Arquivo da categoria: Indie

Conheça “Poracy: As Sombras da Natureza”, jogo inspirado em tribos da Amazônia

Nosso grande destaque do dia é mais um projeto brasileiro que presta homenagem ao folclore nacional. Trata-se de Poracy: As Sombras da Natureza, criado pelo desenvolvedor Kazuhira Mark. O título é uma ode ao folclore indígena com uma ambientação toda inspirada nas matas amazônicas e o jogador deve enfrentar sete bosses assustadores.

A trama leva o jogador ao passado, centenas de anos após um dos filhos de Taú e Kerana ser morto e o mal ser enfraquecido como um todo. Eis que a luz da lua é roubada do céu, o símbolo da derrocada do mal, e as forças da escuridão ganham força. Cabe a Poracy a árdua missão de derrotar as sete forças malignas que assombram as matas amazônicas e trazer a paz de volta a sua terra.

“Os povos indígenas da América Latina tem um folclore e um imaginário único e rico repleto de histórias e criaturas fantásticas que podem ser exploradas, em nosso jogo utilizamos de vários elementos de toda essa gama, além de traços do imaginário amazônico como um todo para construir um mundo rico em personagens e objetos para o jogador explorar e conhecer mais sobre a cultura dos povos pré-colombianos”, diz Marcus Paz, desenvolvedor de Poracy: As Sombras da Natureza.

O título tem inspiração nas criaturas e mitos da cultura guarani e da cultura Amazônica e cabocla. O mundo do jogo é fictício, bem como o povo retratado na aventura, que é inspirado em várias culturas como marajoara, tupinambá e assurini, contando com reimaginações de conceitos retirados dessas culturas. O objetivo foi construir um universo novo com base na cultura nacional.

A missão principal do jogo gira em volta do mito de Tau e Kerana onde a protagonista deverá derrotar os 7 bosses para completar a sua missão e restaurar a paz em sua terra. Há outras missões secundárias durante a aventura e o jogador estará ocupado durante muito tempo.

De acordo com o time de criação, Poracy terá um “story-telling” semelhante a “Metal Gear Solid Peace Walker” e “Valiant Hearts” em que as “cutscenes” da história são em quadrinhos separados da “Gameplay” em si. Além disso, a jogabilidade será de RPG em terceira pessoa como no vídeo em anexo.

Poracy: As Sombras da Natureza ainda está em fase de crowdfunding via Catarse e deverá ser publicado mesmo que a meta não seja batida. A expectativa é que a meta de R$ 10 mil seja arrecadada para aumentar a qualidade da produção e agilizar todo o processo criativo. O game tem previsão de lançamento para dezembro de 2018.

Abaixo você confere um trailer de Poracy: As Sombras da Natureza:

 

Conheça o jogo “O Celular do Surto” que orienta as crianças sobre os perigos das fake news

Nesses tempos obscuros as Fake News se proliferam como água. Uma das responsabilidades de todos é combater a onda de notícias falsas. Foi pensando nisso que a equipe do filme Tito e os Pássaros criou o jogo O Celular do Surto, inspirado no filme de animação. Basicamente o jogo utiliza interfaces inspiradas nas redes sociais mais famosas como Facebook, Twitter e Instagram e tenta assustar os jogadores com notícias alarmantes. A expectativa é que pais, professores e educadores podem baixar conteúdo explicativo para auxiliar no ensino. A equipe do longa-metragem brasileiro de animação.

O Celular do Surto funciona em celular e desktop e disponibiliza um arquivo com conteúdo explicativo para auxiliar pais, professores e educadores no ensino das crianças. O objetivo é familiarizar as crianças com as fake news e mostrar os pequenos como distingui-las. A tarefa pode parecer simples, porém muitos adultos acabam caindo também no fenômenos das notícias inverídicas.

O filme Tito e Pássaros só vai estrear em circuito comercial no ano que vem, mas os desenvolvedores acreditam que lançar o produto antes da decisão final eleitoral é uma boa forma de ensinar as crianças de forma lúdica o que são fake news e outros problemas das redes sociais. Outro destaque é que o jogo traz temas diferentes e complementares ao filme e também de começar a conhecer Tito e seus amigos antes de vê-los no cinema.

