Arquivo da categoria: Destaque

Os destaques da semana do GameReporter

Saraiva e Sony organizam encontro para fãs para o lançamento de God of War em shopping de São Paulo

O espartano mais casca grossa do mundo está de volta! God of War já é considerado um dos maiores lançamentos do ano e para celebrar a volta de Kratos a Sony e a Saraiva organizam hoje (19/04) um evento de lançamento especial às 21h, na Saraiva do Shopping Pátio Paulista. O evento contará com programação especial, com bate-papo com os influenciadores Ishiro, do Casamento Nerd, Rik, e os integrantes do Novo Nerd.

De acordo com a Saraiva, haverão diversas atividades para que os fãs possam experimentar e conhecer um pouco mais sobre o jogo para PS4.

Programação completa:

21h às 22h: bate papo com Influenciadores Ishiro, do Casamento Nerd, Rik, e os integrantes do Novo Nerd

22h: liberação do GAMEPLAY do novo God Of War para participantes
00h: início das vendas do jogo

 

O novo jogo coloca Kratos em uma aventura por terras nórdicas, tendo de enfrentar criaturas poderosas e mais letais que antes. Vivendo como um homem, fora da sombra dos deuses, Kratos deve se adaptar a terras desconhecidas, ameaças inesperadas e a uma segunda oportunidade de ser pai. Junto ao seu filho, Atreus, os dois vão se aventurar pelas selvagens florestas nórdicas e lutar para cumprir uma missão pessoal.

 

Serviço – lançamento God of Está na Saraiva

Quando: 19/04/2018 a partir das 21hs
Local: Saraiva Shopping Pátio Paulista – Rua Treze de Maio, 1947 – Piso Paraíso

PlayTable – Games interativos para pedagogia hospitalar são destaques da Hospitalar 2018

Já falamos inúmeras vezes o quanto os jogos digitais e suas aplicações são importantes para a àrea médica. Uma das empresas mais focadas nessas interações é a Playmove, criadora da PlayTable, a mesa digital que tem foco no aprendizado e integração de crianças mais jovens. A PlayTable é um dos destaques da feira Hospitalar 2018, evento que mostra as novas pesquisas da área da saúde. Esta é a primeira que a Playmove participa do evento.

A feira Hospitalar 2018 acontece entre os dias 20 a 25 de maio em São Paulo (SP) e deve reunir mais de 90 mil visitantes de mais de 70 países. A ideia da produtora é mostrar como os jogos digitais podem ser ferramentas de aprendizado para crianças a partir de três anos. Entre as opções a serem mostradas no evento estão games que seguem a matriz curricular brasileira e englobam lições relacionadas às disciplinas de português, matemática e ciências, que formam a base do ensino fundamental.

Um dos jogos participantes é o Guardiões da Natureza, que fala sobre a fauna brasileira e é um instrumento de apoio à aprendizagem relacionada ao tema, como a característica dos animais que compõem o bioma. Outros jogos também fazem parte da mostra, como o Papa-Letras e o Alfabééto, que auxiliam na alfabetização e são ideais para utilização também na pedagogia hospitalar. Um exemplo de utilização da mesa é o Hospital Santo Antônio, de Blumenau (SC), que integra os jogos ao ensino regular voltado a crianças com internação prolongada. Outra entidade que utiliza o equipamento para entretenimento e educação é a Rede D’Or. A ideia é tornar o tratamento médico mais tranquilo para os pequeninos.

A PlayTable utiliza uma superfície sensível a vários toques a fim de facilitar o uso por crianças com dificuldades motoras ou uso de cateteres, soros, curativos e outros materiais hospitalares. O portfólio de jogos apoia no desenvolvimento de habilidades motoras e cognitivas. A Playmove espera que a tecnologia seja utilizada de modo a tornar o aprendizado mais rápido e divertido, de modo que crianças em tratamento médico prolongado não tenham o aprendizado interrompido por sua condição.

