Escola Brasileira de Games ensina como abrir uma empresa

Muitos jovens desenvolvedores nutrem o sonho de abrir suas próprias produtoras a fim de publicar seus títulos de forma independente. Entretanto, existe muita burocracia para conseguir tal feito e é ainda mais difícil gerenciar um negócio tão arriscado quanto abrir uma desenvolvedora de games. Pensando nesses desenvolvedores, o administrador de empresas Marcus Imaizumi criou a Escola Brasileira de Games (EBG), uma escola que dá dicas de estratégias de marketing, planos de negócio e planejamento financeiro para que a futura desenvolvedora não vá à falência nos primeiros meses.

A escola é pioneira na arte de treinamento e capacitação em gestão de negócios envolvendo jogos eletrônicos. Marcus Imaizumi trabalha com administração de empresas há 15 anos, tendo passagens por empresas como Yahoo!, Habbo e Innogames.

De acordo com o empresário, a criação da EBG foi motivada após observar que muitos jogos desenvolvidos no Brasil tinham potencial de sucesso comercial, mas acabavam falhando porque seus criadores não sabiam posicioná-los no mercado. “Nosso objetivo é prover o conhecimento necessário para que os alunos obtenham sucesso com suas criações”, disse Marcus Imaizumi, fundador e professor da EBG.

A EBG nasceu com auxílio da Gamebiz, também dirigida por Imaizumi e especializada em desenvolvimento de negócios para jogos online. Para atender a expectativa dos alunos, a escola utiliza experiências e práticas de gestão reais de empresas da área de várias partes do mundo.

A princípio a escola oferece 30 cursos de curta duração (entre 3 a 8 horas), focados em administração e empreendedorismo, marketing, publicidade, monetização, game design e produção. As aulas são ministradas por profissionais com larga experiência como o próprio Imaizumi, que atuou como country manager no Brasil para empresas de fora.

A intenção da escola é que os alunos formados sejam capazes de pesquisar o mercado, analisar a concorrência, elaborar previsão de vendas e criar planos de promoção. Além disso, há aulas focadas em “realidade aumentada”, “oportunidades de marketing em games” e “storytelling”. Para mais informações sobre horários e valores, acesse o site oficial da EBG.

Deixe seu comentário