Arquivo da categoria: Indie

Escape Block: novo game indie é puzzle desafiante

Sabe aqueles jogos que mexem com o raciocínio lógico do jogador, daqueles que o jogador precisa pensar antes de agir? Pois bem, assim é o novo game criador pelo desenvolvedor indie Beto de Oliveira,  que foi batizado de Escape Block.

Trata-se de um puzzle 2D em que o jogador deve levar um bloco azul até um portal no menor tempo e número de movimentos possíveis. Para simples, mas a missão é dificultada ao passo em que o jogador vai passando de fases, pois a dificuldade vai aumentando gradativamente.

Ao todo são 18 fases por temporada, sendo que três são liberadas se o jogador conseguir um total de três estrelas em todas as fases anteriores. A cada nova temporada um novo obstáculo aparece para que o jogador vença-o. O jogo é frenético.

Para jogá-lo, basta tocar e arrastar seu dedo para a direção em que quer empurrar o bloco. Para passar a fase o jogador somente precisa que o bloco caia no portal. Parece simples, porém existem fases realmente desafiadoras. O highscore é baseado no número de estrelas conquistadas nas fases, no tempo utilizado para passar o nível e a quantidade de movimentos até conseguir colocar o bloco no portal.

Tanto a parte da jogabilidade, quanto a parte gráfica e sonora são simples. De modo que o jogo é voltado para jogadores casuais e para quem procura por desafios ininterruptos. O título chegou inicialmente apenas para dispositivos iOS, mas já conta com a versão Android e está disponível para download gratuito.

Trailer do game Escape Block

 

Ninja vs World: ajude o ninja a dominar o mundo neste endless runner para Android

O gênero endless runner praticamente dominou os dispositivos mobile, mas como a fórmula está em alta sempre surgem novos games para cativar os fã do gênero. O novo concorrente mistura o mundo ninja com correria e ação.

Ninja vs World: Endless Runner  coloca o jogador no papel de um ninja que está em uma missão de conquistar o mundo todo. Para isso, ele deve correr por diversos cenários como florestas, montanhas, pontes etc, desviando de obstáculos e enfrentando perigosos samurais pelo caminho.

O título foi desenvolvido pelo produtor indie Alberto Alcides e está disponível gratuitamente para Android. Tal como a maioria dos títulos do gênero, a jogabilidade é simples e seu ponto alto está nos ambientes 3D e nos cenário s desafiadores.

Trailer do game Ninja vs World:

Kiwi – Kindly I Will Increase é o novo game do estúdio Yellow Shark

O estúdio Yellow Shark de Curitiba (PR), acaba de lançar mais um game para dispositivos mobile. Kiwi – Kindly I Will Increase é um game casual de fácil aprendizado que foi desenvolvido para cativar fãs de jogos simples e divertidos. Nele, temos o controle de Steve, um pássaro Kiwi que não pode voar. Os cientistas desenvolvem métodos para que a ave possa ganhar os céus através de balões e foguetes.

O desafio é voar o mais alto possível, desviando de diversos obstáculos em uma jogabilidade típica do gênero, ou seja, basta deslizar o dedo para desviar dos objetos que surgem pelo caminho. Entre os cenários desbravados estão a floresta, o espaço e acima do mar. Enquanto avança pelos ambientes, o jogador deve coletar frutas e estrelas para desbloquear novos cenários e habilidades especiais.

O estúdio Yellow Shark esforçou-se bastante para criar um game divertido e que possa ser apreciado por qualquer jogador. O público casual é o alvo neste game simples e a jogabilidade combina com o estilo artístico, que é colorido e cartunesco.

O game é gratuito e o modo principal é bastante curto. A jogabilidade lembra bastante algumas fases do recente Donkey Kong Country Returns. Kiwi – Kindly I Will Increase já está disponível nas plataformas Android e iOS.

Gludum: nova rede social para unir desenvolvedores de games nacionais

Boas novas para desenvolvedores indies do Brasil: surgiu uma nova ferramenta que pretende unir todos os desenvolvedores em um único espaço para discussões de novas ferramentas, obtenção de feedback rápido, divulgação do trabalho e aproximar os desenvolvedores ao seu público alvo.

Trata-se da Gludum, uma rede social especialmente criada para desenvolvedores de jogos digitais. O projeto nasceu graças aos esforços de Marcelo Belkiman, cientista da computação e fã de jogos digitais. De acordo com Marcelo, o que o motivou a criar a rede social foi observar a ausência de lugares abertos na internet para divulgar games criados por brasileiros.