“Além de trazer um ambiente lúdico, que deixa a criança mais confortável durante o tratamento e a tira do foco do seu problema de saúde, os jogos também ajudam o profissional responsável por aplicar as lições educacionais. Temos games com conceitos matemáticos, de português, ciências, geografia e até mesmo educação financeira”, diz Marlon Souza, CEO da Playmove. Mais informações no site da empresa. O cronograma da Hospitalar 2018 pode ser visto aqui.

Ferreiros e Alquimistas – jogo brasileiro reconta a história da tribo indígena Tayronas da Colômbia e o processo de alquimia para criar o ouro de tolo

O jogo Ferreiros e Alquimistas é um daqueles projetos educativos que transcendem a barreira e o preconceito que muitos jogadores têm com jogos do gênero. O game é uma verdadeira aula de história e química, apesar de ter cara de um adventure moderno. Aqui o jogador entra na pele de uma jovem da tribo Tayrona, que deve utilizar seus conhecimentos em alquimia para forjar o famoso “ouro” de Tumbaga. O game nasceu de um projeto da UFRGS e já conquistou bastante aclamação desde o ano passado.

O game é uma analogia ao que o povo Tayrona fazia na época dos conquistadores espanhóis. Nativos da região da Colômbia, os Tayronas viviam.pacificamente até os espanhóis chegarem e passarem a exigir o ouro da região. A partir de seus conhecimentos da região, os Tayronas faziam expedições para buscar elementos químicos a fim de criar a liga Tumbaga, composta de ouro e cobre, a liga mais usada entre os ourives pré-hispânicos do território colombiano.

Para isso, o jogador deve coletar diferentes itens em determinados locais do relevo colombiano, tais como lagos, montanhas, cavernas e a vegetação nativa. Ao todo são três objetivos a serem cumpridos nesta primeira fase do game: produzir o espelho de Tumbaga, criar um colar de Tumbaga e a criação de uma escultura da mesma liga. Cada uma dessas etapas necessita de um processo específico, como polir ouro, coletar cera de abelha, ou adquirir argila. Cada um desses processos replica as etapas que os verdadeiros Tayronas faziam para entregar o ouro aos espanhóis.

Na época de colonização da América do Sul os espanhóis estavam surpresos com a quantidade de ouro que os Tayronas possuíam, mas o que eles não sabiam era que todo o material era composto por 95% de cobre e apenas 5% de ouro. Acontece que no processo de alquimia, os indígenas realizavam uma infusão feita com uma planta chamada chulco, que fazia com que a superfície em cobre fosse corroída e deixasse à mostra apenas os átomos de ouro na parte exterior. Quando os espanhóis descobriram o engodo começou uma tensão entre os povos. Foi daí que surgiu a expressão ouro de tolo.

Ferreiros e Alquimistas foi desenvolvido por um grupo pertencente ao NAPEAD (Núcleo de Apoio Pedagógico à Educação a Distância da UFRGS), com liderança do professor de química Marcelo Eichler. O grupo, aliás, já pensa nas próximas duas fases do game. De acordo com Marcelo, o segundo capítulo vai se passar no Caribe e contará uma parte da história envolvendo escravatura e o trabalho de Ferreiros nas formas de Siderito (um metal advindo de um meteoro). A terceira parte será mais focada na alquimia e vai levar o jogador até a Europa.

Ferreiros e Alquimistas foi possível graças a um financiamento em 2015 através do CNPQ (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e da FAPERGS (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul). Em meados de 2017, o título foi finalista em Curitiba da SBGames (Simpósio Brasileiro de Games e Entretenimento) na categoria jogos educativos. A expectativa é que o game conquiste ainda mais sucesso entre os jogadores brasileiros e se torne um marco entre os jogos educativos. Você pode acessar o game aqui.

Abaixo tem um trailer de Ferreiros e Alquimistas:

Capcom e a WarpZone se uniram para lançar o maior livro sobre Street Fighter do mundo!

Esta é especial para os fãs de Street Fighter, o jogo de luta mais icônico de todos os tempos: a editora Warpzone, em parceria com a Capcom, acaba de anunciar um livro todo especial contando todos os detalhes importantes sobre a franquia desde o primeiro na geração 16 bits até o controverso Street Fighter 5.

