Arquivo da categoria: PS4

Bandai Namco anuncia New Gundam Breaker para o PS4

Tem gente que bate o pé dizendo que o Japão não está com mais nada em relação aos jogos eletrônicos. Para provar que isso é irreal, além do lançamento de Dragon Ball FighterZ, a Bandai Namco ainda prepara o lançamento de New Gundam Breaker para o PS4. O game coloca os famosos personagens para brigar em ambientes variados.

Apresentando uma grande e distinta variedade de Gunpla, o game permitirá que jogadores construam seus próprios modelos e os levem à batalha. De acordo com a Bandai, New Gundam Breaker é desenvolvido através da Unreal Engine 4 e um dos destaques é a possibilidade de personalizar os Gunpla em tempo real.

Conforme os inimigos forem danificados ou destruídos nestes combates, deixarão armas e peças do corpo para trás, que poderão ser coletadas pelos jogadores e utilizadas posteriormente para customizar seus próprios Gunpla, criando uma identidade única para cada projeto. New Gundam Breaker é exclusivo de PS4 e deve ter maiores informações reveladas no dia 28 de janeiro através de uma transmissão ao vivo da Bandai.

Abaixo tem o teaser de New Gundam Breaker:

Electronic Arts anuncia data de lançamento de Fe, jogo do selo EA Originals

Para quem estava esperando novidades sobre o promissor jogo “Fe”, temos  algumas noticias. A Electronic Arts anunciou que o título será lançado mundialmente em 16 de Fevereiro para Xbox One, PlayStation 4, Origin para PC e Nintendo Switch. O game está sendo bastante aguardado por jogadores que esperam por  experiências totalmente novas.

Desenvolvido pelo estúdio sueco Zoink Games, Fe é um jogo imaginativo de plataforma de mundo aberto em que os jogadores irão embarcar em uma aventura na pele de um filhote perdido em uma densa floresta, explorando e descobrindo os segredos da flora através de visão e som. Além de explorar o ambiente, o jogador deve interagir com outros animais e plantas locais. Para tanto você deve aprender novas músicas para acessar diferentes partes do ambiente florestal.

Mas nem tudo são flores em Fe: durante a aventura você irá se deparar com criaturas malignas que trazem o silencio e tentam modificar o bosque. Outro ponto de interesse do jogo é que você é livre para explorar sem qualquer indicação de onde ir ou o que fazer! Você é jogado em uma densa floresta e deve descobrir por si só o que fazer para encontrar seu caminho e impedir que a floresta seja corrompida pelas criaturas malignas.

Em Fe, jogadores serão encantados pelos arredores naturais, enquanto desvendam segredos, completam missões secundárias e encontram criaturas místicas da floresta. Os jogadores irão escalar, deslizar e cavar enquanto viajam pela experiência de mundo aberto, encontrando, interagindo e resgatando plantas e animais dos Silent Ones, as máquinas antagonistas que estão ameaçando a floresta. Através de uma liberdade de exploração única em um mundo cheio de descobertas a serem feitas, jogadores se tornarão Fe e nunca vão querer partir.

Fe é mais uma mostra da nova estratégia da EA de apoiar a desenvolvedores independentes, tal como aconteceu com o excelente Unravel. O objetivo do selo EA Originals é oferecer experiências únicas ao jogador ao passo que apoia desenvolvedores menores. De acordo com a EA, todo o dinheiro das vendas dos jogos deste selo vão direto para os desenvolvedores, a fim de melhorar a estrutura desses estúdios.

Abaixo tem o trailer de Fe:

Boavista Shopping organiza 2º edição do Arena Games no final de Janeiro

Após o sucesso do 1º Arena Games, o Boavista Shopping, localizado em Santo Amaro, SP, decidiu oficializar a 2º edição do evento que disponibiliza diversos consoles para free play nas dependências do shopping. As atrações acontecem de 12 a 28 de janeiro de 2018, das 14h às 20h, no Piso G4 do empreendimento, em frente à loja Magic Games. A Arena é composta por 5 estações com consoles Playstation 4/XBOX One com jogos Fifa 18, Call of Duty, Minecraft, Batman Lego e Mortal Kombat X e uma  estação de dança completa com tapete, TV, som, kinnect e o jogo Just Dance.

