação etária: Livre

Os 5 melhores (e piores) momentos da Sony na E3 2017

Pois bem, a gigante japonesa dos games conquistou ao longo dos anos a hegemonia dos consoles e não por acaso as maiores expectativas por parte dos jogadores estavam voltados para a Sony. O que a empresa iria trazer para esse ano? Novos exclusivos, novas franquias, continuações?

Como não poderia deixar de ser, a Sony apostou suas fichas em suas franquias mais fortes como God of War e Uncharted, além do retorno de Shadow of the Colossus e a sequência de Ni No Kuni. Além disso, a empresa ainda trouxe novidades do Playstation VR, uma grata surpresa, visto que a concorrência ignorou sumariamente a realidade virtual.

Confira abaixo os “highlights” da apresentação da Sony na E3 2017:

 

Uncharted The Lost Legacy e God of War

Desde que apareceu oficialmente durante a E3 2016, God of War se tornou um dos jogos mais esperados para o PS4, e não era por menos: a mitologia nórdica já é por si só brutal e colocar Kratos no meio desse universo tinha tudo para dar certo. Não é por menos que a decepção pelo jogo ter sido adiado para 2018 ser grande. Ao menos, o que foi mostrado convenceu e mostrou que a Santa Monica está empenhada em trazer o seu melhor game já produzido.

E também não podemos deixar de citar o título que deu abertura para a conferência da Sony. Uncharted The Lost Legacy conseguiu se provar como um produto essencial para quem é fã da franquia. Afinal de contas, ficou claro que ele não é apenas uma expansão, mas praticamente um jogo novo e com todos os elementos para agradar fãs de jogos de ação e exploração.

 

Ni No Kuni 2: Revenant Kingdom

Um dos melhores jogos de toda a biblioteca do Playstation 3 foi Ni No Kuni: Wrath of the White Witch. Imaginem a surpresa do público quando a Sony anunciou a sequência ainda para este fim de ano. Revenant Kingdom seguirá a história do rei Evan Pettiwhisker Tildrum, que foi destronado por um golpe e agora precisa retomar seu reino.

Pelo que foi mostrado, o jogo terá um mundo aberto muito grande, com muitas cidades e dungeons para explorar. O sistema de combate deve ser parecido com o jogo anterior, porém com melhorias a fim de tornar as coisas mais dinâmicas e divertidas.

 

Spider-Man está arrasador

Se por um lado a Marvel reinava soberana no ramo do cinema, o mesmo pode ser dito da hegemonia da DC em relação aos jogos eletrônicos. Parece que as coisas estão mais pareadas nas duas frentes, pois a DC acertou a mão com o filme da Mulher-Maravilha e a Marvel vai ter o jogo do Homem-Aranha, em produção pela Insomniac.

O gameplay parece incrível e cheio de detalhes, incluindo passagens em QTE (quick time events) e acrobacias animais. Se o que foi prometido se tornar real, a franquia Arkham terá um concorrente de peso. Infelizmente, os jogadores só vão colocar as mãos neste jogo em algum momento de 2018.

 

Remake de Shadow of the Colossus

A maior bomba de toda a apresentação da Sony foi o remake de Shadow of the Colossus. Sim, muita gente faz piada pelo fato de que o game é do PS2 e já teve uma remasterização para o PS3. Ainda assim, estamos falando de um dos melhores games já produzidos na história e a qualidade gráfica está fascinante.

A Sony não deu detalhes adicionais sobre esse remake, então não tem como saber se haverá mais cenários, armas, mecânicas ou até novos colossus projeto só sai em 2018, um tempo muito longo para um mero “tapa visual”. Então dá para sonhar sim que novos conteúdos façam parte do pacote de jogo.

 

Destaque para o VR

A Microsoft não mostrou nada em relação a realidade virtual, mas a Sony seguiu por um caminho oposto: a empresa mostrou uma sequência variada de títulos com suporte ao VR, deixando a impressão de que o acessório veio pra ficar. O maior de todos os projetos mostrados foi Skyrim, que ganhou suporte ao acessório e, deste modo, permite que os jogadores entrem no mundo do jogo literalmente.

Outros títulos compatíveis com o aparelho foram Star Child, The Impatient, Monster of the Deep: Final Fantasy, Bravo Team e Moss. Mais uma vez a Sony foi vaga com relação as datas de lançamento, mas ao menos que investiu seu rico dinheiro na tecnologia não tem o que temer.

 

E os piores momentos da conferência da Sony

 

Os jogos que esperávamos sumiram

Ainda que rumores e informações dispersas já adiantavam que pesos-pesados ficariam de fora da feira, como Final Fantasy VII, The Last of Us II e Shenmue 3. Não deu para não ficar decepcionado com essas ausências, afinal muitos jogadores imaginavam que talvez a Sony surpreendesse nem que fosse com algum vídeo novo.

