Arquivo da categoria: Mobile

Conheça o jogo “O Celular do Surto” que orienta as crianças sobre os perigos das fake news

Nesses tempos obscuros as Fake News se proliferam como água. Uma das responsabilidades de todos é combater a onda de notícias falsas. Foi pensando nisso que a equipe do filme Tito e os Pássaros criou o jogo O Celular do Surto, inspirado no filme de animação. Basicamente o jogo utiliza interfaces inspiradas nas redes sociais mais famosas como Facebook, Twitter e Instagram e tenta assustar os jogadores com notícias alarmantes. A expectativa é que pais, professores e educadores podem baixar conteúdo explicativo para auxiliar no ensino. A equipe do longa-metragem brasileiro de animação.

O Celular do Surto funciona em celular e desktop e disponibiliza um arquivo com conteúdo explicativo para auxiliar pais, professores e educadores no ensino das crianças. O objetivo é familiarizar as crianças com as fake news e mostrar os pequenos como distingui-las. A tarefa pode parecer simples, porém muitos adultos acabam caindo também no fenômenos das notícias inverídicas.

O filme Tito e Pássaros só vai estrear em circuito comercial no ano que vem, mas os desenvolvedores acreditam que lançar o produto antes da decisão final eleitoral é uma boa forma de ensinar as crianças de forma lúdica o que são fake news e outros problemas das redes sociais. Outro destaque é que o jogo traz temas diferentes e complementares ao filme e também de começar a conhecer Tito e seus amigos antes de vê-los no cinema.

O Celular do Surto é composto por seis versões de aplicativos com os quais o jogador deve interagir para identificar mentiras, boatos, exibicionismos, discursos preconceituosos e violentos. O objetivo é não se deixar enganar e manter a sanidade. A cada engano, o jogador diminui seu nível de coragem até chegar ao nível de contágio (a doença do medo mostrada no filme “Tito e os Pássaros”) em que ele se transforma em pedra e perde o jogo.

Se o jogador consegue sobreviver, acertando as interações dentro de cada app, finaliza o game e recebe uma devolutiva sobre seu desempenho. Para jogar, basta acessar a página oficial, onde o jogador vai encontrar quatro simulações de apps disponíveis, cada um com sua própria mecânica:

  • Fakebook: Postagens verdadeiras e falsas desafiam o jogador a curtir o que é real e a identificar as mentiras. Os jogadores podem confirmar as fontes no motor de procura do jogo (o Bubble) para verificar se as postagens são verdadeiras.
  • Instapanic: O jogador deve identificar quais imagens são montadas e quais são verdadeiras.
  • Twistter: O jogador deve identificar quais assuntos devem ser replicados e quais não.
  • Candy Crash: Coloca ao jogador a pergunta sobre quanto vale a pena jogar um jogo viciante quando há coisas mais importantes a fazer.
  • Zap Messenger: No grupo dos amigos do Tito, o jogador recebe instruções sobre o jogo e sobre o que fazer nos outros aplicativos.
  • Spotifear: O controle das configurações de áudio (volume da trilha e efeitos sonoros, com trilha do filme “Tito e os Pássaros”).

 

Sobre o filme

Tito e os Pássaros trata da história de um menino, Tito, que se lança na missão de salvar o mundo de uma epidemia incomum: as pessoas ficam doentes ao sentirem medo. A direção é de Gustavo Steinberg, André Catoto e Gabriel Bitar. No Brasil, o longa teve sua primeira exibição no último Anima Mundi, em julho, que inclusive lhe rendeu o prêmio de melhor longa infantil. O lançamento de “Tito e os Pássaros” está previsto para o primeiro semestre de 2019; a distribuição será feita pela ELO Company. Mais informações aqui.

Top 13 – Guia de melhores presentes para o mês das Crianças

O mês das crianças chegou, hora de pensar quais os presente mais legais para agradar a criançada (ou se auto-agradar), certo? Já que os jogos eletrônicos são a bola da vez, pensamos em uma pequena lista de presentes para o público gamer que é à prova de erros. Se você ainda cultiva a sua criança interior, não tem por que não se se presentear também.

Selecionamos nada menos que 13 presentes ideais para agradar os fãs de jogos eletrônicos neste mês. Tem opções para todos os bolsos e para gostos diversos, incluindo mouses, teclados e até camisetas.

Confira abaixo 13 melhores sugestões de presentes para o mês das crianças:

 

Console Snes mini

 

Então você é o tipo de pai gamer que quer mostrar ao seu garoto como eram os jogos eletrônicos na sua época e como eles podiam ser divertidos? Um emulador pode até atender esse desejo, mas cá entre nós: sabemos que não há nada melhor que um hardware construído essencialmente para jogar, sem dores de cabeça com queda de frames, incompatibilidade sonora etc.

Pensando nisso, as grandes produtoras de jogos embarcaram na onda de “remasterizar videogames”. A ideia básica é lançar um item de colecionador, que respeite o legado da plataforma antiga, mantendo o mesmo design do original e rodando os jogos de maneira apropriada.

Apesar de a própria Nintendo ter lançado o NES mini e a SEGA e Sony aproveitarem a ideia para criar o Genesis Mini e o Playstation Mini respectivamente, o melhor parece ser o SNES mesmo. O aparelho vêm pronto para rodar facilmente em TVs com entrada HDMI. Ao todo são 21 jogos, incluindo clássicos como Donkey Kong Country, Super Mario RPG, F-Zero e The Legend of Zelda: A Link to the Past. O sentimento de nostalgia não vai te abandonar.

Quanto: R$ 688,00

Onde: Americanas

 

Óculos Playstation VR

 

Pulando do passado para o futuro, temos o Playstation VR. Este aqui é indicado para quem está antenado no melhor da tecnologia e quer vivenciar o máximo que a realidade virtual tem a oferecer. O acessório do PS4 é o preferido dos desenvolvedores, então os usuários podem esperar bastante suporte e uma variedade de jogos invejável, tais como Skyrim, Doom VR e Resident Evil 7.

Outra vantagem é que ao contrário de seus principais concorrentes como HTC Vive e Oculus Rift, o PlayStation VR não demanda um PC top de linha para funcionar bem. Basta ter um PS4, plugar e jogar. A tecnologia promete ser o futuro dos jogos eletrônicos e os estúdios estão investindo cada vez mais no brinquedinho. Por enquanto os preços são proibitivos, mas quem jogou sabe que a experiência é inigualável.