O Celular do Surto é composto por seis versões de aplicativos com os quais o jogador deve interagir para identificar mentiras, boatos, exibicionismos, discursos preconceituosos e violentos. O objetivo é não se deixar enganar e manter a sanidade. A cada engano, o jogador diminui seu nível de coragem até chegar ao nível de contágio (a doença do medo mostrada no filme “Tito e os Pássaros”) em que ele se transforma em pedra e perde o jogo.

Se o jogador consegue sobreviver, acertando as interações dentro de cada app, finaliza o game e recebe uma devolutiva sobre seu desempenho. Para jogar, basta acessar a página oficial, onde o jogador vai encontrar quatro simulações de apps disponíveis, cada um com sua própria mecânica:

  • Fakebook: Postagens verdadeiras e falsas desafiam o jogador a curtir o que é real e a identificar as mentiras. Os jogadores podem confirmar as fontes no motor de procura do jogo (o Bubble) para verificar se as postagens são verdadeiras.
  • Instapanic: O jogador deve identificar quais imagens são montadas e quais são verdadeiras.
  • Twistter: O jogador deve identificar quais assuntos devem ser replicados e quais não.
  • Candy Crash: Coloca ao jogador a pergunta sobre quanto vale a pena jogar um jogo viciante quando há coisas mais importantes a fazer.
  • Zap Messenger: No grupo dos amigos do Tito, o jogador recebe instruções sobre o jogo e sobre o que fazer nos outros aplicativos.
  • Spotifear: O controle das configurações de áudio (volume da trilha e efeitos sonoros, com trilha do filme “Tito e os Pássaros”).

 

Sobre o filme

Tito e os Pássaros trata da história de um menino, Tito, que se lança na missão de salvar o mundo de uma epidemia incomum: as pessoas ficam doentes ao sentirem medo. A direção é de Gustavo Steinberg, André Catoto e Gabriel Bitar. No Brasil, o longa teve sua primeira exibição no último Anima Mundi, em julho, que inclusive lhe rendeu o prêmio de melhor longa infantil. O lançamento de “Tito e os Pássaros” está previsto para o primeiro semestre de 2019; a distribuição será feita pela ELO Company. Mais informações aqui.

Deliverace é destaque da Skyjaz na Brasil Game Show 2018

O jogo Deliverace, da produtora paulista Skyjaz, será um dos destaques da área indie da Brasil Game Show 2018, o maior evento de games da América Latina. Durante a feira, os visitantes poderão testar o game em primeira mão e conversar com os produtores. O plano dos desenvolvedores é lançar o titulo no dia 12, aproveitando todo o impacto positivo da feira.

Deliverace é um game de batalha de carros online, e o primeiro do Brasil com modo battle royale. O título relembra os classicos Vigilante 8 e Twisted Metal com uma pitada de Pickup Express. Ele é exclusivo para PC e poderá ser adquirido via Steam gratuitamente. O game tem deixado ótimas impressões graças ao seu clima caótico e ao cuidado que o estúdio tem dado para não descaracterizar o estilo battle royale.

O estande da Skyjaz Games estará localizada na Área Indie da BGS e contara com duas máquinas para os jogadores testarem Deliverace livremente, podendo até jogar juntos na mesma partida. A fila será organizada por ordem de chegada. A Brasil Game Show acontece em São Paulo, no Expo Center Norte, de 10 a 14 de outubro.

Deliverace

O título recebeu o Greenlight no Steam em menos de 20 dias. Então é um tipo de jogo que a comunidade gamer queria há bastante tempo. Convidamos a todos os visitantes da Brasil Game Show que passem no nosso estande para conhecer Deliverace, diz Jasiel Junior, CEO e sócio-fundador da Skyjaz Games.

O game possui quatro modos únicos de jogo: Delivery Express, Capture and Hold, e Battle Royale. Cada um com suas particularidades e objetivos específicos. Em Delivery Express, o piloto precisa entregar o maior número de Cargas e um determinado checkpoint. Em Truck Survival, um jogador será sorteado para ser um Carro Forte, e os outros jogadores precisam pará-lo de qualquer maneira. Em Capture and Hold, é necessário proteger a Carga Valiosa dos adversários até o fim da partida. E, no Battle Royale, 24 jogadores jogam cada um por si numa cidade delimitada. Apenas o último sobrevivente será o vencedor.

