O 5 Melhores (e piores) momentos da Nintendo na E3 2017

Como já vem ocorrendo há alguns anos, a Nintendo não fez uma conferência para a imprensa durante a E3. Ao invés disso, a empresa japonesa publicou um vídeo no padrão Nintendo Direct para mostrar suas novidades para os próximos meses. E se pudéssemos resumir o que foi mostrado, seria: a Nintendo roubou a E3!

Mesmo tendo de competir com um novo console da Microsoft e com as exclusividades da Sony, a Nintendo não desapontou, mostrando a força de suas marcas e o empenho que está tendo com o Switch. Sério, foram trinta minutos extremamente bem aproveitados. A impressão geral foi que a Nintendo foi a que mais se destacou no evento americano.

 

Confira os highlights da Nintendo na E3 2017:

 

Kirby, Pokémon e Fire Emblem mostram a força da Nintendo

É incrível a força que a Nintendo tem, mesmo quando seus próprios fãs estão céticos e seus produtos desacreditados. A E3 2017 serviu para mostrar que a companhia deve se apoiar mais do que nunca em suas franquias. Este ano, tivemos muitas novidades sobre os exclusivos Nintendo e somente isso serviu para arrancar lágrimas de fãs por todo o mundo.

Desde um novo Kirby, conteúdo adicional para o Zelda, um novo Pokémon em produção e o Firem Emblem. Enfim, a Big N fez o que se esperava das concorrentes, ou seja, apostou alto no que tem, mostrou suas armas mais letais para os próximos meses e garantiu que quem investiu no Switch não vai passar maus bocados. Grande destaque, aliás, para o novo Kirby, que parece ótimo. Nessa lineup só faltou mesmo um novo Donkey Kong…

 

O novo Mario parece incrível

Na edição de 2016 a Nintendo mostrou um pouco do Super Mario Odissey, então ele não era realmente uma surpresa. Ainda assim, muita gente teve uma péssima impressão do que a empresa reservava para a próxima aventura do bigodudo. Neste ano tivemos alguns detalhes sobre a jogabilidade.

Pelo que foi apresentado, Odissey vai misturar elementos 2D e 3D, além disso, Mario vai poder controlar o corpo de outros personagens e inimigos ao jogar o chapéu em suas cabeças. Parece que a jogabilidade será das mais divertidas e os mundos de jogo serão diversos e coloridos. O mais impactante: Mario chega ainda em 2017, e possivelmente vai lutar contra Zelda pela corrida do Game of the Year.

 

Metroid Prime 4 está sendo feito

Fazia tempo que a comunidade clamava por uma sequência da respeitada franquia Metroid Prime. Após Metroid Other M e Federation Force, parecia que um novo Prime era uma utopia. Eis que a Nintendo surpreendeu ao revelar que Metroid Prime 4 está em produção. Nada além disso foi dito, nem data de lançamento, nem imagens, nada! O anúncio foi mais para surpreender mesmo e a expectativa é que este se torne um dos melhores games do Switch.

Sabe-se que o novo título não vai ter o dedo da retro Studios. Bill Trinen, diretor da Treehouse, não revelou quem são os responsáveis pelo desenvolvimento, porém revelou que o produtor Kensuke Tanabe, que trabalhou em títulos anteriores da série Metroid Prime, estará envolvido.

 

Yoshi tem novo jogo

Outra grata surpresa foi o anúncio de um novo jogo estrelado pelo Yoshi. A Nintendo está apostando alto no Yoshi, afinal não faz muito tempo que a comunidade foi presenteada com o ótimo Yoshi’s Woolly World. Este novo jogo segue mecânicas retiradas do clássico Yoshi’s Island do SNES, com um toque de Paper Mario.

O mundo de jogo é bem colorido e tem tudo para agradar jogadores mais novos, e também os antigos. Sabemos que o motor utilizado é a Unreal Engine 4, provando que o Switch não apenas é compatível, mas que pode surpreender bastante em aspectos gráficos e físicos.

 

Nintendo abraçando o cross-play

Um dos jogos mostrados durante a apresentação em vídeo foi Rocket League. Tudo bem que o jogo não é nenhuma novidade e quem tinha de jogar, já jogou. Contudo, um aspecto não pôde ser ignorado: o jogo vai ter cross-play, permitindo que quem joga no Switch possa competir com jogadores do PC e do Xbox One. É interessante ver que a Nintendo está de fato empenhada a oferecer à comunidade o que ela quer.

E aqui vai uma crítica para a soberba da Sony, que é a única a ignorar este desejo tão antigo da comunidade. E vejam só, logo a Nintendo que foi tão cabeça dura com relação às comunidades online agora está um passo a frente da Sony. A expectativa é que ao longo dos anos mais jogos tenha cross-play entre plataformas concorrentes.