WarpZone Essencial: Street Fighter é uma publicação de luxo homenageando e conta com nada menos que 360 páginas cheias de informações sobre a CAPCOM ─ incluindo a ROMSTAR, sua representante no Brasil durante os anos 1990 ─, com ilustrações, lista com todos os jogos e a história de cada personagem. O livro tem capa dura e, na edição de colecionador, um estojo (luva) no formato da placa de arcade CPS2.

Vale destacar que o material será 100% produzido no Brasil. O livro traz ainda muito material inédito, incluindo entrevistas com ex-funcionários da CAPCOM no Brasil e mais de 200 fotos de época entre eventos e campeonatos.

O materia é leitura obrigatória não apenas para fãs de Street Fighter, mas também para todos os jogadores de videogame que se interessam por histórias de bastidores e gostaria de entender como um jogo se torna tão popular mesmo entre aqueles que não jogam videogames.


Índice do Livro:

História da fundação e criação da Capcom
Primeiros jogos de arcade
Presença da Capcom no Brasil através da Romstar
Linha Cronológica
História dos jogos da série Street Fighter, Spin-Offs e CrossOvers
Mídias, Animações, Filmes, Revistas, Cards, entre outros
Lista detalhada de TODOS os personagens da série


Preços:
Livro de luxo padrão: R$169,00
Livro de luxo padrão com Luva de colecionador: R$199,00



Onde encontrar:
Site: https://www.catarse.me/streetfighter



Lançamento
Previsto para Agosto de 2018

BIG Festival abre inscrições para o BIG Starter, premiação para jogos em desenvolvimento

Seu game ainda está em desenvolvimento e você quer impulsionar o marketing e quem sabe conquistar um investidor? O BIG Festival (Brazil’s Independent Games Festival), maior festival de jogos independentes da América Latina, está com inscrições abertas para o BIG Starter, premiação dedicada aos projetos de games em desenvolvimento ou ainda não publicados de desenvolvedores independentes brasileiros. As inscrições devem ser feitas até o dia 7 de maio, através do site oficial.

Como já é tradição, serão duas categorias: “Melhor Jogo de Entretenimento” e “Melhor Jogo Educacional ou de Impacto”. Os participantes podem enviar quantos games desejarem, para as categorias que quiserem. Os finalistas terão a oportunidade única de apresentarem seus projetos a um público com nomes de destaque na indústria, nacional e internacional, à imprensa e a investidores no dia 27 de junho, no palco do BIG Festival, em São Paulo.

O comitê de avaliação irá analisar a qualidade geral do projeto de jogo. Os critérios incluem aspectos audiovisuais, interativos, mecânica, e criatividade, para então os projetos finalistas serem selecionados. Todos os jogos submetidos deverão ser inéditos e de propriedade de seus criadores. E mais uma coisa importante: os participantes podem enviar o mesmo projeto que submeterem ao BIG Starter à competição principal do BIG Festival, contanto que ele cumpra todas as regras.

Em 2017, o vencedor do BIG Starter na categoria Entretenimento foi King Boom, jogo mobile da Digi Ten com grande foco em interações sociais em que o jogador assume o papel de capitão em um navio voador, junto com sua tripulação de animais engraçados e animados, em busca de tesouros em ilhas flutuantes.

Já na categoria Educacional ou de Impacto, o vencedor foi o projeto Medroom, um simulador que utiliza realidade virtual para treinamento em saúde. O projeto trazia uma proposta madura, com oportunidades de aplicação global para a formação e aprendizagem na área – em que a introdução de novas tecnologias é fundamental. A sexta edição do BIG Festival acontece de 23 de junho a 1 de julho, no Centro Cultural São Paulo, na capital paulista, e no Oi Futuro, no Rio de Janeiro.

