Conheça o jogo indie Amora Crystal, que estará disponível na Steam em 9 de setembro

Hoje vamos falar de um novo jogo indie que promete divertir fãs do gênero plataforma. Criado pelo brasileiro Rapha Chiavegati, Amora Crystal nos coloca no papel da personagem homônima ao título que se lança em uma missão para resgatar seu namorado das garras do terrível vilão M, que está disposto a conquistar um poderoso cristal e usá-lo para seus objetivos escusos.

Cabe a Amora utilizar suas habilidades especiais para desbravar os cenários a fim de proteger o cristal e garantir a segurança dos animais da floresta. Sim, um dos motes do jogo é atravessar os cenários sem matar um único animal (acredite, não é tarefa fácil). A jogabilidade se assemelha ao clássico Super Mario Bros., de modo que os animais seriam como os goombas que passa pelo ambiente, e a movimentação de Amora é igual ao de Mario. A cada pulo você deve tomar cuidado para não esmagar os seres vivos da floresta.

Mas você deve estar se perguntando por que é tão importante não matar os animais, certo? Pois então, de acordo com Chiavegati, se você chegar ao final do jogo sem matar nenhum animal durante toda a campanha, será premiado com o final bom. Mas se houver a morte acidental de alguma criatura, o vilão M irá usar isso contra ela.

Amora Crystal terá nada menos que 18 fases, todas elas com boas referências aos games dos anos 90. A ideia é que o jogador tenha uma experiência parecida com a que tínhamos na época dos consoles 8-16 bits. Além disso, o jogo possui diversos itens a serem coletados em todas as fases, o que incentivará a exploração.

Além disso, durante a jogatina o player se depara com algumas aves presas em gaiolas que devem ser libertadas no decorrer da aventura. Coletando os diversos itens e salvando as aves o jogador pode desbloquear desafios extras após finalizar a campanha principal. Amora Crystal estará disponível a partir do dia 9 de setembro na Steam.

Abaixo você confere o trailer de Amora Crystal:

Top 10 – Melhores jogos da história da EA Games

Você certamente já deve ter ouvido que a Electronic Arts (EA Games) é a pior empresa do mundo, que suas práticas são predatórias e que os executivos da empresa estão apenas sedentos por dinheiro, certo? Pois é, este post não é para passar o pano para a empresa americana, mas sim para mostrar que a EA tem belos jogos e que devem ser conferidos por qualquer um.

Confira abaixo os 10 melhores jogos da EA:

 

Battlefield 3

Battlefield já era uma franquia respeitada antes do terceiro capítulo, mas foi somente com o terceiro capítulo que a comunidade passou a ver a série da EA como um rival perigoso para o domínio de Call of Duty, da Activision. O game chegou ao mercado no final de 2013 e logo conquistou aclamação da crítica especializada e atenção dos fãs de FPS, graças as suas mecânicas bem construídas, variedade de armas e o modo multiplayer viciante.

O modo multiplayer, aliás, é o grande destaque de Battlefield 3, reunindo nada menos que até 64 jogadores (PC) em uma única partida, praticamente redefinindo os jogos de tiro online. Ainda que a franquia não tenha se mantido altura das entregas de CoD, Battlefield 3 marcou uma época dos jogos eletrônicos em que os focos estavam saindo do singleplayer para o multiplayer.

 

Dead Space

Há quem pense que jogos de terror são coisas exclusivas da Capcom e da Konami, porém até mesmo a EA já teve sua própria franquia. Dead Space colocava o jogador em uma missão investigativa no ano 2508 em uma espaçonave que perdeu comunicação de maneira misteriosa. Ao chegar a espaçonave o protagonista Isaac é atacado por estranhas criaturas alienígenas deve utilizar seu treinamento militar e inteligência para entender o que estava ocorrendo e conseguir voltar para casa.