Quanto: R$ 1288,00

Onde: Americanas

 

Cadeiras Gamer DXRacer Wide

 

Não existe sensação melhor do que jogar em um ambiente confortável sem ser incomodado. Pensando no conforto e na durabilidade, a DXRacer criou a linha de cadeiras gamer que são o sonho de consumo de todo pretenso cyberatleta. Essas cadeiras são para àqueles que prezam acima de tudo pelo bem estar, graças ao formato ergonômico. Não por acaso os principais clubes de pró-players utilizam essas belezinhas. Tem de várias cores, tamanhos e modelos. Mas fica o alerta: elas não são baratas.

Quanto: 1673,07.

Onde: DXRacer Brasil

 

Mouse Dazz Thundertank

 

Este mouse da Dazz é um dos mais confortáveis e ergonômicos que você pode encontrar. Além do design bastante agressivo, o Thundertank conta com 6200dpi, o que garante um nível altíssimo de precisão nos jogos competitivos como League of Legends e CS: GO. As configurações são de cair o queixo: conexão USB 2.0; leitor ótico infravermelho 3.5G, aceleração 8G; tempo de resposta de 2ms; e velocidade de resposta de 1000HZ/s.

O melhor mesmo é o design do mouse, que se assemelha mesmo a um tanque de guerra. A cor laranja também é um diferencial a chama atenção onde quer que o pró-player esteja. Por fim, o Thundertank tem botões programáveis e botões laterais para facilitar nos momentos mais críticos das partidas.

Quanto: R$: 83,52

Onde: Pichau

 

Teclado logitech Multi-Device Keyboard K480

 

Saindo um pouco do negócio gamer, temos uma sugestão ligado à informática bem interessante. Trata-se do teclado multi-device da Logitech. Basicamente ele serve como teclado do seu tablet ou celular de maneira simultânea. O macete é que ele dispensa o uso de fios e pode conectar vários gadgets, assim você pode dar atenção para seus amigos no whatsapp de maneira rápida e fácil enquanto termina aquele texto da faculdade, por exemplo.

A conexão é via bluetooth e você pode conectar até 3 dispositivos com alcance de 10 metros (não que você precise se distanciar tanto assim). O acabamento é bastante bonito e preza pelo conforto na hora de digitar. É uma boa alternativa para quem não quer carregar o notebook para todo canto, mas não pode deixar de lado a praticidade de digitar rapidamente.

Quanto: R$ 249,90

Onde: Logitech

 

Headset Gamer Ballistic Dual Core 7.1 USB

 

Outra novidade da Dazz para o público gamer nesta temporada é o headset Ballistic 7.1, que estará na Brasil Game Show 2018. Além do design matador, o Ballistic destaca-se pelo conforto, alta qualidade sonora e preço competitivo. O objetivo da Dazzfoi proporcionar uma qualidade sonora de ponto. Para isso, ele conta com home theater 7.1 surround, com grave otimizado, experiência de altos e baixos mais profunda e completa, e níveis de ajustes separados com câmara dupla.

Ele ainda conta com fone acolchoado para evitar desconforto ou que o usuário se machuque caso faça horas de jogatina. Como se não bastasse, o brinquedinho ainda conta com níveis de ajuste de altura e microfone flexível para encaixe e posicionamento exatos. Ideal para a jogatina online.

Quanto: R$ 204,90

Onde: Kabum

 

Placa de Vídeo NVIDIA GeForce RTX 2080

 

A RTX marca a nova geração de placas de vídeo da NVIDIA. A placa foi anunciada em agosto e está em pré-venda no Brasil e já tem resultados impressionantes. Tudo isso pode ser atribuído a sua alta estabilidade e capacidade de gerar gráficos ultra-realistas. A RTX conta com resfriamento iCX2 reprojetado para ser até 14% mais frio e 19% mais silencioso que a série anterior.

Além disso, ela possui monitoramento de voltagem em tempo real nas placas EVGA iCX2 e no Precision X1. O preço pode ser salgado: R$ 5000, de modo que não é para qualquer um. Esta série busca o ápice da fidelidade gráfica e melhor desempenho, portanto é indicada para quem quer ser profissional ou investir na carreira de youtuber.

Quanto: 4999,90

Onde: Kabum

 

Gabinete Corsair Carbide Series SPEC-04 Mid Tower CC-9011108

 

Os gabinetes da Corsair são objeto de desejo de milhares de PC Gamers, graças aos seus designs arrojados. Nosso favorito é o da Carbide Series, que tem um estilo minimalista com cores amarelo e preto, além da lateral transparente. Se você pensa em monatar um PC e quer algo bonito, sem ser brega ou muito chamativo, este é o modelo ideal. Este modelo tem duas entradas USB apenas, mas se você souber o que está fazendo, dá para expandir de acordo com suas necessidades. Outra vantagem é o preço barato.

Quanto: R$ 219,90

Onde: Kabum

 

Teclado Gamer HyperX Alloy FPS Pro

 

 

Já que falamos de mouse, headset, placas de vídeo e até gabinete, hora de falar da parte mais usada de um PC, certo? Nossa indicação é o mouse HyperX Alloy FPS Pro, que foi desenvolvido especialmente para quem ama jogos de tiro. Ele tem um design compacto, estrutura sólida em aço e cabo removível. Os destaque mesmo vão para a função modo jogo 100% por cento Anti-Ghosting e N Key Rollover. A beleza fica completa com as teclas com backlit vermelho HyperX com efeitos de iluminação dinâmicos.

Quanto: 420,95

Onde: HyperX

 

PC Gamer Rawar Fortbattle

 

Então seu negócio não é montar um PC do zero, mas sim pegar algo pronto com o melhor que a tecnologia pode oferecer? Este aqui é um brinquedinho que vale a pena ficar de olho, pois oferece placa de vídeo NVIDIA GTX1050; processador Intel Core I3 7100 e um memória 8GB 2400 MHZ – HYPERX. O resultado desse conjunto é que todos os jogos do momento rodam em qualidade ultra HD sem queda de frames.

Além dessas configurações poderosas, máquina conta com um design bastante elegante. Uma verdadeira máquina para quem gosta de jogos e que preza a melhor qualidade possível. O preço está em sintonia com o que a máquina tem a oferecer.

Quanto: R$ 2559,99

Onde: Rawar

 

Mouse Gamer Razer DiamondBack Tournament Chroma – RZ01

Este aqui é o sucessor do melhor hardware de 2004 (Gamespot), o DiamondBack. A nova versão foi revisada e conta com melhorias significativas a fim de reconquistar os fãs de de eSports. A nova versão mantém o padrão ambidestro e curvas confortáveis para melhor se adaptar a qualquer jogador.