Serviço: 6º BIG Festival (Brazil’s Independent Games Festival)

De 23 de junho a 1 de julho (Segunda, 25, não abre)
Rodadas de Negócios – de 27 a 29 de junho
De terça a sexta: 10h às 22h / Sábado e domingo: 14h às 22h
Centro Cultural São Paulo – Rua Vergueiro, 1000 – Paraíso, SP
Entrada: Gratuita

C4 – Jogo desenvolvido por brasileiro é finalista do IMGA Awards GLOBAL 2018

O International Mobile Gaming Awards Global (IMGA GLOBAL) está em sua 14º edição. O evento é dedicado a premiar os melhores jogos para dispositivos mobile e é reconhecido por ser o mais antigo e respeitado evento do gênero. Este ano há uma grata surpresa: um dos finalistas é justamente o jogo brasileiro chamado C4, um puzzler de combinação de cores. Esta é mais uma prova de que os jogos brasileiros estão em franca ascensão.

Para quem não conhece, o IMGA é o mais longevo programa de reconhecimento de jogos para dispositivos móveis, iniciado em 2004. Com sua longa história e processo de avaliação único, trouxe alguns dos mais populares aplicativos do mundo para os holofotes, como Candy Crush Saga e Clash Of Clans. É a única competição que une a indústria através da celebração da excelência e inovação nos jogos.

“Os indicados como o C4 exibem novos patamares de criatividade e a qualidade emergente das produções encontradas nos jogos para dispositivos móveis”, disse, Maarten Noyons, fundador do IMGA. Ou seja, você pode esperar um game diferenciado aqui, que foge do comum, ao passo que entrega uma experiência divertida e elaborada.

O jogo C4 é um quebra cabeça de combinação de cores que promete desafiar a mente do jogador ao extremo. Para passar os diferentes níveis é preciso uma boa estratégia, raciocínio rápido e foco apurado. O título foi desenvolvido por Cristiano Monteiro e possui 54 níveis, com dificuldade progressiva. Apesar de ser simples de aprender a jogar, é bastante difícil dominar o jogo para avançar até os últimos níveis.

O propósito de C4 é pintar cada um dos retângulos brancos/cinzas/pretos de uma das quatro cores disponíveis (vermelho, verde, azul e laranja) de maneira que dois retângulos que compartilhem uma borda (total ou parcialmente) não possuam a mesma cor. Quanto tiver pintado todos os retângulos o jogo irá verificar se dois retângulos vizinhos foram pintados da mesma cor e avançar você ao próximo nível ou declarar fim de jogo com um ícone de seta de quatro pontas que indica o local onde ocorreu a duplicação. Mas fique alerta, pois você deve completar os níveis dentro do tempo delimitado.

“O C4 não está focado em um visual elaborado, distrações, ou outros artifícios. Trata-se de uma interface elegante apresentando um jogo único, desafiador sem ser impossível, finito mas parecendo sem fim, para todas as idades, inteligente, robusto e bem testado, competitivo. Todos os elementos que um bom jogo deve ter antes de mostrar uma interface bonitinha. Simples, direto ao ponto, elegância espartana, a volta às raízes dos quebra cabeças, divertido e competitivo”, disse Cristiano Monteiro, desenvolvedor do C4.

Como um dos indicados, o C4 também é elegível ao prêmio da “Escolha Popular”, que se trata de uma votação online pelos fãs do jogo de qualquer parte do planeta. Até o dia 18 de Março de 2018 Os jogadores poderão votar no site do IMGA Awards. Os vencedores serão anunciados em 20 de Março de 2018 durante a aguardada cerimônia de premiação que acontecerá em São Francisco, Estados Unidos. C4 é gratuito e está disponível no Google Play.

Abaixo tem o trailer de C4:

Projeto GamesBR do Ministério da Cultura busca catalogar o maior número de games produzidos e lançados no Brasil

Você é produtor de um jogo eletrônico? Pois bem, vamos dar uma dica que pode alavancar a visibilidade do seu projeto! O Ministério da Cultura acaba de dar sinal verde para a criação do GamesBR, uma base de dados de jogos brasileiros que tenciona reunir os games criados em terras tupiniquins. O objetivo é facilitar o acesso dessas produções ao público, tornando-os mais visíveis e uma fonte de informações valiosas para entusiastas por jogos eletrônicos.

O GamesBR funcionará como um catálogo importante de informações para outros desenvolvedores, pesquisadores, professores, formuladores de políticas públicas e investidores que querem conhecer melhor os produtos desenvolvidos no nosso país. Se a ideia for adiante, apostamos que este acervo será bastante utilizado por desenvolvedores e estudantes de game design.