Nem mesmo o Death Strading deu as caras. Mais agravante foi o fato de que a Sony nem sinalizou que esses jogos ainda existem e possuem um calendário de lançamento. Ao menos, sabemos que o histórico da companhia é de manter seus projetos até o fim, mesmo que o desenvolvimento perdure anos a fio.

 

Nenhuma atenção aos indies

Surgeon Simulator, um indie de respeito na PSN

 

Ao fim da apresentação da Microsoft muita gente queria “tirar onda” com o fato de que muito do painel da empresa de Redmond era dedicado aos produtores independentes. O mesmo não pode ser dito da Sony, porém partimos de oito para oitenta, pois a Sony ignorou completamente os indies.

Há quem diga que acompanha a E3 para ver os jogos grandes, mas muitos executivos já sacaram que são justamente os indies que tem mais possibilidade de criar produtos rentáveis (vide casos de sucesso como o Minecraft, por exemplo). Além disso, os grandes jogos estão cada vez mais espaçados e é bom saber que todo mês aparece um game menor, porém divertido. Neste aspecto a Sony pisou na bola feio ao não dar atenção aos desenvolvedores menores.

 

Onde estava Kojima?

Claro, Death Strading não estava na feira, então não teria porque o mítico produtor Hideo Kojima aparecer no evento. Entretanto, por algum motivo, muitos membros da comunidade esperavam que Kojima subisse ao palco para trocar algumas palavras com o apresentador e dizer a quantas anda o seu novo game.

Neste caso é seguro afirmar que o desenvolvimento do game está ainda cru e para os desenvolvedores não faz sentido mostrar nada ainda, até porque a Sony já tem um histórico perturbador de mostrar games que vão sair em dois ou três anos. Talvez este seja um indício de que a empresa está prestando atenção nas críticas da comunidade.

 

Onde estão as novidades?

E, por fim, o mais triste da conferência da Sony: onde estão as novidades? Muitos dos jogos mostrados já haviam dado as caras em conferencias passadas da E3 e da Playstation Experience. Ficou aquela sensação d que eles estavam escondendo alguma carta na manga, mas essa carta nunca aparecia. A sensação foi tão amarga que há que brinque que a conferência deste ano foi uma remasterização do que foi apresentado no ano anterior.

Seja como for, a expectativa é que na Playstation Experience deste ano a empresa mostre seus novos projetos, IPs e lançamentos para o ano fiscal. Além disso, vale lembrar que alguns dos jogos apresentados foram de alta qualidade como Days Gone, Detroit Become Human e Destiny 2.

 

Abertas as inscrições para os campeonatos de Jogos Digitais do Sana 2017

Já pensou conferir um dos maiores eventos de cultura pop do Brasil e de quebra disputar um animado campeonato com centenas de jogadores de todas as partes do Brasil? Pois bem, o Sana 2017 está com as inscrições abertas para quem deseja participar dos Campeonatos de Jogos Digitais que acontecerão durante o evento. As inscrições podem ser feitas até o dia 16 de junho exclusivamente pelo site do Sana.

As competições terão etapas online e a presencial durante o evento nos dias 14 a 16 de julho no Centro de eventos do Ceará. De acordo com a programação, haverá competições de League of Legends, Hearthstone, Heroes of the Storm e Dota 2. Os prêmios chegam a R$ 5.000,00 no total e o valor será dividido entre os campeonatos. A expectativa é que muitas jogadores se inscrevam e participem do torneio, o que significa que colocar a mão no prêmio não será fácil.

hearthstonePara se inscrever no campeonato, o jogador deve preencher a ficha de inscrição disponibilizada no grupo do evento e realizar a pagamento da taxa de inscrição por time. Todos os jogadores são obrigados a realizar o cadastro na plataforma Battlefy para as etapas online e presencial, conectar com sua conta “steam” e estar de acordo com os termos de serviço.

Cada jogo possui suas regras, por isso os interessados devem acessar os editais no site oficial do evento, na sessão da programação dos jogos. Os campeonatos são organizados pela Fundação Cultural Nipônica Brasileira e para mais informações basta entrar em contato pela Fanpage do Sana 2017.

Ingressos para o Sana 2017

Os ingressos do segundo lote estão disponíveis em todos os pontos de venda físicos e online. O benefício da meia-entrada será dado a estudantes, professores, portadores de necessidades especiais, doadores de sangue regulares, idosos, jovens de baixa renda e pessoas que levarem 1 kg de alimento não perecível. Os ingressos são vendidos pelo site da Bilheteria Virtual e nos pontos de vendas: Lojas Piticas; Lojas Nagem; Gracom; Darkness e Dominaria.

 

Serviço – SANA 2017

Data: 14,15 e 16 de julho de 2017

Local: Centro de Eventos do Ceará

Horário: sexta-feira 12h às 20h

Horário: sábado e domingo 10h às 20h