Ele conta com sensor a laser de 16000 DPi e até 210 polegadas por segundo de aceleração / 50 g. O melhor mesmo são os 7 botões programáveis. Ah, o aparelho ainda conta com luzes LED para dar aquele ar futurista.

Quanto: R$ 389,00

Onde: Game7

 

VR Gamer

 

Caso você prefira fazer algo mais família como um passeio no shopping, que tal um passeio com seu garoto no VR Gamer, o arcade dedicado à realidade virtual mais famoso de São Paulo. A rede disponibiliza jogos famosos como Resident Evil 7, Fruit Ninja VR, Beat Saber, entre outros.

O negócio funciona como em um arcade clássico, você paga pela hora e pode testar os diferentes jogos nesse período de tempo. Esta é uma ótima opção para apresentar a realidade virtual para outras pessoas e conhecer jogos novos. Não por acaso a VR Gamer já conta com duas unidades, uma na Vila Mariana e outra na Granja Viana. Mais informações no telefone: (11) 5081-7623.

Quanto: R$ 60,00

Onde: VRGamer

 

Camiseta Riachuelo Nintendo Mario

 

Por fim, uma boa opção de presente para as crianças (ou para a sua criança interior), são as camisetas geek da Riachuelo, como essa do Mario. A coleção conta com vários modelos de temática geek, incluindo o Homem-Aranha, Mulher Maravilha e Harry Potter. Este mimo é ideal para quem não quer gastar muito e quer dar um presente bonito, despojado e cheio de personalidade.

Quanto: R$ 49,90

Onde: Riachuelo

MobNex – Aplicativo aposta na gamificação para atrair jovens para a mobilização política

A Gamificação têm sido utilizada utilizada por grandes instituições de ensino e por grandes empresas para motivar seus funcionários. O que talvez você não saiba é que a gamificação tem sido utilizada para atrair e mobilizar jovens na política, fazendo-os se interessar mais pelo aasunto. A ideia básica é chamar a atenção das gerações Y e Z através de tecnologia, redes sociais e videogames, que são plataformas comuns para os jovens. Este é um dos objetivos do aplicativo MobNex.

A Action Labs, empresa paranaense que trabalha com uma metodologia de modelagem de negócios, criou o MobNex, uma plataforma colaborativa de mobilização política. A plataforma já está em uso em diversas campanhas pelo país, e tem chamado a atenção pela intensa utilização do conceito de gamificação e colaboração, integrando painel de controle da campanha, aplicativo e site.

“Um dos diferenciais da plataforma é a possibilidade de ampliar a capacidade de mobilização pelo aplicativo, que possui estratégias de gamificação e conecta toda a equipe à campanha, atribuindo metas semanais de atuação, compartilhando informação em tempo real e valorizando os mobilizadores mais ativos, ações muito semelhantes a um jogo, em que o usuário tem tarefas e vai evoluindo o seu perfil”, explica Oliveira.

Um dos objetivos da gamificação no MobNex é engajar, comprometer e recompensar os usuários. Para engajar os jovens são dadas tarefas simples, como convidar um amigo para a campanha, compartilhar uma notícia, e metas semanais. A cada tarefa cumprida, o usuário aumenta a sua pontuação e vai adquirindo novos status, como cidadão engajado e líder mobilizador, por exemplo.

De acordo com a Action Labs, outro diferencial do MobNex é ajudar a combater as fake News, um dos principais desafios das eleições 2018. O objetivo é impedir que notícias falsas se espalhem às vésperas das eleições presidenciais. A expectativa é que no futuro o aplicativo seja bastante utilizado para deixar as eleições mais limpas e engajar os jovens a exercer seus direitos políticos de maneira consciente.

Você pode obter mais informações sobre o MobNex no site oficial. O aplicativo está disponível na Google Play e na App Store.

PUBG Mobile Star Challenge – equipes de todo o mundo competem por US$ 600 mil

Esta é especial para os fãs de PlayerUnknown’s Battlegrounds Mobile (PUBG MOBILE): já começou as classificatórias do PUBG MOBILE STAR CHALLENGE (PMSC), um torneio global de PUBG MOBILE organizado pela Tencent Games e PUBG Corporation. O torneio coloca representantes da Europa, Ásia, Japão/Coreia, China, América do Norte e América do Sul em uma disputa global por prêmios que chegam ao total de US$ 600 mil. As finais acontecerão em Dubai ainda em 2018.

A expectativa é que o campeonato de PUBG Mobile bata recorde de audiência em streamings, já que os líderes de equipe milhares de seguidores e o torneio terá patrocínio da Samsung Galaxy Note9. O período de registro terminou em 10 de setembro, com mais de 15 mil equipes prontas para a qualificação do PMSC. Os detalhes podem ser encontrados aqui.

Na próxima etapa, as principais 20 equipes de cada uma das seis regiões passarão para a fase qualificatória do PMSC e, então, para as finais globais. O prêmio de US$ 600 mil será dividido entre os vencedores da final regional e global da seguinte forma:

Campeão da Final Global: US$ 200 mil

2º lugar: US$ 100 mil

3º lugar: US$ 50 mil

 

Campeão da Final Regional: US$ 20 mil

2º lugar: US$ 15 mil

3º lugar: US$ 10 mil

 

Além dos prêmios em dinheiro, os vencedores se tornarão criadores de conteúdo oficiais de PUBG Mobile, ganhando acesso a recursos promocionais ao fazer streams do jogo. Trata-se de uma oportunidade de se tornar um influenciador de sucesso.

A primeira parte dessa próxima etapa do torneio global será o PUBG MOBILE STAR CHALLENGE – EUROPE FINAL, que acontece na Ucrânia, em Kiev, entre 29 e 30 de setembro, às 10h30, horário de Brasília. Você pode acompanhar tudo através da página oficial do Facebook do PUBG MOBILE.

PUBG Mobile está disponível para download gratuitamente na App Store e Google Play.

 

PUBG estará na BGS com mega arena

Brasil Game Show

Ah, e já que o assunto é PUBGS, vale dizer que os grandes fãs de PlayerUnknown’s Battlegrounds (PUBG) terão um ótimo motivo para participar da 11º edição da Brasil Game Show (BGS): a organização do evento irá montar uma mega arena aberta ao público de 500 m² e com mais de 100 estações de jogos exclusivas de PUBG, entre PC e mobile. A atração será comandada pela PUBG Corp, estúdio responsável pelo título e que estreia na Brasil Game Show como patrocinadora ouro. A intenção é criar a maior arena virtual de um jogo.