Além de jogar, os visitantes do Arena Games também podem participar de competições e ganhar prêmios. O evento promove o torneio do jogo Just Dance no dia 27 de janeiro e a segunda edição do Campeonato Fifa 2018 no dia 28. As ações são gratuitas e promovidas pela Liga Sorocabana de futebol virtual em parceria com o shopping e tem o objetivo de estimular a prática de atividades que desenvolvem, entre outros aspectos, o raciocínio lógico, a coordenação motora, a criatividade, a socialização e o espírito de competitividade e de união entre os atletas virtuais.

As inscrições para os campeonatos do Arena Games podem ser feitas no site da Liga, em que serão aceitos até 32 jogadores para o Just Dance e 64 inscritos no Fifa 2018, utilizando o sistema de mata-mata do início ao fim da competição. Os regulamentos completos dos torneios também estão disponíveis no site da liga. Fundada em 2007, a Liga Sorocabana de Futebol Virtual tem caráter amador e não é filiada à instituições ou organizações de esportes eletrônicos profissionais.

Premiações – Os três primeiros colocados de cada competição serão premiados. O primeiro lugar ganhará um smartphone, um jogo de Playstation ou Xbox One e mais troféu. O segundo colocado ficará com dois jogos e troféu. E o terceiro lugar ganhará um jogo e medalha.

 

SERVIÇO – 2º Arena Games – jogos virtuais no Boavista Shopping

Quando: 12 a 28 de janeiro de 2018 Horário: 14h às 20h

Onde: Piso G4, em frente à Magic Games do Boavista Shopping – Rua Borba Gato nº 59 – Santo Amaro – São Paulo/ SP

Quanto: Evento gratuito

Site: www.boavistashopping.com.br

 

1º Campeonato Just Dance Boavista Shopping

Quando: 27 de janeiro de 2018 Horário: a partir das 13h

Onde: Piso G4, em frente à Magic Games – Rua Borba Gato nº 59 – Santo Amaro – São Paulo/ SP

Inscrições gratuitas em www.ligasorocabana.com.br (limite de 32 participantes

Regulamento: http://www.ligasorocabana.com.br/noticias-exibir.php?id=247

 

2º Campeonato Fifa 2018 Boavista Shopping

Quando: 28 de janeiro de 2018 Horário: a partir das 13h

Onde: Piso G4, em frente à Magic Games – Rua Borba Gato nº 59 – Santo Amaro – São Paulo/ SP

Inscrições gratuitas em www.ligasorocabana.com.br (limite de 64 participantes

Regulamento: http://www.ligasorocabana.com.br/noticias-exibir.php?id=246

Grandes Estúdios Brasileiros de Games #03: Cat Nigiri

Em 2017 um estúdio de Florianópolis, SC, conquistou bastante projeção nacional após o sucesso de dois jogos (Keen e Necrosphere). A Cat Nigiri recebeu nomeações importantes em eventos de grande porte como a SBGames São Paulo, SBGames Porto Alegre e o BIG Festival.

O mérito foi criar jogos divertidos, porém diferenciados em suas estéticas e objetivos. Formado em 2012, a Cat Nigiri tem por objetivo unir mecânicas simples com gameplay inovadores, e deu certo! Hoje vamos ver um pouco da visão desses talentosos desenvolvedores que já são reconhecidos como um dos principais do Brasil.

 

Qual o significado do nome Cat Nigiri?

Temos duas versões.

A primeira é sobre um nome aleatório que soasse “indie o suficiente” para um grupo de amigos que precisavam de um nome para o estúdio.

A outra –– que contamos para investidores –– é sobre um gato que é ágil, esperto, pequeno e muito fofo, assim como o nosso time. Além disso, o nigiri é uma comida simples (fatia de peixe, bolinho de arroz e raiz forte) que requer muita habilidade para fazer.

Só escolher a versão que você prefere.

 

O que levou vocês a essa vida de videogames?

Paixão, persistência e muito entusiasmo. Um pouco de inocência, também.

 

É difícil desenvolver games fora do eixo Rio-São Paulo?