Além de precisar de agilidade como piloto, o jogador terá outras ferramentas à disposição para ajuda-lo a chegar à vitória. Uma delas é o canhão, ou torreta, montado no teto dos carros. Além disso, é possível personalizar os carros com novas qualidades mecânicas, como motores melhores, maior força de frenagem, capacidade de carga e economia de combustível. Você consegue maiores informações na página do game na Steam e no site da Skyjaz.

Abaixo tem um trailer de Deliverace:

Fábrica de Jogos organiza Game Jam neste final de semana

Marque aí na sua agenda: nesta sexta-feira (05/10) o site Fabrica de Jogos irá organizar uma Game Jam de 48 horas para que os participantes criem um jogo sob um tema específico a ser definido no dia. O objetivo do evento é promover um espaço de rede de contatos, aprendizagem e união entre desenvolvedores de jogos iniciantes a mais avançados. O evento também conta com o apoio do Blog Diogo Pimenta, a Escola Brasileira de Games e do Marcos Game Dev.

O evento é gratuito e aberto ao público e totalmente digital. Deste modo, não será uma Game Jam com espaço físico definido. O tema será apresentado em uma live do youtube no canal do Fábrica de Jogos. A partir deste programa, os participantes terão até às 21hs do dia 07 de outubro para entregar um jogo completo a partir do tema informado. Esta live ocorrerá entre 20:30 e 21:00 do dia 05 de outubro, antes do evento. Todas as atividades e compartilhamento de ideias entre equipes ocorrerá no servidor Discord do Fábrica. Também será nesse espaço que terão contato com os mentores, ou seja, pessoas que já participaram do Fábrica e que tem experiência em games nas áreas de game design, arte e programação.

Esses mentores ajudarão os participantes nos projetos a serem criados e orientarão nas dúvidas durante a Game Jam. Para participar há algumas regras: você deve ser estudante brasileiro que estuda independente (sem vínculos institucionais) ou que pertence a uma instituição de ensino pública ou privada nacional, todos desenvolvedores que não são profissionais. Outras pessoas fora desse escopo podem participar, porém não concorrerão a menções honrosas que valem prêmios nem serão avaliados para essa premiação pelos mentores.

De acordo com o Fábrica, caracteriza-se profissional como alguém que trabalha já em estúdios de jogos ou que já tenha um portfólio de jogos com vendas significativo. Portfólio de 3 jogos profissionais e 2 anos de experiência ou de abertura da empresa. Os jogos, para participar de menções honrosas e premiações, precisam ser nas plataformas web e PC. Podem desenvolver em outras (inclusive jogos analógicos), porém não serão avaliados para premiação nem menções honrosas.

Ainda de acordo com os organizadores, os softwares de desenvolvimento do jogo do evento são livres. É possível também os participantes fazerem lives na comunidade Twitch do Fábrica, compartilhando o seu desenvolvimento durante o evento. Para participar, basta ler o regulamento contido no site e ver procedimentos de inscrição. Recomenda-se atenção a esses detalhes, pois eles podem custar sua classificação no evento para as próximas etapas.

 

Serviço – Game Jam Fábrica de Jogos

 

Onde: Lives no Youtube do Fábrica e Participação via Discord

Quando: 21:00 de 05/10/2018 até 21:00 de 07/10/2018 (48 horas)

Quanto: Gratuito

Quem pode participar: Estudantes brasileiros de instituições de ensino público e privadas ou autônomos nos estudos. Outros fora desse público podem participar, porém não concorrem a menções, prêmios nem serão avaliados pelos mentores.

Regulamento: https://www.even3.com.br/gamejamfabrica2018

16º Encontro Game Developers Brazil discute o uso de games na saúde e no desenvolvimento infantil

Na próxima quarta-feira (26 de setembro), a cidade de São Paulo irá recebe o 16º Encontro de Game Developers Brazil, um encontro de desenvolvedores de jogos nacionais que visa debater alguns aspectos de nossa indústria. Na edição deste ano, o evento recebe o Bruno Tachinardi, Co-fundador e Diretor de Produtos da Startup Fofuuu, para compartilhar um pouco da sua experiência e contar um pouco da trajetória da Fofuuu, que recentemente foi premiada durante o BIG Festival 2018 com seu jogo Fófuuu, na categoria de melhor jogo infantil.