Obviamente o trabalho de catalogar tantos jogos não é tarefa fácil. Justamente por isso foi criado um questionário online em que os próprios desenvolvedores registram seus próprios jogos. A ideia é facilitar o trabalho de catalogar tantos jogos e contar com o maior número de registros possível. De acordo com os organizadores do GamesBR, já foram mais de 150 registros em apenas 24 horas que o formulário está no ar.

Preenchendo este formulário você está ciente e autoriza, por tempo indeterminado, o autor do projeto, o Ministério da Cultura e o Governo Federal a disponibilizar as informações na web e em aplicativo gratuito para smartphones. Qualquer pessoa pode cadastrar seus jogos, desde que o produto seja nacional. Porém vale destacar que jogos educativos não fazem parte do cadastro, bem como games produzidos por brasileiros em território estrangeiro.

“Obviamente que existem jogos que estão na fronteira entre instrumento educativo e produto de entretenimento. Esses casos serão avaliados individualmente para inclusão na plataforma”, diz o informativo do projeto.

Ah, estrangeiros que tenham produzido um game em território nacional podem registrar seu jogo tranquilamente. Ou seja, a ideia é cadastrar games feitos no Brasil. Também é importante frisar que o aplicativo é apenas para jogos já publicados e finalizados, abrindo exceção para jogos lançados em Early Acess. Para mais informações sobre o projeto: www.gamesbr.net.br.

SOS – Jogo de sobrevivência da Outpost Games coloca 16 jogadores em uma ilha repleta de armas

Hoje vamos falar do ambicioso projeto do estúdio Outpost Games, empresa formada por ex-membros da EA, Youtube e Twitch. Chamado SOS, o game é um multiplayer de sobrevivência com temática de reality shows. Como assim? Bom, basicamente os 16 jogadores participam de um reality show em que o único objetivo é fugir com vida da ilha La Cuna. Cada um dos jogadores é acompanhado pelas câmeras de um estranho reality show acompanhado ao vivo pelo grande público através de streaming.

Os espectadores podem enviar feedback em tempo real aos jogadores e influenciar seu gameplay. Se os jogadores conseguirem entreter a multidão, eles podem se tornar famosos e a estrela do show – e isso pode significar a diferença entre viver e morrer na ilha de La Cuna. Os fãs podem assistir às melhores partidas e interagir com seus participantes favoritos em no site especial.

SOS tem uma dinâmica de jogo parecida com o fenômeno PUBG, ou seja, vários jogadores são jogados em um ambiente comum e devem disputar entre si. No caso, a disputa é por uma das três vaga de um helicóptero que vai deixar a ilha. Ou seja, você pode formar aliança com outros players ou simplesmente ataca-los indiscriminadamente para assegurar sua sobrevivência.

Para escapar da ilha os jogadores precisam encontrar pelo menos uma das três relíquias escondidas nas ruínas de uma ilha misteriosa e seguir em direção ao helicóptero. Por toda parte os jogadores encontrarão armamentos, armas de fogo e outros equipamentos para submeter os adversários, mas vencer não é tão simples quanto parece. Para escapar da ilha, os participantes terão de usar o poder de suas vozes e personalidades para criar laços e formar grupos com os outros participantes. Apenas 3 dos 16 jogadores conseguirão escapar com vida no helicóptero.

SOS foi lançado já com uma grande atualização, que inclui o Modo Noturno, que coloca os jogadores em partidas noturnas. Neste modo os jogadores recebem uma lanterna logo no início, que ajuda na visibilidade do terreno, porém ao usá-la indiscriminadamente pode revelar sua posição aos inúmeros adversários. Nem precisa dizer que neste modo é preciso muito cuidado e estratégia para sobreviver. Os jogadores podem adquirir SOS diretamente pela página oficial do jogo na Steam por R$ 28,99.