Não. É bem tranquilo. Está cheio de cariocas e paulistas por aqui em Floripa, de qualquer forma.

 

Se vocês tivessem dinheiro infinito para contratar qualquer produtor de games do mundo, quem seria? Por quê?

Nenhum destes famosos. Gostamos de fazer os jogos do nosso jeito.

 

Afinal de contas, a quantas anda o mercado de jogos no Brasil? É uma época boa para investir no mercado/carreira? Ou é melhor vender açaí mesmo?

Ocorreram algumas coisas muito interessantes neste último ano:

Incentivos governamentais como Ancine e Finep que dão credibilidade para a nossa indústria de desenvolvimento de jogos.

Baixa dos juros que vai fazer muita gente tirar o dinheiro dos bancos e realmente investir em algo produtivo.

Leis específicas para promover o investimento-anjo em pequenas empresas.

Mudanças nas leis que facilitam a contratação de profissionais.

Montar uma barraca para vender açaí pode ser um bom investimento, também. Parecer ser uma hora boa para empreender.

 

Muitos dos seus jogos seguem um estilo de arte mais cartoon, já tentaram fazer algo puxado para o realismo?

Ainda não. Realismo é bem mais custoso. O nosso foco é sempre o gameplay.

 

Tanto o Keen quanto o Necrosphere receberam nomeações para o BIG Festival e outros eventos. Vocês ficaram surpresos com o sucesso de crítica e público?

Ficamos surpresos e agradecidos. Infelizmente, troféu não compra pão. Tivemos aclamação tanto aqui como lá fora, porém as vendas de Necrosphere para PC ainda não chegaram onde esperávamos.

 

O Necrosphere é bem difícil (mesmo). Qual foi a maior inspiração para o projeto?

O ódio dentro do coração do Caio, junto com Metroid, VVVVVV e um pouco de Twin Peaks.

 

O que é mais importante para um game: gráficos ou jogabilidade?

Somos desenvolvedores de jogos, portanto o mais importante é jogabilidade. Se fossemos desenvolvedores de gráficos, talvez fosse o contrário.

 

Qual o jogo mais surpreendente que vocês já jogaram?

O último que o time comentou bastante foi Super Mario Odissey e Doki Doki Literature Club.

 

É muito difícil manter um estúdio de games aberto por tantos anos no Brasil?

Fase mais longa e difícil que já tivemos em nossas vidas.

 

Vocês possuem carreiras paralelas ou já é possível sobreviver apenas com os games?

Já tivemos diversos day jobs para pagar as contas do estúdio, hoje, felizmente, com investidores interessados, podemos sobreviver 1 ano de desenvolvimento. Para os próximos anos, precisamos emplacar um jogo lucrativo.

Quanto tempo leva o processo de criação de um game, mesmo que este possua mecânicas simples?

Depende do jogo. Game jams normalmente levam 2 dias. Necrosphere para PC foi feito em 10 meses. Keen 3 anos.

 

Muita gente acredita que os jogos japoneses não possuem a mesma força de outrora. Vocês jogam títulos orientais? Alguma coisa que ninguém conhece e merece destaque?

Mentiras. Só ver Legend of Zelda Breath of the Wild e Super Mario Odissey.

 

Qual o segredo para o produtor iniciante conquistar um espaço em meio aos milhares de games que surgem todos os dias na Google Play?

Esta é uma pergunta que adoraríamos ter a resposta. Nossa palpite é fazer jogos realmente engajantes e com qualidade.

 

Qual a formação necessária para conquistar aquele emprego dos sonhos em um estúdio de renome no Brasil?

Nenhuma em específico. O principal é ter lançado jogos.

 

Alguma dica para quem não consegue terminar o Necrosphere?

Tente novamente!

 

 

Agradecimentos o Nando Guimarães, CEO da Cat Nigiri, que atendeu prontamente nossa equipe!

Top 10: Games mais aguardados para 2018

O ano 2018 começou. Você já sabe quais os games que devem fazer bonito nesta temporada? Preparamos aqui um guia dos jogos mais aguardados e que tem tudo para fazer bonito neste ano. Claro que alguns podem se mostrar grandes decepções, além da possibilidade se aparecer surpresas ao longo dos meses, mas baseando-se no que já foi apresentado até aqui, estes são os games que mais estamos ansiosos para ver em 2018.