O grande tema discutido por Tachinardi é a interação entre games e a sua usabilidade para a saúde. Basicamente o desenvolvedor irá discutir como os games podem ajudar no tratamento de crianças com Lábio Leporino, Síndrome de Down, Autismo, Apraxia e Atraso na fala. O executivo conta ainda como é possível unir fonoaudiologia, neurociência e o lúdico dos games para ajudar na saúde e desenvolvimento infantil de milhões de crianças com distúrbios da comunicação.

 

O encontro é uma ótima oportunidade para se conhecer os desafios que os desenvolvedores encontram para criar um produto que engaje e conecte pais, fonoaudiólogos e crianças no tratamento, que vai desde o design pensado para múltiplas personas, inovações tecnológicas envolvendo Inteligência Artificial e Realidade Aumentada, além de estudos acadêmicos e comprovações científicas da eficiência dos jogos na terapia. Você consegue mais detalhes através da página da Fofuuuno Facebook.

Além de Bruno Tachinardi, o Encontro de Game Developers Brazil também recebe Pedro Bruno (PBoss) que atualmente trabalha na Fofuuu e irá compartilhar um pouco de sua experiência e trajetória no mercado de games. O evento irá acontecer no auditório da Alura, próximo ao metrô vila mariana.

Para participar do evento você deve trazer sua carteira de identidade. Leve também cartões de visitas e blocos de notas para o networking e anotações. As vagas para o evento são limitadas, portanto é recomendado que se não puder comparecer ao evento (e já tiver confirmado presença) libere a vaga para outros membros da comunidade. Se no momento de sua inscrição as vagas estiverem lotadas, você pode ficar na fila de espera, e assim que uma vaga for liberada ela será disponibilizada aos membros da fila de espera.

Obs: Mesmo que não consiga uma vaga, recomendamos tentar dar uma passada pelo local do evento para checar se houve alguma desistência de última hora.

 

Sobre o GDBR

O Game Developers Brazil foi fundado com o intuito de aproximar profissionais e entusiastas da área de jogos, passando por desenvolvedores, artistas, músicos, roteiristas, dubladores, game designers, estudantes, e demais profissionais da área. Nosso objetivo e ser ferramenta na construção desta indústria no Brasil.

O Game Developers Brazil tem uma curadoria que busca em seus eventos, conteúdos relevantes e inspiradores para ser transmitido em nossos eventos. Para isso sempre levamos players renomados na indústria de games.

 

Serviço – 16º Encontro Game Developers Brazil

Quando: 26 de setembro de 2018 (19:00 até 22:00)

Onde: Auditório Alura – R. Vergueiro 3185 – 2º Andar · São Paulo

Inscrições: https://www.meetup.com/pt-BR/Game-Developers-Brazil/events/254875562/

Quadrinho de Aritana é selecionado para o evento Banca de Quadrinistas, do Itaú Cultural

Aritana e a Pena da Harpia foi um megassucesso de crítica e vendas desde que foi lançado e isto gerou a sequência Aritana e as Máscaras Gêmeas. Agora é a hora do projeto ganhar uma extensão para os quadrinhos. De acordo com a DUAIK Entretenimento, criadora do jogo, a história em quadrinhos foi selecionada para exposição no evento Banca de Quadrinistas, que tem apoio do Itaú Cultural e acontecerá em São Paulo, no próximo dia 15 de Setembro.

O evento, que reúne 50 quadrinistas, é referência no setor e dá oportunidade para que os artistas possam apresentar suas produções para o público. Além de ser o primeiro quadrinho desenvolvido pela DUAIK, é a primeira ação da empresa para expansão da franquia Aritana para novos formatos. Esses quadrinhos precedem o lançamento do Aritana 2, que está com data prevista de pré-venda para fevereiro de 2019 para o XBOX One.