“Será incrível ver uma arena com mais de 100 estações rodando o jogo, que traz justamente um cenário em que diversos competidores precisam batalhar até que reste apenas uma equipe, a grande vencedora. Certamente será um dos espaços mais concorridos da feira”, disse Marcelo Tavares, CEO e fundador da Brasil Game Show.

Mais informações no site da BGS.

Top 11 – Erros mais comuns cometidos por desenvolvedores independentes

Criar um game é uma tarefa árdua e às vezes você vai estar tão envolvido com o projeto que pode acabar deixando passar alguma coisa batida. Pensando nisso, bolamos um compilado de erros comuns que os desenvolvedores cometem ao produzir o primeiro game. Leia atentamente o texto e repasse para aquele seu amigo que quer trabalhar com games. Algumas dicas podem salvar seu negócio ou te deixar mais alerta aos pormenores.

Confira abaixo erros muito comuns no desenvolvimento de games independentes:

 

1 – Desistir nos estágios iniciais

Um grande projeto sempre começa com uma ideia, porém tirar a ideia do papel não será tarefa fácil. Tenha em mente que dificuldades virão aos montes, desenvolver um game consumirá tempo e dinheiro. Muitas vezes você terá de abdicar daquele cinema com os amigos ou da cerveja do final de semana para trabalhar em seu projeto. Se você tiver um emprego por fora, o tempo que terá para se dedicar ao projeto será ainda mais curto.

Muitos desenvolvedores acabam desistindo do game nos estágios iniciais após constatar que o projeto vai consumir mais tempo e energia do que o esperado. O dinheiro também pode ser um problema recorrente para desenvolvedores novatos, afinal criar um game vai demandar alguns esforços financeiros, tais quais uma engine, licenças etc. Felizmente existem algumas soluções como a versão limitada da Unity, que acaba se revelando uma caixa de ferramentas ao desenvolvedor indie. São poucas as limitações no pacote, de modo que dá para finalizar seu game de modo satisfatório.

 

2 – Não trabalhar em equipe

Produzir um game sozinho não é impossível, se você manja de level design, trilha sonora, marketing, programação etc. Porém é um fardo grande demais para uma só pessoa carregar, além de que o produto final ficará limitado apenas as suas próprias ideias. Um game feito em equipe, por outro lado, terá os benefícios de um brainstorm, novas ideias, personagens melhor elaborados, puzzles mais desenvolvidos etc. Como se não bastasse todo esse enriquecimento, um trabalho em equipe terá uma rede networking maior e mais efetiva quando já estiver em estágio de demo. O tempo também será reduzido e melhor empregado se cada um fizer uma determinada função dentro do projeto.

Trabalhar em equipe melhora ainda sua capacidade de interação. Você vai aprender muita coisa e poderá fazer bons amigos. Sempre que puder, desenvolva um game em equipe. Seu projeto ficará muito melhor e isso vai fazer bem até mesmo para você (desde que a equipe esteja alinhada e tenha objetivos semelhantes). Uma dica para começar a desenvolver um game em equipe é participar de hacktons. Vez ou outra o GameReporter divulga essas maratonas! Fique alerta. ;)

 

3 – Pensar que vai ficar rico rapidamente

Em uma matéria de janeiro deste ano, o Adrenaline revelou que apenas neste ano o mercado de games deve movimentar cerca de R$ 550 bilhões. Imagine pegar uma fatia mínima deste bolo… Tentador, hein. Mas fique calmo, a maior parte dessa grana vai mesmo para as grandes players como EA, Activision, Nintendo, Microsoft etc. Lucrar com game é bastante provável, mas se você estiver começando agora, fique ciente que as chances de tomar prejuízo nos primeiros meses é bem mais provável do que ficar rico rapidamente.

Por que isso acontece? Bem, o mercado de games brasileiro ainda é pequeno se comparado com os mercados europeu e norte-americano. Além disso, ainda há uma resistência por boa parte dos jogadores em gastar grana com games, principalmente se for mobile. Mas não se desespere, as coisas já estiveram muito mais difíceis quando a pirataria imperava e games para celular eram todos pagos (a época dos jogos java) e não haviam variadas opções de monetização. Hoje em dia, se você tiver um projeto bem esquematizado, dá sim para ter um bom lucro.

 

4 – Não desenvolver um plano de monetização ou exagerar nas propagandas

E já que falamos de grana, vale falar um pouco sobre como conquistar a tão sonhada independência financeira fazendo games. Tudo envolve monetização. Firmar contratos com uma Publisher é legal e provavelmente vai garantir que os custos de produção se paguem tranquilamente, porém uma vez que o game vai para as lojas é importante ter uma ideia de como ele vai faturar de verdade. Sim , eu sei que o jogador médio quase não gasta dinheiro com games, porém o produtor não deve ignorar este fato e o fato de que se o game for bom mesmo ele tem uma mina de ouro nas mãos.

Nos estágios iniciais é bom já pensar em como você pretende lucrar com games. Vai apostar nas microtransações ou em propagandas ingame? Quem sabe os dois? Ou o formato freemium? Opções é o que não falta, mas também não precisa exagerar, afinal todo desenvolvedor é um jogador. O problema é que muitos se esquecem disso e acabam atulhando o jogo com propagandas a todo o momento. Você deve dosar as coisas na medida certa. Lembre-se que jogadores mais impacientes vão abandonar seu game se tiverem a sensação de que ele é um grande painel de propaganda.

 

5 – Focar apenas nos gráficos

A primeira coisa que os jogadores prestam atenção são nos gráficos. Um game com personalidade visual tem muito mais chance de se destacar do que títulos sem qualquer inspiração. Isso é um pensamento comum, mas nem por isso deve ser levado totalmente à sério. Não caia na conversa de que um jogo fotorrealista é o segredo do sucesso. O que os jogadores querem mesmo é um produto que tenha identidade própria, independente do estilo que deseja. Você pode apostar num jeitão mais retrô pixelado, ou em um estilo cell shadding.

Acontece bastante de ver em feiras de games independentes jogo com visuais embasbacantes, mas que tem uma jogabilidade ordinária ou conceitos pobres. Tome um pouco mais do tempo melhorando as mecânicas de seu jogo ao invés de ficar apenas polindo o game. Afinal, um game bonito vai chamar as atenções sim, mas se o jogo for retorcido os jogadores irão abandoná-lo sem dó.

 

6 – Querer fazer o GTA Killer

GTA V é considerado por muitos como o maior e mais completo game de todos os tempos. O título da Rockstar é um marco da indústria e, não por acaso, uma fonte de inspiração para desenvolvedores de todo o mundo. Já ouvimos muitas histórias de jogos que começaram como uma espécie de GTA, mas que graças ao bom senso e limitações óbvias acabaram perdendo funções e funcionalidades durante o desenvolvimento. Se você pensa em lançar um game repleto de mecânicas e funcionalidades, pare e repense no que está fazendo da vida.

GTA começou muito pequeno, com visão por cima da tela, cheio de limitações em 1997. Certamente o pessoal da DMA design tinha uma ideia bastante clara do que queriam fazer com o game e duvido muito que imaginaram que hoje a franquia seria tão grandiosa quanto é. Ao iniciar um projeto comece pelo básico, não vá com muita sede ao pote. Não tenha medo de cortar funções e mecânicas. Lembre-se de fazer um game coeso e possível de acordo com sua realidade financeira e de pessoal. Afinal, o título da Rockstar leva anos para ser produzido e demanda centenas de profissionais para ser concluído.

 

7 – Copiar games de sucesso

 

Isto ocorreu no GameReporter recentemente. Temos uma página ali para divulgar o seu game, certo? Pois bem, vez ou outra pegamos um desses games e fazemos um texto para a matéria do dia. Ali é uma boa fonte para descobrir jogos de alta qualidade e com ideias interessantes. Infelizmente também tem jogos sem qualquer originalidade, que se contentam em plagiar games de sucesso.

Ao começar seu projeto é normal se inspirar em grandes jogos sim, mas não se restrinja a apenas copiar e colar códigos de programação. Faça mais que isso! Dê identidade ao seu produto, mesmo que no início não pareça dar certo. Com o tempo você vai conseguir fazer um game original e conquistar seu próprio público. Lembre-se de que plagiar é crime e não vai te levar a lugar algum.

 

8 – Ignorar a importância do Q.A

As grandes empresas possuem um departamento chamado quality assurance (Q.A) que é responsável por testar os jogos antes de disponibilizá-lo no mercado. Se com todo este aparato surgem bugs terríveis, imagine a quantidade de bugs que jogos criados por equipes reduzidas pode deixar passar? Agora imagine que a equipe responsável nem tenha se dado ao trabalho de conferir o produto final…

Sim, acontecem casos de surgirem games injogáveis, principalmente no mercado de jogos para PC, pelo simples fato de que ninguém chegou a jogar o game após a conclusão do desenvolvimento. Há duas formas de evitar esse problema: ou você mesmo testa o game, ou abre fases beta para a comunidade dar feedbacks pontuais. E mesmo nos dois casos, é importante ter o pensamento de que um game é um produto sempre em desenvolvimento, mesmo após lançado. Sim, mesmo após lançar o jogo, é legal fazer updates e melhorar mecânicas. A comunidade vai perceber que você está atento e quer melhorar a experiência de jogo.

 

9 – Fazer o mesmo game sempre

Poucas coisas podem ser mais frustrantes do que ver um estúdio promissor cair na mesmice. Há casos inúmeros mesmo entre produtoras grandes de que acertam em cheio em uma ideia e passam a adotá-la em todos os próximos games a partir daí. Imagine criar um game do gênero idle clicker – aqueles de celular baseados em clicar na tela para evoluir um personagem, ganhar mais dinheiro etc – e ele é bem sucedido. O que você faz: aproveita o lucro para tocar adiante o próximo grande jogo do estúdio, lançar uma sequência o mais rápido possível, ou lançar o mesmo game mudando apenas a skin do jogo?

Infelizmente existem muitos estúdios que apostam na terceira opção. Poderíamos fazer uma lista de 20 jogos de UMA única empresa que se baseiam numa mesma premissa. Parece que alguns produtores seguem o mantra de que “em time que está ganhando não se mexe”. Porém por quê se prender num único jeito de produzir games, ao invés de explorar suas próprias habilidades? Ao conseguir o sucesso, você deve seguir adiante, no máximo lançar uma sequência, mas jamais usar a mesma fórmula para TODOS os seus games.

 

10 – Não conhecer o público

Imagine a cena: você produz um match 3 bem maneiro e parece um sucesso latente, mas depois de quase tudo pronto percebe que a onda dos match 3 já passou, ninguém mais está interessado no gênero e a nova onda são os Battle Royale? Realizar uma pesquisa de mercado pode poupar dores de cabeça no futuro, bem como contratar consultoria e visitar feiras de games vai te ajudar a desenvolver algo mais promissor. Jamais ignore a importância de conhecer seu público e as tendências de mercado.

Se não tiver dinheiro para contratar alguém que faça essa pesquisa de mercado, faça você mesmo. Uma rápida olhadela no top mais baixado de qualquer pode te revelar qual o estilo está fazendo mais sucesso e o que não vende mais nada. Claro, há sempre a chence de que um estilo de jogo volte a se tornar tendência. Mas sempre que possível, faça um estudo do que já tem no mercado e a possível recepção que seu game vai ter. Também não se esqueça que certos gêneros podem já estar saturados e lançar um MOBA apenas tornará seu game mais um na multidão. Pesquise!

 

11 – Publishers não são a solução pra tudo

Há alguns anos vimos um fenômeno ocorrer no Brasil: tradicionais publishers começaram a apostar nos desenvolvedores de games nacionais, tais como a Bandai Namco, a Microsoft, a Capcom e até a Square-Enix. Quem não gostaria de lançar um game sob o selo de uma dessas poderosas empresas e conquistar a sonhada distribuição mundial. Entretanto nem sempre essas empresas são a solução para tudo. Na verdade algumas podem gerar outros problemas e frustrações.

Quem não se esquece de toda a pompa que a Square-Enix fez aqui no Brasil dizendo que iria publicar alguns jogos brasileiros para fora? No final das contas o acordo subiu o telhado e as empresas nacionais ficaram a ver navios. Também teve o caso da SEGA que prometeu publicar um game do estúdio nacional Owlchemy Lab, mas o trabalho mesmo se resumiu em lançar um press-release meia boca e exigir parte dos lucros com a venda do game?

Pois é, ao fechar acordo com uma Publisher, contrate um advogado para revisar tudo e só assine se tiver certeza de que é uma parceria, não uma oportunidade. As grandes empresas estão nessa pelo dinheiro e não vão se importar tanto com os seus sentimentos se os executivos quiserem dar o fora. Felizmente não são todos assim, há grandes publishers que abraçam o desenvolvedor indie e ajudam bastante a tornar um game bem sucedido. Mas aqui vale o alerta: antes só do que mal acompanhado.

Expo CIEE São José dos Campos promove campeonato de esportes eletrônicos

A CIEE já é uma entidade reconhecida nacionalmente pelos estudantes graças ao trabalho que realiza de auxílio aos estudantes na busca por uma colocação profissional, mas você sabia que desde 1997 a entidade também realiza uma megafeira estudantil na América Latina com foco em promover educação, capacitação, orientação e direcionamento do público jovem? Para isso, é realizado um encontro entre empresas e instituições de ensino em um espaço comum.

Além da troca de informações e direcionamento, o Expo CIEE também está se voltando para a promoção de entretenimento. A novidade deste ano é que o CIEE Expo deste ano terá campeonato de esportes eletrônicos. O objetivo é criar um ambiente de interação e diversão entre os visitantes do evento.

O Expo CIEE 2018 será realizado pela primeira vez na cidade de São José dos Campos, em SP. A cidade é considerada um dos berços da tecnologia e vanguarda da indústria aeronáutica. Graças a essa fama, a cidade foi escolhida para sediar o primeiro campeonato de esportes eletrônicos. Os visitantes poderão se digladiar no League of Legends. A inscrição é gratuita e as batalhas se darão na Arena de Esportes Eletrônicos, espaço idealizado em parceria com a ACE Esports.

O Campeonato é liberado para jogadores a partir dos 16 anos, que devem estar prontos para encarar as fases eliminatórias já nos dias 1 e 2 de setembro. As semifinais, que terão narração e transmissão online, acontecem no dia 15 de setembro, enquanto a grande final será durante a EXPO CIEE São José dos Campos nos dias 28 e 29.

Os visitantes da feira ainda poderão participar de um campeonato menor na sexta-feira, 28. Basta se inscrever no local e aguardar a organização definir as chaves. Já no sábado, 29, serão disponibilizados dois consoles de Playstation 4, com games como Fifa 2018 e Battle Royale. Esta é mais uma mostra de como os jogos eletrônicos começam a ser levados a sério mesmo nos setores em que eles eram ausentes.

Vale destacar ainda que os jogadores que curtem jogos móveis podem competir na Batalha Mobile de Clash Royale prevista para ser realizada durante os dois dias de EXPO CIEE. Esta modalidade também acontece na Arena de Esportes Eletrônicos na Expo CIEE. Mais informações sobre o evento no site.

 

Serviço – 1ª EXPO CIEE São José dos Campos

Onde: Endereço: CEFE – Parque da Cidade – São José dos Campos – SP

Horário: das 10h às 18h

Quanto: Gratuito

Android – Hora de conferir os jogos e aplicativos gratuitos do final de semana

Fim de semana chegando, hora de dar uma calibrada no seu celular Android, baixar aplicativos e jogos novos, certo? Pois fica esperto na dica: de tempos em tempos a Google disponibiliza uma série de aplicativos gratuitamente. Se você quer jogos e aplicativos e jogos completos e não quer desembolsar esses são os apps da semana. Fica o aviso de que alguns deles tem sistema de monetização através de publicidade. Confira abaixo os principais games e aplicativos gratuitos da semana:

 

Aplicativos gratuitos:

 

LockMyPix: Private Photo & Video Vault 

Este aqui é para quem preza por privacidade. O aplicativo é capaz de bloquear fotos, forçando o usuário a usar senha para acessá-las. O mais bacana é que ele tem o chamado “cofre duplo”, criando mais uma camada escondida, caso alguém te force a revelar as fotos que estão bloqueadas. Quer esconder seus nudes? Esse app pode te ajudar. Gratuito por dois dias.

 

Night Light Pro: Blue Light Filter, Night Mode

Mexer no celular até altas horas da noite é um hábito muito comum. Mas não é uma atividade sadia! Além de prejudicar suas horas de sono, ficar com a tela ligada na frente do rosto em ambiente escuro pode desgastar a sua visão. Pensando nisso, o pessoal da SSR Lab criou o Night Light Pro, um filtro que permite escurecer a imagem do celular, reduzindo a claridade emanada. Ideal para dar um descanso aos olhos. Você tem cinco dias para baixar este app gratuitamente.

 

POSTPHONICS DICTIONARY

Se você está aprendendo inglês, este aplicativo pode te ajudar bastante, pois ele é basicamente um dicionário digital capaz de “falar” cerca de 2900 palavras em inglês. Ideal para reproduzir a pronuncia correta. Mas vale lembrar que é mais útil para quem está num nível intermediário, que já é capaz de traduzir do inglês para o português, pois ele não é tradutor, apenas um dicionário. Serve para descobrir o significado de uma palavra que você desconheça ou que não sabe como pronunciá-la. Grátis por cinco dias.

 

Quit Smoking Tracker GOLD – stop smoking

Parar de fumar é uma tarefa extremamente difícil. O vício pode destruir a saúde de qualquer um e mata milhares de pessoas em todo o mundo. Felizmente existem técnicas para que as pessoas de boa vontade consigam aos poucos abandonar esse mal. O aplicativo Quit Smoking é um compilado de técnicas cientificamente comprovadas para quem quer largar o vício. Tem até o sistema de conquistas inspirado nos videogames e um contador mostrando quanto dinheiro foi poupado no mês. Ele fica gratuito por apenas seis dias.

 

Outros aplicativos gratuitos:

Ner – Photo Editor, Pip, Square, Filters, Pro $0.99 -> Grátis; Finaliza em 7 dias.

Triathlon Calculator: Pace for Swim/Bike/Run $0.99 -> Grátis; Finaliza em 4 dias.

Gallery Vault Pro – hide photos hide videos $3.99 -> Grátis; Finaliza em 5 dias.

Music Player – Multimedia Best MP3 Audio Player $0.99 -> Grátis; Finaliza em 6 dias.

 

Games gratuitos:

 

Survival Island: EVO Pro!

Survival Island é um título em primeira pessoa que te coloca no meio de uma ilha no meio do nada e seu objetivo é sobreviver. Para isso, você deve caçar, pesar, construir uma casa e fugir de ameaças de animais agressivos. O título tem um ambiente 3D bastante vivo e surpreendente para um celular. Devido ao tamanho do jogo, ele não é indiado para qualquer celular, mas de um intermediário adiante. Fica disponível gratuitamente por dois dias.

 

Everybody’s RPG

Aqui a dica é para quem é fã de RPGs das antigas. O título da NomadGames é uma ode aos jogos de RPG da era 16 e 32 bits. Os gráficos e efeitos visuais lembram bastante franquias como Final Fantasy e Chrono Trigger. A jogabilidade é simples, trazendo o melhor do reino dos universos de RPG. Você pode baixar aqui.

 

Kingdom Defense 2: Empire Warriors

Eleito por muitos como o tower defense móvel de 2018, o game te coloca num mundo de fantasia medieval e seu objetivo é proteger o reino da ameaça do exército das trevas. Você deve posicionar guerreiros, arqueiros e magos para bloquear o caminho dos monstros que chegam aos montes. O game começa fácil, mas aos poucos fica extremamente desafiador. Ideal para os fãs do gênero tower defense. Fica disponível por cinco dias.

 

League of Stickman: (Dreamsky)Warriors

League of Stickman é para quem gosta de jogos de ação com uma pegada de Metroidvania. Você encarna um mítico herói que deve usar suas habilidades em artes marciais para destruir um terrível tirano. Ainda que o roteiro seja clichê, o game acerta no tom da ação e nos gráficos repletos de efeitos de luz. Outro ponto positivo é o sistema de combate com um pé no RPG. Os controles são simples, mas a falta de botões pode ser desconfortável para o gênero. Se você tiver um controle, melhor. Fica grátis por cinco dias.

 

Outros jogos gratuitos:

Machiavelli $1.00 -> Grátis; Finaliza em 5 dias

My Town : Beach Picnic $2.99 -> Grátis; Finaliza em 7 dias

Paper Duels $0.99 -> Grátis; Finaliza em 7 dias

Tap knife VIP $0.99 -> Grátis; Finaliza em 4 dias

Warriors’ Market Mayhem VIP $0.99 -> Grátis; Finaliza em 4 dias

 

Fonte: Android Police

Jogo oficial Final Fantasy Awakening mobile chega ao Brasil em português

Essa é para os fãs de Final Fantasy que estavam esperando por novidades. A Square-Enix, em parceria com o estúdio Oasis Games, acaba de lançar o jogo Final Fantasy Awakening para Android e iOS. O game segue a premissa de outros jogos da própria franquia, sendo um RPG de ação 3D com o mesmo estilo visual, narrativa, e sistema de combate consagrados da popular franquia.

O título conta com batalhas em tempo real a fim de dar maior dinamismo aos combates. O jogador precisará pensar estrategicamente para saber os melhores momentos para usar as habilidades especiais dos personagens, que são os 14 guerreiros originais de Final Fantasy Type-0. Cada herói possui conjuntos de habilidades e características de combate únicas.

De acordo com a Square-Enix, a formação de guerreiros segue o esquema 1+2+2. Isso significa que o jogador terá um personagem principal, e poderá alterar dois personagens conforme os combates exigirem. Isso representa um elemento tático que deve ser levado em conta, dependendo de cada adversário.

Os gamers podem até invocar os Eidolons, os deuses da guerra, em combate. Eidolons, como Ifrit, Shiva, Odin e Bahamut, são criaturas colossais e extremamente poderosas, características da série Final Fantasy, que podem alterar o curso dos combates.

A fim de agarrar os jogadores brasileiros, a produtora vai garantir suporte em português, além de facilitar as formas de pagamento ingame através dos sistemas do BoaCompra e do PagSeguro. O título é gratuito para jogar, mas possui venda de itens na loja dentro do jogo.

Como não poderia deixar de ser, Final Fantasy Awakening ainda conta com cenas cinemáticas de alta qualidade, e com o elenco de dubladores japoneses originais de Final Fantasy Type-0. Incluindo Hanazawa Kana (Deuce), Kaji Yuuki (Ace), Nakamura Yuuichi (Trey), e vários outros seiyuus de destaque. Com isso, o jogo oferecerá a mais imersiva experiência para todos os jogadores.

O jogador poderá usar os 14 heróis Class Zero, diretamente do Final Fantasy Type-0 original, e mais alguns heróis inéditos. Alguns desses ‘Demônios Vermelhos’ incluem Ace, armado com um baralho de cartas; Deuce, conhecida como “A Voz da Cura”, que ataca os inimigos com a música de sua flauta; Rem, “Lâminas da Sombra”, que usa duas adagas para dilacerar os oponentes; e vários outros. Disponível para Android e iOS.

Abaixo tem um trailer de Final Fantasy Awakening:

Zumbi Olé – Futebol é a arma para combater zumbis em game de aluno da Fatec Carapicuíba

Ainda inspirados pelo clima de Copa do Mundo, hoje vamos falar de um game criado pelo aluno Raul Tabajara da Fatec de Carapicuíba. Trata-se de Zumbi Olé, um game de celular em que o jogador precisa driblar zumbis para somar pontos, salvar o mundo e se tornar um novo craque. O game é para dispositivos Android e já é bem conhecido do público brasileiro, de modo que já ultrapassou a marca de 33 mil downloads e está disponível gratuitamente.

O game gira em torno de Yara, uma menina que sonhava em ser jogadora de futebol, mas viu seu futuro ameaçado após um apocalipse zumbi dominar o planeta. Para sobreviver, ela resolve encarar a batalha e sair driblando os mortos-vivos, tomando cuidado para não ser capturada e devorada por eles.

A grande diferença do Zumbi Olé para tantos outros jogos é sua proposta inusitada ao misturar dois temas tão diferentes como futebol e apocalipse zumbi. Como se não bastasse, o game não tem nada de violência. Tudo aqui está envolto na habilidade e talento esportivo de Yara. O jogo foi uma das atrações do Big Festival, um dos principais eventos de games independentes do Brasil, e se classificou entre as 15 melhores produções nacionais do gênero em 2017.

A Copa do Mundo também contribuiu para aumentar o interesse dos usuários pelo aplicativo, mas o destaque tem sido a ótima aceitação do público feminino. De acordo com Raul Tabajara, colocar uma garota como protagonista foi proposital e serviu para quebrar paradigmas, dando representatividade às mulheres no esporte mais amado do país.

Para desenvolver o Zumbi Olé, o desenvolvedor contou com a parceria de amigos e do professor Alvaro Gabriele Rodrigues. Ele conta que a ideia surgiu assistindo ao seriado de zumbis Walking Dead. “Os monstros são muito lentos. Não precisa de armas para derrotá-los, basta pular para o lado e gritar: olé”, explica. “Poderia criar um jogo com essa concepção e colocar uma bola nos pés da personagem, fazendo uma alusão ao esporte mais popular do Brasil”.

Segundo o estudante, que também lançou recentemente o jogo Masmorra da Tortura, o próximo passo será uma nova versão do Zumbi Olé para computador com novos recursos, como loja virtual para compra de chuteiras mais potentes e uniformes de clubes e seleções. O game está disponível gratuitamente na Google Play.

Abaixo tem o trailer de Zumbi Olé:

BIG Festival 2018 – Chegou a hora de conhecer os grandes vencedores do maior evento de jogos independentes da América Latina

O BIG Festival 2018 terminou e foi mais um sucesso retumbante, apresentando as novas tendências dos jogos independentes do Brasil e do mundo. O evento contou com a presença de milhares de visitantes no Centro Cultural São Paulo, de modo que o evento deu a oportunidade dos jogos da feira em aumentar a sua participação em solo brasileiro, além de conquistar a atenção da mídia e investidores.

O BIG 2018 deu ainda aos desenvolvedores indies a oportunidade de apresentar seus projetos a uma platéia composta por desenvolvedores, potenciais investidores, nomes relevantes do game design nacional e internacional, jornalistas e outros formadores de opinião. Além disso, os visitantes da feira tiveram a oportunidade de colocar as mãos nos projetos e votar em seus favoritos.

Quem se sagrou vencedor da noite foi o polonês Frostpunk, da desenvolvedora 11 bit Studios. O game para PCs levou o título de Melhor Jogo na premiação. Ele coloca o jogador no papel de administrador de uma cidade no séc. XIX, com a diferença que há mecânicas de survival e estratégia. O título, aliás, já está disponível para jogatina.

Já na categoria Melhor Jogo brasileiro ficou com os talentosos desenvolvedores da Mad Mimic Interactive e seu ambicioso No Heroes Here. O título do gênero tower defense fez bastante sucesso graças ao modo multiplayer cooperativo que é bastante visceral. O Brasil ainda teve outros prêmios importantes como Melhor Jogo Infantil, por Foffuuu; e no BIG Impact, com Marvellous.

De acordo com a organização do evento, nesta edição foram inscritos mais de 156 jogos. Os grandes vencedores apresentaram características que fazem de seus produtos únicos, tais como aspectos audiovisuais, interativos, mecânica e criatividade. Os grandes ganhadores receberam um belo troféu e um prêmio de R$ 10 mil cada.

Abaixo você vê os vencedores do BIG Festival 2018:

 

Melhor Jogo
VENCEDOR: Frostpunk (11bit Studios), da Polônia
Comentário do Júri Internacional:
“Seu gameplay inteligente alcança um novo marco ao combinar estratégia, conexão emocional e fantástico visual artístico.”

Melhor Jogo Brasileiro e Melhor Jogo Voto Popular
VENCEDOR: No Heroes Here (Mad Mimic Interactive), do Brasil
Comentário do Júri Internacional:
“Amizades frenéticas e gameplay caótico. É isso que um couch co-op tem que ser.”

Melhor Jogo da América Latina
VENCEDOR:Iron Marines (Ironhide Game Studio), do Uruguai
Comentário do Júri Internacional:
“A grande conquista de perfeitamente traduzir um RTS para mobile.”

Melhor Gameplay
VENCEDOR: Dead Cells (Motion Twin),da França
Comentário do Júri Internacional:
“Mecânicas inovadoras combinadas com direção de arte linda chamam a atenção até daqueles que nunca ouviram falar do gênero metroidvania.”

Melhor Multiplayer
VENCEDOR: Muddledash (Slampunks), do Reino Unido
Comentário do Júri Internacional:
“Uma reimaginação única, acessível e muito fofa do gênero de corrida.”

*Melhor Jogo Infantil
Fofuuú (FOFUUU SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA SAÚDE E EDUCAÇÃO LTDA), do Brasil
Comentário do Júri:
“Um game que coloca empatia e diversão em fonoaudiologia.”

*Melhor Jogo BIG Brands 
VENCEDOR: PSG FOOTBALL FREESTYLE (Hermit Crab Studio), do Brasil
Cliente: Paris Saint-Germain (PSG Football Club)
Comentário do Júri:
“Jogo que explora o tema do futebol de maneira bastante interessante, com jogabilidade desafiadora e conceito visual dinâmico. PSG Football Freestyle entrega uma boa experiência casual e valoriza a marca do cliente.”

*BIG Impact – Educacional 
VENCEDOR: MARVELLOUS INC (Marvellous Soft), do Brasil
Comentário do Júri:
“Introduz os jogadores ao mundo da lógica de programação, alcançando uma experiência sólida e engajadora.”

BIG Impact – Questões Sociais
VENCEDOR: Lenin The Lion (Lornyon), do Brasil
Comentário do Júri Internacional:
“Lenin the Lion lida com uma importante e complexa questão social como a depressão através de gameplay simples e cativante.”

Melhor Jogo de Realidade Virtual
VENCEDOR: Luna (Funomena LLC), dos Estados Unidos
Comentário do Júri Internacional:
“Um exuberante playground imersivo que é perfeito para VR.”

Melhor Arte
VENCEDOR: CHUCHEL (Amanita Design), da República Tcheca
Comentário do Júri Internacional:
“É como estar em um programa de criança, impossível não sorrir.”

Melhor Narrativa
VENCEDOR: Where The Water Tastes Like Wine (Dim Bulb Games), dos Estados Unidos
Comentário do Júri Internacional:
“Uma façanha narrativa. Um time colaborativo de 21 escritores uniram forças para construir essa coesa coleção de fábulas interativas.”

Inovação 
VENCEDOR: Haimrik (Below The Game), da Colômbia
Comentário do Júri Internacional:
“Inovação é a palavra. Literalmente.”

Melhor Som
VENCEDOR: Rhythm Doctor (7th Beat Games), do Peru
Comentário do Júri Internacional:
“Faz seu coração bater.”

Melhor Jogo de Estudante 
VENCEDOR : Motif (Yeta Gamefrost), Turquia
Comentário do Júri Internacional:
“Um caleidoscópio de diversão geométrica”.

*Menção Honrosa – Melhor Jogo de Estudante Brasileiro
VENCEDOR: WILD GLORY (LAJE Studios e Manalith Studios), da PUC-PR
Comentário do Júri:
“Um frenético multiplayer competitivo em que personagens carismáticas se digladiam diante de um público fanático. A diversão é garantida, mas tome cuidado para não perder suas amizades.”

BIG Starter – Melhor Jogo Educacional ou de Impacto Social
VENCEDOR: Mompas (Studio Nebulosa)
Comentário do Júri:
“Divertido, educativo e competitivo. Leva em conta os conhecimentos individuais.”

BIG Starter – Melhor Jogo de Entretenimento
VENCEDOR: One Beat Min (PixJuice)
Comentário do Júri:
“Proposta diferenciada com estética singular e potencial de público.”