Opiniões divergem quanto às inovações que o Project Natal trará

O Project Natal, prometido pela Microsoft para este ano, parece ter agradado bastante os desenvolvedores. Peter Molyneux, chefão da Lionhead, comentou que o acessório pensado para a plataforma Xbox pode se tornar tão importante para a tecnologia doméstica quanto o mouse.

Molyneux defende que a tecnologia poderá ser utilizada para coisas que sequer são imaginadas hoje. A empolgação do executivo com o próximo periférico da Microsoft não é novidade: recentemente o executivo declarou que 2010 poderia se tornar o maior ano dos games, graças ao lançamento.

No fim de janeiro, Rob Cooper, executivo da Ubisoft, também se mostrou empolgado com a novidade. O estúdio francês teria dez games já em desenvolvimento para o acessório. De acordo com a visão de Cooper, a novidade pode significar uma mudança de paradigma e trazer ainda mais gamers para o mercado.

Mesmo com as declarações positivas, o ceticismo prevalece entre outros. Uma fonte ligada à Nintendo explicou que a tecnologia foi mostrada para Satoru Iwata em fase de protótipo ainda em 2007, mas foi dispensada uma vez que a empresa não poderia vender o equipamento por um preço compatível com sua política.

A mesma fonte declarou que não está convencida com tanta inovação, não ao menos pelo preço que a Microsoft pretende trazer o aparelho, algo possivelmente em torno de £ 50 (ou R$ 140, no exterior), conforme noticiamos no mês passado.

Seja como for, saberemos ainda em 2010, visto que o aparelho está prometido para o período do Natal deste ano. É fato, porém, que a criação, assim como o reconhecimento de movimentos proposto pela Nintendo com o lançamento do Wii, inspirará tecnologias semelhantes e, quem sabe, ainda mais avançadas.

A Trendy Entertainment foi outra empresa a anunciar uma tecnologia semelhante de reconhecimento de movimentos para computadores. A VisionPlay, que chega ao mercado ainda em 2010, utilizará a webcam de um computador para capturar movimentos e traduzí-los para um jogo de tênis.

E você, leitor? Acha que a tecnologia da Microsoft está sendo superestimada ou realmente pode mudar o mercado?

4 opiniões sobre “Opiniões divergem quanto às inovações que o Project Natal trará”

  1. Pois então. Toda vez que uma nova tecnologia surge, a tendência é que faça muito barulho e divida opinoões.
    Mas acredito que as opiniões mais relevantes virão depois que o Project Natal for lançado e utilizado por um certo número de pessoas.
    E como toda nova tecnologia, quando é lançada, seu valor é mais alto.
    Até aí, alguma novidade?
    Acho que teremos mesmo de esperar para vê-lo em uso, para saber se quando alguém passar atrás do jogador o dispositivo mudará ou não seu foco, se as pessoas vão ou não se cansar de jogar, se os movimentos terão que ser feitos com intensidade para que surtam efeito, enfim, as funcionalidades só serão conhecidas neste nível e consequentemente opinadas, uma vez que pudermos brincar com o Project Natal.
    Cá entre nós, o projeto parece saboroso… mas… só jogando!

  2. Super estimada demais. A base fanboy reclama da existência e do sucesso do wii por não entender a graça do console. Agora acha-se que com algo “mais avançado” eles vão ser melhores como sempre pensam que foram.

    Se bem que um rabbids nele pode ser MUITO interessante. Agora, pelamordedeus, o playstation eye está aí não é de hoje, e faz um bocado de tempo que pessoas tem “brincado” com webcams comuns.

  3. acho que eles estão prometendo demais, a tecnologia de reconhecimento de movimento existe e está bem avançada, mas será que eles entregarão tudo o que foi prometido? Será que os desenvolvedores saberão portar suas idéias do modelo bidimensional e tradicional do joystick para o ambiente tridimensional de uma sala?

    O Wii está no mercado desde 2006 e ainda existem desenvolvedores que não conseguem casar o jogo com a interface do wii-remote, fazendo ou jogos simples demais ou que tenham uma resposta ruim, com o wii motion plus só veio a piorá, o que resulta a pouca quantidade de jogo presente para o acessório.

    Não acho que basta ter o hardware, as mentes devem está pronta para tirar dele a melhor experiência possível para o jogador; eu por exemplo, espero que em vários anos tenhamos uma experiência de hiper-realidade semelhante ao do filme Matrix, onde poderemos literalmente fazer uma imersão completa no jogos e isso está sendo pesquisado, por isso não desanimem, o futuro promete muita coisa, essas tecnologias ainda são a ponta do iceberg.

  4. Desde o primeiro vídeo que vi do Natal, digo que até hoje, ainda não vi um game que vai me fazer parar na frente da TV e ficar parecendo um retardado fingindo que tenho um volante nas mãos, ou correndo sem sair do lugar ou até mesmo atirando no nada sem nada da mão! ¬¬

    Espero que eles consigam desenvolver idéias para aproveitar esse novo recurso como o próprio Molyneux fala que ainda nem sabem o real poder desta nova evolução dos games, que pelo visto esta chegando para todas as plataformas.

    Tenho 25 anos e me considero um dinossauro dos games, joguei desde o Atari ao Xbox 360. Louco por RPG. Geek e Nerd de carteirinha.

    Um abraço a todos, fica ai a minha crítica (até o momento) sobre este novo recurso das plataformas.

Deixe seu comentário