gr-modernwarfare2vio

Pesquisa inglesa mostra que boa parte dos pais não está nem aí para classificação de games

Uma pesquisa revelou que, na Inglaterra, 39% dos pais ignoram a classificação etária de games, deixando que suas crianças joguem títulos adultos como Modern Warfare 2 e GTA IV.

A pesquisa vai além: 25% inclusive joga com seus filhos os games impróprios, atitude que se estende para filmes considerados inadequados e músicas com letras impróprias.

Aí fica a dúvida, alguém aqui conhece algum pai que siga de verdade a classificação de jogos? E qual conduta que você, leitor, julga a mais adequada?

[Via CVG]

2 opiniões sobre “Pesquisa inglesa mostra que boa parte dos pais não está nem aí para classificação de games”

  1. É comum ouvirmos que jogos são violentos, impróprios, alienantes, etc, mas desde de que li em um livro passei a acreditar que o real problema dos jogos é que basicamente os pais consideram tudo como de criança. Assim colocam seus filhos de 9 anos jogando jogos violentíssimos. A cultura da classificação etária para os filmes já um pouco melhor, pois um pai não deixaria um filho de 9 ir assistir um filme de 18 anos, mas com jogos é diferente. Infelizmente.

    Como trabalho em um estúdio de jogos, já carrego a bandeira de que é essencial aprimorar essa cultura de classificação, inclusive para evitar ouvir “Ah! você trabalha com aqueles jogos que deixam as crianças violentas”.

  2. Se na Inglaterra é assim, imaginem então aqui no Brasil, onde 94% dos jogos vendidos são pirateados. E, claro, jogos piratas não vêm com manual ou box, locais onde estão as classificações etárias de cada jogo. Muita gente desconhece completamente essa classificação (os pais, principalmente) e, sem esse conhecimento, entregam os games nas mãos dos filhos sem saberem exatamente o seu conteúdo. É preciso, acima de tudo, uma mudança de cultura no país, mas acho que ainda vai levar muito tempo para isso acontecer e, até lá, muitas leis equivocadas serão lançadas para banir determinados games do mercado ao invés de combater a raiz do problema.

Deixe seu comentário