Confira abaixo os dez games mais aguardados para 2018:

 

Shadow of the Colossus

Sim, Shadow of the Colossus não é exatamente uma “novidade”, visto que já sabemos o que esperar do jogo desde a era 128 bits. Mas vamos lá, Shadow of the Colossus é um dos melhores games de todos os tempos e um dos poucos games considerados obras de arte interativas. Aqui podemos ver toda a glória da obra de Fumito Ueda rodando na melhor resolução possível.

O mundo aberto, a trilha sonora e as batalhas emocionantes cativaram os jogadores por muitos anos. Ao que parece o game não vai ganhar novidades como os míticos colossus perdidos, mas ainda assim não podemos deixar de ficar animados com a volta de Wanda e sua aventura para salvar sua amada. Se você nunca jogou este clássico do PS2, esta é a chance, afinal Shadow of the Colossus foi tão importante em sua época que era comparado com a franquia Zelda, da Nintendo, graças a sua grandiosidade.

 

Anthem

A Bioware sabe que pisou na bola com Mass Effect Andromeda e a intenção com Anthem é recuperar a honra do estúdio. Seguindo uma premissa parecida com a de Destiny, Anthem coloca os jogadores em um RPG de ação cooperativo em uma exploração por mundos alienígenas. Você escolhe uma classe e as habilidades de cada uma delas são importantes para vencer os mais estranhos desafios.

Parece que a Bioware está mirando os fãs de sci-fi, além de quem se desapontou com Destiny 2. Cada freelancer possui uma javali (o traje mecânico), que é customizável e pode trazer vantagens importantes. A expectativa é que a EA tenha aprendido a lição com os polêmicos lançamentos de Mass Effect Andromeda eStar Wars Battlefront II e pare de extorquir a comunidade ou entregar produtos pouco otimizados. Se entregar o que foi prometido, Anthem tem um futuro bastante promissor.

 

Metro Exodus

O terceiro game da franquia Metro chega para trazer ares mais sombrios para a obra de Dmitriy Glukhovskiy. O trailer revelado mostra que o jogo deve ser um dos mais apavorantes de 2018, com muitos jump scares e uma ambientação pesada. A ambientação mantém o clima pós-apocalíptico devastado por uma guerra nuclear. Neste mundo desesperançoso surgem criaturas mutantes sedentas por sangue.

Cabe ao jogador encarnar um dos sobreviventes da guerra e atravessar os túneis escuros do que um dia já foi a Rússia. O final de Last Light apenas serviu para deixar a comunidade ansiosa por uma sequência. De acordo com o que foi mostrado, os elementos de furtividade serão ainda mais onipresentes, ou seja, não é nada esperto sair atirando feito louco pelos túneis escuros.

 

Kingdom Hearts 3

Tetsuya Nomura vêm prometendo Kingdom Hearts 3 desde a primeira geração de games do PS4, mas a produção de Final Fantasy XV tomou muito de seu tempo. Agora com o campo livre para se dedicar a KH3 esperasse que o game saia até o final de 2018 (vamos torcer). O título coloca o usuário da Keyblade (Sora) e seus amigos Pato Donald e o Pateta em uma aventura através dos mundos mágicos da Disney.

Este será o primeiro Kingdom Hearts da série principal desde que a Disney comprou os direitos de Star Wars e toda a divisão Pixar. Ainda é cedo para dizer, mas a comunidade espera que a Square-Enix explore elementos destes jogos (Toy Story já está confirmado). Quem sabe, dependendo do andamento da produção, possamos esperar alguns easter eggs sobre possíveis aparições do mundo de super heróis da Marvel? Não custa sonhar, mas pelo que se espera, este será um dos games mais divertidos do gênero RPG dos próximos anos, saindo um pouco do mote obscuro que domina o gênero atualmente.

