Plasma Puncher

Análise – Plasma Puncher é beat’ em up com boa dose de desafio

A Tomato Trap não é um estúdio muito conhecido no cenário nacional, mas seu novo lançamento – Plasma Puncher – tem a missão de colocar o estúdio no mapa dos grandes estúdios nacionais e entregar boas horas de diversão ao jogador que curte games mais descompromissados.

Plasma Puncher é um beat’ em up onde o jogador deve controlar um anti-corpo em uma batalha conta a invasão de um organismo hostil, a micróbio-mãe. Todos os demais anti-corpos foram derrotados pelos micróbios, então cabe ao protagonista defender o organismo na base dos punhos.

O enredo

plasma-puncher-5Tudo começa quando a micróbio-mãe invade um corpo e com seu exército de micro-organismos consegue derrotar todos os anti-corpos. Cabe ao jogador controlar o ultimo sobrevivente dos Leucócitos, células brancas do sangue que protegem a corrente sanguínea. Para tal você deve derrotar todo o exército inimigo na base da porrada para em seguida dar cabo da micróbio-mãe.

A ação se desenrola em waves, ou seja, você derrota uma quantidade de inimigos, para em seguida enfrentar mais uma onda de inimigos. Como não poderia deixar de ser, a dificuldade é o ponto alto do jogo. Os inimigos surgem em maior número e eles ataquem de maneira imprevisível (por cima, por baixo, pelos lados).

plasma-puncher-2O pior é que alguns deles são invulneráveis e os ataques são incessantes. Parece que a Tomato Trap queria mesmo homenagear os jogos de beat’ em up das antigas, entregando uma experiência de jogo que prima pela dificuldade e pela ação. É bom ver que o estúdio deu ênfase a jogabilidade ao invés de focar em efeitos mirabolantes ou outros enfeites.

Dificuldade em Alto Nível

Infelizmente há de se dizer que um dos pontos negativos é a falta de variedade no jogo, pois toda a ação se desenrola em um único ambiente, de modo que o gameplay torna-se repetitivo. Você só vai ter alguma noção de progresso graças ao número de amebas derrotadas. Felizmente o alto desafio e os upgrades quebram essa monotonia. Há muitos power ups para adquirir e conforme você avança torna-se cada vez mais divertido espancar os inimigos.

qdwoye7

Mesmo na dificuldade normal o jogador vai passar maus bocados, pois a quantidade de inimigos que surgem é razoavelmente grande. Como não existe botão para se defender, o jogador fica condicionado a destruir os inimigos antes que eles tentem atacar ou tentar desviar-se das investidas através de dashs e pulos. O jogo é bem frenético e testa os reflexos do jogador constantemente. A jogabilidade, vale destacar, é bem fluida e fácil de domar.

Gráficos e Som

O visual é a primeira coisa que salta aos olhos em Plasma Puncher: apesar de simples, eles tem bastante personalidade e charme. O estilo de arte é cartunesco e as animações dos personagens são bastante agradáveis e colorido, dando a impressão de que os cenários realmente estão vivos. O time de criação merece ovações pelo cuidado que tiveram com os visuais do game. A tela é bem limpa e não conta com muitos indicadores (apenas o indicador de saúde e o marcador de inimigos derrotados), de modo que nada atrapalha o jogador durante a ação.

plasma-puncher-ss7-1024x1020A trilha sonora é vibrante e ouvir os golpes atingindo os micróbios é nada menos que recompensador. As músicas cumprem bem o papel de manter o jogador ligado, pois elas sempre são bem movimentadas e trazem boas transições ao longo da aventura, passando do rock, ao jazz e ao faroeste. A intenção é manter o jogador atento e não passar a sensação de monotonia. Teria sido bacana se houvessem mais cenários também para acompanhar a transição da banda sonora.

Veredicto

O game é ideal para quem curte jogos de pancadaria e sente falta de beat’em up clássicos com progressão em side scrolling. Plasma Puncher não é longo: você deve terminá-lo em cerca de quatro horas. O time de criação poderia ter incluído mais inimigos e desafios, além de cenários, pois ao chegar no final fica a sensação de que falta alguma coisa e um gosto de quero mais. Talvez uma sequência ou updates com novos modos de jogo supram essa necessidade.

Plasma Puncher tem bastante qualidade e potencial. Apesar da pouca variedade de cenário e a curta duração, o jogador vai se divertir bastante graças a jogabilidade bem feita e ao desafio crescente. Os power ups e a possibilidade de customizar o personagens são ótimas adições e o jogador vai se sentir constantemente desafiado a concluir a aventura. O jogo já está disponível para PCs via Steam.

Nota: 8

 

Abaixo tem o trailer de Plasma Puncher:

 


Also published on Medium.

Uma opinião sobre “Análise – Plasma Puncher é beat’ em up com boa dose de desafio”

Deixe seu comentário