O Gludum possui um sistema de fórum, de modo que esclarecer dúvidas e discutir com outros devs se torna uma tarefa fácil e frutífera. Além disso, os jogadores podem conversar com os desenvolvedores de maneira rápida e acessível.

Outra forma útil de usar o site é cadastrando suas aptidões, assim há a possibilidade de ser contatado (ou contatar) outros desenvolvedores, formar parcerias e talvez desenvolver novos projetos em equipe. A rede Gludum acabou de nascer, e ainda está em fase “beta”, de modo que os novos usuários estão convidados a dar uma cara definitiva ao projeto. Por fim, Marcelo espera que a rede possa contribuir com o crescimento do mercado de desenvolvimento de jogos nacional, abrindo um espaço gratuito a todos os interessados.

Abaixo está o trailer do projeto Gludum:

Empresas brasileiras de games vão ao Vale do Silício em busca de novos negócios

O Brasil está em alta no ramo dos videogames, ainda que as aparências digam o contrário. Devido ao Projeto Setorial de Exportação Brazilian Game Developers (BGD) e uma parceria entre a Abragames com a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportação de Investimentos), algumas empresas brasileiras de games terão a oportunidade de ir até São Francisco e ao Vale do Silício para participar de dois grandes eventos da indústria, a GDC e a Game Connection, além de uma agenda paralela com visitas a empresas como a Electronic Arts e a divisão PlayStation.

De acordo com os organizadores, serão cerca de 30 empresas e quase 100 desenvolvedores brasileiros a fazer parte desta delegação. Este acontecimento ocorrerá entre os dias 2 e 9 de março. As empresas que participarão do programa são: a Behold Studios, criadores dos jogos “Chroma Squad” e “Knights of Pen & Paper”; Prosperity Games, criadores de Full Metal Wars (ex-Jotunheim Project), vencedor da DemoNight 2014 no BIG Festival, e muitos outros. Além deles, 2Mundos , 44 toons, Aquiris, BadMinions, Cat Nigiri, Eudora, Flux Game Studio, Gameplan, Hoplon Infotainment, Kokku, Lumentech, Manifesto Game Studio, MKT Virtual, Nuuvem, Oktagon, Pandora Game Studio, Reload, Rockhead Games, Smyowl , Virgo Game Studios, Webcore, Swordtales, Joysticket.

O objetivo desta delegação é puramente fortalecer as desenvolvedoras de games brasileiras. De modo, que os devs poderão exibir suas propostas e negócios para possíveis patrocinadores e parceiros comerciais.

Além desta novidade, há o anúncio do projeto Brazilian Game Developers, na Game Connection America, a maior convenção de negócios da indústria de videogames, que desenvolveu um APP Gameficado para incentivar a visitação de tomadores de decisão em seu stand no evento. Lá as empresas internacionais poderão conhecer os jogos e serviços de 20 empresas brasileiras e concorrer a uma viagem ao Brasil,  para participar do Fórum de Negócios do BIG Festival, o maior evento de jogos independentes da América Latina.

O app foi desenvolvido pela Flux Game Studio. O objetivo da ação é fortalecer a presença internacional das empresas brasileiras, que hoje compreende cerca de 200 empresas,  de estúdios de desenvolvimento a prestadores de serviços em diversas áreas.

A Game Connection acontece entre 2 e 5 de março e o vencedor da Gameficação será anunciado na Festa de Network do BGD, na quarta-feira, dia 4 de março, no bar central da Game Connection.  Vamos torcer para quem os desenvolvedores brasileiros possam chamar as atenções dos gringos e atraiam novos negócios para nosso país!

“Considerando o perfil de nossas empresas a Game Connection America é o melhor evento para gerar novas oportunidades de negócios” declara Eliana Russi, gerente executiva do Projeto Brazilian Games Developers.

De acordo com Flávia Egypto, Gestora do setor na Apex-Brasil, o Centro de Negócios da agência em São Francisco também oferecerá aos empresários a experiência no apoio à internacionalização de empresas brasileiras. “Isso é fundamental num setor tão globalizado e competitivo como o de games”, destaca Flávia.