Dead Space surgiu em um momento que os fãs de terror estavam descrentes com jogos eletrônicos, afinal Silent Hill estava em franca decadência e Resident Evil se virava para uma direção mais voltada para a ação. E que surpresa o game não se mostrou? Havia um clima claustrofóbico, jump scares e momentos de extrema tensão. Para quem não jogou, essa aqui e uma obra prima do terror.

 

The Sim 2

O simulador de vida digital alcançou seu ponto máximo no segundo jogo, tornando-se o game de PC mais vendido de todos os tempos em sua época. O título não tem objetivos específicos, deixando o jogador livre para fazer o que quisesse. Criar a casa dos sonhos, arrumar uma esposa e criar seus filhos? Sim, tudo isso e muito mais e possível! As expansões deixaram o game ainda maior e mais diversificado. Muita gente detesta a “brincadeira de casinha”, mas a verdade é que jogar meia hora de The Sims 2 pode ser a porta de entrada para o vício.

 

Mass Effect 2

Outro game lançado pela EA na geração anterior e que foi considerado uma obra prima. Mas Effect 2 foi o ponto alto da franquia, introduzindo novos personagens, permitindo que o jogador faça múltiplas escolhas (que afetam o desenvolvimento da história). Não bastasse isso, Mass Effect 2 ainda contava com cenários de tirar o folego, uma aventura cheia de reviravoltas e tramas de fundo. Não e bobagem dizer que este jogo foi um dos que definiu os RPGs ocidentais nos anos vindouros. Até mesmo os RPGs orientais acabaram influenciados pelas mecânicas de Mass Effect 2 e toda a sua escala grandiosa. Trata-se de um game extremamente bem otimizado e que merece ser jogado por todos os fãs de jogos eletrônicos.

 

Need for Speed Most Wanted (2005)

Há quem considere NFS Underground 2 o maior e melhor de toda a franquia de corridas da EA, entretanto consideramos que Most Wanted (o original de 2005) e o ponto alto da franquia. MW pegou tudo que havia de bom nas corridas de Underground, porem ao invés de corridas noturnas o jogador deveria correr a luz do dia. Sua missão principal e ascender até o topo dos corredores de Rockport, e de quebra fugir da polícia. Colocar o jogo durante o dia possibilitou que o jogador prestasse atenção em diversos detalhes do cenário e fosse inundado por um show visual espetacular. Experimente sair de um túnel escuro e ter as retinas atingidas pela luz do dia. Espetacular!

 

Burnout Paradise

Burnout 3: Takedown foi um monstro, ou seja, um game que beirava a perfeição e uma compra obrigatória. Como melhorar uma formula tão bem feita? A Criterion pegou aquela sensação de velocidade insana, transportou para a nova geração de videogames e incluiu uma cidade fictícia que dá nome ao jogo. Não bastasse isso, Burnout tinha modos de jogo e desafios extremamente funcionais e que garantiam variedade na jogatina. A quantidade de veículos também e absurda e o sistema de conquistas casou bem com o jogo. Jogadores hardcore se esforçaram bastante para conquistar todos os troféus do game. E que trilha sonora magnifica!

 

Sim City 4

Uma verdade deve ser dita: já se passaram dezesseis anos desde o lançamento de Sim City 4 e ainda não existe nenhum game de administração de cidade minimamente a altura deste jogo. Sim, a Maxis conseguiu um triunfo que nem mesmo seus produtores seriam capazes de repetir. Os gráficos envelheceram bem e a cidade está sempre em movimento, dando ao jogador a sensação de que as coisas de fato evoluem.

Sim City 4 tem tantos detalhes e desafios que o jogador se sente compelido a fazer seu melhor sempre. Disponibilizar um Estadista inteiro para o jogador construir suas cidades foi um grande acerto, pois o jogador sente que suas cidades tem propósitos e não são isoladas em um contexto aleatório (tal como ocorria nos jogos anteriores).