Desde a sua concepção, Aritana 2 foi desenvolvido utilizando o conceito transmídia, tanto é que a proposta aprovada pelo edital da SPCINE em 2016/2017 já contemplava a história em quadrinho, possibilitando a criação de um conteúdo que viesse de encontro ao mundo fantástico gerado pelo universo do jogo.

“Quando o projeto foi aprovado, contratamos o roteirista Rodolfo Parra, que foi responsável por criar os roteiros para o jogo e para a HQ.  Ele mergulhou no universo Aritana para alinhar a história e criar os ganchos que permitiram aprofundar o roteiro interligando os acontecimentos de Aritana e a Pena da Harpia e Aritana e as Máscaras Gêmeas”, contou Rodrigo Módena, CEO da DUAIK Entretenimento. “Depois disso, dois novos profissionais, Álvaro Costa e Gustavo Santos foram incorporados ao time da HQ e foram os responsáveis por trazer vida ao roteiro, criando os conceitos gráficos e uma colorização única, que foi capaz de levar com maestria o universo virtual de Aritana para as páginas do quadrinho”, completou.

Todo o processo foi acompanhado de perto pela equipe de desenvolvimento de Aritana e as Máscaras Gêmeas, garantindo que tudo estivesse conceitualmente coerente dentro de um único universo e possibilitando, inclusive, a utilização dos quadrinhos para o aprofundamento da história.

Com isso, nasceu a mini-série de quadrinhos Aritana, explorando a origem dos personagens e das armas que fazem parte integrante desse universo. Ao todo, serão lançados três capítulos (Guardiões da Ypy, Artefatos do Poder e Merecedor). O primeiro lançamento acontecerá no dia 15 de setembro, durante o evento Banca de Quadrinistas no Itaú Cultural, enquanto o seguinte será lançados no decorrer do ano de 2018 e o último em 2019, ano de lançamento do jogo para XBOX.

O primeiro quadrinho terá versão premier impressa à venda durante o evento de lançamento no dia 15/09 às 13h30 no Itaú Cultural.  Porém no mesmo dia o quadrinho em formato digital estará disponível no site da DUAIK (disponível a partir do dia do lançamento). Assim como os demais capítulos serão lançados nas suas respectivas datas, tanto em português, quanto inglês. Os interessados poderão baixá-lo diretamente para qualquer dispositivo mobile ou computador gratuitamente.

 

Aritana e as Máscaras Gêmeas:

Um misterioso mascarado está prestes a destruir a Grande Árvore Ypy, utilizando de um antigo poder para corromper tudo ao seu redor. Enquanto isso, a busca pelo poderoso cajado do pajé Raoni leva Aritana ao templo que abriga Ypy e que agora corre grande perigo.

O destino de Aritana será guiado pela antiga guardiã do templo, a Artesã, e juntos precisam impedir que o mascarado alcance o topo do templo e destrua Ypy. No caminho, Aritana provará novamente seu valor enfrentando novos desafios e portando uma nova arma, o arco e flecha.

 

 

Agenda: Banca de Quadrinistas

Data: 15/09/2018

Horário: 13h30 às 19h30

Local: Itaú Cultural (Av. Paulista, 149 – Bela Vista São Paulo)

Mais informações sobre o evento: Clique aqui

 

Review – Sword Legacy: Omen – visuais matadores e narrativa empolgam

Aventuras com temática medieval fazem sucesso há muito tempo e nenhuma aventura é mais famosa do que o conto do Rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda. E é justamente essa ambientação a inspiração para a produção de Sword Legacy: Omen, nova produção conjunta dos estúdios indie Firecast e a Fableware Narrative Design. O título busca recontar a saga de Arthur através de uma nova perspectiva e com uma ambientação muito mais brutal. O game chegou à Steam no último dia 13 de agosto para alegria de quem acompanhou o período de desenvolvimento do game.

A introdução mostra que o reino da Breatnha está dividido em cinco reinos distintos e o sentimento de “terra decadente” é palpável. Nesse ínterim o jogador é apresentado ao comandante Uther Pendragon, que se une ao mago Merlim para escapar de um cerco organizado pelo Duque de Essex. Durante a fuga, a dupla acaba se aliando a improváveis companheiros como o lanceiro Duanne e a ladra Gwen, o sacerdote Felix, a arqueira Flint, o ferreiro Gorr e o bárbaro Ferghus. O macete é que esse time acaba desempenhando papel importante para a tomada do trono pelo Rei Arthur.