 

State of Decay 2

Uma das maiores surpresas da última década foi State of Decay, uma espécie de GTA ambientado em um mundo pós-apocalíptico infestado de zumbis. A ideia é colocar os jogadores em um mundo totalmente aberto, mas ao invés de brigar entre si com em PUBG (outro fenômeno a ser estudado), aqui a ideia é cooperativo.

Com o devido apoio da Microsoft e o novo poder de processamento do Xbox One, a expectativa é que State of Decay se torne uma das franquias mais importantes para quem curte multiplayer online. Espera-se um mundo explorável ainda maior que a do primeiro game, então pode esperar por muita ação e diversão. Ah, vale lembrar que o título terá foco na  construção de uma comunidade de players, onde as habilidades únicas de cada personagem são importantes para deter as hordas invasoras de zumbis. 

 

Marvel`s Spider Man

Desde o lançamento de Batman Arkham Asylum nunca houve um jogo de super heróis tão impactante, porém a expectativa é que finalmente a Marvel tenha um game para rivalizar com a qualidade do Cavaleiro das Trevas. A movimentação pela cidade de NY parece impressionante, tal como a escolha de personagens, vilões e mecânica de combate.

Uma das principais críticas que a comunidade tem feito desde os trailers de revelação são sobre a quantidade de QTEs (quick time events), mas a Insomniac Games já garantiu que o jogo não tem tantas QTEs assim. Ah outra boa notícia é que o mapa do jogo promete ser bastante grande, o maior já feito pela Insomniac. Se as promessas forem cumpridas, aqui está um game que todos os fãs do aracnídeo esperavam.

 

Dragon Ball FighterZ

Emu ma época que Street Fighter e Marvel vs Capcom são capazes de desapontar os jogadores, surge Dragon Ball FighterZ, que não apenas traz os lutadores mais poderosos da ficção, como também tem aquele sentimento perdido de jogos de luta árcade. FighterZ traz uma galeria vasta de personagens (espera-se que todo o elenco de DBZ e Dragon Ball Super esteja no game). Os combates lembram o clássico DBZ Budokai do PS2, porém com ação mais fluída.

Os combates são de 3×3 e as animações estão tão bonitas que até parecem episódios do anime. A Bandai Namco irá lançar FighterZ no dia 26 de janeiro e se tudo correr bem, este deve ser um dos queridinhos na temporada de eSports de 2018, afinal vale lembrar que Dragon Ball Super está a todo vapor e os fãs de Dragon Ball já estavam esperando por muitos anos por um game neste nível de qualidade.

 

Far Cry 5

A franquia Far Cry já é uma das melhores dos últimos anos. Após passarmos por ilhas desertas e pela idade da pedra, chegou a hora de uma abordagem mais moderna. Em Far Cry 5 os jogadores vão para a cidade de New Hope, Montana para assumir o papel de xerife. O maior desafio é capturar o líder religioso Joseph Seed, que formou um grupo racista com ideais apocalípticos (bastante inspirado em Charles Manson).

Assim como nos games anteriores, o jogador pode esperar uma inteligência artificial dos inimigos bastante aprimorada, além de uma história bem desenvolvida. A novidade fica por conta da possibilidade de personalizar o personagem, escolhendo gênero, cor de pele entre outras modificações.

 

God of War

O retorno da franquia God of War traz mudanças drásticas: Kratos está mais maduro e é acompanhado por seu filho Atreus. A ação deixa de lado o estilo hack ‘n slash dos títulos anteriores, ficando mais desacelerada e tática, quase como uma inspiração de Dark Souls. Como se não bastasse, a trama parece mais densa e deve explorar o relacionamento entre Kratos e seu filho.

Mas calma: de acordo com os produtores, o jogador não será babá da criança, já que Atreus realizará suas próprias escolhas durante o jogo. Ah, a nova abordagem na mitologia nórdica promete trazer um pouco de brisa fresca para uma franquia tão amada.

 

Red Dead Redemption 2

Um dos jogos mais bem produzidos da Rockstar foi Red Dead Redemption, não por menos a comunidade implorou por muito tempo que a produtora criasse uma sequência. Os pedidos serão atendidos em 2018 com algumas perfumarias bastante esperadas, como o novo modo multiplayer que servirá para complementar a campanha singleplayer. A trama gira em torno de Arthur Morgan, um membro da perigosa gangue Dutch van der , tendo de realizar diferentes missões em uma ambientação de velho oeste.

