Massive Work Studio divulga mais detalhes do impressionante jogo Dolmen

Foram apenas duas semanas para acabar o período de financiamento coletivo de DOLMEN, o jogo Indie brasileiro inspirado na franquia Dark Souls e que promete qualidade em.níveis altíssimos. A equipe da Massive Work Studio decidiu envolver ainda mais a comunidade neste período tão importante do jogo  mostrando um pouco mais dos bastidores de seu horripilante RPG de ação.

O vídeo abaixo apresenta a enorme e misteriosa espaçonave Zoan, o veículo que será tão essencial durante a jornada do protagonista. A nave Zoan é onde a jornada começa. Ela contém algumas das tecnologias mais avançadas da humanidade e funciona como uma pequena porção de normalidade no mundo de DOLMEN – atuando como uma jangada proverbial para o jogador que enfrenta o planeta, até então inóspito, de Revion Prime.

Além de uma sala de comando e estação de trabalho totalmente equipada para construir e modificar armas e armaduras, a nave também conta com uma cozinha. Zoan também atua como o maior inventário do protagonista, significando que os recursos obtidos no mundo exterior que não forem armazenados lá podem ser perdidos para sempre.

A nave Zoan e o protagonista são apenas alguns dos aspectos cuidadosamente construídos do jogo que fazem de DOLMEN absurdamente detalhado e fascinante.

Veja o vídeo DOLMEN: The Main Character e The Zoan Ship abaixo:

Projeto que regulamenta os e-sports é aprovado pela Comissão de Ciência e Tecnologia

Novidade quente para os fãs de jogos eletrônicos: foi aprovado pela Comissão de Ciência e Tecnologia nesta última terça-feira (24) o projeto de lei PLS 383/2017 que regulamenta os e-Sports. Agora o projeto passa pela votação da Comissão de Educação. Basicamente isto significará que os jogadores profissionais serão reconhecidos como atletas, além de coibir toda prática discriminatória dentro de jogos online. Assim, o dia 27 de junho passa a ser o Dia do Esporte Eletrônico.

O projeto é de autoria do senador Roberto Rocha (PSDB-MA), e ainda será analisado em decisão terminativa pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte (CE). O projeto garante a liberdade da prática dos e-sports, estabelecendo como objetivos da modalidade o estímulo à boa convivência, ao fair play, à construção de identidades, o combate aos discursos de ódio que podem ser passados “subliminarmente” pelos jogos e o desenvolvimento de habilidades dos praticantes.


Explicação da Ementa:


Define como esporte as atividades que, fazendo uso de artefatos eletrônicos, caracteriza a competição de dois ou mais participantes, no sistema de ascenso e descenso misto de competição, com utilização do round-robin tournament systems, o knockout systems, ou outra tecnologia similar e com a mesma finalidade.

 

Polêmica

Há quem desconfie que esta é uma manobra para taxar a profissão de cyber atletas brasileiros, porém o projeto é omisso nesse aspecto. Não por acaso, muitas pessoas acreditam que mais impostos vão recair sobre a profissão de cyber atleta e times profissionais.

Sabe-se que uma vez que o projeto seja aprovado e torne-se lei, garante-se padronização da atividade. A parte interessante é sobre o cyberbullying, pois uma vez que a prática de configurar dentro do jogo digital o praticante comete crime e pode responder judicialmente pelo ato.

Já para quem joga socialmente com os amigos, nada de novo sob o sol. Confira o texto da ementa aqui.

Quais são os 10 jogos do PlayStation 4 mais bem avaliados pelos fãs?

Em muitos sites de jogos, os usuários podem postar suas análises sobre eles, classificando-os com uma nota. O GameFaqs, site de dicas sobre jogos, é provavelmente o mais completo da categoria. Nele, é possível ver quais são os jogos mais bem avaliados pelos usuários do site, de acordo com uma média da nota recebida pelos mesmos. De acordo com o GameFaqs, quais são os 10 jogos do PlayStation 4 mais bem avaliados pelos fãs?

10 – NieR: Automata (Platinum Games / Square Enix)

NieR: Automata é um RPG de ação lançado em 2017, sendo a sequência de Nier, de 2010, que era um spin-off da série Drakengard. Ambientado no meio de uma guerra entre máquinas criadas por invasores de outro mundo e os remanescentes da humanidade, a história segue as batalhas de uma androide de combate, seu companheiro e um protótipo fugitivo. A jogabilidade combina elementos de RPG com combate baseado em ação. O jogo obteve a média de 4.44/5 no GameFaqs.