Abaixo tem um trailer de SOS:

BIG Festival 2018 abre inscrições para a premiação internacional de melhores jogos

Já estão abertas as inscrições para desenvolvedores do mundo todo para submeter seus jogos para o BIG Festival 2018, o maior evento de jogos independentes da América Latina. De acordo com os desenvolvedores, as inscrições devem ser feitas até o dia 13 de abril. Após isso, serão escolhidos os games mais promissores para fazer parte do evento presencial. Para fazer a inscrição basta acessar o site do evento.

Esta é a sexta edição do evento e a grande novidade é que desta vez o evento ocorre em duas cidades simultaneamente (RJ e SP). Na capital paulista, o evento ocorre no Centro Cultural, como nas edições anteriores. Já na capital carioca, os visitantes podem conferir todos os finalistas no espaço Oi Futuro. Haverão dezenas de computadores, tablets, smartphones, consoles e dispositivos VR para que o público experimente os games independentes que mais se destacaram no ano é em seguida possa escolher seus favoritos em votação aberta.

Todos os jogos inscritos no BIG serão analisados pelo Comitê de Seleção do festival e os selecionados irão competir em categorias como Melhor Jogo, Melhor Som, Melhor Arte, Melhor Narrativa, Realidade Virtual, entre outras. Os vencedores serão anunciados no palco do evento. A expectativa é que as inscrições superem o número recorde do ano passado, quando a premiação internacional do BIG Festival recebeu 617 jogos candidatos de 54 países diferentes, sendo mais da metade deles (321) produzidos no Brasil.

Ainda de acordo com a organização do BIG, os desenvolvedores finalistas ganham entrada às rodadas de negócios do maior hub do setor de games e animação da América Latina, e podem ter a oportunidade de fazer uma palestra sobre o seu jogo. Na última edição, 3200 profissionais do setor estiveram presentes com o objetivo de fortalecer a indústria e criar oportunidades.

Serviço – 6º BIG Festival (Brazil’s Independent Games Festival)

De 23 de junho a 1 de julho (Segunda, 25, não abre)
Rodadas de Negócios – de 27 a 29 de junho
De terça a sexta: 10h às 22h / Sábado e domingo: 14h às 22h
Centro Cultural São Paulo – Rua Vergueiro, 1000 – Paraíso, SP

Criadores de Skydome transmitem livestream sobre a criação do game

O estúdio de games independente Kinship (criadores de Skydome) já é uma referência entre os estúdios paulistas, graças aos seu projetos ambiciosos. Agora o estúdio quer interagir com seus fãs através de uma nova abordagem: o estúdio decidiu realizar duas streams em suas redes sociais a fim de mostrar como é o processo de criação e desenvolvimento de games.

A primeira edição da chamada DevStream ocorreu na última quarta-feira (14) e pode ser vista aqui. A segunda edição ocorre no próximo dia 28 de fevereiro e o objetivo é dar alguma ideia do que os entusiastas por criação de games devem encontrar no futuro. As transmissões contam com a participação de Cheny Schmeling, diretor criativo, e João Rogatto, designer de UI e UX, que falam durante uma hora sobre design de interface e experiências de usuário, tomando como base o principal projeto do estúdio: Skydome.

Além de mostrar as questões processuais do design de interface, João e Cheny também respondem em tempo real as dúvidas enviadas pelo público. A transmissão fica disponível nas páginas e canais oficiais do /PlaySkydome no Facebook, YouTube e Twitch e será uma ótima oportunidade para os jovens desenvolvedores e fãs do projeto conversarem com os responsáveis pelo Action Tower Defense mais aguardado do ano.

Sobre Skydome

Skydome ocorre em um ambiente formado por ilhas flutuantes. Nesse ambiente, dois times batalham em arenas separadas e invocam ondas crescentes de personagens para conquistar o artefato adversário. Em paralelo, os times precisam defender seu próprio artefato dos avanços hostis das criaturas inimigas.

Cada jogador escolhe um campeão do Skydome entre vários disponíveis, sendo que cada um tem seu próprio estilo de jogo e um conjunto diferente de habilidades, como as poderosas e inovadoras intervenções, que podem ser lançadas diretamente na arena adversária. Uma intervenção bem utilizada, além de deixar as partidas mais interessantes e imprevisíveis, pode modificar completamente o resultado do confronto.

Abaixo tem um trailer de Skydome: