Arquivo da categoria: PC

Hora do Duelo! Yu-Gi-Oh! Duel Links já está disponível para a Steam

Há mais de uma década a franquia Yu-Gi-Oh tem feito absurdo sucesso no Brasil. Apesar de não se fazer onipresente na mídia nacional como na época em que estourou, o jogo ainda conta com uma base sólida e bastante dedicada no país. Não por acaso, a Konami acaba de lançar a versão para PCs de Duel Links. O jogo já conquistou milhares de jogadores nos celulares e desta vez está disponível na Steam com algumas melhorias muito esperadas.

Duel Links permite que os duelistas revivam as aventuras de Yami Yugi, Seto Kaiba e outros personagens adorados da franquia Yu-Gi-Oh! em uma competitiva batalha de cartas. Ah, vale lembrar que os personagens da saga GX também fazem parte do pacote de jogo. Na versão para PC de Yu-Gi-Oh! Duel Links, jogadores poderão recuperar suas pontuações da versão móvel do jogo e duelar uns contra os outros jogadores das plataformas móvel e PC.

Além de permitir o crossplay entre PCs e mobile, a Konami ainda fez um belo trabalho para os fãs do card game: em Duel Links os monstros estão com animações 3D incríveis e até as vozes dos dubladores japoneses estão inclusas. Infelizmente ainda existe a limitação de apenas três zonas de monstros.

Desde seu lançamento internacional em janeiro deste ano, o Yu-Gi-Oh! Duel Links já alcançou mais de 55 milhões de downloads, chegando ao topo do ranking de aplicativos gratuitos na App Store e na Google Play. O título é totalmente grátis. Por enquanto não há planos de lançar versão para consoles. Mais informações no site da Konami.

Abaixo tem o trailer de Duel Links para Steam:

Campeonato universitário de Heavy Metal Machines acontece na próxima terça-feira (21) na URI

O jogo Heavy Metal Machines está fazendo história! Desta vez o jogo da Hoplon terá um torneio amistoso entre alunos da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI), no Rio Grande do Sul. A competição inédita acontece na próxima terça-feira, 21 de novembro. O mais interessante é que o torneio é organizado pelos próprios alunos.

A competição é exclusiva para alunos e será sediada no campus de Frederico Westphalen/RS. Ao todo serão oito times na disputa, que terá o formato de eliminação simples, ou seja, uma única derrota é o bastante para que a equipe seja eliminada. De acordo com os organizadores, será utilizada a plataforma Battlefy para sortear os confrontos. Como premiação, todos os jogadores do time campeão ganharão um mouse Razer Krait, itens do jogo e camisetas.

“O Brasil é um grande mercado consumidor de games e sempre notamos nos nossos alunos um enorme interesse pelos jogos eletrônicos. A Hoplon participou de uma aula inaugural na URI e o feedback dos alunos foi excelente. Alguns, inclusive, formaram uma equipe e participaram do campeonato sul-americano de Heavy Metal Machines, ficando em quarto lugar”, disse Rosângela Faschel, coordenadora do mestrado em Letras da URI. “Diante do interesse dos estudantes e a fim de fomentar o game nacional, decidimos ampliar essa parceria entre URI e Hoplon com um campeonato de Heavy Metal Machines. Temos certeza que será um sucesso e esperamos um dia participar de torneios interuniversidades”, completou.

Esta não e a primeira vez que universitários organizam um torneio de Heavy Metal Machines: no ultimo dia 11 de novembro a Universidade do Vale do Itajai (Univali) recebeu o primeiro torneio do jogo e contou com partidas frenéticas. A expectativa da Hoplon e que esses torneios se tornem mais frequentes e mobilizem diversas universidades pelo Brasil e no exterior. Interessados em realizar torneios oficiais de Heavy Metal Machines em suas universidades podem entrar em contato com a Hoplon pelo e-mail marketing@hoplon.com.

Para quem não conhece, Heavy Metal Machines (HMM) é um jogo multiplayer online de batalha de carros free-to-play da desenvolvedora catarinense Hoplon. Ele coloca carros armados até os dentes em combates nas arenas mais surreais imaginadas. Lembra algo de Rock n Roll Racing e Twisted Metal. Heavy Metal Machines está disponível em beta aberto no Steam e pode ser baixado gratuitamente.

Abaixo tem um trailer de Heavy Metal Machines:

Claudio Prandoni lança guia completo dos pro players de League of Legends no Brasil

Para quem ama o eSport, uma grata novidade? O jornalista Claudio Prandoni destrinchou a modalidade esportiva que mais cresce no mundo. Basicamente é um mega guia de League of Legends, o jogo de MOBA mais famoso de todos os tempos, contando sobre o jogo e sobre as maiores lendas entre os cyberatletas mundiais. O lançamento é uma cortesia da editora Panda Books e é uma ode para quem acompanha os pro players brasileiros desde que LoL se popularizou no Brasil.

Aqui você encontra tudo sobre os maiores pro players brasileiros, além de dicas preciosas para quem quer se tornar um jogador profissional. Seja você apenas um fã curioso ou um Invocador já experiente, a obra é uma referência para todos que curtem o jogo da Riot Games. O leitor encontrará tudo sobre os maiores jogadores profissionais de games (os pro players) brasileiros da atualidade, desde o início de suas carreiras até atingirem o status de estrelas do eSport.

São capítulos dedicados a nomes nacionais como brTT, Kami, Leko, Lep, Minerva, Mylon, Revolta, Takeshi, Tockers e YoDa, além de um perfil do fascinante coreano Faker, o melhor jogador de League of Legends de todos os tempos. O autor também explica como funciona uma Gaming House – ambiente que serve como uma espécie de casa, lugar de concentração e centro de treinamento para a equipe –  e ensina as siglas malucas utilizadas pela galera da comunidade, como GG WP (“good game well played”, ou “bom jogo bem jogado”) e AFK (“away from keyboard” ou “longe do teclado”).

O ponto alto está no capítulo que revela 10 dicas preciosas para quem quer se tornar um jogador profissional. Uma delas é não ser “tóxico”, palavra que, no ambiente dos games, se refere àqueles jogadores com comportamento negativo. Por sinal, para aqueles que querem entender melhor a linguagem do mundo do LoL, o autor preparou um dicionário com dezenas de verbetes para falar fluentemente o idioma. Seja você apenas um fã curioso ou um Invocador já experiente, esta obra é uma referência para todos que curtem esse jogo épico.

Para quem não conhece, League of Legends conta com um elenco cheio de criaturas fantásticas, e combina reflexos rápidos com táticas complexas. Cada jogador escolhe um personagem com habilidades únicas para enfrentar o combate na arena. O que se vê ao longo da partida é um embate eletrizante, marcado por olhares atentos nos monitores e dedos com reflexos rápidos nos mouses e teclados. Apelidado de LoL, o jogo tem milhões de fãs e campeonatos oficiais por todo o globo. A final do Mundial de 2016 teve uma audiência global de 43 milhões de espectadores, ultrapassando de longe as 30 milhões de pessoas que assistiram às finais da NBA no mesmo ano.

O Autor

Claudio Prandoni nasceu em Santos e é formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo. Já escreveu sobre games para o jornal Folha de S.Paulo, para a revista Rolling Stone Brasil e para publicações especializadas. Atualmente é editor-assistente do UOL Jogos, área de games do portal UOL.

 

Guia League of Legends

Claudio Prandoni | 80 pp. | 17 X 24 cm | R$ 28,90

Editora: Panda Books | ISBN: 978-85-7888-683-7 | CB: 9788578886837

Peso: 0,180 kg | Capa: Cartão C1S 250g | Acabamento: Laminação fosca | Miolo: Offset 90g

Solte sua voz para vencer os obstáculos em Ressonance – The Lost Score

Para fazer sucesso, um jogo indie deve inovar em algum sentido, certo? Se você pensa assim, te apresento Ressonance – The Lost Score, um jogo de plataforma musical em que a principal arma do jogador é a voz. Sim, aqui você utiliza um microfone para interagir com o cenário. O game esteve presente na BGS 2017 e foi uma das gratas surpresas do evento neste ano.

A trama é simples, porém divertida: você deve ajudar o jovem Wez a encontrar a Partitura Perdida. A partir daí o jogador deve passar pelos mais diferentes obstáculos para chegar até a misteriosa partitura. Para tanto, use sua voz para passar por obstáculos diversos, utilizando-se da frequência correta para ter sucesso. Ele lembra algo do quase desconhecido In Verbis Virtus.

A mecânica gira em torno da frequência da voz. Não adianta se esgoelar, a ideia aqui é usar o tom de voz adequado para interagir com o cenário. Existem algumas plataformas que só se movem com o som certo, ou seja, para fazê-la avançar você deve utilizar sua voz na frequência correta e mantê-la até o final. Se você fraquejar a voz, a plataforma retorna para o local de origem.

A princípio parece um jogo de plataforma comum, ou seja, você vai pular plataformas e diversos obstáculos seguindo a premissa de ir da esquerda para a direita. A diferença é que o controle principal é um microfone. Os principais obstáculos são cúpulas de vidro que são destruídos de acordo com a vibração que o jogador emite. Mas não basta apenas ficar gritando: cada obstáculo necessita de uma entonação específica. As frequências são simbolizadas por círculos de diferentes cores para ilustrar a entonação necessária.

Resonance – The Lost Score esteve presente na BGS 2017 no estande da PONG (Potiguar Indie Games), onde os jogadores podiam testar o game com um microfone profissional, mas os desenvolvedores já adiantaram que qualquer microfone pode ser ajustado para o jogo. O game está atualmente disponível na plataforma itch.io por U$ 1,99. Recentemente o jogo conseguiu sinal verde na Steam com previsão de lançamento na plataforma em algum momento do primeiro semestre de 2018.

Abaixo tem o trailer de Ressonance – The Lost Score:

Conheça o indie brasileiro Memories of Kami, o primeiro game da Yokai Collective Studio

Hoje vamos falar de um game indie brasileiro bastante promissor: Memories of Kami. Desenvolvido pela Yokai Collective Studio, o jogo é uma aventura de plataforma 2D com elementos de RPG. Aqui os jogadores embarcam no mundo mágico de Kami, habitado por Origamis, onde deve assumir o papel de nove guardiões que devem impedir as forças malignas de uma terrível contaminação que pretende devastar e destruir os seres vivos.

A grande sacada do jogo é sua mecânica baseada na troca de personagens a fim de tomar proveito de suas respectivas habilidades únicas. Estes personagens são caracterizados por nove animais sagrados – os guardiões da glória. Um dos aspectos que mais chamaram as atenções de quem conheceu Memories of Kami durante seu début na BGS 2017 foi o estilo visual, que lembra o consagrado Ori and the Blind Forest, mas a verdade é que o título tem inspirações mais antigas como Donkey Kong Country do Snes.

A trama: Kami é um mundo mágico habitado por criaturinhas de papel chamadas Origami. Esse mundo de luz e bençãos, onde todas as coisas boas do universo fluem abundantemente é, de tempos em tempos, atacado pela energia negativa de outros mundos. Os ataques de energia escura são chamados pelos habitantes de Kami de Incidentes. Quando a magia negra adentra Kami, ocorrem várias manifestações como doenças, acidentes, e qualquer tipo de desordem ou desgraça. Mas os Incidentes, geralmente não são nada demais, pois logo que surgem são combatidos e derrotados pelos nove famosos Sagrados Guardiões da Glória de Kami.

Os Guardiões da Glória são poderosos animais escolhidos pelo Destino e têm como dever eliminar toda e qualquer energia ruim que surge no belo paraíso de Kami. Não é preciso de todos os noves Guardiões para acabar com os Incidentes comuns. Mas a cada mil anos, um Incidente poderoso invade Kami, e esse sim, representa uma ameaça que necessita do poder de todos os Guardiões, juntos, para ser eliminado. Este Incidente grave é chamado de A Contaminação dos Mil Anos. E dessa vez, a Vigésima Sétima Contaminação dos Mil Anos veio muito mais feroz e irresistível, determinada a destruir de uma vez por todas o fantástico mundo dos nossos Guardiões.

Sua missão é guiar estes guardiões em uma busca pelos resquícios de energia que podem restabelecer Kami. Para tanto você adquire habilidades e poderes que lhe conferem novas transformações. Tal como num jogo de RPG, o jogo gratifica o jogador de acordo com seu estilo de jogo, graças a árvore de habilidades, ou seja, se você for do tipo defensivo, vai se tornar um grande defensor ao final da jornada.

Memories of Kami tem previsão de lançamento para 2018, sendo que uma demo deve ser lançada oficialmente em algum momento de maio do mesmo ano. Por enquanto o jogo é apenas para PC, mas os desenvolvedores esperam conseguir portar o título para Xbox One e Playstation 4. Mais informações no site oficial.

Abaixo você confere o trailer de Memories of Kami:

Conheça o jogo brasileiro Eternity: The Last Unicorn

Um dos jogos indies brasileiros mais interessantes que já vimos é o destaque de hoje: Eternity The Last Unicorn. Criado pelo estúdio Void, o jogo conta com inspiração na mitologia nórdica e narra as jornadas de uma elfo e um guerreiro viking que partem em jornadas distintas, mas com objetivos similares (o último unicórnio). Além da história repleta de fantasia, Eternity tem forte apelo em mecânicas de jogos clássicos da era 32 bits.

Para os amantes de mitologia nórdica, a história de Eternity será um ponto muito forte dentro do game, apresentando diversos cenários e referencias da mitologia e para quem ainda não conhece, poderá vivenciar uma experiência nova e única. O game é ideal para quem adora aventuras repletas de fantasia e ação e um prato cheio para quem aguarda uma história densa e com muitos detalhes.

“Em um passado distante, quando os primeiros elfos alcançaram o reino de Alfheim, um poder divino e glorioso caiu sobre eles. A deusa Marea entregou-lhes 4 unicórnios, os lendários animais haviam se tornado parte dos elfos e sofriam quando algo de ruim acontecia à eles. Certa noite os unicórnios foram levados pela feitiçaria e pela primeira vez naquela era, os elfos temeram por sua imortalidade. Milagrosamente, um dos unicórnios havia sobrevivido. Ele fora encontrado pelas fadas, com o chifre partido e amaldiçoado. Os elfos, temendo a maldição, o entregaram à uma jovem elfa, que segundo os pergaminhos mais antigos, seria a única capaz de livrar o unicórnio e os elfos da maldição. E então foi assim, onde começou a busca pela eternidade”.

O jogo em si é de ação, porém conta com certos elementos de RPG. Cada um dos personagens tem suas características únicas, a elfo, por exemplo, é melhor em esquivas e uso de poderes mágicos, enquanto que o guerreiro está mais para um “tanker”. Há uma árvore de habilidades que são utilizadas ao decorrer do jogo, como abrir certas portas ou passar determinado obstáculo, tal como acontece em jogos da geração 32 bits.

A missão dos dois personagens é bem distinta: enquanto a elfo precisa salvar o último dos unicórnios, o guerreiro viking está numa missão de exploração de terras novas. Em algum momento os dois personagens se encontram e tornam-se aliados neste mundo de fantasia. A inspiração é a franquia Resident Evil, tanto na interação e troca de personagens, quanto no sistema de câmera fixa.

Eternity já esteve presente na edição 2016 da BGS e voltou neste ano para mostrar a evolução que teve desde então. O game é visualmente incrível e o sistema de câmera fixa é uma das coisas que mais chama as atenções em primeiro momento. Nem dá para dizer que o game foi produzido inicialmente por apenas sete pessoas. Os planos são de lançar Eternity para Xbox One, Playstation 4 e PC via Steam.

Abaixo tem um trailer de Eternity: The Last Unicorn:

https://www.youtube.com/watch?v=3z-eeJmER2A

Red Bull Station recebe galeria de realidade virtual inédita no Brasil

A realidade virtual é a grande aposta do mercado de jogos eletrônicos e do marketing mundial. Quem quer conhecer essa tecnologia e suas variadas aplicações, basta ir no espaço Red Bull Syayion nos dias 27 e 28 de outubro, onde haverá diversas sessões interativas e gratuitas. A Galeria de Realidade Virtual Red Bull Doodle Art é inédita no Brasil e ficará instalada entre 11h às 20h, na Praça da Bandeira, em São Paulo.

Os visitantes da galeria poderão, por meio de óculos HTC Vive, entrar numa cidade virtual e mergulhar em cadernos tridimensionais com as obras dos vencedores do Red Bull Doodle Art, uma competição universitária global de desenhos e rabiscos cuja final deste ano ocorreu na cidade de São Francisco, nos Estados Unidos. Dentro dessa cidade, o visitante será levado a interagir com um mundo totalmente virtual e a entrar nas galerias onde estão exibidos os trabalhos de artistas de 37 países diferentes. As obras poderão ser vistas de todos os ângulos, como numa experiência em 3D completa.

O Red Bull Doodle Art é uma competição de arte mundial em que estudantes universitários de todo o mundo apresentam seus doodles para serem julgados por seu estilo e criatividade. Um competidor, oudoodler, de cada país participante é convidado para a final mundial, que este ano aconteceu em São Francisco. Os rabiscos vencedores de cada país são os exibidos nesta galeria virtual global.

Essa galeria virtual chega por aqui como pioneira: o Brasil foi o primeiro país escolhido a recebê-la depois de estrear nos Estados Unidos. Vale destacar que a grande aposta da comunidade gamer, conforme vimos na BGS, é a realidade virtual. Então a galeria da Red Bull deve ser uma das muitas ações que as empresas devem fazer utilizando essa tecnologia.

Serviço: Galeria de Realidade Virtual Red Bull Doodle Art

Data: 27 e 28/10/2017
Horários: 11h às 20h
Local: Red Bull Station (

Pça. da Bandeira, 137 – Centro); galeria principal
Entrada gratuita
Evento: 
https://www.facebook.com/events/123116971723034/

The Crown Stones: Mirrah – jogo indie coloca o jogador para explorar o mundo espiritual

Hoje nosso destaque é todo especial para quem curte jogos old school, mas não deixa de apreciar novidades. A Frater Studios está com um projeto bem interessante no Catarse chamado “The Crown Stones : Mirrah“, um game com cara de 16 bits que mistura os gêneros aventura, RPG e Horror e que tem como característica mais marcante a dificuldade e a atmosfera densa.

Aqui temos um metroidvania bem ambicioso que não esconde suas influências de Castlevania, Demon’s Crest e Blackthorne, mas que não tem medo de usar mecânicas mais atuais, lembrando a franquia Dark Souls por sua dificuldade absurda e o ambiente de total escuridão. Espere bastante dificuldade e momentos em que o raciocínio é mais importante que a ação.

O ambiente denso é desesperador e é com um encontrar seres de uma realidade deturpada. De acordo com os desenvolvedores, uma das maiores inspirações foi o livro de RPG brasileiro “Spiritum: O Reino dos Mortos“. Pessoas que já possuem conhecimentos de espiritismo notarão facilmente as referências, enquanto que quem não conhece nada da crença irão descobrir um mundo totalmente novo.

A trama de The Crown Stones : Mirrah conta a aventura de Rivail Kuth, um membro da Ordem Nephalin (filhos de anjos), que deve adentrar as profundezas do Reino espiritual a fim de resgatar um dos membros da Ordem que fora aprisionado temos atrás. O problema é que o resgate não deve ser nenhum pouco fácil, pois o Umbral é permeado pelos piores espíritos que já passaram pela Terra. Para completar, assim que Rivail entra no mundo espiritual ele perde suas memórias.

Para auxiliar a missão de Rivail, há várias habilidades especiais e um sistema de esquiva bastante útil durante os combates. É possível também passar muitas áreas evitando o confronto graças a mecânica aprimorada de stealth. Já para quem quer bancar o bruto, os desenvolvedores bolaram uma mecânica chamada Rage que nada mais é que uma Barra que sobe pontos à medida que os inimigos são derrotados. Quando a barra está cheia você pode liberar uma habilidade especial através do chakra. São vários ataques especiais que tornam o game mais divertido.