Um show gráfico inspirador

A primeira coisa a chamar as atenções em Sword Legacy é seu estilo gráfico em cell shading. Os ambientes e os traços são de cair o queixo e dificilmente você não ficará embasbacado com a riqueza de detalhes que os desenvolvedores empregaram na produção. Em alguns momentos, o jogador vai sentir como se o jogo fosse um quadrinho interativo. Isto é proposital: os diálogos e os ângulos de câmera sugerem inspiração em visual novels dos anos 90.

Após o choque inicial dos gráficos, o jogador toma os controles e percebe que o game segue a cartilha dos RPGs mais contemporâneos, sem deixar suas raízes de lado. Os combates são por turnos e cada personagem do grupo possui habilidades próprias, de modo que montar um time competitivo é primordial para derrotar tantos adversários que surgem nas masmorras. As habilidades individuais, aliás, foram desenvolvidas de modo a refletir a personalidade dos personagens. E sim, a personalidade dos personagens é explorada em cenas interativas.

Exploração de cenários e esquema de batalhas

O interessante mesmo é o foco que Sword Legacy dá para a exploração dos cenários. Você controla até quatro personagens durante a exploração e você pode alternar entre eles a qualquer momento. Todavia, você apenas pode selecionar o personagem ou gerenciar seus atributos antes do início das missões, o que quebra um pouco a liberdade do jogador.

Em alguns momentos o jogador vai sentir-se deslocado, imaginando se os combates não deveriam seguir em tempo real, como ocorre em Diablo III, por exemplo, ao invés de ter a movimentação paralisada para batalhas por turnos, que podem. Por mais de uma vez o jogador vai preferir que a ação não fosse paralisada para batalhas por turno. Pois é a exploração é muito divertida. Você vai passar bons momentos procurando itens escondidos, resolvendo puzzles e desarmando armadilhas.

Ainda que o esquema de batalha por turnos pareça fora de contexto, o jogo consegue ser competente neste aspecto, pois as batalhas não costumam demorar muito e evoluir o nível dos personagens não chega a ser tão difícil. Tudo gira em torno dos Action Points (que é administrada antes de iniciar uma missão). Esses pontos definem quantas ações o jogador pode executar e quais podem ser realizadas. Como se aproximar ou atacar um inimigo no mesmo turno, por exemplo. É necessário malícia e estratégia antes de iniciar uma missão, pois Sword Legacy não preza apenas pela força bruta.

Como funcionam os AP?

E aqui vale uma menção: parece que os desenvolvedores buscaram inspiração mais em jogos de tabuleiro do que em RPGs de turno tradicional. Além dos (AP) Pontos de Ação, o jogador ainda deve administrar os pontos de determinação, que são usados basicamente para “comprar” mais pontos de ação. Esses pontos de determinação, são mais escassos e podem definir os rumos de uma batalha, de modo que o jogador deve usar sabedoria antes de desperdiçá-los.

E o jogador vai precisar de paciência extra para sobreviver às batalhas, já que o nível de dificuldade não mantém uma constância. Alguns encontros com inimigos são fáceis demais, enquanto que outros são tão difíceis quanto batalhas com chefões. Faltou um pouco de nivelamento neste aspecto, o que pode ser frustrante para qualquer jogador.

Nem tudo são flores

Sobre a trilha sonora, aqui vale um destaque especial: os temas são orquestrados e empolgam bastante. Não chegam a surpreender o jogador, porém elas garantem que ninguém vai dormir durante a aventura (e nem nas batalhas). Entretanto, os estúdios poderiam ter se esforçado mais no aspecto sonoro, já que os personagens não foram dublados. Na verdade, os personagens apenas emitem sons estranhos.

Vale a compra?

Mesmo com pontos extremamente negativos e outros positivos, Sword Legacy: Omen é um jogo que merece atenção de fãs de RPG e do público em geral que curte exploração e batalhas estratégicas. Por vezes o jogador vai sentir que os desenvolvedores tiveram preguiça em alguns pontos, todavia nos momentos de inspiração o jogo acaba prendendo o jogador.

Basicamente temos uma montanha russa aqui. O detalhamento gráfico e a ousadia em alternar gêneros tão distintos são fatores que devem ser levados positivamente. A trama é bem interessante e a narrativa não deixa a peteca cair. Vale a compra!

O game está disponível na Steam.

Abaixo tem o trailer de Sword Legacy: Omen:

 

O melhor: visuais cartunescos matadores.

O pior:  falta de dublagem.

 

Hoplon anuncia data do lançamento oficial de Heavy Metal Machines e lança novo trailer

Após alguns meses de árduo trabalho, a Hoplon finalmente esta pronta para o lançamento de Heavy Metal Machines, o jogo que mistura as corridas de destruição à lá Rock ‘n Roll Racing e o gênero MOBA. O jogo estará disponível em versão completa no próximo dia 19 de setembro através da Steam. Vale lembrar que a versão demo já teve mais de 8oo mil downloads desde seu lançamento em janeiro de 2017.

De acordo com Tatiana Moreira, gerente de marketing da Hoplon, esse período em acesso antecipado permitiu melhorar bastante os aspectos técnicos do game como a jogabilidade e os gráficos. A expectativa é que quem jogou a versão demo sinta uma diferença grande em relação ao jogo final. A Hoplon promete ainda que não abandonara o suporte a Heavy Metal Machines após o lançamento, lançando novas atualizações e tornando o jogo ainda mais competitivo. “A partir de 19 de setembro, os jogadores poderão curtir uma série de aprimoramentos que fizemos em Heavy Metal Machines, tanto do ponto de vista gráfico quanto de mecânicas de jogo”, disse Tatiane Moreira.

HoplonA versão completa de Heavy Metal Machines terá um visual renovado desde o layout da loja, menus e tela de pick, que receberá uma arte exclusiva de um carro em 3D. Já o sistema de progressão de níveis, chamado de “Metal Pass” será totalmente novo e baseado em temporadas. Os jogadores começarão no nível 1 e poderão avançar até o nível 50, de duas formas: free e premium, sendo que o modo premium é pago e dará missões semanais com recompensas mais valiosas aos jogadores.

De acordo com a Hoplon, independentemente do tipo de progressão escolhida, conforme melhoram em Heavy Metal Machines, os jogadores poderão ganhar lores (histórias), personagens, skins, sprays, efeitos (largada, abate, reconstrução e pontuação), bordas do avatar, fama (dinheiro do jogo) e artwork. Na versão premium, ainda haverá recompensas em cash.

“O lançamento de Heavy Metal Machines coroa os anos de dedicação de um time talentoso da Hoplon de mais de 80 pessoas, que seguirá trabalhando duro para oferecer uma experiência cada vez melhor e mais completa à comunidade”, disse Rodrigo Campos, CEO da Hoplon. “Desde o início do projeto, buscamos fazer algo memorável, que trouxesse singularidade e inovação ao cenário de jogos competitivos gratuitos, e estamos orgulhosos do resultado”.

Para acompanhar as novidades da Hoplon e do game, acesse o site.

Abaixo tem o novo trailer de Heavy Metal Machines:

 

Mad Mimic revela o novo jogo Turma da Mônica e a Guarda dos Coelhos

Durante o evento Game XP, no Rio de Janeiro, o pessoal da Mad Mimic (No Heroes Here) anunciou seu novo jogo Turma da Mônica e a Guarda dos Coelhos, fruto da parceria com a Mauricio de Sousa Produções. O titulo marca o retorno dos personagens da Mônica aos jogos eletrônicos após um hiato de vários anos.

Assim como No Heroes Here, o novo jogo da Mad Mimic é do gênero tower defense, com o destaque de colocar a turma da Mônica em uma missão de proteger castelos de uma horda de sujeira. É possível jogar em modo co-op em ate 4 jogadores simultâneos. Os personagens Monica, Cebolinha, Cascão e Magali devem usar suas habilidades e trabalhar em equipe a fim de evitar que os invasores levem as relíquias do castelo.