 

The Lord of the Rings: The Battle for Middle-Earth II

É realmente difícil escolher um único jogo de RTS da EA, afinal a empresa entregou alguns dos mais magníficos do gênero, tais como Genewars, Populous e as diversas entradas de Command & Conquer, mas escolhemos o segundo capitulo de Battle for Middle Earth porque é um dos melhores e mais envolventes jogos inspirados na Terra Média. Imagine construir seu castelo, bolar estratégias e invocar os grandes heróis e vilões para varrer o chão com a cara de seus inimigos? Não há satisfação maior. Para quem curte a mitologia de Tolkien não existe jogo mais recompensador. Uma pena que o título não teve mais sequencias.

 

Black

Black foi um jogo lançado na transição de gerações, lá no equidistante ano de 2005 e meio que fazia parecer o investimento nos novos videogames totalmente desnecessário. Os gráficos eram lindos e a jogabilidade era perfeita, com muita ação e cenários destrutíveis. Black jamais teve uma sequência direta, mas conseguiu marcar o coração de muitos jogadores. É realmente improvável que uma sequência surja, então só nos resta revogar este clássico e exaltar toda a sua qualidade.

 

Kingdoms of Amalur: Reckoning

Para a nossa última posição podíamos citar Rock Band, Dragon’s Age ou Mirror’s Edge, mas resolvemos sair do senso comum (não que esses jogos não mereça), então resolvemos dar espaço para um jogo até bem desconhecido chamado Kindoms of Amalur: Reckoning, que surgiu graças a uma parceria com a Big Huge. O título é um RPG de ação com mundo aberto onde o jogador deve destruir monstros, feiticeiros e demônios para avançar. O título segue um caminho semelhante ao Fable, da Microsoft, ou seja, você faz algumas escolhas e pode seguir um caminho mais sombrio.

O grande macete aqui mesmo é o combate baseado na ação, ainda que simplificado, pois o jogador se diverte muito e disposto a conquistar os diversos poderes disponibilizados. Uma pena não ter ganhado sequência e reconhecimento do público, pois este aqui foi um dos melhores jogos de RPG da geração Xbox 360 e PS3.

Black Dragons disputará Campeonato Brasileiro de Counter-Strike com line-up feminina

A Black Dragons resolveu inovar neste ano: a equipe anunciou há pouco que disputará o Campeonato Brasileiro de Counter-Strike com uma line-up composta exclusivamente por mulheres. Esta será a primeira vez que isso será realizado. A equipe mesclará jogadoras veteranas e novas apostas da organização. Esta será a única equipe feminina da competição, que começará no dia 25 de Julho ao vivo da GameXP, no Rio de Janeiro, mostrando o pioneirismo da equipe tão adorada..

O Campeonato Brasileiro de Counter-Strike reunirá oito das melhores equipes brasileiras em busca da prize pool total que chega a R$ 800 mil por ano. Além da Black Dragons, já estão confirmadas as equipes Evidence eSports, INTZ eSports, Redemption, SkullZ Gaming (antiga Pro Gaming) e as restantes serão anunciadas na semana que vem.

Desenvolvido em modelo de franquia, o Campeonato Brasileiro de Counter-Strike terá jogos em lan todas as quintas e sextas-feiras, direto do estúdio em São Paulo. Os jogos serão transmitidos ao vivo pelos Canais SporTV e demais plataformas de Streaming. A expectativa é que as meninas da Black Dragons mostrem sua força e façam bonito durante a competição.

CBLoL – Iniciada a venda do segundo lote de ingressos para a Final do Campeonato Brasileiro

Ainda não conseguiu comprar seu ingresso para a final do Campeonato Brasileiro de League of Legends 2019 (CBLoL)? Não entre em pânico! Já iniciou a venda do segundo lote de ingressos através do site da Ticket360. A decisão será realizada no dia 7 de setembro na Jeunesse Arena, no Rio de  Janeiro – RJ. Quem tiver interesse tem que se preparar, pois a fila virtual começa às 6h.