 

E os pontos negativos da apresentação

 

Pouco tempo para jogos de alta qualidade

A Microsoft teve quase duas horas de apresentação e a Sony ficou no palco por uma hora inteira. Mesmo que esse tempo todo das duas empresas tenha sido aproveitado de forma mediana, vale dizer que poucas dúvidas ficaram no ar e serviu para mostrar muito conteúdo. Já a Nintendo teve apenas 30 minutos de vídeo.

Esse tempo é muito curto e não serviu para saciar o gosto de quero mais. Claro, o que foi mostrado roubou o show, mas porque não ter mais tempo de vídeo, mostrar os jogos com mais destaque e mais detalhes? A impressão foi que foi muito pouco tempo para mostrar tanta coisa boa.

 

Nada de novo no Virtual Console

A Nintendo não mostrou nada de novo para o Virtual Console, a plataforma de jogos online do Switch. Nenhuma nova promoção, nem jogos novos. Nem mesmo os indies deram as caras ou a retrocompatibilidade com plataformas antigas. A Nintendo está dando suporte ao Virtual Console, disso não há dúvidas, mas a impressão é que ao focar apenas nos jogos novos, a Big N ignorou uma base de fãs que esperam novidades sobre a plataforma.

 

Nenhuma nova IP

Tudo bem que Arms já é um dos jogos mais esperado do Nintendo Switch, mas ficamos sabendo dele na E3 2016. Deste modo, a Nintendo não apresentou nenhuma IP nova neste evento. Não que o line up tenha sido ruim, mas tal como a maioria das empresas desenvolvedoras, parece que o forte da indústria esteja em repetir fórmulas e em franquias já estabelecidas.

São raras as oportunidades que novas franquias podem brilhar e a E3 é o palco ideal para isso. Visto que a Nintendo conseguiu muito destaque nos últimos anos com Splatoon e Arms, seria de esperar que a companhia mantivesse sua sina de mostrar jogos novos no evento americano. Uma pena que desta vez isto não aconteceu.

 

3DS ficou às moscas

O Nintendo Switch é o grande foco da Nintendo para o ano e isto pôde ser visto durante a E3 2017. Assim, o 3DS acabou ficando meio que ignorado. Não que não houvessem novos jogos, afinal a empresa revelou Metroid: Samus Returns, Sushi Striker  e Mario & Luigi: Superstar Saga + Bowser’s Minions, mas a impressão geral foi que faltou alguma coisa.

Muita gente esperava que desta vez era um novo Zelda para o portátil ou quem sabe um novo Donkey Kong, mas a Big N deixou a oportunidade de lado e o que foi mostrado para o sistema foi muito pouco para uma das plataformas mais populares do mercado. A esperança é que ao longo dos meses surjam novos jogos para a sólida base instalada de jogadores do 3DS.

 

Third Parties ignoraram a Nintendo?

O principal jogo terceirizado para o Switch foi Skyrim, um título que continua estupendo, mas que já está no mercado há muitos anos. Outro destaque foi Mario + Rabbids Kingdom Battle, crossover que coloca os mascotes da Ubisoft no Reino do Cogumelo. Dois jogos. Será que o Switch vai sofrer o mesmo destino do Wii U? Ainda é cedo para cravar que o Switch será ignorada pelas desenvolvedoras, visto que a Nintendo está tentando atrair as empresas rapidamente.

Dados do VGChartz sugerem que já existem 3 milhões de consoles Switch no mercado, um número até expressivo para o pouco tempo de vida da plataforma. Mas esses números ainda não foram suficientes para que os desenvolvedores comecem a apoiar massivamente a plataforma. Se a e3 serve de termômetro, no próximo ano o Switch vai sobreviver quase que exclusivamente de jogos 1st Party.

Escape Room SP confirma participação no escape Week

Quem já teve o prazer de conhecer um jogo de fuga sabe que a experiência é unica. Entre os dias 16 a 24 de junho acontece o 1ª Escape Week no Brasil, que vai reubir diversas empresas do setor jogos de fuga. Uma das participantes é o Escape Room SP.

Durante esta semana espacial de fuga, cada jogador terá o valor único de R$36,90 (sendo que R$1,00 será revertido para ONG MAPAA!, que resgata animais de rua). Incentivo extra para os apaixonados pelo universo de H.P. Lovecraft tentarem desvendar, em até uma hora, os mistérios da sala Harbinger, criada pela casa de jogos de fuga, localizada na Vila Mariana, em parceria com a empresa de board games Galápagos.

Uma vez dentro da sala de horror psicológico a paranoia e a insanidade estarão à espreita dos jogadores em cada canto do quarto marcado pela loucura. Assombrado por uma força incompreensível, o misterioso homem chamado Willian Briden desapareceu deixando para trás apenas papéis e objetos que revelam uma mente torturada por pesadelos bastante vívidos. Nesta aventura, até 6 jogadores terão apenas 1 hora para impedir que algo terrível aconteça e assim salvar a humanidade.

Para viver esta experiência pelo Escape Week, basta entrar em contato diretamente com o Escape Room SP e verificar os horários disponíveis da sala Harbinger a partir do dia 01/06.