9 – Disgaea 5: Alliance of Vengeance (Nippon Ichi Software / NIS America)

Disgaea 5: Alliance of Vengeance foi lançado em 2015 e é o sexto jogo da série Disgaea. A história central do jogo é centrada na ideia de vingança. O imperador maligno Void Dark devasta numerosos submundos após chegar ao poder, com a ajuda de um exército de mais de um milhão de soldados conhecidos como “The Lost”. Após isso, os suseranos nos submundos sob controle de Dark Void tentar se levantar e se vingar. O jogo obteve a média de 4.45/5 no GameFaqs.

8 – The Witcher 3: Wild Hunt (CD Projekt Red Studio / Warner Bros.)

The Witcher 3: Wild Hunt é um RPG de ação lançado em 2015. Baseado numa série de livros do mesmo nome, ele é a sequência de The Witcher 2: Assassins of Kings, de 2011. Jogado em um mundo aberto, os jogadores controlam o protagonista Geralt of Rivia, um caçador de monstros conhecidos como um “Witcher”, que está procurando por sua filha adotiva perdida. Os jogadores enfrentam os muitos perigos do jogo com armas e magias, e interagem com NPCs e completam a história principal e quests opcionais para ganhar experiência e dinheiro, que são usados para melhores as habilidades de Geralt e comprar equipamentos. A história central tem vários finais, determinados pelas escolhas do jogador em certos pontos do jogo. O jogo obteve a média de 4.46/5 no GameFaqs.

7 – Shovel Knight: Specter of Torment (Yacht Club Games)

Shovel Knight é um jogo de plataforma 2D, sendo o primeiro jogo do estúdio Yacht Club Games. Após uma campanha de sucesso no Kickstarter, o jogo foi lançado inicialmente em 2014 para diversas plataformas, ganhando mais versões posteriormente. Sua jogabilidade e gráficos são inspirados em jogos de plataforma desenvolvidos para o Nintendo 8bits. O jogo recebeu muitos elogios da crítica e ganhou vários prêmios. O jogo obteve a média de 4.46/5 no GameFaqs.

6 – Bloodborne (From Software / SCEA)

Bloodborne é um RPG de ação lançado em 2015. A história fala sobre o personagem principal, o Caçador (“Hunter”), através da decrépita cidade gótica inspirada na era vitoriana de Yharnam, cujos habitantes foram afligidos por uma doença anormal transmitida pelo sangue. Ao acordar lá na noite da Caçada, o jogador é introduzido à força nos ranks dos Caçadores e enigmaticamente mandam que ele “procure Paleblood”. Eles começam a desvendar os mistérios intrigantes da cidade enquanto matam seus muitos animais aterrorizantes, eventualmente tentando destruir a fonte da praga e escapar do pesadelo. O jogo obteve a média de 4.46/5 no GameFaqs.

5 – Monster Hunter: World (Capcom)

Monster Hunter: World é um RPG de ação lançado em 2018. Nele, o jogador assume o papel de um Caçador, que tem a rarefa de caçar e matar ou aprisionar monstros que vagam por vários espaços ambientais. Se ele tiver sucesso, o jogador é recompensado com diversas coisas, como partes do monstro e outros elementos usados para forjar armas e armaduras. O maior atrativo é forjar equipamentos apropriados para caçar monstros mais difíceis, que lhe darão partes para forjar equipamentos mais poderosos. Os jogadores podem caçar sozinhos ou em grupos de até 4 pessoas online. Em poucas semanas de lançamento, o jogo se tornar o jogo de vendagem mais rápida da história da Capcom, e com o tempo se tornou seu jogo mais vendido, com mais de 7 milhões de unidades vendias em menos de 2 meses. O jogo obteve a média de 4.46/5 no GameFaqs.

4 – The Last of Us Remastered (Naughty Dog / SCEA)

The Last of Us Remastered é um jogo de horror de sobrevivência, lançado originalmente em 2013 para o PlayStation 3. Além de algumas adições à jogabilidade, o jogo conta com gráficos melhores e melhorias como uma distância de vista do cenário maior, mecânicas de combate melhorados e uma taxa de quadros por segundo maior. O jogo se passa 20 anos após um surto causado por um fungo que destruiu boa parte da civilização. O jogador controla Joel, que tem o papel de escoltar Ellie pelos Estados Unidos em um período pós-apocalíptico, numa tentativa de curar a infecção, à qual Ellie é imune. O jogo recebeu diversos elogios da crítica, elogiando as melhorias gráficas e adições. Ele também se tornou um sucesso comercial, vendendo mais de 1 milhão de unidades no primeiro mês. O jogo obteve a média de 4.47/5 no GameFaqs.

3 – Yakuza 0 (Ryu ga Gotoku Studio / SEGA)

Yakuza 0 é um jogo de ação e aventura desenvolvido e publicado pela SEGA, com a história se passando antes do primeiro jogo da série Yakuza, lançado em 2017. O jogo se passa em 1988 em Kamurocho, uma representação fictícia da cidade de Kabukicho, em Tóquio; e Sotenbori, uma recriação da cidade de Dotonbori, em Osaka. O jogo se passa em um ambiente de mundo aberto e é jogado em terceira pessoa. O jogador controla o protagonista da série, Kazuma Kiryu, e um personagem querido pelos fãs, Goro Majima, alternando entre os dois em pontos predeterminados da história. Lançado no Japão em 2015, o jogo demorou para chegar ao ocidente, mas foi muito elogiado pela crítica, com a Eurogamer e Polygon colocando ele em suas listas dos melhores 50 jogos de 2017. O jogo obteve a média de 4.47/5 no GameFaqs.

2 – Moss (Polyarc / Sony Interactive Entertainment)

Moss é um jogo de aventura em realidade virtual apresentado numa mistura de perspectivas em primeira e terceira pessoa, com o principal foco em resolver quebra-cabeças, lançado em 2018. O jogador encontra um livro em uma biblioteca e é transportado para um mundo de fantasia dentro do livro, onde ele encontra um rato, Quill, e começa sua aventura. O Reino onde Quill mora é destronado por Sarffog, uma cobra que cospe fogo. Após o tio de Quill ser capturado, o leitor guia Quill numa aventura para derrotar Sarfogg e salvar seu tio. O jogo obteve a média de 4.50/5 no GameFaqs.

1 – Persona 5 (Atlus / SEGA)

Persona 5 é cronologicamente o sexto jogo da série Persona, lançado em setembro de 2016 no Japão e em abril de 2017 no ocidente. O jogo se passa na cidade de Tóquio moderna, onde o protagonista é transferido para a Academia Shujin após ser colocado em liberdade condicional por um assalto do qual foi falsamente acusado. Durante o curso do ano escolar, ele e outros estudantes despertam seus poderes Persona, se tornando um grupo secreto de vigilantes conhecidos como Caçadores Fantasmas de Corações que exploram o Metaverso, um reino sobrenatural que consiste da manifestação física dos desejos subconscientes da humanidade, para mudar as intenções malignas dos corações dos adultos. Anunciado pela primeira vez em 2013, o jogo foi adiado de sua data de lançamento em 2014 para receber melhorias, sendo adiado diversas vezes. No entanto, o jogo foi muito aclamado pela crítica, sendo considerado um dos melhores jogos de RPG de todos os tempos e indicado para diversos prêmios de Jogo do Ano de 2017. O jogo vendeu mais de 2 milhões de unidades no fim de 2017, sendo o mais bem sucedido da franquia. O jogo obteve a média de 4.57/5 no GameFaqs. Persona 5 foi desenvolvido pela Atlus, que hoje em dia é subsidiária da SEGA Sammy, que no Japão é famosa por seus jogos para consoles, arcades ou até cassinos, igual a outras empresas internacionais como a NetBet.

Mushroom Guardian: game mobile para iOS relembra os clássicos platformers da era 16 bits

Nosso destaque do dia é o game Mushroom Guardian, um título de plataforma para iOS desenvolvido pelo produtor independente Mariano Larronde, da Argentina. Ele é inspirado nos jogos clássicos dos anos 90. O jogo está em desenvolvimento há quatro anos e tem como objetivo entregar uma experiência divertida sem intromissões de microtransações.

Em Mushroom Guardian, os jogadores devem testar suas capacidades sem nenhum tipo de ajuda, como era nos jogos de plataformas das antigas, os quais provocavam um profundo sentimento de vitória no jogador.