São quatro tipos de ingressos:

  • Cadeira de Quadra – R$ 100 (inteira)
  • Cadeira Especial – R$ 100 (inteira)
  • Nível 1 – R$ 100 (inteira)
  • Nível 3 – R$ 80 (inteira)

*Meia-entrada válida de acordo com a legislação do Rio de Janeiro

Para mais informações acesse o LoL ESPORTS BR, site oficial da competição.

Serviço – Campeonato Brasileiro de League of Legends 2019 – Segunda Etapa (CBLoL)

Data: 07 de Setembro

Local: Jeunesse Arena

Endereço: Av. Embaixador Abelardo Bueno, 3401, Barra da Tijuca – Rio de Janeiro/RJ

Abertura dos portões: 9h

Início da transmissão: 12h.

Action VR – Loja especializada em jogos de realidade virtual é inaugurada no Minas Shopping

Mais uma empresa decidiu investir pesado na realidade virtual e decidiu abrir uma loja para quem quer passar algum tempo conhecendo novos mundos. A Action VR acaba de chegar ao Minas Shopping, localizado em Belo Horizonte, a capital mineira. Inaugurado neste mês, o estabelecimento oferece jogos de realidade virtual e diversos produtos colecionáveis dos universos geek e nerd. O objetivo é atrair fãs de jogos eletrônicos que buscam novas opções de lazer nos shoppings.

O Action VR conta com quatro estações de entretenimento virtual, variando entre jogos de corrida, ritmo musical e experiências lúdicas. Ao todo o empreendimento conta com 12 jogos para todas as idades, prometendo alto realismo e adrenalina para proporcionar experiências únicas. Os valores são R$ 20 por 15 minutos; R$ 30 por 30 minutos; ou R$ 50 por 1 hora.

Além disso, na loja, os clientes também encontram produtos variados, como canecas, copos, pop funkos, almofadas com kit pipoca, quadros decorativos e chaveiros. Toda a linha tem estampas com personagens de Harry Potter, Disney, Game Of Thrones, heróis da Marvel e da DC, além de séries, animes e filmes como La Casa de Papel, Naruto e Star Wars. Os preços são a partir de R$ 29,90.

“A cidade de Belo Horizonte é carente em relação a esse tipo de produto. Esperamos atender o público do Minas Shopping e atrair os frequentadores apaixonados por games de realidade virtual e por todo esse universo. Durante a inauguração fizemos uma ação de cosplay com o Homem Aranha, que está em cartaz no cinema, e atraímos muita gente para a nossa loja”, conta.

Fatec SCS Game Jam – inscrições já estão abertas para desafio de produção de jogos

Após sediar a Global Game Jam por nove anos consecutivos, a Fatec de São Caetano do Sul irá sediar mais uma game jam que promete revelar grandes talentos e grandes jogos em breve. Entre os dias 26, 27 e 28 de julho a instituição será a casa da Fatec SCS Game Jam. As inscrições já estão abertas e entre os diferenciais confirmados estão a mentoria de Flávia Gasi, Gabriela Valentin Thobias, Lia Fuziy e Vinícius Yokomizo Pires.

Todos eles estarão no evento em momentos diversos para compartilhar conhecimentos e experiências com os participantes. O tema ainda não foi revelado, seguindo o padrão das game jams, em que os participantes são desafiados a criar jogos em poucas horas. De acordo com os organizadores, a jam será exclusivamente presencial e os participantes terão direitos totais sobre os jogos produzidos.

O objetivo é fortalecer o desenvolvimento de jogos nacionais e fortalecer a amizade entre os produtores locais. A Fatec SCS Game Jam tem inscrição gratuita e quem participar terá bastante liberdade, inclusive podendo levar seu próprio hardware e software para o evento. Com isso, o participante terá a oportunidade de desempenhar seu trabalho com liberdade e comodidade. As únicas imposições são quanto a comportamentos agressivos e consumo de álcool, conforme já é de praxe.

Se você quiser saber mais e se inscrever na Fatec SCS Game Jam, basta acessar o site.

 

Confira abaixo a programação, que será atualizada até o início da game jam:

 

26/07/2019 (sexta-feira)

  • 18h – Abertura da Fatec SCS Game Jam com a revelação do tema.
  • 19h15 – Aquecimento das equipes e início dos trabalhos.

27/07/2019 (sábado)

  • 14h – Prazo para registro das equipes no site da game jam.

28/07/2019 (domingo)

  • 17h – Término do período de desenvolvimento.
  • 17h30 – Sessão de apresentação dos jogos.
  • 19h – Encerramento da Fatec SCS Game Jam 2019.

 

Serviço – Fatec SCS Game Jam 2019

Quando: 26/07/2019 – 28/07/2019 – 18:00 – 19:00

Onde: Fatec São Caetano do Sul Antonio Russo – São Caetano do Sul – São Paulo – Brasil

Quanto: gratuito

National Free Fire Association (NFA) anuncia lançamento da Liga Feminina NFA

As garotas gamers acabam de ganhar mais força: a National Free Fire Association (NFA), uma associação brasileira de Free Fire, iniciou o lançamento da Liga Feminina NFA. De acordo com a associação, o objetivo da nova liga é levar maior competitividade e oferecer um ambiente confortável para as jogadoras, a competição acontecerá entre as doze equipes associadas da liga entre os dias 13 e 31 de Julho com transmissão ao vivo pelas redes sociais da NFA.

A Liga Feminina NFA teve lançamento no último sábado (13) às 19h e irá continuar hoje (14). Todos os jogos acontecerão no horário nobre da NFA, sendo aos sábados e domingos, das 19h às 22h. Com séries melhor-de-cinco, as doze equipes associadas da NFA irão disputar a premiação de R$ 1.000,00. Para quem não conhece, a NFA é inspirada no modelo de franquia da NBA e NFL

“O objetivo da NFA com a Liga Feminina é estimular cada vez mais que as mulheres entrem no cenário competitivo.”, comentou Bernardo Assad, CEO da NFA. “A primeira temporada premiação de R$ 1.000,00 e já estudando as possibilidades para aumentar a premiação para as próximas temporadas que estão por vir. Queremos que a Liga Feminina seja um produto recorrente da NFA”, completou.

Você pode acompanhar as novidades da NFA através do canal oficial.

Mega Drive: quem lembra deste console clássico?

Se você é uma pessoa que nasceu na década de 1990, com certeza já teve ou pelo menos ouviu falar do Mega Drive. É um console de vídeo game de 16 bits da Sega que fez muito sucesso entre as crianças e adolescentes, além de ser o maior rival do Super Nintendo.

Um dos jogos que se destacaram como os mais populares na época, era o Sonic The Hedgehog, a aventura de um veloz ouriço azul para salvar os animais de seu planeta conquistou o coração da garotada, se tornando um dos principais personagens dos games.

Para despertar o sentimento de nostalgia, a Tec Toy lançou em 2017 uma versão limitada do console para comemorar 30 anos de parceria com a Sega contendo 22 jogos, entre eles Sonic The Hedgehog 2, Alex Kidd in the Enchanted Castle e Sega Soccer. Por isso, a equipe da telefone vivo, desenvolveu um infográfico contendo mais detalhes sobre essa novidade. Conta pra gente o que achou!

Mega Drive
Mega Drive

Harry Potter Wizards Unite: “podiam ter esperado mais”

Recentemente a Niantic (Pokémon Go) lançou o jogo Harry Potter: Wizards Unite, que utiliza a mesma tecnologia de realidade aumentada do game dos monstros de bolso e alcançou enorme sucesso entre os fãs do mundo bruxo. Entretanto, nem todos estão convencidos do potencial do game mobile. De acordo com Fernando Rodrigues de Oliveira, diretor de arte digital, o Fernando 3D, um dos principais nomes no universo do design gráfico digital no Brasil, acredita que o título ficou devendo em alguns aspectos.

Após testar o game por um mês, o profissional fez uma análise do desempenho do game e pontuou alguns aspectos que poderiam ser melhorados (ou melhor pensados) para tornar o game ainda mais bem sucedido. Abaixo você confere algumas críticas sobre Harry Potter: Wizards Unite:  e fez uma análise do jogo ao longo deste 1 mês, testando o novo produto em diversos quesitos:

Adesão ao jogo

A primeira CRÍTICA É EM Relação a pouca adesão do game por parte dos jogadores. O desenvolvedor faz uma comparação com o desempenho dos primeiros dias de Harry Potter e Pokémon, visto que as duas franquias são fenômenos de público e audiência.

“Pode dizer-se que este novo jogo da Niantic é um sucesso, embora em relação a adesão inicial esteja ainda longe dos números alcançados pelo Pokémon GO na sua estreia. O jogo alcançou nos Estados Unidos 400 mil downloads nas primeiras 24 horas, já o Pokémon GO atingiu no mesmo período 7,5 milhões de downloads. A razão disso pode ter uma explicação simples: a comunidade do Pokémon é muito maior. Embora Harry Potter seja uma saga de sucesso mundial, Pokémon enquanto franquia é não apenas mais extenso como sempre teve maior foco em jogos.

Marketing

O especialista também aponta falhas no marketing: “Na minha visão, o jogo “Harry Potter: Wizards Unite” faltou um marketing mais preciso. Enquanto Pokemon GO atacou por tudo quanto é lado no marketing, o “Harry Potter: Wizards Unite” teve poucas menções, tendo como público alvo mais os fãs dessa saga e menos o público em geral.

Visual e gráficos

A tecnologia de renderização com a realidade aumentada ainda não é 100% natural. Ao contrário do Pokémon GO, estamos lidando com fisionomias humanas e não de “animais imaginários” como são os Pokemons, em que já se espera que pareçam não naturais. Mas mesmo assim, os animais ‘imaginários’ de Pokémon não fazem você mergulhar no jogo e comprar totalmente a ideia da realidade aumentada, não te dá a sensação de estar dentro do jogo de fato.

Os gráficos de Harry Potter: Wizards Unite estão bem acabados, seja para as artes dos personagens que aparecem no diálogo e que já são conhecidos do público, ou para os modelos 3D que surgem durante as missões. No entanto, isso também é dependente de ter um aparelho que suporte as especificações máximas do jogo.

Jogabilidade

“O jogo tem personalidade própria e é bem fiel ao conteúdo original dos livros e filmes já lançados do bruxo, mas a jogabilidade deu o que falar, pois deixou a desejar. Uma certa complicação na interação com as batalhas e também decepcionou muita gente. O jogo é bem lento para abrir, e até certos ponto isso é influenciado pela velocidade da conexão à internet até em país com a internet de primeiro mundo. Imagina aqui no Brasil…

A Niantic procurou ir além do Pokemon GO e fazer muito mais. Em Harry Potter Wizards Unite você não interage apenas no mapa, enquanto captura criaturas e luta contra bruxos das trevas, também há muitas outras atividades a se fazer no menu. O jogo já vem com suporte a lista de amigos, perfil completo para personalizar, inclusive com foto e filtro que pode ser aplicado em sua imagem. Há missões, coleções de adesivos, entre outros elementos interativos que te permitem ir além de apenas andar pelo mapa usando o GPS do jogo e a interatividade da realidade aumentada, mas repito, deixou a desejar porque nem sempre essas interações do usuário com o jogo são fluidas”.

As magias são feitas com toques na tela e gestos com o próprio celular, que fazem com que seus poderes de bruxos sejam ativados. Nem todas as funções estão disponíveis no lançamento.

Avaliação final de Harry Potter Wizards Unite 

Fernando 3D acredita que o jogo ainda tem muitos pontos a melhorar para ser excelente e que o lançamento apressado pode ter prejudicado a jogabilidade:

“Poderiam esperar mais um pouco para o lançamento e melhorar alguns pontos cruciais para um jogo. Do jeito que está, ele não tem tanto apelo ao usuário a ponto de o tornar viciante, e nem muito menos se sentir integrado com a realidade aumentada”.

“A Niantic poderia ter revisto a questão da jogabilidade e do ‘peso’ do jogo, que carrega lento muitas vezes. Quiseram trazer pra “realidade” o mundo do Harry Potter, mas o mundo de Harry Potter e a sua história teve que ser explicado em 8 filmes. Agora imagina explicar todo aquele mundo em apenas um jogo só e tudo de uma vez? Complicado. Logo é um jogo mais voltado para fãs do bruxo e que estão familiarizados com o universo de Harry Potter do que o público em geral, o que explica uma adesão inicial muito menor”, conclui.

Tapps Games abre vaga para game designer

Eis a chance de trabalhar em um dos maiores estúdios de jogos da América Latina: a Tapps Mobile Games está com vaga aberta para Game Designer Pleno em São Paulo para auxiliar na produção de jogos já existentes e em jogos novos. De acordo com a empresa, o novo profissional será responsável por projetar, balancear, documentar sistemas e mecânicas de level design para diversos jogos mobile.

A Tapps Mobile Games já conta com 5 anos de história e é totalmente dedicada a jogos mobile, já tendo lançado mais de 400 títulos e a marca de 600 milhões de downloads em cerca de 180 países. Os novos profissionais poderão contar com um ambiente de trabalho bem sofisticado e colegas de trabalho experientes.

De acordo com o anúncio da vaga, a Tapps procura profissionais capacitados a projetar e documentar sistemas de progressão, economia, monetização e mecânicas de jogos mobile de alto impacto para os jogadores e para a Tapps; Projetar e criar levels para jogos mobile casuais; Mapear oportunidades de sistemas de Live Ops para alavancar engajamento de curto e longo prazo; Criar e integrar conteúdo nos jogos; Analisar dados e métricas de desempenho dos jogos, trazendo propostas de oportunidades a serem atacadas; Testar funcionalidades do jogo e reportar bugs; etc.

Para participar do processo seletivo é necessário possuir formação superior, boas noções de economia e monetização em jogos freemium mobile e estar familiarizado com os conceitos psicológicos de motivação e didática.

Tapps Games

Importante:

  • Paixão por trabalhar em equipe e de liderar o esforço de criar um senso de ownership de toda o time em relação ao game design do jogo;
  • Entender a importância da boa documentação de decisões de projeto e de funcionalidades técnicas;
  • Postura de ownership em relação aos jogos e está sempre em busca de oportunidades para melhorar sua experiências e jogabilidades;
  • Forte capacidade de criar experiências engajantes através de sistemas, regras, desafios e recompensas;
  • Ótimas habilidades de comunicação e escrita em inglês;
  • Boas pinceladas de conhecimento de produto e metodologia design thinking;
  • Facilidade em mediar conflitos em um ambiente altamente criativo;
  • Conhecimento técnico em Unity é um grande plus!

Benefícios

  • VR, VT, plano de saúde e muito amor;
  • Participação nos lucros e resultados;
  • Horário flexível;
  • Escritório próximo ao metrô;
  • Liberdade para propor novas atividades, processos e metodologias;
  • Ambiente (e dress-code) descontraído;
  • Os melhores happy-hours da sua vida.

Games Independentes, Jogos Nacionais, Produção de Games e muito mais.