Serviço – Escape Room SP no 1º Escape Week

Local: Rua Bagé, 268 – Vila Mariana – São Paulo / SP

Data: de 16 a 24 de junho

Faixa etária: Acima de 14 anos

Valor durante o Escape Week: R$ 36,90 por pessoa para a sala Harbinger

Os 5 melhores (e piores) momentos da Sony na E3 2017

Pois bem, a gigante japonesa dos games conquistou ao longo dos anos a hegemonia dos consoles e não por acaso as maiores expectativas por parte dos jogadores estavam voltados para a Sony. O que a empresa iria trazer para esse ano? Novos exclusivos, novas franquias, continuações?

Como não poderia deixar de ser, a Sony apostou suas fichas em suas franquias mais fortes como God of War e Uncharted, além do retorno de Shadow of the Colossus e a sequência de Ni No Kuni. Além disso, a empresa ainda trouxe novidades do Playstation VR, uma grata surpresa, visto que a concorrência ignorou sumariamente a realidade virtual.

Confira abaixo os “highlights” da apresentação da Sony na E3 2017:

 

Uncharted The Lost Legacy e God of War

Desde que apareceu oficialmente durante a E3 2016, God of War se tornou um dos jogos mais esperados para o PS4, e não era por menos: a mitologia nórdica já é por si só brutal e colocar Kratos no meio desse universo tinha tudo para dar certo. Não é por menos que a decepção pelo jogo ter sido adiado para 2018 ser grande. Ao menos, o que foi mostrado convenceu e mostrou que a Santa Monica está empenhada em trazer o seu melhor game já produzido.

E também não podemos deixar de citar o título que deu abertura para a conferência da Sony. Uncharted The Lost Legacy conseguiu se provar como um produto essencial para quem é fã da franquia. Afinal de contas, ficou claro que ele não é apenas uma expansão, mas praticamente um jogo novo e com todos os elementos para agradar fãs de jogos de ação e exploração.

 

Ni No Kuni 2: Revenant Kingdom

Um dos melhores jogos de toda a biblioteca do Playstation 3 foi Ni No Kuni: Wrath of the White Witch. Imaginem a surpresa do público quando a Sony anunciou a sequência ainda para este fim de ano. Revenant Kingdom seguirá a história do rei Evan Pettiwhisker Tildrum, que foi destronado por um golpe e agora precisa retomar seu reino.

Pelo que foi mostrado, o jogo terá um mundo aberto muito grande, com muitas cidades e dungeons para explorar. O sistema de combate deve ser parecido com o jogo anterior, porém com melhorias a fim de tornar as coisas mais dinâmicas e divertidas.

 

Spider-Man está arrasador

Se por um lado a Marvel reinava soberana no ramo do cinema, o mesmo pode ser dito da hegemonia da DC em relação aos jogos eletrônicos. Parece que as coisas estão mais pareadas nas duas frentes, pois a DC acertou a mão com o filme da Mulher-Maravilha e a Marvel vai ter o jogo do Homem-Aranha, em produção pela Insomniac.

O gameplay parece incrível e cheio de detalhes, incluindo passagens em QTE (quick time events) e acrobacias animais. Se o que foi prometido se tornar real, a franquia Arkham terá um concorrente de peso. Infelizmente, os jogadores só vão colocar as mãos neste jogo em algum momento de 2018.

 

Remake de Shadow of the Colossus

A maior bomba de toda a apresentação da Sony foi o remake de Shadow of the Colossus. Sim, muita gente faz piada pelo fato de que o game é do PS2 e já teve uma remasterização para o PS3. Ainda assim, estamos falando de um dos melhores games já produzidos na história e a qualidade gráfica está fascinante.

A Sony não deu detalhes adicionais sobre esse remake, então não tem como saber se haverá mais cenários, armas, mecânicas ou até novos colossus projeto só sai em 2018, um tempo muito longo para um mero “tapa visual”. Então dá para sonhar sim que novos conteúdos façam parte do pacote de jogo.

 

Destaque para o VR

A Microsoft não mostrou nada em relação a realidade virtual, mas a Sony seguiu por um caminho oposto: a empresa mostrou uma sequência variada de títulos com suporte ao VR, deixando a impressão de que o acessório veio pra ficar. O maior de todos os projetos mostrados foi Skyrim, que ganhou suporte ao acessório e, deste modo, permite que os jogadores entrem no mundo do jogo literalmente.

Outros títulos compatíveis com o aparelho foram Star Child, The Impatient, Monster of the Deep: Final Fantasy, Bravo Team e Moss. Mais uma vez a Sony foi vaga com relação as datas de lançamento, mas ao menos que investiu seu rico dinheiro na tecnologia não tem o que temer.

 

E os piores momentos da conferência da Sony

 

Os jogos que esperávamos sumiram

Ainda que rumores e informações dispersas já adiantavam que pesos-pesados ficariam de fora da feira, como Final Fantasy VII, The Last of Us II e Shenmue 3. Não deu para não ficar decepcionado com essas ausências, afinal muitos jogadores imaginavam que talvez a Sony surpreendesse nem que fosse com algum vídeo novo.

Nem mesmo o Death Strading deu as caras. Mais agravante foi o fato de que a Sony nem sinalizou que esses jogos ainda existem e possuem um calendário de lançamento. Ao menos, sabemos que o histórico da companhia é de manter seus projetos até o fim, mesmo que o desenvolvimento perdure anos a fio.

 

Nenhuma atenção aos indies

Surgeon Simulator, um indie de respeito na PSN

 

Ao fim da apresentação da Microsoft muita gente queria “tirar onda” com o fato de que muito do painel da empresa de Redmond era dedicado aos produtores independentes. O mesmo não pode ser dito da Sony, porém partimos de oito para oitenta, pois a Sony ignorou completamente os indies.

Há quem diga que acompanha a E3 para ver os jogos grandes, mas muitos executivos já sacaram que são justamente os indies que tem mais possibilidade de criar produtos rentáveis (vide casos de sucesso como o Minecraft, por exemplo). Além disso, os grandes jogos estão cada vez mais espaçados e é bom saber que todo mês aparece um game menor, porém divertido. Neste aspecto a Sony pisou na bola feio ao não dar atenção aos desenvolvedores menores.

 

Onde estava Kojima?

Claro, Death Strading não estava na feira, então não teria porque o mítico produtor Hideo Kojima aparecer no evento. Entretanto, por algum motivo, muitos membros da comunidade esperavam que Kojima subisse ao palco para trocar algumas palavras com o apresentador e dizer a quantas anda o seu novo game.

Neste caso é seguro afirmar que o desenvolvimento do game está ainda cru e para os desenvolvedores não faz sentido mostrar nada ainda, até porque a Sony já tem um histórico perturbador de mostrar games que vão sair em dois ou três anos. Talvez este seja um indício de que a empresa está prestando atenção nas críticas da comunidade.

 

Onde estão as novidades?

E, por fim, o mais triste da conferência da Sony: onde estão as novidades? Muitos dos jogos mostrados já haviam dado as caras em conferencias passadas da E3 e da Playstation Experience. Ficou aquela sensação d que eles estavam escondendo alguma carta na manga, mas essa carta nunca aparecia. A sensação foi tão amarga que há que brinque que a conferência deste ano foi uma remasterização do que foi apresentado no ano anterior.

Seja como for, a expectativa é que na Playstation Experience deste ano a empresa mostre seus novos projetos, IPs e lançamentos para o ano fiscal. Além disso, vale lembrar que alguns dos jogos apresentados foram de alta qualidade como Days Gone, Detroit Become Human e Destiny 2.

 

Exposição do Goethe Institut mostra games que resgatam questões políticas e sociais

Além de organizar uma divertida Game Jam com temática política, o Goethe Institut de São Paulo está organizando uma exposição de jogos com o mesmo viés político. O objetivo é mostrar que jogos eletrônicos são reflexo da sociedade na qual surgem e ao mesmo tempo, têm efeito sobre essa mesma sociedade. Deste modo, a exposição deve contar com jogos que trazem questões sensíveis como leis trabalhistas, consciência democrática, vigilância do Estado, conflitos armados e refugiados.

Também vale destacar que ao mesmo tempo, os games podem ser empregados para disseminar propaganda e ideologias, tal quais outras mídias que podem ser utilizadas em prol de interesses políticos. A mostra Games e Política do Goethe Institut deve mostrar o potencial político dos games para o bem e para o mal. É uma oportunidade para os visitantes exercitarem o próprio senso crítico e criar uma noção de que games não são meras imagens interativas, mas sim produtos com peso transformador.

Mais sobre a exposição Games e Política

A exposição ocorrerá no Centro Cultural São Paulo (Rua Vergueiro, 1000), em cooperação com o Festival de Jogos Independentes, o BIG Festival. De acordo com o Goethe, serão dezoito games digitais do mundo inteiro que resgatam algumas importantes questões sociais e políticas a fazer parte da exposição. Este espaço é interativo e foi possível graças a cooperação com o Zentrum für Kunst und Medien Karlsruhe (ZKM), e estará em cartaz de 24 de junho a 23 de julho. A entrada é franca e os visitantes poderão jogar os games no espaço da exposição.

A exposição também objetiva questionar as possibilidades e as fronteiras dos games, a fim de esboçar uma posição contrária dentro da indústria do entretenimento, desenvolvendo assim um potencial crítico. Em uma documentação que acompanha a mostra, especialistas em mídia e cultura, bem como desenvolvedores de jogos, falam sobre o potencial político dos games. Mais informações no site do Goethe Institut.