Para garantir sucesso na missão, você deve usar de todos os recursos possível, como pólvora, coelhos mágicos e ate canhões de coelho. De acordo com a Mad Mimic, muito do gameplay se baseia em usar as melhores estratégias e dividir tarefas para derrotar os invasores. Você deve produzir pólvora, criar coelhos mágicos e disparar os canhões antes que os inimigos mudem suas estratégias. O segredo é estar sempre um passo à frente dos inimigos.

Toda a produção de Turma da Mônica e a Guarda dos Coelhos está sendo feita no Brasil, com todo o apoio de Mauricio de Sousa e sua equipe criativa. A intenção é criar um jogo que preste homenagem a todo o legado da obra ao mesmo tempo que utiliza a expertise da Mad Mimic para criar um jogo com identidade própria.

A Mad Mimic esta utilizando todo seu aprendizado conquistado em No Heroes Here para esta nova produção. Vale lembrar que o NHH foi vencedor na categoria Melhor Jogo Brasileiro no Big Festival 2018. Não por acaso, Turma da Mônica e a Guarda dos Coelhos lembra bastante o jogo retro mencionado, inclusive contando com estilo pixel art.

Poder trabalhar com o desenvolvimento de um jogo baseado na propriedade intelectual da Turma da Mônica é algo tão fantástico como viver uma das fantásticas histórias vistas nos gibis da turminha”, afirmou Luis Tashiro, Diretor Executivo da Mad Mimic Interactive. “Esse jogo é uma oportunidade incrível para nós da Mad Mimic não apenas por ser tratar do retorno da Turma da Mônica aos games, mas também por ser feito por fãs e para fãs destes tão amados personagens. Aqueles que gostam de juntar os amigos para uma boa diversão multiplayer ficarão muito felizes em poder viver essa grande aventura chamada Mônica e a Guarda dos Coelhos”, complementou Tashiro.

Turma da Monica e a Guarda dos Coelhos será lançado ainda em 2018 para PCs via Steam, Playstation 4 e Nintendo Switch. Mais detalhes devem ser anunciados no site da Mad Mimic.

Abaixo tem o trailer de Turma da Mônica e a Guarda dos Coelhos:

 

Conheça Fluffy Horde, o premiado jogo indie que mistura gêneros RTS e Tower Defense

Hoje vamos falar sobre o jogo indie brasileiro Fluffy Horde, criado pelo estúdio Turtle Juice. Basicamente trata-se de um side-scrolling em 2D que mistura elementos de RTS (estratégia em tempo real) com tower defense em que o jogador deve impedir que um terrível Shaman conquiste os três reinos com sua trupe de coelhos!?

A jogabilidade é inspirada em jogos de estratégia em tempo real como Warcraft: Frozen Throne e Age of Empires e outros jogos Tower Defense como Kingdom Rush e Plants vs. Zumbis. O mais interessante é o estilo em pixel art, que agrada bastante fãs de jogos retro, porém com mecânicas inspiradas em jogos mais recentes.

A horda mágica de coelhos é quase infinita, de modo que o jogador precisa bolar estratégias incríveis para impedir a vitória do Shaman. O plot é extremamente improvável, o que dá a Fluffy Horde uma identidade própria e um fator humor bastante pungente. Este é um dos poucos games que misturam gêneros de maneira tão criativa.

Não por acaso, o título foi bastante reconhecido na Gamepolitan, tendo recebido o prêmio de Melhor Tecnologia e finalista em três outras categorias no festival (melhor narrativa, melhor som, melhor arte); e vencedor ainda na SJECC para melhor design de jogos e melhor arte. Fluffy Horde é o primeiro jogo brasileiro financiado pela Humble Bundle.

De acordo com os produtores, Fluffy Horde (em sua versão final) contará com um modo campanha extenso: são 4 Mundos ao todo, o que contabiliza mais de 100 levels para você jogar. Inclusive há batalhas contra chefões bastante desafiadoras. O game ainda conta com um modo multiplayer online para quem quer desafiar os amigos.

O lançamento oficial de Fluffy Horde está agendado para 7 de novembro de 2018 para PC na Steam, Gog e Humble Store (Windows, Mac e Linux). Mais informação no site do game.

Abaixo tem o trailer de Fluffy Horde: