Todos os post de Luiz Silva

Luiz Silva, jornalista de games formado pela Universidade Paulista. Já escreveu para as revistas da Tambor Digital (EGW, Gameworld), para o site Player 2 entre outras coisas. "Sou um entusiasta por videogames, apesar de jovem já tive até um Atari, minha série favorita é Silent Hill".

Estudo atesta que mercado de games está crescendo no Brasil


Durante muito tempo os jogadores sempre ouviram a promessa de que um dia o Brasil se tornaria o país dos games e essa promessa sempre pareceu tão distante, seja por preços abusivos ou pelo fantasma da pirataria que nunca deixou de existir.

Contudo, aos poucos a nossa indústria vai vendo essa realidade se alterando. Em 2011, por exemplo, foi feito um estudo que evidenciou que nosso país está evoluindo muito. O estudo foi conduzido pela GfK Consumer Choices, a 4º maior companhia dedicada em pesquisa de mercado do mundo e líder em pesquisas relacionadas a tecnologia e eletroeletrônicos.

De acordo com a pesquisa, em 2010 foram vendidos cerca de 642 mil consoles no varejo convencional. Se esses números são impressionantes, o que dizer das 935 mil unidades que foram comercializadas em 2011? Esse aumento representa um crescimento de 53% em relação ao ano anterior e um crescimento no faturamento de 47%. Trocando em miúdos, a indústria de videogames faturou astronômicos R$ 650 milhões em 2011 contra os R$ 320 mi do ano anterior.

“O que está acontecendo é a migração de compras feitas no mercado informal para o oficial. Com a queda de preço nas lojas, está cada vez mais fácil resistir à tentação de pedir a alguém para trazer um game do exterior, por exemplo”, disse Oliver Römerscheidt, gerente de negócios e entretenimento da GfK.

De acordo com Römerscheidt, a GfK notou uma importante queda em uma marca de videogame vendido no Brasil no período entre 2010 e 2011. Com isso é fácil prever que o dinheiro sobrando no bolso dos jogadores foi utilizado na compra de jogos originais. Além disso, a tecnologia empregada na nova geração praticamente inibe os jogadores que insistiam no uso de produtos piratas, completou o executivo.

Além da indústria de eletrônicos, a GfK também monitorou a indústria de vídeos (DVD e Blu-Ray) e de brinquedos. De acordo com a empresa, a indústria de entretenimento somou ao todo quase seis bilhões. A GfK concluiu com esse estudo que a indústria de games não apenas está em alta, como também ajudou a aquecer de modo geral a indústria de entretenimento no país.

Ou seja, os games são responsáveis por praticamente 10% dos lucros envolvendo entretenimento no Brasil. É pouco, mas se analisarmos friamente pode-se notar uma evolução muito evidente em apenas um ano de análise, além disso, somos um mercado em franca expansão.

Agora dá para entender porque várias empresas investem pesado no nosso país, certo?

Game indie faz paródia sobre caso ECAD

Como todos sabem, nos últimos dias a internet vivenciou uma grande polêmica envolvendo o ECAD, o Escritório de Arrecadação e Distribuição, após o órgão notificar o blog Caligrafitti no último dia 5 de março a pagar uma multa de R$ 352,59 mensais por postar vídeos do Youtube e Vimeo. O caso não pegou bem para o ECAD e irritou os internautas.

Pois bem, a polêmica parece ter chegado ao fim, porém isso não impediu o estúdio deV( )id! de criar um game que retrata a polêmica. O game batizado de arrECAD tem como objetivo fazer com que o jogador arrecade o máximo que puder em taxas cobradas de manifestações culturais como festas juninas, blogs, shows indie, casamentos etc.

O game é bem simples: você controla uma espécie de porrete escrito ECAD e deve acertar qualquer coisa que surja nos buracos, variando entre noivos, caipiras, roqueiros e blogueiros. Quanto mais acertos mais dinheiro arrecadado. O jogador deve se atentar aos meses do ano, pois quanto mais dinheiro conseguir angariar, melhor. Pois, conforme definem os criadores “o ano é curto para quem não tem fins lucrativos”. O game pode ser conferido e jogado na sua página no Facebook.

Para quem não conhece, o deV()id Games é um estúdio independente de jogos do Rio de Janeiro formado pela dupla Bruno Tinnus Ferreira e Yanko “Yanko”. Entre seus projetos destacam-se os jogos SumoCheckers, Corrida Presidencial e Scroll Lock.

