gr-europauniversalis3

Opinião: Paradox Interactive diz que piratas estão virando consumidores

A pirataria, o bicho papão da indústria dos games, pode ser um monstro enfraquecido. Pelo menos é o que acredita Fredrik Wester, CEO da Paradox Interactive, empresa responsável por games como Europa Universalis.

Em entrevista ao GamesIndustry, o executivo compartilhou um ponto de vista interessante, em que diz que o mercado de PC nunca foi tão forte e que a razão para o crescimento do mercado é porque muitos dos antigos piratas passaram ao posto de consumidores e estão pagando pelo download das versões originais dos games em serviços como o Steam, GamersGate e Impulse.

Talvez Wester tenha razão em atribuir ao menos uma parte da responsabilidade pela diminuição da pirataria. Nos Estados Unidos, uma pesquisa recente realizada com 6 mil adolescentes estudantes (público que representa uma fatia de 35% dos jogadores do país) descobriu que 8% do orçamento dos jovens é gasto em games e 53% dos entrevistados estava inclinado a pagar por conteúdo baixável.

Boa notícia para desenvolvedores e também para jogadores, que pouco a pouco vão deixar de se preocupar com ameaças como o recém-descoberto “vírus pornô”, um malware que está sendo transmitido em redes P2P em arquivos de jogos e, quando instalado em um PC publica em um endereço todo o histórico de navegação e chantageia o jogador a pagar um equivalente a R$ 27 para remover. Não temam, porém, apesar de existir riscos em downloads ilegais, o vírus japonês está sendo transmitido apenas em instaladores de games “hentai” (daí o nome “vírus pornô”).

E você, leitor? Acha que a pirataria tem diminuido? Você já comprou games distribuídos via download?

Deixe seu comentário