 

Serviço – Exposição Games e Política / Goethe Institut

Quando: 24 de junho a 23 de julho

Onde: Centro Cultural São Paulo – Rua Vergueiro , 1000 – São Paulo, SP

Quanto: Gratuito

Os 5 melhores (e piores) momentos da Microsoft na E3 2017

A E3 2017 está a todo o vapor e dentre as três fabricantes de hardware já tivemos a apresentação da Microsoft ontem (11 de junho). A conferência foi marcada por novidades e muitos games. A Microsoft dedicou quase todo o espaço para mostrar jogos, e foram muitos jogos mesmo! Vai faltar tempo para jogar tanto jogo bom.

Como não poderia deixar de ser, também tivemos os detalhes do Xbox Scorpio, que já até ganhou um nome definitivo. Selecionamos aqui os cinco momentos mais legais da conferência da Microsoft e os cinco menos empolgantes.

Confira abaixo os “highlights” da apresentação da Microsoft na E3 2017:

 

Xbox One X

A Microsoft cumpriu a promessa: O Xbox One X (ex-Scorpio) é realmente muito poderoso e surpreendeu até os mais descrentes graças as suas configurações top de linha: são 12 GB de memória RAM e 6 teraflops de GPU. O aparelho é belíssimo, menor que o modelo S e totalmente compatível com acessórios dos modelos antigos.

E sim, ele roda os jogos a 4K com elementos gráficos exagerados (os efeitos de luz, sombras, reflexos e partículas é algo que você nuca viu). Já até saiu a data de lançamento (7 de novembro). Até o preço agradou (US$ 499), pena que no Brasil vai sair caro.

 

Retrocompatibilidade com o Xbox

A segunda melhor coisa da conferencia da empresa de Redmond foi ainda com relação com o Xbox One X: Phil Spencer anunciou que a plataforma será retrocompatível com a biblioteca do Xbox original. Ou seja, você vai poder jogar megassucessos como Jade Empire, Knights of the Old Republic, Conker Live & Reloaded, Pazer Dragon Orta e muitos outros.

Vale lembrar que os jogos do Xbox 360 já estão compatíveis com o One, deste modo, a plataforma da Microsoft possui a maior biblioteca de jogos compatíveis dentre os três consoles do mercado. Muita gente torce o nariz para essa ideia de jogar games antigos, mas a comunidade retrogamer agradece.

 

Forza Motorsport 7

O primeiro grande título do Xbox One X não podia ser melhor: Forza Motorsport 7 é a realização dos sonhos de qualquer aficionado por corridas e jogos foto-realistas. Sim, o game é bonito demais e serve para dar um norte das possibilidades do novo console.

O visual de mudança dinâmica de clima impressiona e dificilmente vamos ver algo mais impressionante no primeiro ano da plataforma. A Turn 10 é especialista em apresentar jogos com qualidade gráfica e de jogabilidade impecáveis. Quem não curte simulador, pode apenas imaginar o que esses caras vão fazer numa provável sequência de Forza Horizon.

 

Sequências matadoras

Muita gente reclama que o Xbox não tem jogos exclusivos e isso é bem verdade, mas ainda assim os jogos apresentados impressionaram. Alguns dos destaques são justamente sequências muito esperadas de jogos famosos, como Metro Exodus, Assassins Creed Origins, State of Decay 2, Ori and the Will of the Wisps.

O novo Ori, aliás, é sem dúvidas um dos melhores da conferência e apesar de não servir para mostrar as capacidades técnicas do One, ao menos diverte muito e tem todo o potencial para agradar os jogadores que investiram na plataforma.

 

Novas IPs

Por muitos anos se diz que a indústria está estagnada em velhas franquias. Isto não foi o que se viu na conferência da Microsoft, pois a empresa de Redmond mostrou um batalhão de novas IPs. Algumas já eram velhas conhecidas do público, como Cuphead e Sea of Thieves, mas se colocarmos na balança, fica claro que os produtores estão investindo em novas ideias e estão saindo do lugar comum.

Entre os jogos apresentados estavam PlayerUnknown’s Battlegrounds, The Darwin Project, Deep Rock Galactic, The Last Night, The Artful Escape, Super Lucky’s Tale, Ashen, Anthem. Vale dar um destaque especial para Code Vein, um game da Bandai Namco com uma estética bem parecida com Dark Souls.

 

E os cinco momentos menos empolgantes

 

Minecraft em 4K

Sim, Minecraft é um dos jogos mais populares do mundo e é fácil entender por que a Microsoft continua investindo pesado na marca. Entretanto é desapontador que a empresa tenha dedicado um tempo considerável para anunciar que o jogo estará em 4K.

Não nos entenda mal, mas um anúncio rápido teria sido mais efetivo e poder-se-ia utilizar esse tempo para mostrar mais um pouco de outros games que ficamos curiosos. Além de mostrar Minecraft em 4K, a Microsoft já falou que haverá cross-play entre todas as plataformas em que o jogo foi lançado (com exceção do PS4).

 

Crackdown 3

Crackdown 3 é vendido como um dos pilares do Xbox One desde sua apresentação em 2014. Dsde então o game está no limbo do desenvolvimento. A julgar pelo trailer (e a data de lançamento marcada para 7 de novembro), finalmente os jogadores poderão botar as mãos no produto. Mas ainda assim, ele não é bem o jogo para vender plataforma que a Microsoft precisa.

Além disso, pelo tempo em desenvolvimento e a promessa de utilizar a nuvem para gerar efeitos destruidores de ultima geração, parece que Crackdown 3 está longe de ser essa bola toda. Visualmente o game também decepciona. Resta torcer para que o fator diversão nos cale. Mas confesso que pelo gameplay, não fiquei muito animado.

 

Sea of Thieves só em 2018

Outra notícia triste foi que Sea of Thieves somente será lançado em 2018, sem mês definido. Este sim é um jogo que me deixou muito animado e gostaria de jogá-lo o quanto antes. Naturalmente o tempo maior em produção vai servir para polir arestas e tornar a experiência mais próxima da perfeição.

O vídeo mostrado na E3 teve quase 10 minutos e apresentou uma missão de caça ao tesouro com exploração, luta de espadas e bastante ação. Parece que a Rare acertou o passo dessa vez, uma pena ter de esperar tanto por um game tão promissor.

 

Nada de VR ou AR

osvr

Uma dúvida ficou no ar ao fim da apresentação da Microsoft: será que a empresa desistiu dos óculos de realidade virtual e aumentada? Nas quase duas horas de conferência não se ouviu um pio sobre os planos ou jogos futuros que façam uso da tecnologia. E isto não foi apenas um problema da empresa, mas sim de todas as produtoras de jogos até o fechamento desta matéria.

O que acontece? Será que os desenvolvedores sacaram que este é um produto de nicho e resolveram abandonar o suporte, ou vão apenas deixar para mostrar jogos para os óculos em outros eventos futuros? Mistério!!!!!!!!!!

 

Microsoft foi “honesta demais”

A E3 é mais do que um evento de games, mas sim um evento para vender sonhos. A Sony sacou isso há alguns anos. Parece que a Microsoft ainda não entendeu, ou se recusa a dançar a mesma música que a concorrência. Não que a lealdade da empresa de Redmond seja execrável, mas não custava nada revelar coisas que vão sair em dois anos, tal como a Sony já fez no passado revelando God of War 4, The Last of Us e Shenmue 3.

Imaginem se a Microsoft encerra-se sua apresentação com a revelação de um novo Halo, Fable, ou quem sabe um Conker novo? Sim, sabemos que a essa altura Halo 6 deve estar em produção e só deve sair em 2018 ou 2019, talvez. Mas apenas o fato de vender o sonho de que o novo capítulo será o maior e mais surpreendente de todos os tempos deixaria as pessoas entorpecidas por meses a fio.

Goethe Institut promove ART Game Jam entre os dia 23 a 25 de junho em SP

Quem já participou de uma Game Jam sabe que o ambiente é propício para fazer amizades e até começar um projeto ambicioso que pode se tornar um game bem sucedido no futuro. Pois bem, se você deseja participar de uma Jam, a oportunidade está bem adiante, pois o Goethe-Institut São Paulo convida desenvolvedores de games, programadores, artistas, músicos e outras cabeças criativas para a criação de jogos durante o ART GAMES que acontece entre os dias 23 e 25 de junho.

De acordo com os organizadores do evento, esta Game Jam será um pouco diferente, pois o tema será “Games e Política”. Assim, são esperados projetos com crítica social e que renegociem as fronteiras entre arte, política e jogos. O tema, aliás, é bem pontual dado o momento conturbado que nosso país está enfrentando.

Estão convidados para o ART GAMES artistas, designers, cineastas, desenvolvedores de jogos e programadores de todo o país. A Jam é aberta para profissionais criativos de todas as áreas, inclusive àqueles sem experiência em Game Jams, afinal a ideia aqui não é a competição, mas sim a colaboração.

O evento ocorre na sexta-feira, 23 de junho, com horário marcado para começar às 17h e termina no domingo, 25 de junho, às 17h. São 24 horas de puro brainstorming e desenvolvimento. A organização do evento vai providenciar a alimentação dos participantes, bem como disponibilizará colchões para o merecido descanso. Ou seja, os participantes devem tão somente se preocupar com o material de trabalho, como notebook, cabos de energia, adaptadores e o software que deseja utilizar.

Porque participar do ART GAMES?

Os ART GAMES são parte de uma série global de Game Jams. Em cada uma de um total de oito Game Jams, um júri seleciona as três melhores ideias. Depois, um júri na Alemanha escolhe a melhor entre essas três. Os vencedores serão convidados para uma viagem à Alemanha em meados de 2018, a fim de apresentar seus jogos lá.

Os vencedores do Brasil encontram-se com as equipes de vencedores das outras sete Game Jams – entre outros, provenientes do México, da Indonésia, dos EUA, da Coreia do Sul e do Vietnã. Além disso, os vencedores ficam conhecendo desenvolvedores de jogos e especialistas alemães, podendo fazer contato com a cena de games tanto alemã quanto internacional. Além disso, todos os jogos desenvolvidos durante a Game Jam serão apresentados no site do Instituto Goethe.

Inscrição: Todos os interessados são convidados a enviar suas candidaturas até o dia 15 de junho. Através do site do Instituto Goethe.

 

Serviço – ART GAMES JAM

Quando: 23 a 25 de junho

Onde: Goethe Institut São Paulo – Rua Lisboa, 974 – São Paulo, SP

Quanto: Gratuito

Inscrições: No site da Goethe Institut até o dia 15 de junho

Nexon revela novo trailer de Durango para a E3 2017

A Nexon e o What! Studio aproveitaram esse período pré-E3 para apresentar o novo trailer de Durango, o RPG online em mundo aberto que se passa em um universo habitado por dinossauros ferozes. O game para dispositivos mobile deve chegar ao mercado ainda nesta primavera e se diferencia de outros jogos graças a sua ambientação e estilo artístico incríveis.

Em Durango os jogadores usarão os materiais e tecnologias transportadas de suas vidas anteriores para explorar e desenvolver uma região. De acordo com os criadores, Durango é a próxima evolução das experiências de MMO, com recursos completos os quais oferecem aos jogadores plena liberdade para perseguir vários pilares de jogo, ao mesmo tempo em que usufrui experiências únicas de exploração e construção de cidades com colaborações em tempo real e batalhas diretas contra clãs inimigos e dinossauros colossais.

Durango aumenta o nível de jogos persistentes e maciços em dispositivos móveis”, disse Lawrence Koh, Gerente Geral da Nexon M. “O What! Studio criou uma experiência rica e dinâmica para que os jogadores realmente se tornem pioneiros entre os dinossauros, permitindo que eles formem o mundo, os eventos e a história através de jogadas sociais e eventos cooperativos e competitivos no jogo”.

Além da exploração, os jogadores devem se unir em combates contra dinossauros carnívoros que costumam ser extremamente perigosos. Os aventureiros aprenderão a usar a terra em sua vantagem para criar armas, armaduras e ferramentas, assim como desenvolver aldeias que possam crescer e se tornarem fortalezas. Durango utiliza um revolucionário sistema de construção de mundos, gerado por processos que preenche o enorme mundo aberto com um número infinito de locais para descobrir e explorar.

O título será jogável na Electronic Entertainment Expo (E3) 2017 no Centro de Convenções de Los Angeles, de terça-feira, 13 de junho até quinta-feira, 15 de junho, no Mobile and Social Games Pavilion, South Hall, Stand #2623.

Abaixo você confere o trailer de Durango para a E3 2017:

Greenk Tech Show – São Paulo ganha maior evento de tecnologia e sustentabilidade do Brasil

Ainda que o grande acontecimento gamer/geek do momento vai rolar lá em Los Angeles, vale mencionar outro evento que vai rolar no Parque do Ibirapuera, aqui em São Paulo, entre os dias 23 a 25 de junho. Trata-se do Greenk Tech Show, que vai reunir Gamers, Geeks, Youtubers, Cosplayers e as principais marcas de tecnologia em um evento de conscientização ambiental. Este é o primeiro evento que vai reunir tecnologia e sustentabilidade no País.

De acordo com os organizadores, o encontro vai levantar questões como o descarte correto do lixo eletrônico (e-lixo), o uso consciente da tecnologia e as novidades do mercado. É a primeira vez que a questão ambiental relacionada à tecnologia ganha o principal espaço dentro de um evento deste porte. A ideia é justamente trazer à tona as boas práticas de descarte de materiais e de lixo eletrônico sem riscos ao meio ambiente.

Uma das atrações mais esperadas é a Arena Youtubers & Conhecimento que vai contar com a presença de alguns dos principais influenciadores da rede e os representantes da revista SuperInteressante da Editora Abril e Rádio Geek. Nesta área da Greenk Tech Show os visitantes irão conferir de perto apresentações dos youtubers RezendeEvil, Patife, Drezzy, gORDOx e do Wendell Lira.

Nesta mesma Arena vai rolar palestras e apresentações com presidentes e diretores de empresas de ponta da nova economia, representantes de coletivos e startups que estão revolucionando a tecnologia como a Amazon, Uber, Nu Bank, FIAP, Home Refill, Think Olga, Kickante, entre outros.

Outra atração é a ESL Arena, promovida pela maior empresa de eSports do mundo. Lá os jogadores poderão conferir em um telão LED de 34m2 competições com a presença de equipes profissionais e desafios entre cyberatletas e amadores. Dois jogos estão confirmados nos desafios e campeonatos: Counter Strike: Global Offensive e Clash Royale.

Como se não bastasse, a organização está preparando a Cosplay Run & Parade, onde cosplayers irão desfilar e correr ao longo do Parque do Ibirapuera em circuitos de 3 e 10km. Por fim, vale destacar o Drone Zone, um espaço exclusivo para uma competição de Drones com os pilotos mais irados. Além disso, haverá um painel chamado MiranteLab para você aprender a construir o seu próprio Drone.