Pengui Adventures : tower defense no clima gélido do Pólo Norte

O game Pengui Adventures é o primeiro jogo do desenvolvedor indie do Ceará Uálison Rodrigues, e também é o nosso destaque do dia. O título retrata a sangrenta história do Reino de Pingus, no extremo do Polo Norte, onde acompanhamos as maldades do jovem personagem Pengui, uma criatura híbrida de um corvo com um penguim.

Há muitos anos que o reino é atormentado por essa estranha criatura, cuja última peripécia foi sequestrar o ovo real que daria origem ao futuro príncipe do reino de Pingus. Tal ato não passaria impune, e então o exército de Pingus é convocado para resgatar o príncipe e matar Pengui.

O jogo é bastante simples e mostra as forças do reino tentando invadir a torre de Pengui, tentando derrotá-lo à base de ataques com espadas e flechas, mas Pengui é astuto e está bem protegido, revidando os ataques e fazendo uso de sua vantagem na torre. A grande sacada é que, apesar do ato de “vilania”, Pengui é justamente o personagem central do jogo, agindo como um “herói” para o jogador.

A jogabilidade segue o esquema de Tower Defense em 2D, deste modo, o jogador apenas deve impedir a entrada das forças reais que entram na torre. De acordo com Uálison, o jogo foi desenvolvido para viciar os jogadores, apesar do nível de dificuldade que vai elevando-se gradativamente.

Pengui Adventures foi pensado para plataformas Android, mas ainda não há uma data de lançamento definida. Enquanto isso, há o vídeo gameplay abaixo.

Pengui Adventures

V de Vinagre: sucesso em 2013 ganha nova versão com gráficos 2,5 D

Quem não se lembra do game “V de Vinagre”, sucesso em 2013 por satirizar a ação da Polícia Militar durante as manifestações que abalaram o país? O jogo da Flux Game Studio ganhou notoriedade por seu humor ácido e pela crítica social que fazia da situação – próprio título era uma referência aos jornalistas que foram detidos por trazer vinagres em suas mochilas. Pois bem, a Flux Game lançou a segunda versão do game, desta vez para aproveitar a nova onda de manifestações que ocorreram na cidade de São Paulo após o aumento das tarifas de ônibus.

A nova versão do game segue a mesma dinâmica da anterior: a polícia está perseguindo o jogador e quer descer o cacete nele porque ele está se manifestando pacificamente. Vale destacar que houve excesso por parte de alguns policiais nas manifestações, ainda que seja notório que houve a participação de alguns vândalos durante as manifestações.

“Entendemos que há um problema crônico com a abordagem da Polícia Militar do Estado de São Paulo em eventos majoritariamente pacíficos. Quando ocorreu a pancadaria no último dia nove de janeiro, vimos que o tema pode, e deve, ser idêntico – a truculência e exageros da PM não mudaram, então o vilão do V de Vinagre também se mantém”, explica Paulo Luís Santos, diretor da Flux Game Studio, desenvolvedora do jogo.

A primeira versão do game foi desenvolvida às pressas para aproveitar a pauta do momento. Desta vez, a Flux garante que houve um trabalho maior para garantir que o game seja mais refinado: os gráficos são em “2,5D”; as animações são mais fluídas; o game está maior (10 fases). Além dessas novidades, o título possui um sistema de customização de personagens, podendo misturar cabeças, torso e pernas de diversas personalidades desenhadas de forma caricata.

Há também itens coletáveis que desbloqueiam notícias bizarras sobre absurdos que acontecem no Brasil, em geral, sobre corrupção, mal uso de verba pública, ou fatos escabrosos. O que sofreu poucas mudanças foi a jogabilidade: manteve-se o estilo runner com comandos de pular e deslizar. Há objetos interativos nas fases que servem para derrotar os policiais e ganhar mais pontos.

O personagem principal é o mesmo – o manifestante com a máscara de Guy Fawkes. No entanto, conforme coleta vinagres, o jogador pode liberar novos personagens, que são sátiras de pessoas que vão desde jogadores de futebol até celebridades.

“Estamos vivendo um momento muito parecido com aquele junho de 2013, com a truculência diante das manifestações, mas a situação atual é ainda mais complicada: indignação com políticas públicas, cenário político conturbado, falta água e luz em São Paulo todos os dias. A coisa está feia! O V de Vinagre é um game calcado neste tipo de problema, então acredito que esta situação, por mais lamentável que seja, acaba potencializando o lançamento do novo V.”, afirma Santos.

O game foi lançado em janeiro somente para Android. De acordo com a produtora, há planos de levá-lo até outras plataformas se o desempenho for bom. A previsão é que em algum momento a Flux lance versões para iOS e Windows Phone.

Jogo da Bunda é lançado no Splitplay e terá torneio na Campus Party

O Jogo da Bunda é o destaque da vez. Não é piada! É assim que o novo título da desenvolvedora indie Big Green Pillow está sendo conhecido pelos jogadores. O nome oficial é Porcunipine e trata-se de um battle arena que coloca porcos-espinhos para se enfrentar com um único espinho cada. O game é bastante dinâmico e oferece três modos de jogo em nove arenas temáticas.

Entre os destaques estão: os seis personagens jogáveis; bots difíceis com habilidades sobre-humanas; tem suporte para controles Xbox (outros controles também) e trilha sonora feita pelo artista sueco Goto80.

Porcunipine está sendo lançado no Splitplay e até receberá destaque durante a Campus Party, graças a um campeonato que será realizado dentro do evento. Há suporte para até quatro jogadores simultâneos. O jogo é brasileiro e ganhou repercussão mundial após o famoso Youtuber Pew Die Pie lançar um vídeo de avaliação da obra com sua namorada. A partir da avaliação de Pew, o game ficou conhecido como “o jogo da bunda”, pois um dos personagens fica com as nádegas à mostra durante os embates.

Durante o torneio na Campus Party 2015, os jogadores concorrerão a diferentes brindes e bolsas de estudo para os vencedores. Quem não puder comparecer, pode acompanhar a competição de maneira remota pelo Twitch TV do Splitplay e Labindie que aconteceu nos dias 5 e  6 de fevereiro. Vale destacar que no dia 07 haverá uma entrevista de lançamento do Porcunipine com os criadores do projeto no Splitplay.

Pew Die Pie e o Jogo da Bunda

Legacy of Horus: game de RPG e aventura reconta lendas do Egito Antigo

O destaque da vez é o game Legacy of Horus do desenvolvedor indie Carlos Júnior. O game era conhecido pelos jogadores como Projeto Hórus e chamou a atenção por sua ambição e trama envolvente.

No game você controla um garoto de nome Yey que sai em uma missão no antigo Egito a fim de ganhar forças e habilidades que servirão para impedir as forças terríveis  do soberano Persa Seth, que escravizou e dominou as terras do Egito. O game é de estilo aventura com elementos de RPG com um mundo aberto. De acordo com os desenvolvedores, ele tem influências fortes da franquia Legend of Zelda.

Toda a aventura é pontuada por diversos puzzles e descobertas que ajudam a desvendar mistérios do Egito antigo. A trama é bastante densa e envolvente, de modo que ocupa bastante tempo do jogador até chegar ao seu final.

Legacy of Horus está em fase de produção e necessita de apoio da comunidade para ser concluído, de acordo com o desenvolvedor. Mais informações no site do game.

Trailer oficial de Legacy of Horus:


Desenho animado brasileiro Carrapatos e Catapultas ganhará versão em game

O desenho animado brasileiro Carrapatos e Catapultas têm feito relativo sucesso entre as crianças que assistem a TV Brasil, TV Cultura e a Cartoon Network. Não é segredo que há um game sendo desenvolvido pelo estúdio Cuca Games que é inspirado na animação. Pois bem, o estúdio  Cuca Games lançou oficialmente a página oficial do jogo no Facebook a fim de manter os fãs atualizados a cerca da obra.

De acordo com o estúdio, o game deve ser lançado oficialmente em fevereiro próximo. O que se sabe do jogo até o momento é que o jogador toma o controle de Bum e deve salvar o planeta Vaca que está em perigo iminente graças a uma invasão. Mais nada foi dito sobre como funciona o gameplay ou o enredo.

Ainda não foram anunciadas as plataformas em que o game será lançado. Porém espera-se que tenha versão para Android. Carrapatos e Catapultas será o segundo game do estúdio, que anteriormente lançou um jogo chamado Snail para Android. Este game não chegou a ficar muito conhecido, mas contava com um estilo artístico bastante arrojado.

A Cuca Games ainda não disponibilizou um vídeo gameplay, porém as novidades acerca do título devem surgir em breve. Conforme as notícias surgirem, a desenvolvedora manterá os fãs avisados através da página no Facebook.

Carrapatos e Catapultas