De acordo com o desenvolvedor, o game é o resultado da mistura dos jogos de plataformas de console dos anos 90s, com uma gameplay frenética que exige ao jogador habilidades muito diversas, desde corridas tradicionais, rodar pelo chão, pular, voar, subir em carrinho de trem, se se jogar em barris e tiro ao alvo com arco e flecha. Tudo ao longo de 20 desafiadores níveis cuidadosamente construídos para serem acessíveis mas bem difíceis de atingir 100%.

Na trama o jogador deve ajudar o gnomo Igory a combater o ataque do Rei Sapo e seu exército de répteis, que querem roubar todos os cogumelos mágicos da sua aldeia. Por sorte, Ziggy, o coelho guardião, que está indo ajudar com sua incrível velocidade pode rastrear o Rei Sapo.

Mushroom Guardian conta com 20 fases estilizadas em gráficos bem desenvolvidos e uma mecânica simples de aprender, totalmente inspirada em jogos clássicos: Apontar, atirar, pular, voar e rolar pelo chão. O game já está disponível para download.

Abaixo tem o trailer de Mushroom Guardian:

Polandball: aprenda a resolver os problemas do mundo com o doce punho da justiça armamentista nesse jogo para mobile

O mundo está em constante tensão: protestos abalam a China, terroristas se disseminam no Iraque, zombies tomam a Grécia de assalto. Manter a paz mundial através de ataques certeiros ou restrições comerciais sempre foi papel dos EUA, a polícia do mundo. Entretanto a comunidade internacional tem visto as ações da América como abusivas. Chegou a hora de um novo patrulheiro ajudar a colocar os demais países em seus respectivos lugares! Esse é o mote por trás de Polandball: Not Safe for World.

Cansado de tantas reclamações os EUA decidiram contratar a Polônia para resolver todas a crises diplomáticas que surgirem, ou seja, você cuida do trabalho sujo, enquanto eles te dão o know-how de como agir nas diferentes situações. Oh sim, vale tudo para manter a paz, um bombardeio localizado nas nações insurgentes ou uma pequena dose nuclear não fazem mal a ninguém. Você deve estar se perguntando: por que a Polônia? Bem, porque sim, fique quieto e distribua um pouco de liberdade através de seus caças.

Polandball foi criado pelo estúdio Sunny Chow e infelizmente ainda não tem legendas em português. Mas se você souber um pouco de inglês vai se divertir bastante com o humor negro e situações inusitadas do jogo. O objetivo aqui é ver qual o tempo máximo você pode manter a paz. Mas não abuse da sorte: se você começar a destruir todos os países, os EUA vão te expulsar do time de países civilizados. Seja obediente!

O grande destaque é o visual do game que se apropria do famoso meme “Ball”, aquele que representa os países em forma de bolas. O jogo é bem colorido e fácil de aprender. O humor contido aqui será a coisa mais engraçada que você vai ver, apesar da evidente crítica às Nações Unidas. O game está disponível gratuitamente para Android. Atenção: este jogo é ofensivo!

Abaixo tem um vídeo de Polandball: Nota Safe for World:

A polêmica do BIG Festival x Desenvolvedores de Jogos: entenda o caso e a resposta da organização do evento

Criado em 2012 no Museu da Imagem e do Som (MIS), o BIG Festival se desenvolveu rapidamente de uma pequena mostra de games, para um evento de proporções e importância grandiosa. E não é por menos: foi ele o evento  pioneiro dedicado exclusivamente a jogos independentes do Brasil. Graças a ele os produtores nacionais conseguiram visibilidade e contato direto com o público como nunca antes. Claro, alguns eventos de grande porte como a BGS dedicam algum espaço para indies, mas apenas o BIG nasceu e cresceu com os pequenos produtores como foco principal.

Na última semana a comunidade de produtores nacionais e jogadores presenciaram uma polêmica envolvendo o BIG Festival. Fato este que levou até a produção do evento a escrever uma carta aberta a fim de responder os desenvolvedores. Tudo começou no último dia 18, quando um grupo de 250 desenvolvedores de jogos encaminhou uma carta aberta para o BIG. A carta continha algumas críticas e questionamentos acerca das políticas do evento.

“Viemos através desta apresentar oficialmente nossa insatisfação em relação às escolhas do Festival. Essa insatisfação não é nova e já tem sido comunicada aos organizadores por diversas vezes nos últimos anos, com pouco ou nenhum resultado. Nos preocupa e incomoda que o BIG Festival, que usa em seu nome ‘brazilian independent’, dê tão pouco espaço para nós, os tais desenvolvedores brasileiros independentes”, começava o documento.

Basicamente os desenvolvedores cobram maior transparência da organização em relação aos critérios de avaliação para chegar a ser finalista do evento. Além disso, não viram com bons olhos a participação da Bandai Namco dentro do evento julgando os games nacionais. Também foi cobrada a falta de espaço para jogos feitos por universitário, em detrimento de projetos de empresas já estabelecidas e com recursos grandiosos. Ao final do documento foram levantadas possíveis soluções para os problemas levantados.

Com a polêmica levantada e a assinatura de 250 desenvolvedores, a organização viu que as coisas poderiam evoluir rapidamente para uma situação desfavorável. A princípio o BIG tentou uma reunião com uma comitiva de desenvolvedores, porém a sugestão logo se viu inviabilizada por motivos de deslocamento e escolha dos membros da comitiva. Questionou-se o porquê a organização não responde simplesmente as reivindicações da carta ponto a ponto. Pois bem, a organização do evento ouviu a comunidade e encaminhou hoje (23) para a imprensa uma carta aberta respondendo todos os 16  pontos do documento.

O documento contém 28 páginas e pleiteia esclarecer as dúvidas levantadas. A primeira coisa é que a organização desmente veementemente o rumor de que poderia rolar uma lista negra aos desenvolvedores que assinaram a petição.

“É importante declarar que são boatos totalmente infundados quaisquer possibilidades de retaliação ou lista negra por parte do BIG a quem quer que seja signatário da carta. Não sabemos quem teve a ideia de inventar isso (de fato, vários comentários inventados e não checados circularam, inclusive pela imprensa, esse é apenas um dos mais absurdos deles). Seria totalmente absurdo gerar uma lista negra para uma carta que propõe melhorar o evento”, escreve Gustavo Steinberg, diretor executivo do BIG.
Visando melhorar a comunicação entre evento e desenvolvedores, o BIG continua sugerindo a eleição de uma comissão que represente a categoria. “Sugerimos, porém, que elejam uma comissão que possa trabalhar conosco ainda nesta edição. É difícil para o festival de se comunicar com 250 pessoas ao mesmo tempo. Nossa estrutura é BEM menor do que vocês imaginam”, diz o comunicado.

Na quarta-feira (25) será realizado um encontro entre os desenvolvedores e a direção do evento às 18h no Centro Cultural São Paulo. De acordo com o BIG o evento será transmitido online. Sobre a principal crítica do evento, a parte que fala sobre a falta de transparência e a presença de grandes empresas, o BIG se defendeu dizendo que os patrocinadores não tem influência na escolha dos jogos finalistas.

“O BIG é um evento de games que engloba diversos patrocinadores, associações, e órgãos, porém as associações e entidades não têm participação nenhuma na seleção dos jogos do festival, sendo escolhido um grupo de curadores que não tem ligação com as mesmas. Pedimos que casos específicos sejam encaminhados para que possamos apurar e responder à altura”.

Mais informações podem ser vistas no site do evento.

Trilha Sonora Original de DOOM será lançada em vinil e CD no Inverno de 2018

Essa é especial para os fãs de Doom, o shooter que revolucionou toda uma geração de games. A trilha sonora vai ser lançada em vinil em quatro versões arrasadoras. Os discos foram editados no famoso estúdio Abbey Road e estarão disponíveis nos formatos CD Duplo Deluxe, Vinil Duplo com 20 faixas selecionadas pelos desenvolvedores, uma Edição Especial com Quatro Discos em Vinil, e uma Vinyl Box Set Edição Especial Limitada – com os discos prensados em vinil vermelho de 180g, esta coleção de 4 LPs infernais inclui o CD Duplo Deluxe e um slipmat customizado em edição limitada para toca discos e mixers.

De acordo com a Laced Records, o Vinyl Box Set Edição Especial Limitada estará disponível apenas via pré-venda por um tempo limitado, que termina em 2 de maio de 2018, com a Laced Records. Vale lembrar que DOOM (Original Game Soundtrack) foi vencedora do Game Awards 2016 por Melhor Música/Sound Design, e indicada ao BAFTA Games por Melhor Música.

Composta pelo colaborador de longa data da Bethesda, Mick Gordon, sua visão sombria e intensa canaliza o metal industrial para expressar o tradicional gameplay brutal de DOOM em 31 faixas, com duração de mais de 2 horas. O processo de gravação permitiu que Gordon representasse o Inferno de DOOM através da energia da produção sonora, incutindo características de equipamentos analógicos em fontes digitais.
Vale destacar que Mick criou o “Instrumento DOOM”. Ele consiste em sine waves direcionadas em quatro cadeias de processos de áudio, e uma variedade de técnicas de pós-processamento, que permitiram que Gordon “corrompesse” dinamicamente os sons gerados.
Outras referências ao legado e à iconografia da franquia estão nas guitarras distorcidas e agudas, mixadas com o conhecido som da serra elétrica, extraído diretamente do game de 1993.

No site da Lacre Records você os detalhes do lançamento.

 

Saraiva e Sony organizam encontro para fãs para o lançamento de God of War em shopping de São Paulo

O espartano mais casca grossa do mundo está de volta! God of War já é considerado um dos maiores lançamentos do ano e para celebrar a volta de Kratos a Sony e a Saraiva organizam hoje (19/04) um evento de lançamento especial às 21h, na Saraiva do Shopping Pátio Paulista. O evento contará com programação especial, com bate-papo com os influenciadores Ishiro, do Casamento Nerd, Rik, e os integrantes do Novo Nerd.

De acordo com a Saraiva, haverão diversas atividades para que os fãs possam experimentar e conhecer um pouco mais sobre o jogo para PS4.

Programação completa:

21h às 22h: bate papo com Influenciadores Ishiro, do Casamento Nerd, Rik, e os integrantes do Novo Nerd

22h: liberação do GAMEPLAY do novo God Of War para participantes
00h: início das vendas do jogo

 

O novo jogo coloca Kratos em uma aventura por terras nórdicas, tendo de enfrentar criaturas poderosas e mais letais que antes. Vivendo como um homem, fora da sombra dos deuses, Kratos deve se adaptar a terras desconhecidas, ameaças inesperadas e a uma segunda oportunidade de ser pai. Junto ao seu filho, Atreus, os dois vão se aventurar pelas selvagens florestas nórdicas e lutar para cumprir uma missão pessoal.

 

Serviço – lançamento God of Está na Saraiva

Quando: 19/04/2018 a partir das 21hs
Local: Saraiva Shopping Pátio Paulista – Rua Treze de Maio, 1947 – Piso Paraíso

comKids: Mostra de obras interativas que acontece em agosto está com inscrições abertas.

Se você é desenvolvedor de games, livros interativos ou aplicações em geral em plataformas digitais,  ao perca a chance de se inscrever no Festival comKids, um evento que visa celebrar produções culturais voltadas para crianças e adolescentes em tablets, celulares, smartv, web, PCs etc. O evento ocorre em São Paulo nos dias 16 e 17 de agosto e está com inscrições abertas através do site para quem quiser fazer parte da mostra.

O comKids conta com.diversas atividades ao longo dos dois dias de evento, tais como palestras, painéis e a competição especial, além de mostras audiovisuais gratuitas que serão exibidas ao longo do mês de agosto em espaços culturais da cidade.

“O comkids interativo vem para refletir sobre esse tema e premiar, como sempre, todos os que produzem com criatividade, qualidade e compromisso com as crianças e jovens”, disse Beth Carmona, diretora-geral do comKids.

Produtores de mídias audiovisuais podem inscrever seus projetos e participar do evento. São seis as categorias em competição: apps, games, transmídia, plataformas, livros digitais e realidade aumentada. Os projetos devem ter sido criados em português ou espanhol. O importante é que tais trabalhos devem ter sido desenvolvidos majoritariamente na América Latina, Portugal, Espanha ou em países de língua portuguesa.

De acordo com a organização do evento, as obras devem ter sido finalizadas a partir de 2015. Após avaliação de um pré-juri, os finalistas apresentarão seus projetos durante o festival e o público participante do evento vai eleger os vencedores da competição.

Clique aqui para inscrever a sua obra.