Mais informações no site do evento.

 

Serviço – Greenk Tech Show

Quando: 23 a 25 de junho

Onde: Bienal do Ibirapuera – Parque do Ibirapuera – Av Pedro Álvares Cabral, s/n (portões 2, 3 e 10), Av IV Centenário – portões 6 e 7A, Av República do Líbano – portão 7.

Quanto: R$ 65 (meia) e R$ 130 (inteira)

Livro Lean Game Development explora táticas para um desenvolvimento de jogos sem desperdício de tempo e recursos

Ei, você que estuda desenvolvimento de jogos e está atrás de boas dicas para melhorar suas técnicas e evitar problemas recorrentes: na próxima terça-feira, 13, será lançado na sede da ThoughtWorks em São Paulo o livro Lean Game Development – ou Desenvolvimento Enxuto de Jogos. Basicamente, o livro apresenta um modelo de produção de jogos elaborado para atender todas as demandas da indústria, auxiliando o desenvolvedor a eliminar desperdícios, reduzir bugs e empoderar o trabalho de suas equipes.

O livro Lean Game Development foi criado pela Julia Naomi Boeira, e ele apresenta a visão de que o jogo digital é também um software, e que o desenvolvimento de software pode ser encarado como um jogo cooperativo de invenção e comunicação no qual todas as peças são importantes. Deste modo, a autora aborda diversos aspectos do desenvolvimento lean aplicados a jogos, como Inceptions e MVPs, desenvolvimento guiado a testes, integração contínua, geração de hipóteses, medições e análises.

Para manter a publicação atualizada, Julia planeja constantes alterações em seu conteúdo, visando oferecer uma alternativa metodológica para auxiliar a indústria de jogos a eliminar desperdícios, reduzir bugs e empoderar o trabalho de suas equipes — obtendo resultados com mais qualidade e no menor tempo possível.

O lançamento de Lean Game Development acontece na terça-feira, 13, a partir das 19h, com a participação de Paulo Caroli, consultor principal na ThoughtWorks Brasil e cofundador da Agile Brasil, e Ceci Fernandes, agilista na ThoughtWorks Brasil e board member da Agile Alliance Brazil, e debate com a autora Julia Naomi Boeira. Os interessados em comparecer ao evento devem realizar sua inscrição, que é gratuita, por meio deste link.

Sobre a autora de Lean Game Development

Para quem não conhece, Julia Naomi Boeira é desenvolvedora de software na ThoughtWorks Brasil e possui grande experiência no desenvolvimento de jogos, tendo idealizado o Lean Game Development. Atualmente, trabalha na divulgação da Engine Unity dentro da ThoughtWorks, principalmente em Realidade Aumentada.

Serviço – Lançamento de Lean Game Development

Quando: Terça-feira, 13 de junho de 2017, às 19h30

Onde: ThoughtWorks São Paulo – Avenida Paulista, 2300

Edifício São Luis Gonzaga – Conjunto 41

Como: É preciso realizar inscrição por do site.

BIG Festival – Conheça os 20 jogos brasileiros convidados para o BIG Booth

Além de premiar os melhores jogos nacionais, o BIG Festival também é um grande palco para os desenvolvedores apresentarem seus games para o público de maneira mais intimista. Tanto é que o BIG Booth é uma das áreas mais disputada pelos visitantes durante o evento, lá ficam expostos games promissores que não participam da competição principal. É uma oportunidade perfeita para apresentar o jogo para pessoas de todo o país, desde jogadores, até investidores.

De acordo com a organização do BIG, esses vinte games são grandes destaques da produção nacional e representam a cultura de desenvolvimento de vários estados, como Amazonas, Minas Gerais, Paraná, Bahia, Brasília, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e nossa amada São Paulo. A expectativa é que a edição deste ano atraia público recorde, além de centenas de investidores, publishers, buyers, imprensa e demais agentes da indústria mundial de games.

Abaixo tem a relação dos games que participam da exposição BIG Booth:

O BIG Festival acontece de 24 de junho a 2 de julho, no Centro Cultural São Paulo. Além do BIG Booth e do BIG Starter, o evento conta com uma premiação internacional em que 45 jogos de diversos países concorrem em 11 categorias, como “Melhor Jogo”, “Melhor Gameplay”, “Melhor Arte” etc. Todos esses títulos estarão disponíveis para o público testar gratuitamente na área de exposição do evento.

Serviço – 5º BIG Festival 2017

Quando: De 24 de junho a 2 de julho (Segunda, 26, não abre)
De terça a sexta: 10h às 22h / Sábado e domingo: 14h às 22h
Onde: Centro Cultural São Paulo – Rua Vergueiro 1000 – Paraíso, SP
Quanto: Entrada Gratuita

Games Independentes, Jogos Nacionais, Produção de Games e muito mais.