A expectativa da comunidade é bastante alta, pois nos últimos projetos a Rockstar conseguiu entregar produtos de extrema relevância, além de alcançar vendas impressionantes com GTAV. Muita gente aposta que RDR2 pode se tornar o jogo mais vendido de 2018, ainda que a concorrência seja bastante alta.

Black Andy Label – primeiro jogo brasileiro com status de AAA ganha trailer empolgante

A diferença entre jogos brasileiros e americanos está cada vez menor. Prova disso é o jogo Black Andy Label: Mission Mars, da produtora indie BlackHouse. O título de TPS promete elevar o nível dos jogos nacionais graças aos gráficos foto-realistas e a produção caprichada, que lembra algo de Gears of War. Este é o primeiro título produzido no Brasil a fazer uso de motion capture corporal total. A intenção é entregar um produto de alta qualidade e com uma experiência bem próxima dos games americanos e japoneses. Sim, o jogo se propõe a ser o primeiro título AAA feito no Brasil. 

Black Andy Label é em terceira pessoa e com elementos de lutas marciais e parkour. A trama envolve bastante ação e aventura: A humanidade é devastada após a destruição de seu satélite natural, a Lua. Doze anos depois, um grupo de cientistas se dirige a Marte para encontrar uma nova morada para os sobreviventes, mas descobrem que a desgraça ocorrida na Terra foi um plano de Tirax, uma facção alienígena perigosa.

Nesse ínterim, é criada a Missão Marte, onde 150 combatentes são enviados para impedir que a ameaça alienígena de Tirax faça o expurgo de nossa raça. Após uma emboscada, somente três dos mais renomados combatentes conseguem chegar a Marte e devem lutar antes por suas vidas e pelo que sobrou da humanidade.

Para justificar o uso do mocap (motion capture), a BlackHouse contratou coreógrafos acrobatas e artistas marciais de kung fu. A produção envolve ainda fotogrametria e captura de mais de 2000 expressões faciais. Durante o evento BIG Festival, os visitantes puderam ver uma prévia do game. O feedback foi tão positivo que a Sony se interessou pelo game e acabou fechando contrato com a BlackHouse. A previsão é que Black Andy Label seja lançado no segundo semestre de 2019, para PC e PS4.

Abaixo tem um trailer de Black Andy Label: Mission Mars:

The Rabbit Hole, da VRMonkey, é o primeiro jogo brasileiro a sair no PlayStation VR

A realidade virtual é a grande aposta dos estúdios de games mundo afora. No Brasil não é diferente. Uma das produtoras nacionais a apostar forte neste segmento de jogos é a VRMonkey com o jogo The Rabbit Hole. O título foi lançado no último dia 12 de novembro para o Playstation VR (PSVR), sendo considerado o primeiro game nacional a ser lançado para o aparelho da Sony.

The Rabbit Hole trata-se de um jogo de escape, ou seja, você deve fugir de um determinado ambiente. A aventura se passa em um mundo sombrio inspirado em Alice no País das Maravilhas de maneira sinistra. De acordo com os desenvolvedores da VRMonkey, o título lembra algo dos jogos de horror psicológico. A intenção é levar os jogadores de maneira  gradual para um ambiente de percepções distorcidas sobre si e sobre o mundo.

O jogo começa com o jogador acordando em um quarto estranho sem memórias ou explicação para sua chegada – apenas com um instinto urgente gritando que busquem uma saída o mais rápido possível. A experiência é direcionada para o público já adepto de VR, e para amantes de quebra-cabeça, já que tem desafios que usam o ambiente VR para testar a habilidade de se resolver problemas sob a pressão do medo constante. Tal como em Alice no País das Maravilhas, você deve aumentar ou diminuir seu tamanho para explorar novas áreas.

Vale lembrar que The Rabbit Hole foi um dos indicados para o 13º IMGA, em seu People’s Choice Awards. O jogo também foi nomeado em 3 categorias no Game Connection: Jogo Mais Criativo e Original; Melhor Indie e Melhor Hardcore. O game já está disponível para o Playstation VR.