The Crown Stones : Mirrah está com sinal Verde do Greenlight na Steam e versões para as plataformas Xbox One e PS4 estão nos planos do estúdio. A intenção atual é aumentar a popularidade e conquistar mais fãs. A campanha de financiamento, aliás, está aberta no Catarse e pelo entusiasmo da equipe da Frater têm tudo para ser bem sucedida.

Abaixo você confere o trailer de The Crown Stones : Mirrah:

Jogos em realidade virtual são atração da Rixty na Brasil Game Show 2017

A Rixty é uma das empresas que voltam para a 10ª edição da Brasil Game Show (BGS), a maior feira de games da América Latina. A Rixty irá apresentar em seu estande o HTC Vive VR, que possibilitará aos visitantes se divertirem com diferentes jogos por meio da tecnologia de realidade virtual disponíveis na plataforma Steam. A ideia é que os visitantes do estande possam conhecer a imersão dos óculos de realidade virtual em sua plenitude.

“Os jogos em realidade virtual são uma mania global da atualidade, mas pouco acessível à maioria dos brasileiros. Esperamos atrair milhares de jogadores para o nosso estande e deixar os visitantes entusiasmados com a experiência”, afirma Dennis Ferreira, gerente-geral da Rixty no Brasil. A atração foi desenvolvida em parceria com a Valve especialmente para o evento, e cada um dos gamers terá à disposição um espaço de 4m2 para vivenciar todos os detalhes do jogo em VR (sigla de virtual reality).

Para deixar a experiência ainda mais incrível, um telão de 75 polegadas chamará a atenção de todos que passarem pelos corredores da BGS, com imagens em tempo real dos jogos que estarão sendo executados. Todos os visitantes do evento poderão passar pela experiência em VR de forma gratuita, assim como jogar nos computadores e consoles disponíveis no estande da Rixty.

Os jogadores que comprarem créditos Steam no estande Rixty receberão uma camiseta Steam gratuita enquanto durarem os estoques, e quem quiser colocar créditos no cartão, a empresa disponibilizará uma máquina de autoatendimento e também um vendedor com equipamento de POS (cartão) Detalhe: quem possuir o cartão Rixty poderá evitar filas e jogar de forma mais rápida. Além de disponibilizar a experiência em VR, o estande da Rixty terá uma área espaço Free-to-play, incluindo jogos populares como CrossFire, Naruto Online e Dragon Awaken. Haverá também torneios casuais e distribuição de brindes.

Conheça Hob, o novo game dos criadores de Torchlight

Para quem curte clima de mistério e tensão a dica é o jogo Hob, lançamento do estúdio indie Runic Games (os mesmos criadores de Torchlight I e II). O game, que ja esta disponível no Gog, coloca os jogadores em uma aventura bem desafiante e um planeta caótico e repleto de criaturas perigosas. O objetivo é resolver os mistérios que cercam esse ambiente hostil e sobreviver.

O jogo te coloca no papel de um robô (presumivelmente o Hob) que aos poucos vais descobrindo seu papel de salvador da vida selvagem ao redor enquanto explora paisagens desoladas, resolve puzzles e transforma o planeta. As pistas do roteiro são escassas e os diálogos são inexistentes, cabe ao jogador interpretar muito do que acontece.  Deste modo, a arte do game ganha em importância e o jogador acaba entrando de cabeça no mundo do jogo.

Hob busca inspiração em clássicos de adventure, como Castlevania e Metroid, pois ao progredir no game você destrava uma série de novas habilidades e conhece novos personagens que ajudam na aventura. A exploração, aliás, é o ponto alto do game graças aos ambientes cheios de estilo.

Para os fãs da Runic Games uma grata surpresa: quem adquirir o titulo até o dia 10 de outubro recebe gratuitamente uma cópia de Stories: The Path of Destinies, RPG de ação no estilo Hack and Slash. Além disso, quem realizou anteriormente a aquisição de Torchlight l e ll pela Loja Digital da Runic Games, pode resgatar gratuitamente uma cópia de seus jogos na GOG.com. Basta visitar o site GOG.com/reclaim a partir do dia 10 de outubro, inserir a chave do seu jogo adquirido pela loja da desenvolvedora e resgatar sua cópia na GOG.com.

Abaixo tem um trailer de Hob: