IndieReporter: jogue Estamos Pensando e conheça mais sobre o game

Esta semana publicamos aqui no GameReporter nosso primeiro texto do IndieReporter, uma série com desenvolvedores do cenário independente nacional, estúdios brazucas e suas produções.

Hoje voltamos ao nosso primeiro personagem, Daniel Novais, e sugerimos seu primeiro game Estamos Pensando. Criado como uma pequena peça de arte digital para o simpósio SBGames 2008, o joguinho em Flash teve destaque aqui no próprio GameReporter na época.

Estamos Pensando puxa para a filosofia, e em vez de colocar o jogador no papel de um herói, traz um dilema corriqueiro na vida amorosa de muitos: o sofrimento com a expectativa da pessoa amada. Apesar de bastante simples, o game tem pontos altos e merece um lugar de destaque. E, é claro, pode inspirar quem está entrando na área agora.

Com a palavra, Daniel, contando um pouquinho sobre o desenvolvimento e a receptividade ao Estamos Pensando:

“O primeiro semestre de programação da PUC-SP usava o Flash para ensinar o básico de programação. Apesar de já ter tido diversos contatos com o Flash, não sabia fazer absolutamente nada. Depois de um final do semestre muito proveitoso, fiquei sabendo do SBGames e estava com as férias escolares e um pequeno período de ociosidade com o trabalho, então resolvi desenvolver o game pensando no festival.

Na época, estava descobrindo os games como forma de arte (em especial, Passage e Gravitation do Jason Rohrer) e sempre lia a seção Artistic Saturday Timewaster do Kotaku US. A idéia era fazer um game simples de plataforma, mas no final a coisa acabou ganhando essa orientação artística.

O nome do game é Estamos Pensando pelo motivo mais bobo. Eu estava tentando fazer um logotipo sem ter decidido ainda o título do jogo. Então eu deixei Estamos Pensando (como em “ainda estamos pensando no título”) como texto de teste. Quando chegou a hora de fazer o submit pro festival, ainda não tinha pensado em nada e resolvi deixar desse jeito mesmo. Um lado meu se arrepende e muito disso: tem muita gente nesse mundo que é brutal com títulos de jogos que não sejam em inglês ou japonês. Fora, claro, que deu uma impressão de arte pretensiosa.

Lição aprendida!

Quanto ao jogo, uma coisa que eu simplesmente não consegui imaginar enquanto desenvolvia foi esse pensamento de suicídio que as pessoas tiveram. Muita gente acha que o jogo é depressivo porque o personagem se suicida. Pra mim, nunca foi um caso de suicídio. É um momento inconsequente, de esquecer a razão e fazer a coisa mais idiota sem pensar. Um erro, e não uma tentativa com sucesso de suicídio. Foi essa sensação que eu tentei causar no jogador e, acho eu, os que gostaram do jogo gostaram exatamente porque “caíram” e entenderam essa intenção.

Com todo o respeito do mundo ao SBGames (e lembrando que quem estava lá viu que eu estava completamente eufórico na hora do anúncio), este acabou sendo um evento de segundo plano. Destaque num fim de semana no Kotaku US é uma experiência completamente maluca e que nunca vai sumir de mim. Acho que passei umas duas semanas sem saber o que acontecia no resto do mundo, só encontrando no Google gente falando as coisas mais horríveis e mais bacanas sobre o jogo. Era uma alegria extrema combinada com muita dor. Ás vezes até na mesma frase. Lembro de um “o game mais legal já feito por alguém que não sabe escrever”.

O mais engraçado é que ficou uma sensação de melancolia e depressão no jogo. Na verdade, sou um cara muito sorridente e isso me incomodava muito. Acho que isso está mais claro agora no Mystery of the Japanese Werewolf. E, ainda bem, o comentário mais repetido sobre o jogo até agora é que o humor dele é o que mais vale a pena. Ufa!”

:: Gostou? Jogue Estamos Pensando agora

2 opiniões sobre “IndieReporter: jogue Estamos Pensando e conheça mais sobre o game”

Deixe seu comentário