Abaixo tem o trailer de The Rabbit Hole:

Estúdio brasileiro Mad Mimic estará na Playstation Experience para apresentar o jogo No Heroes Here

Você já ouviu falar do jogo No Heroes Here? Se ainda não conhece, pode ter certeza de que ainda vai ouvir falar muito desse jogo. E não é por menos: o game brasileiro é uma das grandes apostas da Sony para a próxima temporada. Prova disso é que o estúdio desenvolvedor Mad Mimic Interactive é um dos destaques da PlayStation Experience, que ocorre nos dias 9 e 10 de dezembro, no Centro de Convenções de Anaheim, Califórnia. 

Convidados pela Sony, os criadores de No Heroes Here terão um estande exclusivo no evento. O estande tera nada menos que 12 metros quadrados, onde os desenvolvedores apresentarão  o game ao grande público do evento e  responderão as dúvidas da comunidade. É muito raro estúdios brasileiros conseguirem a oportunidade de apresentar seus games em eventos internacionais desse porte.

No Heroes Here é um ‘Castle Defense’ cooperativo e multiplayer para até quatro jogadores. O jogo teve o incentivo da prefeitura de São Paulo e parte do seu desenvolvimento foi financiado pela SPCine. Sua produção durou cerca de um ano e as versões para Windows e Mac OS foram lançados em outubro deste ano, na plataforma digital Steam. Com diversos personagens selecionáveis e fases a serem exploradas, criar estratégias e cooperar com outros jogadores para o desfecho de cada desafio é o ponto alto da diversão em No Heroes Here.

Nos últimos meses, No Heroes Here esteve presente em diversos eventos nacionais e internacionais como a Brasil Game Show, a GamesCom, o DreamHack, a Tóquio Game Show, a Campus Party e a Argentina Game Show, com destaque para a PAX 10, uma seleção oficial de jogos independentes do evento feita por 50 especialistas do mercado de games mundial.

No Heroes Here conquistou alguns prêmios como melhor jogo brasileiro do Brazil Game Awards, melhor jogo social da Game Connection Development Awardse melhor som e melhor jogabilidade, no evento MAX. Além disso, teve outras nomeações importantes em eventos como o SBGames e o Indie Playground.

De acordo com a Mad Mimic, No Heroes Here estará disponível no primeiro semestre de 2018 para consoles e será lançado para Nintendo Switch, PlayStation 4 e Xbox One. Para saber mais e jogar as versões de Windows e Mac OS, acesse o site do game.

Abaixo tem o trailer de No Heroes Here:

Conheça o jogo brasileiro Eternity: The Last Unicorn

Um dos jogos indies brasileiros mais interessantes que já vimos é o destaque de hoje: Eternity The Last Unicorn. Criado pelo estúdio Void, o jogo conta com inspiração na mitologia nórdica e narra as jornadas de uma elfo e um guerreiro viking que partem em jornadas distintas, mas com objetivos similares (o último unicórnio). Além da história repleta de fantasia, Eternity tem forte apelo em mecânicas de jogos clássicos da era 32 bits.

Para os amantes de mitologia nórdica, a história de Eternity será um ponto muito forte dentro do game, apresentando diversos cenários e referencias da mitologia e para quem ainda não conhece, poderá vivenciar uma experiência nova e única. O game é ideal para quem adora aventuras repletas de fantasia e ação e um prato cheio para quem aguarda uma história densa e com muitos detalhes.

“Em um passado distante, quando os primeiros elfos alcançaram o reino de Alfheim, um poder divino e glorioso caiu sobre eles. A deusa Marea entregou-lhes 4 unicórnios, os lendários animais haviam se tornado parte dos elfos e sofriam quando algo de ruim acontecia à eles. Certa noite os unicórnios foram levados pela feitiçaria e pela primeira vez naquela era, os elfos temeram por sua imortalidade. Milagrosamente, um dos unicórnios havia sobrevivido. Ele fora encontrado pelas fadas, com o chifre partido e amaldiçoado. Os elfos, temendo a maldição, o entregaram à uma jovem elfa, que segundo os pergaminhos mais antigos, seria a única capaz de livrar o unicórnio e os elfos da maldição. E então foi assim, onde começou a busca pela eternidade”.

O jogo em si é de ação, porém conta com certos elementos de RPG. Cada um dos personagens tem suas características únicas, a elfo, por exemplo, é melhor em esquivas e uso de poderes mágicos, enquanto que o guerreiro está mais para um “tanker”. Há uma árvore de habilidades que são utilizadas ao decorrer do jogo, como abrir certas portas ou passar determinado obstáculo, tal como acontece em jogos da geração 32 bits.

A missão dos dois personagens é bem distinta: enquanto a elfo precisa salvar o último dos unicórnios, o guerreiro viking está numa missão de exploração de terras novas. Em algum momento os dois personagens se encontram e tornam-se aliados neste mundo de fantasia. A inspiração é a franquia Resident Evil, tanto na interação e troca de personagens, quanto no sistema de câmera fixa.

Eternity já esteve presente na edição 2016 da BGS e voltou neste ano para mostrar a evolução que teve desde então. O game é visualmente incrível e o sistema de câmera fixa é uma das coisas que mais chama as atenções em primeiro momento. Nem dá para dizer que o game foi produzido inicialmente por apenas sete pessoas. Os planos são de lançar Eternity para Xbox One, Playstation 4 e PC via Steam.

Abaixo tem um trailer de Eternity: The Last Unicorn:

https://www.youtube.com/watch?v=3z-eeJmER2A

The Crown Stones: Mirrah – jogo indie coloca o jogador para explorar o mundo espiritual

Hoje nosso destaque é todo especial para quem curte jogos old school, mas não deixa de apreciar novidades. A Frater Studios está com um projeto bem interessante no Catarse chamado “The Crown Stones : Mirrah“, um game com cara de 16 bits que mistura os gêneros aventura, RPG e Horror e que tem como característica mais marcante a dificuldade e a atmosfera densa.

Aqui temos um metroidvania bem ambicioso que não esconde suas influências de Castlevania, Demon’s Crest e Blackthorne, mas que não tem medo de usar mecânicas mais atuais, lembrando a franquia Dark Souls por sua dificuldade absurda e o ambiente de total escuridão. Espere bastante dificuldade e momentos em que o raciocínio é mais importante que a ação.

O ambiente denso é desesperador e é com um encontrar seres de uma realidade deturpada. De acordo com os desenvolvedores, uma das maiores inspirações foi o livro de RPG brasileiro “Spiritum: O Reino dos Mortos“. Pessoas que já possuem conhecimentos de espiritismo notarão facilmente as referências, enquanto que quem não conhece nada da crença irão descobrir um mundo totalmente novo.

A trama de The Crown Stones : Mirrah conta a aventura de Rivail Kuth, um membro da Ordem Nephalin (filhos de anjos), que deve adentrar as profundezas do Reino espiritual a fim de resgatar um dos membros da Ordem que fora aprisionado temos atrás. O problema é que o resgate não deve ser nenhum pouco fácil, pois o Umbral é permeado pelos piores espíritos que já passaram pela Terra. Para completar, assim que Rivail entra no mundo espiritual ele perde suas memórias.

Para auxiliar a missão de Rivail, há várias habilidades especiais e um sistema de esquiva bastante útil durante os combates. É possível também passar muitas áreas evitando o confronto graças a mecânica aprimorada de stealth. Já para quem quer bancar o bruto, os desenvolvedores bolaram uma mecânica chamada Rage que nada mais é que uma Barra que sobe pontos à medida que os inimigos são derrotados. Quando a barra está cheia você pode liberar uma habilidade especial através do chakra. São vários ataques especiais que tornam o game mais divertido.

The Crown Stones : Mirrah está com sinal Verde do Greenlight na Steam e versões para as plataformas Xbox One e PS4 estão nos planos do estúdio. A intenção atual é aumentar a popularidade e conquistar mais fãs. A campanha de financiamento, aliás, está aberta no Catarse e pelo entusiasmo da equipe da Frater têm tudo para ser bem sucedida.

Abaixo você confere o trailer de The Crown Stones : Mirrah: