gr-onlive

OnLive: vai mesmo mudar o mercado de games?

gr-onlive

Na semana passada, pipocou na internet um assunto interessante: a rede OnLive foi apresentada.

Para o gamer que não leu em outros meios, o que achamos difícil uma vez que a cobertura foi maciça, o serviço gamer segue o mesmo princípio da “cloud computing”.

Em simples palavras, a OnLive se encarregará do processamento de games, hoje todo baseado no computador do usuário. Ou seja, o servidor precisará ser potentíssimo, enquanto o computador do usuário pode ser uma máquina menos poderosa.

Apesar da conexão rápida, no mínimo de 1,5 Mbps, o OnLive promete acabar com um modelo de negócios de games para computador que existe há décadas: o de upgrades constantes de hardware.

A existência de uma caixinha permitirá que os jogos de PC rodem também em um televisor, como um videogame. Indo além, qualquer usuário, indendente do sistema operacional, poderá rodar um game programado para Windows, uma vez que todo processamento acontecerá nos servidores da empresa.

Muitas empresas, entre elas a gigante EA, já confirmaram parceria com o OnLive, que deve funcionar com um sistema de mensalidade ou anuidade ainda não confirmado.

E a “confusão” está feita. Muita gente está dizendo que será um impacto brutal que pode mudar a indústria dos games, inclusive ofuscando os consoles.

Queremos saber de você, leitor, o que você acredita que pode surgir desta idéia?

6 opiniões sobre “OnLive: vai mesmo mudar o mercado de games?”

  1. Acho muito interessante esse modelo de negócios na teoria, mas na pratica tenho minhas duvidas. Será que os servidores potentissimos irão suportar o processamento em paralelo de vários jogos? A rede vai suportar o número de acessos e o tráfego de informações?

  2. Com certeza este modelo de distribuição será o futuro dos games. Mais prático para os usuários e mais seguro para os desenvolvedores. Quem não vai gostar muito serão os piratas.

  3. Kramba se der certo vai ser muito loko, mas quem aqui no brasil vai ter condições de ter uma internete de no minimo 1,5 kbps, ou pior quanto vai custar esta mensalidade ou anuidade?

    falow…

  4. O maior problema é que há um “se” muito grande. As chances do serviço não funcionar direito são muitas. Além disso, a necessidade de uma conexão descente automaticamente tirá de muitas pessoas a possibilidade de usar o serviço. Se nos EUA já é difícil, imagina no resto do mundo. Quem sabe eventualmente esse seja o padrão, mas duvido que pegue agora. As pessoas que testaram na GDC disseram haver um pouco de LAG, sendo que o servidor não estava tão longe assim. Imagine em um país inteiro…

    Além disso existem dois pontos pessoais que me incomodam. Um, ter de estar conectado à internet para jogar jogos singleplayer. Outro, é poder demais concentrado em um único lugar. Não digo isso para a eventualidade de um erro ocorrer no servidor deles. Digo da liberdade de cada jogador mesmo. Se todos começarem a usar apenas o serviço, a cena dos mods desapareceria completamente, por exemplo.

    Acho que ainda existe um número grande demais de variáveis. A ideia é interessante, mas ainda é cedo para algo do tipo.

  5. Seria legal se algo assim acabasse com exclusividades, como a impossibilidade de jogar um zelda e um gta4 sem comprar mais de um console.

    Agora eu gostei mesmo pq desde que furtaram meus hardwares ando pensando em algo assim.

  6. A idéia é muito boa, mas acho que vai depender muito de como vão disponibilizar este serviço. Se conseguirem atingir um plano bom, bonito e barato, acho que os consoles podem ficar preocupados, os PCs e os portáteis ainda vão ter seu espaço no mercado, por enquanto. Na verdade, acho que pode demorar um pouco para que todos possam usar, digo, na America Latina, por exemplo, o acesso a este serviço vai ser muito restrito ou quase nulo, a banda tem que ser alta e segura, constante e que não fique congestionada em finais de semana e feriados.
    No mais, o quão bom será o jogo rodando em outro lugar e a imagem rolando na minha tela, será que os gráficos serão a mesma coisa? E a jogabilidade, vai responder no mesmo instante que pressiono o botão? E o som? Como será meu acesso aos lançamentos, tenho que ser cliente VIP Gold Premium Blaster ou posso comprar por $9,99? Se der pau, como posso arrumar, existe call Center? Não quero ficar esperando dia útil pra resolverem, acabo de comprar dois jogos lançamentos hoje, até segunda não serão mais e eu paguei por eles. Ou coisa do tipo.
    Ainda falta muita informação, mas já da a impressão que pegou, que vai dar certo e que neste Natal todos terão um destes em casa, é assim com mercado de games.

Deixe seu comentário