Arkade lança nova edição de revista digital e novo podcast

Procurando algo de interessante na internet? Pare de procurar! O time do site Arkade está com duas novidades nesta semana que devem agradar em cheio os amantes de videogames que procuram entretenimento e notícias além dos costumeiros sites de notícia.

A primeira é que saiu a primeiríssima versão do aguardado Arkadecast. O programa conta com mais de 50 min e é dedicado aos games mais aguardados da temporada 2012 como Street Fighter X Tekken, Star Wars: The Old Republic, Diablo III, Resident Evil 6, entre outros. Quem já ouviu o podcast rasgou elogios.

A segunda novidade é a chegada da edição 33 da revista digital Arkade, que conta com Street Fighter x Tekken na capa. No miolo da revista o leitor encontra variadas matérias como a do jogo brasileiro Starship, uma grande entrevista com o Moacyr Alves Jr., criador da Acigamnes e do movimento Jogo Justo, além de reviews de Mass Effect 3, Asura’s Wrath , Iam Alive etc. A revista está disponível para leitura online ou download no site da Arkade.

Com esses dois lançamentos, você já tem o que fazer durante algumas preciosas horas de ócio.

E-book oferece dicas de programação em C/C++ e Win 32 API

Está é uma dica para quem está aprendendo a programar em C/C++ e gostaria de saber como funciona a programação visual no Windows. O programador de jogos e professor da UNICSUL, André Kishimoto, está disponibilizando um livro digital que contém informações valiosas sobre programações.

Com o e-book, o estudante aprende conceitos de programação, gráficos vetoriais/bitmap e áudio, criação de programas com janelas não retangulares, editar o registro do Windows via programação etc.

Além de C/C++, o livro ainda traz informações de outras linguagens como o Visual Basic e Delphi, já que os exemplos do arquivo foram escritos usando a API do Windows (o que dá uma pequena noção de API’s gráficas nativas para Linux e Mac).

Ao todo o e-book conta com 200 páginas e está todo em português. Quem se interessar pode encontrar mais informações, exemplos com código fonte e formas de aquisição através do site. Além disso, a página tem informações de como entrar em contato com o responsável pelo livro. Há ainda a possibilidade de baixar uma prévio de 16 páginas do livro, assim você tem uma noção do que esperar do produto completo.

Tectoy Studios abre vaga para estagiário em programação

A Tectoy Studios acaba de abrir uma vaga de estágio em programação e implantação para universitários que estejam cursando Ciência ou Engenharia da Computação, ou ainda cursos similares. Obviamente o profissional irá trabalhar no desenvolvimento de jogos para dispositivos móveis ou redes sociais, além de portar games estrangeiros para o mercado nacional.

Um dos requisitos é que o candidato tenha boa formação em computação gráfica e arquitetura de computadores, além disso, é necessário ter experiência em programação Java ou C/C++ e inglês fluente. Também ajuda se o candidato tiver disponibilidade para morar na cidade de Campinas, que é onde fica localizada a Tectoy, e, obviamente, paixão por jogos eletrônicos.

Com relação aos benefícios, a empresa oferece vale-refeição e vale-transporte. Se isto não é o bastante, o profissional ainda vai ter em seu currículo a experiência de trabalhar numa das mais antigas e respeitadas empresas ligadas à indústria de games no Brasil. Os candidatos devem encaminhar o currículo para careers@tectoystudios.com, informando no assunto: “Vaga de estágio em programação”. Em seguida é torcer para que tudo corra bem.

Jogo explica crise do euro e ensina economia de forma divertida

Nos últimos anos o mundo tem vivido sob a sombra de crises financeiras globais. Eventualmente ouvimos no jornal sobre a crise que afeta a zona do euro, porém essas notícias ou parecem distantes demais ou incompreensíveis demais para nós brasileiros.

Talvez pensando nisso, o economista Richard Rytenband e pelo especialista em comportamento humano Felipe Okazaki desenvolveram o jogo “A Pequena Grande Crise 2: A Ameaça Agora é Outra”, jogo que visa ensinar os jogadores mais jovens como funciona a economia e o mercado financeiro. O objetivo é mostrar como pequenas decisões afetam a economia global. “A ideia é ensinar jovens sobre como funciona a economia e o mercado financeiro, mostrando como pequenas decisões podem influenciar as bolsas mundiais” – afirmam os idealizadores.

No novo game os jogadores é colocado na cadeira do presidente da União Européia e do Banco Central Europeu. A idéia geral é que você decida as taxas de juros, empréstimos a países quebrados e intermediações entre presidentes das mais importantes nações do velho continente. Em caso de sucesso a economia global é restaurada e a população continua vivendo bem, do contrário o mundo inteiro pode ter problemas. Ou seja, suas decisões serão vitais para a saúde financeira da humanidade.

Parece difícil demais? Não se preocupe, seguindo o estilo “Sim City”, o game oferece dois conselheiros para que você ouça os “pormenores” de cada decisão. Os conselheiros são versões satirizadas dos presidentes americanos George W. Bush e Barack Obama. Mas fica a dica: no final das contas é o jogador que escolhe que decisões tomar.

Outros personagens incluem os ministros gregos representados na figura do Jabba the Hutch da série Star Wars. O game oferece três finais disponíveis, dependendo do seu desempenho, levando-se em consideração as decisões que foram tomadas.

Vale lembrar que o game é seqüência do aclamado “A Pequena Grande Crise” que foi lançado em idos de 2008 e tratava justamente sobre a crise financeira americana. O jogo tornou-se sucesso de crítica, colecionando boas críticas e premiações, inclusive o disputado prêmio de melhor jogo de educação da América Latina no Nave Awards 2009.

Você pode conferir “A Pequena Grande Crise 2: O inimigo agora é outro” através do próprio site do game. Em seguida nos diga o que achou.

Carta de um desenvolvedor de jogos desconhecido (1985)

O GameReporter não poderia deixar de publicar uma carta do lendário desenvolvedor de jogos e produtor John Romero (Wolfstein, Quake, Deus Ex etc), escrita em 1985 para o também produtor de jogos Jordan Mechner (Karateka, Prince of Persia, The Last Express etc).

Na carta, Romero se apresenta como um jovem desenvolvedor de jogos muito interessado nos games criados por Mechner, aproveitando a ocasião para fazer perguntas sobre o desenvolvimento de jogos. Além disso, Romero ainda fala sobre os jogos que ele esteve trabalhando na época.

Vale lembrar que naquele período John Romero não era nem um pouco conhecido por suas obras como é hoje. Ou seja, a carta serve como incentivo para novos desenvolvedores, pois a carta mostra que até mesmo os mais proeminentes produtores de jogos da indústria um dia já tiveram dúvidas e admirou trabalhos de outros profissionais. A tradução e adaptação são livres. A carta original pode ser lida na íntegra no aqui no formato PDF.

“Olá, deixe que eu me apresente.

Meu nome é John Romero e atualmente vivo em Needingwonth, Inglaterra. Eu sou um norte-americano e vivo aqui com minha família.

Eu estou escrevendo porque eu joguei o jogo Karateka (na verdade, eu tenho o jogo). Estou escrevendo porque você precisa ser parabenizado por este jogo. Fiquei absolutamente impressionado com os efeitos gráficos, sombras e tudo mais. Você fez um ótimo trabalho. Eu acho que ele define o conceito de arte para os futuros jogos da Apple. A tecnologia estava no hardware da Apple todo esse tempo para reproduzir esses gráficos e só precisava de um programador como você para torná-los reais.

Agora tenho de me trair. Eu também sou um programador de jogos, embora desconhecido. Pelo que eu vi na tela, deduzi muito das técnicas utilizada na elaboração dos gráficos.

Para a música. Eu gostaria de saber se você usou o Music Construction Set. Eu terminei o jogo muitas vezes e eu continuo jogando para ouvir mais daquela música excelente. Você compôs aquela música ou o que? Se você fez isso, você deve ser algum músico!

Tudo somado, o jogo é absolutamente incrível. Eu tenho estudado os jogos da Brodenbund e todos eles têm animações não-intermitentes e demos excelentes. Fiz toneladas de jogos, mas até recentemente eu não usei todas as técnicas de animação avançados como o “Page flipping” ou animação. Agora que eu sei como essas técnicas são boas estou começando a usá-las (a técnica de flipping requer uma tremenda quantidade de trabalho)!

Eu também o agradeço por redefinir os meus métodos de animação. Desde Karateka, minha visão gráfica mudou. Eu criei novas rotinas de desenho e algoritmos de inversão. Se você pudesse ver a minha última obra de arte (que ainda está privada de avançadas técnicas de animação é claro, mas ainda assim é boa o suficiente), basta me escrever para e requisitar (não se esqueça de incluir o endereço). O jogo se chama The Pyramids of Egypt.

Muitas pessoas acham que é melhor do que Lode Runner, e quase todo mundo grita Tutankamen (!) quando eles o vêem pela primeira vez. Ele funciona com teclado e joystick e seu carro define suas chaves. Existem 108 níveis e planejo fazer 100 níveis de expansão.

De qualquer maneira, solicite-me e ele é seu. Atualmente, estou tentando vendê-lo a qualquer um que puder (o estúdio Broderbund é a primeiro na minha lista). Meu próximo projeto vai ser incrível (usando a técnica de flipping, é claro). Eu mal posso esperar até ter uma idéia para o meu próximo jogo!

Outra coisa que eu queria lhe perguntar é como foi fazer o fundo em rolagem? Desde Choplifter fiquei curioso em saber que tipo de dados e algoritmos são usados para desenhar um fundo em rolagem como o seu. Ah, sim, eu sei como fazer o movimento de “agitada” no cenário de fundo, mas não como vocês o fazem. Se decidir responder esta carta, eu seria eternamente grato se pudesse me explicar isso.

E se você tiver interesse de ver alguns dos meus jogos mais antigos, não procure mais longe do que a edição de junho de 1984 da revista nCider e a futura edição de junho (1985) e outra cujo eles ainda não me falaram ainda, também olhe na American Magazine de dezembro-1984 o meu jogo premiado Cavern Crusader. Sim, eu fiz algum material de respeito, mas eu ainda não entrei para a “grande liga” ainda. Basta esperar o meu próximo jogo!

Atenciosamente,

John Romero

Discípulo do grande Jordan e adorador de Mechner, o Magnífico!”

Acigames lança segunda edição de revista digital

Acabou de sair do forno a segunda edição da Acigames Magazine, a revista digital oficial da Associação Comercial, Industrial e Cultural de Jogos Eletrônicos de Uso Doméstico (a mesma do famoso movimento Jogo Justo).

A segunda edição segue a linha da primeira edição, ou seja, trazendo informações sobre o mercado de jogos e com uma mira certeira para pessoas de negócios interessadas em saber mais sobre o ramo. Vale lembrar que a edição saiu em português e em inglês.

A matéria de capa trata justamente sobre o mercado de games crescente em nosso país, falando, sobretudo sobre grandes empresas que fazem o mercado se manter e existir por aqui.

Há ainda uma matéria abordando games violentos e o pensamento enraizado de que eles podem ser responsáveis por mortes reais e uma reportagem sobre a lei antigames sugerida pelo senador Valdir Raupp. Além disso, o leitor poderá encontrar outras reportagens, entrevistas e matérias interessantes sobre tecnologia.

A publicação é produzida pela InsideComm, grupo de mídia e marketing, além disso, o periódico tem distribuição gratuita através da App Store, Android Market e no próprio site da Acigames. A revista pode ser baixada através do Android Market e também na App Store.

Vídeos explicam passo a passo o desenvolvimento para o Windows Phone 7

Confira essa dica bem interessante do Gamereporter: uma série de vídeos criada pelo brasileiro Fernando Martin (Caverna) para o Microsoft Virtual Academy (MVA). Para quem não conhece o MVA é um portal sobre desenvolvimento de aplicações para o Windows Phone 7.

A série de vídeos do Caverna, como não poderia deixar de ser, fala exatamente sobre desenvolvimento de games e aplicações para o Windows Phone 7. O canal conta com várias dicas e tutoriais passo-a-passo e é voltado especialmente para novos desenvolvedores da plataforma. Já que o site e os vídeos estão em português, os novos desenvolvedores encontram um material completo e sem complicações. Basicamente a ideia é compartilhar o aprendizado.

No canal você já encontra vídeos falando sobre a criação de personagens, tratamento de erros, User Input, entre outros. Em outras palavras, se você está começando a estudar desenvolvimento de games para o WP7 e precisa de boas referências, vale a pena dar uma olhada nesses vídeos. O Gamereporter aprova a iniciativa.

Gostou? Confira os vídeos do Fernando Martin aqui.

Rockstar anuncia GTA V

A Rockstar Games anunciou em seu site oficial a produção de Grand Theft Auto V. No modesto anúncio não há nenhuma informação sobre o título, personagens, enredo, data de lançamento ou detalhes adicionais.

A única informação concreta é que o primeiro trailer estreará na próxima semana, em 2 de novembro. Fora isso, a companhia ainda não revelou quais plataformas receberão o título, ou qual estúdio trabalhará no game. Continue lendo Rockstar anuncia GTA V